História No Worries (Fillie) - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Stranger Things
Tags Fillie, Finn Wolfhard, Mcfly, Millie Bobby Brown, Songfic
Visualizações 56
Palavras 1.781
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


[links para as músicas ao final do capítulo!]

Capítulo 10 - We've got no worries in the world


O cheiro do perfume de Finn ainda estava colado em mim embora ele mesmo não estivesse mais. Abraçá-lo tinha sido a sensação mais acolhedora que eu havia sentido em anos, como se só agora eu tivesse, de fato, chegado em casa. 

Ele abriu a porta da cafeteria pra mim depois de eu flutuar durante todo o caminho. Escolhemos uma mesa que, na nossa época, era um pouquinho diferente e nos sentamos com largos sorrisos idiotas. Por duas vezes depois de termos pedido nossas bebidas quentes, começamos a falar ao mesmo tempo. 

- Por favor, - ele pediu me dando a deixa. Não era como se eu tivesse muita coisa pra contar e minha vida não era nem de longe tão animada quanto a dele. O que eu podia dizer? Que tinha feito faculdade, estagiava num lugar bem qualquer coisa que logo me encheu o saco e que, então, resolvi seguir obcecada pelo meu melhor amigo de infância com o qual eu nunca mais havia conversado e que tinha se tornado um ídolo mundial? Melhor não. 

- Fiz coisas ordinariamente normais em todos esses anos, - agradeci quando meu café chegou e ele também - faculdade, trabalho, essas coisas - dei de ombros tomando um gole da minha xícara enquanto ele me observava como se eu estivesse contando a ele a coisa mais interessante do mundo. 

- Mas se formou em quê? - Ele perguntou e eu continuei, enumerando minhas não muitas conquistas, que agora pareciam tão distantes e sem importância já que ele estava sentado de frente pra mim e meu coração não conseguia bater em um ritmo só de jeito nenhum.

- E você? - Emendei ajeitando o cabelo que eu tinha uma vaga noção de estar secando e que eu torcia para não estar tão feio quanto sabia que ele poderia ficar. 

- Bom, você deve acompanhar, minha vida infelizmente virou domínio público, - e senti uma pontinha de amargura em sua voz, talvez por conhecê-lo há tanto tempo - turnês, gravações, viagens… - ele suspirou. 

- Sabe, - me peguei o interrompendo porque não ia aguentar segurar aquilo por muito mais tempo - eu tinha tanto medo de que quando eu chegasse aqui você não fosse nem querer, sei lá, falar comigo…

- E por que você me imaginaria fazendo algo assim? - E era genuíno o seu espanto. - Você diz, pelos muros enormes que minha mãe colocou? - Ele pressupôs. - Ela só está um tanto paranóica com as coisas que ela vê na TV, você sabe, - ele deu mais um gole em seu café - as notícias e os programas o tempo todo bombardeando com histórias de morte e sequestro e tragédias… - ele crispou os lábios - e olha que eu nem tenho tempo de assistir TV… só sei porque ela me liga todos os dias preocupada, querendo saber como eu estou e contar disso…

- É o jeito dela de demonstrar que se importa - arrisquei - mas nem é por isso que eu disse - e continuei de onde tinha parado - é que você provavelmente se lembra como foi lamentável aquele dia do festival-

- Ah, Millie, - e ele pegou minha mão em cima da mesa, apertando ela enquanto falava - acho que esse dia não importa mais, né? - E ele riu - nós dois éramos bem idiotas, a verdade é essa - ele deu de ombros e eu fui obrigada a concordar - acho que uma coisa foi levando a outra e, acho inclusive, que a gente escolheu uma fase da vida bem bosta pra brigar - ele riu de novo e eu não pude deixar de rir também - porque tudo passou tão rápido que quando vi, você já tinha ido embora da cidade e eu também e… - ele fez uma pausa - você estava há milhões de quilômetros de distância - ele citou Star Girl o que fez meu estômago cair lá no meu pé. 

- E eu me pergunto, por que você nunca me pediu pra ficar? - Continuei e ele sorriu, mordendo o lábio antes de tomar mais um gole, apertando minha mão na sua sem tirar os olhos dos meus. - Posso te perguntar uma coisa? - E ele assentiu. - Broccoli era sobre mim? - E ele pousou a xícara na mesa com um sorrisinho sacana nos lábios. 

- Não só ela, - e nós dois demos risada. - Qual é, Millie, à essa altura você já deve saber que a pior fossa da minha vida foi culpa sua - e eu abri a boca mas ele me impediu de dizer algo erguendo o dedo - o que de jeito nenhum foi uma coisa ruim, graças a isso eu sou um cara famoso e todas as garotas me querem, - ele deu de ombros e eu só não dei um tapa nele porque ele estava segurando minha mão. Senti um carinho com seu polegar nela, um movimento suave e rápido, mas suficiente para me fazer sentir um calorzinho subindo pelo meu peito. - Mas a garota que eu queria nunca me quis. - Ele limpou a garganta - Bubble Wrap - ele emendou bem rápido para que aquela confissão passasse despercebida, o que não aconteceu - nasceu no dia em que percebi que nós dois jamais teríamos alguma coisa… e-

- Quanto melodrama, Finnie, - brinquei mesmo me sentindo derreter com tudo o que ele dizia, e ele rolou os olhos. 

