História No Money - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Adaptação, Jikook, Kookmin, Longfic, Yaoi
Visualizações 157
Palavras 3.095
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Lemon, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Cross-dresser, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Entre lençóis e uma proposta de liberdade...


Nem mesmo a chuva naquele dia era incômodo para Jeon. Na verdade nada mais o poderia abalar, não quando já estava tão despedaçado por dentro.


Cansado de andar sem rumo, se entrega a canseira e se senta em um beco sujo. Sorriu sarcástico com isso. Eu estou no lugar certo, apenas um pedaço de lixo, pensou.


Ele olhava cada gota de chuva que caía em seu rosto e agradecia por isso, pois suas lágrimas desnecessárias estavam bem escondidas graças a ela.


Cansado e sem vontade alguma, seu olhar cai para o chão. Eu quero morrer… Esse era o desejo que dizia em um sussurro. Não lhe restava mais esperanças. Nada.


Estava tão perdido em meio a sua melancolia que mal notou quando alguém chegou perto de si.


-  Com licença… você está bem? - Mesmo sem vontade nenhuma ele procurou o dono da voz macia e melodiosa. - Oh… Parece que está machucado. Se quiser eu posso…


Jeon estava tão admirado com a beleza e a bondade daquele garoto, que mesmo não o conhecendo lhe oferecia ajuda e um lugar dentro de seu guarda chuva, que mal ouvia suas palavras, estava tão absorto que nem ao menos sentiu quando aceitou a mão que aquele anjo lhe oferecia…



“Aquela voz, aquela mão… Eu não consigo descrever o quanto ele me salvou”...


Enquanto o loiro dormia em sua cama, o moreno tinha essas lembranças em sua mente. Algo que ao seu ver era para ser sua pior recordação, graças à aquele garotinho adormecido era sua melhor lembrança.


Jeon que estava sentado em uma cadeira ao lado da cama,  levantou-se e se pos  ao lado do corpo do loirinho. Observava cada detalhe. Estava perdidamente apaixonado por ele, desde aquele dia e tê-lo em seus lençóis com aquela expressão calma e serena, não lhe ajudava em nada, para acalmar seus desejos. Com cuidado se debruçou um pouco em cima do outro, tomando cuidado para não o acordar. Seu dedo polegar acariciou ternamente o lábio inferior do outro e sem cerimônia lhe deu um breve selar.


Sentiu o garoto se movimentar abaixo de si. Se senta corretamente e olha esperançoso, aguardando  seu despertar. Ao ver os olhos pequeninos dele se abrir, seu coração se agitou. Ainda eram tão escuros e brilhantes como se lembrava.


- Você acordou…- Disse simplesmente.


O garoto olhava para os lados e às vezes para si, tentando entender onde estava.


- Isso é…- O garoto começou a dizer baixinho, mas antes de completar sua frase uma dor de cabeça terrível lhe atinge o fazendo gemer de dor.


- Você está bem?- Jungkook se aproxima do outro olhando seu estado e logo constatou: Drogas. Malditos bastardos pensou. - Deve ser o efeito das drogas, posso chamar um médico?


- N-não… Eu estou bem.- Mesmo com muita dor, o loiro não queria dar mais trabalho ou gasto para a pessoa a sua frente. - Me desculpe.


- Humm? Porquê está se desculpando? Tsc… Vou lhe buscar algo para beber.


O garoto arregalou os olhos, ao ver que o moreno a sua frente não havia entendido seu pedido. De certo modo lembrava um pouco de horas atrás e bem, para si esta pessoa era quem o havia salvado. Jungkook faz menção de se levantar e como ele queria agradecer devidamente, estende uma de sua mãozinhas para segurar o outro, mas acaba lhe agarrando a gravata vermelha, o puxando para muito perto de sua boca. Envergonhado, o solta  e esconde seu rosto embaixo do lençol.


- Eu queria te agradecer… Desculpe por isso.- Revelou seu rostinho corado para o outro.


Jeon estava com o coração na boca e ser enlaçado daquele modo pelo menor, era uma das coisas que mais desejava. Mas precisava se mostrar indiferente. Não poderia o assustar.


