História No Choice (2Chaeng) - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Blackpink, Red Velvet, The Boyz, TWICE
Personagens Chaeyoung, Lee Juyeon (Juyeon), Lisa, Mina, Rosé, Son Youngjae (Eric), Wendy
Tags 2chaeng, Chaeyoung, Juric, Minalisa, Rose
Visualizações 21
Palavras 4.424
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Ficção, LGBT, Policial, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 26 - Capítulo XXVI


— Você realmente não quer?

— Não podemos, Roseanne.

— Somos Parks, podemos tudo, Chae. — Roseanne lança seu melhor sorriso na intenção de convencê-la, mas para a infelicidade da herdeira da Blacks, Chaeyoung não se deixou cair tão facilmente nas ações “suspeitas” que a maioria dos seus “súditos” caíam de primeira.

— Oh, claro. Tem 10 minutos que eu virei uma Park, eu simplesmente posso fugir da minha festa de casamento, sendo que eu nem terminei de cumprimentar os convidados, que por sinal consiste em toda a parte nobre da Blacks. Sendo assim, os membros que supostamente deveriam estar mostrando que sou uma pessoa que merece a confiança deles. E seu plano é que a gente fuja para adiantar a nossa lua de mel? É isso?

— Hm? Sim. E a culpa é sua. — Chaeng ergue a sobrancelha olhando diretamente para a ruiva sem acreditar que no que acabara de ouvir. — Não tenho culpa se você está particularmente sexy com esse hanbok. Já disse o quanto você combina com vermelho? — A sedução e a malícia pareciam pingar dos lábios majestosos de Park Roseanne, assim como o brilho nos seus olhos. Chaeyoung revira os olhos com a ideia absurda da esposa, mas não podia negar que por um momento, um mísero momento, ela chega a pensar em concordar com a ideia maluca de Rosé, mas desistiu vendo Yoojung e Jeongyeon retornarem da sala atrás delas onde eram guardados os presentes de casamento.

— Você realmente não tem jeito, sabia? — A jovem arruma a postura no pequeno palco onde foi feito a cerimônia minutos antes, as duas estavam alinhadas ali, para que pudessem receber os votos de felicidades dos convidados, assim como presentes extravagantes e caros. Por mais que tenha recebido uma herança, ainda não conseguia se acostumar com tanto luxo, mesmo que algumas coisas tivessem procedências duvidosas, mas estamos falando da máfia ao final das contas.

— Claro que eu tenho jeito, não é à toa que estamos aqui, não? — Rosé murmurou quando mais um par de convidados se aproximou, fazendo as duas melhorarem a postura e Chaeyoung ter que se controlar para não revirar os olhos com o ego inflamado da ruiva. Era mais que evidente a empolgação da gangster com a celebração deste casamento, especialmente agora que Chaeyoung de fato havia se tornado uma Park. Não demorou em Roseanne apresentar alguns integrantes da família Yoo, especialmente os pais de Jeongyeon, que pareciam devidamente gratos pela “promoção” da filha a um membro pessoal de um Park. Depois que eles foram embora, a morena riu para Jeongyeon que parecia aliviada dos pais terem finalmente se afastado da sua chefe, chegando até mesmo receber uns tapinhas de consolação de Yoojung.

— Ainda podemos fugir... Meu pai está distraído com o seu...

Chaeyoung suspira achando a cada minuto mais tentador a ideia ao olhar em volta e ver o quanto entediante estava sendo conhecer diversos rostos que sabia que não lembraria o nome nem da metade no dia seguinte. Mas realmente não queria trazer uma má impressão aos membros da Blacks, por saber o que poderia trazer comentários ruins sobre Rosé, ser uma irregular sempre lhe trouxe pré-julgamentos, não queria “confirmar” alguns rumores negativos que os irregulares possuíam fugindo do seu casamento desse jeito. — Você já se esqueceu dos seus votos de casamento? É assim que quer me guiar nos ensinamentos da Blacks para me tornar um membro honrado? — A morena provoca baixinho, antes de sorrir ao ser apresentada a mais um membro importante da Blacks, nesse caso os pais de Yerin e Jinsoul.

