História No bater da bola - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Kuroko no Basuke
Personagens Kagami Taiga
Tags Basquete, Kagami Taiga, K-pop, Kuroko No Basket
Visualizações 11
Palavras 1.311
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Esporte, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


#perdoaoatrasoenaodesistedemim
Beijos 😘♥️

Capítulo 6 - Capítulo 6 - Peixes são amigos, não comida.


Se eu já não consigo prestar atenção no professor de geografia normalmente, imagina com o Jake ao meu lado. Entendam, eu não estou apaixonada por ele nem nada disso, mas ele é muito apreciável, vocês não tem noção. Tipo quando ele sorri, os olhos dele ficam fechadinhos, é muito fofo. E quando ele fica concentrado, a mandíbula fica bem marcada, é tão sexy. Aí, assim eu morro.

E devo dizer que ele não é só mais um rostinho bonito, além de ser um arremessador incrível, ele tem notas muito boas, e às vezes ele me ajuda em geografia. Só sei que tenho inveja da pessoa que conquistar esse coração doce que ele tem.

Acho que fiquei encarando por tempo de mais, pois sua cabeça virou em minha direção e sua boca de uma leve esticadinha pra direita, formando um sorriso torto. Senti minhas bochechas esquentarem por ter sido pega no flagra.

– E então, quer ser minha dupla? – inclinou levemente em minha direção, enquanto minha testa enrugava em confusão, ele riu. – Você não consegue prestar atenção nessa aula mesmo! – disse com um sorriso divertido é contagiante, me fazendo sorrir também, meio encabulada. – Deixa eu te explicar, é para fazer duplas e responder as questões do livro. Vai querer ser minha companheira nessa empreitada? – soltei uma gargalhada.

– Está bem, mas devo lhe avisar, mesmo que eu desconfie que você já saiba, que tenho a impressão que não serei de muita ajuda. – sorri de leve, e seus lábios formaram um sorriso enorme, daqueles que os olhos dele quase fecham.

E o resto da aula, basicamente, foi Jake respondendo a perguntas e me explicando o 'porquê' de cada resposta. Adorei a aula particular, ele se daria bem como professor.

Infelizmente, tive que dar adeus aqueles dentes incrivelmente brancos e aquele formato de sorriso perfeito. E assim as aulas foram passando até que rápido, e, quando percebi, já era hora do almoço e os gêmeos estavam me esperando no corredor.

– Como vocês conseguem cruzar o colégio tão rápido? – a velocidade com que eles se locomovem é absurda, quer dizer, a aula de agora deles era no laboratório, do outro lado do colégio em relação a minha sala, e não deu 2 minutos que bateu o sinal e eles já estão aqui, encostados nos armários me esperando, e olha que a Sra. Magnólia não deixa ninguém sair nem que seja um segundo antes do sinal.

– Um mágico nunca revela seus segredos, senhorita. – responderam em uníssono, depois de se entreolharem.

– Vamos logo, eu estou morrendo de fome. – disse Ben.

– Nem fale uma coisa dessas. – disse Adam, esfregando a barriga.

Vocês já devem ter escutado o termo “magro de ruim”, essa frase define muito esses caras. Esta certo que todos nós fazemos muita atividade física devido as treinamentos, mas mesmo nas férias, eles continuam comendo igual uns touros e continuam com o mesmo físico. Raivinha? Sinto.

Eles passaram o caminho inteiro reclamando de fome, e pegaram um morro de comida cada um, só de olhar já me senti estufada. Depois daquele dia tenho comido pouco no colégio, quero evitar situações desagradáveis.

Sentamos na mesa de sempre. Ashley, Mike, Molly e Kagami, já estavam sentados.

– E ai pirralha, mais calminha agora? – Mike puxou o banco para mim sentar do seu lado, de frente para Molly.

– Nossa, tinha até esquecido disso.

– Hum, e o que te fez esquecer? Ou melhor quem? – Molly se inclinou em minha direção, com o seu olhar de 'cupido'.

– Por que você sempre leva pro lado amoroso das coisas? Eu não posso só ter prestado atenção nas aulas? Sabia que eu até aprendi alguma coisa de geografia hoje? – essa mania da Molly me deixa indignada, aff.

– Você e geografia? Desde quando essa combinação dá certo? – a cabeça de Ashley surgiu na mesa, do outro lado de Mike.

