História No Word - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Fuyumi Todoroki, Iida Tenya, Katsuki Bakugou, Midoriya Izuku (Deku), Shouto Todoroki, Uraraka Ochako (Uravity)
Tags Abo, Abo Tododeku, Alfa, Dekutodo, Dekutodo Abo, Iida X Ochako, Iidaocha, Midoriya Izuku, Midoriya Ômega, Ômega, Omegaverse, Omegaverse Tododeku, Tododeku, Todoroki Alfa, Todoroki Shouto, Todoroki X Midoriya, True Mates, Yaoi, Yaoi Tododeku
Visualizações 279
Palavras 4.971
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Acreditem, eu não queria postar hoje, mas eu não consegui me aguentar 😇
Sério, estou muito ansiosa pra essa fanfic terminar logo, não sei, é como se eu não quisesse fazer vocês esperarem de mais pra ver o que vai acontecer com esse casal fofo do coração 💞
A história como todos perceberam está se desenvolvendo já, como se sequelas dos problemas que o Izuku e o Shouto vão enfrentar ainda estivessem só aparecendo, vai acontecer MUITA coisa, tanto que eu devia classificar essa fic como "Drama", segurem-se em seus lugares e reservem a caixa de lenços, alerto desde já!! ⚠
Enfim, não estou afim de enrolar mais 😵, e eu desejo boa leitura ao som da lista do Spotify: "Indie Rock, Road Trip".
Beijocas a todos.

Capítulo 8 - A segurança gerada do medo.


— Então que filme vamos ver hoje? Uma nova esperança, ou Footloose? — Deku resmungou parecendo pensar.

— Hmmm, acho melhor Footloose, sempre fico cansado de mais assistindo Star Wars. — Midoriya diz ouvindo um ruído de concordância na outra linha.

— Okay, então, assim que sair daqui eu te mando um torpedo. — Midoriya assente.

— Tudo bem.

A ligação foi encerrada com uma despedida mais romântica e breve, então Midoriya guarda o telefone no bolso voltando o olhar a amiga que o olhava com um olhar malicioso e um sorriso no canto dos lábios.

— Então hoje você vai assistir um filme no apartamento do Todoroki? — Ochako questiona arqueando uma sobrancelha ao esverdeado.

— Bem sim, você sabe que revezamos todas as quartas, uma semana é no meu apartamento e na outra é no dele.

— E esse é o motivo mais banal que vocês encontraram para simplesmente quererem se ver e transarem durante a semana? — Ochako questionou franzindo a sobrancelha com um tom cheio de sarcasmo, obviamente brincando com o menor.

— Não, mas ainda sim é bom. Compartilhamos nosso gosto por filmes e eu acabado dormindo abraçado com Shouto; É como unir o útil ao agradável; — Ochako ri do esverdeado e de sua sinceridade. Então Midoriya aponta para Ochako e circula o nariz da amiga com o dedo enquanto fala. — Hey! Mas eu e o Shouto não somos o motivo de você me chamar as 15 horas da tarde em uma cafeteria do outro lado da cidade, não tente desconversar depois que me fez vir até aqui, desembucha, Ochako-chan. — Ochako revirou os olhos por mais que ela tenha ficado corada.

— Nã-não houve nada, eu querer te ver não é o suficiente? Afinal o seu alfa anda pegando muito tempo de sua vida e você esta esquecendo de mim... E da sua mãe.— Fora a vez de Midoriya a olhar com sarcasmo erguendo uma sobrancelha.

— Sério mesmo? Vai dar uma de desentendida? Justo comigo? Seu melhor amigo? E para de drama, okay? Sábado passado Shouto e eu fomos almoçar com a mamãe e na semana passada fomos à aquele show daquela banda de garagem que você é tão fã.

Ochako mordeu os lábios brincando com o canudo do café que havia pedido a mais de quinze minutos e não havia dado nem um gole. Após pensar bem ela suspirou desistindo e olhou para o amigo, em hesitação enquanto olhava para o copo de café Ochako suspirou.