— É claro que eu me lembro dos votos, especialmente dos seus. — Chaeyoung a olha com certa desconfiança, especialmente pelo tom ousado que a ruiva usou ao comentar sobre isso. Roseanne parece que percebeu isso, o que incentivou ainda mais seu belo sorriso. — Só você que me ensinou a confiar, a deixar alguém entrar e me mostrar o que realmente significa se apaixonar. E é por isso que eu amo o jeito que você me ama como ninguém nunca fez. Como eu quero aprender a amar você...”. Estou bastante ansiosa para conhecer esse seu lado apaixonado e prestativo, Sra. Park. — A herdeira pisca para a morena, que parecia bestificada com o fato que ela realmente se lembrava cada palavra do seu discurso.

— Eu não acredito que você gravou os meus votos. — Chaeyoung pensa em voz alta, para aumentar o brilho nos olhos da sua agora esposa.

— Como não? O discurso mais verdadeiro que você deu sobre seu amor por mim, como acha que eu deixaria passar em branco?! Não é todo o dia que eu escuto inatingível Son Chaeyoung dizendo que me ama e quer ficar ao meu lado para sempre, não é? — Roseanne se aproxima devagar olhando diretamente nos olhos castanhos antes de desviar para seus lábios se demorando nos mesmo, para enfim retomar o olhar nos olhos. — Ou devo dizer a minha Park Chaeyoung? — O seu tom sedutor é bem evidente, mas não consegue esconder até mesmo um tom de orgulho em sua voz ao dizer o nome da morena com o seu sobrenome colocado nele. A mais baixa se limitou em revirar os olhos, deixando seus lábios serem selados carinhosamente pela mais velha antes de arrumar a postura quando Juyeon reclamou mandando Rosé se comportar, para o desgosto da herdeira ao se afastar.

Já a mais nova continuou olhando para a esposa ao seu lado, tentando entender o porquê do brilho tão intenso em seus olhos. Sabia que a ruiva estava certa, Chaeyoung nunca diria aquelas coisas em voz alta uma segunda vez, nem mesmo soube como conseguiu dizer seus votos sem querer se enterrar numa vala profunda no instante seguinte, era por isso que não entendia o ótimo humor de Rosé. A jovem era fria e de poucas palavras, especialmente carinhosas, mas ainda assim o humor da princesa da máfia melhorou 1000% desde que o seu pai anunciou o casamento entre elas, e agora que já aconteceu vê-la daquele modo orgulhosamente infantil ainda conseguia deixá-la ainda mais intrigada.

O que podia ter de tão bom em casar-se como alguém como Chaeyoung? Era apenas por ser seu tipo ideal do passado? Era por ser diferente dos outros que a cercavam? Chaeyoung tinha seu pequeno orgulho, sabia que tinha um bom corpo, especialmente porque a mais velha não lhe deixava esquecer com as suas mãos inquietas debaixo da sua blusa acariciando seu abdômen. Sabia que possuía um pouco de beleza, mas nada comparado a Park Roseanne, e nem mesmo tinha o romantismo de Lisa, realmente era difícil saber os motivos de Rosé. Mas no fundo não podia negar que gostava de vê-la empolgada assim, mesmo que ainda fosse um pouco mais irritante que seu convencional.

— Você é uma idiota, sabia? — A morena tentou implicar com a mais velha mesmo que não conseguisse esconder o sorriso ao ver a ruiva dando de ombros e sorrindo ainda mais.

— Uma idiota que conseguiu se casar você, então eu não me importo. — Ela murmurou sorrindo, mas logo Chaeng percebeu seu olhar perder um pouco o brilho e sua postura ficar fria, dando a entender que não estava mais com Park Roseanne, estava ao lado de Rosé agora. Ao olhar para frente, encontrou um homem um pouco de postura fria, até mesmo arrogante que olhava para sua esposa, mas não demorou em pousar os olhos sobre a própria jovem ao se aproximar. — Chaeyoung, esse é o Sr. Kim, chefe da família Kim. — Talvez entendesse o motivo da mudança da mais alta, estavam diante do homem que tentou fazê-la se casar com o seu filho, com isso o próprio corpo enrijeceu.

