1. Spirit Fanfics >
  2. No, Thank U >
  3. Oneshot: Ritual da Segunda-feira

História No, Thank U - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Em primeiro lugar, desculpa pela sinopse k, sou uma merda 'pra fazer elas e a minha souLmate (que me ajuda com elas) não leu essa fic ainda kkk. Então vai ficar essa merda aí mesmo, sorry baes. Perdoem a falta de habilidade de uma mera escritora amadora em resumir oito mil palavras em duzentas, de modo a instigar os leitores.

Em segundo lugar, se você não gosta de menção à abuso eu sugiro que saia bebê, a prioridade é o seu bem estar mas aviso também que não tem nada explícito e a Yoonji não fala nada sobre, só que aconteceu um incidente.

E em terceiro lugar, mas não menos importante, tem menção à shipp aleatório do kpop. Ah Miya por que você fez esse absurdo (reparem a ironia pf)? Porque sim, eu quis e sendo bem curta de grossa: a história é minha, eu escrevo o que eu quiser. Então amore, se você é dessas pessoas que acha que se a fanfic é de yaoi tem que ter só shipp gay, apenas clique no botão de voltar. Sinto muito eu sou realista e o mundo é formado por casais plurais e, sim, eu faço shipps lindos e aleatórios, me processem se quiserem, bjos.

‘Tá saindo um pouco disso, essa fic foi um plot muito aleatório. Eu ‘tô usando demais essa palavra, tenho que parar. Ent eu 'tava no rio de janeiro, naquele calor infernal (e 'tava frio ainda, ô inferno) e pensei em um plot com gelo, muito gelo, e uma dupla de patinação. Lembrei da nossa amada Yoonji, deusa, maravilhosa, arrasadora de corações e pah, saiu essa lindeza!

AH! Eu betei, mas devem ter passado alguns erros aí, se tiver muito grotesco avisa nos comentários que eu arrumo, porque eu só vou reler isso no próximo mês.

Sem mais delongas, se divirtam lendo amores, encontro vcs nas notas finais.

Capítulo 1 - Oneshot: Ritual da Segunda-feira


Fanfic / Fanfiction No, Thank U - Capítulo 1 - Oneshot: Ritual da Segunda-feira

– Yoon... – Jeongguk gemeu o apelido da mulher que rebolava em seu colo. – E-estamos na sa-la amor… – Tentou convencer a menor a ir para o quarto, mas sua voz falhava com os chupões dados em seu pescoço. Yoonji sabia exatamente onde tocar para acabar com a sanidade do Jeon.

– Tudo o que é perigoso é mais divertido Gukkie – Yoonji sussurrou sensualmente no ouvido do ruivo para então mordiscar a orelha dele. – Não acha amor? – perguntou, tirando a blusa do homem e arrastando as unhas longas na pele clara.

A respiração da menor pesou vendo a barriga malhada do namorado e um sorriso promíscuo foi formado nos lábio de Jeongguk. Via a clara vontade dela de marcar tudo com chupões e arranhões. Linda sobre si e ficaria melhor ainda quando estivessem realmente transando.

Os olhos castanhos se conectaram, assim como as bocas em um beijo feroz e sem delicadeza alguma. Pegavam fogo juntos e não faziam questão nenhuma de parar. Muito pelo contrário, queriam incendiar o apartamento inteiro durante a  noite inteira.

As mãos do Jeon subiram para as coxas branquinhas e desnudas, infiltrando-se na blusa enorme que Yoonji usava. Sua namorada era perfeita demais, muito mais bonita ainda quando gemia em prazer. Achava maravilhosa a visão da mulher vestida em suas roupas, principalmente, porque era mais fácil de tocar as curvas bonitas do corpo pequeno.

Yoonji tremeu com as mãos do namorado em si.

O homem apertou a bunda de sua namorada, fazendo ela sentar em seu pau. Ditou o ritmo com que Yoonji maravilhosamente se esfregava em si. O calor aumentando a cada movimento. A Min enfiou os dedos nos fios vermelhos e puxou com força, arrancando um gemido grave do Jeon.

Não era uma mulher que se deixava dominar, ficando na maioria das vezes no comando. Seu namorado nunca se importou em ser submisso, amava sentir a morena no controle de tudo. Havia algo muito bom na maneira como ela era mandona no sexo.

Era excitante.

A porta da sala lentamente foi aberta e mesmo escutando, o casal não parou o que fazia. Soyeon, a prima do Jeon, estava acostumada a encontrá-los assim. Yoonji findou o beijo e passou a morder o pescoço do namorado. Jeongguk tinha os olhos fechados e gemia em reação aos toques da mais velha, sem conseguir se conter.

A Min mordia e lambia a pele branca, levando o Jeon à loucura com sua língua habilidosa. Simplesmente, não conseguia raciocinar quando a morena lhe provocava de todas as formas possíveis. Todos os seus pontos fracos eram conhecidos por ela e Yoonji sabia muito usar isso a favor dela.

– Puta merda! – uma voz masculina xingou alto, fazendo o casal se separar assustado. – Porra, olha as situações que você me põem Soyeon! – reclamou ao puxar a loira, entrando no apartamento e fechando a porta com o pé.

A prima do Jeon logo tropeçou sozinha no nada e caiu sobre o loiro bonito. Jeongguk e Yoonji arregalaram os olhos para o estranho, vendo o homem arrastar Soyeon. Ela não conseguia nem ficar parada em pé, de tão bêbada que estava.

 O Jeon reclamou baixo sobre ainda estar duro e a Min saiu de cima do namorado à contra gosto. Os dois levantaram para ajudar a mulher bêbada, ajeitando precariamente suas roupas. Yoonji tirou a amiga dos braços do homem, entregando ela para o seu namorado.

Jeongguk rapidamente pegou a prima no colo, levando-a para o quarto dela. Yoonji e o estranho viram o ruivo sumir no corredor da casa, fazendo a morena suspirar brava. Queria transar porra!

A Min olhou bem para o loiro alto e cruzou os braços esperando pela explicação alheia. Não era todo dia que a Jeon mais nova chegava em casa, sendo arrastada por um cara qualquer. Yoonji vestiu sua expressão mais assustadora e desconfiou de todas as intenções dele.

– Quem é você? – perguntou na defensiva, ninguém faria mal à sua dongsaeng. Tinha motivos de sobra para desconfiar, afinal, não era raro homens que embebedam mulheres para abusarem delas.

– Kim Taehyung – ele falou sorrindo e a mulher ficou inquieta, pessoas que sorriam demais não lhe agradavam. – Eu só vim trazer a So 'pra casa, então eu já vou – disse enquanto virava-se de costas para a morena.

Yoonji estranhou completamente esse comportamento e um alarme vermelho foi ligado na mente dela. Ela foi rápida em torcer o braço esquerdo do homem e fazer o Kim ajoelhar no chão de madeira. Agradeceu silenciosamente pelos inúmeros anos de taekwondo, firmando o aperto no pulso alheio.

Taehyung xingou alto com a dor e murmurou indignado que não podia se machucar. Tentou se livrar das mãos pequenas, entretanto acabou se machucando mais no processo. Ela abaixou-se, dobrando apenas uma perna para ficar na altura do ouvido dele. 

