História Ninguém diz não a Sirius Black - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Lílian Evans, Lucius Malfoy, Minerva Mcgonagall, Narcissa Black Malfoy, Pedro Pettigrew, Regulus Black, Remo Lupin, Severo Snape, Sirius Black, Tiago Potter
Tags Drama, Jily, Romance, Severusxsirius, Yaoi
Visualizações 202
Palavras 4.882
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Hentai, Magia, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpem a demora. Tive alguns problemas e acabei esquecendo de atualizar a fic.
Não posso prometer que as postagens serão próximas, mas vou tentar fazer elas mais rápido, ok?
Obrigada a todos que estão lendo, favoritaram e comentaram!
Espero que gostem!

E só para avisar eu acabei de postar uma nova Fic em que o casal principal também é o Sirius e o Sev e o tema é eles Lendo Harry Potter as Relíquias da Morte pra quem se interessar link nas notas finais.

Capítulo 3 - Vencedores merecem recompensas


Ninguém diz não a Sirius Black

Capítulo 3 – Vencedores merecem recompensas

 

- Você vai me dizer o que aconteceu ou eu preciso usar Legilimens? – Regulus perguntou curioso.

  Ele estava sentado na cama de Severus lendo um livro quando o mesmo chegou ao quarto, mas agora o encarava insistentemente.

- Eu não vou dizer porque não aconteceu nada – Severus respondeu inquieto.

  Após a conversa com Black Severus havia voltado a seu quarto em busca de um pouco de paz para o seu dia, mas como sempre isso não aconteceu. Regulus estava ali como de costume, depois das aulas eles sempre se encontravam para estudar ou conversa, mas quando viu a expressão perturbada no rosto de Severus que sempre costuma ser uma máscara neutra e sem emoções ele se preocupou com o amigo.

  Severus não queria conversar agora, principalmente com Regulus, o irmão mais novo do ser que era a causa do seu atual estado de perturbação. Soltando um suspiro exasperado ele retirou a capa do uniforme a jogando em qualquer canto.

- Nada é – Regulus falou com uma sobrancelha erguida encarando a capa jogada no chão, o único objeto fora do lugar em um dormitório onde tudo sempre é devidamente arrumado e organizado – Pois não parece.

  Severus encarou a capa também e dando de ombros voltou a retirar a roupa, primeiro os sapatos também os jogando em qualquer lugar enquanto afrouxava a gravata.

- Só foi a aula de poções – Resolveu revelar um pouco da verdade para saciar a curiosidade de Regulus e, talvez, poder descansar um pouco antes do jantar – O professor Slughorn resolveu trocar as duplas e ele que escolheu as novas.

- Assim do nada? – Perguntou sem entender.

- Para você ver – Severus respondeu se jogando na cama sem se preocupar com Regulus que estava sentado na ponta e quase caiu resmungando algo sobre sua falta de modos.

  Regulus o encarou, a capa, meias e sapatos jogados no chão enquanto seu amigo estava deitado na cama de olhos fechados e com uma expressão calma, que ele sabia que era uma fachada. E era exatamente isso que ele não entendia, porque ele estava tão incomodado com uma troca de lugares.

  Claro tinha a questão Lily, mas Regulus duvidava que Severus ficaria nesse estado, pelo menos demonstrando, porque não iria mais fazer dupla com a Evans. Tudo bem que quando ela decidiu não ser mais amiga do Sev, coisa que deixou Regulus muito feliz mais não agradou tanto seu amigo, ele ficou um pouco deprimido, mas isso já era história passada e superada.

  Espero, pensou.

  Regulus se virou na cama e encarou o rosto pacifico de Severus que fingia tentar dormir.

- E então quem é sua dupla – Perguntou e viu o maxilar dele contrair levemente, bingo.

- Como – Respondeu sem abrir os olhos.

  Regulus sorriu e se inclinou sobre ele

- Quem é sua dupla – Falou lentamente.

  Severus abriu os olhos quando sentiu a respiração de Regulus em seu rosto e não se surpreendeu quando o encontrou inclinado sobre si. Ele não resistiu e retribuiu o sorriso do amigo, por mais que fosse da sonserina e um Black Regulus era o melhor amigo que uma pessoa poderia querer, ele sempre sabia como agir e falar as coisas, era compreensível, inteligente e nunca passava dos limites quando via que o assunto era desconfortante.