O homem ainda tinha os olhos fixos e avaliativos sobre a jovem, que se limitou a curvar o corpo num cumprimento educado. Ao arrumar a postura viu um sorriso desdenhoso para ela. — É realmente difícil entender o que o Senhor da Blacks tinha em mente ao determinar esse casamento para a sua filha. Escolher uma irregular, que nem mesmo sabe quem são os chefes de Clã, é algo muito... Lamentável. — O homem diz, antes de segurar o rosto de Chaeyoung pelo queixo virando para ambos os lados como se avaliasse a mais nova como faria com um objeto ou boneca.

No mesmo instante que o homem a tocou Jeongyeon e Yoojung se aproximou e Roseanne já desembainhava a adaga de casamento para atacar o homem, contudo Chaeyoung foi mais rápida em forçar o rosto olhar o homem. Enquanto levantava a mão ordenando para nenhuma das três se meter. — De fato pode ser surpreendente as escolhas do Senhor da Blacks, mas já pensou que seu objetivo seja avaliar a fidelidade de alguém? — Chaeyoung falou no tom alto o que chamou atenção de muitos convidados que se surpreenderam com a ousadia de um patriarca tocar em um Park daquela maneira, enquanto a jovem olhava de forma petulante para o homem, assim como um sorriso no canto dos lábios, o que pareceu irritar o patriarca já que era evidente que seu objetivo era intimidar Chaeyoung. O homem ergue uma das sobrancelhas, enquanto se encaravam com agressividade. — Por mais que eu tenha sido uma irregular, em momento nenhum eu questionei os desejos do Senhor da Blacks... Essa não seria a característica de maior honraria de um patriarca de um Clã honrado? Ou a minha esposa andou me ensinando errado sobre a fidelidade de um Clã?

A resposta visivelmente deixou irritado o homem, que apertou ainda mais os dedos no rosto de Chaeyoung, agora Roseanne desembainhou a adaga quando uma mão segurou a do homem apertando com força fazendo ele soltar Chaeyoung antes que Rosé pudesse continuar seu objetivo de rasgar a garganta do homem. — Não suje a sua adaga, filha... Ela não foi tão bem desenhada para isso. — O Senhor da Blacks disse para filha num tom baixo que fez Rosé recuar e segurar Chaeyoung alguns passos de distância do homem tendo os membros pessoais ficando na frente delas, às protegendo. — Ele a machucou, Park Chaeyoung?

— Acho que ele perderia a garganta antes que quisesse meu sogro. — A morena disse com tranquilidade fazendo o homem sorrir com a resposta já que Rosé realmente estava com um olhar assassino quase implorando para ver o sangue daquele homem jorrando de seu pescoço naquele momento.

— Acho que tem razão. — Ele riu antes de se voltar para o patriarca dos Kim, apertando o seu pulso com ainda mais força, já sendo notável a mudança de cor na ponta dos dedos do homem. — Uma pergunta interessante da minha nora, Kim. Está questionando a minha decisão? Achei que tinha deixado claro na reunião da cúpula os feitos que fizeram a minha escolha para esse casamento, não? — O Pai da Blacks perguntou aos membros a sua volta que a maioria concordou já que eram os mesmo que estavam na reunião o qual houve o convite para estarem ali. E pela tensão que tinha no local, era evidente que todos estavam incomodados com a petulância do Kim em agir de forma rude com um membro superior. — E ainda por cima está levantando a mão para um Park? Eu realmente espero estar enganado, Kim, até porque o senhor sabe as consequências disso...

