1. Spirit Fanfics >
  2. Nosso passado e nosso futuro ( Maricat e Adrienette) >
  3. Cap 1

História Nosso passado e nosso futuro ( Maricat e Adrienette) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi
Tô escrevendo essa história porque eu sonhei com ela. Foi tão real que eu começei a escrever. Meu shipp favorito é Maricat/Marichat mais um motivo pra eu querer escrever.
Coragem se você leu a sinopse e mesmo assim vai ler o cap kkkkkk eu não achei que ficou das melhores mas eu gostei.

Eu estava em dúvida se me consentra vá em aperfeiçoar alguns rascunhos e atualizar algumas fics (atrasadas) ou postava minhas novas histórias e deixava o resto pra depois. Porém eu quero saber a reação de vcs com essa história em particular por isso me arrisquei e tô postando.

Agora sim, Boa leitura ⭐

Capítulo 1 - Cap 1


Fanfic / Fanfiction Nosso passado e nosso futuro ( Maricat e Adrienette) - Capítulo 1 - Cap 1

A azulada estava tentando se concentrar em seu dever de biologia mas era quase que impossível. Estava estressada ao extremo, ser representante de turma nunca fora tão difícil, ainda teria que equilibrar o "estágio" de moda e ajudar seus pais com a nova padaria que seria logo inaugurada se tornando mais uma das 15 na rede de confeitarias "Cheng".

A correria estava lhe afetando.

E sem contar que ultimamente vinha se sentindo... incompleta, faltava algo ou... Alguém. Já tinha tentado relacionamentos várias vezes dos mais sérios aos amassos com um desconhecidos de uma festa. Mas sempre terminava-as vezes do pior jeito-; queria alguém que a completasse e se sentisse única alguém que a faria se sentir especial e amada. Mas por ironia do destino nunca havia encontrado alguém que "preenchesse" seus "simples" requisitos.

Desistiu de escrever algo descente nas questões . Havia descido que não iria a escola amanhã inventaria alguma desculpa pra não ir; precisava, merecia de um discando digno.

***

Em outro lugar(alguns dias atrás)

A sala escura e vazia trazia um ar sombrio,o vento era gélido,a neve caia com graça pelo lado de fora da única  janela existente lá.

-Por que me chamou? Justo nesse fim de mundo?- falou olhando pra janela, não queria manter contato visual com pessoas que o relembrassem o passado.

-Assuntos importantes devem ser ditos em lugares seguros. O que seria mais seguro do que um lugar como este meu jovem, onde há poucas almas vivas?

-O tempo passa mas continua sábio. Deveras intrigante.

-Não precisa deste vocabulário tão formal, eu aderi o tempo e as atualidades.

-Certo. Mas suponho que deve ser algo muito importante pra tanto mistério mestre.

-Sim; mas talvez você não esteja preparado pra essa conversa.-disse com pena na voz

-E por que eu não estaria?

-É um assunto delicado.-pronunciou pacífico

-Não importa o que seja,diga- queria ir embora o mais rápido possível o ambiente havia ficado um pouco incomodo

-É sobre... a Princesa

O mais jovem arregalou os olhos 

-O que tem ela?

-Ela...

-Ela?

-A princesa reencarnou 

-É impossível!!!! Isso é mentira- passou as mãos no cabelo negando com a cabeça, estava começando a se acostumar com a ideia de não tê-la mais em seus braços-quem queria enganar nunca se acostumaria com isso-. As palavras foram como bombas.

-Na verdade nunca foi impossível.-proferiu o mais velho com receio na voz

-Então por que não me disseram nada? Centenas e centenas de anos... SOFRENDO ACHANDO QUE A PERDI!!!!! A CULPA E DESESPERO- lágrimas de felicidade, ansiedade, e raiva saim descontroladamente em meio aos gritos 

-Não tínhamos certeza, não iríamos lhe dar falsas esperanças! Mas isso não faz diferença. Ela agora é uma nova pessoa, não se lembra de quem  foi. Não lembra de  nada. Ela não é mais quem um dia foi; as possibilidades disso são mínimas.

-Tão mínimas quanto dela reencarnar?-falou sarcástico com um sorriso debochado- E você tá errado! Eu mais do que ninguém a conheço,ela sempre foi e sempre será a mesma independente do tempo e vida!

-Se diz ...não vou lhe contestar.- não queria o irritar sabia que estava sendo um momento difícil

-Eu preci-ciso que diga, tudo que sa-sabe.-gaguejou pelo nervosismo

-Não sei de muita coisa.

