História No Mercy - Capítulo 50


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT), Sensational Feeling 9 (SF9), Seventeen, WayV, WINNER
Personagens Chenle, Doyoung, Haechan, Hansol, Hendery, Jaehyun, Jaemin, Jeno, Jisung, Johnny, Jungwoo, Kun, Lee Chan "Dino", Lucas, Mark, Mino, Personagens Originais, RenJun, Seungcheol "S.Coups", Soonyoung "Hoshi", Taeil, Taeyong, Ten, Winwin, XiaoJun, YangYang, Yuta, Zuho
Tags Assassinatos, Doil, Drama, Jaeyong, Johnten, Kpop, Kunsol, Kunwin, Luwoo, Markhyuk, Mistério, Nct, Nomin, Serial Killer, Seventeen, Suspense, Yuwin
Visualizações 75
Palavras 2.903
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


HEEEEELLOOOOO NEO CITY!!!

Chegamos ao esperado capítulo 50!

Lembrando que a fanfic tem 55 cap, ou seja, estamos bem perto do final.

Aguentem aí, No Mercy é uma caixinha de surpresas!

Boa Leitura!!!

Capítulo 50 - Ao Avesso


Autora On


 

"O ódio não desaparece e os sonhos me torturam; o relógio parece rir de mim; não cometo nenhum erro mas estou um caos; eu nem sequer me conheço; meu futuro está sombriamente coberto, estou me debatendo, cobrindo esta noite com cores ainda mais sombrias... Então, lentamente volto a abrir meus olhos nesse silêncio barulhento..."


   Taeyong não sabia, mas algo estava fazendo seus pés se moverem rapidamente, queria logo chegar naquela maldita clínica, estava eufórico, nervoso, um medo surreal havia tomado conta do garoto.


  Sua determinação para acabar de vez com aquele pesadelo também se fazia presente, o medo de Taeyong não era nada perto da raiva que ele sentia de tudo aquilo, pessoas inocentes com suas vidas interrompidas, estava mais que na hora de frear aquele maníaco e companhia.


  Um corvo fez um barulho alto quando Taeyong atravessou os portões velhos e enferrujados da clínica, andou por entre a grama alta e seca, murcha e fétida. Aquele lugar tinha um cheiro indescritível de morte mas algo no interior do Lee dizia que faria uma nova história naquela clínica.


  Antes de subir os três degraus para a porta de entrada do local, ouviu um bater de palmas, lento. Virou-se lentamente numa meia volta vendo Dino em pé a poucos metros de si.


   --- Se atrasou alguns minutos Lee. --- Disse o óbvio com um sorriso maldoso nos lábios.


   --- Não tenho pressa pra morrer, você tem pressa pra matar? --- Perguntou o Lee mais novo num tom de voz frio.


   --- A melhor morte é aquela que demora dolorosamente. --- Rebateu Dino passando por Taeyong. --- Me siga.


  Taeyong seguiu o mais velho sem nenhum medo, naquela altura ele não tinha mais nada a perder, nada mesmo.


  Andando pelos corredores mal iluminados, Taeyong imaginou a história por trás daquela clínica velha e abandonada. Ali desde sempre fora um local com energia ruim, todos da Coreia sabiam da história macabra por trás daquela clínica. Era uma história um tanto louca mas mais louco ainda era o que acontecia ali.


  --- Com medo? --- Ouviu a voz de Dino, soava melancólica.


  --- Não. --- Disse firme sentindo os joelhos bambos pelo nervosismo.


   --- Você é alguém com quem eu gostaria de sentar pra conversar, parece ser alguém forte. --- Novamente a voz de Dino soava da mesma forma.


   --- Todos os fortes possuem grandes fraquezas. --- Soltou Taeyong depois de um minuto de silêncio onde só se ouvia os passos dos tênis caminhando no chão sujo daquele corredor.


  Taeyong estava se preparando o máximo que podia, sabia quem iria encontrar e era isso que o fazia travar ao pensar. O que iria falar? Como iria reagir? Não sabia o que viria mas sabia de uma coisa: ele estava preparado!


