História No Te Pertenezco - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Deidara, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Izumi Uchiha, Jiraiya, Kakashi Hatake, Karin, Konan, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Orochimaru, Pain, Personagens Originais, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Suigetsu Hozuki, Temari, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju, Yamato
Tags Gaaino, Itazumi, Kasui, Konpain, Naruhina, Nejiten, Sasusaku, Shikatema
Visualizações 207
Palavras 5.926
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drabble, Drama (Tragédia), Droubble, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ei Ei, ao som de "Salvame" estou de volta!! Capitulo dedicado a lindinha da "@thecherryzgirl" espero que goste.

Meus amores, devido ao numero de pedidos para um capítulo somente dos outros casais, saibam que está pronto. Então tenham calma que logo postarei. Kisses.

*Quero agradecer as pessoinhas que já começaram a deixar seu agrado desde o prologo. Vocês são Demais. <3
*Fic muito aleatória em questão aos personagens, nem todos serão bonzinhos como no anime e nem todos serão maldosos.
*Historia totalmente minha.
*Os personagens originais podem acabar escapulindo, mas irei editando conforme eu vou vendo.
*Um capitulo por semana, dependendo posto um na segunda e um na sexta.
*Comentem - sem obrigação, - se gostam ou não, assim vai me ajudar a ajudar vocês.
*Capa e banner feitos por mim. Se alguém quiser que eu faça por encomenda é só me chamar no Privado, farei o meu melhor.
*Mensagens são bem vindas. Favoritos São bem vindos. Leitores fantasmas são bem vindos. Todos são bem vindos.
*Leiam e espero que gostem.
*Plagio é crime.
* Leiam as Notas Finais, <3

Capítulo 5 - IV - consumação do casamento.


Fanfic / Fanfiction No Te Pertenezco - Capítulo 5 - IV - consumação do casamento.

No te Pertenezco

Propriedade Spine Breaker| Horas Antes.

POR — Sasuke.

 

 

Desço as escadas dando de cara com Naruto. Ele simplesmente balança a cabeça em direção ao porão e sorrio já sabendo o do que se trata. O sigo até mais um lance de escadas que nos da acesso ao “cômodo do terror” como Gaara diz. Empurro a porta de madeira já destrancada e passo por ela sendo seguido por Naruto e assim que ele passa tranco à porta.

 

Não queremos ser interrompidos.

 

Vejo os outros a minha espera e noto o homem amarrado em uma cadeira bem ao centro.

 

Diversão.

 

— Meu caro amigo Dewn, eu não esperava vê-lo tão cedo.  — O homem treme, todos tremem afinal. Subo a manga da minha camisa social e abro alguns botões, está quente aqui dentro.

 

— Olha cara eu realmente não queria problema. — Ele diz rapidamente me fazendo rolar os olhos.

 

— Não queria mais conseguiu assim que tentou me roubar. — Me aproximo dele colocando uma mão sobre seu ombro o sentindo tremer ainda mais.

 

— Eu não queria, eu juro. — Ele começa a chorar, encaro a cena curioso e irritado. — E-ele me ma-mandou. — Dewn gagueja.

 

— Ele quem Dewn? — O questiono.

 

— Ele vai me matar se eu disser. — Dewn me olha de maneira assustada.

 

— Você vai morrer de qualquer jeito. — Suigetsu resmunga. Dewn olha para ele mais assustado do que antes.

 

— Meu irmão tem razão Dewn, é melhor me dizer quem te mandou me roubar, talvez eu até pense em te deixar vivo. — Minto.

 

Eu nunca deixo uma ponta solta, nunca mesmo.

 

— Eu não vou contar cara. — Fecho os olhos e respiro fundo já ficando irritado.

 

— Ok. — Viro-me para Pain. — Quer fazer as honras? — Ele sorri abertamente subindo as mangas da camisa como eu fiz antes.

 

— Diversão. — Pain diz se aproximando do homem a minha frente. Noto Dewn ficar inquieto sobre a cadeira. — Você poderia ter feito isso do melhor jeito. — Pain golpeia o rosto de Dewn, primeiro esquerda depois direita em sequência até que ele acerta o nariz do cara fazendo não só ele como os cortes no rosto do mesmo sangrarem.

 

— Já decidiu que vai contar Dewn? — O homem balança a cabeça freneticamente em um sim me fazendo sorrir. Seguro o queixo dele sujando minha mão de sangue. — Quem te mandou aqui?

 

— Kakashi Hatake. — fecho minha mão em punho.

 

— Aquele merda filho da puta. — Solto Dewn e olho para Pain. — Termine o serviço e assim que acabar espero todos vocês no meu escritório, antes irei passar no meu quarto quero ver como a filha de Kakashi esta. — Dewn arregala os olhos e eu rio.

 

— Pode deixar comigo, em cinco minutos encontro vocês lá. — Pain diz e apenas aceno saindo do porão. Subo as escadas rapidamente indo em direção ao meu quarto. Destranco a porta do mesmo e entro, o quarto se encontra vazio e sinto um cheiro doce de tulipas, o sal de banho que mandei comprar.