-  Pelo quê exatamente?


- Por me salvar. Foi você… não foi?


-  Errr… Sim? - Sabia que esse salvar era meio mentira. Por mais que também fosse verdade.


- Realmente não sei como te agradecer… Foi muito gentil de sua parte fazer isso por mim, mesmo eu sendo um desconhecido.


_ Quê?


Desconhecido? Espere um pouco. O que ele acabou de dizer? Desconhecido? Pensou sentindo uma dor estranha no peito.


- Você não se lembra?- Perguntou sobre o passado que os dois tinham. Aquele que era tão importante para si.


- Me lembro de ter sentido um cheiro forte em meu nariz e ser empurrado dentro de uma van… Então…


Como se o loiro tivesse se lembrado de algo importante, se levanta da cama desesperado, mas ao sentir seu pé em contato com o chão não sentiu suas pernas e também sentiu-se um pouco tonto.


- Ei… Não se levante desse modo imprudente.- Jeon segura o pequeno corpo prestes a cair o colando contra o seu.


- Me desculpe novamente… Eu não senti minhas pernas.- Levou uma de suas mãos no peito de Jeon, segurando com  seus dedos o tecido de sua camisa com medo de cair e a outra levou a sua própria cabeça por causa da dor.


-  E-eu falei que você ainda estava sobre o efeito daquelas drogas, tsc…- Aquela proximidade do loirinho consigo não estava sendo muito boa para seu auto controle. Ainda mais com ele vestindo apenas uma de suas camisas e estar tão dependente de suas mãos.


O garoto olha em seus olhos e faz uma feição preocupada.


- Agora eu me lembro…- O coração de Jungkook falha uma batida. - Meu primo, Chung. Ele estava comigo também. Aquelas pessoas devem estar com ele ainda.


Um arfar frustrado escapa entre os lábio de Jungkook. Cuidadosamente ele coloca o menor sentado na beirada da cama.


Não deveria ser assim. Não é mais importante você se lembrar do homem a sua frente? Pensou Jeon.


- Você está falando de Park Chung, certo?- Caminhou até a cadeira em que estava inicialmente sentado e pegou um envelope que ainda estava lá.


- Você o conhece?- O loiro perguntou com esperança.


- Claro que o conheço. Muito bem, aliás.


- Você é um amigo dele?- Mesmo não vendo seu rosto, por estar de costas, imaginou o sorriso que ele carregava nos lábios.


Virou- Se de frente para o menor e jogou o envelope do seu lado.


- Leia isso.- Viu o receio  do outro em abrir o envelope.- Abra e leia.


Assim fez o garoto.


-  Eu trabalho no ramo de empréstimos e Park Chung  é um dos meus clientes. Ele pegou três milhões, não pagpu e tentou fugir.


- Pegou?- Perguntou o garoto, confuso com os números e as informações de Jeon.


- Falando mais claro: Ele me roubou.


- Não é possível… Aqui diz que ele deve a alguém Heechul? São uns 10 milhões no total.- Estava desacreditado de tudo aquilo.


- Heechul é um mafioso, dono de um casino. Seu primo é um daqueles imbecis que acham que vão se dar bem nesse tipo de jogo e como era de se esperar… Perdeu tudo e ainda ficou devendo muito. E você que nada tinha haver com as dívidas, foi leiloado em um dos leilões daquele mafioso para pagar as dívidas de Chung.


- Então Chung …- Ele estava assustado com todas aquelas informações e achava que seu primo também seria leiloado.


- Claro que não…- Disse indignado.- Como se houvesse alguém estranho o suficiente para querer comprar aquele cara esquisito … Mas há outras maneiras de se conseguir dinheiro com o corpo de um cara: Seus rins, córneas, fígado… Se pegassem seus órgãos,  ganhariam algum dinheiro.


Um medo enorme se apossa do corpo do loirinho. Chung era seu único parente que tinha por perto, não poderia o perder e mais uma vez ficar sozinho no mundo.


- Eu tenho que salvá-lo.- Disse com determinação.


Mais uma vez tentou se levantar e Jeon que já estava muito irritado por ter sido esquecido pelo baixinho o impediu, segurando sem dó seus pulsos.