- É da grifinória – Falou fazendo uma careta ao se lembrar da cara de Black sorrindo e que teriam que passar mais tempo junto com as aulas extras.

  Regulus também fez uma careta ao ouvir isso, ninguém merecia ter que aguentar alguém da grifinória por uma aula toda como dupla até o fim do ano, mas ele continuava sorrindo.

- Bem contanto que não seja um dos marotos – Diz tentando animar o amigo o que não deu certo já que a carranca de Severus somente aumentou – Por Merlin é um deles?

  Severus somente concordou com a cabeça.

- O que o professor Slughorn tinha na cabeça – Regulus endireitou a postura fazendo uma expressão de horrorizado que em outra situação faria com que Severus risse do amigo – Ele só pode estar louco ou enfeitiçado.

- Foi o que eu disse – Concordou Severus.

- Qual deles – Perguntou pensando que se fosse Lupin não seria tão ruim já que ele parecia ser o único com quem Severus tinha uma relação civilizada.

- Black.

  Severus falou e Regulus não entendeu porque ele estava o chamando pelo sobrenome.

- O que? – Perguntou.

- Não você – Falou azedo – O seu irmão.

  Demorou um pouco para Regulus entender.

- Nãooooo – Falou sem acreditar.

- Siiiiim – Respondeu com sarcasmo.

  Regulus não sabia se ria ou chorava pelo amigo, a combinação foi uma careta enquanto ele tentava segurar o riso.

- Não ouse rir Reg – Severus falou cansado de mais até mesmo para ficar com raiva.

- Eu não faria – Respondeu com uma leve risada – Isso é horrível Sev.

- Claro que é eu vou ter que passar o ano inteiro fazendo dupla com o bastardo do seu irmão – Severus virou para o lado e voltou a fechar os olhos – E o cretino fingi nem ao menos se importar.

- Ele não reclamou? – Perguntou.

- Nem mesmo fez uma careta de descontentamento.

  Franzindo o cenho Regulus se levantou e com um feitiço recolheu as peças jogadas no chão as guardando em seus devidos lugar.

- Você acha que ele está planejando alguma coisa – Dando de ombros Severus não respondeu.

  Percebendo que o amigo queria dormir Regulus foi para a porta.

- Espero você no jantar – Falou antes de abrir a porta e sair.

  Quando Regulus saiu ele se ajeitou melhor na cama ficando de barriga para cima, estava cansado depois do dia que teve, mas mesmo assim não conseguia pregar os olhos e dormir, toda vez que os fechava via Black na sua frente com um sorriso arrogante e olhar convencido, como se fosse a melhor coisa já criada.

  Severus bufou. De bom ele não tinha nada, só era mais um garoto mimado e metido, que se achava melhor do que os outros por ter dinheiro, status, uma família importante, sangue-puro e, claro, ser bonito. Não que em sua opinião Black fosse bonito, ou sequer atraente, ele só possuía um rosto harmonioso e um corpo atraente, com maças acentuadas, boca cheia e convidativa, ombros lagos e fortes, pele lisa e homogênea, um físico sarado que ele adorava exibir por aí quando tirava a camisa após um jogo, o cabelo brilhoso e olhos que carregavam tanta confiança com um brilho malicioso que nunca os deixavam.

  Não com toda a certeza Black não era atraente.

  Girando novamente na cama Severus se encolheu olhando ao redor, o quarto estava vazio, como sempre naquele horário, nenhum de seus colegas de dormitório costumavam passar a tarde trancafiados no quarto todos eles preferiam se divertir no tempo livre que tinham, o máximo que faziam era se reunir no salão comunal da sonserina para conversar e quase nunca subiam aos dormitórios, e como o jogo de quadribol hoje era sonserina contra grifinória praticamente todos os alunos de ambas as casas estavam no campo de quadribol se preparando para assistir ao jogo.

  Torcendo imensamente e com todas as forças que possuía no momento contra a vitória da grifinória, não só porque queria que sua casa fosse vitoriosa nesse jogo, mas também porque não queria ouvir Black se gabando de mais uma vitória da casa dos leões, Severus se virou para o outro lado fechou as cortinas com um feitiço e se forçou a dormir.

 

 

- E então? – James perguntou assim que Sirius atravessou a porta do quarto.

- E então o que pontas – Respondeu Sirius.

  James estava deitado em sua cama com as mãos atrás da cabeça sem fazer nada, Remus também estava em sua cama mais ao contrário do primeiro lia um livro e enquanto isso Peter se empanturrava de doces da Dedos de Mel.

