1. Spirit Fanfics >
  2. Ninguém gosta de você >
  3. Ninguém gosta de brigas

História Ninguém gosta de você - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


oi!

Se alguém quiser fazer capas para essa fanfic pra mim eu agradeço, tô com piguiça e essas estão feias!

Capítulo 3 - Ninguém gosta de brigas


Joochan brincava de desbloquear o celular toda vez que ele escurecia a tela enquanto ouvia os amigos discutindo alguma coisa que ele não estava interessado. Já fazia algumas horas que havia recebido a última mensagem de Sungyoon. Depois das fotos que trocaram naquele dia, passaram a jogar conversa fora por mensagem. Joochan era perito em puxar assunto e quando ficava um vácuo entre as conversas, ele sempre tinha um vídeo engraçado ou algum meme para mostrar. Descobriu que Sungyoon na verdade era um hyung, tinha se formado na escola quase dois anos e morava com um amigo. Nesses poucos dias, Joochan também descobriu que eles tinham muitas coisas em comum. Além do gosto musical, eles faziam aniversário no mesmo dia e tinham o mesmo tipo sanguíneo. Joochan ainda não sabia exatamente como interpretar essas coisas, mas era uma sensação boa poder conversar tão tranquilamente com alguém e saber que eram mais parecidos do que poderia imaginar. Na verdade, falar com Sungyoon era um novo detalhe importante de seus dias. Além de ser refrescante conversar com uma pessoa nova, Sungyoon o ajudava a se distrair do peso do péssimo clima dos ensaios. Ele já estava se acostumando a acordar com uma mensagem dele e ir dormir depois de mandá-lo um boa noite, e pior...

Estava ficando apegado.

Por isso estava meio entediado ali no intervalo, observando seu papel de parede do bob esponja  enquanto esperava o celular apagar novamente.

— Eu estou falando que você está errado e é teimoso, fala pare ele Joojjya! — Recebeu um tapinha no ombro e sentiu como se a bolha onde estava guardado tivesse estourado. Donghyun e Jibeom o encaravam expectantes, e Joochan não sabia exatamente o que responder. — Né?

— Qual era a pergunta? — Sorriu amarelo e perguntou, fazendo Donghyun suspirar e Jibeom soltar uma risada.

— Deixa para lá, você nem está prestando atenção. — O menor cruzou os braços, a carinha brava já marcando presença em seu rosto. Donghyun era fofo quando estava bravo, e Jibeom gostava de se aproveitar da situação para provocar ainda mais. Joochan só ficava observando, sabendo que sobraria para ele se interferisse. Era tipo briga de marido e mulher, mas no caso, entre seus dois melhores amigos.

— O que significa que você não vai poder colocar o Joochan contra mim dessa vez, boa tentativa. — Jibeom deu de ombros, sorrindo de canto. Joochan apenas alternou o olhar entre eles e bateu as mãos juntas, como se quisesse terminar aquele assunto ali.

— O que importa é que só faltam três tempos para acabar a aula e o Jibeom tem uma aula de reforço com o bonitinho, né? — Joochan brincou com as sobrancelhas e ouviu Donghyun soltar um suspiro demorado ao seu lado. — O Bong ainda não desistiu de tentar te ensinar inglês, Beomie?

— Ele disse que minha pronuncia é ruim e que eu devia focar em matemática primeiro. — Jibeom suspirou. — Mas, eu adoro ouvir ele falando inglês então fico insistindo.

— Você é sem vergonha, quem aguenta... — Donghyun resmungou.

Joochan soltou uma gargalhada e enquanto se recompunha, viu o garoto de quem falavam andar por entre as mesas como se procurasse um lugar para sentar. Sem pensar muito, se levantou e acenou, o chamando pelo nome.

— Bong Jaehyun! — Ele gritou, chamando atenção de algumas pessoas por perto. — Aqui!

— Não chama ele, seu idiota! — Jibeom reclamou. — Se eu gastar todo assunto agora não vou ter para depois.

— Você é patético. — Donghyun riu, e Joochan teve que concordar com a cabeça.

