História Nothing Like Us - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi guys!
-A história é de minha autoria.
-A Fanfic não é movida a comentários, mas adoraria se comentassem,ajuda muitooo!
-É a segunda história que posto, a primeira em colaboração com outra pessoa, foi excluída.
-Espero que gostem.

Capítulo 1 - Capitulo 1


Fanfic / Fanfiction Nothing Like Us - Capítulo 1 - Capitulo 1

Imagina que louco, se alguém um dia abrisse um livro, com a nossa história”

 

Strantford, Ontário - Canadá

12 de Fevereiro

 

P.O.V Bárbara Palvin

 

“Final de inverno, e início das aulas.

Embora as férias na casa de campo da vovó, foram ótimas. Nada é como estar em casa.

É impressionante como o tempo voa, hoje era já era o primeiro dia do ensino médio, com 15 anos, já sabia exatamente o que queria para meu futuro. Ser uma grande e renomada arquiteta já estava dentre os meus sonhos desde criança. E iria lutar pelo meu sonho.

Escuto três batidas na porta e vejo minha mãe adentrar.

-Bom dia flor da minha vida. Acorde! Já são 6 da matina, creio que não queira se atrasar no seu primeiro dia, não é mesmo? 

-Bom dia mãe! - respondo, enquanto levanto e caminho para o banheiro.

-O café está na mesa.

Minha mãe, é uma mulher bastante batalhadora, e apesar de ter engravidado de mim tão jovem, consegue conciliar muito bem o trabalho, afazeres domésticos e a cuidar da família. 

Faço minha higiene, visto-me e desço. Já eram quase 6:30, quando lembro de ligar para Ashley, confirmando se de fato iria passar para me pegar.

-Boomm dia maninha! - fala minha irmãzinha mais nova com a boca cheia, na qual tem apenas 5 anos e é um tanto esperta pra garotinhas da sua idade.

-Bom dia Bela, que não é a Adormecida! - respondo, já escutando sua risada gostosa.

-Bom dia mulheres da minha vida! - fala meu pai, sentando-se a mesa conosco.

Bom apesar de ser filha de pais jovens, não fui a primeira filha de meu pai. Enquanto namorava com minha mãe, rolou digamos que uma pulada de cerca que acabou resultando no Ryan. Ryan Buttler Palvin. Era mais velho que eu, dois anos.

Apesar de morar com a mãe há uns 15 minutos, Ryan era quase um morador, frequente em nossa casa também.

E enquanto todos tomam café, com exceção de Ryan. Sinto meu celular vibrar, vendo no visor, o nome de Ashley.

-“Falaaa, senhorita Palvin. A senhorita encontra-se pronta?! Por que se não estiver, você vai ficar e perder a carona.”

-Claro que eu estou. Já tá chegando?

-“Digamos que acabei de virar na sua rua, e to seguindo o gostosão do seu irmão!” - diz ela, enquanto escuto sua risada, tanto quanto divertida.

-Aí Ashley, credo que nojo! Anda logo, ele não me disse nada, sobre pegar carona com a gente. Mas se estar vindo, o que custa você oferecer logo.

-Custo muito, isso é estar sendo fácil Palvin, sendo fácil. Não foi você que disse que eu deveria ser mais difícil?! Aliás, estou chegando! - logo após escuto sua buzina.

-Mãe já vou indo! - grito da sala de jantar, dando um beijo na bochecha de bela e meu pai.

Logo após, recebo um abraço e beijo de meu pai e minha mãe, me desejando uma boa aula. 

É... era o que eu mais queria, que esse ano as meninas, não mudassem de água pra vinho, ou menininhas imaturas se apaixonassem por caras do 3 ano, e saíssem com o coração quebrado, como nos filmes clichês.

Entro no carro de Ash, perdida em pensamentos, e um tanto tensa pelo que viria pela frente.

-Ouuu, tá surda?! - escuto Ash, reclamar.

-Não Ashley! - respondo, olhando pelo retrovisor a procura de Ryan.

-Nossa quanto mal humor.

-Cadê o Ryan, não disse que ele estava na rua?! - pergunto.

-Ryan embarcou em um carrão, não sei dizer muito bem qual era, mas aposto que era importado! -diz ela com a cara um tanto quanto engraçada.

-Deve ser algum amigo.

-Uii, se for bonito eu quero. -responde Ash, com cara maliciosa.