- Como foi a conversa – Perguntou se sentando com um sorriso não disfarçando seu interesse.

- Foi boa – Respondeu almofadinhas tirando a capa – Se você desconsiderar o fato dele ter me azarado com a Levicorpus no final.

- Seria incrível se ele não tivesse te azarado – Remus disse sem desviar o olhar de seu livro.

  James riu alto.

- Se isso tivesse acontecido aí sim que almofadinhas iria se gabar – Falou tentando controlar as risadas – Falando que é tão maravilhoso que nem Snape resistiu.

- E eu sou – Sirius diz tirando a camisa e se jogando em sua cama – Ele só não admitiu ainda.

- Meu caro almofadinhas eu acho que irei ganhar essa aposta se os seus encontros com Snape sempre terminarem em azarações – Provoca James – Se ele concordar em te encontrar é claro.

- Meu caro pontas sinto em lhe decepcionar, mas o meu encontro hoje com Severus não foi nem um pouco desperdiçado – Respondeu com um sorriso – Na verdade foi bem proveitoso.

- Como assim – James perguntou erguendo uma sobrancelha – Você não está se iludindo almofadinhas.

- Bem só pelo fato dele ter chamado Snape pelo primeiro nome eu acho que houve sim progresso – Remus finalmente desviou seu olhar do livro o fechando e encarando Sirius – O que aconteceu almofadinhas?

- Bem digamos que a partir de amanhã eu terei aulas particulares com Severus de poções – Respondeu com um sorriso malicioso.

 James começou a rir mais ainda enquanto Remus tinha um olhar desconfiado até mesmo Peter parou de comer e encarou Sirius.

- E como você conseguiu isso – Remus perguntou. O Snape que eles conheciam com toda certeza não daria aulas extras para Sirius de boa vontade.

- Talvez ele tenha azarado o Ranhoso? – Peter falou pela primeira vez, sua boca cheia de comida o que fez com que Remus fizesse uma careta, mas ele não comentou nada sobre isso. Já havia desistido.

- Vo-você, você enfeitiçou o Ranhoso, almofadinhas? – James tentava controlar a risada, mas isso parecia impossível no momento.

  Sirius fez uma careta.

- Qual a graça pontas – Perguntou erguendo uma sobrancelha. James o olhou e voltou a rir.

  Depois de alguns minutos finalmente pontas conseguiu responder.

- Como se você precisasse enfeitiça-lo – Falou com um sorriso malicioso, e vendo as expressões confusas de Sirius, Peter e Remus completou – Você é Sirius Black, não é?

  Sirius ainda o olhou desconfiado por um segundo, mas depois deu de ombros e sorriu.

- Você tem razão – Disse e afundou o rosto contra o travesseiro.

  Peter deu de ombros como se não se importasse com a resposta e voltou a comer. Já Remus continuou a encarar James penetrantemente, desconfiado de que ele escondia algo, pontas o encarou com um sorriso amarelo e levantou da cama.

  Desculpe Remus, mas você vai ficar sem saber por enquanto, pensou.

  Pontas começou a se arrumar e colocar as roupas de quadribol se preparando para o jogo que começaria em duas horas, como ele era o capitão do time tinha que chegar cedo e esperar os outros jogadores para passarem as estratégias de jogo e se prepararem.

  Após está pronto James encarou o outro lado do quarto onde almofadinhas continuava deitado com o rosto enterrado no travesseiro como se não tivesse nada importante para fazer pelo resto do dia. Pontas se aproximou lentamente de Sirius, sem fazer barulho, se abaixou pegando um dos livros jogados no chão, se levantou.

- Plaft! – Sirius levantou de sobre salto com a mão na cabeça e uma expressão de confusão e dor no rosto.

- PORRA o que foi isso? – Gritou.

   Remus estava rindo discretamente de seu lugar e Peter se engasgava com a comida enquanto soltava uma gargalhada. James girava o livro no dedo enquanto encarava almofadinhas com um sorriso maroto.

- Vamos almofadinhas o jogo é daqui a pouco – Falou jogando o livro no chão.

- Merda James – Sirius escarou James com raiva enquanto esfregava o local dolorido – Essa doeu.

- Isso é para você aprender a ser mais responsável – James caminhou até a porta – Não se atrase.

- Olha quem fala – Respondeu voltando a se jogar na cama – Só vou falar com o Aluado e já vou.

