1. Spirit Fanfics >
  2. No Ritmo - Fanfiction Ten Chittaphon >
  3. Capítulo especial: TEN CHITTAPHON

História No Ritmo - Fanfiction Ten Chittaphon - Capítulo 27


Escrita por:


Capítulo 27 - Capítulo especial: TEN CHITTAPHON


Fanfic / Fanfiction No Ritmo - Fanfiction Ten Chittaphon - Capítulo 27 - Capítulo especial: TEN CHITTAPHON

É por isso que você é chamada de ''tipo ideal perfeita''
Sim, quando eu penso em você, meu coração congela.

Você é a melhor
Você é como alguém
Que só existe nos filmes
É você.

Sua vida, seu coração
Seu rosto e seu corpo
Como um pedaço de um quebra-cabeça
Você se encaixa no meu tipo ideal.

Oh Deus
Eu sou como o vento que é liderado pelo tempo que é você
Você é uma flor, eu sou uma abelha
Eu vou apenas na sua direção.

MISS RIGHT - BTS.

.....................................................

 

– Por que eu sinto que você está fugindo de alguém? – questiona Taeil, com o olhar sob mim.

Observando-me inspecionar cada cantinho da sala vazia que tinha acabado de puxa-lo para dentro assim que o encontrei pelos corredores do instituto assim que cheguei na escola nessa manhã de quinta-feira.

– Posso deduzir que está fugindo de uma certa garota que começa com a letra A e termina com Avye Jones e seu "Tennie, seja meu instrutor"? – continua, fazendo uma vozinha fina que me faz parar tudo e encara-lo com o cenho franzido.

A voz da Avye é linda e ele acabou de estragar até a forma que me lembro de como ela se pronuncia de maneira meiga comigo.

Obrigado Taeil, por me presentear com esse horror de voz em plena manhã.

– Eu nunca fugiria da Avye, até porque eu não quero e é impossível já que somos grudados desde que eu me lembro. – explico-o, sentindo o meu coração palpitar e meu corpo começar a reagir de forma incomoda, faço uma careta e caminho para o fundo da sala sendo acompanhado pelo Moon com aquela feição irritante que ele sempre faz quando a conversa chega na pauta Avye Jones – Eu estou fugindo do Johnny e do Donghae.

– O que você fez? – acusa Moon, sentando sobre uma das mesas e colocando os pés sob a cadeira, se posicionando com aquela pose de "eu estou escutando tudo e quero saber cada detalhe dessa nova proeza", o que me deixa boquiaberto pela sua acusação na lata sem me deixar explicar o motivo de estar fugindo dos dois.

Okay, Taeil está certo a culpa é minha, mas ele podia dar um voto de confiança, né.

– Donghae quer que eu e Xiaojun sejamos melhores amigos e Johnny se prontificou para que esse milagre aconteça. – explico-o, andando de um lado para o outro, vendo a feição do Moon se transformando em "parte logo para o ponto desastroso" – só que bem, isso é impossível! Eu decretei guerra com ele, mesmo não sendo na extensão da escola estamos guerrilhando, ele tem que se render primeiro, não eu!

Xiaojun no perímetro da escola é um anjinho que aceitou bem a minha peça contra a sua delação a minha pessoa, porém, fora dessa escola ele mostrou ser um arqui-inimigo a altura, com ataques que devo admitir serem bem criativos mesmo tendo a sua base clichê, como furar um dos meus pneus e cola-lo com super bonder ou usar o inocente Kun para me entregar chocolate, mas na verdade estava cheio de legumes – esse foi maldade até para mim; é claro que devolvo sempre para superar, como trocar seu shampoo por chá vencido, pegar sua bolsa atlética e deixa-lo sob o murro rondando a instituição mostrando o vasto perímetro ou desparafusar partes importantes da sua moto – mexeu com o meu carro, sua moto virou vitima também.

– Johnny não faz ideia dessa guerrilha, né? – questiona, soltando um suspiro resignado observando eu negar com um aceno de cabeça – Ten, você quer que a Lin venha de outro Estado para puxar a sua orelha e obrigue você na base dos tapas fazer as pazes com o Dejun?

– Mas ele que começou sendo um X9. – argumento, gesticulando com as mãos.

– Foi pelo seu bem e pelo coletivo. – explica Moon, por dentro de tudo e me deixando pasmo por ele está do lado do Xiao – já que todo mundo parece temer esse seu lado arteiro e ele é o único que te ataca a altura.

– Foi por um bom motivo. – murmuro, desviando o olhar e sentando em uma mesa na sua frente, com o olhar para as minhas mãos – e só foi alguns dias por causa da manutenção na minha sala de ensaio e não meses como ele relatou.