– Eu só vou dizer uma vez, então presta atenção. – A voz ameaçadora da mais baixa fez o loiro parar de tentar se soltar das mãos dela. – Se amanhã a Soyeon acordar com dores onde não deveria – pausou a fala e puxou o braço dele para causar mais dor. – Eu vou caçar você até no inferno, entendeu? 

– Yoonji! Solta o cara! – Jeongguk falou, quando viu sua namorada machucando e ameaçando o loiro. – Yoon! – chamou a mulher.

– 'Tá, 'tá, já soltei ele! – ela retrucou, soltando o homem e andando até seu namorado.

Jeongguk estava com os braços cruzados em uma pose repreensiva, no entanto não se afastou quando a Min pediu um abraço. O casal viu o Kim levantar e esfregar o ombro direito em uma expressão dolorida. Céus, ela era mais forte do que parecia e tinha tirado a prova disso.

– Não precisava de tudo isso sabe? – Taehyung disse sorrindo quando olhou para trás. – Ela não é bem o meu tipo Yoonji-ssi. Bom, agora se vocês deixarem. – Ironizou. – Vou embora, avisem a Soyeon que ela tá me devendo uma.

Yoonji suspirou alto quando o Kim saiu da casa e olhou bem para seu namorado. Jeongguk sorria para a mais baixa e ela arrepiou sob as obsidianas dele. Segurou a cintura da mulher com força, retomando de onde haviam parado e a Min não rejeitou isso.

Depois de estarem satisfeitos, Jeongguk levou Yoonji calmamente para a banheira. Tinham compromisso logo cedo e não seria bom deixar para tomar banho na última hora. Pensando bem, Jeongguk concluiu que deveriam ter ido dormir cedo, entretanto já estava feito, não dava para voltar no tempo.

〔❆〕

Às oito da manhã o casal já estava arrumado e bem vestido para reunião com o técnico, junto do novo parceiro de Yoonji. Ambos queriam chegar um pouco mais cedo para se divertirem na pista de gelo. Antes de Jaebeom chegar e o treino pesado começar.

Era início do outono e caso, tudo desse certo, no verão a mulher já estaria participando das competições regionais. Isso se a nova dupla da mais velha fosse boa o suficiente para entrar acompanhar ela. Yoonji não pegaria leve com ninguém e também não  diminuiria seu ritmo pelo novo parceiro.

O Jeon e Yoonji calmamente andaram até o ringue de patinação, onde teriam a reunião com o técnico e conheceriam o novo parceiro. Calçaram os patins e começaram a patinar juntos lentamente. A Min soltava-se vez ou outra para fazer graça, rodopiando com toda a sua elegância.

Jeongguk arriscou patinar de costas, quase caindo de bunda no chão quando foi rodar o corpo. Não tinha jeito, era uma negação sobre as lâminas finas e muito menos tinha a leveza da Min. Precisava sempre se segurar nela durante as curvas, desde as mais leves às mais fechadas, tamanha sua descoordenação.

Yoonji gargalhou com a performance do namorado, o Jeon não tinha equilíbrio algum sobre o gelo. Jeongguk fez a típica carinha de cachorro sem dono, ainda caído no chão, por não conseguir levantar sozinho. A Min foi levantar ele e tentar ajudar o ruivo a patinar de costas, como o Jeon queria.

Céus, Jeongguk era terrível e a Min ria mais do que ajudava o ruivo. Era divertido ver o homem xingar o nada, completamente indignado por não conseguir deslizar com a elegância da morena. Nem mesmo o Jeon se aguentava reclamar e caia na risada junto da namorada.

– Casal Maravilha – o técnico chamou pelo apelido dos dois na pista de gelo. – O patinador está se arrumando, já, já, você desgruda dela Jeon – Jaebeom avisou ao sair da arquibancada para calçar seu patins no vestiário.

– Okay – responderam juntos e o Jeon parou de tentar patinar de costas para tirar o sobretudo da namorada e jogá-lo sobre o seu ombro.

Ela vestia um collant com mangas longas, uma legging grossa. Também usava meias altas até a metade da panturrilha e, claro, os patins de treino, tudo preto. Não gostava de muitas cores na hora de treinar, deixava as peças coloridas e elaboradas para as competições.

O cabelo da Min foi bem preso em um coque alto feito pelo namorado. Jeongguk adorava cuidar de Yoonji até mesmo nos pequenos detalhes, sendo o melhor namorado possível para ela. Exatamente nessa hora, o novo parceiro entrou na pista ao lado do treinador.

O casal parou e ficou encarando o homem desconhecido, não conseguiam acreditar. Era o loiro da noite anterior, amigo de Soyeon que Yoonji tinha machucado, estava na frente deles na pista particular. Se o destino fosse uma pessoa, com toda certeza, estaria rindo da Min por causa dessa coincidência estranha.

Taehyung patinou sozinho até os dois com um sorriso leve no rosto, vendo a perplexidade no rosto da mulher. Ele vestia um collant masculino azul-marinho, uma legging da mesma cor e meias altas brancas, junto de seus patins brancos. Tinha um corpo magro e esguio, com um destaque especial para os braços fortes e as pernas torneadas pelo esporte.

– O que você 'tá fazendo aqui? – Yoonji perguntou na defensiva. Era uma resposta óbvia ela sabia, porém a coincidência não podia ser tão grande assim.

– Acho que 'tá bem claro que eu sou seu novo parceiro de patinação Yoonji-ssi – o loiro falou com ironia. – Eu só não posso garantir um bom levantamento hoje porque ontem uma mulher achou divertido torcer meu braço – ele disse como quem não queria nada, massageando o ombro direito. 

A Min arregalou os olhos quando Jaebeom aproximou-se dos três patinando. O treinador torturaria e mataria Yoonji se soubesse que era a causa do machucado do Kim, tendo razões para isso. Podia não gostar de seus outros parceiros, mas em hipótese alguma poderia sequer sonhar em ferir nenhum deles.

– Já se apresentaram? – o técnico perguntou olhando para o Jeon. “Não” foi o que o homem sinalizou para JB.

– Min Yoonji. – A mulher apresentou-se, vestindo a máscara da impassibilidade e esperando que Taehyung não abrisse o bico. Internamente, ela planejava cuidadosamente como fazer para ele desistir de ser seu parceiro, sabia ser uma peste quando queria.

– Kim Taehyung – o loiro disse, por mais que o casal soubesse.

– Jeon Jeongguk, o namorado que não sabe patinar. – O ruivo tentou descontrair, entretanto somente Taehyung riu de sua brincadeirinha boba.

– Bom, vamos começar? – Jaebeom falou e logo mandou Jeongguk ficar no cantinho do rinque ou ir para a arquibancada. – Sem levantamentos hoje, o Kim machucou o braço, vamos começar pelo básico. Patinem em sincronia. Yoonji sorriso no rosto e para de olhar 'pro garoto como se ele fosse te morder. Pega leve com o Kim.

