História Níveis Ordinários de Magia - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Jaehyun, Jaemin, Jeno, Johnny, Personagens Originais, Taeil, Taeyong, Ten, Yuta
Tags Happy Lety Day, Harry Potter, Hp!au, Jaehyun, Jaeyong, Kpop, Lemon, Nct, Nct 127, Nct Dream, Nct U, Taeyong, Yaoi, Yunoh
Visualizações 217
Palavras 3.032
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Lemon, LGBT, Lírica, Magia, Misticismo, Poesias, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi oi oi voltei!!

Já disse o quanto estou amando escrever essa fanfic? Pois digo agora, eu estou amando demais.

Quero agradecer aos comentários e as mensagens que eu recebi. Vocês são demais e eu amo cada demonstração de carinho e de que gostam dessa história que eu faço com tanto amor.

Bom Lety, espero que consiga ler. Eu te amo. 💗

Capítulo 4 - "A" de Aceitável.


"E agora é hora de construir a partir do fundo do poço, direto ao topo."

( It's time - Imagine Dragons)

Nunca esqueceria a visão de Ten deitado naquela cama de bruços e o cara que ele reconhecia como um aluno do sexto ano da Lufa-Lufa em cima de Ten. Não se deram o trabalho nem de tirar as roupas completamente ou de trancar a maldita porta.

O baque da madeira maciça na parede de pedra chamou a atenção dos amantes, assustando-os.

— Taeyong! - gritou Ten se virando na cama.

Taeyong sentiu os pelos do corpo se eriçar.

O garoto que Taeyong não lembrava o nome se levantou, fechando a calça rapidamente assim como o traidor.

Taeyong não sabia o que dizer. Seu coração estava partido, no real sentido da palavra. Sentia seu estômago desaparecer, como se tivesse errado um degrau na descida de uma escada.

— Você não fez isso Ten… não pode ter feito! — foi o que conseguiu dizer.

— Ty querido… - começou, mas Taeyong o interrompeu.

— Não! - gritou - Não me chame assim!

— Espera aí Lee, não grita com ele! - o sextanista falou.

Foi como se tivesse acordado. Taeyong observou o garoto a sua frente. Estava todo desgrenhado, o pescoço marcado - Taeyong sabia que Ten adorava marcar pescoços -, o zíper da calça ainda aberto e uma fúria tomou conta dele. Agarrou a varinha que estava no bolso de sua capa e a empunhou se aproximando o suficiente para a ponta da varinha toca o peito dele.

— Uma palavra e eu acabo com você! Sou ótimo em azarações.

Taeyong sorriu cruelmente quando o garoto levantou as mãos em rendição.

— É com esse tipo de verme covarde que você decide me trair Chittaphon?

Ten parecia incapacitado de responder, estava agarrado aos joelhos.

— Qual o seu nome vermezinho?

Taeyong não sabia como estava conseguindo ser tão, tão frio. A única coisa que sabia era que sentia a fúria borbulhando dentro de si, como se estivesse tomando potência para sair destruindo tudo quando liberada.

— Terrence. - falou meio que gaguejando.

— Ah, Terrence… você sabia que fodia esse daí ao mesmo tempo que eu o fodia? Ou ele mentiu para você também?

— Taeyong… - choramingou Ten.

— Eu sabia! Sabia sim… dei a ele o que você não deu. - Terrence sorria — E acredito que fui muito melhor que você Taeyong, senão ele não voltaria a me procurar. Vai ver você não dava conta ne…

E foi o suficiente para Taeyong brandir a varinha.

Furuncullus - e de última hora mudou a direção para a virilha de Terrence - Vamos ver se você vai se sair tão bem agora!

Terrence caiu de joelhos e chorou segurando as partes íntimas. Taeyong se virou para ir embora, se virou para falar.

— Aproveita agora Ten.

E saiu do quarto quando o tailandês se pôs ao lado de Terrence, levando-o para a cama.

Desceu as escadas em disparada e quando chegou a Sala comunal é claro que a história já havia se espalhado, assim como os gritos que haviam sido dados lá em cima. Mal podia aguentar os olhares em cima de si. Uns de deboche e outros de pena, era os piores. Passou direto e quando já estava no corredor ouviu passou atrás de si.

