1. Spirit Fanfics >
  2. Nós (Jortini-Leonetta) >
  3. Capítulo 8

História Nós (Jortini-Leonetta) - Capítulo 8


Escrita por:


Capítulo 8 - Capítulo 8



POVS TINI 


- Chega Fran! 


- Me arrependo muito de ter apresentado você pra ele. - disse se levantando da mesa - Depois não... 


- Paul.. - o olhei entrando 


- Opa. - ele se aproximou de mim e me beijou no rosto - Saudades gatinha. Nem se despediu de mim, por que?


- O que você faz aqui? - perguntou Fran 


- Pronto! - voltou Babi - Alarmou sozinho. 


- Olha o Fran... de namorada nova. - dizia Paul - E o braço, tá melhor? 


- Cala boca! - disse Fran, e Babi foi pro lado dele 


- Vem Paul! - o puxei pra subir até meu quarto - Boa festinha pra vocês! 


Subi com Paul até meu quarto. 


- O que faz aqui? 


- Eu pensei em te fazer uma visita. - ele sorriu - Não gostou da surpresa? 


- Você sabe que eu e você não voltamos e... 


- Eu sei, Tini. - ele me beijou - Só achei que estivesse com saudades. 


- E como entrou na portaria? 


- Ah, meu nome estava autorizado lá ainda. 


- Paul, você não pode chegar assim do nada. - falei - Você tem sorte que meu pai não está em casa. 


- Eles de novo estão te controlando? Seu pai e o Fran? 


- Eles só querem o meu bem. - falei - Enquanto você, só me controlava por ciúmes. 


- Isso é passado. 


- É sério, quando você for vir, tem que me avisar. 


- Certo. - dizia - E você o jogador, ainda tem algo? 


- Nós nunca tivemos. 


- Eu sei que tiveram, mas ai sentiu minha falta, se não você não teria ido em casa ontem, estou errado? 


O mesmo Paul de antes ainda estava ali. Eu podia sentir. 


- Paul, eu tenho muita coisa pra fazer hoje.. Queria ficar sozinha. 


- Agora de noite? O que de tão importante tem pra fazer do que ficar com o seu namorado? 


- Nós não temos mais nada, isso tem que ficar bem claro. 


- Mas poderíamos ter de novo..


- Paul, fala sério, de verdade.. não mente para mim. Por que você decidiu não enviar mais aquelas fotos pra imprensa?


- Meu advogado me aconselhou melhor, eu iria me ferrar. 


- Então não se importou comigo? 


- E ai só depois eu pensei em você. - disse - Sabia que não iria te ter de volta. 


- E nunca mais terá! - falei enquanto pegava na mão dele para guiar até a saída da minha casa - Vai embora! 


- O que foi que eu te fiz? 


- Você disse o que eu queria escutar. 


- O que? 


Empurrei Paul pra fora de casa e pude notar Fran e Babi da cozinha, escutando e vendo tudo. 


- Vai embora! 


Fechei a porta de casa e me encostei na parede. 
Eu tentei acreditar na mudança de Paul, mas tudo que ele queria era me ferrar mesmo, e quando soube que isso o prejudicaria, pensou melhor. 


- Está tudo bem? - perguntou Fran - Eu já estou indo se precisar de algo... 


- Só quero aquela garrafa de GIN que o pai guardou. - fiquei procurando - Você sabe em que lugar ele colocou? 


- Nada de bebidas, Martina. 


- Chega Francisco de ficar dizendo o que eu devo fazer. - falei ainda procurando - Me deixa!


- Cara, para com isso. - ele me segurou - Para Tini, escuta o teu irmão que só quer o seu  bem.


Apenas o abracei. Eu sabia que ele só queria o meu bem, era meu irmão, meu melhor amigo. 


- Babi, pode ir. Eu te vejo amanhã. - dizia Fran para ela - Preciso ficar com ela. 