Assim que terminou de falar alguns membros pessoais de outros membros de Clã se aproximaram de forma nada amigável olhando para o Kim. Era claro que uma palavra aquele homem podia ser morto ali mesmo. — Ninguém desrespeita um Park ou um membro da Blacks em seu casamento... — O tom foi ameaçador e era possível ver o medo estampado na face do homem questionado ao ter seu pulso apertado ainda mais, mas parecia que Kim não tinha mais alguma coragem de questionar, mesmo mostrando um pouco de dor. Parece que o homem finalmente percebeu o seu pecado, ao provocar um Park diante da alta cúpula da Blacks, não seria aceitável.

— E-eu em momento nenhum questionei a sua escolha, Senhor da Blacks. Apenas estava com... Expectativas maiores sobre a nova integrante do alto escalão da Blacks. Talvez precisasse ser melhor... Educada?

— Melhor medir suas palavras com a minha esposa, Kim. Ela humildemente se declarou uma aprendiz diante de todos, como ela mesmo disse, está sob meus cuidados a partir de agora. — A voz fria de Roseanne mostrava o quanto ela estava louca para matar o homem que ousou tocar na sua esposa, mas a presença do seu pai a impedia. — E diferente dela que se mostrou humilde diante de todos, seu filho não foi muito educado quando encontrou a minha noiva pela primeira vez, agora você. Posso considerar isso um comportamento recorrente... E isso não é algo aceitável, faz parecer que possui algo contra ela... Ou contra os Sons. Ou seria contra os Parks? — Chaeyoung pode notar as veias surgirem no pescoço do homem, assim como a cor do seu corpo seu rosto ficou mais claro, ele realmente estava ficando preocupado naquele momento, as suposições de Roseanne deixaram os demais membros honorários inquietos com os comportamento da família naquele momento. Nem mesmo ter o pulso solto pareceu aliviar a sua tensão no momento.

— Isso não é tipo de comportamento aceitável, Kim. Como você quer crescer dentro dessa organização quando trata os membros dessa maneira? — O pai de Jeongyeon questionou cruzando os braços.

— Se não sabe respeitar o cônjuge de um Park, como posso acreditar que respeitará os membros do meu Clã? Esqueça as negociações com os Jung, Kim. — O patriarca dos Jungs se impõe deixando o homem questionado ainda mais irritado e preocupado.

— Eu peço total perdão pelo comportamento desastrado tanto da minha pessoa, como do meu filho. Eu lhes garanto que isso não irá se repetir, Senhor da Blacks. — O homem se curvou completamente ao pai de Rosé, que lhe observava em silêncio, antes de trocar um olhar com a filha que suspirou pesadamente.

— Está sobre aviso de nunca mais se repetir, Kim. Ou terá consequências maiores que a perda de um negócio com os Jungs... Você deve saber as consequências de quem decide trair a Blacks. — O homem concordou finalmente se levantando, o Senhor da Blacks o encara por mais um momento, já estava pronto para dar as costas ao Kim quando se lembrou de algo. — Aconselho a ficar longe da Chaeyoung, sabe que a lei da Blacks é bem direta quanto à proteção do seu cônjuge, qualquer assassinato será permitido, especialmente para proteger um cônjuge de um Park. Dessa forma, não irei intervir na próxima vez que Rosé quiser cortar a sua garganta. — Kim apertou a mandíbula com força, ganhando um sorriso do dono da organização, que logo virou para os convidados. — Alguém mais tem algum questionamento sobre a minha decisão ou podemos ir para o banquete?

— Comida, finalmente! — Jihyo grita do outro lado do salão, arrancando risadas do resto do salão. Logo as portas laterais se abrem para que os convidados possam se retirar para a área do salão principal onde havia sido servida a comida. Vigiado por muito dos convidados, especialmente por Rosé, Kim sai da vista dela rapidamente.

— Se certifique que aquele idiota fique longe da gente. — Juyeon rapidamente sai em direção ao salão principal já que a família Choi estava auxiliando no cerimonial. — E vocês duas, não vão sair de perto dela quando eu não estiver junto... Se ele teve coragem de agir assim na frente de todos, imagine o que poderia fazer se achar ela sozinha. Aquele bastardo quer intimidar a Chaeyoung, só porque eu não quis o imbecil do filho dele. — Rosé rosnou entre os dentes, antes de olhar para Eric. — Já recebi autorização, deixem os outros cientes de tudo. E Eric, diga para Jihyo e Kyla começarem, estejam preparados. — Todas concordaram e logo os membros principais de Chaeyoung, acompanharam Eric para fora do Salão de cerimônia.