— Ah, cala a boca! — O outro retrucou, e enquanto isso, Joochan sorria para Jaehyun como se nada tivesse acontecido.

— Oi Jaehyun, você mandou bem na prova de física o professor até te elogiou. — Joochan puxou assunto, salvando Jibeom de ter que gastar suas falas ensaiadas para mais tarde.

Jaehyun sorria tímido enquanto sentava ao lado de Jibeom, encarando o colo e arrumando os óculos redondos a cada cinco segundos. Ele era um garoto transferido e era visível como ainda não se sentia totalmente confortável naquela escola. Joochan que o empurrou para ajudar Jibeom, sabendo que o amigo era engraçado e faria o garoto se sentir acolhido.

— Obrigado, mas eu preferia que ele não falasse em voz alta. — Jaehyun comentou, encolhendo os ombros e olhando para Joochan com doçura. O apelido dele entre eles era “bonitinho” porque ele era realmente adorável e já tinha uma certa fama entre os alunos do ano deles.

— Ah, que isso. Um cérebro como o seu tem que ser aclamado. — Jibeom disse, ignorando totalmente os olhares de Donghyun que o fuzilava do outro lado da mesa.

— Eu também não gostaria que ficassem falando das minhas notas pra turma toda. — Donghyun disse, mostrando um sorriso pequeno para Jaehyun. — Eu te entendo, Jaehyunie.

— Mas, eu ainda não entendi porque a minha resolução da questão sete está errada... — Jibeom tirou uma folha amassada do bolso do uniforme, que mais parecia dinheiro de bêbado do que uma prova de física.

— Ah, eu te explico... — Jaehyun se inclinou para frente e arrumou os óculos de novo, começando a explicar.

Joochan franziu as sobrancelhas e ficou apenas observando o assunto sobre a prova de física. Tinha acertado a questão então não precisava prestar atenção na explicação do garoto, focando seus olhos e ouvidos em outras coisas. Como por exemplo nos dois pares de olhos similares aos daquele emoji apaixonado que olhavam para Jaehyun com certo encanto. Joochan descansou a cabeça em uma das mãos e ficou ali analisando a situação que ele já tinha percebido fazia algum tempo, desde que Jaehyun se juntou a sua pequena rodinha de amigos. Ele sabia que Jibeom jogava nos dois times e tinha uma quedinha pelo garoto de óculos estilo Harry Potter, mas o brilho nos olhos do seu melhore amigo Donghyun era algo novo. Joochan descobriu por acaso que Jibeom também gostava de garotos, vendo uma foto meio duvidosa dele com um garoto do fundamental. Claro que pentelhou Jibeom para que ele se explicasse e os dois acabaram saindo do armário um para o outro. Mas, Donghyun...

Joochan não fazia ideia.

Desde que se conheceram na quinta série, Joochan nunca viu o outro demonstrar qualquer interesse fosse em garotas ou garotos, e ele nunca tocou no assunto também. Donghyun era mais um ouvinte de suas tagarelices sobre paqueras do que um participante na conversa. Era curioso ver ele assim tão enamorado de alguém, aquela era a primeira vez.

Seus olhos pararam em Jibeom, e Joochan começou a sentir um embrulho no estômago. Seria um problema ter seus dois melhores amigos gostando da mesma pessoa. Droga! Teria que lidar com aquilo mais cedo ou mais tarde, sendo responsável por sempre desempatar a briga dos dois, seria desastroso com o tímido e adorável Bong Jaehyun no meio do fogo cruzado.

Foi a vez de Joochan suspirar.

— Ah, agora eu entendi. — Jibeom jogou os braços para trás da cabeça e respirou fundo, sorrindo. — Você explica bem melhor que o professor.

— O Jibeom é um puxa saco, mas ele tem razão... — Donghyun sorriu. — Agora eu realmente entendi.

—B-Bom, eu tenho que ir. Preciso falar com um professor antes de voltar para a sala. — Jaehyun se levantou rapidinho, logo fugindo dos dois garotos que o observavam atentamente. Joochan sentia que ele parecia meio sobrecarregado e não era para menos. — Tchau gente. Vejo você depois, Jibeom.