– Sua preocupação com a Avye foi um bom motivo, mas a maioria do time não entenderia mesmo ela sendo a sua "irmãzinha", apenas o seu ouvinte Moon e o pessoal que está ao redor dela. – profere Moon, me fazendo erguer o meu olhar para ele e vendo-o fazer aspas com os dedos – como aconteceu e tudo ficou bem, você pode perdoar essa delato do Dejun e recomeçar com ele, vocês só se batem tanto por terem as personalidade parecidas, onde tudo é oito ou oitenta, e sinto que futuramente até eu ficarei enciumado com a amizade de vocês depois que vocês superarem essa fase de cão e gato.

– Eu sou muito orgulhoso, né? – indago, solta um suspiro derrotado, não querendo saber a resposta.

– E teimoso. – concorda, rindo levemente e eu faço uma careta consternado por ele concordar tão rápido e acrescentar as minhas falhas se divertindo com as minhas expressões – ciumento e muito mais, quer que eu faça uma lista ou já está bom?

– Ninguém é perfeito, né? – gracejo, com um sorriso acanhado e logo pigarreio desentendido, questionando confuso – ciumento?

– Ten Chittaphon, você não engana nem a sua sombra. – caço-a, de forma presunçosa, piscando os seus olhos de forma graciosa e se inclinando na minha direção com um sorriso suspeito de quem sabe das coisas, significando que ele iria começar a falar o que eu com certeza negaria mesmo estampando a verdade na minha testa – quando você vai falar o que está louco para dizer para a Avye?

– Eu já aceitei que serei o instrutor da Avye. – conto, cruzando os braços e olhando para outro ponto que não seja o presunçoso do Moon – estou apenas resolvendo algumas coisas antes de começar a ensinar a arte da dança e dar toda atenção para ela.

– Quando você cedeu? – questiona Taeil, todo interessado e fazendo a carinha falsa de abobado, eu reviro os olhos já esperando todo esse interesse e essa gracinha dele, ele faz feições fofas enquanto indaga que nem um rap amador – quando ela começou a falar frases cheias de sentidos e te acendeu mais rápido que álcool sendo jogado no fogo? Ou quando fez aquela feição fofa angelical? Ou quando ela pediu de forma toda meiga usando o combo todo?

– Sinceramente? – profiro meio perdido, engolindo em seco e ficando nervoso – eu não faço ideia, eu acho que cedi no momento que ela me pediu, mas quando ia aceitar lembrei de várias coisas pendentes que teria que fazer e não daria atenção direito para ela, então preferir só prorrogar esse momento para ser todo dela, quero dizer, ser instrutor, instrutor dela.

– É, estava bem na sua cara que você ia aceitar, quando ela te pediu. – concorda, dando uma risadinha, relembrando o dia do duelo – Você é bem forte, por ainda conseguir dizer não para ela. – comenta admirado, balançando a cabeça imaginando eu negando a Avye tantas vezes – eu no seu lugar já estaria desmontado só com o pedido empolgado dela.

– Avye é um perigo ambulante. – conto, mordiscando a bochecha internamente, me sentindo vulnerável e com o regular borbulhar que vinha marcando presença quando o assunto era a minha melhor amiga desde o feto – ela tem aquele dom de desmontar enquanto encontra o melhor das pessoas, não me acho forte com ela e sim... – reviro os olhos ao constatar baixinho, a veracidade do que ela vinha me chamando desde segunda-feira – um medroso.

Sorriu ao me recordar dos pedidos dela nesse meio tempo, tão determinados e com uma surpresa diferente vindo com ela. Avye me mostrou que é maluca, desengonçada e bem incisiva quando quer algo, me sinto passando por uma provação dos céus com as maneiras que ela vem pedindo para que eu seja dela... Seja instrutor dela, instrutor.

– É uma provação a cada pedido. – ouço-me murmura, pensativo e perdido nos meus pensamentos, passando as mãos pelos meus cabelos já grandes demais e lembrando das caricias dela ao me acordar – eu gosto quando ela faz o combo todo, afeição dela iluminada e fofa ataca bem direitinho no meu coração, mas quando ela pede daquele jeitinho me encarando como se eu fosse um tudo, como seu eu fosse mais fascinante que o próprio universo, é tão... – me interrompo, ao sair do mini transe que estava envolvido ouvindo o flash do celular do Taeil bem na minha cara, fecho a cara e o encaro em descrença – Taeil, que diabos você está fazendo?