Chaeng finalmente soltou um suspiro sentindo a tensão sair do seu corpo, realmente não acreditando no que acabou de fazer, mas sabia que precisava mostrar personalidade naquele momento. Mostrar fraqueza diante de tantos membros importantes poderia ser algo ruim para Rosé, seria como assinar o testamento afirmando que ela era a fraqueza da herdeira da Blacks. E sem dúvida odiaria ser vista dessa maneira, especialmente quando fazia de tudo para justamente não ser um estorvo para Roseanne. Antes que pudesse falar alguma coisa, Rosé já a puxava para a sala lotada de presentes, fechando a porta atrás de si.

— Você está bem? Ele te machucou? — Roseanne pergunta ao se aproximar da morena, era notável o quanto a mais velha estava perturbada com o que aconteceu e estava tendo dificuldades para se acalmar. Antes que a morena possa responder, sente os lábios de Rosé deslizando no local que antes os dedos do homem estavam, já que havia deixado à região levemente vermelha. Suspirou devagar curtindo dos sempre bem receptivos lábios da esposa, chegando a fechar os olhos, passando os braços em volta do seu pescoço a trazendo para perto no intuito de acalmá-la.

— Será que não devia ser eu que deveria estar perguntando isso? — Perguntou divertida quando ouviu a mais alta resmungar alguma coisa contra a sua pele. — Não se preocupe, ok? Eu não impediria vocês, se ele realmente estivesse me machucando. Eu estou bem. — A morena riu diante do comportamento da esposa, apertando os braços em volta dela.

— Ele tocou em você... — Rosé rosnou entre os dentes antes de desferir mais um beijo do outro lado do rosto da médica, com se “limpasse” sua esposa do toque do homem. Chaeyoung aumentou o sorriso diante daquele comportamento possessivo.

— Normalmente as pessoas se tocam casualmente, Rosé.

— Ninguém toca a minha esposa. — Rosnou de volta, apertando mais os braços em volta da morena, acabando com qualquer espaço entre ambos os corpos, enquanto seus lábios ainda estavam ocupados e beijar todo rosto, especialmente onde o homem havia deixado pequenos pontos avermelhados pelo toque.

— Mesmo? Isso pode ser um pouco inconveniente para mim. Deveríamos conversar sobre o seu jeito possessivo, Sra. Park? — Sabia que era perigoso provocar a ruiva daquela maneira, mas seria ainda pior se Rosé voltasse para a festa com sede de sangue, realmente não queria ser motivo de uma chacina.

— Acho que é um pouco tarde para querer discutir sobre isso, Sra. Park Chaeyoung. — Os olhos de raposa logo pararam sobre os castanhos, antes de encostar a testa na dela. — Você é completamente minha agora, só minha.

Chaeyoung fingiu surpresa com o que acabara de ouvir, tentando parecer preocupada agora. — Isso pode ser muito problemátic-... — Foi impedida de continuar a falar quando a ruiva tomou posse dos lábios da médica, num beijo até que um pouco mais calmo e carinhoso do que poderia imaginar. O problema de ter os lábios de Roseanne contra os seus era apenas um: a dificuldade de largá-los. Em poucos instantes, o beijo ganhou agressividade e o lado dominante de Roseanne mais uma vez se mostrou presente.

— Minha. Minha. Minha. — A mais velha repetia incansavelmente a cada novo beijo, a morena apenas se limitava a sorrir e corresponder a cada novo toque com o mesmo desejo que possuía por Rosé. Admitia, estava ficando difícil se controlar quando os dedos possessivos da esposa apertavam sua cintura deixando seus corpos ainda mais colados, facilmente concordaria para fugirem dali se a mais velha lhe perguntasse naquele momento. Contudo o que saiu dos lábios viciantes em um novo rosnado a divertiu. — Ele tentou te intimidar, eu deveria arrancar a língua daquele homem.