A Min então estendeu sua mão para o Kim e ambos começaram a deslizar pelo gelo com uma graça fora do comum. Uma sincronia, extremamente frágil, veio após quinze minutos de pura tentativa por parte do homem. Yoonji era muito difícil de acompanhar, por não estar facilitando para o homem, no entanto ele não se deu por vencido e conseguiu alinhar seus pés com os dela.

Eles patinaram por mais alguns minutos até ela soltar a mão do Kim e fugir dele, sentando no gelo a alguns metros de distância. Taehyung deslizou até a parceira devagar, esticando a mão e inclinando o corpo para tocar nas costas dela. Porém, parou antes de encostar em Yoonji, quando escutou lâminas nervosas baterem na pista de gelo.

Jeongguk praticamente voou na direção dos dois profissionais, com uma rapidez enorme para alguém inexperiente na patinação. Colocou-se entre sua namorada e Taehyung, abrindo os braços para impedir o loiro de tocar nela. Isso só faria tudo piorar. O Kim acatou a ordem implícita e afastou seu corpo dela, sem entender o que tinha acontecido.

Jeongguk jogou-se no chão, ao lado da mulher e abraçou ela com cuidado, sendo prontamente agarrado pelas mãos pálidas ds Min. Murmurou palavras no ouvido de Yoonji, enquanto tinha seus dedos longos acariciando o cabelo negro dela.  Taehyung intercalava o olhar entre o casal e o técnico, completamente confuso com as ações da nova parceira de patinação.

– Taehyung – Jaebeom chamou o loiro, que foi até o técnico rapidamente. – Gukkie não fez por mal 'tá? Não toque nela quando esse tipo de coisa acontecer. Se Jeongguk não estiver aqui, apenas espere ela levantar sozinha e voltar 'pra perto de você – explicou com calma, trabalhava há anos com a mulher.

– Isso acontece muito? – Taehyung perguntou preocupado. – Porque ela faz isso?

– Acontece bastante quando ela troca de parceiro – Jaebeom disse. – Mas depois de um tempo melhora e até parou com Jinyoung, a ex-dupla dela. – O técnico respirou fundo. – Não ultrapasse os limites e sem toques desnecessários. – Deu a dica antes de voltar a falar:

– O último que tentou pôr a mão aonde não devia saiu daqui de ambulância com uma lâmina de patins na virilha – contou olhando no fundo dos olhos castanhos de Taehyung, que os arregalou. – Seja paciente e passe confiança 'pra ela que nada de ruim vai te acontecer – avisou, vendo a garota ficar em pé e ajudar o namorado a levantar.

O casal patinou calmamente até os dois homens e a Min agiu como se nada houvesse acontecido, mesmo que ainda tivesse o rastro das lágrimas claramente marcando seu rosto bonito. Taehyung não disse nada, pois não era de sua conta, e a morena agradeceu mentalmente. Odiava os ataques de pânico, entretanto gradualmente estava tratando isso.

– Ótimo, mãos dadas e voltem ao que faziam antes. – Mandou o técnico, sendo prontamente obedecido pelos mais jovens. – Perfeito, se preparem para um twizzle, quatro voltas no sentido anti-horário no três – avisou e os dois soltaram-se. – Um, dois e três.

Eles estavam afastados e ergueram as pernas direitas, deixando-as em paralelo ao chão. Executaram quatro voltas ao redor de seus eixos e Jaebeom estalou a língua no céu da boca em descontentamento. Yoonji fez o movimento mais rápido que seu parceiro e saiu patinando na frente, estragando toda a sincronia entre a dupla.

Teimosia era uma palavra que definia muito bem a mulher morena e o técnico conhecia ela, ao ponto de saber o motivo por trás das ações arrogantes. Yoonji não confiava nem um pouco no parceiro de dança e, por isso, estava forçando Taehyung a sincronizar com seu ritmo exigente logo no primeiro treino. Era uma tentativa boba de testar o Kim tanto no potencial de patinação, assim como no quesito paciência.

A mulher morena parou, esperando por Taehyung e voltando a deslizar pelo gelo ao lado dele até o técnico. Jaebeom brigou com a Min, que permaneceu inabalável diante do sermão do homem. Então ele ditou os novos comandos aos patinadores, repreendendo Yoonji como olhar e mandando fazerem novamente, no mesmo ritmo. 

Depois disso, correram quatro crises idênticas à primeira e, ao meio-dia, o treino de teste acabou. Ela esperou pacientemente que Taehyung reclamasse de sua falta de vontade em colaborar, no entanto o loiro não fez menção de falar nada desagradável. Yoonji se enfureceu e saiu da pista a deslizadas pesadas, deixando os três homens na enorme pista de gelo.

Jeongguk riu, vendo a fúria explícita de sua namorada, era tão fácil deixá-la brava. O Jeon ficou realmente feliz por ver a incrível determinação do Kim durante o treino. Taehyung não reclamou ou fez qualquer coisa esperada pela morena, sendo respeitoso. Isso era raro, já que até mesmo Jinyoung brigou com ela nos primeiros treinos.

Essa era uma situação inédita.

O loiro deu mais algumas voltas pelo gelo e o Jeon tentou dar passos leves até o Kim, focando mais em manter o equilíbrio do que alcançar o profissional. No princípio, foi fácil, mas quando o patinador parou, Jeongguk esqueceu como usar o freio e caiu pouco antes de bater no Kim. Não correria o risco de machucar ele por sua falta de habilidade sobre as lâminas.

– Merda – xingou baixo sentindo sua bunda doer pelo impacto com o gelo. Taehyung se aproximou e, com muita dificuldade, ajudou Jeongguk a levantar.

– O freio é na frente – falou zombando do ruivo, pois ele tinha erguido a ponta do pé para freiar, como em um patins normal. 

– Eu sei, mas sempre esqueço – o mais novo disse, soltando-se dos braço fortes do patinador. – É um estado deplorável, não? Namorar uma patinadora profissional e ter zero de habilidade sobre o gelo. – Fez piada da própria situação, logo ficando sério. – Eu queria conversar com você, Kim-ssi.

– Sobre?

– Yoonji – respondeu direto. – Sei que pode ser difícil 'pra você, mas tente não ligar para essas atitudes infantis dela – Jeongguk falou calmo. – Ela não confia em você pelo o que aconteceu ontem e só quando tiver a confirmação de Soyeon vai abrir uma brecha – explicou devagar, olhando nos olhos do loiro.

– Por que essa cisma toda comigo? – o Kim perguntou um tanto indignado. – Eu só levei a minha amiga bêbada para casa. Não fiz nada além disso – disse inconformado.

– Digamos que… – O Jeon franziu as sobrancelhas, pensando num jeito fácil de explicar a situação. – Homens demoram mais para conseguir a confiança dela – falou batendo as mãos uma na outra em uma mania fofa. – E ah! Tem mais uma coisa…

– Pode falar – Taehyung pronunciou, vendo a hesitação alheia.

– Eu tenho que mostrar… – falou baixinho com as bochechas vermelhas. Jeongguk estendeu uma das mãos até o corpo bronzeado, sem o tocar – Eu posso? – disse olhando para baixo.