– Eu estou capturando esse momento que você está com essa cara de bobo apaixonado falando da Avye. – responde, nada abalado por ter sido pego no flagra – para uma comprovação gratificante de todos esses anos escutando você reclamando da Avye e das novidades que vocês aprontaram para se implicarem. – se apruma sob a mesa enquanto seu rosto se ilumina, se lembrando de algo que poderia utilizar com as fotos – e para esfregar na sua cara quando você vier com aquela frase pronta de "Avye é a minha irmãzinha".

– Você deve estar zoando com a minha cara.... – murmuro emburrado, por ser pego em um momento vulnerável, meu celular começa a apitar com mensagens em sequência sendo mandadas e arregalo os olhos, quando destravo o meu celular e vejo aonde ele compartilhou as fotos – Taeil!

– Esse momento deve ser compartilhado. – explica seu ato, na maior cara de pau e orgulhoso de si – isso eu não guardo a sete chaves nem ferrando.

 

OS DELIQUENTES DE CRISTAL HIGH E A EX ATUAL DO SHREK

LUA: [FOTO + 10]

LUA: Sintam-se a vontade para colocar as suas legendas com essas fotos exclusivas.

OSAKAMAN: Nossa, quer bugar o meu celular com tanta feiura ou encher a memória do meu celular com fotos do ser que desabafa até da maneira que fecha o armário para você?

LUA: Yuta leia a mensagem que contém a finalidade do envio, por obsequio, e larga de ser comentarista do sarcasmo.

OSAKAMAN: Q isso hein, Lua.

OSAKAMAN: Está claro que o conteúdo dessas fotos é o Ten sendo um abobalhado pela pessoa que ninguém sabe que ele gosta com todas as forças.

ROSEANNE: Ten apaixonado: fotos de vários ângulos.

SHREK: Ten em: qual é o melhor ângulo desse face apaixonado?

SHREK: Taeil você tirou a foto tão perto que dá pra ver os pelinhos habitando o nariz dele.

LUA: Queria deixa bem claro esse face.

ROSEANNE: KKKKKKKKKKKKKK está claríssimo.

OSAKAMAN: PQP AAAAAAAAAAAAAAAAh vamos fazer o bolo de aniversário dele com essa foto estampada!

JOHNNIE <3: apoio, mas os brindes vão ser com as fotos dele dormindo na aula de literatura quase se afogando na própria baba.

SHREK: SIIIIIIIIIM APOIO APOIO.

ROSEANNE: Esse aniversário vai ser épico.

LUA: Por isso que eu sou o guardador dos segredos dessa budega.

LUA: ERA SEGREDO A FESTA PÔ.

JOHNNIE <3: Ih foi mal, moon.

OSAKAMAN: Ih foi mal, Moon.

ROSEANNE: Pqp foi mal, Moon.

SHREK: FDS Vai ser épico do mesmo jeito irraaaa.

LUA: *Luazinha pra vc, Hwang*

SHEREK: iiiih adoro *Solzinho pra vc, MoonMyLove*

ROSEANNE: Amamos ser velas do amor de vcs dois.

OSAKAMAN: Estou sentindo cheiro de ciúmes....

JOHNNIE <3: TAMBÉM HASUSAUHASUHASHASU

SHREK: KKKKKKKKKKKKKKK Nosso amor incomoda hehehe Então... Vcs estavam falando da minha Best né?

SHREK: Nem disfarça mais.

LUA: Sei de tudo, mas não direi nada.

OSAKAMAN: Típico.

EU: Mereço.

OSAKAMAN: JOHNNY EU SEI ONDE ESTÁ O TEN FUJÃO!

OSAKAMAN: Sala 312 terceiro andar, obg Moon.

JOHNNIE <3: Taeil fecha a porta, eu já estou indo.

EU: Ten personificação de maravilhoso saiu.

 

– Droga, o Johnny me encontrou. – choramingo, não tão desesperado enquanto releio as mensagens – Taeil, como você pôde?

– Não mude de assunto, Chittaphon. – profere, não se abalando com o meu drama e sim mega interessado no caminho que a nossa conversa estava se encaminhando – Quando vai aceitar que está apaixonado pela Avye, TNT? –

– Apaixonado já é exagero, né? – resmungo, todo encabulado sem conseguir encara-lo, já ficando rente ao chão para entrar em modo fuga.

– Você quer enganar a pessoa que ouviu você surtando o dia todo por causa de um selinho, – questiona, ficando na minha frente e empatando o meu caminho, erguendo uma das sobrancelhas e colocando as mãos nos quadris – sendo que o nível parecia que você quase tinha feito amor com ela?