— Taeyong! Por favor… eu…

Taeyong parou e se virou.

— Você o que?

— Quero me explicar… - Ten disse, os olhos cheios de lágrimas.

— Se explicar? - riu debochado.

— Você mal tinha tempo para mim Taeyong! A gente mal se via!

— E aí você decide transar com outro? Eu te expliquei, eu preciso estudar e você não me apoiou! Você nunca me amou como disse, nunca! Você gostava dos orgasmos que eu te proporcionava, e isso você ama em qualquer um pelo visto.

Ten o encarava, chorando e aos poucos algo pareceu mudar na feição do lufano. Passou para raiva.

— Nada disso teria acontecido se você não passasse tanto tempo com o professorzinho.

— Não coloque a culpa no Jaehyun de algo que você fez!

Ten começou a rir.

— Agora chama ele pelo nome? Com afeição ainda? Não sabia que agora você se relacionava com a ralé de Hogwarts!

Taeyong não queria acreditar no que o outro falava, mal se parecia com o Ten que ele conhecia há anos.

— Você não quer dizer o que eu acho que…

— Oh! Então você já sabe o que ele é? E ainda assim continuou "estudando" - fez as aspas com os dedos – com aquele tipo?

— Ten… - falou em tom de aviso.

Taeyong desejava com todos seu coração que Ten não prosseguisse. Ele não queria acabar aquilo destruindo até mesmo as lembranças boas ao ver que Ten nunca fora a pessoa doce que dizia ser.

— Sabe, fico feliz que esteja tudo acabado. Não queria mesmo ser visto com alguém se mistura com Sangue ruim.

Quando deu por si, Taeyong já segurava Ten pelo colarinho, os rostos muito próximos.

— Sangue ruim tem você Chittaphon. Jaehyun tem sangue trouxa sim e também tem decência, lealdade, pureza e amor... Coisas que você nunca vai chegar nem perto de ter, coisas que a merda da sua genética "pura" não vai poder te dar!

Os lábios de Ten tremiam, não esperava que Taeyong defenderia Jaehyun de tal forma. Em outras épocas era capaz do loiro ficar calado. E foi então que Ten percebeu o que nem Taeyong havia percebido…

Taeyong largou Ten, as mãos tremendo e deu as costas a ele.

Corria pelos corredores até a sua Sala comunal, estava transtornado. Fechou a porta de seu quarto assim que chegou e sentiu o alívio lhe tomar quando viu que nenhum de seus colegas estava ali, apenas Agnes lhe faria companhia.

Sentou na cama e franziu o cenho. Pensou que choraria quando estivesse sozinho, mas isso não aconteceu. Sua cabeça doía, as palmas de suas mãos ardiam pelos cortes que as unhas fizeram de tanto cerrar os punhos, porém nada se comparava a dor que sentia por dentro.

Ele e Ten não eram namorados oficiais e ainda assim não precisava de um aviso em neon que a fidelidade era imprescindível. Doía pelo fato de Ten ter sido a primeira pessoa que Taeyong havia se apaixonado, o primeiro para quem havia entregue seu coração e seu corpo. Se apegava a ideia de que só tinha dezesseis e que outros amores viriam. o pior não fora nem a infidelidade carnal, mas sim a deslealdade… Ten se mostrava algo que nunca fora.

Como ele podia ter falado daquela maneira? Depois de tudo o que aconteceu nos últimos anos? Taeyong reprimiu o pensamento de que qualquer um que se referisse os filhos de trouxas como "sangue ruins" deveria parar em Azkaban. Ninguém merecia ser discriminado dessa forma, muito menos Jaehyun…

Taeyong sentiu, enfim, os olhos arderem e as lágrimas de raiva serem derramadas. Não podia aceitar que Ten falasse daquele forma de Jaehyun. Aprendeu a ver que o Jung era a pessoa mais doce que ele já havia conhecido, o garoto que deixava de comprar doces e penas novas apenas para ajudar a mãe doente, o garoto que se esforçava para fazê-lo se divertir antes dos exames... E então sentiu uma súbita necessidade de estar com o professor.