  James concordou e saiu.

- Falar comigo? – Remus perguntou o olhando com uma sobrancelha erguida. Sirius concordou e encarou Peter.

- Rabicho tem pudim de chocolate lá na cozinha.

- Que? – Peter respondeu, parando sua escolha sobre qual seria o próximo doce que comeria e encarando Sirius.

- Na cozinha? Pudim de chocolate – Falou sugestivamente, mas como sempre rabicho não entendeu – Vamos Rabicho levanta sua bunda gorda da cama e sai do quarto que eu quero falar com o Remus.

- Sirius – Remus exclamou repreendedor para seu amigo.

- Qual é aluado eu tentei ser legar, mas o Rabicho é lerdo – Peter se levantou da cama e estava saindo do quarto de cabeça baixa.

  Sirius nem deu bola para ele, mas quando encarou Remus e ele possuía um olhar irritado para si, almofadinhas suspirou e chamou Peter.

- Ei Rabicho! Foi mal, ok? – Sirius falou com um sorriso de canto – Mas o negócio do pudim é sério.

  Rabicho concordou com a cabeça e saiu do quarto sem falar nada.

  Sirius se virou lentamente para aluado, em seu rosto uma expressão de pura inocência e um olhar de cachorro que caiu da mudança que faria qualquer pessoa dar a ele o que pedisse, mas Remus Lupin não era qualquer pessoa, muito menos se enquadrava no meio daqueles que caiam aos pés de almofadinhas seja por sua beleza, dinheiro, família ou talento. Abaixando o livro que lia e o fechando Remus olhou para o amigo com uma expressão neutra que deixava bem claro que se Sirius queria algo de si não adiantaria fazer cara de coitadinho ou alguma coisa parecida, pois o mesmo não cairia em algo deste tipo.

  Bufando pela clara insensibilidade de seu Sirius se aproximou dele.

- Eu preciso da sua ajuda – Foi direto ao ponto.

- Para o que exatamente – Aluado perguntou confuso.

- Só quero uma informação - Falou dando um de seus melhores sorrisos e usando todo o charme que os deuses o abençoaram.

  Remus ficou lhe encarando por cerca de um minuto com as sobrancelhas erguidas, o que causou certa tensão em Sirius mesmo antes de falar o que realmente queria, antes de responder.

- Sabe eu não possuo talento para a adivinhação Sirius então ao menos que você diga sobre o que é eu não poderei ajuda-lo.

- É sobre o Ranhoso... Digo Snape – Almofadinhas tinha um sorriso amarelo no rosto.

- Nem pensar – Remus falou se virando e reabrindo o livro – Eu não quero me envolver nesta aposta ridícula.

- Ah vamos aluado – Sirius falou suplicante – Você não vai fazer nada só precisar me responder uma coisa.

  Remus o encarou por alguns segundos novamente.

- E o que seria – Perguntou.

  Sirius parou um segundo e considerou todas as hipóteses possíveis, dependendo da maneira que fizesse a pergunta ele tinha certeza que Remus negaria a ajuda que tanto precisava neste momento. Ele não podia dizer nada que desse a entender que iria usar a informação para causar mau em Snape, claro que para aluado era isso que ele faria então ele já estava preparado para se recusar a responder Sirius.

  Tudo bem, Remus sempre pensa no melhor das pessoas e se eu o fizer pensar que realmente quero fazer as pazes com o ranhoso ele vai me ajudar, pensou almofadinhas segurando um sorriso.

  Suspirando fundo e fazendo sua melhor expressão de quem não tem segundas intenções começou a falar.

- Eu preciso que você me fale do que o Severus gosta – Falou e viu quando a sobrancelha de Remus se levantou.

- Para que – Respondeu serio – Para que você possa usar como uma vantagem na sua aposta idiota, me desculpa Sirius mais a minha resposta é não?

- Por favor Aluado – Disse suplicante se sentando ao lado de Remus – Eu não quero saber por causa da aposta, acredite – Falou quando Remus fez uma careta – Eu sei que fui um idiota com ele nos últimos anos e reconheço que errei, mas ele também foi e você sabe disso, a única coisa que eu quero agora é que possamos parar de tentar nos matar a cada vez que nos encontramos – Sirius ficou surpreso com suas palavras, elas sairão tão naturalmente, ele não sabia que era tão bom ator assim – Eu não sou idiota, pode parecer mais não sou, sei que é quase impossível que nos tornemos amigos, mas se com isso pelo menos pudéssemos conviver civilizadamente eu ia ficar feliz.