– Se viu, que loucura. – comentou Adam, enquanto ele e Ben se aconchegaram ao lado de Molly com seus morros, digo bandejas.

– Que orgulho dessa menina. – disse Mike batendo na minha cabeça com tom de zombaria e olhar desconfiado.

Eu tenho quase 100% de certeza que o Mike tem algum tipo de bola de cristal, porque é incrível com ele sempre sabe quando eu estou mentindo ou omitindo algo. É como se um radar apitasse na sua cabeça sempre que eu distorcida a verdade, e eu nem preciso falar. Nem um livro aberto eu sou, e sim um livro escancarado. E a rapidez de leitura dele é incrível, para vocês terem noção, se eu fosse um código binário, ele seria um processador i7 oitava geração. Então, logo que Jake se aproximou perguntando se havia alguém sentado no lugar vazio ao meu lado, ele ligou os pontos.

– Prestou atenção na aula ou em algum professor particular? – sussurrou no meu ouvido. É claro que ele não ia perder de tirar com a minha cara.

– Jakeee, você por aqui? Pensei que tinha ido ao zoológico com o resto do seu time. – cabeça de Ashley brota novamente.

– Eae Ash, fazia tempo que não sentava com vocês mesmo. – durante esse meio tempo de zoação com a minha cara, os universitários do time se juntaram a mesa. – A saída é só para os mais velhos. E como os outros almoçam mais cedo, fiquem sem companhia.

– Em outras palavras, somos sua terceira opção. – Molly aponta seu garfo, enquanto nega com a cabeça. – Você não deveria falar isso para garotas, Jakezinho.

– Oh! Mil perdões, senhorita. – se desculpa colocando a mão no peito de maneira dramática, já familiarizado com o humor dela.

– Tá perdoado, mas só porque seu sorriso é maravilhoso. – baixando o garfo, Molly pisca e sorri para Jake, que aumenta o sorriso que já esticava seus lábios. E que lábios. – A sim, já ia esquecendo as apresentações. Jake esse é o Kagami, nosso atleta novo. Kagami esse é o Jake, ele é do time de beisebol.

– É um prazer, Kagami. Já tinha ouvido falar do jogador novo, seu cabelo é realmente legal. – Jake estica a mão em direção ao japonês sentado em sua frente.

– O prazer é meu, muito obrigado. – ele corresponde ao aperto de mãos enquanto da aquela inclinadinha de cabeça. – Não sabia que comentam sobre mim.

– Tu é carne fresca, eles sempre comentam. – explica Jake após engolir sua última garfada. – Mas me diga, você é meio americano? Não me leve a mal, mas seu inglês é perfeito e seu porte físico não é como a estatística japonesa. –bebe seu suco esperando a resposta, e depois dessa pergunta quase a mesa inteira espera junto.

– Não, não. Eu me mudei para os EUA quando era criança, fui para o Japão no primeiro ano, e quando apareceu a oportunidade de entrar para o time eu voltei para cá. Quanto ao porte, acho que só tive sorte mesmo. – ele dá um sorriso meio encabulado enquanto esfrega a nuca.

– Pois é. Nada a ver com os coreaninho que a Amanda escuta. – é a vez de Ben colocar a cabeça para frente.


Mastiga, mastiga, mastiga.


– Aquelas perninhas e bracinhos frágeis, que parecem que pode quebrar em três a qualquer hora. – Adam começa a chacoalhar os braços.


Ninguém está falando nada. Lá, lá, lala.


– E aqueles “coraçõezinhos”? Mó sem noção. – Harry entra na brincadeira.


Discutir só vai piorar.


– Mas nada como as coreografia sem pé nem cabeça – Chris, esperava mais de você, cara. Vacilo, man.


Cheira florzinha, assopra velinha. Cheira florzinha, assopra velinha. Cheira florzinha, assopra velinha.


– Não sei o que é mais engraçado. Eles provocando ela ou ela tentando fingir que não é com ela. – eu falo que o Mike não perde uma chance de debochar da minha cara.


Peixes são amigos, não comida. Repitam comigo, peixes são amigos, não comida.


– A cara dela de ‘quem não tá ligando' pode ser meio assustadora, não acha? – Molly comenta com o dono dos fios vermelhos.

Viro o rosto antes de ver sua reação. Ótimo, agora além de ser a menina-vomito, sou também a garota-cara-de-demônio. Fenomenal.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...