1. Spirit Fanfics >
  2. No Excuses And I Know >
  3. We Die Young

História No Excuses And I Know - Capítulo 11


Escrita por: MyLoveJerry1990

Notas do Autor


Eu adaptei a realidade completamente, não levem nada a sério..

Capítulo 11 - We Die Young


Fanfic / Fanfiction No Excuses And I Know - Capítulo 11 - We Die Young

- Jerry?

- Hm

- Você é feliz ou você é triste?

- Algo entre os dois.

Estávamos deitados na cama, cobertos apenas pelo lençol, eu repousava minha cabeça em seu peito e ele acariciava meus cabelos carinhosamente, suas mãos quentes passavam pelas minhas orelhas, depois pela minha nuca, era muito bom, eu me sentia protegida por ele, levanto meu olhar e encaro dentro de seus olhos azuis, beijo seus lábios e ele me beija de volta.

- Você vai ficar agora né? Vai ficar comigo?

- Estou pensando nisso ainda, não vou te dar certeza de nada.

Eu realmente não gosto de dar certezas, só quando eu realmente sei que tenho certeza absoluta da coisa, mas muitas águas haviam de rolar e eu não queria me precipitar.

- Eu quero você só pra mim.

Ele diz olhando nos meus olhos.

- Sua boca, seus olhos verdes, seu corpo lindo cheio de curvas, seu cabelo bagunçado, tudo em você me enlouquece e eu quero você pra mim.

Ele estava sendo sincero, era perceptível em seu tom de voz, sempre calmo, seu olhar sereno de quem já passou por muita coisa e que sabia lidar com tudo.

- Jerry, seu mistério me encanta.

- Que mistério? Ele ri.

- Você é tão diferente, você é intenso e não deixa as pessoas se aproximarem muito de ti.

- Eu deixo você se aproximar, você sabe mais de mim do que eu mesmo.

- Mas eu sinto que não sei de tudo, e que talvez nunca vá saber, eu não me importo, gosto de você assim.

- E eu gosto de você assim, do jeito que você é, você é incrível, nunca conheci uma pessoa tão encantadora.

Ele acaricia meu rosto e beija minha boca, mas eu estava morrendo de sono e queria dormir, amanhã eu e as meninas da banda iríamos repassar nossas músicas na gravadora e deixar tudo pronto para às 17:00 no The Crocodile. Contei ao Jerry que estaríamos tocando lá e ele adorou.

- Que orgulho da minha gata, estarei no The Crocodile pra te ver, se importa se eu levar os caras? Layne está emocionado com você, ele te adora, sério, e Mike sai com uma amiga sua às vezes.

- Leve os caras, adoro eles, Layne é demais, eu sinto que ele é uma pessoa triste, tenho vontade de apenas abraça-lo, entendo ele. E sei da história do Mike, aquele grandão gato vai também? Aquele homem é forte e bonito, com aquelas baquetas ainda.

Eu disse aquilo apenas brincando, ele era realmente bonito e grande, mas eu não queria nada com ele.

- Hmm, então quer dizer que a senhorita gosta de caras grandes e fortes e que toquem bateria... sinto muito não poder atender suas expectativas meu amor.

Rimos demais, éramos dois idiotas e adorávamos isso. Demos um beijo de boa noite e eu me viro para o lado oposto a ele na cama, ele se vira para o mesmo lado e me abraça, sinto ele mexendo no meu cabelo até que eu pego no sono. No dia seguinte, logo de manhã eu acordo cedo, e vou direto tomar um banho, Jerry ainda estava dormindo, sai da cama bem silenciosamente, para ele não acordar, tomei um longo banho bem quente, fervendo, do jeito que eu gostava, tive que sair só de toalha, pois havia esquecido minhas roupas, trombo com Jerry no corredor, ele me agarra pela cintura.

- Bom dia minha gata, como você tá sexy assim, mas eu acho melhor ainda sem.

Ele puxa minha toalha e eu fico completamente nua, com as bochechas coradas, desisto da tolha e saio em busca de minhas roupas.

- Não está na hora disso Jerry, eu preciso sair, e nem me arrumei.

Deixo ele plantado lá, no meio do corredor, totalmente sem reação, senti que ele ficou decepcionado, mas eu não tinha muito tempo, pego em sua mão e empurro ele até a cama, ele vai sentado, eu tiro seu shorts e acaricio seu membro, na hora já percebo ele enrijecendo, libero ele e o masturbo, com movimentos lentos e depois mais rápido, subindo e descendo, a cara de Jerry era de um tesão extremo, ele segura minha nuca, como que diz "vai, coloque sua boca", então foi isso que fiz, seu membro mal cabia ali dentro, mas ele estava gostando, gemia baixinho.

- Hm, caralho eu vou gozar.

Segundos depois sinto uma invasão daquilo em minha boca, e minutos depois eu estava tomando meu café da manhã preparado por Jerry, como se nada tivesse acontecido, era engraçado e eu queria rir, ele também, mas nos seguramos. Terminei de me arrumar e me despedi.

- Tchau Mr. Cantrell, eu preciso ir agora, nos vemos mais tarde.