Eles acenaram e Joochan riu ao ver os dois amigos acompanharem o garoto com os olhos até ele sumir da cantiga. Era mais sério do que ele pensava.

— Você é um fingido, sabia? — Jibeom levantou a voz e jogou a folha da prova em Donghyun.

E acabou a paz.

— Quê? Por quê? — Donghyun colocou a mão sobre o peito e seus olhos ficaram ainda menores, semicerrados. — Eu? Fingido?

— É, você nem errou tantas questões e ficou aí de mimimi para cima do Jaehyun pedindo para ele explicar.

— Gente, nem comecem. — Joochan levantou a mão, percebendo que aquilo não ia levar a nada. Donghyun o encarava com fogo nos olhos por ter interrompido a briga, mas Joochan já estava acostumado. — Vamos falar de coisas importantes, tipo, de mim.

Os dois rolaram os olhos juntos e Joochan riu, limpou a garganta e abriu a conversa com Sungyoon no celular. Queria mesmo era falar do triangulo amoroso que estava se formando ali, mas aquela não parecia uma boa hora, então passou para o próximo tópico que queria discutir com os amigos.

— Eu conheci um garoto e ele é muito legal, só que é uns três anos mais velho que eu. — Joochan abriu uma selfie de Sungyoon e mostrou para os amigos. — A gente está conversando faz uma semana já e eu queria chamar ele pra sair sabe, nada demais. — Ele deu de ombros, sorrindo para si mesmo ao rever a foto de Sungyoon. — Mas eu estou meio receoso, vai que eu não sei o que dizer para ele.

— Você sai com suas amigas mais velhas o tempo todo. — Donghyun disse, ainda olhando para a foto de Sungyoon. — Só toma cuidado, marca com ele num lugar que tenha várias pessoas. Nunca se sabe.

Joochan acenou com a cabeça e instintivamente encostou o indicador na cabeça, como geralmente fazia quando estava pensando em algo.

— Ele é bonito. — Jibeom disse, virando o celular para que pudesse ver melhor. — Mas você já superou a Soyoon assim tão rápido?

Joochan abriu a boca para responder, mas viu uma bola de papel voando e acertando o rosto de Jibeom. Donghyun emanava uma aura raivosa ao seu lado.

— Eu falei que não era para falar esse nome, porra! — Ele brigou, fuzilando o amigo com o olhar.

— Eu esqueci! — Jibeom tapou a boca com as mãos, e Joochan acenou com a sua, negando com a cabeça.

— Tá tudo bem. — Não estava nada bem, mas Joochan não queria entrar naquele assunto novamente. Só via a garota nos ensaios e era o suficiente para acabar com a sua semana todinha. Como ele seria capaz de superar alguém tendo que contracenar com ela toda segunda? — Sobre Sungyoon hyung, eu só quero sair para conversar, ainda não estou investindo nem nada... Eu acho. — Ele disse, soando confuso até para si mesmo. Precisava saber mais sobre Sungyoon antes de começar a pensar nisso. — Eu mal conheço nele, talvez seja uma nova amizade.

Jibeom o lançou um olhar incrédulo, já Donghyun, um preocupado.

— Não é melhor eu ir junto? Sei lá, qualquer coisa...

— Vai fazer o que? Chutar a canela dele? — Jibeom mostrou a língua.

— Vai se fude! — Donghyun retrucou.

— Não precisa, tá legal? Eu sei me cuidar e não vou ser precipitado.

Agora os dois o olharam como se ele tivesse dito que elefantes voassem com asas de borboleta todo ano para o sul para botar ovos.

— Nossa, valeu pelo voto de confiança... — Forçou a decepção na voz, mas não estava nem um pouco abalado. Estava acostumado a ser tratado como o bebê do grupo e não ajudava ter amigas mais velhas que fizessem o mesmo também. — Eu decidi que vou chamar ele para sair, obrigado, seus inúteis!

— De nada. — Jibeom acenou com a mão e cruzou os braços.