Já fazia cerca de três meses que Shouto e Izuku haviam passado o cio do esverdeado juntos; Dezembro já se aproximava rapidamente, e desde e então Midoriya já havia compartilhado outro cio com Todoroki que por algum motivo havia diminuído de tempo de dias que o esverdeado passava pelo o cio, tanto quando o intervalo de meses entre um cio e outro. Isso queria dizer que fazia cerca de quase três meses que ele e o alfa estavam juntos, e entre tantas coisas havia Ochako.

Certo dia ao convidar os amigos para irem ao cinema com eles, o que era para ser um encontro entre amigos virou praticamente um encontro romântico, e foi nesse dia que Ochako conheceu Tenya. Demorou cerca apenas de três dias para os dois dormirem juntos, ao que parecia o alfa estava em seu cio, e depois daquilo eles estraram em uma relação sem compromissos mas cheia de benefícios.

O único problema — ou solução — era que Tenya não queria mais ficar daquela forma com Ochako, o alfa queria um compromisso estável e público, algo que eles pudessem ir jantar em um restaurante, ou ver um filme ou peça de teatro, e não simplesmente visitar todos os motéis da região; Tenya que Midoriya havia descoberto que era alfa — e tomava inibidores e supressores por conta de manter seus instintos no lugar graças a ética do seu trabalho e para seus pacientes ômegas se sentirem mais confortáveis — queria assumir a amiga de Midoriya com todo o prazer e carinho, mas Ochako se negava a ceder e parecia que agora eles estavam discutindo a cada mínima coisinha apenas por causa disso.

E isso fazia cerca de uma semana que estava acontecendo, Ochako já estava perdendo a cabeça, e Tenya estava preste a chutar o balde e desistir da ômega que aparentemente se negava a assumir qualquer tipo de compromisso amoroso sério; um longo histórico de relações abusivas e decepcionantes.

— Sabe o que é Deku... É que eu não to mais aguentando o Tenya! Ele tá um saco... Ele não para de falar sobre assumirmos algo mais sério, sobre pararmos de apenas ficar, ele quer me apresentar pros pais e irmão! Ele até disse que os planos para o nosso futuro é dele me marcar e talvez queira ter filhos! Isso está me deixando super nervosa e com uma dor de cabeça enorme. — Midoriya arqueou uma sobrancelha.

— Ainda não entendi o motivo da sua tristeza. — Midoriya diz com um tom de sarcasmo. Ochako o olhou emburrada e o empurrou pelo o ombro.

— Ah! É claro que você não entenderia, você está com o Todoroki perfeito alfa Shouto. — Disse com extremo sarcasmo, e Deku não pode evitar de soltar uma risadinha pelo o tom amargo da amiga.

— É claro que não Ochako... Você não acha que o Shouto é totalmente perfeito, não é? — Midoriya diz com bom humor, Ochako emburrada inflama as bochechas.

— Okay, então me fale um defeito dele. — Midoriya pareceu pensar e depois riu de leve dando de ombros.

— Quando ele sai do banheiro ele deixa a toalha molhada em cima da cama, do mesmo jeito que o Kaachan fazia, brigamos já por causa disso... Ele também não gosta de assistir coisas que foram gravadas origalmente em outra língua dublado, e nem com legendas... Eu já pedi pra ele cortar o cabelo, mas ele se nega, porque se acha feio de mais, por conta da cicatriz. — Midoriya diz revirando os olhos. — O Shouto é cheio de defeitos..., mas são esses defeitos que me fazem amar ele um pouco mais.

Ochako que estava sem expressão com a boca aberta ouvindo o amigo falando do parceiro, suspira quando o mesmo acaba e sacode a cabeça em negação.

— Argh Midoriya, você é romântico de mais... Sério, eu fico me perguntando como é que você anda tranquilamente pelas as ruas agora, já que a marca que o Bakugou fez perdeu o efeito e o Todoroki ainda não te marcou... Você é como mel pra urso. — Midoriya sorriu e deu de ombros.