 

Sorrio.

 

Caminho até o banheiro e noto que a porta se encontra fechada, abro-a de vagar e respiro aliviado pela rosada não ter me notado entrar. Encosto-me no batente da porta e a vejo de olhos fechados e mordendo o lábio enquanto esta coberta por água e espumas.

 

Malditas espumas.

 

Sakura morde os lábios com força enquanto mantêm os olhos fechados. Eu daria um milhão para saber o que ela pensa agora. Talvez em mim? Ou talvez em outro? Não! Esse pensamento me incomoda e me repreendo por estar pensando merda sobre ela.

 

Ela é um brinquedo.

 

Irei usá-la e descartá-la, é assim que funciona. Sem sentimentos, sem amizade, apenas sexo e vingança.

 

Nada mais.

 

Olho para os lábios dela novamente sendo mordidos e resolvo mostrar que eu estou aqui.

 

— Se continuar mordendo os lábios assim, vai acabar ficando sem eles. — Ela abre os olhos surpresa ao me notar. — O que seria uma pena. — Noto seus olhos verdes me analisarem, primeiro minha camisa bem de vagar e depois meus lábios, ela se fixa nos meus lábios meu sorriso se alarga ainda mais.

 

Vitória.

 

— O que você quer aqui? — Por fim ela fala, percebo que ela vacila um pouco mais dou de ombros.

 

— Aqui é o meu banheiro. — Saio de perto da porta e caminho até a pia ligando a torneira. A água gélida retira o sangue seco de Dewn de minhas mãos e simplesmente dou de ombros disso também, sangue é sangue, e se tratando disso eu já vi sangue o suficiente para encher o mar vermelho. Fecho a torneira e viro-me para a rosada na banheira, seus olhos se arregalam de leve ao se lembrar que se encontra nua. — Eu poderia simplesmente te tirar dai e fode-la sobre essa pia — Aponto para o mármore preto e noto o leve movimentar de suas pernas. — Ou até mesmo dentro da água. — Minha voz sai baixa e me xingo mentalmente por ser sedutor nas horas erradas.

 

Pensando bem, eu poderia tirar proveito disso. Caso ela um dia resolva reclamar tanto eu quanto ela própria vai saber que se entregou por vontade, e vou provar isso amanhã na noite de núpcias. Noto que ela esta com os olhos fechados e os lábios pressionados um ao outro, resolvo sair de onde me encontro e me aproximar da banheira. Fico de joelhos perto dela e espero até que ela note que estou perto.

 

O que não demora.

 

— De qualquer forma você fará isso. — Sorrio vitorioso ao ver seu pânico a me ver perto o suficiente. Resolvo jogar com a mesma e toco a espuma perfumada a soprando em seguida. Noto sua respiração se acelerar e pego uma mecha castanha entre meus dedos.

 

— De qualquer forma eu farei isso mesmo, mais eu serei compreensivo e esperarei até amanhã, ou melhor, até à hora da nossa lua de mel. — Levo a mecha até meu nariz e sinto o cheiro maravilhoso de tulipas, as vermelhas para ser exato. Olho para a rosada e vejo seus lábios entreabertos, sinto certo ponto em mim se agitar quando vejo essa boca chupar o meu pau em meus pensamentos. — Agora eu apenas quero provar uma coisa. — Ela abre a boca para perguntar o que, porem sou mais rápido e a beijo.

 

Porra!!

 

Os lábios dela são macios e doces de mais. Ela fica tensa e não demora para que ela retribua quando minha língua invade a boca dela. Sei que ela nunca ficou com ninguém, eu sei por experiência própria que ela é pura e eu serei um monstro ao destruir a sua pureza.

 

Eu farei isso.

 

Ela tem que me odiar.

 

Ela vai.

 

Solto os lábios dela e sorrio.

 

— Isso é apenas uma amostra do que farei com você amanha, e não pense que serei gentil — Me levanto. — Eu não sou nenhum príncipe, eu sou um monstro e agirei como um.  — Saio do banheiro a deixando perplexa. Sorrio ainda mais vitorioso, ela esta em minhas mãos.

 

Eu farei o que quiser com ela.

 

[...]

 

— Eu simplesmente estou me cansando desse filho da puta. — Neji resmunga batendo o punho sobre a perna. — Já não basta à merda que ele fez, agora ele pensa que esta podendo roubar a gente e ficar por isso mesmo? — Acendo meu cigarro e levo-o até a boca tragando bem fundo, olho para os caras e solto a fumaça.

 

— Eu também estou cansado Neji. — Jogo o cigarro no cinzeiro e viro-me de frente. — Ele tirou tudo de mim, a mulher que amo e depois a minha família, eu sou tão vítima quanto vocês e também eu desejo muito colocar as mãos nele, mais não podemos enfiar as carroças em frente aos bois e bota tudo a perder. — Respiro fundo passando a mão pelos meus fios escuros.

