História Noite Passada o Vento Trouxe Teu Cheiro - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, Suga
Tags Bangtan, Boyxboy, Bts, Gay, Jeon Jungkook, Kookie, Kpop, Maknae, Min Yoongi, Piano, Poiséné, Romance, Suga, Yaoi, Yoonkoon
Visualizações 4
Palavras 1.607
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha, olha vejam se não é Anna Mello com fanfic nova.

Espero que gostem, pois eu amo esse plot, eu amo essa história, eu amo meus filhos.

Boa leitura!

Capítulo 1 - Dez Passos


Fanfic / Fanfiction Noite Passada o Vento Trouxe Teu Cheiro - Capítulo 1 - Dez Passos

A campainha tocou.

Levou trinta e quatro segundos para Yoongi saltar do sofá, tropeçar no tapete da sala, bater a mão na mesinha do corredor, xingar e abrir a porta.

Levou dez segundos para quem quer que tenha tocado a campainha sumir ao esquina do corredor, deixando para Yoongi apenas um borrão rosado do capuz de um moletom descendo as escadas. Mais uma vez Yoongi foi lerdo demais, ficou ofegante e em troca recebeu nada mais que vislumbres de seja lá quem que parecia existir apenas para perturbar sua pouca sanidade.

Virou-se para entrar novamente em seu apartamento, já estava para amaldiçoar os cinco ventos quando Yoongi sentiu o ar faltar, em sua porta havia mais um envelope pardo preso ao olho-mágico com um pedaço de fita roxa. Claro, após as visitas do casaco rosa sempre haveria os hematomas em seu corpo por tropeçar em algum móvel e um novo envelope para Yoongi guardar de recordação.

Min Yoongi respirou fundo para manter a calma e não sair correndo como um desesperado. Sua mãe lhe ensinara que era feio perseguir pessoas, e se a pessoa não queria ser vista, bom, não seria ele quem gastaria energia e se arriscaria a ter uma tendinite ao seguir alguém que visivelmente não queria ser alcançado. De qualquer forma, já se passaram mais de quarenta segundos, ele ou ela já deveria ter descido as escadas correndo e sumido na calçada, como sempre acontecia. Aceitando sua derrota, o homem de cabelos verdes apenas arrancou o envelope de sua porta e a trancou novamente, descontando na madeira toda raiva e frustração que sentia.

Retornando ao sofá ele se deitou e jogou o envelope no chão, junto com vários outros que havia colecionado ao decorrer dos meses. Todos possuíam o mesmo tom marfim, porém de tamanhos diferentes e o mais novo coleguinha era excepcionalmente grande, o que atiçou ainda mais a curiosidade de Yoongi, mas dessa vez ele estava decidido a não ceder. Ele não olharia, se o ser que lhe mandava tais agrados não queria ser vista, ele também não iria ver seus enviados.

Quando chegavam a sua porta, alguns envelopes carregavam folhas únicas em seu interior, outros, cartas com frases e textos que sempre faziam Yoongi suspirar e gritar contra o travesseiro, sentindo que seu coração explodiria a qualquer momento. Ele sempre pensava nesses mimos que recebia durante a noite em sua cama, não era alguém romântico, mas sempre que ouvia a campainha tocar seu coração acelerava achando que era outro envelope. Houve um dia que sua curiosidade venceu suas obrigações e ele estendeu um colchonete no corredor, esperando que finalmente fosse conhecer aquele que assinava todos os desenhos e mensagens com as letras J e K entrelaçadas.

Mas nesse dia ele não recebeu nada nada. Pelo contrário, passou duas semanas sem ninguém pisar em seu corredor. Era uma mensagem clara: seja lá quem fosse, não queria contato. O sumiço de envelopes durante esse tempo foi uma dica sutil, a pessoa, que Yoongi apelidou de JK por causa de sua assinatura, gostava do anonimato e preferia continuar assim.

E também era um lembrete de que JK poderia vê-lo, mas Yoongi poderia nunca saber quem fazia seu coração palpitar e suas mãos suarem. A curiosidade o fazia beirar o desespero, a cada dia ele ficava mais nervoso, esperando a próxima vez que a campainha tocaria. Sempre esperando.

Sacudiu a cabeça, fazendo o cabelo recentemente tingido de verde balançar. Sua mente era uma confusão e o, ou a desconhecida dos envelopes só piorava tudo. Desligou a televisão que havia ligado para se desistir e, enfim, parou de se fazer de difícil, logo recolheu o envelope - que ele havia dito para si mesmo que não tocaria mais -, e o abriu. Dessa vez além da folha de desenho havia uma pequena nota. Ele pegou primeiro o desenho e o admirou por alguns segundos.

Sua boca ficou seca, ele pode sentir seus pulões travando antes do coração bater loucamente contra a caixa torácica, seus dedos acariciaram o papel sentindo sua textura com um carinho nostálgico. No canto inferior direito estava escrito JK em relevo, como todos os outros papéis e no centro mais um desenho de si mesmo. Ele sentiu um tremor nas mãos quando se deu conta do que a imagem retratava, Yoongi estava olhando para ele mesmo com a roupa que usou para ir até o sarau de sua faculdade dois dias atrás, só que de alguma forma Yoongi estava mais bonito na pintura do que estava na realidade. Caramba, como ele queria ser tão belo na realidade quanto como JK o desenhava.

Descansou o desenho no estofado ao seu lado e pegou o papel que estava solto dentro do envelope, era uma nota simples com letras bem feitas que davam de dez a zero nos garranchos que Yoongi escrevia.