— Shouto é bem territorial. — Midoriya não falava mais nada do que a verdade. Pela a marca não fazer mais efeito era natural que outros alfas se aproximassem de Midoriya para fazer contato, mesmo que ele mantivesse relação com Shouto frequentes isso poderia impedir alguns alfas, mas não todos;

Mas existia um processo muito engraçado e que Midoriya nunca tinha ouvido falar até que Fuyumi explicasse melhor pra ele e dissesse que antigamente ele era bem usado e que nos dias de hoje ele não era tão usado porque muitos ômegas se sentiam ofendidos pelo o alfa querer ter algum tipo de dominância sobre o mesmo, ou simplesmente optavam pela a marca de uma vez.

E esse assunto surgiu após um dia que Midoriya teve de ir na editora para uma reunião, e ele pediu pra Shouto ir busca-lo, já que eles iriam jantar com Fuyumi e Rei naquele dia. Na saída da editora, um alfa abordou Midoriya, Shouto ficou nervoso e quase quis bater no alfa, mas não era exatamente culpa do alfa, então Fuyumi durante o jantar deu a ideia, muito útil, porem temporária. Ela consistia da seguinte etapa, que logo após o sexo, que era quando o alfa e o ômega liberavam mais feromônios, o alfa — Shouto — lambia e se esfregava em grande parte da pele do ômega — Izuku —; quando Fuyumi contou Midoriya se sentiu ficar tonto de tanta vergonha que sentiu quando ela especificava os lugares essenciais para que a marcação funcionasse com perfeição. Se fosse bem feito o processo, o ômega em questão ficaria com o cheiro do alfa sobre ele como se fosse o cheiro da marca, o único problema era que tinha um efeito muito curto, três dias no máximo.

— Mas realmente Uraraka, eu ainda não entendi qual é o problema... Sabe, Tenya-kun é um bom alfa, agora eu ando passando mais frequentemente no consultório dele, e ele nunca me desrespeitou ou coisa do tipo, e a nenhum outro ômega que ele atende. — Ochako suspirou e passou a mão nos cabelos.

— Eu sei! E exatamente por causa disso que ele não pode mais se aproximar, ele é perfeito de mais, Deku! Alfas como ele nunca entraram na minha vida, já passaram ao lado? Mas é claro, mas são ômegas como você que alfas como Tenya procuram. E se começarmos a nos relacionar a sério e ele simplesmente ver que o que ele procurar em mim não existe? Quando essa história toda acabar, serei eu mais uma vez a idiota e usada da história, completamente perdida e apaixonada por um alfa que não quer nada comigo.

Midoriya suspirou e tomando um gole da sua bebida, ele não falou nada percebendo finalmente os medos de sua amiga.

— O seu medo então... É você se apaixonar por ele? E no fim não dar certo? — Midoriya questionou arqueando uma sobrancelha, e Ochako mordeu os lábios franzindo a testa sem responder enquanto fitava o amigo, Midoriya suspirou e fez um bochecho com o ar. — Bom... Se você está com medo de se apaixonar por ele, isso quer dizer que já se apaixonou há muito tempo e... Está com medo que suas expectativas não sejam supridas ou que as expectativas dele não sejam supridas e que de alguma forma os dois se machuquem. Estou certo? — Midoriya questionou analisando a amiga que não falou nada mas parecia branca como uma folha de papel.

Midoriya deu um gole em sua bebida, pensando na situação enquanto Ochako mexia de forma inquieta os dedos.