 

— Sasuke tem razão, não podemos pega-lo agora, mais podemos armar pra ele ir o destruindo aos poucos. — Olhamos para Suigetsu intrigado.

 

— E o que você tem em mente nerd? — Zoa Shikamaru nos fazendo rir.

 

— Podemos deixá-lo achar que esta nos destruindo. Deixá-lo achar que esta podendo mais do que qualquer um, e quando for à hora do bote ele vai se foder por completo. — Sorrio para ele, Suigetsu é o homem mais inteligente da minha turma, não que os outros sejam burros, pelo contrario, cada um é bom em uma coisa.

 

Suigetsu como eu disse, é bom em bolar planos. Shikamaru é bom em armar ciladas mesmo que seja com uma caneta, ele consegue. Neji é um ótimo atirador, Naruto além de um ótimo resmungão, ele é um hacker fodido de foda. Pain é bom com luta corporal, Gaara é ótimo com cálculos e em invadir contas também e eu? Bem, eu sou o líder, eu tenho lá as minhas cartas nas mangas.

 

— Agora me digam como estão se saindo com as gostosas? — Gaara pergunta do nada. Olho para ele de sobrancelha arqueada e ele da de ombros.

 

— Olha, eu só levei um chute no saco quando eu tente dialogar com a roxinha. — Pain diz e sem querer eu gargalho imaginando a cena épica. — To falando sério! Aquela mulher é maluca. — Logo estamos gargalhando do mesmo.

 

— Porque não foi você que saiu com uma que gosta de escalar as coisas e some e aparece do nada. — Suigetsu resmunga e mordo a carne da minha bochecha para não explodir de tanto gargalhar.

 

— Wow! — Sibila Gaara me fazendo rir agora. — Eu tenho uma calma, que gosta de rosa e de ler. — Ele da de ombros e rolo os olhos.

 

— Só o que faltava mesmo. — Naruto diz em deboche. — A minha simplesmente é: não me toca ou você morre. — Olhamos na direção dele com um sorriso que ocupa a cara toda.

 

— Então quer dizer que você tem uma você com você? — Neji diz me fazendo franzir a testa.

 

— An? — Shikamaru fala.

 

— O que eu quero dizer é que o Naruto saiu com uma copia dele, nada mais justo. — Ele balança as mãos e sem pensar duas vezes eu concordo, afinal, Naruto é um pé no saco quando quer.

 

— A maluca que se encontra comigo é bipolar, ao mesmo tempo em que sorri ela quer me matar. — Shikamaru ri. — Os cabelos amarelos dela são legais. — Completa ele.

 

— Bom, a minha além de ser morena e gata, ela é boa em piadas e gosta de dar risadas. — Neji diz e nego com a cabeça.

 

— Talvez vocês tenham pegado a copia de vocês para saberem o quão chatos são. — Comento atraindo o olhar deles em minha direção. — Não me olhem assim, é só verdade. — Rio das caras que eles fazem.

 

— Então gostosão, como é a filhinha do Kakashi? — Naruto pergunta me fazendo rir largamente.

 

— Obediente.

 

— Obediente? Ela é uma espécie de cachorro? — Shikamaru ri.

 

— Não babaca. — Jogo minha caneta nele. — Ela só não grita, não escala nada, não faz piadas idiotas, não reclama. Ela simplesmente aceita o fato de que é minha, e que querendo ou não, ela deve me obedecer. — Lembro-me do beijo de horas atrás.

 

— Nossa quanta merda. — Zoa Gaara.

 

— Não vá se apaixonar em. — Aponto dedo para Naruto que gargalha.

 

— Meus queridos. — Kyli abre a porta e é rodeada pelos meninos assim que ela entra. Kyli é como uma mãe para nós devemos nossas vidas a ela. — Sasuke, sua encomenda chegou. — No mesmo instante a loira gostosa entra no escritório tirando assovios dos caras, ela caminha até mim com determinação e para ao meu lado.

 

— Por favor, me deixem a sós com a visita. — Peço vendo-os rir. — Chegou à hora da minha diversão antes de amarrar meu burro. — Eles riem e eu puxo a loira para os meus braços. — Me chupa. — Mando-a assim que os caras saem e nos deixam sozinhos.

 

[...]

 

— Cuide para que nada saia e nada entre depois da minha esposa. — Dou ordem ao segurança assim que chego em direção aos convidados. Muitos são amigos de longa data e outro irmãos mesmo.

 

Noto que a Limusine parou e sorrio vitorioso. Kakashi vai pagar pelo que me fez, e será da pior maneira.

 

Kyli caminha até mim com um sorriso enorme no rosto. Ela beija minha testa e se posiciona ao meu lado.

 

— Ela esta linda. — Comenta. — Tão linda quanto Shizune. — Eu olho para Kyli surpreso. Shizune era minha noiva e iríamos nos casar ano passado, e ela era filha de Kyli. — Ora essa garoto, eu sei admitir algo quando se trata da verdade. Minha filha era linda sim, mais essa jovem tem sua beleza natural e pura. — Ela completa.