-Ashley, você está ciente que estamos entrando no ensino médio?! E que nele tem caras mais velhos, que podem partir nossos corações em pedaços?! Que agora nós somos a caça! É quase como uma selva. Meu Deus, como que faz pra pular pra faculdade já?

Falo um tanto, quanto desesperada.

-Aí nossa, Palvin. Pra que esse desespero todo? É só uma escola, com as mesmas pessoas, que estudamos, mais umas 500, que nunca vimos na vida -responde Ash, com o senho franzido.

-Você é doida, eu não to nada animada! Por mim continuaria, deitada no safa assistindo filmes ou séries.

-Aí credo, até que pra uma nerd. Você anda um tanto preguiçosa!

-Aí Ashley, cala a boca! -respondo rindo, pela sua asneira.

-Chegamos! Bem vinda ao High School, baby! -fala Ashley histericamente, sem disfarçar os olhares aos grupinhos de estudantes mais velhos.

-Ash, será que dá pra parar de babar e irmos?! -falo andando na frente.

Ao passar pelos enormes corredores daquela escola, percebo olhares antigos e novos. Sigo atrás dos meu horários e vejo que metade coincidem com de Ash. 

-Primeiro horários de uma segunda feira, juntas. -diz Ash, com um pouco menos de animação e com uma carinha nada boa.

-O que foi?! Que cara é essa? -pergunto

Então ela balança a cabeça indicando a direção para olhar. Quando vejo, a cena um tanto quanto estranha.

Ryan estava no final corredor, com um grupinho de garotos, rodeado de garotas. Nas quais eram bem atiradas.

-Cara, você é engraçada. Quando vai assumir que gosta de Ryan?

-Nunca! Seu irmão não merece esse bebezinho aqui! -diz Ash referindo a si mesma.

Seguimos caminhando pelo corredor, a procura da sala. Quando de repente, sinto  um corpo ir de encontro ao meu de forma brusca, indo ao ao chão junto com a pessoa.

Aquilo por algum momento pareceu a coisa mais trágica que poderia ter acontecido em um primeiro dia, se não fosse por aqueles olhos castanhos. Que por um momento me encontrei perdida.

-Você está bem?! 

-É... to! To sim! -digo voltando em sã consciência, depois de me perder na beleza daquele ser, além dos olhos castanhos, a boca rosada e o corpo em forma, meio que definidos. 

Funcionaram como uma hipnose e me sentia uma ridícula por ter me perdido tão rápido em meu pensamentos, diante de tal situação.

-Bom então, me deixe te ajudar! -diz ele, levantando-se e estendendo a mão.

-Obrigada! -repondo meio constrangida

-Eu que peço desculpas, os moleques que não sabem a hora de parar. E acabei perdendo o equilíbrio.

Meu Deus que garoto era aquele? Céus parecia esculpido de algum templo de Deuses.

-...E então?

-Ah... desculpe não entendi?!

-Perguntei qual a sua sala, gostaria de lhe acompanhar. Como pedido de desculpas.

Então olho de relance para Ashley e a mesma me olha com uma cara maliciosa.

-Então... essa é minha amiga Ashley, eu e ela vamos estar na mesma... -quando sou interrompida, por Ashley

-Na mesma escola, e sempre vamos nos esbarrar, beijinhos, acabei de lembrar que tenho que ir atrás de uma amiga. -fala indo em uma direção oposta a que estávamos indo.

-Essa sua amiga é doidinha. -fala ele se referindo a Ash, com um risinho no rosto.

E por sinal, que sorriso! Por Deus Bárbara, foco! Foco!

-Bom, e qual é o seu nome? -pergunto andando pelo corredor, com ele acompanhando.

-Aí meu Deus, mil perdões! Meu nome é Justin. Justin Bieber. A sua disposição. - responde e faz sinal de reverência

Ahhh tá de sacanagem o filho da Bieber’s Interprise, tá aqui do meu lado. Só pode ser pegadinha.

-E o seu? -fala ele, com um sorrisinho, que por Deus. Adoraria vê-lo todo dia.

-Bárbara. Bárbara Palvin.

Quando paramos em frente a sala que seria minha. 

-Sua sala é essa? -pergunta ele, apontando para dentro.

-Infelizmente ou felizmente, sim. -respondo com receio, ao ver dois idiotas correndo atrás do outro com um lixo na mão.