— Bom, é bem simples a solução... — Ele diz dando de ombros. — Não crie expectativas... Se você gosta dele, isso é ótimo, se ele quer assumir algo mais sério isso é muito mais do que ótimo; se esta com medo que os dois se saiam frustrados disso tudo, invés de apenas transarem, porque vocês não fazem exatamente o que estamos fazendo agora? Você e ele. Marquem um dia para se verem, em um café, ou uma praça, um lugar público de preferência, e conversem. Conversem sobre tudo, não deixem nada escondido, e se ambos concordarem em prosseguir após conversarem, que prossigam, eu acredito que o Tenya vai fazer você muito feliz, Ochako... Já chega de perder tempo com esses alfas que não querem nada contigo, aproveite um pouco a vida, desfrute da paz, do sossego e de alguém que quer vê-la sorrindo e bem, além de mim, da minha mãe e de seus pais. — Midoriya diz piscando para a amiga brincando na ultima parte, rindo quando a amiga o empurrou o ombro, exatamente como ele pensou que iria acontecer.

— Você e o Todoroki conversam muito? — Ochako questionou arqueando uma sobrancelha para Midoriya,

— Sim, tentamos conversar sobre tudo, as coisas que não gostamos no dia, as que aproveitamos... O que nos deixou cansado, o que nos deixou alegre. Conversamos sobre coisas triviais, e também sobre coisas sérias, e parece que ele está pegando mais confiança em mim, porque ele está sorrindo mais. — Midoriya diz sorrindo de lado para Ochako, que arqueou as duas sobrancelhas.

— Sobre coisas sérias, que você quer dizer é...?

— Sobre... Nossos passados, nossas famílias. Sobre planos para o futuro; sobre nossos medos.

— Isso quer dizer que você já contou sobre o Kirishima pra ele? — Ochako questionou arqueando uma sobrancelha e Midoriya hesitou então negou.

— Não, ainda não... Já contei muito sobre o meu relacionamento com o Kaachan, ele ainda tem certo ciúme disso, mas estamos pretendendo fazer uma viajem antes do natal para visitar o tumulo dele e talvez quem sabe eu possa explicar sobre... Kirishima, desde que ele apareceu no apartamento de Shouto eu não consigo parar de pensar sobre.

— Bom, eu me arrependi de ter chamado ele, mas eu estava preocupada e com medo que o Shouto-kun tivesse feito algo para deixar você machucado e o Kirishima foi a única pessoa que eu pensei... — Midoriya sorriu e negou sacudindo a cabeça.

— Não precisa se preocupar, não é como se uma hora ou outra ele não fosse descobrir, temos muitos amigos em comum, eu e Shouto vamos de mão dadas até a mercearia do bairro, vemos diversos de amigos nossos da época da escola que nos viram e pareciam chocados, ou até mesmo ofendidos... Mas eu não ligo, se ele quiser ir atrás de mim pra brigar e me xingar, eu não ligo, acho que em parte ele está certo, não é? De toda forma... Não vou esconder meu relacionamento com Shouto ou nossa felicidade por conta disso; eu amei muito o Kaachan, ainda o amo, e eu teria ficado o resto da minha vida sozinho se não fosse Shouto; antes de conhece-lo acho que eu devia ter pensado que era impossível eu ser tão feliz, e mesmo eu amando o Kaachan eu acho que eu nunca amei tanto ele quanto eu amo Shouto.

Uraraka arqueou as duas sobrancelhas, e depois sorriu de canto.

— Certo... Então se você ama tanto ele e ele te ama tanto, porque ele não te marca? — Midoriya suspira e revira os olhos.

— Ele ainda tem medo, por causa da outra marca; já pedi pro Tenya conversar com ele, mas ele é teimoso e tem medo que eu venha me machucar, já que a marca do Kaachan, hora ou outra começa a latejar ou formigar e eu contei como foi traumatizante ser marcado pelo o Kaachan.

— Tanto quanto antes? Quer dizer, a marca dói tanto quanto antes? — Midoriya negou.

— Não, é como se eu sofresse um beslicão, ou meu dedo da mão ficar dormente. — Midoriya diz revirando os olhos. — Mas o Shouto falou que ia esperar mais um tempo.

Uraraka assentiu mas o telefone da ômega tremeu e ela o pegando suspirou revirando os olhos.

— Ah... Minha mãe quer que eu vá para casa, visitar... Uns parentes de longe estavam pra vir ai e parecia que eles queriam me ver... Ver o quanto eu cresci. — Midoriya assentiu mas riu.

