História Nothing Last Forever. - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Guns N' Roses, Skid Row
Personagens Axl Rose, Duff Mckagan, Izzy Stradlin, Sebastian Bach, Slash, Steven Adler
Tags Axl, Dufeven, Duff, Duzzy, Erin Everly, Guns´n´roses, Izzy, Sebastian Bach, Sebaxl, Slash, Slaxl, Sluff, Steven
Visualizações 167
Palavras 2.065
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ecchi, Ficção, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mais um capítulo e dessa vez os Slaxl shippers vão começar a ficar com raiva, eu sinto muito aosidaosijd espero que gostem, farei o possível pra continuar rápido. Obrigada ao apoio que tenho recebido, vocês são demais <3

Capítulo 9 - Take it slow and things will be just fine.


Fanfic / Fanfiction Nothing Last Forever. - Capítulo 9 - Take it slow and things will be just fine.

A semana conturbada para a banda terminou com a notícia de que Matt Sorum iria substituir Steven Adler na bateria, ele já havia tocado em várias bandas, dentre elas, The Cult. O novo integrante se juntou a todos os envolvidos na Use Your Illusion para a série de viagens que fariam.

 

Os primeiros ensaios foram um período de adaptação, tanto para Matt quanto para o resto da banda. Não demorou muito até que todos estivessem entrosados, o novo baterista foi bem recebido, mas ainda assim não era tão íntimo de todos quanto Steven.

 

Além de não estar tão à parte dos conflitos e histórias da banda, Matt também não estava acostumado com um vocalista que estava sempre atrasado para os concertos. Claramente aquilo o deixava irritado, mas preferiu não opinar sobre o assunto já que se o fizesse, iria se sentir um intruso, porém não deixava de comentar com os outros que tentavam acalmá-lo ao dizer que aquilo era corriqueiro.

 

Em um dos muitos atrasos de Axl, a banda resolveu se colocar a postos no backstage mesmo sem a presença do ruivo, eles esperariam mais alguns minutos pelo vocalista e se ele não aparecesse, iriam subir ao palco para avisar o público sobre o cancelamento do show.

 

Rose apareceu, mas foi diretamente para o camarim sem que os outros o vissem e lá começou a ter um ataque de fúria. Ele começou a quebrar tudo o que via pela frente, copos, sofás, vasos de decoração e até alguns instrumentos não escaparam do ruivo. Sebastian estava passando pelo corredor quando ouviu toda a confusão, ele imediatamente pensou em entrar no local para ver o que estava acontecendo.

 

– Se eu fosse você não entraria aí, ele está tendo um ataque. Não gosta de ser interrompido.

 

O segurança que estava ao lado da porta falou para o alto de cabelos lisos, advertindo-o, pois já conhecia a personalidade de Axl.

 

– Eu não ligo, ele deve estar precisando de ajuda. Com licença.

 

Bach ignorou o segurança e adentrou o camarim, ele encontrou o ruivo com uma expressão furiosa e todo o local estava bagunçado. Rose estava prestes a jogar um copo contra a parede quando Sebastian segurou o pulso dele e o virou para si.

 

– QUE MERDA! O que você tá fazendo?

 

Se fosse possível, Axl estaria com fogo nos olhos, ele não estava acreditando que alguém estava tentando impedi-lo.

 

– MAN, CALMA. O que tá acontecendo aqui?

 

O alto falou segurando firme o pulso do outro, que tentava se soltar do domínio do loiro a qualquer custo. Depois de um tempo encarando a figura esguia e soltando pesadamente o ar por suas narinas, o vocalista do Guns N’ Roses parou de resistir e relaxou os músculos. Aquele foi o sinal necessário para que Sebastian o soltasse.

 

Como uma forma de afronta, o ruivo continuou o que estava fazendo e jogou o objeto, que se desfez em muitos pedaços. Em um impulso, Bach levou sua mão pesada de encontro ao rosto do menor, desferindo um tapa e deixando o local mais vermelho que antes.

 

Axl arregalou os olhos e olhou fixamente para Sebastian, para ele era inacreditável que alguém tivesse a coragem de fazer aquilo. O menor levou a destra até o local do tapa e o massageou na tentativa de amenizar a dor.

 

– Eu não acredito que você fez isso.

 

O tom de voz do ruivo estava mais baixo, o ato parecia ter acalmado Axl que surpreendentemente não revidou a agressão. Bach estava ofegante e também não parecia acreditar que tivera feito aquilo e muito menos que havia funcionado, ele então respirou fundo e colocou para trás mechas de seu cabelo que insistiam em atrapalhar sua visão.