Segunda-feira foi um dia tenso, onde não consegui encarar direito o Johnny, evitei o Hendrey fã número um da Jones e Jungwoo ATen com medo que estivesse descrito na minha testa o que deixei acontecer em um momento que... Okay, eu estava bem cientemas ainda não consigo explicar como eu deixei que ocorresse o que aconteceu e sim o desastre que aconteceu dentro de mim, em todas as minhas convicções e em meus sentimentos que já estavam bem bagunçados.

Como Rose não tem muita paciência em me escutar, Yuta iria zoar com a minha cara enquanto guardaria a minha confidencia para usar em um momento infortúnio, Taeil teve que ser o ouvinte como sempre, mas a parte ruim dele ser o ouvinte são os conselhos dele serem tão certeiros e com as suas soluções simples, que eu queria que ele não aconselhasse e me deixasse pilhado, felizmente, ele é um ótimo amigo.

Moon é tão certeiro que no dia me fez ver um habito que eu vinha tendo com mais regularidade que o normal e sempre em momentos cruciais, os meus selares demorados na testa da Jones. O meu ato sempre foi uma demonstração de trégua em nossas implicâncias e respeito pela pessoa extraordinária que Avye sempre é no dia a dia, porém, ultimamente não estava sendo com essa finalidade e sim para expressar a minha vontade persistente de beija-la, que conseguiu escapar no momento em que me perdi nos atos dela naquela manhã.

Felizmente, eu estou mais recuperado e quase não lembrando desse momento, porém, Taeil não deixará que eu esqueça o quanto fiquei atordoado e surtado por causa daquele selinho, que ultrapassou a linha tênue que mantínhamos todos esses anos de amizade.

– Feito amor? – repito, comprimindo os lábios para não rir de forma um pouco desesperada.

Um pouco desesperado internamente ao recordar dos detalhes que tinha deixado de fora da narrativa no dia para Moon, deixando apenas que meu coração fosse o único que soubesse desses detalhes em específicos, que agora estava começando a dar cambalhotas dentro de mim.

Vejo-o erguer o queixo ao mesmo tempo que dava ombros, indiferente com a minha reação ao termo que ele usou de maneira delicada e fantasiosa demais.

– Eu sou fofo quando quero. – rebate, semicerrando os olhos e apontando o indicador quase no meu rosto – Para de mudar de assunto, caramba.

– Eu tenho uns sentimentos pela Avye, satisfeito? – pronuncio, erguendo os braços exasperado e soltando um suspiro derrotado, sentindo o meu coração apertar e minha garganta ressecar, gaguejo me sentindo exposto e inseguro – m-mas esses sentimentos estão sendo formados e processados lentamente, bem lentamente, então isso fica em off.

– Até você fazer uma merda ou quando a merda acontecer? – questiona, com a feição "já profetizei tudo, qual opção você quer seguir?" e eu murcho, agitado e uma pilha de sentimentos – TNT, por que você nega os sinais diante da sua cara?

Abro a boca mais nenhum som sai e Taeil me encara vitorioso, a nossa conversa é postergada para depois quando Johnny escancara a porta da sala em que nos encontrávamos já apontando o indicador na minha direção com um olhar mortal que diz "Não me teste e hoje você não me escapa", faço a minha melhor feição de gatinho abandonado, porém, Seo rir de mim enquanto vejo o Moon fazer uma mesura compactuando com os atos do altão.

Logo sua mão pega a alça da minha mochila e começa a me arrastar do local em direção a quadra esportiva, onde provavelmente Xiaojun estaria junto com alguns amigos do time em seu horário livre da quinta-feira.

– Pensei que fossemos amigos, Johnnie. – choramingo, fazendo um drama para não deixar na cara que iria me desculpar com o Dejun e que a persuasão veio toda do Lua.

– Somos melhores amigos. – argumenta de volta, decidido e com os passos determinados – estou fazendo isso pelo seu bem e pelo bem maior que será nossa paz com o Donghae finalmente.

– Que beleza, sou um objeto para a paz maior. – resmungo, em falso choque e fingindo caminhar para o lado contrário, sendo consternado a essa ideia.

Frente as portas duplas que levaria para a quadra esportiva, Johnny para de me arrastar e fica a minha frente me encarando sério, ajeito a minha mochila sobre os ombros e me sinto nervoso com esse olhar dele sob mim.

Precisa de toda essa intimidação? Credo.

– O que você quer para fazer as pazes com o Xiaojun para todo o sempre? – questiona com seriedade, derrotado e gesticulando na minha direção para que eu me apresse na resposta – tentarei fazer tudo que estiver ao meu alcance.