— Ora, isso é impossível. — Ochako bufou sorrindo em sarcástico.

— Olha em fala, baixinho. — Midoriya e Ochako eram quase do mesmo tamanho, centímetros de diferencia, mas a morena sempre usava salto a fim de parecer mais alta. — Vamos... Eu te dou uma carona até o bairro do Todoroki-kun, é aqui perto mesmo.

— Obrigado.

____________________Ω____________________

Quando Ochako deixou Midoriya próximo ao apartamento de Todoroki, foi questão de minutos o ômega chegar no prédio, e subir até a cobertura, ficou surpreso quando tentou girar a chave e a porta já estava aberta. Midoriya entrou franzindo a sobrancelha preocupado, e arregalou os olhos ao ver alguém parado no meio da sala de Todoroki e com certeza não era o alfa, ou algum amigo do mesmo que Midoriya já havia conhecido.

Era um ômega tinha cabelos negros e olhos bem frios, sua essência era muito hostil e a singularidade de sua essência para uma ômega fez Midoriya enrugar o nariz e depois de se controlar em suas ações, ele fechou a porta, e se aproximou sorrindo ao sentir a presença de Shouto em algum lugar no apartamento.

— Olá, prazer, sou Izuku Midoriya. Você é o...? — Midoriya questionou arqueando uma sobrancelha em seu tom gentil. O ômega pegou na mão de Izuku enquanto o analisava dos pés a cabeça.

— Dabi... Apenas Dabi. — Midoriya sorriu assentindo.

— Um prazer te conhecer Dabi. — Midoriya Izuku diz gentil tirando a bolsa que carregava das costas a deixando aos pés do sofá e após tirar a blusa ele caminhou para a cozinha indo beber água, o ômega o seguiu. — Quer comer ou beber algo? — Midoriya questionou, e Dabi deu de ombros.

— O que você vai comer?

— Não sei... Deixa eu ver o que o Shouto trouxe. — Midoriya diz abrindo a porta do armário onde Todoroki sempre deixava alguma besteira para ele comer durante a noite antes do jantar, normalmente algum doce feito a pouco tempo na padaria local. Mas desta vez diferente das demais não havia nada e Midoriya franziu a sobrancelha estranhando ao mesmo momento que Shouto aparecia pelo o corredor.

Eles se olharam e como todo alfa que reage ao seu ômega, e todo ômega que reage ao seu alfa, os cheiros deles logo se liberaram com a saudade impregnada nos dois enquanto ambos com passos lentos se aproximavam um do outro, finalizando o contato em um abraço.

— Oi, desculpa, eu não tive tempo de comprar algo para você ainda. — Todoroki sussurrou passando a mão na nuca do esverdeado, e beijando as duas bochechas sardentas do ômega que sorriu com o carrinho praticamente ronronando com o toque do alfa.

— Não tem problema. — Midoriya sussurrava suspirando ao sentir o aconchego dos braços de Shouto, e teria se perdido naquele abraço, naquele toque e cheiro se o ômega que foi recém esquecido não se pronunciasse limpando a garganta com um pigarro. Midoriya se afastou se sentindo levemente corado. — Ah, desculpe.

O ômega que observava tudo quieto e com uma expressão que no mínimo Deku classificaria como melancólica e sarcástica sorriu de canto amarelo, um sorriso escarnio.

— Não, que isso, é minha culpa... O Shouto avisou que teria visita. — Midoriya franziu rapidamente a sobrancelha ao ver a intimidade que o ômega se referia ao bicolor, um ciúme irracional querendo chegar em Midoriya e o pegar desprevenido, mas Midoriya limpou a mente antes que o pensamento tomasse forma direito, sentindo o leve aperto do braço do alfa em sua cintura.