- Sem problemas. - disse - Vocês podem me ligar a qualquer hora se precisarem de mim. 


- Pode deixar. - respondeu Fran - Me liga quando chegar. 


- Tá. - ela mandou um beijo pra ele de longe e saiu 


Assim que Bárbara saiu, sentei no sofá, um pouco mais calma e fiquei conversando com Fran. 


POVS JORGE


Estava esperando Fran e Bárbara chegarem, eles iriam passar a noite aqui, porque queriam me apresentar um som que haviam feito. Fiquei jogando vídeo game enquanto eles não chegavam. Alguns minutos depois, escuto a voz de Babi. 


- Jorgito? - entrava Babi colocando sua bolsa no sofá - Tudo bem? 


- Tranquilo. - falei concentrado - E cadê seu namorado? 


- Mudanças de plano. - respondeu pegando o outro controle - Coloca eu no jogo ai também. 


Pausei o jogo e arrumei pra ela jogar também. 


- Aconteceu algo entre vocês? 


- A Tini teve uma discussão com o Paul e.. 


- Pessoalmente? Ele estava lá? 


- Chegou depois. - respondeu - E tiveram uma pequena briga, acho.. bom, não sei direito. E quando estávamos prontos para vir, ela começou a procurar bebidas.


- Ela acha que os problemas são resolvidos assim, bebendo. 


- Ela te ligou? 


- Ligou. - respondi - Ela está brava comigo, eu senti isso, mas não sei o motivo. Talvez seja porque eu vou ser pai, mas eu não a conhecia. Não tenho culpa!


- Na verdade ela acha que você não vai assumir a criança. - falava - Fran disse que ela estava lendo as notícias.. 


- É isso então?! - larguei o controle de lado - Eu preciso falar com ela. Vou tentar de novo. 


- Eu vou tomar um banho e dormir. - falou se levantando - Estou caindo de sono. 


- Vai lá, boa noite. 


- Boa noite! 


Assim que Babi subiu, liguei para Martina. Ela atendeu na segunda chamada. 


Ligação On 


- Oi Tini.. 


- Oi.. 


- Liguei pra saber como você está. 


- Bem.. bem.. - dizia pausadamente - E você? 


- Em recuperação. - falei - Porque se não estivesse, teria pegado o carro e já estaria aí. 


- Jorge... 


- Não, me escuta por favor. - a cortei - A notícia de que você viu que eu não assumiria meu filho, é mentira. A Gabriela, a mulher que está grávida de mim, pensou que eu não iria assumir a criança porque eu não atendia os telefonemas dela.. Eu realmente não estava atendendo e nem respondendo porque pensei que ela queria algo, mas eu não sabia do bebê. E agora que eu soube, quero essa criança, eu vou assumir.


- Fico feliz por você. 


- E nós? - perguntei 


- Primeiro você precisa pensar em cuidar da mãe do seu filho. 


- Martina, eu vou cuidar, sou homem o suficiente pra isso. - falei - Eu quero saber de nós. 


- Jorge, eu não estou muito legal hoje. - falava - Será que a gente pode conversar outra hora? 


- Você pode vir em casa amanhã no final da tarde? 


- Se der tempo, assim que eu terminar de gravar passo aí. 


- Tá bom. - sorri - Eu te espero. 


- Beijos, Jorge! 


- Beijos, Tini! 


Ligação Off 


Fiquei jogando mais um pouco e acabei dormindo. 


POVS TINI 


Passei a noite conversando com Fran. Ele nunca me deixou sozinha nos momentos mais difíceis. Assim que peguei no sono, ele foi dormir também. Acordei com um barulho de construção. 


- O que está acontecendo aqui? - perguntei sonolenta ao ver Fran acompanhando a obra 


- Enquanto o pai e a mãe viajam, eles pediram pra reformar o quarto. Só estou aqui pra acompanhar mesmo. 


- Que horas são? 


- 11h30. - respondeu - Não quis te acordar. 