- Que diabos você está dizendo? Ficou louco?- Disse um pouco alterado - Chung  vendeu você para se salvar!


- Ele nunca faria isso… Nós somos primos.- O baixinho tinha finas lágrimas formando em seus olhos. Chung  era sua família e acreditava cegamente que ele jamais faria algo do tipo.


- E daí? Existem milhares de pessoas que não pensariam duas vezes  em vender suas famílias. Por que seu primo seria diferente.. hum?


Os dois estavam disputando forças. O loirinho tentava se soltar, mas Jeon não facilitava. Não podia o deixar perto daquele desgraçado que seu amado chamava de família.


- Mas…


- Mas nada. Fique longe de Chung. Você apenas vai se emaranhar em suas roubadas e se ferir de novo. Estou dizendo isso para o seu próprio bem.


- Mas o Chung  é meu único…- E a primeira lágrima escorreu de seus olhinhos.


- Chung, Chung, Chung … Você pode querer desviar seus olhos da realidade o quanto quiser. Mas isso não mudará o fato que ele não dá a mínima pra você.- Acabou se alterando. Estava nervoso. Seu garotinho não deveria confiar tanto naquele maldito.


- Isso não é verdade.- O menor respondeu com a voz embargada.


- Admita. Você foi usado e traído. Seria muito melhor que ele morresse de uma vez.- Despejou toda a verdade no outro.


- NÃO!


Cansado de ouvir todas aquelas palavras do moreno, o garoto consegue se soltar e com uma de suas mãos deu um tapa no rosto de Jungkook. Esse que lhe rendeu um pequeno arranhão entre a linha de sua bochecha e seu olho. Por mais que tivesse sido salvo por aquele homem não era obrigado a ouvir tudo aquilo de seu primo, de alguém que sequer sabia quem era.


- Jimin… Você…- E pela primeira vez  naquela noite, disse o nome do garoto, mesmo que ainda estivesse atônito por ele agir com violência.


- Cala a boca… Você não sabe de nada… Você não tem nada haver com isso, é só um estranho.- Vociferou em meio ao choro, estava emocionalmente afetado e não estava sabendo lidar com tantos sentimentos ao mesmo tempo.


Jungkook passa seus dedos sobre a recente ferida e vê um pouco de sangue ali presente. A ferida não estava doendo, mas seu coração sim. Estava magoado em ver que mesmo que estivesse tão perto de Jimin, ao mesmo tempo estava longe e isso o frustrava muito, à ponto de cegar sua sanidade.


- “Nada haver com isso?”    “Um estranho?”… Suspirou derrotado, mas logo sorriu sádico com o que tinha em mente.


Jungkook empurra o corpo de Jimin contra o colchão macio de sua cama e sobe em cima de seu corpo. Sem cerimônia alguma puxa a camisa do outro, arrebentando todos os botões e finalmente revelando seu corpo nu. Jeon estava cego pela raiva do que seu garotinho havia dito. Por todo esse tempo sempre o teve como alguém importante, enquanto o outro sequer lembrava de seu rosto. Isso o deixava fora de si e libertava o seu lado insano.


- Bem… Isso não é totalmente verdade, é? Nós temos laços muito mais fortes que sangue entre nós. - Com uma de suas mãos ele segura os dois pulsos de Jimin, acima de sua cabeça, recebendo um murmúrio de dor - Mas você continua a dizer daquele bastardo. Não consegue entender sua posição? EU comprei você. Você é MEU.


- Isso d-dói…- Se manifestou ao ter sua cintura apertada de forma rude.


- Você compreende para que tipo de uso você foi vendido como mercadoria… hum?- O moreno disse com a voz arrastada, carregada de luxúria.


Com o peito desnudo do loirinho, Jungkook olhou um de seus botões rosados, se aproximou dele e lambeu de forma lenta e tortuosa. Como era gostoso sentir seu botãozinho eriçando em sua língua, certamente muito melhor que sua grande imaginação.


- Está claro agora pra você? Eu sou seu dono.


- O que você quis dizer com uso?- Jimin disse com dificuldade por causa das sensações estranhas que seu corpo estava sentindo.