 

— Shizune também era. — Kyli ri.

 

— Shizune era mesquinha querido, só você que conseguiu dar um jeito nela. — Balanço a cabeça positivamente, Kyli tem razão ao dizer que a filha era mesquinha, pois realmente era e em relação ao dizer que Sakura esta linda.

 

Ela não mentiu.

 

Ela esta maravilhosa.

 

O vestido que escolhi para ela caiu tão perfeitamente que posso jurar que ele ia ser dela de qualquer forma. Minha noiva caminha até mim alheia enquanto olha os convidados e assim que ela olha na minha direção, seus olhos verdes perfeitos estão ainda mais perfeitos.

 

Ela está toda perfeita.

 

Merda Sasuke, merda.

 

Sakura para em minha frente e seguro sua mão, sinto seu medo e tento ignorar ao máximo a vontade de rir, pois ela é minha, quer queira ou não. O padre começa a sua cerimônia cheia de “blablabla” e comemoro mentalmente por enfim ele fazer as perguntas que mais esperava.

 

— Você Sakura, aceita Sasuke Uchiha — Ele fala baixo o suficiente para que apenas ela ouça — Como seu legítimo esposo? — Sakura olha para mim e depois os convidados e por fim, o padre.

 

— Sim.

 

— E você...

 

— Sim. — O corto.

 

— Eu os declaro marido e mulher pode beijar a noiva. — Viro Sakura para mim e a beijo ao mesmo tempo em que aplausos e assovios são ouvidos por nos dois. Solto os lábios dela e me viro para frente, para meus amigos.

 

— VÃO FESTEJAR HOMENS E MULHERES, A PROPÓSITO, NÃO É SEMPRE QUE UM LÍDER DA MAFIA SE CASA. — Grito os fazendo comemorarem, volto minha atenção a rosada e seguro sua mão. — Chegou a hora da nossa lua de mel querida. — Ela treme.

 

POR| SAKURA 

 

O helicóptero balança um pouco conforme avançamos para o destino escolhido pelo meu marido. Eu não sei onde e nem como é o lugar! Apenas sei que lá minha vida mudara e isso me assusta.

 

Olho pela janela vendo as luzes da cidade é uma visão maravilhosa daqui de cima, mesmo que no fundo eu esteja tremendo e com as mãos apertadas uma na outra.

 

 — Não se preocupe o helicóptero não vai cair. — Viro-me para Sasuke e apenas balanço a cabeça voltando a olhar pela janela. — É lindo, não é? — Ele se move um pouco ficando próximo o suficiente de mim, eu sinto seu perfume e me repreendo por gostar disso.

 

— Sim, é lindo. — Resolvo responde-lo afinal.

 

— Quando eu era criança eu sonhava em ser piloto de helicóptero e poder conhecer o mundo daqui de cima. — Volto a olhá-lo agora curiosa.

 

— E como foi à experiência? — Ele olha para frente e ri.

 

— Péssima. No primeiro dia de aula eu entrei em pânico, eu simplesmente odiei então, me tornei o que sou hoje. — Sorrio balançando a cabeça.

 

— Se orgulha do que você se tornou? — Ele olha para mim e fica em silencio apenas fixando seu olhar ao meu.

 

— Sim. — Ele desvia seu olhar e se ajeita no banco encostando a cabeça ali e fechando os olhos. Ele simplesmente se cala e eu apenas respiro fundo voltando a minha atenção a janela.

 

Assim que o helicóptero para no local marcado, o piloto e também segurança de Sasuke desce e abre a porta para que a gente descesse.

 

Sasuke desce primeiro e me ajuda a descer em seguida.

 

 — Obrigada. — Murmuro baixo e ele apenas acena com a cabeça não me dando resposta alguma. Noto que estamos em uma propriedade particular, com direito a vista para o mar e árvores em volta. A casa é enorme, bem maior do que onde eu vivia com as meninas.

 

Orfanato.

 

É de uma cor chegada ao amarelo com janelas de vidro e portas de madeira importada e bem cuidadas por sinal. Noto que á um pequeno jardim com algumas flores e uma delas me chamou a atenção de imediato.

 

Tulipas vermelhas, o símbolo do amor eterno.

 

Desde criança eu fui apaixonada pela flor e que acabei a desenhando em uma pagina branca do livro que esta comigo há anos. Ela é minha flor favorita e ainda tenho esperanças de que o homem da minha vida me dê uma delas.

 

— Esta tudo bem? — Sasuke pergunta e eu afirmo. — Vamos entrar aqui esta frio. — Ele pega meu braço e logo estou andando ao seu lado em direção a casa. Ouço o barulho do helicóptero e olho para trás o vendo ser erguer do chão.

 

— Ele não vai ficar? — Pergunto.

 

— Ele voltara depois de amanhã. — O moreno da de ombros destrancando a porta da casa e a abrindo.

