História Ninfomaníaco - Naruto Uzumaki - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Akamaru, Asuma Sarutobi, Chouji Akimichi, Deidara, Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hidan, Hinata Hyuuga, Indra Otsutsuki, Ino Yamanaka, Iruka Umino, Itachi Uchiha, Jiraiya, Juugo, Kabuto, Kakashi Hatake, Kakuzu, Kankuro, Karin, Kiba Inuzuka, Killer Bee, Kimimaru, Konan, Konohamaru, Kushina Uzumaki, Maito Gai, Menma Uzumaki, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Mito Uzumaki, Nagato, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Obito Uchiha (Tobi), Orochimaru, Pain, Rin Nohara, Rock Lee, Sai, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shino Aburame, Shisui Uchiha, Shizune, Suigetsu Hozuki, TenTen Mitsashi, Tobirama Senju, Toneri Otsutsuki, Tsunade Senju, Yahiko, Yugito Nii, Yuukimaru, Zabuza Momochi, Zetsu
Tags Kakanaru, Kibanaru, Naganaru, Narukiba, Naruneji, Narusasu, Nejinaru, Ninfomania, Ninfomaníaco, Rocknaru, Sasunaru
Visualizações 787
Palavras 4.010
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Vocês gostaram muito do capítulo anterior, então eu decidi fazer a continuação um pouco antes.
(Olha que fofa essa foto do perfil).

Capítulo 2 - O diretor


Fanfic / Fanfiction Ninfomaníaco - Naruto Uzumaki - Capítulo 2 - O diretor

- Olá, Kakashi. – Disse com a voz mais calma do mundo. Sorri para ele e então fui até uma cadeira que ficava em frente a sua grande mesa de madeira decorada a mão. Sentei na cadeira e o olhei. – Não sabia que você era diretor de alguma escola. 

- Não apenas diretor como dono desta escola. Era de meu avô, e depois passou para o meu pai, Sakumo Hatake, e agora é minha. Esta escola está no nome dos Hatake a décadas. – Sorriu e então se aconchegou em sua cadeira. 

Não sabia que os Hatake eram tão ricos assim. Mas, é claro, que eles são bem inferiores a mim. Não tenho com o que me preocupar.  – Pensei comigo mesmo. 

- Entendo. Bem, me disseram que eu tenho que pegar um uniforme para entrar na sala.

Quando falei isso eu lembrei de uma coisinha. Um detalhe quase passado em branco então eu disse: 

- Perai, Kakashi, eu lembrei que um garoto ruivo do 8 ano estava sem uniforme da escola. E por que se ele pode, eu não posso ficar também?

Olhei ele bem nos olhos e então eu pensei:

A não ser que... Essa desculpa de uniforme seja apenas uma desculpa para algo a mais. 

Lancei um olhar de marfioso para ele. Sorri e então eu logo falei: 

- Ei, essa história de uniforme é apenas um pretexto para que eu venha aqui na sua sala. – Vi o mesmo corar completamente. Sorri e então continuei a falar: – É isso o que eu estou pensando, Kakashi? 

- Já vi que não tem como eu negar. – E balançou a cabeça se dando por vencido. – Você é bem esperto, Uzumaki. E sim, isso foi um pretexto para que você viesse ao meu encontro. Sabe naquele dia na sorveteria? A sua mãe nos atrapalhou, certo? 

- Sim. – Apenas concordei. 

- Quando eu saí do banheiro eu não consegui mais parar de pensar em você. Eu voltei para casa então eu, me aliviei pensando em você. O seu corpo, a sua boca, me marcaram totalmente. E desde ontem, eu não consigo mais te tirar do meu pensamento. 

- Mas porquê ao certo você me chamou aqui? Você me disse que não consegue parar de pensar em mim mas... – Fui interrompido. 

- Deixe de ser babaca, ora bolas. Parece que você não é tão esperto assim. – Me aproximei mais do mesmo para assim poder ouvir ele melhor o que o grisalho queria dizer.
Mesmo já sabendo que ele queria apenas sexo, eu queria ouvir da sua própria boca o mesmo pedir. Ou, melhor, implorar por meu lindo e macio corpo.

Eu quero foder com você, Naruto. Não importa se você é criança ou não. 

- Oh, vemos aqui o grande e todo poderoso Kakashi Hatake querendo foder com um garotinho inocente. – Sorri para ele. Me acomodei na cadeira e então eu sorri para ele novamente. 