- E, quando o tempo passou e - ele continuou como se eu não o tivesse interrompido - aquilo tudo começou a doer um pouco menos e eu comecei a enxergar o mundo como ele realmente é, Falling In Love ocupou o lugar. - E ele tomou ar e soltou com uma risada - Wow, por que eu me sinto tão vulnerável falando isso pra você quando o mundo todo já ouviu isso, sei lá, várias vezes? - E eu não sabia a resposta, mas eu também me sentia vulnerável ouvindo, vulnerável e patética, por só ter percebido tudo aquilo tarde demais.

- Eu sinto muito, - disse com sinceridade, porque eu sentia mesmo. E poder dizer aquilo era finalmente poder tirar um peso enorme das minhas costas e do meu coração. Era sentir o ar entrando em lugares escuros dentro de mim pela primeira vez em anos, lugares antes ocupados por culpa e por ressentimento, e, principalmente, por saudade. 

 

A conversa ainda rendeu mais dois cafés e, quando achamos que não íamos conseguir dormir aquela noite devido à quantidade de cafeína em nossos organismos, resolvemos pedir uma água. 

- Não é assim tão fácil, - ele insistia em saber qual música era a minha preferida. E insistia em dizer que tinha feito uma música para mim, e não sobre mim. - Eu aposto que você diz isso para todas, - tentei desconversar e ele só balançou a cabeça em uma negativa muda. - Ok, - limpei a garganta enquanto pensava - gosto um pouquinho de cada música na qual consigo identificar uma parte da sua vida da qual participei - e a resposta o deixou pensativo por uns bons minutos depois. 

- Sei que posso ser sincero com você, - ele se recostou na cadeira soltando minha mão por um tempo, vestindo aquela expressão quadrada tão comum quando vivíamos grudados - essa história de banda enche um pouco o saco.

- Ah, Finnie, eu imagino, - ele já tinha dado alguns indícios disso ao longo da conversa, principalmente porque com isso a amargura que eu achava estar sentindo em sua voz se confirmava.

- … acho que é isso, - ele batucou na mesa, voltando a se sentar reto - acho que preciso de um ano sabático - e eu não devo ter disfarçado o susto porque ele riu. - Eu estou cansado, Mills. Quero poder ser o Finn por uns tempos… como estou sendo agora - e eu não pude conter o sorriso. 

- Eu imagino, mesmo, - apoiei minha cabeça nas mãos o encarando - meu estágio estava um saco e uma das melhores sensações da minha vida foi ter pedido demissão… é muito bom poder acordar de manhã sabendo que não preciso ir para aquele ambiente chato com caras babacas e machistas que… - mas ele já não estava mais prestando atenção, um brilho esquisito em seus olhos me fez estreitar os meus. - Finn?

- É isso, Millie, é isso! - Ele segurou minhas duas mãos quase de debruçando em cima da mesa para alcançá-las - vem comigo! Eu tiro um ano sabático, você já deu um pé em tudo mesmo… vem comigo! A gente vai poder aproveitar o tempo perdido, conversar todos os dias, rir das coisas que costumávamos rir… vou poder ganhar todas de você no videogame de novo, como antes! - E eu ainda estava tentando digerir o que ele estava dizendo, mas a empolgação em sua voz era enorme e ele continuou falando - nós vamos viajar o mundo, Mills, nós vamos… - e eu já nem ouvia mais o que íamos fazer porque meu coração batia em meu ouvido e o barulho do meu sangue pulsando era ensurdecedor. 

- SIM! - Eu respondi sem pensar muito, sentindo a energia daquela palavra. - Quer saber, VAMOS! - Continuei, emocionada o vendo se levantar e me puxar para outro abraço, com seus cachos negros me cobrindo a visão pouco antes de seus lábios, macios e ansiosos, encontrarem os meus. A sensação de estar em casa foi acrescida do bater de um milhão de asas batendo em meu estômago, a mão de Finn enroscando em meus cabelos quase secos quase tirou a atenção de sua outra em minha cintura, mas seu toque fazia minha pele queimar, mesmo que por debaixo daquele moletom. 

- PARABÉNS! - As pessoas batiam palmas e comemoravam à nossa volta - Felicidades ao casal!!

- Ah meu Deus, Finnie! - Eu me afastei rápida, tapando a boca num reflexo - as pessoas acham que você me pediu em casamento! 

- Bom, - ele deu de ombros, - acho que ainda é um pouco cedo, mas quem sabe quando chegarmos na Ucrânia, no famoso Tunnel of Love, eu não te peça, impelido por todo aquele verde e-

- Cala a boca, Finn, - pedi rolando os olhos, fingindo não sentir que aquela possibilidade tinha mexido comigo. E ele riu, acariciando meu rosto, colocando uma mecha do meu cabelo atrás da orelha. 

- No Worries, - ele disse com o mesmo sorriso de quando dançamos nossa primeira dança, aquele sorriso estampado na foto a qual eu sempre olhei durante todos aqueles anos - essa, essa é a sua música.


Notas Finais


McFLY - Star Girl
https://www.youtube.com/watch?v=w9tO3H_4sjo

McFLY - Broccoli
https://www.youtube.com/watch?v=GIuUoe50yHk

McFLY - Bubble Wrap
https://www.youtube.com/watch?v=SaE5ziR4BNE

McFLY - Falling In Love
https://www.youtube.com/watch?v=xvhCcHURAqc

McFLY - No Worries
https://www.youtube.com/watch?v=usBgCbXGq_Q

━━━━━━━ •♬• ━━━━━━━
E é isso!
Agradeço a todos pelos comentários, peço desculpas pelos sustos e espero que tenham se divertido com a leitura! :)

Até a próxima! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...