 

— Ah. — O único som que sai da minha boca. Sasuke me ignora novamente entrando na casa e acedendo as luzes, noto o quão grande é dentro. As paredes estão cobertas por papéis de paredes como se fosse de madeira. A sala possui enormes sofás de tecido branco com almofadas pretas, o tapete marrom cobre uma grande parte do chão. Há ali uma estante com livros e ao lado uma TV que por sinal é imensa, um som e algumas outras coisas.  Vejo Sasuke tirar o paletó e o jogar sobre o sofá de qualquer jeito.

 

— Esta com fome?

 

— Sim. — Respondo enquanto o vejo dobrar as mangas da camisa. Talvez seja uma mania dele, uma mania bem estranha na verdade.

 

— Vou preparar algo para comermos e se quiser tomar um banho ou me acompanhar, fique a vontade. — Franzo a testa em sua direção e penso em qual opção seria melhor. Um banho cairia muito bem agora, estou com o vestido de noiva até agora e ele realmente esta me incomodando, porém, meu estômago reclama por falta de comida e no momento eu prefiro comida.

 

— Eu vou com você. — Ele sorri e balança a cabeça positivamente.

 

— Me siga, esposa. — Entreabro meus lábios sentindo meu corpo formigar. “esposa” eu sou esposa de um mafioso e minha ficha parece sempre cair e depois se erguer. Balanço a cabeça afastando esse pensamento idiota e vou atrás do moreno. Entramos na cozinha e fico chocada com a beleza daquele simples ambiente.

 

Os móveis e os eletrodomésticos são todos da cor preta, a única coisa clara ali são as paredes com o mesmo papel de parede da sala e o chão, pois o restante é tudo do tom mais escuro que existe. Sasuke abre a geladeira e pega algumas coisas ali dentro as colocando sobre o balcão. Aproximo-me um pouco de onde ele esta e me sento no banco de madeira, ou melhor, tento.

 

O vestido se embaralha e sinto o banco pender para trás, é tudo muito rápido. Tento me segurar no balcão mais minhas mãos úmidas escorregam e o banco enfim cede. Fecho os olhos esperando o impacto mais ele não vem. Sinto meu corpo ser puxando e abro os olhos vendo Sasuke me segurando, seu olhar se fixa no meu e eu simplesmente me prendo nele.

 

— Céus. — Sinto meu coração acelerar e minha respiração ficar desregulada pelo breve momento de susto. Sinto meu rosto corar e Sasuke me ajuda a ficar ereta. — O-obrigada. — Ele assente mais continua com os braços em mim. Volto a morder o lábio e abaixo a cabeça.

 

— Quer se trocar? — Nego com a cabeça.

 

— Não, eu estou bem. — Sorrio sem jeito. — Graças a você. — Sasuke ri.

 

— Certo. — Ele se afasta. — Vou fazer macarrão. — Olho para ele desacreditada.

 

— Só macarrão? — Ele assente.

 

— Não gosta? — Eu penso em dizer que “Sim”, mas o fato é: Eu odeio macarrão.

 

— Eu odeio, desculpa. — O moreno coloca uma mão no queixo em forma de pensar e sorri depois.

 

— Eu sei fazer só macarrão, portanto você terá que fazer nosso jantar. — Fico estática por um momento enquanto meu cérebro processa o que ele acabou de dizer.Em seguida seguro ao máximo a vontade de rir e o vejo arquear a sobrancelha. — O que foi? — Eu não consigo segurar mais.

 

Gargalho, eu rio tanto que minha barriga chega a doer. Tento descontroladamente parar de rir mais olhando para o moreno a minha frente eu simplesmente não consigo.

 

— Você só sabe fazer macarrão? — Ele não nega, apenas balança a cabeça positivamente. — Que tipo de marido é você? Se realmente depender de você para comermos enquanto estivermos aqui, nos dois morreremos de fome. — Começo a rir novamente notando a careta que ele faz de indignação.

 

— Você é uma garota muito engraçadinha. — Ele se aproxima de mim e me prende entre o balcão e seus firmes e fortes braços lembram a vontade de rir? Então... Não existe mais.

 

— Ria querida esposa. — Sinto sua respiração se mesclar com a minha conforme seu rosto se aproxima do meu. Eu não consigo me mover e nem dizer nada. — Já que essa boquinha linda não quer rir eu a usarei para outra coisa.  — Sasuke diz encaixando seus lábios aos meus, abro minha boca para que a língua dele me invada e me entrego ao beijo dessa vez.

 

O moreno segura minha cintura agora enquanto encaixa seu corpo ao meu me prendendo ainda mais ao balcão. Eu arfo sentindo meu corpo gostar da aproximação repentina dele e me repreendo em seguida por isso. Sasuke me ergue me fazendo soltar um gemido, pois o mesmo não solta a minha boca nem para respirar.