— Idiota. — Joochan ouviu Donghyun murmurar e sem olhar para ele, sabia que era direcionado a Jibeom de qualquer forma.

Pegou o celular e contou até três antes de começar a digitar. Não podia demorar muito senão era perigoso decidir desistir, mas também não podia mandar qualquer coisa. Lembrou do café onde se conheceram e teve uma ideia de como chamar o outro para sair.

 

Oi hyung!

Eu cansei da cafeteria que eu costumava ir.

O hyung tem alguma sugestão?

A gente podia sair tomar um café e comer doce, o que acha?

 

— Pronto, mandei.

Donghyun olhou para o celular e depois para Joochan, as sobrancelhas franzidas em descrença.

— É assim que você chama as pessoas para sair?

— Não gostou? — Perguntou, saindo da conversa e bloqueando o celular.

— Eu achei sutil, vou usar com o Jaehyun. — Jibeom sorriu malandro e segurou um celular imaginário, digitando no ar. — Oi Jaehyunie, tem algum café legal que você conhece para a gente estudar lá? Cansei da biblioteca da escola.

— Me deu vontade de vomitar só ouvindo você falar isso. — Donghyun fingiu som de vômito, e Joochan riu porque era bobo e ria de tudo para mascarar o nervosismo. É, o triangulo amoroso daria um problemão. — Quando você vai liberar o coitado de ter que aguentar você?

Joochan novamente desligou os ouvidos da briguinha e começou a imaginar como seria sair com Sungyoon pela primeira vez. Só esteve vendo o garoto por foto e, vez ou outra, ouvindo sua voz por áudios no kakao. Joochan era uma pessoa tagarela e as vezes não tinha paciência de digitar, então mandava áudio. Donghyun nunca escondeu seu ódio por áudios, reclamava toda vez mas nunca deixava de ouvir. Jibeom não ouvia nenhum.

Mas Sungyoon ouvia todos, as vezes respondia com áudio também e não tinha reclamado nenhuma vez.

Esse era um detalhe importante para Joochan, mesmo parecendo bobo para outras pessoas.

Seria legal encontrar o garoto outra vez, apesar do frio na barriga que sentia sem nem saber por que.

Bom, não tinha que ficar pensando. Sungyoon nem tinha respondido ainda.

Era estranho sentir essa ansiedade, parecia a paixonite por Soyoon toda outra vez.

Joochan tinha que se cuidar para não se jogar de cabeça de novo, porque a queda podia ser bem maior dessa vez.

 

X

 

— Ele respondeu! — Joochan se jogou no sofá, assustando Donghyun que estava sentado no chão jogando no celular. — Dongie, o que eu faço?

— Leia a mensagem. — Donghyun respondeu, seco. Era impossível arrancar uma reação maior que essa enquanto ele jogava Kartrider.

— Você é sem graça. — Joochan o cutucou com o dedo do pé e se ajeitou no sofá, como se precisasse estar sentado direitinho para ler uma mísera mensagem. — Lá vai...

Abriu o chat e arregalou os olhos, lendo atentamente.

 

Joochanie!

Hmm

Que tal café e bolo de graça?

Passa aqui onde eu trabalho

No sábado

Lá pelas 16h eu troco de turno

:)

 

Logo depois, Sungyoon compartilhou um endereço. Joochan clicou no link e berrou.

— Ele trabalha num café!

— Você não queria viver um dorama? Tá aí. — Donghyun respondeu, seco, mas por incrível que pareça prestando atenção em Joochan mesmo jogando.

Joochan não conseguia segurar o sorriso, imaginando quinze mil cenários na sua cabeça. Será que Sungyoon era garçom? Padeiro? Assistente de limpeza? Ou o mais clichê de dorama possível, barista?

— Está me dando dor de barriga...

— Joojjya... — Donghyun largou o jogo e sentou do lado dele no sofá. — Você não é de ficar nervoso só de sair com as pessoas, tem certeza que está tudo bem?

Joochan fez que sim com a cabeça, mas logo começou a virar ela na horizontal, fazendo um não.