  Remus encarou Sirius por alguns segundos pesando as suas palavras e considerando se acreditaria nelas ou não, mais em uma coisa Aluado tinha que dar credito a Sirius se ele estivesse mentindo não aparentava. Tinha verdade em seu olhar e um brilho que Remus nunca tinha visto.

- E quanto a aposta? – Perguntou ainda desconfiado.

- Eu vou continuar com ela, mais só para poder me aproximar dele sem que ninguém fique falando que eu quero ser amigo do ranhoso – Vendo o franzir de testa de Remus se apressou em continuar – Qual é Aluado você sabe o quanto está situação é difícil.

  Remus concordou com a cabeça ele sabia que se fosse verdade, o que uma parte dele estava começando a querer acreditar, isso seria difícil para Sirius, quase impossível, para almofadinhas seria ruim assumir até mesmo para ele que havia sido injusto e até mesmo cruel a vezes com Severus quanto mais admitir para outras pessoas.

- Tudo bem – Falou o que causou um suspiro de alivio em Sirius – Mais mesmo querendo te ajudar Sirius não vejo como já que não sou tão próximo dele para poder dizer o que ele gosta, seria melhor se você perguntasse a Lilly.

  Sirius fez uma careta com esse pensamento ele não queria uma ruiva curiosa e irritada atrás de si para saber quais eram a suas intenções com o Sev.

- Os dois são nerds é claro que você sabe do que ele gosta – Sirius falou dando de ombros.

  Remus fez uma careta para essa frase.

- Só porque gostamos de estudar e não ficamos chamando atenção por aí não quer dizer que gostamos das mesmas coisas – Respondeu irritado.

- Vamos Aluado por favor – Falou fazendo uma expressão de cachorro que caiu da mudança Remus suspirou e começou a falar.

- Bem só posso te dizer o obvio mais talvez te ajude – Disse o que fez Sirius abrir um sorriso gigantesco – Ele gosta de poções, Artes das trevas – Almofadinhas fez uma careta – Você não pode negar isso Sirius pois todo mundo sabe que ele gosta, além é claro que ele adora ler.

  Disso Sirius sabia disso pois havia visto Severus lendo diversas vezes durante os anos escolares, sempre tão concentrado como se o mundo ao seu redor deixasse de existir e ele fosse engolido pelas palavras impressas no livro; não que ele prestasse atenção nele era só porque era obvio.

- Remus me ajuda vai eu preciso de algo mais especifico – Aluado encarou Sirius tentando se lembrar de algo que ajudasse seu amigo até que uma coisa lê veio à cabeça.

- Ele gosta de uma autora trouxa, muito mesmo, eu o vi lendo um livro dela e perguntei o que era – Falou ficando com um sorriso – Ele disse que era o seu livro favorito, se não me engano o nome era Orgulho... Ahn orgulho e... Merda eu não me lembro.

- Vamos Aluado faça um esforço – Sirius disse ansioso.

- Orgulho e... Orgulho e Preceito, não – Falou baixinho se concentrando – Orgulho e Preconceito é isso – Falou com um grande sorriso – Orgulho e preconceito esse é o nome.

- Isso Aluado – Sirius deu um abraço apertado em Remus enquanto sorria grandemente – Você é um gênio.

  Remus corou com o elogio mais também tinha um sorriso nos lábios por causa da alegria do amigo, parecia que Sirius estava falando sério quando disse que queria se aproximar mais de Severus.

- Bom agora eu tenho que ir antes que o James resolva me matar por ter demorado – Falou alegre se levantando, mas antes de sair pela porta ele parou e encarou Remus – Mais uma coisa Aluado.

  Remus o encarou com uma sobrancelha erguida.

- O livro era muito grande?

- Imenso – Respondeu e começou a rir com a cara de desespero que Sirius fez – Estou brincando almofadinhas ele era, médio, por assim dizer – Então encarou Sirius mais seriamente – Você não pretende ler o livro ou pretende almofadinhas.

- Te vejo no jogo Aluado – Falou e então saiu do quarto.

  Remus encarou a porta por mais alguns segundos, sem acreditar no que tinha ouvido, antes de desviar o olhar para o livro que antes estava lendo. Realmente pensou Sirius estava falando mais sério do que imaginei.