- Fran, eu tinha que ter acordado 10h30. - falei correndo pro meu quarto 


- Desliguei seu despertador, queria que você dormisse bem. - falava enquanto me seguia - Foi mal. 


- Vou ouvir umas boas hoje. - falei enquanto escovava os dentes - Ainda bem que só tem hoje e amanhã pra acabar. 


- Quer tanto que acabe? 


- Quero. - falei - Preciso tirar um tempo pra mim.


- Certo. - disse saindo - Vou deixar você se trocar. Vou pedir pra Sol deixar um lanche pra você separado. 


- Tá bom, obrigada.


Me arrumei rapidamente. Comi o lanche e tomei um suco que Sol havia preparado. Peguei a chave do carro e fui. 
Chegando, achei que iria tomar alguma bronca, mas não havia começado, por sorte. Dei uma lida no texto enquanto isso. 


(...)


Depois da gravação, fiquei pensando se iria ou não encontrar Jorge. Pensei muito e cheguei a conclusão de que eu precisava escuta-lo, talvez estava sendo egoísta, do mesmo jeito que ele foi comigo no começo, mas mesmo assim ele conversou. Mandei mensagem para ele dizendo que estaria a caminho. 
Assim que cheguei, vi um homem com uma maleta saindo. 


- Oi. - entrei - Jorge? 


- Oi. - ele sorriu - O fisioterapeuta acabou de sair. 


- E como está? - perguntei cumprimentado - Consegue pisar no chão?


- Estou melhorando. - disse - Consigo, mas ainda dói um pouco. 


- Você vai ficar bem logo. 


- E você, como está? 


- Bem.. - falei não muito convencida - Bem.. 


- Não parece. - falou - Está com uma carinha triste. 


- Estou cansada. - falei enquanto sentava ao seu lado - Só isso. 


- Oi Tini! - apareceu Lizz - Como você está? Quer algo pra beber? 


- Oi Lizz. - sorri - Estou bem e você? Quero não, obrigada. 


- Bem. - disse - Qualquer coisa, só me chamar. 


- Ei, Lizz. - a chamei assim que a vi saindo 


- Oi?


- Aquele dia com a Mel..  


- Não esquenta, ela vai ficar com o pai, não vai atrapalhar. 


- Não, imagina. - falei - Eu queria conhecer ela melhor. Ela ficou tão feliz aquele dia e eu.. bom, você sabe. 


- Ela vai ficar muito feliz! - dizia Lizz sorrindo 


- Quando você trouxer ela, avisa ao Jorge e ele me avisa. - disse - Quero muito me redimir com ela. 


- Eu ia levar as crianças no jogo para te ver, Jorge disse que você estaria lá. - contava - Mas o Tom ficou febril, achei melhor evitar. Mas assim que tiver outras oportunidades, ela vai adorar te conhecer. 


- Também vou adorar. - falei 


- Bom, eu já vou indo. - dizia Lizz - Qualquer coisa, vocês podem me ligar. 


- Não se preocupe, Lizz. - disse Jorge - Até amanhã! 


- Até querido. Se cuida! 


Assim que Lizz saiu, eu e Jorge ficamos sozinhos. 


- Desculpa por.. bom.. não te escutar.. 


- Está tudo bem. - disse 


- E ela vem morar com você? 


- Achei melhor. - disse - Ela veio para Argentina sozinha.. 


- Está certo. - concordei - Ela vai precisar bastante da sua ajuda. 


- E nós?


- O que tem “nós”?


- Isso tudo não vai interferir na nossa relação. 


- O ideal seria você esperar seu filho nascer. - falei - Já imaginou o que a mídia vai achar disso tudo? 


- Eu estou um pouco me importando pra mídia, Martina. - falou olhando nos fundos dos meus olhos - Eu quero você. 


- Jorge, não faz isso, por favor. - pedi enquanto olhava para seus lábios - Eu acho que...