- Sabe… Você não tem condição alguma de se mexer até o efeito das drogas passarem. - Sorriu de lado ao lembrar desse detalhe - Seria muito esperto da sua parte, você aproveitar disso tanto quanto eu…


O corpo do menor começou a tremer, ao levar em consideração o que havia de vir. Ele não queria acreditar no que seu cérebro havia processado sobre seu uso.


- Eu irei lhe ensinar… Apenas sinta… E dessa vez… Você não vai esquecer…


Jungkook puxa o menor  pela cintura o posicionando de quatro para si. Jimin nada fazia, estava mole devido a sua recente dopagem e pelo visto o efeito não parecia querer passar tão cedo.


- Disseram que você era virgem. Não se preocupe. Vou ser bem gentil.


- P-por favor… P-pare.- Suplicou.


O outro nem ao menos ouvia o loirinho. Estava ocupado demais, beijando as bandas de sua bunda. Hora mordendo e às vezes chupando seu buraquinho tão convidativo. Céus, o corpo de Jimin o estava deixando louco. Parou com as carícias e pegou o lubrificante. Abriu o lacre e despejou abundantemente em seu dedos.


- Se eu não fizer um bom trabalho, preparando você, não será nada gostoso. Se não quiser sentir dor, fique bem quietinho.


Jimin perdeu as forças em seus braços e caiu, mas sua bunda continuou empinada para Jeon, Ja que ele sustentava seu quadril com uma de suas mãos. A outra que estava livre, o mesmo a levou para a entrada do garoto, onde penetrou, um de seus dedos. Fez movimentos de vai e vem para acostumar seu garotinho. Jimin por outro lado gemeu dolorido, era diferente aquela sensação de invasão e isso o assustava.


- O que e-está fazendo… P-pare… Porque? - Esse questionamento só fez Jungkook adicionar mais um dedo e aumentar a velocidade. Era claro o porquê daquilo. - N-nós somos d-dois homens…


Aí Jeon entendeu o porque do garoto o questionar.


- Você está dizendo, que isso é anormal? Você realmente acha que pode dizer isso… Quando está ficando tão duro, sendo violado pelos dedos de um homem?


Desabotoou sua calça social e deixou que seu pau necessitado ficasse livre. Virou o corpo de Jimin de lado e encaixou sua glande avermelhada e inchada em sua entrada e forçou para dentro, se acomodando por inteiro dentro de seu interior quente e apertado. Agarrou o pênis do loirinho e começou a masturbação bem devagar. Queria que o outro se acostumasse logo com seu tamanho, pois queria fodê-lo tanto, até ele ficar sem voz.


- Está gostoso Bebê ?- Se movimentou num ritmo não muito devagar, mas aumentou a velocidade de sua mão no membro de Jimin.


- N-não…- Gemeu sua negação tão alto, que para Jeon, Jimin estava adorando, apenas estava omitindo seu prazer.


Aumentou mais ainda a velocidade de suas estocadas, gemendo junto ao seu garotinho. Não era certo forçá-lo daquela maneira, mas era tão bom.


- Isso é muito bom, não?


Viu Jimin gemer mais manhoso ao acertar seu ponto doce e ali se concentrou. Por mais que quisesse se dar prazer, ele queria mais era que o outro sentisse. Já era horrível o suficiente por estar o violando  daquele jeito e era óbvio que o garoto estava assustado, mas não ficaria satisfeito enquanto não o fizesse gozar. Com velocidade e afinco aumentou mais ainda seus movimentos e para sua mísera paz interior fez o outro gozar. Saiu de dentro dele e observou o corpo do loirinho  acabado sob os lençóis de sua cama. O gozo pérolado em seus dedos era erótico e tentador, não se privou de querer provar o seu gosto. Apenas o fez, chupando cada gota de prazer do menor 


- Anormal? Não preciso que ninguém me diga isso. Eu já sei…- Mais falou para si mesmo do que para Jimin. - Toda vez que eu sonhava em falar com você, para mim, isso era estranho. Mas eu não dou a mínima.