-Mas vo-você sabe de algo! Não sabe?-

-Somente que reencarnou em Paris, e tem dezesseis anos!

-Ta-disse meio alvoado, prosessava uma informação de cada vez para acalmar os nervos, pelo menos em  Paris já teria um lugar pra se ficar

-Tem mais uma coisa.

-Otimo, é agora que eu enfio uma estaca no meu coração.-pensou consigo mesmo

- A princesa precisa voltar pro mundo vampiro e reestabelecer a ordem novamente já que agora está na hora de assumir a coroa.

-Ta bem. Vamos busca-la!-falou determinado se encostando na parede e cruzando os braços.

-  Primeiro temos que conta-la quem ela realmente é. E tem mais uma coisa...Voltou... porém humana.Então como na outra vida  dela vocês se marcaram...

-......Sou eu que terei que transforma-la em vampira novamente, caso outro vampiro a mordesse nossa marca seria... anulada.-falou triste quase como um sussurro

-E isso não pode acontecer... Você sabe as consequências

***

Agora

Pov ______

A viajem até Paris não foi tão longa quanto eu esperava-ou quanto queria- não é que eu não queria vê-la pelo o contrário foi o que eu mais queria por todo esse tempo, só que agora; estou com medo da reação dela. Por mais que eu esteja confiante ela não se lembra de mim, e isso machuca. E se tiver outro? Pior se não acreditar em mim, me espulsar achando que sou um maluco?

******

O avião havia acabado de pousar, peguei minha bagagem. Chamei um táxi pra casa mansão Agreste; a mansão pra onde meus pais se mudaram depois do que aconteceu... Faz um bom tempo que não os vejo. Eles nem sabem que estou indo. Vai ser uma baita surpresa

-Senhor, chegamos ao nosso destino.-me avisou 

-A sim. Quanto ficou?-perguntei

-Cinco Euros 

-Bom você tem certeza que  a mansão Agreste é aqui?

-Absoluta 

-Ok, obrigado tenha um bom dia senhor.

-Bom dia


Dou o valor e saio do carro

A mansão era grande na cor beje, o portão era de grades pretas e altas. 

Toquei a campainha e um tipo de câmera saiu da parede me analisando, logo depois voltou pro seu lugar, voltando a parecer um muro "normal" . As grandes rapidamente se abriram automaticamente.  Andei puxando minhas duas malas até a escadaria de mármore. Assim que eu iria bater na porta ela se abre bruscamente.

-Filho!- me abraçou. 

-Mãe!-a retribuo.

-Por que não me avisou que viria? Eu prepararia melhor a casa para te receber.

-Não precisa disso eu sou de casa. Ainda sou né?

-Claro que sim querido! Vamos entrar. 

Ela me dá espaço e eu passo. O hall de entrasa era enorme nas cores branco e preto mas claro que tinha  mais cores espalhados pelo local afinal Emilly Agreste morava lá. Ela sempre dizia que: "A diferença entre um lugar triste ou feliz é o arco-íris que alí habita". Ou seja um verdadeiro reino das cores. Uma verdadeira otimista e mãe coruja. Que adora cores vivas e alegres se resume a ela.

-É bem bonito e charmoso

-Que bom que gostou. Deve estar cansado da viagem.-fez um carinho no meu rosto- Vá tomar um banho. E você já tem o seu quarto pronto, só vou mandar tirarem o pó e colocar uma roupa de cama. O almoço logo vai estar pronto, tá bem? Tem um banheiro no corredor da esquerda pra ir tomando banho. Vou levar uma roupa pra você. Vou avisar pra seu pai que está aqui. Temos tanta conversa pra por em dia.

-É 

-E também quero saber por que não veio visitar sua pobre mãe esses anos- fingiu ficar brava.

-Mãe não tenta você não consegue ficar brava comigo, não agora. E bom é uma longa história...

-Ta, mas quero ser recompensada por esses anos

-E  vai  depois do almoço sou todo seu.

-Vou programar uma tarde bem legal. Tanta coisa pra eu fazer mas nada que eu não dê conta. Agora vai tomar seu banho menino.

- rsrsrsrs tô indo.

Vou tomar banho.

Pov Emilly

Estava regando as flores quando ouço Natalie me chamar

-Senhora Agreste? 

-Sim querida

-Tem um rapaz loiro na porta devo deixá-lo entrar?

-Posso ver quem é?