– Vá em frente – falou, dando a permissão necessária para o outro homem.

– Para dançar com a Yoon, tem zonas seguras – o moreno disse tocando os dois ombros do loiro e deslizando as mãos pelos braços. – Ombros e  braços são sempre zonas verdes, ou seja, onde você pode tocar. Pode se virar por favor? – pediu e colocou as mãos no meio das costas musculosas. – Do alto até aqui onde minhas mãos estão é uma zona verde e dela 'pra baixo, até a altura do cóccix, é uma zona amarela, ou seja, depende do dia – falou baixo antes de indicar para o Kim virar de frente e continuar a explicação:

– Sempre pergunte como o dia dela está, a resposta dela vai deixar claro se você pode ou não tocar nas zonas amarelas. – O ruivo suspirou alto e com as bochechas coradas aproximou-se do profissional. – Com licença Taehyung-ssi – pediu ao colocar uma de suas mãos na dobra do joelho dele. 

Felizmente, o patinador entendeu e ergueu a perna dobrada, rente ao corpo do moreno, enquanto rodeou os braços nos ombros fortes para obter apoio. Os rostos estavam muito próximos e Taehyung sentia o cheiro hipnotizante do perfume masculino de Jeongguk. Céus, se não soubesse que o Jeon já tinha alguém, com toda certeza, tentaria ficar com ele.

– Apenas faça, não tenho vergonha, continue a explicação.

– Certo, hã... Daqui pra baixo é tudo uma zona verde – disse ao colocar a mão na metade da coxa alheia – Não coloque a mão muito 'pra dentro das coxas dela, ela odeia – explicou ao deixar seus dedos longos tocarem na parte interior do músculo. – É sempre uma zona vermelha. Você pode tocar nela até mais ou menos aqui – falou ao escorregar a mão mais alguns centímetros para cima, parando antes de tocar a bunda do loiro. – É uma zona amarela, mas quando a coreografia envolve esse tipo de lugar se torna uma zona verde.

– Tem alguma outra zona que pode se tornar verde? – Taehyung perguntou vendo as bochechas do moreno em chamas. 

Uma graça, pensou o Kim.

– Hã... A base da coluna e o pescoço – Jeongguk disse. – O pescoço normalmente é vermelho. A barriga é verde até a altura das costelas e o resto é sobre a patinação em si. Licença – pediu antes de colar, devagar e completamente, os corpos.

Taehyung reprimiu um suspiro.

O corpo definido de Jeongguk era sentido com exatidão pelo do Kim e, porra, era uma verdadeira delícia!  Jeon era  extremamente gostoso e do jeitinho que Taehyung amava, fazia completamente o seu tipo ideal masculino. Assim como Yoonji atendia suas expectativas, sendo uma mulher forte, determinada, segura de si e mais forte do que a maioria de seus conhecidos. 

– Você nunca deve tentar dançar assim com ela, pode causar uma crise com as que viu hoje – falou sério, olhando diretamente nos olhos castanhos-mel de Taehyung.

– Como devo fazer então? – o Kim perguntou baixo, estava sendo profundamente afetado pelos toques do ruivo.

– No mínimo quinze centímetros de distância – falou afastando os corpos na medida certa e virou-se de costas com a ajuda de Taehyung. – Isso é válido 'pra frente e costas – disse rodando sobre seu próprio eixo. – Bom, esse é o básico, todas as outras áreas são vermelhas ou amarelas. Não se preocupe eu ou o Jaebeom-ssi estamos aqui para tirar suas dúvidas – terminou se despedindo e indo para fora do rinque.

Calor infernal, pensou Taehyung ao balançar a cabeça e deslizar suavemente pelo gelo, o Efeito Jeongguk é poderoso.

〔❆〕

– Bom dia – falou ao entrar na pista de patinação e esticou os braços para alongar eles. – Como está sua Segunda-feira, Min-ssi? – perguntou como vinha fazendo nos últimos três meses.

– Bom dia é o caralho, meu dia 'tá uma grande merda e não é nem oito da manhã ainda – respondeu rude e com seu rosto bonito contorcido em uma feição irritada.

O que tem de linda tem de brava, pensou Taehyung.

– Jaebeom-ssi não vai vir hoje? – o Kim questionou, observando a falta da presença do treinador.

– Não, aquele corno 'tá fazendo sete anos de casamento e não vai vir – Yoonji respondeu seca, com seus olhos flamejando em raiva.

– Nem sabia que ele era casado – o Kim falou mais para si do que para a garota.

– Ele é e muito gado pelo Yongjae. Bando de cornos – xingou de novo. Ela estava muito estressada e Taehyung nem sonhava em perguntar o motivo. – Vamos começar logo essa merda.

– Okay. – Concordou com ela.

Patinaram juntos durante algum tempo, reconhecendo a pista e se acostumando com o gelo lisinho. Praticaram twizzle's e levantamentos básicos, sem ousarem fazer os complicados, nem passos muito colados. Durante as quatro horas que estiveram ali, ela teve duas crises e Taehyung seguiu todas as instruções dadas por Jaebeom no primeiro treino.

Não tocar nunca, não se aproximar e não deixar ninguém fazer isso também, sob hipótese alguma. Além de não perguntar sobre, sendo que essa era uma recomendação própria depois desde o primeiro ensaio juntos. Yoonji não parecia muito aberta a conversar e muito menos desabafar, então não diria nada sobre.

– Quer água? – ele perguntou, depois de tomar um gole do líquido, quando a morena voltou para perto de si no terceiro surto.

– Por favor – respondeu com a expressão um pouco abatida.

Taehyung não gostou de ver ela abalada, de forma tão deplorável, ao estender outra garrafinha para a mais velha. Yoonji tinha seu charme como uma mulher determinada e independente, era horrível ver o brilho da ousadia se perder por conta dessas crises. Três meses haviam de passado e ainda não lidava bem com a tristeza de ver ela passar mal à cada duas horas.

A Min tomou metade da água de uma só vez e acompanhou o Kim até o centro da pista, parando ao lado do homem. Espantou seus fantasmas para longe e vestiu com sucesso a máscara do profissionalismo. Era uma patinadora do mais alto calibre e seus medos bobos não poderiam atrapalhar seu sonho.

– Vamos fazer aquele levantamento 'pro programa curto da próxima temporada – Yoonji falou mandona, enquanto deu a mão para o Kim.

– Você não está bem – Taehyung retrucou na hora. – Não vou fazer.

– Não perguntei se estou bem ou não. Falei 'pra fazermos a droga do levantamento. – Teimosa como só Yoonji sabia ser.

– E eu disse não. –  Foi tão irredutível quanto a mulher.

Taehyung fez o possível para ignorar a vontade avassaladora de fazer o levantamento, respirando fundo. Céus, como queria fazer algo além de patinar e rodopiar com a mulher mais velha, estava há meses sem jogar alguém no ar. Não podia nem ao menos erguer a morena no alto que já desencadeava outra crise e ela não estava em um bom dia.

– Taehyung, eu estou bem 'pra fazer o levantamento – disse inflexível, olhando nos olhos dele.