- Deixe de ser tolo. Eu sei muito bem que você não é nada inocente. Mas, onde a gente pode fazer isso?

- Bem, eu não sei. Com certeza aqui não dá. Qualquer pessoa pode entrar aqui a qualquer hora. E eu estou todo dolorido pra transar no chão. 

- Dolorido por quê? – Desviei o olhar e comecei a soar frio. O mesmo riu da minha cara.

- Ontem a gente mudou de casa, ue. Eu, eu estou cansado de ajudar a minha mãe. 

- Tá, eu sei que isso é mentira. A sua mãe é rica demais para precisar que você a ajude em algo. Deve ter trabalhado um monte de carregadores... – Fez uma pausa e me olhou bem de perto. – Perai, você fez sexo com um carregador contratado por sua mãe?

Me afasto bem rápido pra trás. Fico completamente tímido e corado até o último fio de cabelo. Caio da cadeira e então eu grito:  

- O que?! Deixa de ser idiota! E-Eu nunca faria isso! – Gaguejei um pouco e então o olhei nos olhos, para minha surpresa o mesmo riu. 

- Naruto, isso é totalmente a sua cara. E outra, o jeito que você ficou foi a peça final para eu acreditar nesta ideia. Mas, sabe, eu não estou nem aí se você fodeu ontem ou não, se foi com um amigo ou não, se está em um relacionamento ou não. A gente pode apenas ter um relacionamento de sexo. Não somos dois amantes fudendo, mas sim dois amigos transando por diversão. 

- E o que eu ganho com isso? – Sorri para mesmo, que logo começou falar novamente: 

- Naruto, você me decepcionando cada vez mais. Você sabe o que ganha. Sexo em dobro. Imagina só: você está em casa e marca de transar com o seu amante. Você está com muita vontade de foder com ele, mas, ele não pode vir. Você não quer de masturbar, então é aí que eu entro. – Disse rodando na sua cadeira. 

- Okay, eu aceito isso. Mas, neste joguinho de sexo, não é permitido amor. Como você disse: apenas dois amigos fudendo por diversão. Não é permitido ciúme algum. Mas também, nada de chantagem com o outro. Nada de se achar só porquê está transando com alguém. Nada de ser mandão. Tudo bem assim? 

- Okay. Então, a gente pode ir pra algum lugar? 

- Para fazer o que? 

- Para transar, UE. – Revirou os olhos e bufou. 

- Ah sim, podemos ir a hora que quiser. Mas, não acha melhor a gente fazer isso depois da aula? É que sabe, hoje é o meu primeiro dia nessa escola. Eu não quero que minha mãe descubra que eu faltei no primeiro dia. 

Senti uma pulsação em meu pênis. E o mesmo começou a doer novamente. Doer de tão, ereto. Isso o que Kakashi faz comigo. Sabe, ficar perto de um lindo desse não é fácil. Quanto mais se controlar para não chupar o pau dele sendo que o mesmo quer isso a todo custo. Palmas para mim, sou um verdadeiro guerreiro. 

- Você tem toda a razão do mundo, e me desculpe por ser egoísta. – Riu. – Mas antes de ir pra sala que tal se você desse um jeitinho nisso. – E levantou da cadeira. Fiquei abismado.

Meu Kami-sama do céu. QUE VOLUME É ESSE NA CALÇA DESSE HOMEM?

E fiquei ali boquiaberto olhando aquilo que mais parecia ser uma mangueira de bombeiros dentro da sua calça. Olhei para os olhos dele e fiquei corado. O mesmo, no entanto, ficou bem a vontade. Deu um sorriso safado e então pegou no volume o Apertando em um gesto obsceno. 

- O que foi, o seu amante não tem isso não? Ou, o dele é pequeno? – Soltou o mesmo e foi pra porta e trancou-a. Veio até mim e então eu falei:

- Agora, olhando de pertinho eu percebi que parece ser do mesmo tamanho. – Que mentira que eu contei. 

Kakashi, parabéns, você é um verdade jumento da vida real. Digo isso porquê a sua piroca é muito grande, cara. 

Olhei para ele e o mesmo então falou: 

- Tem certeza? 

- Claro que eu tenho certeza. O Madara tem um pirocão também, UE. – Calei a boca rapidamente. Olhei para Kakashi que ficou boquiaberto. – Que foi? Conhece ele? 