Sem pensar se levantou da cama e apanhou um pergaminho e sua pena.

No lago? Preciso ver você Jaehyun

Amarrou o bilhete na pata de Agnes depois de escrever o destinatário. A coruja saiu voando pela janela e Taeyong saiu pela porta.

O crepúsculo ameaçava tomar o céu e o lago estava deserto. Claro, todos os alunos estavam no castelo, estudando o máximo que podiam. Será que mesmo com a falta de tempo a notícia havia se espalhado? Se havia algo que aquela escola amava mais que recessos eram as fofocas que corriam mais rápido que diabretes.

Taeyong estava encostado na árvore que havia a beira do lago que estava calmo e espelhado. Pelo visto nem Beth, a Lula gigante, queria aparecer. Taeyong prendia o choro com toda sua força e tentava controlar seus sentimentos sombrios.

— Taeyong?

E assim que se virou viu Jaehyun parado lhe olhando, as mãos nos bolsos, sem a veste preta preta do uniforme e a gravata meio larga. Taeyong sentiu o corpo menos tenso e respirou fundo.

Não foi preciso mais nada para que Jaehyun desse alguns passos cobrindo o espaço que os separavam, não fez perguntas, apenas tomou Taeyong num abraço forte e familiar, mesmo que nunca houvessem se abraçado.

A primeira coisa que Taeyong percebeu foi que Jaehyun era quente, a segunda foi que Jaehyun cheirava a eucalipto ou algo parecido e a terceira foi que estava chorando desesperadamente. Jaehyun o abraçava cada vez mais forte.

— Você já soube? - Taeyong perguntou, o rosto ainda escondido no pescoço de Jaehyun.

Taeyong se sentia estranho de estar tão próximo de Jaehyun, porém ao mesmo tempo não conseguia se afastar. Sentia que o Grifano seria a única pessoa que o entenderia.

— Não faço parte da rede de fofocas de Hogwarts - disse com uma pitada de humor, a mão subia e descia pelas costas de Taeyong — Quer me contar?

Taeyong se afastou e então reparou pela primeira vez que Jaehyun estava com cara de sono.

— Ah você estava dormindo... Desculpa, eu… só...

Jaehyun sorriu de maneira doce e puxou Taeyong para se sentar abaixo da árvore.

— Deixa disso, eu já precisava acordar mesmo. Me conta, uh? As vezes é preciso falar…

Taeyong assentiu e passou os cinco minutos seguintes contando tudo o que acontecera desde que havia colocado os pés na maldita Sala comunal da Lufa-lufa. Jaehyun não falou nada, mas a expressão feia que fez quando Taeyong falou o que viu quando abriu a porta fora inconfundível.

Taeyong preferiu omitir a maior parte das coisas que Ten havia falado de Jaehyun, não queria que o garoto se magoasse por alguém como Ten, apenas disse que Ten parecia ter tido ciúmes das aulas particulares.

— E então aqui estou eu me sentindo tolo por ter me envolvido com ele.

Jaehyun ergueu a sobrancelha.

— Está se sentindo tolo por ter se apaixonado? Se apaixonar nunca vai tornar alguém tolo… paixão, amor é um dos feitiços mais fortes que existem Taeyong, se não for o mais forte! Então se há alguém que foi tolo nessa história, esse alguém é o Lufano. Foi ele quem decidiu jogar tudo fora apenas por que não queria passar por um período difícil.

Taeyong olhava para além do lago, Jaehyun tinha razão.

— Então você não acha que eu fui o culpado de não ter dado atenção para ele?

Jaehyun deu um sorrisinho e jogou uma pedrinha no lago, que fez três arcos onde bateu e então afundou.

— Ah Taeyong… estamos no meio do quinto ano, o N.O.M está virando a esquina, seria estranho se você tivesse mais tempo.

Taeyong assentiu e voltou a olhar para a outra beirada do lago, Jaehyun segurou seu ombro e apertou e assim que tirou a mão Taeyong desejou que não tivesse o feito.