– Esse questionamento engloba tudo que estiver ao seu alcance? – pergunto para ter certeza dessa proposta maravilhosa dada de bandeja pelo Seo, faço minha cara de irredutível com leve interesse e vejo-o ansioso enquanto assente em concordância – Bem, vejamos... Você já está fardado a me empanturrar de doces para todo o sempre; a levar o Dez para passear aos domingos para todo o sempre e fazer todos os meus afazeres de casa para todo o sempre também. – suspiro dramático, ao concluir – o que você pode oferecer para todo o sempre que já não está fardado a fazer por mim pelo infinito?

– Que culpa eu tenho se você só faz as coisas nas bases das minhas propostas infinitas desesperadas? – indaga de volta, exasperado e sem saída – perdoe o X9, traga a paz e tente ver o lado bom do Xiaojun como a Avye faz com todos ao seu redor.

– Usar a personalidade angelical da Avye contra a minha personalidade falha orgulhosa. – resmungo, contrariado com esse exemplo usando por Seo – já é golpe baixo.

– Tennie, eu estou desesperado. – informa, mostrando as palmas pra mim em suplica.

A pressão de Donghae sobre o capitão do time deve estar pesada para ele está ao ponto de suplicar para mim e não perceber que eu já tinha cedido a fazer trégua com o Dejun, desde que eu estava na sala conversando com o Taeil.

– Certo. – cedo, vendo-o sorrir amplamente – eu perdoo-o, tento o recomeço e deixamos essa nossa negociação para futuramente. – então processo as entrelinhas da frase anterior de Johnny – perai, a Avye fala com o Xiaojun? Como eu não sabia disso?

– Olha só, um ótimo assunto para você conversar com o Dejun como novos amigos pós trégua voluntária. – graceja, sendo vago e não me dando a resposta que desejava.

Eu fecho a cara indignado pela resposta ruim enquanto via ele pegando a alça da minha mochila ao mesmo tempo que abria as portas duplas, entrando por fim na quadra comigo.

Fazer as pazes com o Xiaojun best da Avye nas atividades extracurriculares do Grêmio foi até mais fácil do que eu imaginei que seria. O que deixava ainda mais claro que a única pessoa que estava empatando toda essa paz era exclusivamente eu e o meu orgulho, no qual não me orgulho muito desse meu pequeno defeito que causa atrasos em situações em que as proporções ficam maiores do que o esperado.

Ter uma plateia enquanto abraçava Xiaojun – deveria ser só um aperto de mãos, mas o Johnny gosta de torturar mais do que o necessário, senhor amado – foi vergonhoso, porém, o que me deixou com sentimento de culpa e bastante envergonhado foram as palavras gentis de Dejun no abraço, onde esperava realmente que esse tratado de paz feitos em livre-arbítrio por mim fosse do coração, pois ele não queria me machucar com os seus atos de delator, mas sim ajudar a ver o que estava em jogo com os meus atos um tanto egoístas na vista do coletivo.

O que me fez refletir durantes as primeiras aulas do dia até o intervalo, já que a minha atenção foi toda para a zoação dos meus amigos com os relatos do Johnny e companhia presente na mesa que me envolvia, Sana estava conosco o que deixa as coisas mais constrangedoras. – seria tudo tão mais fácil se ela entrasse na carruagem e me zoasse também, mas nããããão ela tinha que compadecer comigo enquanto exalava aquela áurea de "deixem eles zoar, daqui a pouco eles esquecem, TNT".

Sana sendo sempre docemente perfeita.

– Já cansaram de falar de mim? Podemos falar de algo realmente relevante e de suma importância? – resmungo, furtando o pudim de Seo e vendo-o empurrar o prato para mim, me dando logo o doce e me fazendo uma pessoa mais feliz, lanço um olhar felino para Moon e Johnnie, apontando o meu garfo para os dois respectivamente, ao pontuar nada contente – como o fato de vocês dois deixarem o convite em pé da Avye entrando naquele vestiário quando ela quiser – faço aspas com os dedos, fazendo careta desgostoso – "apreciar a vista".

– Sua cara apavorado com a loucura dela foi impagável. – relembra Johnny, nada arrependido de dar um passe livre para a Jones entrar no vestiário masculino, com os olhinhos brilhantes – mas a feição dela como se tivesse passado pelos portões do céus, foi intrigantemente satisfatório, Avye provando que sempre conseguirá me surpreender ao passar dos dias.