— Sei lá, deve ser porque nunca saí com um garoto desse jeito e mais velho...

Donghyun fez uma careta. Joochan não gostava de preocupar o amigo, então forçou um sorriso e tratou de parecer mais confiante.

— Mas vai dar tudo certo, Dongie! Deve ser porque faz tempo que não saio com alguém diferente da... Você sabe...

— Da que não pode ser nomeada, sei.

Joochan explodiu em gargalhada e deu um tapa na coxa fina de Donghyun no processo.

— Você é idiota, é?

— É que imaginei ela sem nariz, Dongie! — Joochan ainda ria quando recebeu uma almofada na cara.

— As vezes acho que me preocupo a toa com você...

Antes que Donghyun pudesse ir muito longe, Joochan se levantou e abraçou o amigo por trás, esfregado o rosto na cabeça dele como se fosse um gatinho.

— Obrigado por se preocupar comigo, Dongdongie.

— De nada, Joojjya, de nada...

 

X

 

O clima naquele apartamento estava quase empatado com o clima do auditório em dias de ensaio. Joochan não sabia como cortar aquela nuvem escura que pairava entre os dois amigos, um em cada lado do sofá mexendo no celular ao invés de prestar atenção na série que estavam vendo. Alguma coisa tinha acontecido no dia anterior e ele estava pronto para descobrir.

— Como foi a tarde de estudos com o bonitinho? — Joochan sentou-se no chão, em cima do tapete, cruzou as pernas e olhou para Jibeom, que não levantou os olhos do celular para responde-lo.

— Pergunta para o Donghyun. — Ele respondeu, pendendo a cabeça para o garoto do outro lado do sofá. Joochan direcionou o olhar para o amigo com as sobrancelhas arqueadas em confusão.

— O que você estava fazendo lá? — Perguntou.

— Estudando? Como qualquer aluno normal em época de provas. — Ele respondeu, dando de ombros.

— Acontece que você odeia estudar na biblioteca porque as pessoas ao redor te tiram a atenção! — Jibeom parou de olhar para o celular e se virou no sofá, apontando o dedo indicador para Donghyun. — Admita que você estava lá de propósito pra sacanear meu encontro com o Jaehyun!

— Ah! Então aquilo era um encontro? Achei que ele só te ajudasse com matemática. — Donghun cruzou os braços e fez uma careta para Jibeom. — Você se faz de sonso só pra ficar perto dele, eu fiz um favor para o coitado.

Joochan se sentia um gato olhando uma bola rolar de um lado para o outro.

— Por que você não me deixa em paz? — Jibeom se levantou, visivelmente irritado. Joochan sentiu que aquela não era uma briguinha normal. — Eu gosto dele e não vou conseguir fazer nenhum progresso se você ficar interferindo.

— Ah é? Então leva ele pra algum lugar decente e para com esse joguinho! — Donghyun levantou a voz, e Joochan tomou aquele momento como deixa para interferir.

— Gente, calma. — Ele se levantou e estendeu uma mão para cada lado, como se estivesse pronto para apartar uma briga física. — Jibeomie, você devia realmente mandar a real para ele, logo ele vai perceber que você não tá nem aí pra matemática. — Olhando para Donghyun, Joochan teve medo de dizer algo que magoasse seu amigo ali na frente de Jibeom, então se limitou a suspirar.

— Você vai ficar do lado dele como sempre, não é? — Jibeom sibilou e caminhou até a porta do apartamento. — Valeu heim, fui.

Os dois ficaram olhando o amigo sair e bater a porta como uma criança mimada. Joochan se jogou no sofá, exausto como se tivesse corrido uma maratona. Não gostava de confrontos, ainda mais entre pessoas que ele amava tanto.

— Ele é um idiota. — Donghyun murmurou, trazendo as pernas para cima do sofá e se encolhendo, ficando ainda menor do que já era. — Desculpa te envolver nisso.

— Dongie... — Joochan suspirou e se aproximou de Donghyun no sofá. — Você quer conversar comigo sobre isso?