Ficaram naquele silêncio gostoso contemplando tudo ao redor. Taeyong sentia o coração doer bem menos ao estar com Jaehyun, e ele não entendia isso, mas tudo bem se isso fizesse o sentimento de impotência e traição passar.

Jaehyun riu, atraindo a atenção do mais velho.

— Quê?

— Não acredito que você conseguiu fazer um feitiço sozinho. - disse rindo e caindo sobre a grama quando Taeyong o empurrou.

Taeyong riu também, era esse o efeito que a risada de Jaehyun tinha sobre ele.


 >x<


No dia seguinte Taeyong acordou com a cabeça doendo, sua garganta parecia ressecada demais. Levantou contra a vontade e foi assistir suas aulas de forma arrastada.

O tempo parecia ter parado durante a aula de História da Magia, o Prof. Binns falava cadenciadamente sobre a revolta dos duendes, sem se dar o trabalho de passar revisões para os alunos. Taeyong tentava focar no parágrafo que o professor lia, mas não adiantava.

Anotou no pergaminho que deveria pedir uma revisão dessa matéria para Jaehyun quando se encontrassem aquela tarde. Taeyong se animou um tiquinho ao lembrar que dali a uma hora estaria com Jaehyun. Ainda não sabia o por quê dessa animação, mas desde a tarde anterior, Taeyong descobrira que Jaehyun anestesiava suas preocupações.

Quando a aula acabou ele jogou a mochila por cima do ombro e saiu em disparada indo direto para a biblioteca. Passada o dia de forma esquisita, com um peso em seu estômago e um nó na garganta. Tudo isso se desfez quando viu Jaehyun de cabeça abaixada riscando algo no pergaminho com a pena feia e velha.

— Oi Yunoh. - Taeyong disse colocando a mochila na mesa e tirando os pergaminhos, pena e tinteiro.

— Oh, certo, então hoje eu sou Yunoh? Devo te chamar de algum outro nome? - disse baixando a pena.

Taeyong pensou.

— Senhor Gostosão. - decidiu.

— Tudo bem. - deu de ombros — Senhor Gostosão, temos apenas quatro semanas e bem… está na hora de ligar o modo Firebolt. Eu pesquisei muito e consegui cópias dos N.O.M.s dos últimos anos, juntei tudo e fiz minha versão dos exames.

— Uh, isso parece muito eficiente e demorado. Você não estuda pros seus exames?

Taeyong perguntou puxando para si o bolo de pergaminho de quase trinta centímetros que Jaehyun lhe entregou.

— Te ensinar é uma forma de estudar. - disse dando de ombros.

Taeyong assentiu. Era melhor que Jaehyun pudesse se preparar para os exames também, estava mais aliviado. Passou um bom tempo olhando as perguntas e formulando as melhores respostas, porém sua vista já se embaralhava.

— Você já decidiu o que você quer fazer depois que tudo acabar? - perguntou a Jaehyun, que voltara a escrever no seu pergaminho.

— Nunca pensei sobre o fim do mundo não.. mas acho que não importa o que eu quero entende? E…

— Não não, não o fim do mundo Yunoh! O fim da escola...

Jaehyun arregalou os olhos, e soltou um "Ahhhh".

— Isso sim faz mais sentido... Eu quero ser professor. Daqui de Hogwarts.

Taeyong riu pelo nariz.

— Não acredito que o que você quer fazer quando sair de Hogwarts seja voltar para Hogwarts!

Jaehyun deu de ombros, claro que entendia o ponto de vista de Taeyong, todo mundo quer se livrar da escola, não é mesmo?

— É só que eu amo este lugar... E amo ensinar. Mas o que eu quero mesmo acima de qualquer coisa é ter minha família.

Taeyong se surpreendeu com a revelação.

— Não imaginava essa sua parte..

— Eu sou mais do que o garoto dos livros. Talvez você pudesse descobrir isso, se me deixasse mostrar...

Taeyong sentiu o olhar de Jaehyun sobre si, queimando e se concentrou para não corar.

— O que quer dizer com isso?

Jaehyun não respondeu imediatamente, pegou os testes de Taeyong e passou a corrigir as respostas.