 

O moreno abre minhas pernas se encaixando entre elas, não totalmente, pois o tecido do vestido atrapalha bastante. O que eu estou dizendo? Eu deveria odiar tudo o que ele faz comigo. Eu fui obrigada a me casar com ele, eu fui praticamente sequestrada por ele e agora eu estou gostando do que ELE esta fazendo comigo sobre esse balcão.

 

— Nosso jantar vai ficar para depois. — Ele murmura entre meus lábios e rodeia seus braços em mim, um em minha cintura e o outro abaixo de minhas pernas. Sinto-o me erguer e rapidamente envolvo meus braços em seu pescoço me segurando.

 

Não quero cair – Quase – de novo.

 

O moreno sai da cozinha comigo nos braços e anda apressado até as escadas. Um degrau de cada vez ele sobe, pergunto-me como ele consegue fazer isso comigo em seus braços?  Pois, se fosse ao contrário, estaríamos os dois esticados lá embaixo após rolar escada abaixo.

 

Nada legal.

 

Observo o corredor escuro a nossa frente e o pânico começa a percorrer meu corpo quando o que mais neguei para mim mesma a noite toda se aproxima.

 

Consumação do casamento.

 

Eu não sei se ele acha que conseguira uma noite maravilhosa ao meu lado, pois, se ele realmente acha isso, vai se decepcionar muito.

 

Muito mesmo.

 

Sasuke empurra a porta com o pé fazendo-a bater com força na parede quando ela se abre por completo, as luzes são acesas automaticamente revelando um imenso e luxuoso quarto.

 

O quarto é surpreendente.

 

O quarto era amplo e uma mistura de cinza, branco e preto. O chão era de madeira polida e no centro da parede havia um painel de madeira cinza que ocupava boa parte. A cama era uma king size, os lençóis de seda combinadas com a paleta de cores do quarto. Ao lado da cama, dois criados mudos pretos e brilhantes, abajures pretos com branco combinando em cada lado. Cortinas pesadas bloqueavam a porta que dava acesso a varanda. Na extremidade do quarto, havia uma poltrona moderna com uma mesinha ao lado. Em frente à cama, na outra parede, estava a TV plana um aparador com vasos e jarras de bebidas.

 

Sasuke me desce de seus braços e me põe de costas á ele. Sinto seus dedos gélidos tocarem a pele exposta do meu ombro e um arrepio percorre meu corpo.

 

— Porra!! — Ouço ronronar. Penso em perguntar á ele o que houve, mas sou impedida pelo fato de que minha boca trava ao senti-lo tocar minhas costas nuas. Seus dedos vagueiam lentamente por minha carne enquanto começo a morder os lábios. — Você parece um quadro a ser pintado. — Sinto-o mais próximo, seu perfume me rodeia e inalo o máximo que consigo sem que ele perceba.

 

É idiotice o que estou fazendo, e mesmo que eu tente negar que gosto da aproximação desse estranho é impossível controlar o meu corpo quando o mesmo deseja mais do que um simples toque.

 

— Eu serei o seu pintor Sakura. Eu pintarei você da forma que eu desejar. A farei minha e nenhum outro homem tocara você, eu serei o seu primeiro e ultimo, eu serei o dono dos seus sonhos e também dos seus pesadelos. — O vestido vai ao chão em um baque mudo, coro instantaneamente, pois estou seminua na frente dele, mesmo que de costas é constrangedor.

 

Sasuke afasta os fios rosados do meu pescoço e beija aquela parte com delicadeza fazendo meu corpo se aquecer em determinadas partes, como ontem no banho. — Você é perfeita. — Suas mãos vagueiam por meus braços e logo sinto suas mãos firmes apertarem minha cintura. —Vinte anos e ainda é pura. — Levanto a cabeça surpresa por ele saber minha idade.

 

— Como você sabe? — Ouço-o rir.

 

— Eu sei de muita coisa Sakura, no tempo certo você também saberá. — Ele me vira rapidamente para si me fazendo respirar rápido de mais, noto seu sorriso vitorioso e seus olhos vagueiam pelo meu corpo. Sinto a carne da minha bochecha queimar por vergonha, pois estou sem sutiã e meus seios estão completamente expostos para ele.                 

 

— P-por que eu? — Sasuke me encara com a sobrancelha esquerda arqueada. — Por quê? — O moreno toca meu queixo com a mão direita e se aproxima de mim, fazendo meus seios roçarem sua camisa. Mordo o lábio para conter os sons irritantes que tentam escapar da minha garganta.

 

— Você saberá, um dia. — Roça o polegar em meu lábio. — Hoje eu proíbo você de fazer perguntas. — lambo meus lábios ficando nervosa. ― Agora eu vou marcá-la como minha e não quero nada além de gemidos saindo de sua boca, nada, apenas gemidos.

 

“marcá-la como minha”

 

Sinto minha pele se arrepiar e meu estomago parece repleto de borboletas. Mordo o lábio e sinto as mãos do moreno em meu rosto. Ergo meu olhar para o seu e sinto minhas pernas bambas por notar que ele me encara de maneira estranha, como... Como se eu fosse algo de outro mundo. Percebo agora que nada vai mudar o fato do que esta acontecendo, mesmo que eu queira pará-lo algo dentro de mim nega e me proíbe de fugir.