- Que.. - ele selou nossos lábios - Te quero tanto... Gosto tanto de você!


Ele me deixava louca. Ele era o cara. Acabei de sair de um relacionamento e não queria me machucar de novo. Pelo pouco que conheço Jorge, sei que jamais ele me machucaria, o problema é que isso vai acontecer e nenhum dos dois irá conseguir evitar.. Eu sei..


- Jorge.. - me afastei


- Martina, qual é o problema? A gente se gosta... Ou você não..


- Eu gosto muito de você. - falei me levantando - Só queria um tempo..


- Tempo? sério? quanto tempo?


Escutamos vozes se aproximando..


- Jorge! - vinha uma voz masculina chamando por ele - Jô?


- Estou aqui, Dan! - respondeu se ajeitando no sofá


Era um garoto, de uns 18/19 anos mais ou menos..


- Eu já... - ele me olhou - Não sabia que estava com visitas.


- Essa é a..


- Eu sei quem é, Jô. - ele me olhava - Oi, Tini.. né?! Você é muito mais bonita pessoalmente, com todo respeito. Prazer, Daniel.


- Oi..prazer. - o cumprimentei - Obrigada!


Eles ficaram se olhando, Jorge fazia uns gestos para que ele não falasse algo..


- Eu já estava indo. - falei para deixá-los a sós - Está ficando tarde.


-Consegue vir aqui amanhã? - perguntou Jorge - Precisamos conversar, Tini.


-Te mando mensagem. - falei 


Me despedi com um beijo em seu rosto e sai. Assim que entrei no carro, me dei conta que havia esquecido minha bolsa, logo voltei.. já estava ali mesmo.
Antes que eu entrasse pra entrar, pude escutar um pedaço da conversa de Jorge e seu irmão.


- Como assim Dan? - indagou Jorge


- Ah, não sei Jô. - dizia o garoto - Só sei que ela disse que vai dormir essa noite lá em casa e depois vem pra sua.


- Mas eu falei pra ela ficar lá com vocês até eu melhorar. - falava Jorge - Eu não vou nem conseguir dar o suporte que ela consegue direito. Não vou conseguir ir com ela nos lugares...


- Ela parece ser bem cabeça dura.


- Saco! - disse Jorge com um semblante nada legal - Será que tem como fazer exame de DNA antes da criança nascer?


- Cara, você tá desconfiando dela? - indagou Daniel - Você só pode estar doido..


- Eu não sei.. - ele colocou a mão no rosto - Minha vida estava se endireitando.. Pega aquele whisky ali pra mim.


- Não! - disse - Para com isso, Jô. Você não vai ter uma recaída de novo. PARA!


Jorge colocou a mão na cabeça e ficou pensativo.


- E tem mais.. - dizia Dan


- Tem?


- Tem! - dizia - Vem ela e mais duas amigas.


- Mas ela disse que havia vindo sozinha para cá.


- Parece que já estão no avião. - disse - Que encrenca você se meteu Jorge. Pelo menos vou ser tio.


- Eu não sei nem o que pensar. - falava olhando o celular - O que eu faço?


- Nem eu sei. - disse Daniel - Dá uma ligadinha pra Babi, ela sabe melhor do que eu.


Achei melhor deixar minha bolsa ali mesmo, outro dia eu pegava ou pedia para Babi pegar para mim. Se eu entrasse no meio da conversa deles, Jorge certamente saberia que eu fiquei escutando. Voltei para o carro de fininho e fui pra casa. Encontrei ninguém em casa, subi para meu quarto, tomei um banho e antes de deitar, fiquei lendo alguns textos que eu ainda não havia decorado 100%.


POVS JORGE


Depois que Tini saiu, Dan ficou me fazendo companhia e acabou ficando para dormir.
Ele me contou que Gabriela iria vir pra minha casa amanhã junto com 2 amigas, fiquei a madrugada toda pensando em tudo e peguei no sono.
Por volta das 10h da manhã, fui acordado por Lizz.


