1. Spirit Fanfics >
  2. Not You Again... >
  3. Not So Candy

História Not You Again... - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Eu voltei. Agora é pra valer ~Carlos Roberto ♪♬♫



Aloha, nenês! Olha só quem voltou das férias intermináveis -porem terminadas...

E para a alegria de muitos, tenho novidades sobre o futuro dessa fic, entre outras histórias minhas.

Con-tu-do... vocês só saberão do que se trata, basicamente, ao escolherem ficar para ler as notas finais.


Ent...

Leiam as notas finais, porque eu vou explicar tudo por lá.


Vou deixar vocês curtirem mais uma atualização de "N.Y.A" agora, então...


BOA LEITURA! 🐰💙

Capítulo 14 - Not So Candy







—Jimin-ssi...? Onde estamos?



Jungkook perguntou, sua voz soando calma, ao mesmo tempo em que ele parecia indagar muitas coisas. Enquanto eu só reparei na bagunça no jardim de Taehyung, alguns entulhos estavam espalhados no gramado, até mesmo na varanda de sua casa.


Tae gostava de cuidar de plantas, cultivar flores entre algumas ervas medicinais. O bom de crescer em Busan, é que lá você praticamente aprende a se cuidar na base das ervas...


Não se engane, eu não estou falando daquelas ervinhas que o Jackson gosta. Eu me refiro à boldo, hortelã, alecrim... essas paradas.



—Na casa do Taehyung... esqueceu que ele me ligou lá na barraquinha de lamên, pedindo para que vivêssemos aqui?


O respondi, logo tocando a campainha da porta em seguida. Na verdade, Taehyung pediu por minha ajuda, mas como ele sabia que eu estava com Jungkook, o mesmo pediu para que eu o levasse junto. Nem precisava pedir de qualquer forma.



Taehyung provoca o Kook, mas eu sei que lá no fundo ele gosta de sua companhia.



Oh... esqueci de comentar que nós dois, vulgo Jungkook e eu, viemos de ônibus. Pode parecer ser uma novidade boba... mas não é.


Foi até mesmo cômico ver umas duas garotas babando pelo Jungkook, enquanto ele pedia para se sentar no lado da janela, justamente no banco livre ao meu lado, que eu acabei sedendo para o mesmo.


Ele parecia uma criancinha curiosa, pegando ônibus pela primeira vez... queria ver essa animação toda que ele tem, mais vezes. É engraçado e fofo ver o quanto ele está disposto a conhecer coisas novas.


—Ah... —Ele resmungou, fazendo um biquinho de tédio, tendo que se contentar com o fato de que, se ele escolher viver comigo, terá que aturar Taehyung também. Até porque, nós dois viemos colados um no outro. —As flores são bonitas.


—Sim, elas são. —Sorri para o mesmo, concordando com sua afirmação.


—Por que você não tem flores na sua casa, Jimin-ssi? —Ele então me olhou, agora sorrindo pequeno.


Eu estava pronto para o responder, dizendo que o síndico do prédio não permite que os moradores cultivem plantas/flores em seus respectivos apartamentos (O safado é alérgico, e temos que respeitar-lo por isso...), quando de repente a porta foi aberta.


—Eu estava prestes à colocar minha subta inspiração em uma tela, quando você tocou a campainha e me desconcertou, anão!



Disse Taehyung, com aquela voz rouca de sono, uma sacola plástica na cabeça e um pincel achatado, em sua mão. Eu Revirei os olhos.



Aff... Pintores...



—É ótimo te vê também, Tae.


Fui entrado em sua casa, sem nem mesmo esperar o mais novo me ceder passagem. Jungkook logo me seguiu, antes que eu ouvisse a porta ser fortemente fechada.


—Ewr... que cheiro é esse?


Tampei meu nariz com a ajuda de minha destra, enquanto eu olhava para o interior da casa de Taehyung. Esse lugar parecia a casa dos sete anões da branca de neve...


—Venham aqui. —Disse Taehyung, ao que eu o segui enquanto Jungkook começava a xeretar algumas coisas.


—Quando foi que você limpou esse lugar pela última vez? A situação tá feia já...



Peguei uma... o quê isso??!


Olhei para aquela peça de roupa que estava, outrora, em cima da mesinha de centro, que eu não sabia se era uma calça ou uma blusa estranha. O maior parou de andar, me fazendo colidir levemente meu corpo ao seu.


—Por que se importa...? Você vai limpar tudo isso para mim, Branca de Neve? —Ele tocou em meu queixo, o levantando brevemente, enquanto sorria na intenção de me provocar.