 

  Severus acordou um pouco antes do jantar e quando saiu da sala comunal da sonserina e se dirigiu para o salão principal, qual não foi seu desapontamento quando percebeu os alunos da grifinória comemorando pelos corredores do castelo a vitória de sua casa. Soltando um suspiro cansado ele considerou seguir em frente sem ligar para as piadinhas dos tão corajosos leões, mas quando virou o corredor e viu um grupo da grifinória parados no fim do mesmo se gabando de como haviam esmagado as cobras e zoando qualquer sonserino que ousasse passar por ali Severus deu meia volta decidido que não estava em um estado emocional adequado para isso.

  Provavelmente azararia os idiotas se ficasse ali para ouvir mais alguma coisa. Talvez eu passe na cozinha antes de ir para o dormitório, pensou virando outro corredor e se afastando de qualquer ser vivo no castelo agradecendo mentalmente que era a hora da janta e todos estariam no salão principal se deliciando com a refeição que mais uma vez ele perderia.

  Seus pés o guiando através dos corredores tão conhecidos, sua mente desconcentrada enquanto divagava sobre como seria seu dia amanhã e a aula que teria que dar para Black. Provavelmente um desastre ocorreria e os dois sairiam do local sob azarações e maldições lançadas um sobre o outro, um sorriso apareceu em seu rosto com este pensamento, se o professor considerou que Black precisava de aulas extras era porque ele era pior do que tinha imaginado, e Severus havia considerado que ele era bom em tudo, adoraria mandar nele e dar broncas no idiota quando ele fizesse algo errado.

- Pensamentos felizes – Uma voz falou na sua frente.

  Levantando o olhar Severus esperou que seus ouvidos estivessem enganados e que a pessoa que tivesse reconhecido como dono daquela voz rouca e forte fosse outra pessoa, mas seus olhos se encontraram com os cinzas tão conhecidos que o encaravam com uma intensidade tão grande que o fez perde a respiração por um segundo.

- O que – Perguntou atordoado.

- Seu sorriso – Falou calmamente com um sorriso discreto – Não é comum velo sorrindo.

- Para você com certeza não – Respondeu voltando a andar e passando por Sirius que se encontrava encostado a parede.

  Não deu nem mesmo dois passos após passar por Black quando sentiu seu braço sendo segurado.

- O que você quer Black – Perguntou se virando para o mesmo e percebendo que ele se encontrava somente a alguns centímetros de si.

  A respiração quente de Sirius se encontrando com a sua enquanto ambos se encaravam se recusando a recuar perante o outro e seus olhos presos um no outro, cinza contra preto, a intensidade queimando o espaço entre eles como se nada mais existisse.

- Você sabe que a grifinória ganhou o jogo de hoje não sabe – Falou ignorando deliberadamente sua pergunta, um sorriso nascendo em seu rosto enquanto falava baixo e lentamente saboreando cada palavra.

  Severus não sabia porque não se afastava, era como se tudo em Sirius o desafiasse a se afastar para mostrar o quanto isso havia se tornado impossível naquele momento, nem mesmo a gravidade parecia o ajudar pois havia uma força maior que o empurrava em direção a almofadinhas como se ele fosse a própria gravidade. Devo estar enfeitiçado, pensou.

- Claro que sei Black seus amigos estão por todo lado comemorando que nem idiotas como se tivessem ganhado a final – Respondeu com deboche.

- Uma vitória em cima da sonserina é como ganhar o campeonato de quadribol Severus – Sua voz parecia veludo suave enquanto dizia seu nome o que o deixou extremamente irritado.

- Eu perguntei o que você quer Black e disse para não me chamar assim – Sua irritação o fez dar um passo para trás e com isso se tornou consciente que a mão de Sirius ainda permanecia em seu braço o pressionando levemente – Você poderia me soltar por favor Black para que eu possa ir para o meu dormitório.

  O sorriso de Sirius aumentou enquanto ele se aproximou mais um pouco de Severus quase anulando o espaço entre eles, o que fez o mesmo abaixar a cabeça para esconder o rubor em suas bochechas.

- Eu ainda não disse o que quero – Falou ficando sério.

  Severus soltou um suspiro desistindo de brigar ele realmente não estava no clima para isso hoje.

- Então fale logo – Respondeu voltando a levantar a cabeça e sendo engolido pelos olhos cinzas de Sirius que havia abaixado seu rosto o deixando a menos de cinco centímetros do de Severus.