Donghyun ficou quieto por alguns minutos. Se fosse outra pessoa, Joochan já ia chegar fazendo várias perguntas, mas ele sabia que Donghyun não era muito de se abrir e não se sentia confortável sendo interrogado sobre um assunto que claramente o deixava para baixo. Joochan suspeitava do motivo de ele ter se infiltrado no “encontro”, mas queria que Donghyun o contasse quando estivesse pronto para o tal. Porém, a saída brusca de Jibeom o preocupava. Tinham que consertar aquilo logo antes que acabasse com a amizade dos três.

— Sinceramente? — Ele olhou para Joochan com os olhos tristes, como um cachorrinho que caiu da mudança. — Não.

— Tudo bem. — O garoto sorriu e abraçou o amigo levemente. — Mas acho que você devia pedir desculpa para o Jibeom, nós dois sabemos que ele estava certo sobre o lance da biblioteca.

— Mas... — Donghyun ia contestar, mas Joochan colocou o indicador nos lábios dele.

— Nada de “mas”, vocês vão ficar emburrados o resto da semana se não se desculparem e eu não vou aguentar falar por três pessoas! — Ele colocou a mão na garganta. — Minha voz é preciosa, preciso para o musical.

Os olhos de Donghyun brilharam com a oportunidade de mudar de assunto, e Joochan nem ligou. Conhecia bem o amigo e sabia que ele ia ficar remoendo a conversa até decidir tomar o caminho certo.

— Como estão sendo os ensaios? — O menor perguntou com cuidado, baixinho, quase como se soubesse que estava dizendo algo difícil de engolir.

— Ah, já estiveram melhores. — Joochan desviou o olhar e forçou um sorriso. — Soyoon parece que quer me matar, o professor Kim está mais exigente do que nunca e o resto do elenco e da equipe ficam fofocando nas minhas costas.

— Você devia mandar todo mundo se fud— Antes que ele terminasse, Joochan tapa a boca dele e começa a dar risada.

— Para de xingar, você parece um bichinho bravo! — Joochan ainda ria quando Donghyun deu uma mordidinha nos dedos dele. — Ah! Você é mesmo um cachorro pinsher temperamental.

Os dois riram baixinho e logo Joochan tinha conseguido se agarrar a Donghyun como um coala no sofá. Ele sabia que o amigo não era muito chegado em carícias assim, porém por algum motivo sempre abria uma exceção para Joochan. Depois de um tempo encarando a mensagem de “Você ainda está assistindo?” da Netflix, Joochan ouviu Donghyun limpar a garganta e se preparou para ouvir o que ele tinha a dizer.

— Joojya...

— Chore. — Joochan respondeu, ganhando um beliscão do amigo.

— Como você sabe se está gostando de alguém?

Joochan queria pular do sofá e sair dando cambalhotas no ar. Era a primeira vez desde que conhecera o garoto que ele perguntava algo sobre sentimentos. Joochan estava eufórico, seu coração batia como louco dentro de sua caixa torácica e ele só queria gritar para os quatro ventos que seu melhor amigo finalmente estava interessado em amor.

Mas ele não podia, senão ia apanhar de Donghyun além de intimidá-lo a continuar o assunto.

Então Joochan só soltou um longo “hmmmm” e começou a pensar em como poderia responder a pergunta.

— Ah, eu acho que é diferente para cada pessoa, mas... — Soltou uma das mãos do abraço e coçou a cabeça, pensando. — Acho que alguns sinais são meio universais.

— Tipo quais? — Donghyun parecia realmente interessado. Joochan não conseguia ver seu rosto mas conseguia notar pela sua entonação.  

— Deixa eu ver... O coração bate acelerado, você não consegue desviar o olhar daquela pessoa e... Hmm — Ele fez uma pausa, tentando se lembrar de tudo que costumava sentir durantes suas paixonites, tentando não pensar tanto no seu último relacionamento, mas falhando miseravelmente. — Você começa a pensar naquela pessoa do nada e é difícil pensar em outra coisa.

Ele ia falar mais, mas Donghyun o interrompeu.

— Entendi.