 

Aceitar o inevitável talvez seja a melhor opção.

 

A melhor.

 

Ergo minhas mãos e toco seu rosto, ele fica surpreso com meu ato, pois seus lábios se entreabrem e seus olhos se arregalam. Suas bochechas são macias e quentes enquanto seus lábios úmidos e doces me convidam a tocá-los, é isso que faço.

 

Toco seus lábios com os meus. Primeiro apenas toco depois passo minha língua envolta dos dele sentindo o gosto doce misturado com menta, é delicioso.

 

Sasuke me puxa mais á ele sem interferir no que eu faço. Volto a brincar com seus lábios e ele abre a boca me dando passagem, eu sorrio e aprofundo nosso beijo. Minha língua toca a dele de uma maneira deliciosa, e mesmo que eu seja tola o suficiente para fazer o que estou fazendo, eu não vou parar eu simplesmente não irei.

 

Enquanto eu o beijo, aproveito para abrir os botões de sua camisa, um botão apos o outro, uma tortura para ele e para mim. Sei que ele deve estar estranhando o fato de que estou tomando iniciativa, sendo que essa atitude era dele.

 

A inexperiência é minha, não dele.

 

Mas...

 

Eu quero tocá-lo, senti-lo. Mesmo que amanhã eu me arrependa, mesmo que ele me trate de maneira estranha, eu vou pensar no agora o depois fica pra depois.

 

Termino de tirar a camisa dele e a jogo longe, toco seu peitoral sentindo os poucos fios presente ali, meus dedos parecem ter vida própria, pois logo estou tocando os gomos, um por um, sentindo o quão forte ele é.

 

— Sakura. — Sasuke sussurra quando toco o botão de sua calça. Meus dedos estão trêmulos mais mesmo assim abro a calça dele, em seguida o zíper, nisso sinto o quão duro ele está.

 

Dou um passo para trás e sinto meu braço ser segurado pelo moreno. Ergo a cabeça para olhá-lo vendo-o sorrir.

 

— Não fique com medo. — Diz. — Vai doer um pouco querida, mais irei fazer você relaxar antes disso. — Ele me puxa para si me beijando novamente. Meu corpo é erguido do chão e logo estou deitada sobre a cama. — Apenas relaxe. — Ele diz se afastando do meu rosto, o sinto beijar meu ombro direito, depois o esquerdo e por fim o vale dos meus seios. Ele lambe entre eles me fazendo arquear um pouco o quadril. É estranha a forma como ele faz meu corpo reagir quando ele me toca, o simples toque de seus lábios em meu corpo me faz queimar, céus, ele é um estranho.

 

Um estranho sexy e que sou incapaz de pensar quando ele me toca.

 

Um dia e meio foi o que ele gastou para me deixar completamente pirada.

 

Arfo.

 

A língua dele rodeia o bico do meu seio enquanto uma de suas mãos massageia o outro. Sinto sua língua brincar com bico e seus dentes logo roçam ali.

 

— I-isso... — Não consigo formular uma palavra que descreva o que estou sentindo, a sensação é incrível e meu intimo queima e o sinto melado.

 

— Bom? — Ouço a voz rouca do meu marido e apenas balanço a cabeça freneticamente. — Sim querida, é muito bom. — Ele volta a brincar com o meu seio mais dessa vez o chupando. Eu simplesmente não consigo mais me segurar, eu gemo. É constrangedor mais eu faço isso repetidas vezes enquanto ele me chupa, ora um seio ora outro.

 

É torturante e bom de mais.

 

— Sasuke. — Seu nome sai dos meus lábios em forma de gemido e ele para de me chupar para me beijar novamente, dessa vez mais rápido e mais intenso. Nossas línguas batalham e nossas mãos vagueiam por nossos corpos já suados. Arfo ao sentir uma de suas mãos desprendendo a cinta liga do meu corpo.

 

— Você está sexy de mais com isso, mais agora não precisamos dela. — Ouço o tecido ser rasgado mesmo que tenha sido solto, sem querer eu rio. — Do que esta rindo? — As íris escuras dele me encaram eu apenas dou de ombros.

 

— Apenas continue. — As palavras saem da minha boca antes que eu possa pará-las e vendo o sorriso de satisfação no rosto do meu marido eu já estou começando a me arrepender.

 

— Okay!! — Ele apenas desvia o olhar do meu após me responder. Minha calcinha é arrancada junto com a liga e volto a corar. — Você é simplesmente maravilhosa. — Sasuke murmura mais para si mesmo do que pra mim após ficar em pé e me olhar completamente nua de sua cama.

 

Sasuke abre minhas pernas e eu fecho os olhos ignorando tudo ao meu redor, meu rosto deve estar roxo. Ouço a risada dele e abro os olhos o encarando.