– Johnny falando como um bobo apaixonado indecente – graceja Hwang, colocando a mão sob o coração dramaticamente, fazendo o pessoal rir e deixar Johnny encabulado enquanto o analiso de pertinho suas reações genuínas a respeito da Jones – acalenta esse coração de amigo quase BFF da Jones.

– Com certeza queremos ver essa situação mais vezes. – concorda Moon, chamando a minha atenção, todo risonho e tirando uma com a minha cara, vejo de relance Seo concordar.

– Não acredito que perdi isso! – exclama Nakamoto, consternado por perder mais um episódio da minha saga desgraceira em vida.

– Eu só vi o final da situação. – conta Hwang sentado na ponta da mesa, com um sorrisinho zombeiro – ela ficou satisfeita por ter quase causado o seu derrame.

– Fico muito feliz em ter ciência desse fato, Shrek. – resmungo, revirando os olhos e ele manda joinhas para mim.

– Mas por que você não dar aulas para ela? – questiona Rose, mudando de assunto, se inclinando sob a mesa para me encarar melhor.

– Ele está com medo de se apaixonar de vez por ela. – caço-a Nakamoto, fazendo-os outros concordarem com ele – ficando um certo período de tempo dentro de uma sala só com ela.

– Ah lá vem vocês. – murmuro contrariado, mas não negando expressamente já que Johnny não me deixa continuar a minha negação ao me fazer experimentar o bolo de laranja que furtou do Moon.

– Outra questão: por que só o TNT? – pontua Hendrey, pensativo e bajulador máster do japonês – Yuta também diva nos palcos, poxa.

– Hendrey, você é o melhor fã que eu poderia ter. – agradece o elogio do garoto sentado na ponta da mesa, que sorri amplamente – obrigado por achar que serei um bom instrutor, por divar nos palcos.

– Você sabe que no meio de todo o meu amor com o Taeil e implicâncias com a minha ex-futura namorada que amo até a alma, você está no meu kokoro. – conta Hwang, caloroso e meigo, batendo no peito de leve, para o japonês que sorri iluminado com as gracinhas carinhosas do Shrek – nunca duvide do seu espacinho.

– Quero só saber se tem espacinho também para os seus outros amigos presentes na mesa. – profere Seo, gesticulando para os restantes não citados habitando o coração do rapaz enquanto semicerra o olhar para o Shrek que sorri desacreditado do nítido altão enciumado a alguns lugares de distância dele.

– Então Johnny Seo é ciumento também? – caço-a Hwang, não perdendo oportunidade e fazendo todos riem enquanto Seo revira os olhos sorridente – fique tranquilo que meu coração é igual de mãe, tem espacinho e amor para todos.

Johnny manda um coraçãozinho para Shrek que pega para si e guarda no peito, logo vira para Taeil e Rose esperançoso e empolgado pedindo coraçõezinhos deles também que o ignoram de imediato, fazendo o restante da mesa gargalhar.

– Dar esses toques para a sua best, Hwang. – apoia Nakamoto, retomando ao assunto de instrutor da Jones, me fazendo encara-lo feio de boca cheia – serei um ótimo instrutor, já que o TNT aqui nega em todos os pedidos dela.

– Quem sabe assim o Ten comece logo a reagir positivamente a Jones. – conspira Seo, antes de dar uma garfada no bolo de laranja furtado da badeja do Lua, me fazendo desviar o olhar feio e mortal para ele.

– Falando na sua Best. – pontua Moon, se recordando de algo – você já contou as boas novas para o Snoopy?

– Se não fosse pelo Lucas, ele tinha feito um discurso enquanto me incendiaria pelo olhar – conta Shrek, com um sorrisinho acanhado – Encontramos alguém mais possessivo que o Tennie com a Jones, porém, Jungwoo não vai me fazer desistir do meu objetivo de ser melhor amigo da Gatinha.

– Gatinha? – murmuro, surpreso com o apelido dele com a Jones, erguendo uma das minhas sobrancelhas em questionamento.

Minha indagação faz com que o pessoal comece a rir de mim enquanto concorda com o comentário do cabelos lustrosos sendo comprovado a veracidade de sua frase sobre a minha pessoa com a Avye. Sem aviso Johnny me puxa para próximo dele no baco e eu o encaro sem entender, antes de desviar a minha atenção para Manoban sentando no lugar vago ao meu lado proporcionado por Seo a alguns segundos atrás.

– Olá pessoal! – cumprimenta Lisa a todos, acenando animadamente para eles e sendo retribuída da mesma forma pelos demais, antes de se inclinar na minha direção e me cumprimentar como sempre, de forma amorosa e galanteadora – oi TNT.