 

– O que está acontecendo, Axl?

 

O ruivo sorriu enquanto se abaixou para sentar-se no chão em meio à bagunça, ele dobrou o joelho direito a fim de apoiar o braço e voltou sua atenção para o alto, que o acompanhou ao sentar ao seu lado.

 

– Eu não aguento mais, Seb. Não aguento mais toda essa merda que tá acontecendo.

 

– O que tá acontecendo de tão merda pra você ficar desse jeito?

 

– Meu relacionamento, quer dizer, meus relacionamentos, o Steven, tudo. Parece que tudo resolveu desmoronar ao mesmo tempo.

 

O vocalista do Skid Row estava confuso, pois sabia somente que Axl era casado com Erin e não que tinha mais relacionamentos, talvez ele estivesse falando de relacionamentos de uma forma geral e não amorosos.

 

– Eu sei que estou na sua vida a menos tempo que o Slash ou o Izzy, mas eu te considero pra caralho e se quiser desabafar sobre qualquer coisa, pode contar comigo.

 

Axl sorriu como há muito não sorria, ele estava se sentindo sozinho e ficou feliz por finalmente alguém estar se preocupando em perguntar como ele estava. Naquele momento, ele sentiu que poderia contar com o novo amigo.

 

– É muito bom ouvir isso, você é o primeiro que me pergunta se eu estou bem em meses. Eu posso até te contar toda a bagunça que passa pela minha vida, mas eu preciso que isso fique só entre a gente, você precisa me prometer isso.

 

– Eu não falaria nada pra ninguém, não se preocupe. Todos têm segredos, eu odiaria que contassem os meus.

 

O ruivo respirou fundo e, com os olhos marejados, começou a falar.

 

– Como você deve saber, eu sou casado com a Erin Everly e não é novidade pra ninguém que nosso relacionamento não é um conto de fadas. Não faz nem um mês que nós nos casamos e eu pedi pra ela pra que me deixasse. Nós brigamos há uns dias porque ela diz que meu ciúme é excessivo - ele riu ao dizer a última palavra. - eu não concordo, então prefiro que ela fique longe, assim eu não tenho que ver certas coisas. Mas foi a pior coisa, eu não consigo ficar longe dela.

 

O loiro ouviu o amigo atentamente e ficou surpreso ao saber que eles estavam separados, ele não era o especialista em relacionamentos amorosos, afinal, sua própria vida amorosa estava indo mal, mas pensou em algumas palavras para tentar acalmar o ruivo.

 

– Porra, cara. Eu imagino pelo o que você deve estar passando. Mas alguém uma vez disse que as melhores coisas não são fáceis de serem conquistadas, vocês devem estar passando só por uma fase difícil. E eu imagino também o porquê de você não querer que os outros saibam. Isso seria um prato cheio pra essas revistas escrotas.

 

– Obrigado pelo apoio. É… Talvez você esteja certo e tudo melhore depois, como já aconteceu.

 

– Mas já que foi você quem pediu pra se afastarem, por que não procura ela? Eu sei que é meio chato voltar atrás, mas se tá te fazendo tão mal ficar longe dela, eu acho que vale a pena.

 

– Ah, você sabe que meu orgulho é enorme. Talvez eu reúna coragem suficiente um dia pra ir falar com ela, mas enquanto não me fizer mal a ponto de tentar suicídio eu não vou atrás dela.

 

O ruivo falou a última frase com um tom irônico, o que fez Sebastian ficar um pouco preocupado, mas logo em seguida o alto riu pois pensou que aquilo era só um exagero.

 

– Mas tem outra coisa que não me deixa viver em paz. Essa coisa, na verdade, essa pessoa se chama Slash.

 

– Slash? O que tem ele? Tá abusando das drogas também?

 

– Não… Não é isso. É que… Como eu disse antes, meus relacionamentos estão uma merda e isso inclui meu relacionamento com ele.

 

– Seu… Relacionamento? Espera, você fala…

 

– É, isso mesmo. Eu e Slash nos envolvemos sexualmente por um tempo.

 

O loiro estava surpreso ao ouvir aquilo, mas não tão surpreso, pois já havia observado os dois outras vezes e tinha contado com aquela possibilidade, sua expressão não havia mudado como usualmente as pessoas o faziam quando Axl contava a elas.

 

– Eu só não estou mais surpreso porque eu já imaginava isso. Vocês nem disfarçam no palco, santo Deus!

 

– Incrível como todos falam isso, eu não vejo dessa forma. E realmente, eu quem me surpreendi por você não estar surpreso.