 

— Você sente vergonha querida? — Sinto uma vontade absurda de matá-lo e sorrio cínica.

 

— Só fechei os olhos porque estou com sono. — Sim eu disse isso, pois tanto eu quanto ele ficamos chocados. Primeiro porque não sou de responder com piadinhas e segundo, eu não sabia que tinha tanta força e coragem para responder o homem a minha frente.

 

— Muito engraçado. — Sua voz esta rouca e baixa. — Irei fazer com que essa graça se torne algo ainda melhor. — Penso em questioná-lo porem sou levada desse mundo para outro em questão de segundos quando sinto a língua dele brincar com meu clitóris.

 

— Oh!! — Gemo, a sensação dele me chupando é incrível, sua língua sobe e desce em momentos e em outros ele faz movimentos circulares me levando a loucura. Arqueio meu quadril ainda mais em direção ao rosto dele e sinto quando suas mãos apertam a carne de minhas coxas. — Sa-Sasuke. — Grito quando atinjo o clímax, minhas pernas se tornam bambas e esqueço-me do mundo por alguns segundos.

 

— Porra. — O moreno suga meu intimo me deixando ainda mais zonza, céus, o que tem de errado comigo? — Você é deliciosa. — Volto a olhar o homem entre minhas pernas e lambo os lábios os sentindo secos. Sasuke sorri e uma covinha fofa antes despercebida por mim surge ali.

 

Sorrio e entro em pânico ao mesmo tempo, pois o moreno sobe na cama e se encaixa entre minhas pernas. Seus braços ficam ao lado de minha cabeça e sinto seu pau roçar minha parte sensível. — Eu estaria mentindo se dissesse que não ia doer. — Entro em pânico, sim, na altura do campeonato eu entro em pânico.

 

Fui beijada, tomei iniciativas malucas, fui chupada e agora estou em pânico.

 

— Eu estou com medo. — Encaro o moreno em cima de mim, eu rio e quero chorar ao mesmo tempo.

 

— Ei maluquinha — Ele segura meu rosto. — Não tenha medo, eu serei cuidadoso e não se acostume, eu não serei assim a vida toda. — Se ele tentou me acalmar com isso ele realmente NÃO conseguiu.

 

— Eu não quero faz... — Ele me beija calando-me. Sinto sua língua invadir a minha boca e aos poucos vou me acalmando, Sasuke se meche entre minhas pernas e sou aos poucos invadida por ele. Ele de repente para, sua boca se afasta da minha e seus olhos me encaram.

 

— Morde meu ombro. — Fico perplexa por alguns segundos antes de fazer o que ele pede. — Agora vem a pior parte. — Então ele mete rápido de mais, sinto uma dor horrível e mordo o ombro dele com força sentindo o gosto de sangue. — Não era bem um pacto de sangue que eu queria para hoje. — Ele brinca e eu paro de mordê-lo.

 

— Desculpa. — Peço sentindo a dor se tornar pouca.

 

— Eu vou me mover e se doer me faça parar. — Balanço a cabeça positivamente e o sinto se mecher, um lento vai e vem. Sinto um leve incomodo no inicio mais logo a dor se vai e o prazer me toma. Agarro as costas de Sasuke e ele olha para mim.

 

— Me beije. — Peço. Ele não nega e me beija. Agarro-me mais a ele e sinto-o ir mais rápido e forte, meu corpo se junta ainda mais ao dele enquanto sou beijada e penetrada com força.

 

Meus gemidos se tornam altos e os dele são roucos e baixos. Arranho suas costas com força sentindo mais prazer do que achei que poderia suportar.

 

— Porra de bocetinha apertada deliciosa. — Ele rosna em meu ouvido e eu arfo sentindo-o ir mais fundo. Nossos corpos suados, nossos sexos batendo um ao outro, o quarto, o lugar, tudo parece perfeito de mais.

 

 Ele parece perfeito de mais.

 

Seus beijos, suas caricias, o jeito como ele me ama e ao mesmo tempo me fode. A maneira como ele me fez dele, tudo nele é perfeito. Uma parte de mim quer acreditar que ele é assim, perfeito. Mas uma parte não pensa assim, no fundo eu sei que ele não é perfeito e que tudo que fizemos hoje será esquecido por ele assim que o amanhã chegar.

 

Grito.

 

O segundo orgasmo me atinge de forma violenta me fazendo tremer e viajar por segundos sinto Sasuke meter em mim mais algumas vezes e logo seu liquido se mistura ao meu é gostosa a sensação de ser preenchida. Sasuke sai de dentro de mim e sinto um incomodo em seguida.

 

 — Vem. — Ele me puxa para si e fecho os olhos sendo coberta por algo quente. — Durma querida, durma. — Ele sussurra e por um breve momento acho que ele beijou minha cabeça.


Notas Finais


sera que Sasuke é fofinho assim? ou será que ele só esta fingindo?
Leiam Princesa do vento --- próximo capitulo TenTen vs Temari.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...