- Não acredito que você transou com o herdeiro das empresas Sharingan e Mangekyou Sharingan. Meu Deus, ele estava na sua casa ajudando a sua mãe com malas?

- Sim, UE. Mas, se ele é rico por que ele estava trabalhando?

- Não sei. Mas parabéns: você é uma pessoa muito sagaz para conseguir dar pra aquele homem. Eu soube que é muito hétero, mas, parece que é muito hipócrita também, não assume que come homem. – E riu.
Fiquei o olhando e então eu disse: 

- Boboca. Vai querer o boquete ou não vai querer? 

- É claro que eu vou querer, né. – Desceu a calça até o Joelho. Vi aquilo na minha frente e então senti mais vontade ainda de dar pra esse maldito grisalho sexy. 

Olhei para ele e então o mesmo sorriu.

Baixou a cueca. 

E dali saltou aquele pênis. Aquele lindo, maldito, sexy e delicioso pênis. Hm, maldito. Agora, mais do que antes, eu estou com vontade de dar para ele. 

Mas com um bom boquete, e uma boa punheta, eu ficarei satisfeito. E se isso não ocorrer, haja Madara na causa.

E aí, aguenta ou não? 

- Claro que sim.

Estava tremendo, não muito, nem pouco. Não estava com medo, apenas nervoso. Era minha primeira vez com o Kakashi, mas, porquê será que com o Madara não foi assim? E se foi, eu não lembro, e com certeza não fiquei tão nervoso. 

Parabéns, Kakashi, você meche comigo. 
É, eu sei. Antes, era o Madara que mechia comigo. Agora já é o Kakashi? Ponto negativo de ser ninfomaníaco. 

Kakashi pegou a minha mão e a levou até a base do seu membro. Corei e então optei para não o olhar no rosto. O mesmo então perguntou:

- Você sabe como fazer isso? Digo, boquete? 

- Sim, eu sei fazer. O problema é que eu estou um pouco nervoso. – Apertei de leve o pênis pulsante. 

- Não precisa ficar nervoso. O que a gente fizer ou não, fica por aqui mesmo. Entendeu? 

- É, acho que sim. – Disse meio inseguro. Levei a minha cabeça até a sua glande. E então, a chupei de leves. 

O mesmo deu um grito de dor tão alto que eu fiquei surpreso. Soltei o seu membro na mesma hora e então levantei. Disse nervoso: 

- Você e-esta ficando louco? Vai que alguém ouviu esse grito que você deu. 

- Bebê, essas paredes são revestidas com espuma, então, nem que estejam com os ouvidos grudados na parede, os outros vão conseguir ouvir o que tem aqui dentro. 

- Sendo assim. – Ajoelhei e então joguei minha vergonha lá pra puta que pariu ela.  

Comecei novamente a chupar aquele pênis que praticamente implorava por atenção. 

- Ah! – Kakashi deu um grito de prazer alto. Sorri e o mesmo ficou envergonhado.

Continuei a chupar o seu membro. De quando em quando fazia uma garganta profunda, e colocava maior parte do membro na boca. 

- Uh! Ah! – Gemeu bem sexy. 

Desci a boca para as suas bolas e fiquei as chupando uma por uma.

- Ah! – Mais gritos dá parte de Kakashi. 

Não é que eu esteja querendo me gabar, mas eu faço um boquete maravilhoso. Como eu sei disso? Madara falou. E eu mesmo já fiz em mim.

Ei, garotos, vocês já tentaram chupar o próprio pau? Pois eu sim, e já consegui. Agradeço a Deus por ter uma flexibilidade tão boa para conseguir me dobrar que nem uma folha de papel. 

E quando eu fiz o boquete em mim mesmo, eu amei. Sério mesmo.

Ah, foi ótimo sentir a sensação de chupar um pênis, e ter um pênis chupado. Mano, eu amei mesmo. 

Enquanto o mesmo batia seu pênis já minha cara sem parar, e enquanto eu estava chupando duas bolas, tirei a minha calça com as duas mãos e a joguei longe com um pouco de dificuldade. 

Em seguida tirei a cueca. Foi bem mais fácil que tirar a calça. Sorri para ele e então comecei a me masturbar calmamente. 

Subi a cabeça para seu membro novamente o chupando e marcando bem. Fui até a glande novamente. A chupei um pouco forte. Ouvi um gemido, só não sei se foi de dor ou prazer. 