No entanto, quando ela termina o espaço de nossos rostos para me beijar, involuntariamente, viro o meu rosto envergonhado fazendo-a deixar um breve selar na minha bochecha direita, meu olhar se encontra com os presunçosos de Taeil instantaneamente e engulo em seco ao ler o que está descrito nas entrelinhas daquele olhar.

– Oleee. – fazem os meninos em conjunto, fazendo uma onda com os braços, com o meu ato involuntário com a Lisa, que sorri envergonhada com a expressão dos meninos nada sutis com o ocorrido.

– Vocês são mega engraçados, hein. – comenta Rose, nada feliz com o ato deles – já estou com o dinheiro para ir ao stand-up, quando vai ser?

– Pra que pagar se pode ver tudo de graça como a minha namorada? – rebate Hwang, nunca perdendo a oportunidade dadas por Rose e extinguindo todas as esperanças de um dia retornarem como um casal.

Perde a namorada, mas não perde a piada: prazer, situação de Hendrey Hwang com Roseanne Park.

– Owww. – repetem o ato, fazendo as meninas corarem antes de riem com a forma dos garotos de despistar o inconveniente feito por eles anteriormente.

– Você não presta, Hendrey. – resmunga Park, encabulada, fazendo Hwang sorrir vitorioso.

– Eu também te amo, Rose. – graceja, mandando um beijo no ar para ela.

– Certo, chega de amor gratuito e comprovações de como Ten Chittaphon está mais do que ferrado. – conclui Johnny, ao ouvir o sinal finalizar o intervalo tocar e começar a se levantar com a sua bandeja vazia em mãos – preciso me retirar, pois as responsabilidades me chamam.

– Responsabilidades como namorado maravilha ou como o garoto padrão de Cristal High? – indaga Moon, não perdendo oportunidade de me alfinetar indiretamente.

– Primeiro vou passar na mesa da Avye e agradecer o Im pela ajuda com o projeto, depois vou para as responsabilidades como o garoto padrão de Cristal High. – responde simplista e de forma vaga, não se deixando levar com as intenções de Taeil e nem expressando as suas verdadeiras intenções – boa tentativa, Moon.

– Johnny acha que engana as intenções dele para mim. – graceja, fazendo Seo abanar as mãos indiferente com as suposições do Lua, mas também não negando as benditas suposições, fazendo Moon ergue uma das sobrancelhas para mim só faltando levantar um carta de baixo da mesa com letras em neon com os dizeres "ainda vai continuar observando a loucura acontecendo?" – boa tentativa, Seo.

– Podemos conversar as sós? – pede Lisa, baixinho e com delicadeza para mim, chamando a minha atenção para si, observando o pessoal se dispersando e com as suas atenções nas conversas paralelas com outrem, assinto em concordância.

Nos despedimos do pessoal com certa rapidez, não dando brechas para os seus comentários. Caminhando pelos corredores, sinto Lisa agitada ao meu lado e inconscientemente entrelaço nossas mãos, logo ouço-a soltar um suspiro aliviado e ficando mais calma com o meu ato confortável e espontâneo; eu não posso mentir para mim sobre a minha relação e sentimentos que tenho com a Manoban, pois temos uma história juntos.

Eu tenho na mesma proporção com o tempo juntos um carinho enorme pela Lisa, não gosto de vê-la angustiada e nem ser o causador de suas inseguranças, o que consequentemente fui hoje em público com o pessoal na mesa e sinto que venho sendo assim com ela ultimamente.

Eu me sinto sempre em conflito com os meus sentimentos quando o assunto é Lisa Manoban. Ela é uma garota que em todos os assuntos entramos em sintonia, me divirto com ela e tenho muitos momentos bons gravados nas minhas lembranças, mas na maioria das vezes não sinto que sou o certo para ela e que poderei completa-la como ela espera, infelizmente, não consigo expressar as minhas inseguranças em palavras para ela.

Contudo, mesmo postergando uma resposta para o questionamento que ela quer tanto saber a resposta, tento me entender e entender os meus sentimentos antes de dar o veredito de tudo que compartilhamos, principalmente entender aquele sentimento que grita ferozmente o quanto sou errado nesse encaixe, que deveria dar um basta e deixa-la achar alguém que realmente a complete, que é o certo para ela.

Antes de dar qualquer resposta quero me entender: Por que não posso ser o certo para ela se nós nos damos tão bem? Eu me sinto tão confuso com tudo, quando não se diz respeito a minha certeza na dança que me deixa frustrado.