— Desculpa de fazer esperar. — Shouto diz e estendeu um envelope — que Midoriya não tinha visto ainda — para o ômega; o envelope era parto discreto e volumoso, na hora Midoriya percebeu o que era aquilo. — Ai dentro tem uma quantia suficiente para você ficar sossegado por um tempo, tem um cartão de crédito também, um passaporte, carteira de motorista e a chave de um apartamento com endereço. Não consegui providenciar um carro, mas não acho que vai dar muito trabalho você achar algum.

Dabi suspirou guardando o envelope dentro da bolsa que carregava e assentiu.

— Okay... — Depois de guardar o envelope o ômega suspirou e passou os olhos de Izuku para Todoroki, de Todoroki para Izuku umas cinco vezes antes de falar. — Você...  — O omega limpou a garganta — Mamãe já conhece esse ômega? — Midoriya sentiu a pressão que o braço de Shouto tinha sobre si quadruplicar em um segundo, ele quase chegou a ofegar.

— Sabe. — Shouto assentiu. — Fuyumi o conhece também.

—E levando isso em consideração ao fato que ele tem a chave do seu apartamento e que ele cheira a você... Acredito que seus objetivos é leva-lo para o matadouro esse final de ano. Quanto tempo vocês estão juntos? — A postura de Todoroki ficou rígida atrás de Midoriya que sentiu o alfa o apertar contra ele como se alguém quisesse o machucar.

— Estamos juntos já vai fazer três meses logo e eu não decidi ainda. — Dabi deu um sorriso escarnio.

— Não decidiu? Você e esse ômega gostam um do outro? — Midoriya entrelaçou os dedos seus com os de Todoroki ao sentir-se ameaçado pelo o tom de voz do outro ômega.

— Ele é... O meu ômega. — Shouto diz sem alterar o tom de voz mesmo que Midoriya sentiu ela falhar. O peito do Izuku se inflamou com a afirmação, era a primeira vez que ele ouvia Shouto se referir daquela forma a ele.

— Então não vá pra aquele inferno, Shouto. — Era um conselho cheio de dores e verdades, Midoriya percebeu o alerta de perigo, aquele ômega estava o alertando do perigo. Um perigo que Midoriya não fazia ideia que iria enfrentar. — Enji vai destruir esse ômega e toda essa felicidade que vocês têm juntos. Se você ama ele, — Dabi diz apontando para Midoriya — não deixe ele saber, apesar de eu achar que já é tarde de mais.

Midoriya não sabia sobre quem ou o quê aquele ômega conversava com Shouto, mas o instinto que alertava perigo começou a fazer Midoriya se sentir aflito e frenético.

— É tarde de mais, pra quê? — Midoriya se ousou a questionar quando nem o ômega e nem o alfa falaram mais nada.

— Pra você fugir dele... — Dabi diz suspirando de forma triste. — Shouto... Você se lembra o que ele fez comigo e com o Shigaraki.

— Isso não vai acontecer, Midoriya é o meu True Mate, eu não vou deixar nada acontecer a ele. — Dabi iria dizer algo mas o telefone dele tocou e ele o tirou do bolso engolindo em seco e depois de suspirar pesado e guardar o celular, o ômega os olhou novamente.

— Tenho que ir... Toma cuidado Shouto. Você já viu o que ele pôde fazer comigo, com a Fuyumi, com a mamãe... Ele ainda não te tocou porque você é a obra prima dele e não destruiu o Natsuo porque nosso irmão é um covarde e pau mandado. Não deixe ele te destruir. Obrigado por tudo, dá um abraço na Fuyumi e na mamãe por mim.

Tendo dito isso Dabi deu a volta no apartamento e saiu de forma tão rápida que demorou para Midoriya perceber que os dois estavam sozinhos. O silêncio era pesado e frio entre eles, Midoriya sentia a tensão correndo por todo o corpo de Shouto, quando ele assimilou as palavras daquele ômega que ao que parecia era o irmão de Shouto, Midoriya suspirou e se virou abraçando o alfa, o alfa retribuiu o abraço fazendo Midoriya sumir entre seus braços, os batimentos de Shouto eram fortes e constantes, o som do coração do alfa acalmou Midoriya e sentindo-se calmo, mostrou Isso a Todoroki ao liberar seus feromônios.