Não resistiu  olhar o garoto, mesmo que trêmulo e soluçando. Apenas o puxou para si, afim de uma segunda rodada Ele tinha total ciência de sua prática errada e que talvez Jimin jamais o perdoasse no futuro. Mas nada lhe importava. Quem perdoava era Deus e agora ele iria pecar mais uma vez…


- Você pode chamar isso de anormal, ou sei lá, do que quiser. Mas isso não muda o fato que eu quero você…


Jungkook o abraçou ao mesmo tempo que o penetrou pela segunda vez. Ver seus olhos vermelhos e cheios de lágrimas lhe cortavam o coração. Mas já havia feito e ações cometidas, não tem concerto ou volta.


O que eu estou fazendo?


 Eu não queria cuidar dele? 


Tomar conta dele, com minhas próprias mãos, para que ele nunca se ferisse?


Então porque?


Era o que eu queria… O que realmente quero...



                    No Money 




Jimin tremia em posição fetal. Aquela  tinha sido a pior experiência que tinha passado e nunca se imaginou nessa situação. Sua pele estava toda marcada em tons roxos. Aquilo tudo era assustador e doía, não mais que seu interior. Ele se sentia sozinho e confuso. Onde estaria seu primo? Ele estava bem? Ainda vivia?


Do outro lado da cama estava Jeon, num misto de satisfação e arrependimento. O loirinho era tudo que queria, mas naquele momento se sentia vazio. “Do que adianta todo o dinheiro do mundo se com ele não posso comprar seu amor?”


Olhou para o garoto e o viu tremer. Pegou a camisa que antes o vestia e o cobriu. De certo modo ver as marcas que deixou na pele do outro o incomodava. Não eram de amor recíproco, era a evidência do quão monstro havia sido.


- P-por favor… Me deixe ir… C-chung … O Chung ... - O menor pedia em meio a lágrimas e súplicas. O outro já tinha tido o que queria e pensava que talvez agora podia salvar seu primo.


Jeon olhou neutro para o garoto. Esperava uma reação de ódio dele para consigo. Mas Jimin ainda insistia no primo. Com isso sorriu de canto.


- Claro. Eu posso deixá-lo ir…- Jimin se apoia nos braços levantando um pouco de seu corpo para olhar melhor para Jeon. A possibilidade de poder sair dali o animou.- Assim que pagar de volta todo o dinheiro que Chung  me deve mais o dinheiro que paguei por você no leilão, adicionando mais algumas despesas futuras dá mais ou menos 200 milhões de dólares. Vou fazer desse valor, como sua própria dívida.


- De jeito nenhum…- O loirinho tinha o olhar triste. Mal podia acreditar no que ouvira. De onde irá tirar todo esse dinheiro?


- À partir de hoje, você é meu, até eu receber todo esse pagamento. Se quiser ser livre… - Que Merda estou pensando? Ele me esqueceu. Me rejeitou e eu ainda fico insistindo nisso? Pensou Jeon.


- 200 milhões…- Sussurrou derrotado o menor.


- Não se preocupe… Eu vou fazer você ganhar isso…- Jungkook enfia uma de suas mãos no bolso de sua calça e de lá tira um bolo de notas e joga sobre Jimin. Fazendo uma pequena chuva de dólares cair sobre o loirinho..- Começando hoje, eu pagarei pelo seu corpo 500 mil toda vez!



Posso não ter seu amor… Mas é o dinheiro que te manterá preso à mim...


Notas Finais


Oi bbs... Tudo bem? Espero que sim rs.
Trouxe mais um capítulo pra vocês mais cedo que o planejado rs. Fiquei muito contente com o amor que deram a No Money, eu não esperava tanto com apenas o prólogo. Estava com tanto medo de ninguém gostar. Mas fico feliz que muitos gostaram rs...

Eu ainda não tenho um dia certo para publicar. Visto que é bem trabalhoso fazer a adaptação, tentarei pelo menos uma vez por semana.

O que estão achando? Estão gostando? Amando? Odiando? Kkkk

Se alguém quiser fazer uma capa para a Fic eu ficaria muito grata... De verdade. 😢😢😢

Obg por cada favorito, comentário, lista de leitura e biblioteca... De verdade bbs

Até logo



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...