Quando estamos no corredor das nossas salas de ensaio, Manoban me guia para dentro da sua sala e eu fecho a porta atrás de mim, seus passos me fazem retroceder alguns passos até encostar as minhas costas contra a porta ao mesmo tempo que sua mão livre captura a minha e as entrelaçam, sinto todos os meus pensamentos se dispersarem e focarem apenas em Lisa a minha frente.

– Ten, seja sincero comigo. – murmura, com a voz entrecortada e vacilante – eu fiz algo para você está tão distante e esquivo comigo esses dias?

– Você não fez nada, Lisa. – a tranquilizo de imediato, arregalando levemente os meus olhos ao encara-la – me desculpe por estar distante, é só que...

– Você quer terminar comigo? – questiona-a, com o olhar marejado e já aceitando qualquer que fosse a minha resposta, seus polegares faziam breves caricias nas costas das minhas mãos nos reconfortando enquanto se pronunciava – você está gostando de alguém e não sabe como me contar? Está tudo bem, eu sempre soube dessa possibilidade, a possibilidade de não conseguir conquistar cada pedacinho do seu coração e que você poderia deixar a sua hesitação de lado para despertar esses sentimentos dentro de você, eu vi o seu olhar...

– O que você está dizendo, Lisa? – balbucio, confuso com as suas palavras, tentando compreender onde ela quer chegar com a nossa conversa – eu não quero terminar com você, por que está dizendo essas coisas para mim?

– Você gosta da Avye, Ten. – profere, convicta e com calma, para que eu sinta a sua frase e o peso que ela carrega, para que eu veja o que deveria ser obvio para mim e que parece está descrito em meus olhos para ela – eu vi em seus olhos e em seus atos no dia do duelo, por mais que eu tente esquecer aquele olhar e a sua maneira tão dócil com ela, por mais que eu finja que esse olhar não está ai pronto para brilhar quando você avista-la, eu não consigo apagar. – vejo as primeiras lagrimas transbordarem e meu coração apertar desesperado – estamos juntos a dois anos, Ten, e eu nunca vi esse brilho quando você olha para mim.

– Lisa, ela é a minha melhor amiga desde sempre é normal eu ter um carinho especial por ela. – tento argumentar confusamente, vendo-a balançar a cabeça em negativo levemente enquanto as lagrimas ficam em abundância em seu rosto, aperto as nossas mãos para acalma-la – Lisa, estamos construindo um relacionamento, então não fique pilhando com essas ideias inseguras, eu estou com você. – sussurro baixinho, sentindo o espaço entre nós acabando enquanto nos aproximávamos inconscientemente – só com você.

– Faça-me esquecer essas inseguranças, Ten. – pede, baixinho e carente, contra os meus lábios e eu termino o espaço entre nós instantaneamente em um beijo suave e amável.

Eu sentia todos os sentimentos dela sendo expostos silenciosamente no dançar de nossas línguas, sentia toda a sua insegurança sendo deixada de lado enquanto me dava uma nova chance de mostra-la que seus pensamentos não tinha seus fundamentos e que o nosso relacionamento teria uma nova fase e não um fim triste.

Contudo, a cada segundo que aprofundava o nosso beijo e sentia Manoban mais leve, não conseguia ignorar aquele sentimento gritante de falta e de estar errando não só comigo e com os sinais em neon a minha frente, como também com os meus próprios sentimentos e com os próprios sentimentos da Lisa.


Notas Finais


Olá pessoas do meu kokoro!

Espero que a encomenda dos coletes aprova Aten patrocinados pelo Snoopy cheguem há tempo das novas atts hihihih <3

Capitulo cheio de revelações e altos e baixos, Johnny sendo o conciliador master (Yeosang, eu não deixava) eu estou apaixonada pelo Xiaojun e Hendrey, Taeil ícone, Johnyve ainda tem uma vela acesa, ai mds meu ATen não para de ser bombardeado.... VOCÊ DISSE TENLISA? Resumi e nem parece que fui eu que escrevi toda essa linda desgraceira hasuhasuhasuhashuas

Ten dividido entre TenLisa e ATen ai ai, Moon chega mais para darmos umas sacodidas nesse ser humano; Chittaphon dando um de durão, mas já cedeu faz séculos kkkkkkkkkkkkkk adoro uma tapeação ._.

Espero que tenham gostado e vamos a previa!

[PREVIA] Avye continua o seu plano não se salvando de criar mais um momento ATen em publico, Im dar uns toques e faz com que o planejamento determinado de Jones trilhe para um novo caminho....

Vejo vocês no próximo capitulo, pessoal!

Bjs Ari <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...