"Eu gosto de 'Because I Love You'.

Não mais do que gosto de você.

- JK"

Seus pequenos olhos se tornaram duas circunferências perfeitas quando seu cérebro lento conseguiu fazer as pontes certas e compreender a referência escrita no papel, ele sentiu o coração falhar a batida e podia jurar que o mundo girava.

Ele entendeu. Ninguém mais entenderia aquela nota, mas Yoongi entendeu: JK estava lá.

Dois dias atrás, o dia em que usou a roupa da pintura que lhe fora entregue hoje sua turma se reunira para um pequeno sarau na faculdade, mais um dos diversos trabalhos que seu professor de história da música inventava quando não queria dar aula, e então Min tocou uma música do Yiruma, justamente aquela a qual JK se referia em seu bilhete.  

Ele mal conseguia acreditar, mas todas as dicas estavam ali esfregando-se em sua cara: JK estava na sua faculdade. Provavelmente um estudante de lá, ou talvez um servidor, quem sabe apenas um passante, não importa! Ele estava lá, e estava tão próximo...

Yoongi segurou o grito de frustração, novamente sua curiosidade foi aguçada, mas nada o ajudava a saciá-la. Nada de novo sob o sol, desde que JK surgira em sua vida migalhas era tudo que ele ganhava.

Após um tempo remoendo no sofá, se culpando por não ter prestado mais atenção nas pessoas que estavam no sarau - como se fosse reconhecer JK sem nunca ter tido mais que traços e papel - , Min levantou-se e seguiu em direção ao seu quarto para colocar a nova arte com as outras que já havia ganho.

Com o passar do tempo, as pastas que havia comprado já não eram capazes de guardar as folhas que recebia de JK e o material da faculdade. Estava em busca de caixas para substituir as pastas cheias quando seu vizinho, que ele sequer lembrava-se do nome, se mudou para um apartamento bem menor e, sem poder levar seu painel de cortiça, perguntou se Min queria o objeto espaçoso. Yoongi achou aquilo perfeito, o painel de quatro metros quadrados lhe serviu como uma luva.

Sem saber onde colocá-lo, Yoongi acabou pendurando o quadro na única parede livre de seu quarto, que era justamente a parede defronte a uma das várias janelas que o apartamento possuía. Mas esta, por ser do seu quarto, ele sempre mantinha bloqueada com uma cortina pesada, pois o prédio em que vivia era de torre dupla, e ele morar em um dos apartamentos mais baratos cuja única vista que ele tinha era do apartamento de seus vizinhos de janela, que ironicamente tinha a mesma arquitetura do seu, fazendo com que todas as suas janelas combinassem.

Yoongi puxou uma tachinha dourada da gaveta de sua escrivaninha e mordeu os lábios enquanto varria seu quadro com o olhar. Desenhos feitos em folhas de tamanhos variados já cobriam mais da metade da cortiça, daqui a pouco ele teria realmente que arranjar uma caixa, ou talvez um quadro maior. Apoiou a nova arte em um espaço livre e forçou a tachinha contra a cortiça. Quando sentiu que a nova folha não cairia, ele se distanciou um pouco e observou os diversos desenhos de si mesmo.

Egocentrismo e narcisismo se misturavam a admiração enquanto ele notava cada traço e imaginava uma garota debruçada sobre um pedaço de papel enquanto tentava recriar a imagem mental que tinha de Min com um lápis. Ele se sentia estranho por gostar tanto da saber que alguém por ai deveria gastar horas de seu dia apenas se dedicando a fazer artes usando-o como modelo, era uma sensação tão boa e ao mesmo tempo parecia tão errado roubar horas de alguém e gostar disso, de ser admirado em cada traço.

A alma de Yoongi era a de um artista, apesar de sua área não serem as artes plásticas, ele sabia reconhecer um bom traçado quando o via. Observar a evolução de JK, desde que começara a mandar artes, explorando diversos estilos e técnicas diferentes e se aprimorando cada vez mais, era algo de tirar o fôlego. E não era porque a pessoa retratada era sempre Yoongi que isso o encantava, mas porque havia um certo carinho visível por trás da forma como ele era feito sobre o papel. JK o adorava de uma forma especial e sabia usar muito bem as cores para isso.

Min Yoongi cruzou os braços, ele podia sentir suas batidas fortes através da camisa de tecido fino que usava, permitiu-se perguntar se o coração de JK batia desse jeito por ele. Yoongi só poderia morrer quando descobrisse quem era esse ser que lhe deixava louco sem lhe dizer uma palavra, sem lhe destinar um olhar, sem toques. Nem que levasse anos, mas ele descobriria quem foi o ser que conseguiu seu coração sem nem ao menos ter entrado direito em sua vida.


Notas Finais


Se alguém quiser ouvir Because I Love You eu recomendo, oh se recomendo. Amém meu amado Yiruma.

A estréia oficial dessa fanfic (ou seja, seu segundo capítulo) só virá dia 06/06. Espero que eu esteja viva até lá, do contrário vocês nunca saberão o que vai acontecer daqui para frente rs

Para quem acompanha MTM: relaxa. Eu retirei a publicação da história para corrigir alguns erros gramaticais e do próprio enredo, a fic não estava seguindo o caminho que eu queria, então resolvi reescrever, pois eu já não me sentia satisfeita com a história. Não há previsão para volta, mas se tudo seguir do modo como eu espero antes do dia 1/06 ela volta. Me desejem sorte!

eh isto

Nana sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...