História Nos amamos, isso que importa ( Kim Namjoon - RM - BTS ) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Bottom!namjoon, Bts, Imagine Namjoon, Kim Namjoon, Namjoon!bottom
Visualizações 170
Palavras 1.386
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Crossover, Drama (Tragédia), Droubble, Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Orange, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Capítulo 1


Passava das 00h e eu permanecia a olhar em Taeyang, o pequeno dormia tranquilamente abraçado a sua pequena pelúcia de elefante. O pequeno mesmo tendo seus 2 anos e 10 meses, parecia ter mais pela altura e feições idênticas ao pai. Quem olhava o mesmo pensava ter uns 4 a 5 anos. Sem contar o seu jeito lindo de falar.


Realmente, eu amava meu pequeno mais que tudo, deste a primeira vez que o ouvi seu choro na sala de parto, não consegui sair de perto dele. Talvez fosse porque meu marido vivia fazendo turnês e no studio, e meu bebê fosse idêntico ao próprio pai.



Namjoon é um ótimo pai, sempre deu e dá o máximo de si para dar o bom e do melhor para Taeyang, mas ultimamente tem se afastando. Por ele ser compositor e rapper famoso, acaba passando muito tempo no estúdio, tem vezes que dorme lá mesmo. Eu não queria, mas por causa disso, nosso casamento de quase 4 anos está indo de mal a pior eu sinto falta dele, das noites que passamos falando de tudo, das suas carícias, dos beijos doces e de seus toques. Eu posso ser muito egoísta, mas eu apenas sinto falta do meu marido.



Hoje era um daqueles dias que eu dormia no quarto do Taeyang, para não dormir sozinha na grande cama de casal do meu quarto e de Namjoon. Pois o mesmo, ainda não havia chegado do trabalho e não chegaria nem tão cedo.



Eu tentava não pensar que ele estava me traindo, eu já fui traída antes de namorar ele, e eu me machuquei. E não quero me machucar mais. Ele não jogaria fora esses quase 4 anos, eu espero.



Eu continuava sentada a olhar meu pequeno. Eu precisava resolver isso de qualquer forma, mas deveria esperar até o próximo dia, já que meu marido está no estúdio. Sinto um vento frio bater em meus ombros causando um arrepio, por estar apenas com uma camisola de tecido fino e cinza. Levantei e fui fechar a janela que estava entre aberta.



Assim que fechei olhei para Tae, e notei que ele estava apenas com uma manta fina esverdeada. Andei devagar até a porta, a abrindo lentamente para não acordar o pequeno. Sai fechando a porta atrás de mim, andei até o final do longo corredor, entrando na porta do meu quarto.



Fui até meu quarda roupa e abri as portas duplas do meio, estiquei meus braços e peguei um edredom florido. Fechei a porta e logo escuto a porta da frente ser aberta, meu coração se aperta e eu apenas finjo que não escutei. Abraço o edredom contra meu corpo e saio do quarto, ando até a metade do corredor e vejo a luz da sala ligada, passo na frente da escada e contínuo até o final da mesma.



Abro lentamente a porta do quarto me deparando com Namjoon sentado na cama fazendo um carinho no cabelo de Tae. Paro por um segundo e fico o olhando, o mesmo nota minha presença e me olhou com a expressão cansada e triste. Desviei do seu olhando indo até do outro lado da cama do pequeno e abro o edredom, cobrindo o mesmo, arrumando-o sobre ele.


Namjoon me olhava atentamente, o'que me deixava nervosa. Eu e ele não erramos mas os de antes, eu o amava mais que tudo, mas me sentia distante, e o único que fazia nós nos aproximamos novamente era Taeyang. Dei um selar na testa do pequeno, e me virei para a porta, sem olhar para trás.



Abri a porta lentamente, e sai logo em seguida, andei em passos rápidos até meu quarto, escutando o barulho da porta se fechada. Eu entrei e fui até o banheiro, acendi a luz e peguei minha escova de cabelo, escovando meus cabelos.Vejo o loiro me olhar enquanto se apoiava no batente da porta, ele tinha o olhar sobre mim, mas eu mantinha meu olhar no meu reflexo.



– Jagiya — a voz do maior saiu manhosa, enquanto continuava a me olhar. O respondi com um “hum” baixo — a gente pode conversar?