— Posso perguntar o porquê da pergunta? — Arriscou.

— Não. — O amigo respondeu abruptamente.

Joochan riu, o apertando no abraço.

— Tá bom. — Ele deixou um beijinho na cabeça de Donghyun e fechou os olhos. — Qualquer coisa, estou aqui. Você sabe.

Depois de uma pausa e um longo suspiro, Donghyun respondeu baixinho.

— Eu sei.

 

X

 

Joochan tinha tentado diversas combinações de roupas desde que acordou pela manhã, mas obviamente tinha que escolher bem a calça que tinha uma etiqueta que coçava. Andando desajeitado por causa da calça nova, estava se sentindo uma criança indo para o dentista fazer check-up. Não porque encontrar Sungyoon fosse uma experiência negativa, longe disso, mas era intimidadora. O café não era muito difícil de achar e nem de chegar, contando com um ponto de metrô bem próximo dela. Era um local bonito, dois andares e um estilo moderno, bem diferente do café mofado que Soyoon gostava. Esse tinha flores nas janelas, algumas mesas do lado de fora e uma aura convidativa.

Fora que, estava cheio.

Joochan checou as horas no celular e esperou um pouco para entrar. Sentou-se em uma das cadeiras perto da janela e tentou espiar. Conseguia ver várias pessoas espalhadas pelas mesas e também perto do balcão. Encostou o nariz no vidro e ficou tentando achar Sungyoon. Quando finalmente o avistou de longe, sua respiração embaçou o vidro. Droga!

Tinha que tomar vergonha na cara e entrar de uma vez.

Caminhou para dentro e se deixou olhar em volta. O café tinha boa iluminação, uma decoração agradável e limpa e um cheiro delicioso de café.

Adeus mofo, adeus poeira.

E olá...

Uma sequência de notas começou a soar pelo local, baixinhas e tímidas, mas Joochan conseguia distinguir bem o som do instrumento. Mais ao fundo do café havia um piano vertical, marrom e de aparência meio vintage. Uma criança estava sentada tocando dó ré mi fá, enquanto sua mãe olhava orgulhosa.

Eles tinham um piano dentro do café.

Joochan sorriu de orelha a orelha e se sentou em um lugar perto do piano. Não podia arriscar perder aquele local privilegiado. Fazia tempo que não tocava piano, já que o seu ficava na casa de seus pais e o da escola era muito disputado.

Seus dedos tremiam de vontade de acariciar aquelas teclas.

Distraído com o piano, tinha quase se esquecido do porquê estava ali dentro daquele café.

Até que o motivo apareceu bem na sua frente, sorrindo e com um avental preto amarrado na cintura.

— Você veio. — Sungyoon disse, suave.

Joochan olhou para cima e engoliu a saliva como se fosse um pedaço de pão velho embolado em sua boca. Ver o mais velho assim tão de perto era estranho depois de dias conversando pelo celular. Ele era mais bonito do que Joochan se lembrava.

— Eu vim. — Respondeu, sorrindo de leve. Será que Sungyoon realmente duvidava que ele ia aparecer? Ah se ele soubesse que Joochan ficou pensando naquele momento desde que eles combinaram de se encontrar.

— Eu vou bater meu ponto e trocar de roupa. — O mais velho desviou o olhar para baixo e coçou a cabeça, visivelmente tímido. — Você me espera?

— Claro, hyung. Fique à vontade! — Respondeu, brincando com os dedos em cima da mesa do café. Por algum motivo, também teve vontade de desviar o olhar, mas não conseguiu.

— Certo, só um momento... — Sungyoon acenou e sumiu para dentro do café. Joochan olhou para o lado e viu que o piano estava livre, então aproveitou.

Só quando sentou-se no banco do piano e tocou suas teclas, percebeu que suas mãos estavam tremendo e seu coração estava mais acelerado do que o normal.

Joochan riu de si mesmo, ah não podia ser.

Só me faltava essa... 


Notas Finais


Stream Golden Child One (Lucid Dream) https://youtu.be/4zp8jzIgRRY


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...