— Quer falar sobre o que aconteceu aqui? — Midoriya questionou, mas Shouto negou sacudindo a cabeça com os lábios comprimidos, o alfa suspirou e após olhar para Midoriya, Shouto o surpreendeu tomando seus lábios em um beijo frenético e intenso, enquanto Midoriya se sente na mesma hora ser levantado do chão. Midoriya corresponde o beijo intenso que Shouto inicia, a língua de Todoroki é necessitada e o beijo não dá tempo de Midoriya em pensar muita coisa já sentindo a si mesmo e a seu feromônio corresponder ao do alfa que clamava por ele.

Quando Shouto para de andar, Midoriya logo sentia a cama de baixo de si ao passo que o meio-ruivo o deposita na cama.

— Shouto... — Midoriya sussurra entre os lábios do alfa que agora o olhavam com uma intensidade que fazia os pelos da nuca e do corpo inteiro de Midoriya se arrepiarem. — Não quer conversar sobre... O que ele estava falando?

— Não. — Shouto nega sacudindo da cabeça, ao mesmo tempo que circulava os mamilos de Midoriya com o dedo, fazendo o esverdeado arfar e arquear o tronco para mais daquele contato. — Eu preciso de você Midoriya. —Shouto sussurrou roçando o nariz na linha do maxilar do ômega, enquanto lambia a pele exposta e quente sentindo o cheiro e sabor de Midoriya, aquele sabor que tinha um efeito tão devastador sobre si e que ele ainda não tinha aprendido a controlar.

— Sho-shoto... — Midoriya murmurou gemendo apertando o ombro do alfa quando o mesmo roçou suas ereções ainda cobertas.

— Ah... Você me deixa louco. — Todoroki sussurrou mordiscando a orelha do ômega, e Midoriya sentiu sua calça ser tirada de seu corpo com a mesma facilidade que a camisa, segundo depois foi tirada, para então ambos selarem suas bocas novamente causando um beijo devastador entre eles, Midoriya não queria saber mais de nada, apenas de sentir Todoroki cada vez mais perto, cada vez mais colado, o desejo de estar com Todoroki dentro de si, de senti-lo, era tão devastador, que Midoriya sentia a excitação lhe escorrer e pingar.

Todoroki soltou um longo rosnado quando ele tirou a única peça que o impedia de tocar em Midoriya mais diretamente, e o alfa sentiu em seus dedos como as partes intimas o ômega clamavam por ele pingando de prazer e excitação.

— Izuku... — Todoroki sussurrou sentindo sua garganta seca ao tempo que ele já tirava sua roupa toda, não aguentando o fato de não estar dentro de Midoriya. O alfa se despiu e beijou os lábios de Midoriya ao tempo que se encaixava entre as pernas do mesmo para o penetrar.

Midoriya arfou ao sentir o pênis de Shouto em sua entrada, abriu os olhos, vendo a expressão que fez o coração dele saltar e bater mais forte, os olhos heterocromos de Todoroki Shouto clamavam por ele, o cinza tempestade e o céu límpido estavam mostrando muito mais do próprio Alfa do que poderiam e deveriam mostrar, desejo, anseio, carinho... Até mesmo amor Midoriya encontrou naqueles olhos ao passo que sentiu-se ser penetrado e o cheiro de lar que a essência de Todoroki expelia se propagou por todo o quarto se misturando ao cheiro de eucalipto fazendo Midoriya revirar os olhos enquanto se sentia ser penetrado pelo o alfa.

— Shouto. — Midoriya chama, o alfa rende toda a atenção ao esverdeado, que entrelaça seu braço no pescoço do mesmo e o puxa para um beijo. — Eu te amo. — Midoriya sussurra baixo ofegante quando o beijo intenso se encerra.

Todoroki franzi as sobrancelhas ao tempo que incredulidade alcançava a expressão do seu rosto.