– Mas eu não estou. – Mentiu. – Fazem meses que não faço levantamentos complicados, vamos nos machucar se eu te soltar na hora errada. – Quer dizer, foi uma meia verdade.

– Mentira, eu vi você levantando uma das patinadoras daqui. – Desmascarou o homem.

– Olha, eu não vou te levantar, Min-ssi. Você 'tá num péssimo dia e teve três crises hoje, além de estarmos sozinhos. Não sei que merda 'tá acontecendo com você 'pra não aguentar ficar perto de mim e muito menos o que te deixou irritada – falou sincero até demais antes de continuar:

– Mas vamos ser parceiros de patinação e precisamos ser no mínimo amigos para isso e não vou fazer o levantamento sabendo que não está bem e vai chorar na hora em que eu te colocar no chão – falou sem respirar e cruzou os braços.

– Não, obrigada – rejeitou a oferta de amizade do homem.

Yoonji saiu da pista brava e com a cara fechada, maltratando o inocente gelo abaixo de si. Taehyung suspirou fundo, tentando manter a calma e pensando em um jeito de melhorar a situação. Não era para ela ter ficado irritada desse jeito, era para continuarem no básico pelas próximas horas.

– Merda! – xingou ao seguir a garota. – Yoonji – chamou a garota através da porta do vestiário, sem resposta. – Eu estou entrando! – Avisou.

Bateu duas vezes na madeira e abriu a porta devagar, fechando os olhos com força ao entrar no território feminino. Sabia estar completamente errado fazendo isso, porém não se importava menos naquele momento. Precisava resolver essa situação desconfortável com a mais velha, urgentemente.

O cheiro doce do lugar irritou as narinas do loiro, era muito enjoativo e floral, definitivamente odiava. Taehyung sentiu uma roupa ser arremessada diretamente em sua cabeça e soube que era da Min. Sabia do fato de não ter nenhuma outra alma viva naquele rinque particular, em plena Segunda-feira de manhã.

– Você é louco! Sai daqui porra! – a Min brigou com o homem.

– Não saio daqui até você conversar comigo como uma pessoa civilizada. – Taehyung teimou.

– Eu 'tô me trocando! SAI – Gritou com o Kim.

– Tudo bem eu estou de olhos fechados e vou ficar virado para a porta. – Taehyung solucionou o problema com rapidez. – Vou aproveitar e tirar o patins.

– Vai embora caralho! – Yoonji chiou. – Não confio na sua palavra, você vai espiar!

– Eu não vou, faz logo o que tem que fazer 'pra gente conversar – o loiro falou ao se sentar no chão, de frente para a porta como tinha dito.

Taehyung suspirou alto e tateou o patins a ponta dos dedos, procurando pelo laço do equipamento pesado. Desfez ele com toda a calma do mundo e refez o processo no outro, tendo a cabeça encostada na madeira da porta. Escutou a Min trocar de roupa, com uma velocidade impressionante, e bater o pé em nervosismo.

O Kim sabia que não deveria pressionar a garota desse jeito invasivo, sim. Estava ciente que ela poderia ter uma crise muito mais grave do que as comuns, com toda certeza. Definitivamente, não deveria nem sonhar em estar fazendo as coisas assim, porque podia dar tudo muito errado num mero piscar de olhos.

Mas não aguentava mais tudo isso, era difícil demais lidar com a Min, pois ela nunca dava brechas em situação nenhuma. Precisava conversar com Yoonji e arranjar uma maneira de fazer a dinâmica entre os dois funcionar, mesmo que forçasse a aproximação no início. Seria impossível estarem preparados para as competições de verão se continuassem como gato e rato.

– Pronto – Yoonji falou irritadíssima e com razão.

Taehyung estava merecendo umas boas porradas pelas merdas que estava fazendo, de preferência dadas pela Min. Onde já se viu um homem entrar assim em um lugar só de mulheres? Insistindo em ficar no lugar? Só um tarado ridículo para fazer isso!

– Calma aí... – Taehyung arrastou a frase ao arrancar os patins dos pés, levantando. – Posso olhar? – perguntou ainda de olhos fechados.

– Pode seu babaca filho da puta. – Yoonji xingou brava e analisou bem o Kim.

Taehyung abriu os olhos com cuidado, não queria ver a garota sem roupas e piorar ainda mais a situação. Suspirou aliviado ao ver os tecidos fofinhos no corpo feminino e notou os olhos analitícos dela recaindo sobre si. Especificamente entre suas pernas e o Kim ficou envergonhado, ela estava encarando o seu pau, sem sequer tentar disfarçar sua ação.

– Nós podemos conversar agora? – falou tímido.

– Você não está excitado. – Yoonji afirmou e Taehyung não entendeu nada, soltando uma exclamação de confusão.

– Perdão, o que disse? – Taehyung tentou entender a garota e a Min apontou para seu membro.

– Você não está excitado. 

– Não entendi... – Taehyung estava muito confuso. – Era 'pra estar? – perguntou hesitante e envergonhado. – Min-ssi, eu não estou te entendendo...

– Você não estava aqui por um fetiche estranho? Espiar uma mulher se trocar? – Yoonji perguntou e tombou a cabeça para o lado, completamente séria. – Não vai tentar fazer nada comigo? – Taehyung franziu as sobrancelhas.

Ambos ficaram se encarando por bons minutos, enquanto Taehyung tentava entender a fala dela. Até que uma pequena chave virou na mente do homem e uma coisa fez sentido, ainda que parcialmente. O loiro gargalhou alto, sem conseguir se segurar, chegando a curvar o corpo durante o ato e sentindo o ar faltar.

– Eu... Não! – exclamou entre uma risada e outra, respirando fundo para se acalmar. – Não sei se entendi se você quer ou não transar, mas... – Riu e endireitou o corpo. – Com todo o respeito, Min-ssi, não vejo você no sentido sexual – esclareceu para a garota. – Não estou falando que não te considero uma mulher, apenas não sinto atração por você.

– Agora sou eu quem não está entendendo... – Yoonji falou ainda extremamente séria.

– Vou ser mais claro então: não sou chegado ao que você tem entre as pernas, Min-ssi – Taehyung disse. – Eu sou homossexual birromântico.

– Birromântico? – Ela perguntou, após um tempo, estranhando o termo.

– Sim, eu tenho atração sexual por homens e me apaixono tanto por homens quanto por mulheres – Taehyung falou e trocou a perna de apoio. – Só consigo transar com mulheres em situações muito específicas.

Yoonji arregalou os olhos e abriu a boca em descrença, tinha entendido tudo errado, como sempre! Maldito trauma filho da puta!

– Desculpe, eu não quero ficar com você. Eu tenho o Gukkie – Yoonji falou rápido e respirou fundo antes de confidenciar num fôlego só: – Eu tenho um trauma com homens.

Era muito difícil falar isso em voz alta, não lidava bem com seu medo extremo pelo sexo oposto ao seu. Era algo que estava tratando há anos com a ajuda de psicólogos e muitos remédios controlados, com o apoio de Jeongguk. E estava se preparando há semanas para contar, mas isso tinha acontecido da maneira mais inesperada possível.