—Nem fodendo. Acho que o Sílvio Santos teria que me pagar 15 milhões de dólares pra que eu aceitasse dar uma de empreguete. —Taquei aquela peça de roupa, desconhecida por mim, em sua cara antes de me afastar dele para ir até o centro da sala.


—Quem é Sílvio Santos?


—Me digas quem é a Xuxa, que eu te direis quem é o Sílvio.


—Nah... se eu te contar eu não vou poder te chamar de duende da Xuxa! —Ele tacou uma almofada em minha direção, mas eu desviei. Simples como um belo bailarino que sou.


—Então não temos um trato. Eu vou pesquisar no Google quem é essa tal de Xuxa, de qualquer forma.


Vi que tinha um cavalete no centro da sala, Taehyung estava pintando. Hm... será que aqui tem algum doce? Taehy costuma guardar doces para mim antes mesmo de eu o visitar...


—Tá, mas não foi pra isso que eu te chamei.


Que seja. Fui indo até a cozinha aberta, que ficava coladinha na sala de estar da casa de Taehyung. Se bem que ele fez da sua sala de estar, um estúdio profissional de pintura.


—E o que seria então...?


Passei por debaixo da escada no centro da sala e então fui para a cozinha de Taehy. A casa do meu melhor amigo era um lugar bonito pra um cacete. Nossas avós ficariam orgulhosas dele.


—Eu estava sem criatividade quando eu te liguei, mas assim que eu desliguei o Telefone... uma ideia surgiu em minha mente. Mas aí você chegou e tudo foi por água a baixo.


Abri a geladeira enquanto ouvia suas palavras.


—Aham... —Murmurei para que ele notasse que eu prestava atenção.


—E agora eu preciso que me ajude. Você sempre me inspirava quando dançava... e eu preciso muito entregar um quadro para a próxima apresentação do meu curso de artes da faculdade. —A voz dele era tão linda...



Morram de inveja porque eu posso ouvir a voz de Kim Taehyung, e vocês não! MUAHAHUA!


Essa foi a minha risada maligna, gostaram?



—Me desculpe... mas não vai dar. Sabe que eu não sou o mesmo de antes... —Falei, fechando a geladeira após pegar um pote de geleia de cereja.


—Que bobagem, Jimin-ah...! Você ainda é o mesmo Park com quem eu convívi a minha vida toda. —Ele disse, rindo fraco pra tentar espantar aquele clima.


—Você não entendeu, Taehy... —Me virei pra então olhar para ele. —Eu não consigo mais dançar. Creio que nem devo ser "ótimo" como eu era antes. Sempre que eu... começo a me mover como se eu estivesse dançando, eu lembro daquela apresentação na noite em que eu terminei com o Yoongi.


Falei sincero, e sério.


Quem dera se eu pudesse subir aos palcos novamente. Eu sinto falta daquele calor que eu sentia sempre que via os olhares de todos sobre mim, as luzes dos olofortes... as músicas tocando ao que eu me apresentava com maestria...


Eu sinto falta disso. Muita falta.



—Mas aquilo foi só uma noite ruim. Você já passou por coisas piores em outras apresentações. —Ele me respondeu.


—O quê seria "coisas piores"...? Seria uma fratura ou outra? Ematomas? Dores nas articulações? Falta de ar? Isso tudo são só dores físicas, Tae. —Respirei fundo, e então continuei. —Nada supera o peso que eu tenho que carregar por ser o culpado de ter desempregado 200 dançarinos, por ter arruinado uma apresentação tão valiosa para a ex-academia da qual eu fazia parte, e por ter desapontado todos que pagaram ingressos para irem me ver no palco.


Taehyung coçou sua nuca, parecendo desconfortável com aquele assunto. Creio eu que ele nem mesmo sabia o que me dizer naquele momento. Eu não estava brincando.


Tudo o que Park Jimin mais quer na vida é ser feliz fazendo o que ama, que é dançar. Mas ele não pode por ter adquirido medo de palco... ou até mesmo da rejeição do público ou dos outros colegas de trabalho.


—Aquilo foi só um dia ruim, Jimin. Todos nós passamos por isso. Mas nada do que aconteceu naquela noite pode dizer que você não é um ótimo profissional no que faz. —Disse Taehyung. Eu apenas dei de ombros e caminhei para passar debaixo da escada novamente.



—Que seja. Onde está o Jungkook...?


Falei enquanto eu abria o pote de geleia.