Olhei para ele e então dei aquele sorriso safado e maroto.

(N/A: Maroto? Que?)

- Ah! – Gemeu mais uma vez. 

Fiz uma gargalhada profunda. Coloquei todo aquele enorme tudo de carne em minha boca e comecei a engasgar. 

Comecei a me masturbar mais rápido percebendo que o orgasmo não estava longe. Tirei o seu membro de minha boca e então Kakashi começou a masturbar o mesmo em minha frente. Abri a boca deixando a língua de fora. E então. 

Ele gozou na minha cara.

E em questão se segundos rápidos, um jato de um líquido grosso e branco, em grande quantidade saltou da pequena abertura daquele grande pênis. Como um vulcão entrando em erupção. 

Cara, velho, ele gozou muito. Ri como  meu pensamento e então. Eu também gozei. Fiquei ali olhando o meu novo amante. 

- Caralho, Kakashi, você gozou na minha cara. O meu rosto tá todo cheio de porra. – Disse levantando e limpando sêmen do meu pênis. Logo subi a calça e então perguntei: 

- Onde é que tem um banheiro, ou algo assim para que eu possa me lavar? – Limpei porra dos olhos. 

- Ali. – Disse apontando com o dedo para uma porta. Fui seguindo até a mesma e a abri. 

Dei de cara com um lindo enorme banheiro. Não um banheiro simples de escola, mas um banheiro enorme e de mansão. Entrei no mesmo fechando a porta e indo para uma enorme pia, de frente para um espelho maior que eu. 

Liguei a torneira, e então lavei as mãos. Você que é punheteiro sabe como tirar o sêmen das mãos é difícil. Não adianta negar. Você que é menino ou é, ou já foi punheteiro.

E também tem algumas meninas bem safadas que podem ter feito isso. 

Bem, eu me lembro bem quando eu "descobri" a masturbação, ou punheta, como queria chamar. 

Se quiserem saber como eu descobri isso, é só continuar lendo. 

Isso não é da conta de vocês. Mas com certeza vão continuar lendo, alguns por medo de perderem algo importante da história, outros por curiosidade e o restante talvez vai ler só por ler mesmo.

Eu tinha 10 anos. Eu sempre fui um garoto muito "avançado" para a minha idade. Eu era o que tinha o maior pênis no 5° ano. O que começou a se masturbar mais cedo (enquanto os outros ficavam só na vontade), eu sempre tive uma bunda bem grande e empinada...  

Pois bem, voltando ao assunto da masturbação. Eu estava em casa com o meu celular mexendo nele como sempre. Então, eu fui ver um vídeo porno no Google. Apenas porquê estava sem nada para fazer mesmo. 

Eu pesquisei de um homem fudendo uma mulher. Eu vi e não senti nada. Então, eu pesquisei um homem comendo outro homem. Meu pênis ficou ereto no mesmo momento em que eu vi dois caras fudendo. 

A tesão subiu muito. Então, eu pressionei minha mão contra o volume no calção. Fiquei pressionando e tirando até que então, veio o orgasmo.

O primeiro orgasmo. 

Todo mundo sabe que o orgasmo é uma das melhores sensações do mundo, se não a melhor, não é mesmo? Imagina o primeiro orgasmo, a gente fica então viciado. Comigo não foi diferente. 

Voltando a onde eu estava...

Limpei minha mão tirando todo o vestígio de sêmen que havia ali. Limpei em seguida o meu rosto, foi mais fácil. Peguei uma toalha de rosto e enxuguei o mesmo e as mãos. 

Saí do banheiro e vi Kakashi já coloca do o seu cinto. Olhou para mim e sorriu. Então, começou a falar: 

- Quem diria, o filho de Kushina, Naruto Uzumaki, é o melhor boqueteiro de Tokyo. – Sorriu para mim.

Quem diria, essa frase já estava se tornando frequente aos meus ouvidos. Antes, o que soava quase como uma ofensa, agora, saia como música. 

Fui até o mesmo e então eu disse:

- Me encontra depois? – Disse o beijando e senti ele apertar a minha bunda. Dei uma risada nasal e o olhei.

- Quando eu puder te encontrar de novo eu te ligo, okay?

- Tudo bem. Agora, da para me dar o uniforme pelo qual eu vim pegar? – Disse já saindo de perto dele. Ficando a alguns centímetros de distância.