– Eu tinha reparado, mas resolvi não tocar no assunto – Taehyung falou calmo, olhando nos olhos dela. – E sei que se sente mais segura por saber que eu não tenho desejo por você. – Yoonji comprimiu os lábios, confirmando indiretamente as palavras dele.

– Eu nunca disse isso, você falou que consegue transar com uma mulher. – Tentou refutar a conclusão do Kim.

– Em condições muito específicas e isso, definitivamente, não envolve o meu pau em uma vagina – Taehyung explicou com mais detalhes. – Não precisa fingir, conheci várias garotas que se sentem seguras por saber que sou homossexual – contou compreensivo. – Agora podemos ir 'pra outro lugar conversar? Esse cheiro de perfume feminino me deixa enjoado.

〔❆〕

– Tae! – Seokjin cumprimentou o amigo e deu um abraço carinhoso nele, olhando a garota atrás do loiro. – Bom dia! – falou simpático para ela.

– Bom dia – Yoonji murmurou para não estragar a felicidade do moço.

Hyung, essa é a Min-ssi a minha nova parceira de patinação, vou sentar na mesa de sempre, okay? – o patinador profissional perguntou ao amigo, vendo o café com o mesmo movimento de sempre.

– Claro – Seokjin respondeu e sorriu, estendendo o objeto plastificado para a morena baixinha.

Os dois tinham andado até o lugar, que era perto do rinque de patinação, para conversarem. Taehyung era um dos  frequentadores assíduos do lugar desde a mudança de Daegu para Seul, além de conhecer Seokjin. O café seria o lugar perfeito para colocarem os devidos pontos nos is relacionados à patinação e convivência diária.

Taehyung caminhou por entre as mesas bonitas do café, sentando em uma perto de uma grande janela. Yoonji andou atrás dele discretamente analisando o lugar com seus olhos negros e curiosos. Era com estilo simples e retrô, nas cores caramelo e rosa bebê, junto de branco. Confortável seria uma boa palavra para definir o ambiente quando a mulher sentou de frente para o Kim.

– Eu recomendo a torta de limão e, 'pra equilibrar, o cappuccino – Taehyung falou. – Oh, Namjoon hyung está vindo, cuidado, ele costuma ser desastrado.

– Bom dia, o que desejam? – o homem citado pelo loiro falou e sorriu, mostrando suas covinhas fundas.

– Eu quero só uma torta de maracujá... – a Min falou baixo, sem tirar os olhos do cardápio, odiava ser atendida por homens.

Hyung, você pode pedir 'pra Hyejin nos atender? – Taehyung olhou firme para o amigo, fazendo um leve sinal de que depois se explicaria.

– Claro, Tae. Uma torta de maracujá e 'pra você o de sempre, não é? – perguntou ao amigo.

– Sim, hyung. – O patinador confirmou e viu o homem se retirar, logo indo conversar com a outra atendente.

– Você não precisava ter feito isso por mim – Yoonji falou baixo olhando para o loiro com raiva.

Não gostava que os outros fizessem nada para si por pura pena de seu trauma, não se sentia bem com essa atenção negativa. Não era uma inválida, apenas não lidava bem com muitos homens por perto e precisava aprender a lidar com isso sozinha, sem interferência externa.

– Hyejin não gosta daquele cliente que ela estava atendendo – Taehyung disse e era verdade. – Então, na verdade, eu estava fazendo isso por ela e não por você.

– Aham e eu sou a presidente da Coréia do Sul. – A morena ironizou. – Não gosto que sintam pena de mim. – Hyejin andou até a mesa dos dois com uma bandeja.

– Senhorita, a sua torta de maracujá e o seu cupcake de chocolate branco junto de um caramel macchiato. – A atendente dispôs as comidas nas mesas, em frente de seus respectivos donos, para depois sussurrar: – Taehy, quando você vai ir buscar o Yeontan? Jimin está se apegando demais, é capaz dele não deixar você levar ele de volta.

– Eu vou buscar o Tannie assim que eu conseguir tirar a maioria das caixas do apartamento, noona – o Kim falou no tom de voz normal. – Não quero que aquele pestinha rasgue elas.

– Okay, bom apetite. – Desejou sorridente antes de voltar para a bancada do estabelecimento.

– Bem, vamos começar pelo básico – Taehyung falou após tomar um gole generoso de sua bebida. – Primeiro eu peço desculpa pela maneira como eu resolvi te abordar depois do treino. Segundo, eu sou Kim Taehyung, natural de Daegu,  patino profissionalmente desde os quatorze anos e não gosto de neve.

– Precisamos mesmo disso? Você já sabe o meu perfil e eu sei o seu... – a Min disse brincando com a torta, logo experimentando ela.

– Claro que temos, estou tentando criar um vínculo de amizade com você. – Taehyung foi óbvio. – Se vamos fazer a nossa parceria dar certo temos que nos conhecer pessoalmente e não por meio de um papel.

– Okay – Aceitou a pequena imposição do loiro. – Min Yoonji. Natural de Daegu. Patino desde sempre. – Deu algumas informações simples e sem profundidade.

Eles ficaram ali durante mais um tempo dando informações básicas e conversas neutras, regados à boa comida e cheirinho de café. Quando começou a pensar em patinar profissionalmente? Qual o momento que pensou em investir em competições?  Prefere performar em dupla ou solo? Foram algumas das perguntas entre eles.

O resto da semana foi comum e pelo mês seguinte inteiro voltaram ao café, todas as Segundas-feiras. No meio de uma das conversas, na quarta visita ao local, Yoonji falou há quanto tempo namorava Jeongguk e o Kim não conteve sua surpresa.

– Cinco? Sério? Tudo isso? – Taehyung assustou, eles não pareciam ter tantos anos de relacionamento assim. – Woah, meu relacionamento mais longo foi com a Hyejin-ssi e durou só um ano!

– Você namorou a garota que atende a gente? – Yoonji perguntou confusa e curiosa. – E ela não surtou por, teoricamente, ver você com outra pessoa?

– Não, terminamos em bons termos e mantivemos a amizade – Taehyung explicou e olhou nas íris castanhas da Min. – Isso já faz anos e ela foi a única mulher com quem eu... Consegui ficar, por assim dizer. Éramos um bom casal, tínhamos química, mas não era amor e sabíamos disso.

– Você nunca mais ficou com outra mulher? – a pergunta escapou dos lábios bonitos da morena.

– Não, a noona foi a única e, como eu disse, em condições beem específicas – Taehyung confidenciou. – Depois que terminamos eu só me envolvi com homens e ela começou a namorar Jimin. Eles sim se amam demais.

– O namorado dela não fica com ciúme? – perguntou curiosa sobre o círculo estranho de amizade do Kim.

– Não, talvez no início. Mas aí ele viu eu me pegar com um veterano do hóquei e parou! – Gargalhou da história, influenciando a Min a rir baixinho. Ela já estava mais à vontade com o Kim depois das constantes saídas. – Posso fazer uma pergunta inconveniente?

– Já está sendo inconveniente faz dias. Apenas continue... – Yoonji falou, tomando um gole do café cremoso.