—BU! —Me assustei, parando no meio do caminho, ao ver Jungkook de cabeça para baixo enquanto estava pendurado na grade da escada, já no 2° andar da casa.


—Kook! —Falei com os olhos arregalos. Vije Maria... precisava assustar??


Taehyung riu.


—Qual é a graça!? —Fiz pose de marmanjo irritado, enquanto o dentuço do Jeon sorria abertamente, se divertindo com aquela situação.


—Olha Jimin-ssi... estamos que nem naquele filme do homem... homem... HOMEM-ARANHA! —Ele teve dificuldade ao tentar lembrar o nome do filme que vimos um dia desses, mas acabou sorrindo maior ainda ao conseguir se recordar do nome. —Falta só a gente se beijar.


Foi aí que Taehyung riu mais ainda.


—Faça as honras, Marry Jane, por favor. —O mister Três pernas disse, rindo da minha cara. Nem mesmo parecia que estava preocupado com o meu drama a segundos atrás.


—Eu vou é fazer as honras de jogar esse pote nos rostinhos bonitos de vocês dois.


Falei, passando por Jungkook e ignorando o bico que se formou em seus lábios. Ele esperava um beijo e recebeu um... "vai se foder".


—Não se preocupe, Miranha. Marry Jane sempre estará pensando em você. —Ouço Taehyung dizer, meio que reconfortando o dentuço.


—Kim Taehyung... vamos trabalhar nessa tua tela em braco, ou não?! —Peguei uma faca.



Calma. Eu não vou esfaquear ele não..


Só vou passar a geleia num pão.


Ô! Até rimou.




                                       [...]



—Não tem pão aqui não.


?!?!?!?!??!?!?!?!?!?!??!?!??!

@*@*,-,-;#^&@,';#*@&$^$×€÷&**÷$€$&÷?#*$*


Como assim não tem pão aqui!?


Disse Taehyung e eu fiz um bico meio murchinho. Poxa vida, queria tanto comer um pãozinho doce com geleia de cereja...


—Nem um pãozinho? —Olhei para Taehyung, com aqueles olhinhos de gato molhado pela chuva.


Ele negou com cabeça.


—Aish...


—Não tem problema, Jimin-ssi. Podemos comer a geleia sem pão. —Jungkook, que estava deitado no sofá, com a cabeça em meu colo, disse enquanto enfiava aquele dedão no pote de geleia antes de levar até a boca.


—Não, não. Vai acabar ficando com dor de barriga desse jeito. —Tirei o pote de geleia de suas mãos.


—Tentem não se mexer muito, Jimin. Eu estou quase terminando. —Disse Taehyung, enquanto estava sentado do outro lado do cavalete, pintando algo...


Pelo que eu entendi, ele acabou se inspirando em Jungkook em eu para conseguir pintar algo, mas me disse que não estava nos pintando, praticamente.


Eu fiz bico. Logo olhando para Jungkook que me olhou de volta.



—Isso! Fiquem se olhando dessa forma... —Taehyung disse, nos olhando brevemente com um sorrisão. —Kook, dê o seu dedo sujo de geleia para o Jimin chupar.


—É o que!?!? —Olhei para Taehyung.



—Tá bom. —Jungkook Sorriu.



—Não... Calma lá! Eu não vou chupar o dedo de ninguém não! —Falei.



—Faça isso por mim, Jiminnie! Lembre-se que eu preciso tirar um dezão na apresentação da facul...



—Chupar um dedo babado de geleia vai acrescentar em quê!?? Você tá pintando putaria por acaso?! —Sim, eu estava putão pela idéia louca de Taehyung. Meu rosto estava corado de vergonha.


—Pode chupar, Jimin-ssi. Tá docinho. —Jungkook se aproximou, me oferecendo seu dedo.


?


Não tá docinho. Não nesse contexto- digo...


Aish! Parem com isso seus... Aksjdh.


É isso. Eu não tenho palavras para descrevê-los, então eu usarei "Aksjdh".



—Mas que Merda...! —Meu rosto ficou absurdamente quente. Eu empurrei Jungkook de leve com meus braços, fazendo ele cair do sofá.


—Isso sim é arte! —O Safado Mister Três Pernas disse, rindo maquiavélico.


—Hyung... —Jungkook me olhou com uma carinha triste, logo depois seus olhinhos apertaram e um bico grande se formou em seus lábios.



Oh não... Ele vai-



—Kook, me desculpa... —Saí do sofá e me aproximei dele assim que eu ouvi seu choro. Eu acho que meu empurrão não foi "tão leve" como eu imaginava. —Eu não fiz por mal. Me diz... onde tá dodói?