— O quê? Isso... Isso é verdade? — Midoriya assenti sorrindo de leve se tremendo por sentir cada vez mais o alfa o penetrar.

— É, é sim.

Midoriya havia descoberto que o sexo com o alfa era bom em qualquer momento, seja no cio, seja fora dele... Todoroki tinha tudo para ser um alfa que pudesse ter e deitar com todos os omegas, beta e até alfas que quisesse, ele era cuidadoso, ficava lindo enquanto transava, e era carinhoso, por mais que quando Midoriya quisesse uma foda era fácil atiça-lo a ser mais bruto ou rígido. E daquela vez Todoroki por si mesmo, estava iniciando uma foda leve, ou um sexo mais intenso, ou simplesmente estava fazendo amor com Midoriya, fazendo o ômega revirar os olhos a cada investida do alfa, era sequencias de idas e vindas, ele tinha um ritmo e fazia o esverdeado revirar os olhos com isso. Os dedos dos pés de Midoriya e todos o seu corpo se rendia ao prazer enquanto Todoroki tinha ele nos braços, o desejo que assolava ambos era difícil de controlar quando estavam ligados, fazendo tanto ele quanto Shouto por mais que fossem carinhosos um com o outro deixarem marcas resultantes de mordidas, arranhões e beijos um no corpo do outro.

— Midoriya... — Todoroki sussurrou baixo quando o mudou de posição o fazendo ficar de quatro. — Eu posso, ir mais forte? — Todoroki questionou abraçando o tronco do menor que assentiu ofegante.

As enterradas de Todoroki faziam Midoriya perder a firmeza dos braços e ele só era sustentado por Shouto que o abraçava o tronco com um braço e com o outro abraçava a cintura. Shouto perdido nos próprios desejos, sentiu a sua gengiva coçar, ele se aproximou com a mente avoaçada do prazer, sentiu o cheiro tão influenciador de Midoriya que o chamava, a fim que ele marcasse finalmente aquele ômega como o seu, Todoroki hesitou, tinha medo, principalmente toda vez que olhava a outra marca que sempre ficava escondida quando o ômega usava blusa, Shouto tinha medo de Midoriya se arrepender de que ele pudesse machuca-lo, de que sua familia caótica fizesse ele sofrer.

Mas Midoriya que estava sentindo todo aquele medo vindo de Todoroki, apenas olhou sobre o ombro, e mesmo que estivesse tão dado para o prazer, ele sentiu quando o frio da espinha lhe tocou novamente, da mesma forma que o tocou quando Kaachan fora fazer a marca. Mas diferente de Kaachan que Midoriya foi pego desprevenido, porque na época eles falavam sobre a marca, mas não era como se Midoriya quisesse ainda ser marcado; Com Shouto era diferente, Midoriya sentiu uma paz enorme e confiança em Todoroki, que ao olhar para o alfa que ainda o penetrava de forma tão prazerosa.

— Está tudo bem, Shouto. — Midoriya sussurrou ao mesmo tempo que entrelaçou seus dedos com os de Shouto que o envolviam na cintura e como se bastasse isso para Todoroki tomar confiança, o bicolor se aproximou da nuca novamente sentindo sua gengiva coçar, e se aproximou roçando o nariz, Midoriya abaixou mais a cabeça a fim que ele tivesse uma visão mais ampla. Antes de Todoroki cravar os dentes na nuca de Midoriya, o esverdeado sentiu um lento e doce beijo ser depositado na área o fazendo se arrepiar em expectativa, e quando sentiu os dentes marcando sua carne Midoriya gemeu e revirou os olhos sentindo o êxtase lhe tomar o corpo enquanto sentia ao mesmo tempo o alfa se inchar e se derramar dentro dele atando-se ao ômega e a marca ser formada.

Midoriya adormeceu logo depois sentindo a respiração pesada em sua nuca ao sentir-se aconchegado no peito do seu alfa.

 


Notas Finais


:x
Ps: Capitulo não revisado por preguiça.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...