- Okay, eu pego sim. – E foi andando até a mesa, abriu uma gaveta até então secreta para mim. Pegou de lá uma blusa e uma calça.

Entregou o uniforme para mim e então eu disse:

- Não tem problema de eu me trocar aqui não, né? – Disse já na intenção de provoca-lo. Sorri para o mesmo ao ver a sua cara confusa.

- C-Claro não. Pode se trocar.

Tirei a blusa calmamente. Olhei para baixo e então tirei a calça. Virei e o olhei pelo ombro.

- Se vira, por favor, eu não gosto que fique me olhando assim. – Apontei para o volume que já começava a crescer.

- Desculpe, é, que a sua bunda é bem grande.

Me virei e então vesti a blusa calmamente. Em seguida, também vesti a calça. Sentei em uma cadeira e olhei para o mesmo. Vi que Kakashi estava com um tênis das mãos.

Ele então me entregou e eu acenei com a cabeça em sinal de obrigado. Vesti os mesmos.

[...]

Já estava voltando para a sala quando passei por bebedouro e tomei um pouco de água. Vi um menino com aparência familiar, sei que eu já o vi.

- Ah sim, o menino que pegou a minha bolsa. – Digo e o mesmo me olha corado. Sorrio para o mesmo.

- O-Oi.

- Olá, tudo bem? – Digo me aproximando mais dele.

- T-Tudo s-sim!

- Bem, eu me chamo Naruto Uzumaki, e você?

- Gaara... – Disse em quase um sussurro.

Percebendo que o mesmo estava muito nervoso (provavelmente por causa da minha grande beleza) saio dali, mas antes eu digo:

- Foi um prazer te conhecer, Gaara, depois a gente se vê, na sala né. – Sai dali.

[...]

Cheguei na sala e então bati na porta três vezes. Entrei na mesma e o professor então disse:

- O que você estava fazendo em, mocinho?

- Ah, o diretor Kakashi estava preenchendo uns papéis sobre a minha transferência. Você sabe né, coisa demorada e chata. – Disse já indo para a cadeira onde minha bolsa estava.

- Hm, entendo.

Sentei na cadeira e então olhei para uma garota que estava ao meu lado.

A mesma parecia bem feliz e eu sorri para ela. Garota gentil.

[...]

Já estava saindo do colégio quando ouvi alguém gritar meu nome.

- Naruto! – Uma voz feminina. Me virei e era a garota que eu sentei ao lado. Ao chegar bem perto de mim a mesma então falou: – Oi, você deve não me conhecer, talvez não sabe nem meu nome, então, eu vou me apresentar: eu me chamo Sakura Haruno, eu tenho 14 anos.

- Sakura, hã? – Sorri.

- Sim, eu acho que você parece ser bem legal.

- Ah, você também parece ser bem legal. Eu me chamo Naruto e eu tenho 13 anos. Em breve vou fazer 14, em breve.

A mesma sorriu para mim e então começou novamente a falar:

- A minha casa é de frente a sua, que tal se a gente fosse junto?

- Ah, desculpa, mas o meu motorista vem me buscar hoje. Mas amanhã a gente pode ir e vir junto, que tal?

- Okay.

Vi o carro de mamãe chegando. Fui correndo até o mesmo e então abri a porta e vi Madara novamente. Sorri para ele e o mesmo ficou bem sério.

- O que foi? – Disse confuso.

Será que o mesmo soube de algo comigo e com o Kakashi? Não é possível.

- Quem era aquela puta?

- Ah, a Sakura Haruno? 

- Ah, já sabe até o nome dela? Desculpa, eu não sabia, okay. 

- Perai, você acha que eu gosto dela ou algo assim? 

- Não, eu só acho que ela estava bem animada pro meu gosto. – E virou e olhou para o vidro. – Eu não quero que você fique com gracinhas com essas raparigas desse colégio. E muito menos com os pau pequeno daqui. Sou ciumento mesmo e com razão. 

- Não precisa ter ciúme, eu sou só seu UE. 

- Como eu posso fazer se isso que você está falando é verdade mesmo? Eu quero provas que você me ama e que eu sou importante na sua vida. 

- Que tal se eu provar isso com sexo? – Falei e o mesmo se virou e sorriu com uma cara safada para mim. Ri da cara dele e fiquei um pouco corado.