— Talvez devêssemos conversar sobre o quanto você consegue ser rancorosa? — Chaeyoung provocou, segurando o rosto de Rosé em suas mãos procurando o seu olhar, podendo encontrar uma expressão ainda irritada na face bonita. — Esqueça isso, ok? Ele pode até querer me intimidar, mas não conseguiu. — Selou os lábios a sua frente da forma mais carinhosa que pode, usando a sua cartada para trazer a sua irritante esposa de volta aos trilhos. — Eu sou uma Park, quem pode me intimidar, hm?

Para o seu alívio, o sorriso de Roseanne voltou quase instantaneamente quando ouviu a frase e o brilho voltou para seus olhos. “Você é tão previsível às vezes, Rosé“. A morena pensou enquanto ria baixinho a beijando mais uma vez. Seus lábios se roçaram devagar, voltando a ser a esposa apaixonada de minutos atrás quando disseram seus votos. Chaeng se deixou apreciar melhor os mimos de Roseanne sem perder o sorriso, ainda se surpreendia com o modo como a mais velha se tornava fácil de ler quando estava tocando a morena e não escondia que gostava disso.

Em algum momento, seus beijos finalmente cederam já que estavam com dificuldade e manter o ar nos pulmões obrigando as duas se afastar. Não demorou em sentir o nariz alheio subindo de seu pescoço até próximo a sua orelha, logo os lábios de Rosé estavam mordiscando o lóbulo da sua orelha sussurrando bem baixinho. — Devo admitir que isso foi particularmente sexy, Sra. Park.

— Eu tenho meus momentos... — Sussurrou em resposta, mas antes que pudesse provocar um pouco mais uma batida na porta assustou as duas, fazendo à ruiva se separar com um rosnado de frustração.

— Roseanne, minha filha, largue um pouco a pobre da Chaeyoung. Ela realmente precisa de um pouco de paz, sabia? Desse jeito ela vai enjoar de você antes mesmo de chegarem na lua de mel. Na verdade, eu tenho até pena dessa garota nessa viagem. — A morena riu baixinho enquanto arrumava as vestes, já Rosé revirava os olhos com o que ouvia. — Tente parecer um pouco mais civilizada e venha logo para o banquete. Agora. — O tom autoritário, parece que surtiu efeito já que a ruiva finalmente tinha tomado coragem de se arrumar e abrir a porta encontrando a matriarca suspirando pesado ao ver a filha. — Chaeyoung devia ser santificada, sabia? Pra fora. — Roseanne a contragosto segue em direção ao salão principal.

— Eu me pergunto como você consegue ter tanta paciência com ela, Chaeyoung. — A mãe de Roseanne acompanha a morena, enquanto caminham calmamente em direção ao Salão, sendo seguidas de perto por Yoojung e Jeongyeon.

— Diríamos que eu tive um intensivo de como é lidar com Park Roseanne pelas duas semanas e meia que ela passou no meu apartamento. — A morena brincou fazendo a mais velha rir dando alguns tapinhas no ombro da médica. — Fique tranquila, eu sei lidar com ela. — A dupla riu mais uma vez antes de entrarem no salão principal.

A decoração se assemelhava bastante ao do salão de cerimônias. Lâmpadas LED em formato de vela eram colocados pendurados no teto em alturas diferentes, deixando o ambiente aconchegante, assim como as mesmas lâmpadas colocadas sobre as mesas dos convidados. bem no centro do salão, havia um conjunto de mesas em formato de U, onde os membros mais importante dos Clãs estavam sentados, e logo atrás a esse formato de mesas estavam as mesas redondas estavam espalhadas pelo salão. Ao passar os olhos pelo local encontrou a equipe de Roseanne e Jihyo sentados nas mesas próximos a saída onde pareciam conversar animadamente. Ao seguir a Matriarca foi cumprimentada por algumas pessoas, respondendo da melhor maneira possível, enquanto se aproximavam do centro da formação do U, onde estavam o Senhor da Blacks com uma cadeira vaga ao seu lado para a sua esposa, e em cada lado uma das suas herdeiras.