 

Axl riu e Sebastian o acompanhou, mas na cabeça do loiro ele estava agradecendo aos céus por não estar sozinho. Assim como o ruivo, Bach mantinha uma relação com seu colega de banda, Rachel Bolan, ele mantinha aquele segredo fazia um tempo, mas não se sentia preparado para contá-lo, ele não queria que seus problemas fossem o tópico daquela conversa, somente queria que Axl ficasse bem.

 

– Se todos falam é porque parece, né? - ele empurrou o amigo levemente com o ombro, ato esse que fez o menor sorrir - e eu me enganei ISSO sim seria um prato cheio para revistas.

 

– Por isso ninguém pode saber. Ninguém!

 

– Relaxa. Mas, espera. Vocês se separaram então quando aconteceu o casamento?

 

– Infelizmente sim, nós tínhamos brigado várias vezes e então pensei que quando eu anunciasse que iria me casar, ele iria vir atrás de mim e pedir pra voltar, pensei até que ele iria me pedir desculpa pelo jeito como me tratou da última vez.

 

– Caralho, você briga com todo mundo!  - o loiro pegou um cigarro e ascendeu, em seguida oferecendo a carteira ao ruivo, que aceitou e repetiu o ato - Mas o que ele fez?

 

Ambos ficaram em silêncio por soltarem a fumaça.

 

– Eu tive uma overdose e ele nem ao menos se preocupou em saber se eu estava bem quando saí do hospital. Ficou claro que pra ele eu sou só um brinquedinho sexual. - ele tragou mais uma fez e soltou a fumaça enquanto sorria mostrando frustração - o erro foi meu em ter me envolvido mais do que deveria.

 

Sebastian olhava o amigo e refletia sobre sua própria situação com Rachel, ele achava cômico como os problemas eram os mesmos, só mudavam de endereço.

 

– É, ele agiu bem mal. E eu sinto muito por esse seu sentimento unilateral, porque ele não parece estar tão ruim quanto você já que ele anda pra lá e pra cá com o Duff.

 

– Sim, eu percebi. Devem estar se esfregando, já fizeram isso antes.

 

O loiro não conseguiu conter uma tosse, aquilo sim o fizera ficar surpreso.

 

– Até a girafa? Caralho. Todo mundo gosta de jogar no outro time de vez em quando.

 

– Você não faz ideia! Essa indústria é cheia de aparências, todo mundo esconde alguma coisa.

 

– Eu sei bem como é isso! Axl, nossa conversa tá muito boa, mas você precisa fazer esse show, os outros estão te esperando no backstage.

 

O ruivo terminou seu cigarro e olhou para o alto como uma criança que implora para não ir à escola, mas não houve tempo pra reclamações já que Sebastian o puxou para se levantar.

 

– Obrigado, Johann*. Por essa conversa e por ser o primeiro a ter coragem de me dar um tapa no meio de um ataque.

 

O alto gargalhou e puxou o menor para um abraço que logo foi correspondido.

 

– Não precisa agradecer. Ajudar as pessoas que eu considero e admiro é um prazer.

 

Naquele momento, Slash abriu a porta do camarim e viu os dois abraçados. Ele não falou nada e apenas saiu do local em direção ao palco, no caminho, ele chutou um cesto de lixo que estava no canto de uma parede.

 

Axl e Sebastian não notaram a presença de Slash e apenas saíram do camarim, o ruivo estava com o ânimo renovado e enfim o Guns N’ Roses pode fazer o show.

 

Daquele dia em diante, os vocalistas do Skid Row e do Guns N’ Roses ficaram mais próximos, passando a maioria do tempo juntos tanto dentro quanto fora dos palcos. Eles conversavam durante as viagens da turnê e Sebastian até ajudava o ruivo com conselhos sobre Erin, ele até mesmo dava dicas de presentes para Axl, que os enviava para a moça durante o tempo que eles estiveram distantes.

 

Mas essa nova amizade estava deixando duas pessoas incomodadas, Slash e Rachel. O baixista e o guitarrista não estavam gostando daquela aproximação, aquele foi um grande incentivo para que Slash e Duff ficassem cada vez mais próximos enquanto Rachel procurava se afastar de todos quando o loiro e o ruivo estavam juntos.

 

Além da aproximação de Axl e Sebastian, o ciúme de Rachel, Slash, Duff e Izzy, cada qual por seus motivos, marcou o final do ano de mil novecentos e noventa para aquelas duas bandas que estavam fazendo história na música.


Notas Finais


*Johann faz referência a Johann Sebastian Bach, o músico clássico ao qual o Sebastian inspirou seu nome artístico.

É isso galera, espero que tenham gostado <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...