_______________________


  O clima entre Hansol e Kun estava estranho naquele dia, os dois estavam agindo como pessoas normais e não como pessoas que tinham um certo relacionamento.


  A noite já havia chegado, os dois estavam abraçados no sofá vendo um programa qualquer aleatório. Nenhum dos dois havia falado nada, a mente de Kun estava perturbada aqueles dias.


  Estava pensando em Hoshi e Dino, a relação deles parecia ser "normal" mas Dino era um assassino, não tinha a ver com reputação na sociedade e sim em como era a relação. Hansol ajudava Dino no massacre, ele havia ajudado na morte dos melhores amigos de Kun, o chinês se sentia péssimo.


    Era como uma espécie de traição, ele não sabia explicar, mas era uma angústia, estar com Hansol e lembrar que seus amigos haviam sido mortos por ele, ou que sofreram nas mãos dele, causava um certo embrulho no estômago.

  --- Hannie. --- Se pronunciou pela primeira vez na noite.

  --- Sim? --- Respondeu frio. Hansol ainda estava mal pela "briga".

  --- Acho que devemos parar por aqui. --- Kun soltou baixo, com a voz mansa  num fio de voz.

  Hansol congelou, Kun sentiu isso e parou também. Era um momento difícil, eles não sabiam como agir perante a aquilo. O Ji amava Kun como nunca tinha amado ninguém, nunca conseguiu se imaginar sem o Qian e agora seu pesadelo estava se realizando.

  --- Kunnie... --- Divagou baixinho.

  --- Hannie, eu sinto que estou traindo meus amigos, você ajudou no massacre, eu não consigo me sentir confortável. --- Explicou Kun com calma, tentando fazer tudo acabar bem. --- Quero que entenda, me faz mal de certa forma, eu realmente gosto muito de você, Hannie, mas a gente não pode mais.

  Hansol refletiu por um momento aquilo, entendia o lado de Kun e realmente aquilo deveria ser difícil. Suspirou , querendo ou não deveria entender aquilo, não era fácil e tendo em vista que Kun era alguém que se importava demais com os amigos era algo embaraçoso pra ele. Hansol o amava muito, e por isso, para preservar o sorriso e a felicidade de Kun, ele o deixaria ir.

   Se assustou quando seu celular vibrou em cima da mesinha do centro, olhou pra Kun que estava imóvel e se afastou, pegou o aparelho e olhou o kakao.

|Cup [ 07:56 PM ] 26/11/18
|Venha para a clínica
|Sun quer você aqui.

  Ao ler as mensagens, o Ji suspirou, sorriu para Kun lhe dando um abraço apertado com direito a um beijinho na bochecha, pediu desculpas por alguma coisa que tivesse feito e por fim saiu da casa, indo para a clínica.

  Kun, mais uma vez sozinho em sua casa, deixou um longo e sôfrego suspiro escapar, não iria deixar que a tristeza invadisse seu ser, não, de forma alguma! Subiu para o seu quarto após ter desligado a TV, tomou um banho e vestiu roupas quentes, pegou seu celular, carteira e fones de ouvido e saiu de sua casa, indo caminhar pela noite silenciosa das ruas vazias de Busan.


___________________________


   Ao entrarem no escritório de Sun, Taeyong se manteve parado ao lado de Dino, em cima da mesa estava Coups, sentado mexendo no celular e uma poltrona vermelha atrás da mesa estava virada, mas era possível ver uma cabeleira ou as pontas dela. Era ele.

  Houve silêncio, um silêncio perturbador, se Taeyong se concentrasse poderia ouvir seu coração bater forte e descompassado, estava nervoso, não iria negar isso.

  --- Finalmente... --- A voz macia de Sun ecoou pelo recinto escuro e abafado.

  Atmosfera quente. Corações batendo forte ali. Tinha chegado a hora.
 
  

--- Como eu nunca desconfiei de você? --- Taeyong soltou numa voz mansa e calma.


  A risada do rapaz mais velho ecoou com um eco estranho pelo escritório. Taeyong mordeu os lábios quando o rapaz se levantou, ainda de costas para ele, e passou as mãos nos cabelos, agora pretos.