- Vencedores merecem recompensas – Sem conseguir racionar direito por causa da distância e do hálito quente com cheiro de menta de Sirius que bateu contra seu rosto Severus só entendeu as palavras de almofadinhas quando era tarde demais.

  Os lábios de Sirius, grossos e macios, foram pressionados contra os seus, finos e ressecados, mas Sirius não pareceu se incomodar com esse fato pois continuou a fazê-lo e começou a move-los lentamente sobre os seus. Severus não sabia o que fazer, sua mente que já estava lenta agora parecia se derreter em combustão espontânea e não existir mais.

  Quando abriu a boca para reclamar sentiu a língua de Sirius deslizar para dentro da sua sem seu consentimento, o seu braço que Black segurava foi puxado para cima e colocado ao redor do pescoço do mesmo. Sirius o empurrou contra a parede e pressionou sua cintura contra a sua enquanto passava a sua outra mão pela costa de Severus a deslizando até sua cintura e a apertando o que o fez soltar um leve gemido inconscientemente e pressionar sua mão contra os fios macios de Sirius que deu um leve sorriso entre o beijo antes de aprofunda-lo mais ainda pressionando seus corpos e sentindo quando Severus começou a responder puxando seus cabelos.

  Severus se sentia sendo pressionado contra a parede por Black, uma de suas mãos no braço do outro enquanto a outra se prendia cada vez mais em seus fios, sua cintura sendo fortemente apertada enquanto Black deslizava sua outra mão por sua coxa puxando sua perna um pouco para cima e descia os beijos molhados para o seu pescoço.

  Estou louco, pensou dando outro gemido quando sentiu uma mordida forte em seu pescoço.

- Eu sempre quis fazer isso – Sirius sussurrou – Ver sua pele extremamente branca ficando vermelha com minhas mordidas – E deu uma lambida em cima do local que ainda queimava levemente.

  Severus não conseguiu entender o que Sirius queria dizer, sua mente só se concentrava na boca hábil dele que se movia por seu pescoço. Mas mesmo assim seu cérebro repetiu a frase em sua cabeça a guardando, sempre quis.

  A mão de Sirius deslizou para dentro de sua capa e levantou sua camisa enquanto começava a alisar sua barriga. Isso o pegou de surpresa e o fez acorda para o que estava acontecendo.

- Black – Falou fracamente sua mão saindo do cabelo do outro enquanto tentava recuperar sua compostura e normalizar a respiração – Para.

  Sirius havia decido os beijos até sua clavícula e não pareceu se importa com suas palavras.

- Porque está tão bom – Respondeu rouco com os lábios encostados em sua pele o fazendo estremecer e quase se esquecer sobre o que estavam falando.

- Não – Falou firme – Não está.

  Sirius travou na hora seu olhar encontrando o de Severus com irritação e.... dor? Parecia que aquela resposta o havia machucado de alguma maneira. Provavelmente o seu orgulho, pensou colocando as mãos em seu ombro para o afastar mais Sirius não permitiu isso.

- Qual é a sua Snape – Falou com raiva – Vai dizer que não estava gostando.

- Não, não estava – Falou o mais convincente possível o que só pareceu aumentar a raiva de Sirius.

- Não estava é – Sussurrou em seu ouvido pressionando mais seus corpos juntos e deslizando sua mão pela lateral do corpo de Severus que se segurou para não demostra o quanto aquilo o afetava – Então porque você gemeu no meu ouvido e se arrepio para mim em Snape?

  Severus prendeu a respiração o hálito quente de Sirius batendo contra o seu pescoço.

- Ou talvez o problema seja que esse é o seu primeiro beijo não é Snape quer dizer quem iria querer te beijar – Sirius falou maldoso sem conseguir se controlar – Me diga Ranhoso você já havia ficado com alguém antes.

  Aquelas palavras perfuraram Severus como facas, ele forçou seu maxilar se recusando a demostra na frente de Black qualquer emoção perante aquelas palavras e o empurrou com toda a força que tinha fazendo Sirius se afastar bruscamente.

- Vai a merda Black – Falou com ódio e nojo se afastando o mais rápido que pode de Sirius.


Notas Finais


Espero que tenham gostado!
Postarei o proximo mais rápido prometo.

https://www.spiritfanfiction.com/historia/lendo-harry-potter-e-as-reliquias-da-morte-12855566


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...