Era um pouco assustador pensar que estava indo se sentar ao lado direito do Senhor da Blacks, ao lado de Roseanne e para o seu desânimo se sentaria ao lado do pai. Havia uma mesa atrás dela onde estavam seus membros pessoais, as de Roseanne e de Jihyo. Yerin podia até mesmo participar de almoços em família, mas ela não possuía o direito de se sentar-se à mesa como um membro superior, só por namorar Jihyo. Possivelmente se não fosse seu casamento com Roseanne, nem a própria médica poderia estar sentada ali. O único que poderia seria Eric por ser o primogênito dos Son e irmão da noiva, mas por ser um membro pessoal, ele preferia continuar com Juyeon na mesa atrás.

Para a sua surpresa o jantar estava sendo um pouco mais divertido do que imaginava, já havia alguns membros bêbados, algumas conversas mais altas, mas nada que incomodasse. Na verdade, naquele momento as coisas pareciam um pouco mais relaxadas, sem todo aquele protocolo ou rigidez que normalmente acontecia nas poucas coisas que Chaeyoung viu nesses poucos dias de convivência com o alto escalão da organização. Por mais divertido que estivesse algumas coisas lhe chamaram atenção, aos poucos toda a equipe de Jihyo e Roseanne sumiram da festa, apenas os membros pessoais ainda estavam no salão.

Nenhuma delas bebia, nem mesmo Roseanne que sempre adorava um bom vinho, havia tocado na bebida e até mesmo percebeu que nunca chegou nenhum garçom lhe oferecendo nada alcoólico. Seria alguma tradição para os noivos não beberem? Juyeon não havia dito nada sobre isso, mas talvez porque ele não achasse necessária ou simplesmente esqueceu.

Depois de mais um tempo observando, na realidade nenhum Park estava bebendo, talvez fosse algo esperto, sempre se manter sóbrio diante dos membros importantes da Blacks, seria uma maneira de não mostrar fraqueza de fato. Por mais que tivesse tudo tranquilo, depois que Roseanne terminou de comer a jovem sentiu a mais velha envolvendo o braço em volta do seu ombro de forma possessiva e até protetora. Estranhou aquele comportamento, mas se deixou apenas se aconchegar ali, não precisava ser muito inteligente para imaginar que ela pegou alguém olhando para a médica ou algo do tipo, e sinceramente, se sentia mais confiante diante de tantos membros da Blacks, quando tinha a mais velha sendo dominante assim.

— Chae...

— Hm? — A morena terminou de tomar a sua água colocando a taça no lugar, antes de voltar atenção para a esposa. Rosé tinha um olhar calmo, assim como o sorriso que abriu assim que fizeram contato visual, mas logo a jovem ficou um pouco desconfiada que pudesse haver algo errado, quando sentiu um suave carinho na sua bochecha. — Algo errado? — A jovem sussurrou um pouco tímida com a intensidade que sentimentos que brilhavam nos olhos da bela raposa que passou um bom tempo em silêncio, apenas admirando a tímida médica.

— Não, nada errado. — Rosé diz um pouco sem jeito deixando Chaeng ainda mais confusa, chegando até mesmo se afastar do corpo mais alto para poder olhar melhor para a esposa. — Chae, você realmente gosta de mim? — A expressão de Chaeyoung demonstrou uma clara confusão com aquela pergunta repentina e tão direta. Por que a voz da mais velha parecia tão insegura e preocupada? O incidente de mais cedo ainda estava na sua mente? Mesmo depois de toda aquela brincadeira e provocações, achava que tinha deixado claro a Rosé que estava sendo feliz com ela. — Se não houvesse Blacks, marcação, casamento arranjado... Você ainda iria sentir alguma coisa por mim?

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...