  --- É, Taeyong. O círculo fechou para todos nós. --- Disse finalmente se virando para Taeyong.


  Mais um pouco de silêncio. Os olhares se encontraram e uma euforia  tomou Taeyong, mas ele manteve a calma, não poderia perder o controle.


  --- Vamos nos ver todos no inferno, Lee Taeyong. --- Sorriu doentio.


  --- O caminho do inferno é largo afinal, Moon Taeil.


  Mais silêncio, aquilo era angustiante. Hansol apareceu no escritório e foi até Taeil, ficando do lado dele encostado na parede sem olhar Taeyong ou os outros assassinos que se mantinham calados.


  Olhando o Moon tão de perto agora percebeu que realmente todas  as características do assassino coincidiam em cheio com Taeil. Altura, cabelo, modo de falar e agir, tudo.


   --- Como você pode matar seus amigos? Seu irmão? --- Taeyong questionou, queria uma explicação para todo aquele caos, as mortes, tudo!


   --- Eu não mato ninguém , eu mando. --- O Moon olhou para Dino lançando um sorriso maldoso.


  Dino assentiu com um gesto de cabeça, num gesto rápido o rosado sacou a faca da cintura e a afundou na altura do abdômen de Taeyong por trás, o Lee gemeu caindo de joelhos no chão, via seu próprio sangue jorrar do ferimento e escorrer pelo chão escuro, doía como o inferno, tanto a ponto de Taeyong gritar.


  Taeil riu, de forma sádica adorando aquilo, já era um prazer pra ele ver o sofrimento dos outros e saber que ele próprio havia sido a causa.


  Coups, em cima da mesa negou em silêncio antes de ir até Hansol, sussurrar algo para o Ji e sair do escritório, a distração perfeita estava ali, era a hora.


  _______________________


    Lá em baixo no porão, o mais novo dali percebeu a estranha movimentação e os barulhos lá de cima, com certa dificuldade se arrastou até o chinês e o balançou levemente, o acordando do sono em que o outro estava. Já que estavam fracos a única coisa que podiam fazer era dormir, pra poupar força ou para esperar a morte mesmo.


  --- Yah, acorde, tem algo acontecendo lá em cima. --- Sussurrou baixinho ouvindo de  volta um "hmm" como resposta.


  Rapidamente se deitou no chão, em cima da perna do outro quando a porta do porão foi aberta. Era Coups.


  --- XiaoJun? XiaoJun? --- Chamou mas não obteve resposta. --- Ei vocês, Eu sei que estão vivos! --- Sussurrou baixinho andando até o canto do porão.


   O chinês que estava com a chave mordeu o lábio levemente, talvez devesse confiar no Choi, ele era uma pessoa boa e estava ajudando eles.


  

--- Vou deixar a porta aberta, usem a chave para abrir a portinha de saída no final desse corredor, saiam daqui. --- Disse o Choi ao sussurros antes de sair apressado dali.

  --- Vocês vem? --- O chinês de cabelos castanhos perguntou.

  --- Vá, você precisa pedir ajuda de alguém, alguma autoridade para vir pra cá, a gente fica. --- Disse um deles segurando a mão do rapaz e a apertando.

   Os meninos sabiam que não tinham muito tempo, rapidamente o chinês se levantou com dificuldade e se encostando nas paredes, saiu do recinto depois de 4 meses preso ali.

  Era bom sentir um ar novo, mais limpo. O garoto sentiu uma alegria lhe tomar só de ver a luz de alguma lâmpada depois de tanto tempo. Com um pouco de pressa, tentou caminhar rápido pelo curto corredor do subsolo. Virou até achar uma rampinha com uma porta quadrada de  tamanho médio ali, fechada. Sacou a chave que Xiao lhe dera e suspirou antes de abrir a porta, como esperado de algo que não era aberto com frequência a porta se abriu com um rangido baixo.

  O rapaz saiu e tirou a camisa suja que usava e a rasgou, enfaixou sua perna, onde tinha um ferimento grande aberto, e respirou fundo olhando em volta, a área estava limpa, era sua chance.