– Como acabou namorando o Jeon-ssi se tem medo de homens? – perguntou e a atenção da mulher foi focada nele.

– Hm... Como eu posso dizer? – Yoonji suspirou. – Eu já conhecia o Guk antes e também já gostava dele, nós tínhamos meio que uma amizade colorida. Ele me ajudou muito com as crises e eu sabia que o Guk nunca iria me machucar...

– Porque ele é diferente dos outros – Taehyung tentou supor.

– Sim e depois que a pior parte passou e nós só oficializamos relacionamento que todo mundo já achava que tínhamos – Yoonji contou com calma, sem olhar Taehyung. – De qualquer modo, já era recíproco antes do trauma.

A conversa se encerrou alguns minutos depois e eles apenas terminaram suas comidas sem pressa, mais confortáveis do que antes. Estavam dando tempo ao tempo e criando mais oportunidades para se conhecerem melhor fora dos rinques. Lentamente e no ritmo único deles, porque não precisavam se apressar.

– O Jeon, ele gosta muito de você – o loiro disse, lembrando do primeiro treino. Era sétima semana desde o início do "ritual da Segunda-feira", como Taehyung tinha apelidado.

– Por que diz isso?

– No primeiro dia de treino. – Parou para morder o cupcake. – No final, quando você já tinha saído ele me mostrou onde e quando eu poderia tocar em você... Perguntar se dia está bom 'pra saber até onde posso ir... – Relatou na inocência.

– Jeongguk fez isso é? – Yoonji perguntou e arqueou as duas sobrancelhas, fazendo elas sumirem sob a franja.

– Sim, ele gosta bastante de você... E o JB-ssi também, ele quem disse 'pra não mexer em você durante as crises – falou sem filtro algum, deliciando-se com o bolinho.

– Jeongguk-ssi mostrou onde você deveria tocar ou só falou? – perguntou interessada, após beber parte do frappuccino de chocolate.

– Mostrou, por que? – o Kim disse, olhando para o chocolate branco, e mordeu o resto do doce.

– Taehyung, eu não sei se eu brigo com o Jeongguk ou se cuido de você pela sua inocência – a Min falou e riu do loiro.

– Que inocência? Aonde que tem inocência em mim? – perguntou confuso, olhando para a garota como se ela estivesse louca.

– Convenhamos Taehyung. Você é bonito e Jeongguk é bi – a morena falou. – Juntou os pontos?

– 'Pera, então você 'tá falando que aquela malícia toda não foi imaginação? – Taehyung estava perplexo. – Mas ele não te namora? Você não 'tá brava? Você tem problema? – Ele fez uma careta na última pergunta.

– Sim, nós namoramos, mas desde que nos conhecemos eu sei que Jeongguk é poli. É uma coisa que sempre esteve clara entre nós – Yoonji contou. – O nosso relacionamento é fechado da minha parte e aberto da dele, desde a amizade colorida, e temos regras sobre isso.

– Regras? – O Kim estava absorvendo as informações.

– Sim, tipo, sempre tomar cuidado com DST e crianças, fazer exames periódicos e ele nunca se envolver com mais de uma pessoa fora do relacionamento. – Yoonji falou algumas delas. – Literalmente, regras.

– E funciona? – Taehyung estava muito abobado, nunca tinha visto um relacionamento assim, sempre era ou aberto ou fechado em ambas as partes.

– Funciona normalmente – Yoonji disse, vendo os olhos arregalados do Kim observarem o nada. – Não é nada de outro mundo. Agora que sabe disso, consegue saber se ele fez mais alguma coisa duvidável? – questionou tomando mais de sua bebida gelada.

– Eu sabia que ele encarava a minha bunda durante os treinos! Filho da puta! – xingou alto o outro homem. – Com todo o respeito, Min-ssi. – Taehyung se retratou e procurou inúmeras situações estranhas em sua mente. – Céus, muita coisa faz sentido agora.

〔❆〕

– Um, dois, três – JB marcou o tempo e os patinadores rodopiaram sobre o gelo em sincronia, erguendo a perna direita em noventa graus. – Um, dois, três. – Repetiu e eles abaixaram os membros, girando sobre os seus eixos.

– Vocês estão indo bem! – Jeongguk incentivou na arquibancada e levou um tapa de Soyeon.

– Silêncio! – a loira de cabelo curto falou.

– Agora! – JB falou.

Taehyung pareou, em meio a um giro, seu peitoral com as costas dela e de mãos dadas, a mulher olhou o loiro. Yoonji deixou seus pés escaparem dos rodopios, fazendo gradativamente seu corpo ficar na horizontal, mas sem tocar nada além das lâminas no chão. O Kim segurava as mãos dela com força e determinava a velocidade de rotação.

Depois de três giros, Taehyung puxou a patinadora para ela ficar em pé novamente, logo voltando a valsar sobre o gelo com leveza. Os pés deslizando alinhados pelo rinque, sem dificuldade alguma. Estavam com uma sintonia absurda depois de seis meses do início do "ritual da Segunda-feira" e isso refletia diretamente nos treinos para as competições.

– Parem! – JB mandou analítico e os barulhos peculiares das lâminas raspando o gelo foram escutados.

O Kim e a Min patinaram de mãos dadas até o técnico, esquecendo de desfazer o entrelace dos dedos. Yoonji agachou no chão, com as pernas extremamente cansadas pelo esforço contínuo. Na verdade, cansada era um eufemismo enorme! Estavam ali desde sete da manhã e já era cinco da tarde, sendo que tiveram tempo apenas para comer e ir ao banheiro.

O loiro puxou a morena pela mão e fez ela levantar para usar seu corpo de apoio, rodeando seu braço na cintura dela. Taehyung limpou o suor acumulado de sua própria testa, usando a manga de sua blusa, e focou no treinador. Jeongguk olhava atento os atos deles, completamente maravilhado com o quão confortável estavam um com o outro.

– Vocês não giraram rápido o suficiente, Taehyung diminui o raio entre seus pés e Yoongi começa a deitar corpo mais cedo, aí vão conseguir seguir a música – orientou com toda a sua experiência de trabalho e os patinadores assentiram. – Mais uma vez. Realinhem e concentrem!

Ficaram ensaiando o programa curto, para a próxima competição, até seis e meia da noite sem parar para respirar. Quando finalmente acabaram a sessão de tortura, jogaram-se no gelo duro lado a lado. Não aguentavam mais o calor excessivo e a dormência nos músculos pelas horas de treino, muito menos a voz alta de JB gritando e ecoando em seus ouvidos.

– Vocês vão ficar doentes! – O técnico ralhou com os patinadores e eles levantaram devagar.

Deslizaram pelo gelo como zumbis e Yoonji concluiu que todas as suas forças foram drenadas, como se estivesse realmente morta de cansaço. Amava patinar desde sempre e também adorava a sensação gostosa de plenitude ao ganhar mais um prêmio. Porém, os treinos intermináveis e a exaustão frequente eram os lados ruins das competições que a morena preferia não conhecer.