- Mas e a sua mãe?

- Deve estar na casa do meu tio. 

Madara acelerou o carro o máximo possível. Ri da ansiedade dele para fazer sexo. 

[...]

Como eu cheguei em casa, mamãe estava na casa do meu tio como eu já pensava. Entrei e fui correndo para o meu quarto. Tirei o uniforme ficando apenas de cueca. Joguei a minha bolsa no chão. 

Fui deitar na cama e então ouvi o som da porta sendo trancada. E em seguida passos que vinham direto para o meu quarto.  

A porta se abriu e vi Madara ali. 

- Vou pegar um lubrificante tudo bem?
- Okay, vai rápido. 

O mesmo saiu e então eu fiquei deitado na cama apenas o esperando. 

[...]

Ouvi o mesmo chegar no quarto já com aquele pênis completamente duro e pulsando. Sorri para ele e então o mesmo veio até a cama e falou então:

- Hoje infelizmente não tem boquete, sua mãe vai chegar mais cedo e é melhor a gente não se arriscar de deixar o sexo para outro dia, não é? – Disse já introduzindo a glande no meu ânus.

- Ah! – Gritei de dor.

Senti uma lágrima quente passar pelo rosto. Passeando pelo meu rosto inocentemente, fruto de algo mais um tanto, incorreto.

- Ah! – Mais um grito de dor.

Esqueçi como dar o cu dói. Dói muito.

- Ah! – E enfim Madara colocou tudo dentro de mim.

- Geme meu nome, puta. – Disse Madara puxando o meu cabelo.

Fiz o que ele mandou: gemi o seu nome.

- Ah, Madara! Madara!

Aquilo o deixou louco de prazer. Começou a se mover dentro de mim o que fez mais lágrimas escorrerem por meus olhos.

- Ah! Que dor! – Gemi.

Ele esperou um pouco até que enfim eu rebolei o bumbum um pouco devagar, sinalizando de que ele podia fazer movimentos um pouco rápido.

E assim ele fez: começou a se mover dentro de mim. Me perfurando com vontade.
Mais algumas algumas lágrimas bobas correram pelo o meu rosto. E até que então, depois de umas quatro ou cinco perfuradas o tão esperado prazer veio a se misturar com a dor.

E os movimentos se aceleraram. E a precisão também aumentou. E até que, a dor sumiu, e agora, só o prazer.

- Ah! – Gemeu Madara. E em seguida disse: – Geme o meu nome, vadia Uzumaki!

- Ah! Madara! Mais forte!

E assim o mesmo fez como eu pedi: os movimentos se tornaram tão rápidos e tão fortes, que a cama rangia sem parar e se chocava contra a parede.

Madara do nada tirou o seu pênis de dentro de mim.

- Levanta.

- Madara, por... – Fui interrompido.

- Levanta.

Saí de cima da cama e então fiquei em pé no lado da mesma. Madara deitou e me mandou ficar em cima dele.

Fiz isso e então ele introduziu novamente o pênis dentro de mim calmamente.

Ele pegou no meu quadril e o levantou um pouco. Começou então a fazer os movimentos de penetração.

E em seguida o prazer veio novamente. Madara apertando a minha bunda com audácia, e eu apenas gemendo e aproveitando o máximo daquilo tudo. Estava me sentindo um Deus dando o cu pra outro Deus.

- Ah! – Gemi.

Madara beijou minha boca, em um beijo intenso e desesperado. Eu apenas aproveitando tudo e sempre gemendo.

- Eu acho que eu vou gozar... – Disse eu, e então, eu gozei em cima dele.

A partir daí os movimentos ficaram mais rápidos e bem mais fortes. Dava pra perceber que o mesmo não estava tão longe do orgasmo. Comecei a gemer pra dar mais tesão para ele.

E então, e gozou. E parou exausto.

Deitei do lado dele como antes. Coloquei a minha cabeça em seu peito e então fiquei de olhos abertos. Não podia dormir, não queria dormir. 

- Madara... – Sussurrei.

E aquilo foi mais forte que eu. Não consegui permanecer de olhos abertos, já não queria mais permanecer assim. E até que...

Eu cai em um sono profundo, foi mais forte que eu, mas será que, por causa de minha fraqueza eu iria me complicar?


Notas Finais


Gostaram? Em breve eu vou corrigir todos os erros, mas por enquanto é isso. Comentem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...