  Pedindo forças a todos os deuses existentes e pensando em seus amigos lá do porão, O garoto começou a correr de forma desajeitada, passou pelos portões se sentindo livre pela primeira vez e correu, correu como nunca antes respirando aquele ar limpo gostoso, vendo a luz da lua iluminar sua pele depois de tanto tempo. Era a liberdade afinal.



"Foi um pesadelo, ainda estou nesse sonho? Seguindo a luz que me puxou, estou em um labirinto, lá eu descobri outra passagem, o espaço está abrindo de baixo para cima, um apelo persistente dentro de uma estranha escuridão, estou seguindo a luz e o som, isso bate e me acorda. Eu senti arrepios, finalmente percebi. É só o começo, o ilimitado eu, do começo do leste ao fim do oeste, a luz fica mais forte enquanto se espalha pela escuridão..."


_____________________


   Taeyong estava preso numa agonia, ainda estava ajoelhado no chão vendo Taeil se aproximar de si. Era mesmo um doente.


  --- Aposto que depois de tantos meses queira uma explicação. --- O Moon se abaixou na frente de Taeyong lhe olhando de forma enojada.


  --- Todos querem, Taeil. --- Respondeu o Lee com os dentes cerrados.


  --- Pois bem... --- O mais velho se levantou. --- Tudo começou depois da morte do Doyoung, eu fiquei muito abalado, tão triste que também pensei em suicídio. Foi uma época ruim, até que uma semana depois, quando estava na casa dos pais do Doyoung eu achei o celular dele, nesse celular eu vi diversas coisas, uma delas era uma conversa com um assassino fugitivo da prisão. --- Olhou pra Hansol. --- E a outra era com um X-9 chinês. Eu fiquei em choque, nunca imaginei que Doyoung fosse envolvido com o contrabando muito menos com o tráfico de drogas. Eu roubei esse celular, e após mais uma semana foi quando pensei numa vingança, numa tarde qualquer, escrevi numa folha nomes das pessoas que eu via sempre no colégio, pessoas do Grêmio, amigos próximos de Doyoung enfim... --- Parou para recuperar o fôlego.


  --- Por quê? --- A voz saiu de forma mansa, Taeyong não tinha pressa, Na verdade não tinha nada a mais a fazer então era só escutar Taeil que lhe restava, por mais que fosse chato, era melhor do que se preocupar com um ferimento.


  --- Ver todas aquelas pessoas felizes enquanto eu afundava na lama da solidão, me fez ter raiva, nojo das pessoas a minha volta. --- Respondeu de uma forma tão amargurada que até Dino franziu o cenho, era a primeira vez que via Taeil falar daquela forma sobre o motivo de tudo aquilo. --- Eu não queria ser o único a ter perdido alguém especial, ou ser o único triste na escola.

  --- Então tudo isso foi por... --- Taeyong o olhou. --- Egoísmo? Não queria ver as pessoas felizes? Taeil, você não destruiu apenas vidas, você destruiu uma cidade inteira.

  --- E isso me alegra, pois hoje vejo que não sou o único a perder pessoas importante, agora todos sentem a mesma dor, me sinto realizado. --- Falou abrindo um sorriso largo mostrando os dentes branquinhos. --- Eu sei que você tem muitas curiosidades Lee mas vou apenas tirar a principal delas.

  --- Por que eu fui o último? --- O ruivo perguntou a pergunta que Taeil queria ouvir.

  --- Porque eu fiquei com você, criei afeição por você, seu jeito sempre me deixou extasiado, você parece forte e enquanto eu estive aqui nessa clínica, eu me inspirava em você, na sua força, no seu jeito de enfrentar tudo. --- Respondeu. --- E se você reparar todas as mortes do pessoal da tarja negra como chamam foram sempre depois que todos tiveram uma relação amorosa com alguém ou durante ela. Queria que todos meus amigos sentissem a dor que eu senti, da mesma forma.