- Tchau meu anjo, é claro que nos veremos eu preciso retribuir isso que você me fez, se prepare, não aceito menos que você toda suada e gemendo de tesão.

- Vou esperar ansiosamente por isso. Sorri para ele.

Demos um beijo de despedida e eu saí, a casa de Jerry era bem perto da gravadora, eu havia pedido para Anne levar minha guitarra, assim não precisava passar no apê, andei por algumas ruas gélidas e finalmente cheguei. Todas elas já estavam lá, com seus instrumentos preparados, apenas me esperando, Piper é a primeira a me perguntar.

- Onde você se meteu? Achamos que não viria mais..

- Desculpem meninas, eu estava resolvendo umas coisas.

Anne sabia que eu estava na casa do Jerry, ela apenas olhou para mim maliciosa e sorriu, eu fiz sinal de shh com a mão e ela deu a entender que deixaria em off. Ensaiamos bastante por hora e fomos todas a um restaurante aí perto para almoçar alguma coisa, já era 15:00 da tarde quando fomos ao apartamento para nos arrumarmos para o show, tocaríamos um cover de algumas músicas do Kiss, mas com um toque nosso e apresentariamos boas autorais que havíamos produzido. Durante nossa arrumação, elas me apresentaram um álbum do Alice In Chains chamado Facelift e um do Pearl Jam, chamado Ten, amei os dois, principalmente o que o meu homem participava, elas também me contaram histórias das bandas de Seattle, como o Mother Love Bone e o supergrupo Temple Of The Dog, achei incrível tudo aquilo, eles realmente tinham história pra contar, Stone fez parte de ambos e aí me lembrei que talvez ele devesse estar chateado comigo, não podia evitar de pensar isso, ele era tão bonzinho, talvez eu devesse falar com ele, dizer que gostaria de sua amizade e essas coisas, não sei, estava a pensar. Naquela noite, estávamos todas na mesma vibe, algo mais Glam Metal, camisetas, couro, jaquetas e botas de salto alto, cabelos bem bagunçados estilo anos 80, estávamos lindíssimas, todas nós e extremamente preparadas para dar um show. Saímos de casa, as 16:30, teríamos um tempinho para posicionar as coisas.
Chegando lá, Susan e seu sócio correm nos cumprimentar.

- Oi meninas como estão? Diz Susan.

- Eu sinto que hoje estaremos lotados. Fala o homem cujo o nome eu não sabia.

- Olá dois, estamos ótimas e vocês? Fala Sadie.

- Que bom que estarão lotados, mas por que exatamente?

- Por causa de vocês. Diz Chris que acabará de chegar e abraçar Susan por trás.

- Eu não posso acreditar. Me rio. Nem somos tão famosas assim.

- Ah, são sim, vocês saíram no jornal, todo mundo está falando de vocês, viraram a nova sensação de Seattle. O som de Seattle tem mais uma banda incrível para a coleção! Susan estava empolgada.

Nós todas nos encaramos e demos de ombros, subimos no palco montar nossas coisas. Eu fico bem na frente, na boca do palco, com a guitarra em mãos e o microfone na minha cara, Piper na bateria logo atrás, Sadie no baixo do lado esquerdo e Anne na outra guitarra e no outro vocal no lado direito, é estávamos prontas, até onde vi o bar estava cheio, mas as luzes se apagaram e eu me concentrar na música, definitivamente estávamos empolgadas e viramos as melhores Headbangers da cidade aquela noite, depois do Kiss foi a vez das nossas, tinha uma bem melancólica e depois tocamos duas agitadas pra fechar.
Agradecemos os aplausos e descemos do palco, entramos pelo corredor atrás e fomos para a sala guardar os instrumentos e beber, quando eu chego na porta me deparo com um bom tanto de gente ali. Chris e seus amigos de banda, que eu não conhecia de nome, Susan, Mike, Layne, Jerry, Sean, Demri e um amigo e uns caras estranhos que eu nunca tinha visto. Me senti extremamente intimidada ali, eles falavam alto, riam, bebiam e nos aplaudiram quando chegamos. Eu larguei minha guitarra num canto de um dos sofás e sai dali o mais rápido possível, sem cumprimentar ninguém e sem que ninguém me visse. Sigo a frente no corredor e saio pela porta dos fundos. Me deparo com outra cena, Mike McCready, o outro guitarrista do Pearl Jam estava a beijar uma moça linda, eu queria sumir, que vergonha.

- Mike?? Nossa, me desculpem, eu já estou saindo, perdão.

- Jo? Calma. Diz Mike.

Mas eu já havia saído, entrei novamente pela porta que havia passado segundos antes e Jerry aparece na minha frente.

- Aí que susto porra, agora tu virou fantasma garoto?

- Tá assustada por que? O que estava fazendo que fugiu de mim, hoje você não me escapa mocinha.

- Não Jerry, eu estava me sentindo mal no meio de toda aquela gente, precisei sair.

Ele pega meus cabelos e me beija no meio do corredor.

- Jerry, não, aqui não, você sabe que eu não gosto.

- Me desculpa, eu não me aguento.

- Vamos sair daqui.

 


Notas Finais


AI EU AMEI, tá tudo dando certo entre os dois e esse é um casal quenteeee


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...