- Querido, a Gabriela está ai. - dizia - Vai recebe-la.


- Já vou! - falei sonolento


Fiz minha higiene matinal e fui descendo as escadas bem devagar. Assim que cheguei na sala, Dan estava tomando café e me ajudou me acomodar até a mesa.


- Cadê ela? - perguntei para Dan


- Foi pegar as malas. - disse - E não são poucas.


Alguns minutos depois, Gabriela aparece com muitas malas..


- Pensei que um cavalheiro iria me ajudar. - dizia Gabriela - Como está Jorge?


- Estou com a perna ruim, se não te ajudava. - falei


- Você pode me ajudar, Danielzinho.


- Estou tomando café. - falou Dan de boca cheia


Ela soltou algumas coisas que estavam na mão no chão.


- Que história é essa de mais duas amigas suas estarem vindo ficar aqui em casa também?


- Mas você é fofoqueiro, hen menino?! - ela olhava para Daniel - Não falei que eu ia contar quando chegasse?


- Você não respondeu minha pergunta. - falei olhando


- Elas vão me ajudar. - dizia se sentando na mesa também - Porque você não vai conseguir.. Eu sou mulher, Jorge.


- Você tem a minha mãe, a Lizz, Babi...


- Agora já foi. - disse - Elas chegam hoje de noite.


- Eu acho melhor alugar ou flat, uma casa, apartamento.. alguma coisa pra você. - falei - E ai você se ajeita com elas.. Eu gosto do meu espaço, do meu cantinho, Gabriela.


- Não vai ver o crescimento da criança? - ela colocava a mão na barriga


- Meu Deus, Gabriela! - exclamei - Não to afim de discutir..


- Meu Deus, Gabriela mesmo.. - repetiu Daniel - Muito drama você faz.


- Você já viu o médico(a) que vai passar? Precisa marcar as consultas. 


- Tenho que procurar isso.. e logo. - falava se levantando - Agora, em qual quarto eu me acomodo?


- No do Jorge. - disse Daniel - É bom ele ficar do seu lado pra ver a barriga crescer e tals..


- Fica quieto. - dei um tapa de leve na sua cabeça - Pode ficar com o do meio, é bem aconchegante.. Agora você vê como vai fazer com as suas amigas, tem mais 2 quartos.. só que o do fundo não é para mexer.


- Certo, depois eu vejo. - ela pegou as malas do chão - Vou me acomodando já.


Gabriela foi levando aos poucos suas coisas para o quarto. Assim que ela desceu novamente, me encostei no sofá e vi uma bolsa..


- Faltou essa aqui. - falei entregando


- Não é minha. - ela olhou - Trazendo mais garotas pra dentro da sua casa? Cuidado pra não engravidar elas.


- Deve ser da Babi.


- Babi não usa bolsa assim. - dizia Daniel - E eu já vou indo..


- Danielzinho, você vai comigo buscar minhas amigas mais tarde?


- Não coloca meu irmão no meio disso. - interrompi - Peça um taxi à elas.


- Chato! - disse Gabriela


- Bom, já vou indo. - falou Dan pegando a chave do seu carro - Jô, me liga se precisar de algo.


- Pode deixar.


Assim que Dan saiu, Gabriela se aproximou de mim..


- Quem é a garota que te fez ficar caseiro?


- Do que você está falando?


- Ah, Jorge.. Qual é?! Você sabe do que estou falando.


- Essa barriga ai não está muito grande pra quase 2 meses não?! - mudei de assunto


Gabriela estava de top, então dava pra notar a barriga.


- Isso depende de cada pessoa. - disse


Ela pegou na minha mão e colocou em sua barriga..


- Consegue sentir? - ela sorria


Acabei me empolgando e fiquei tentando ver se o bebê chutava.. fiquei colocando a orelha em sua barriga, passava a mão... quando me deparo com Babi e Tini olhando.












Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...