História "Quando fui chuva" - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Orgulho e Paixão
Personagens Aurélio Cavalcante, Julieta Sampaio Bittencourt "Rainha do Café"
Tags Aurieta
Visualizações 314
Palavras 1.381
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Estupro, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


A casa de vidro é um ícone da arquitetura moderna no Brasil. Ela se encontra na região Morumbi, em São Paulo. Foi criada pelo casal, Lina Bo e Pietro Maria Bardi que morou lá durante alguns anos....

Espero que gostem ♥️

Capítulo 2 - O passeio


Fanfic / Fanfiction "Quando fui chuva" - Capítulo 2 - O passeio


"Ele a puxou e lhe deu um breve selinho a fazendo corar no exato momento, esse ela realmente não esperava."

....................................

Julieta informou a Petúlia que sairia para da um passeio com o Aurélio e que não demoraria. 

Chegando no local que ele a levara ela ficou admirada com tamanha beleza de tal lugar. Ela já havia passado algumas vezes por ali mas nunca olhou como acabara de olhar até mesmo pelo fato de que ela nunca tinha tempo. Aurélio acabara de fazer uma de suas vontades mesmo sem saber.

-Chegamos senhorita! -Falou o dono daquele lindo par de olhos verdes, esticando a mão para a bela dama ainda sentada no banco do carro.

-A casa de vidro! -Falou admirando a bela casa em sua frente -É tão bela. - Segurou a mão do homem saindo de dentro do automóvel.

-Não tão bela quanto você, isso eu te garanto. -Não dispensava nenhuma oportunidade em elogia-la. -Vamos ? - Indagou dando-lhe o braço para que a mesma segurasse.

- Sim, e.... -O encarou com um leve sorriso nos lábios, ela estava realmente entregue a aquele homem e seus cortejos.  -Obrigada pelo elogio. Agora vamos estou curiosa para saber o que me espera.

Ao adentrar naquele monumento ficará maravilhada com tamanha exuberância do mesmo, não conseguira acreditar que passava ali pela frente e nunca se quer cogitou a ideia de entrar lá. Estava surpresa com os quadros expostos nas paredes sem contar com a arrumação acolhedora e um tanto aconchegante.

-Mas é tão... -Ela começou a falar mas logo foi interrompida por Aurélio.

-Inacreditavelmente encantadora? -Indagou o homem com um sorriso de lado, que era lindo por sinal.

-Sim. Exatamente isso. -Disse com um sorriso que demonstrava toda sua empolgação. O pulxou pela mão até parar em frente a um quadro meio curioso com cores e formas abstratas, bem interessante por sinal. Mas no fundo da imagem havia uma garota de costa com um vestido longo de cor branca o que deixara o quadro ainda mais curioso.  

Continuaram a olhar os outros quadros na parede, cada um parecia contar uma história diferente, mas não só os quadros chamavam atenção em tal lugar, tinha alguns móveis diferentes do comum, as paredes de vidro onde dava para tudo lá fora o que tornava tudo mais lindo. 

Julieta Bittencourt a Rainha do café estava parecendo uma criança a conhecer uma loja de brinquedos, totalmente encatada e curiosa para ver mais coisas que se encontravam ali. Aurélio estava encantado com tamanha beleza que aquela mulher exibia com ambundancia, o brilho do olhar dela era perfeitamente visível.

O tempo voou e logo ela teria que voltar a ser a destemida Rainha do Café, lembrou-se que ainda estava brigada com seu filho então seu coração se apertou, teria que ter uma conversa séria com ele coisa que ela estava adiando por medo da reação de seu filho, o medo de perder seu menino tão amado mas uma hora ela tinha que enfrentar todo o seu medo. Se sentia uma péssima mãe pelo que fez. Automaticamente seu semblante mudou, ela ficou triste de repente e seu sorriso logo desapareceu de seus lábios, por sua vez Aurélio logo percebera a mudança de seu semblante.

- O que lhe ocorreu meu amor ? - Indagou segurando sua mão

-Nada, não foi nada- falou forçando um sorriso e tentando não encara-lo

 Ele a giou ate o jardim da grande casa para que podessem ficar a sós e assim conversarem, sentaram no banco em frente a uma bela estufa.

- Você ficou triste de repente, não entendo estava tão feliz logo a pouco... -Ele falou expressando sua preocupação.

- É Camilo.... -O cortou - Meu filho me odeia e odiará ainda mais quando souber o que eu fiz 

-Não fale assim! Seu filho te ama, ele irá entender que o que você fez foi por amor a ele. -Ele falou erguendo a cabeça da dama ao seu lado fazendo com que ela o encarasse.

-Não tenho tanta certeza assim, o que eu fiz é imperdoável. -Falou deixando uma lágrima solitária escorrer pelo canto de seus olhos.