— A gente já está conversando Namjoon — não queria ter sido rude, mas eu estava magoada.


— O que aconteceu com a gente? — sua pergunta me pegou desprevenida, fazendo eu parar de pentear meus cabelos e olhar para minhas mãos apoiadas na bancada.


— Eu não sei — respondi baixo — talvez você tenha se cansado de mim, do nosso casamento, da nossa família, eu não sei, eu apenas não sei Namjoon — acabei soltando e o olhei sentindo meus olhos se molharem.



Uma das coisas que eu mais me odiava em mim; ser sensível, qualquer coisa fazia eu chorar. Eu odiava isso, me demonstrava ser fraca para qualquer um. Odiava não, odeio.



— Eu nunca me cansaria de você amor, muito menos da nossa — ele diz puxando meu pulso, fazendo meu corpo se chocar com o seu.


— Namjoon você está perdendo o crescimento do seu filho — não queria ter sido rude novamente, mas eu queria por oque eu estava sentindo para fora — ele já desistiu de te esperar, ele não pergunta mais de você, ele vive calado, Namjoon, ele quer um pai presente — joguei tudo oque queria falar, e apenas senti o maior colocar sua cabeça no meu ombro e soltar uma fungada.


— Me desculpa — ele falou com a voz meio embargada me abraçando firmemente — eu… me desculpa por isso jagiya.


— Namjoon, olha para mim — me mantive forte e vi o mesmo me olhar nos olhos, tendo eles levemente vermelhos — tenta tirar umas férias, seu filho precisa de você. Ele te ama e quer poder ter um pai para lhe-contar conselhos a, amor — segurei seu rosto em minhas mãos o-olhando nos olhos — e eu também te amo, mas sinto falta de você, muito para ser exata. Nunca se esqueça; eu te amo e seu filho te ama, seja forte e não deixe o trabalho te consumir por inteiro, se quiser desabafar eu to aqui — ele me olhava com a expressão triste enquanto eu falava, ele parecia cansado — vai tomar um banho, que eu vou fazer uma massagem em você — mesmo estando chateada eu queria me aproximar dele, e não hesitei em querer fazer uma massagem nele, que o mesmo tanto gosta. Ele deu um sorriso e eu saí do banheiro indo até a cama me sentando.



Escutei o barulho do chuveiro ser ligado, me encostei minhas costas no travesseiro e peguei um livro que estava lendo. Quando dei por mim, Namjoon estava saindo do banheiro de toalha, indo até o guarda roupa, e pegar um moletom preto logo o vestido. Ele estendeu a toalha e veio até a cama, se deitando de barriga para baixo.



Já sabendo oque fazer, me sentei sobre seu bumbum, tendo a visão de suas costas com pingos de águas.



— Você nunca seca suas costas né? — perguntei enquanto colocava minhas mãos sobre suas costas começando a massagear toda a área.


— Eu tenho preguiça de secar, você sabe — respondeu rindo, sendo seguido por meu riso.





Minhas mãos passavam por toda sua costa, ombros, braços e cintura. Eu amava fazer massagem nas pessoas, e todos diziam que eu fazia muito bem e que eu devia investir nisso, mas era apenas um hobbie. Após eu casar passei a fazer massagem em Namjoon, nos dias em que ele chegava cansado e com dores nas costas. Ele dizia amar minhas massagens, eu deduzo ser umas das coisas que ele mais gosta em mim. Quando Taeyang nasceu, eu passei a fazer mini massagens nele, para o sangue circular corretamente. Mas com o crescimento dele parei com essas minis massagens. Assim que essa mini “grave de casamento” começou, eu também parei de fazer essas carícias em Nam, eu me sinto ainda distante dele e não vai ser um massagem que vai fazer tudo voltar ao normal, mas pode ser um passo de tudo voltar ao normal.



Quando dei por mim, meu marido estava com a respiração pesada, oque mostrava que estava dormindo. Sai de cima dele e me deitei ao seu lado puxando o edredom para nos cobrir. Virei de costas para o mesmo e fechei os olhos. Quando estava perto de pegar no sono sinto o mesmo me puxar, me abraçar na cintura e colocar sua cabeça em meu ombro.



"Eu te amo, nunca se esqueça disso"


Continua?....


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...