— Esse fim de semana vai ter o primeiro passeio a Hogsmead. Talvez, se você quisesse ir…

Taeyong analisou as palavras, não entendia por que Jaehyun parecia tão nervoso, se atrapalhando com as palavras e tudo o mais, afinal fazia parte do acordo deles saírem para se divertir.

E apesar de saber que estaria quebrando a promessa, ele não se sentia em clima de curtir Hogsmead. Caramba, suas galhadas pesavam mais que as do patrono do Potter.

— Yunoh, eu sei que faz parte do acordo mas…

— Estou te convidando fora do acordo Taeyong.

Taeyong piscou rapidamente

— Você está parecendo um desenho animado piscando desse jeito. - Jaehyun riu.

— Um o que?

As vezes Jaehyun esquecia que Taeyong não sabia de nada sobre o mundo dos trouxas. Teve a impressão de que Taeyong gostaria de assistir Scooby Doo ou algo do tipo.

— Esquece.. o que eu quero dizer é que estou te convidando pra ir comigo apenas se você quiser ir.

Não esperou uma resposta do Corvino e voltou a corrigir os testes. Taeyong observou Jaehyun por todo o tempo que ele riscava o pergaminho com a pena e pela primeira vez viu o professor particular como… homem.

Taeyong estava condicionado a ver o Grifano como apenas um professor, tão distante quanto Filtchwick ou a professora Sparkly. Não sabia se era porque estava com Ten oh por não gostar exatamente do garoto. Era engraçado pensar que até algumas semanas atrás não suportava a menção do nome de Jaehyun e agora ele fora a primeira pessoa que Taeyong recorreu quando mais precisava.

De toda forma, Taeyong aprendeu a compreender Jaehyun e a gostar do garoto, é bem verdade que com sua visão ampliada com o término passou a perceber detalhes em Jaehyun que antes lhe escapavam. Detalhes adoráveis.

Antes achava que o cabelo de Jaehyun era completamente negro, mas agora observando com a luz que entrava pelas janelas via que os fios tinham leves reflexos mais claros. Também se lembrava de ter o achado branco demais, como um fantasminha, porém agora conseguia ver as pequenas sardas no nariz bonitinho e nas bochechas que eram mais evidentes nas maçãs do rosto. Taeyong também reparou que os olhos de Jaehyun eram bem escuros e inchadinhos embaixo, assim como o lábio inferior era mais gordinho do que o superior. A pena continuava a correr o pelo papel e Taeyong aproveitou para observar mais Jaehyun, sem nem saber por que fazia isso. Dessa vez reparou que as mãos de Jaehyun eram grandes, os dedos finos e delicados adornado por um único anel grosso e envelhecido no dedo do meio.

— Você roe unhas. - falou fazendo com que Jaehyun levantasse o olhar com o cenho franzido.

— Uh, é. - respondeu.

— Vai nascer uma mão na sua barriga se continuar roendo.

Jaehyun riu e Taeyong seguiu, embalado pelo som.

— Eu deveria ter umas quinze mãos saindo do meu abdômen.

O tempo passou rápido, Jaehyun havia terminado de corrigir os testes e decidiu que Taeyong talvez recebesse um "E" de "Excede as expectativas", o que é muito menos do que o loiro precisava. Ainda assim era um grande avanço, pra quem receberia um "T" de "Trasgo" a algumas semanas. Claro que Jaehyun deu a notícia com grande orgulho de seu aluno.

Taeyong estava guardando seu material e Jaehyun fazia o mesmo.

— Certo, amanhã aula prática. - Jaehyun disse.

— Ótimo. E Jaehyun…

— Voltamos pra Jaehyun? Você precisa se decidir Taeyong, vou ficar confuso.

Taeyong riu, era inacreditável as divagações que Jaehyun tinha de tempos em tempos.

— Vou pensar sobre Hogsmead. - falou e recebeu um grande sorriso em resposta.


Notas Finais


EU TO NERVOSA COM ESSE CAPITULOOO
o que acharam? Uhhhhh? Me digam!
Até mais amores.

Playlist: https://www.youtube.com/playlist?list=PLwmL5IRzj6MYE3Q0Ha0Tcm8XP12zpNKzj


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...