—A-Aqui... e aqui. —O mais novo apontou para seu cotovelo esquerdo em seguida para seu ombro esquerdo.


Eu toquei em seu braço e me aproximei, dando um beijinho em seu cotovelo... enquanto isso Taehyung ainda pintava. Esse bunda mole.


O choro de Kook foi ficando mais fraco, e eu afastei um pouco o tecido de sua camisa, para poder deixar a área de seu ombro livre, ao que eu beijei sua pele em seguida, sentindo o mesmo se arrepiar.



—Pronto, Pronto... vai sarar agora. —Abracei o mesmo.



Jungkook abraçou minha cintura, e eu deixei um pequeno beijo em sua cabeleira negra, afagando-a logo após.


—Eu te amo, Jimin-ssi. —O mais novo disse de forma sussurrada, afundando o rosto em meu peito.



Hm... de novo esse desconforto...



Eu já disse que Jungkook não poderia esperar uma retribuição desse seu sentimento, vindo de minha parte. Porque eu não o amo.



Mas porque eu sentia um desconforto sempre que eu sentia seu carinho por mim ser expressado dessa forma??



—Iiiiiiiiiíh! QUE FOFOS! —Taehyung gritou, assustando a nós dois.



Olhei para o outro, vendo ele fazer aquela expressão de quem recebeu um presente especial do papai noel.


—Você! Não me faça ir aí te bater por ter dito ao Jungkook para colocar o dedo na minha bo-...



Parei de falar assim que eu senti um dedo na minha boca, junto ao gosto doce de cereja e açúcar mascavo.




...






.......






...........








Aquele...




—JU-JUNWOOK! — Falei com dificuldade por ainda estar com o dedo dele na boca, eu peguei em sua mão e a afastei de meu rosto. —VOCÊ VAI VER SÓ!





E não é que o dedo dele estava docinho mesmo...




Notas Finais


E esse foi mais um delicioso capitulo, que eu amei escrever ^👄^


Aiains...


Me digam o que acharam desse cap e tudo mais. Amo ler as reações de vocês, meus nenezos, e até mesmo me diverte lê-las (qnd eu preciso de um Up pra escrever)

Enfim...


Eu demorei muito para atualizar a fic dessa vez, levando em conta que o último capítulo foi lançando no ano passado :T

Mas isso é inevitável. Até porque, todos nós temos uma vida fora da Internet, e devemos prezar por ela mais do que tudo.


Porém- como nem tudo é só tempestade no canteiro, eu finalmente desenvolvi um quadro de dias/horários em que eu postarei as atualizações dessa história! Yeeeeeeh!

**Solto Fogos**


Tava demorando, neah


• Aos Sábados e Domingos, no período da tarde e da noite, saí 4 capítulos de "Not You Again". Sendo dois, respectivamente, no sábado e os outros dois no domingo. Pensei em atualizar no final de semana pq sei que algumas pessoas ainda estão na rotina, seja escolar ou na do trabalho/estágio; e atualizar nos finais de semana + em horários acessíveis para todos, foi a melhor opção que me veio em mente.

• E durante o decorrer das semanas, eu posso acabar postando minhas oneshots, ou talvez não. Vai depender do meu tempo livre de qualquer forma. Mas eu já tenho algumas histórias planejadas a muito tempo. Falta só escrever e postar mermo kkkkk

• Já as minhas outras longfics que ainda estão em andamento... eu vou procurar uma grade de horários/dias flexível e que seja viável não só para vocês, como pra mim tmbm. Já que elas não podem ficar em um hiatos pra todo o sempre. Eu gastei neurônios e partes preciosas do meu tempo nelas... então seria uma puta traição comigo mesma/com as pessoas que gostaram de ler as fics, caso eu decidisse parar de escrever-las, não é!?


(De qualquer forma, eu irei manter vocês atualizados)



UwU é isso por enquanto. Espero que estejam gostando da fic... Eu andei pesquisando algumas coisas para a deixar mais "legalzinha" pro' ocês nenês. Eu ainda sou muito amadora nesse quesito (e entre outros tmbm) mas vamos relevar :D



O Jungkook ainda vai entregar muito mais coisas pela frente, só precisam ter calma, Ok!? Ok. Já o Jimin... bom... vocês vão ver com o decorrer da história.


Bejus na bochechinha, e até o próximo cap!


Tia Bon ama vocês 🐰💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...