Ele não falou nada apenas abraçou ela lhe passando todo o conforto possível, ela por sua vez se deixou levar por aqueles braços, não recuou, precisava daquele abraço, de sentir-se protegida por aquele homem que lhe dava tanto carinho. Precisava sentir os braços fortes de seu homem em volta de seu corpo, Sim "SEU homem", ele era dela tanto quanto ela era dele. Passados alguns minutos ela se recompoe saindo dos braços de Aurélio e pondo-se de pé.

-Vamos para casa. Já está quase na hora do almoço. -Disse arrumando por fim seu elegante vestido preto. 

-Vamos sim. -Ele se pôs em pé de frente a ela, ficou fitando aquela mulher por alguns segundos. 

Quando viram já estavam num beijo arrebatador, fora um beijo delicado, carinhoso, cheio de amor. Ela se perdera naqueles braços com o gosto daqueles lábios.

-Me desculpe por ter avançado ontem. -Disse ele ao separar seus lábios e juntar suas testas.

-A culpa não é sua meu amor.... Eu ainda não estou pronta e realmente não sei quando estarei. -Se pronunciou agora olhando nos olhos de seu amado.

-Eu a entendo. E como havia dito ontem eu esperarei seu tempo. -Falou tocando-lhe o rosto. -Mas espera.... Foi impressão minha ou a Rainha do Café me chamou de MEU AMOR?. -Disse com um sorriso irônico nos lábios e dando ênfase no "Meu amor".

-Sim, seu bobo -Falou sentindo suas bochechas corarem. -Agora vamos logo para casa. -Falou com um tom doce na voz 

Passaram pelo jardim da bela casa até chegar em seu automóvel. Aurélio abriu a porta para que Julieta entrasse, mas antes ele lhe roubou um selinho um pouco demorado mas não intensificaram o mesmo.

-Você está louco homem?! Alguém pode nos ver. -Disse ela num quase sussurro.

-Senhora entre por favor. -Ele fingiu que não escutou o que ela havia dito, e permaneceu com seu semblante um pouco irônico.

Ela adentrou no carro, ele fecha a porta e se dirige ao outro lado, tomando seu lugar de motorista da mulher a seu lado, ele a levaria ao paraíso se a mesma pedisse.

-Sou completamente louco de amor por você. -Falou num sussurro quase imperceptível porém ela havia escutado.

-O que você disse ?. -Perguntou a mulher encarando aqueles belos olhos verdes. Ela havia escutado muito bem mas queria ter a certeza de que fora realmente aquilo que ela escutou. 

-Não disse nada -Tentou parecer confuso diante daqueles olhos.

-Você falou sim, não estou ficando louca muito menos escuto coisas. -Ela deu um leve sorriso, estava confusa. Tinha escutado realmente ou fora uma peça pregada pelo seu cérebro?

-Senhora a senhora tem tanta certeza de que falei algo. Repita talvez escutando eu me lembre se realmente falei ou não. 

-Sou completamente louco de amor por você. Foi exata..... - Ela falou de supetão e logo teve a fala roubada por Aurélio.

-Eu também sou completamente louco de amor por você minha rainha. -Então a tomou em um beijo, um beijo quente, viciante. separaram-se apenas quando precisavam de ar.

-Você é um bobo mesmo. -Sorriu por fim, tinha percebido o que ele acabara de fazer.

-Se sou um bobo.... Sou o seu bobo, é um bobo muito feliz em ter você ao meu lado.

Deu-lhe outro beijo e voltaram para a mansão. Ela havia passado o caminho todo arpeciando a beleza daquele homem, e seus pensamentos começaram a surgir como devaneios. "Que homem! Ele não é igual ao crápula do Osório, ele é doce, gentil, carinhoso, e te respeita acima de tudo! Julieta o que está esperando? Se entregue a esse homem de corpo e alma. -Não posso. -Pode sim permita-se ser amada e amar. Olhe ele, esta claro em seus olhos que ele a ama e nunca machucaria você. -Ele é um verdadeiro príncipe, eu o amo, afinal ele é o meu bobo, sim MEU bobo.

Parecera mais um briga entre sua razão e seu coração onde o coração ganhara a guerra. Ela sorriu com tais pensamentos nunca imaginaria está ali pensando nisso depois de tudo que ela sofreu na vida.

Chegaram logo em casa, foram cada um para seus quartos lá se banharam e foram almoçar, trocas de olhares eram presentes entre os dois.

Não ficaram mais sozinhos apenas os dois, estavam rodeados com todos os amigos, só faltava Camilo e Jane para a felicidade está completa.

Logo todos foram para seus aposentos, um longo dia os aguardaria amanhã. 





Notas Finais


Desculpem os erros.
Espero que tenham gostado
Logo logo postarei mais
💕😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...