-Então senhorita Palvin, sinto em lhe informar, mas felizmente ou infelizmente, teremos aula juntos! -diz ele com um sorriso encantador de canto.

Por Deus, esse menino quer me matar. E como resposta, solto uma risada. Por lembrar o que acabara de acontecer.

Primeiro esbarramos e caímos no chão. Depois por ironia do destino, estamos na mesma sala.

Adentro a mesma, e percebo que Caitlin encontra-se sentada. E quase não conseguimos evitar os gritinhos histéricos.

-Aahhh! Viada! Porra Palvin, você tá mais linda que a última vez que te vi. -diz ela ao me abraçar

-Caitlin, sua louca! Como foi a viagem?! -respondo, um tanto quando envergonhada ao perceber, que Justin observava tudo.

-Ótima amiga! Já não vejo a hora de voltar a Londres. Além do clima agradável, tem vários boys gatos e...

-Entendi Caitlin. Só perguntei como foi. Se ela foi boa ou não.

-Mas é claro que foi. E a Ashley? Cadê?

-Disse que ia atrás de uma “amiga”-respondo fazendo sinal de aspas com as mãos.

E por breve momento sinto-me observada, e olho na direção de Justin. E o mesmo, desvia o olhar e começa a falar com garotos, que estão sentado próximos a ele.

Ao me sentar, escuto a porta se fechar e uma mulher, bem sofisticada. Sentar-se à mesa, na nossa frente.

Logo após a porta é aberta novamente, adentrando Ashley e mais três garotas. 

-Bom dia turma. Serei a nova professora de Língua Inglesa de vocês... 

A aula segue normal, quando sinto um um papelzinho me atingir. Quando olho para o lado, vejo Ash me olhar. Abro o papel e lá está escrito:

-“Então, como foi a sensação? No primeiro dia, já esbarrar em um príncipe encantado? :)”

Olha de volta, e ela está com sorrisinho e levantava as sobrancelhas.

Minha única reação foi rir, seguida de uma bela revirada de olho.

As aulas de estenderam normalmente. Após o fim, vou a procura de Ash, e não encontro. Mas vejo Ryan, que vem em minha direção sorrindo.

-E aí maninha? Como foi o primeiro dia? -fala enquanto me apertar em seus braços, um abraço tanto quanto apertado.

-Aquela coisa né...nada de anormal para um primeiro dia.

Ele faz uma cara engraçada, e olha para o estacionamento a procura de alguém. E fala.

-Vai querer carona? Vou com um amigo meu.

-Ah não valeu. Vou com a Ash, só preciso achá-la.

-Cuidado! Amanhã passo por lá, manda beijos pra Bela.

-Pode deixar!

Apesar de Ryan, morar com a mãe, ele era um filho e irmão bastante presente em nossa casa. Mesmo com nosso pai ajudando a sua mãe. Desde os 13 trabalhava em uma lanchonete. E sempre gostou da independência, e quando colocava algo em sua cabeça que queria, sabia exatamente como conseguiria.

Apos me despedir dele, sigo meu caminho em direção ao outro lado do estacionamento a procura do carro de Ashley e com esperança que ele ainda esteja lá. Mas llogo sinto meu braço ser puxado alguém.

-Ei, anda fugindo de mim?

-Por que eu fugiria de você? -respondo um tanto quanto sugestiva a Justin.

Ele faz uma expressão indecifrável e me encara no fundo dos olhos. E por fim fala.

-Então, pensei que poderíamos sei lá, marcar de tomar um sorvete, ou eu poderia te dar uma carona. Como um pedido de desculpas, não aceito um ‘não’ como resposta.

-Adoraria tomar um sorvete, mas a carona fica pra outro dia. Irei voltar com minha amiga.

-Ah claro, sua amiga. Bom então amanhã podemos tomar o sorvete?

Penso e respondo rapidamente.

-Claro que sim! Até mais

Falo, e sigo meu caminho até o carro de Ash, percebendo que a mesma encontra-se dentro. Mas ainda escuto Justin gritar.

-Palvin, espera... seu número. Como vou te ligar?

E com um sorriso divertido no rosto, grito para o mesmo.

-Você vai saber como me encontrar!”

 

 


Notas Finais


-É isso Guyysss, espero que gostem do primeiro capítulo.
-Como eu disse a fanfic não é movida a comentários, mas ajudam muito!
Xoxo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...