Ela vira seu tablet pra mim...meu deus

-Claro, claro sempre o deixe entrar querida.

-Sem querer me intrometer

-É meu filho-A interrompo-pode deixar eu abro-saio correndo pra abrir a porta feliz da vida.

-Filho.....

...............

*****

-Natalie!

Depois de 2 minutos

-Em que posso ajudar?

-Preciso da sua ajuda por favor

-Claro senhora

-Não precisa me chamar assim

-A etiqueta para mim é tudo-sempre tão certinha

-Se diz, bom mande limpar e colocar uma roupa de cama no quarto de meu filho. Ele se chama Adrien. Deixe o resto do dia da minha agenda livre. -vejo ela escrever em seu tablet com a caneta.

-Tudo pronto só tenho que mandar uma empregada pra ajeitar o quarto.

-Esta bem obrigada.

-Mais alguma coisa?

-Sim chame Gabriel aqui, mas não conte que Adrien chegou quero ver a reação dele pessoalmente

-Sim, Conlicença

Dou um sorriso para Natalie; ela é sempre muito prestativa, quando me mudei pra Paris estava meio perdida nesse "mundo", então precisava de alguém para organizar minha vida enquanto me acostumava e Natalie me ajudou muito.

-O que foi ? Natalie disse que queria falar comigo

Quando Gabriel chegou?

-Adrien voltou!-falou animadíssima

-Ah... Nossa...que bom- nossa ele tá tão feliz 🙄

-O que foi não me parece animado.

-Tem que ter algum motivo pra ele vir! Ele mudou desde que ... Bom você sabe

-Tem razão tem alguma coisa,ele se afastou de tudo e de todos... Para não sentir a dor da perda de novo.

-Bom seja o que tiver que ser.

****

Pov Adrien

Acabo meu banho me visto e saio do banheiro.

-Adrien certo?

-Ahh!... você me assustou.

-Desculpe pelo imprevisto.- fala uma mulher alta de cabelos pretos e uma mecha vermelha na franja.

-Tudo bem

-Sou Natalie governanta da casa.

-Não sabia que isso ainda existia -confecei, fazia tempo que não escutava alguém ser nomeado assim

-pois saiba que sim. Seu quarto é no segundo andar a direita.-saiu andando

-Ok... então tá.

Fui pro meu quarto,era bem grande (meio desnecessário) tinha máquinas de jogos, totó, uma biblioteca de dvd/cd e livros,uma parede de escalar , cesta de basquete,um sofá uma TV de 50 polegadas,uma mesinha com computador e 3 telas, uma cama bem grande. Enfim (capa). Meus pais exageraram bastante;pelo menos não fico entediado fácil.

****

Depois do almoço-com um pai desconfiado e uma mãe tagarela-  ajeitei as minhas coisas .

-Vamos Adrien! Logo vai escurecer.

-Mãe é uma da tarde ainda- digo quase rindo

-Que seja estamos perdendo tempo com essa discussão.-fala determinada

-Tá, pra onde a gente vai? -digo terminando de guardar meus perfumes no banheiro

-Uma volta no parque, e depois comemos em algum lugar!- pronuncia animada

_&_

•∆•∆•∆•

Fomos andando já que ficava praticamente enfrente a casa, seria mimadinho demais irmos de carro sem necessidade.

No caminho conversamos bastante, andamos pelo parque,fizemos um pouco de exercício nos equipamentos, tiramos fotos na Torre Eiffel. Fizemos de tudo um pouco.

-Tô com fome!!!-reclamo mimado me sentando em um dos bancos da praça

-Tem uma padaria ali, parece ser boa tá bem movimentada- comenta 

-Acho que é inauguração.

-Quer ir lá meu doce?

-Não custa nada experimentar-levanto animado

Fomos andando até lá

Pov Marinette

-Filha vai na cozinha e peça pra preparem mais 300 macaron, 5 tortas de limão e dezoito baguetes.-falou enquanto anotava algo no bloquinho.

-Pai tem mais coisa?

-A...sim, sua mãe vai ficar no caixa, vou buscar "reforço" pra cozinha. Enquanto isso vai anotando os pedidos até eu chegar, depois eu sua mãe e eu damos conta. Você já ajudou muito hoje.

-tá bem- dou um sorriso

Vou até uma mesa onde tinha uma mulher loira e um garoto que parecia ter minha idade -tambem loiro

-Olá,o que vão pedir?-perguntei simpática

-Marinette?!?!


















Notas Finais


Querem que eu continue ou não?
#sim #não


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...