  Agora Taeyong via o nível de psicopata que Taeil havia adquirido durante aquele tempo, talvez o convívio com outros psicopatas --- Dino e Hansol --- tivesse acelerado a evolução da mente doente do Moon. Ele havia sido egoísta o suficiente pra não querer a felicidade de ninguém. Agora Taeyong não entendia, ele realmente havia matado o próprio irmão?

  --- E o Clan? --- Perguntou Taeyong depois de um tempo com todos em silêncio.

  --- Dino. --- Taeil chamou, atraindo a atenção do mais velho que mexia no celular encostado na parede. --- Traga seus brinquedos.

  O Lee mais velho sorriu saindo dali. Houve mais um silêncio até que sons de correntes arrastando no chão foram ouvidos. Taeyong franziu o cenho ainda ajoelhado, Dino apareceu no escritório segurando uma correntes enrolada nas mãos, foi quando passos lentos foram ouvidos e Taeyong contou até três antes de virar a cabeça para olhar o que entrava.

   Johnny, Yuta, Lucas, ChenLe, Hendery, Jaehyun, Haechan e YangYang. Os dois últimos vinham sendo arrastados forçadamente pelos da frente, já que eram os dois que estavam mortos, exalavam um cheiro horrível, o Lee quis morrer com aquela cena. Todos estavam irreconhecíveis, o sangue pingava dos ferimentos, pareciam que estavam numa espécie de transe, Taeyong não sabia, somente Jaehyun que ainda estava meio apresentável mas estava muito machucado. Nos tornozelos de cada um haviam correntes grossas, que subiam e acorrentavam também os pulsos e por fim subiam para uma espécie de coleira de ferro no pescoço, na cintura havia uma espécie de cinturão feito de ferro enferrujado, com uma corrente, ligando um ao outro, era macabro tendo em vista o estado dos garotos.

  Taeyong quis gritar com Taeil mas se manteve calado. Dino parou ainda segurando a corrente,  puxando os garotos como se eles fossem animais. O Lee mais novo olhava os garotos estático, pareciam zombies saídos de  um jogo.

  --- Dino não trabalha pra mim por dinheiro, o pagamento dele é ter pessoas para ele se divertir. --- Taeil explicou olhando na mesma direção que Taeyong.

   --- Como você tem coragem de entregar seus amigos pra um maníaco? --- O ruivo disse num tom de voz alto.

   --- Pra tudo um preço. --- Dessa vez Dino se pronunciou balançando de leve as correntes fazendo um certo barulho. --- E se acha isso ruim, é porque não viu quem está nos quartos do andar de cima.

   Coups apareceu na sala e andou até onde um Hansol calado estava, ficando do seu lado observando tudo.

   --- Acredite, Taeyong. --- Ouviram a voz de Hansol sair rouca depois de um certo tempinho de silêncio na sala. --- Ninguém escapou, até o Hoshi está como seus amigos agora.

   Taeyong olhou para Dino, já desconfiava que o assassino fizesse algo de ruim com o próprio namorado, o rosado era perturbado demais e era capaz de fazer qualquer coisa.

   --- Agora, é sua vez de perecer... --- Taeil pegou uma faca em cima da mesa de madeira negra. --- Mas nas minhas mãos. --- Disse se aproximando do Lee.

Continua...

 



Notas Finais


SIM PESSOAL!!! É ELE!!!! MOON TAEIL É O SUN!!!!

Pra quem apostou no Taeil, ganharam na loteria mas vão ter que dividir o prêmio.

Quem será que fugiu para procurar ajuda? Quem está ainda lá em baixo? Xiao realmente está morto? O que aconteceu com Hoshi? Cadê o corpo do Doyoung? O que tem nesses quartos do andar de cima? O que vai acontecer com Taeyong?

Isso, amanhã no Jornal Hoje q

Brincadeiras a parte , tudo isso no próximo capítulo que sairá quinta feira.

Bjins pessoal e até a próxima, amo vocês 💞💛💛💝💕💛💕💖💕💟💕💛💕💞💕💞💞💟💟💞💖💓💖💗💖❣💖💗💖💗💛💕💝💕💝💛💖💓💖❣💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...