Subiram para tomar banho, sendo seguidos pelos Jeon e cada dupla entrou no seu respectivo vestiário. Taehyung não conseguiu dar mais de três passos para dentro do cômodo, jogando seu corpo exausto sobre o banco metálico. Céus estava acabado, depois de praticamente doze horas seguidas no gelo, se visse mais um pedaço de água congelada desmaiaria, com certeza.

Hyung, você tem que tomar banho – Jeongguk falou ao ver o Kim quase se fundir no lugar.

– Não quero... – Taehyung respondeu esgotado e dolorido. Seu corpo parecia pegar fogo e, infelizmente, não era no sentido bom. – 'Tô com dor... – Resmungou mais algumas coisas incompreensíveis.

Jeongguk suspirou fundo e olhou cuidadosamente para o Kim, ele estava realmente exausto. Aproximou-se do mais velho e puxou a blusa de manga dele, deixando boa parte da pele molhada de suor à mostra. Sentou no banco ao lado do loiro e começou a fazer massagem onde sabia doer mais.

– Gukkie... As suas mãos são maravilhosas – Taehyung elogiou, quase dormindo no banco frio e fazendo um sinal positivo com a destra.

– Eu sei – Jeongguk se gabou e desceu as mãos para a lombar do homem de pele amorenada. 

O Jeon sentiu os pelos dele arrepiarem e se viu satisfeito por causar essas reações, sorrindo ao continuar a apertar pontos específicos. Claro, já estavam tendo alguma coisa, ainda indefinida, desde que Yoonji havia começado a ser amiga do Kim. Também tinham feito muitas coisas juntos e, definitivamente, não se limitavam a toques castos.

A Min sabia de tudo e, algumas raras vezes, pedia para assistir sentada e de roupas na poltrona do quarto. No entanto, ela nunca ousava tocar Taehyung e nem o contrário, existia um muro enorme e invisível entre eles. Os três ignoravam isso com fervor, do mesmo modo que sentiam a necessidade de estarem em um thressome real.

Jeongguk via a vontade dela de ficar com Taehyung, sempre hesitando no último segundo antes de concretizar qualquer ato. Assim como já havia pego o Kim encarando Yoonji inúmeras vezes e em expressões nada castas. Era engraçado ver os dois na fase de negar seus sentimentos explícitos e o Jeon, apesar de rir sozinho com isso, respeitava o tempo deles,

Fazia mais ou menos três meses que o Kim estava se relacionando com Jeongguk e, indiretamente, com Yoonji também. Jeongguk não aguentava mais e apenas esperava o momento certo para pedir Taehyung em namoro, completamente certo de sua paixão. Tinha certeza que a morena apoiaria sua decisão, porém conversaria antes com ela para não haver confusões.

Hyung, senta. – O Jeon mandou ao parar massagem e erguer o tronco do Kim.

Taehyung acatou a ordem contra a sua vontade e, com os olhos fechados, sentiu os dedos velozes do outro homem desamarrarem seus patins. Suas roupas foram tiradas pelo ruivo e olhou o Jeon arrancar suas próprias vestes para tomar banho consigo. Sorriu preguiçoso e alongou o corpo, levantando para ligar o chuveiro.

– Não vai me esperar, hyung? – Jeongguk perguntou, longe das baias.

– Estou te esperando dentro do box – Taehyung falou, sentido a água quente relaxar seus músculos.

Jeongguk entrou no chuveiro junto do Kim e abraçou a cintura dele, colando os peitorais. Um manhoso Taehyung deitou sua cabeça no ombro do mais novo, deixando Jeongguk lavar seus fios claros. Tomaram o banho com calma e o Jeon deixou a prima na casa em que dividiam, seguindo para a de Taehyung.

O trisal não oficial subiu os andares de elevador e entrou no apartamento com uma lerdeza absurda. Jeongguk se disponibilizou para fazer o jantar e os outros dois foram para o quarto, colocar um filme bom para assistirem. Esperavam achar algo bom para diminuir o estresse e a tensão pelo dia muito atarefado.

A Min viu Taehyung tirar a pantufa fofinha e se jogar na cama grande, afundando o rosto contra o travesseiro macio. Não fez outra coisa a não ser espelhar os atos dele, relaxando o corpo no móvel enorme. Parecia uma nuvem extremamente fofinha, um oásis em meio ao deserto escaldante, principalmente depois do dia infernal que tiveram.

Sua mão acabou caindo sobre as costas do Kim e não se incomodou em tirar ela dali, já conseguia encostar no parceiro de dança sem sofrer uma crise e sentir o tão conhecido medo. Ele conseguiu ganhar a sua confiança nos encontros semanais pela simpatia e sorrisos alegres. Taehyung foi muito paciente e, tirando o incidente do vestiário, sempre se manteve uma distância segura.

O Jeon foi conferir se eles tinham achado alguma coisa interessante e encontrou os dois dormindo abraçados sobre os lençóis. Era uma conchinha estranha que parecia muito confortável. Yoonji era a parte externa com seu corpo menor, envolvendo a cintura do Kim com um dos braços.

O ruivo sorriu e pegou o celular para tirar uma foto. Uma só não faria mal, não é? Afinal estavam capotados e nem notariam nada. No exato momento em que foi eternizar a cena incomum, Yoonji enfiou seu nariz nos fios loiros, deixando a foto ainda mais graciosa. Porra, morreria com aquela overdose de fofura.

Jeongguk daria tempo ao tempo e esperaria de coração para os dois se declararem, podendo finalmente ser um trisal. Talvez em um futuro não tão remoto conseguissem ter um belo relacionamento a três. Mas de qualquer modo, já estava perfeito pelos seus amores se darem bem e por Yoonji estar mais sorridente do que o comum.


Notas Finais


QUEM QUIS BATER NO TAEHYUNG? FILHO DA PUTA DESGRAÇADO NÉ? Eu que fiz a história e ‘tô até agora xingando o coitado kkk.

QUEM QUIS COLOCAR ELE NUM POTINHO PELA INOCÊNCIA?

E QUEM SURTOU COM A YOONJI DORMINDO AGARRADINHA COM O LOIRO MARAVILHA E COM UM JEON JEONGGUK BABÃO PELOS AMORES?

Olha, como sempre, nem eu pensei que a fic ia terminar assim. No princípio era 'pra ter um hot fodido da Yoonji fodendo o Taehyung e saiu essa coisa fofa? Eu preciso melhorar no meu foco porque os meus planos nunca dão certo kkkk. Mas eu acho que era assim mesmo que era 'pra terminar, se fosse de outro jeito seria muito forçado e não sairia bom...

Enfim, eu curti demais escrever e pesquisar sobre patinação 'pra fazer um bom trabalho. Além de gastar todos os meus conhecimentos adquiridos assistindo Yuri on Ice e vendo os irmãos Shibutani dançarem, dando uma rápida passadinha pela Kim Yuna, uma solista muito talentosa da Coréia do Sul (que inclusive é a que eu usei pra fazer a capa).

E de novo, eu fiz a capa por motivos de: eu não queria esperar nem explicar timtim por timtim como eu queria a bendita. Se tiver feio releva e manda a indireta nos comentários por favor. Sutil porque eu sou sensível.

Beijinhos, Miya.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...