História Nothing Like Us (Jungkook - BTS) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Visualizações 98
Palavras 2.155
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


NOTAS FINAIS
POR FAVOR




Boa leitura :3

Capítulo 1 - Capítulo 1


Fanfic / Fanfiction Nothing Like Us (Jungkook - BTS) - Capítulo 1 - Capítulo 1

Narrador point of view

Flashback on.

-Bom dia mãe, bom dia pai! – Nari disse dando um beijo em cada um.

-Bom dia, querida – os pais disseram juntos.

-Você não está atrasada não? – disse sua mãe.

-Na verdade, não. – a garota sorriu e pegou uma maça, se sentando ao lado de sua mãe.

-Hm, filha, queremos conversar com você. – disse seu pai.

-Sobre? – Nari perguntou sem entusiasmo, já que seu pai era prefeito da cidade e só falava sobre negócios.

-Eu e seu pai vamos viajar. – sua mãe disse olhando para a filha.

-Tudo bem. – ela deu de ombros, já estava acostumada com as viagens de seus pais. – Por quanto tempo?

-Uma semana, no máximo. – seu pai disse e sorriu fraco.

-Hm, ta bom. – ela sorriu fraco se levantando. – tenho que ir, tchau.

-Tchau querida. – seu pai disse.

-Tchau meu amor, amamos você. – sua mãe gritou.

-Amos vocês também. – ela sussurrou fechando a porta, enquanto uma única lágrima escorria pelo seu rosto.

Ninguém sabia o quanto a garota se sentia sozinha.

Ela só queria atenção, mas agora, estava triste por seus pais estarem sempre viajando.

-Droga de vida. – murmurou  já na entrada da escola.

[...]

3 meses depois.

A garota abriu os olhos e se deparou com um local desconhecido por ela.

Olhou em volta e tudo o que viu era branco, branco e mais branco.

-Venha para mim. – uma voz sussurrou perto dela, mas nada viu. – Apenas siga minha voz. – disse dessa vez mais alto.

Ela estava com medo, só queria voltar para casa, mas foi tomada pelo impulso e seguiu a voz.

-Cada vez mais perto. – ele sussurrou e um calafrio percorreu seu corpo.

A garota caminhou mais um pouco pelo nada, até avistar flores roxas e um penhasco enorme.

-Ande, preciso te ver. – ele disse e fungou depois, como se chorasse.

-Quem é você? – a garota sussurrou também, olhando para os lados procurando por alguém.

-EU SÓ PRECISO TE ENCONTRAR. – a voz masculina gritou aos prantos, causando aa garota uma angustia sem fim. Agora ela precisava encontra-lo – Por favor, venha para mim. – ele suplicou

Nari fechou os olhos com força  quando os abriu, viu um garotoao longe, na beira do penhasco olhando para baixo.

-ME ENCONTRA, SÓ ME ENCONTRA. – ele gritou olhando para baixo com seu rosto vermelho devido ao choro e inúmeras lágrimas se misturavam com a água do rio.

-EI, NÃO PULE DAI. – Nari gritou o mais alto que pode e o garoto  olhou surpreso para ela.

Ela piscou rapidamente e já não estava mais lá em baixo. Olhou para o lado e viu o garoto a olhar atentamente.

Ele tinha cabelos castanho escuros, olhos da mesma cor incrivelmente brilhantes, além de ter lábios extremamente vermelhos e convidativos.

-V-você, você me achou. – ele sussurrou e sorriu em seguida.

-Eu sempre vou te achar. – ela sorriu de volta.

Ele fitou Nari por alguns segundos e foi se aproximando lentamente da garota.

Logo o chão foi se abrindo, dando a ela a visão da correnteza lá em baixo.

Ela estava caindo, fechou os olhos com medo, esperando o impacto com a água, mas tudo o que sentiu foram braços a segurando e lábios macios tocarem os dela.

-E eu sempre vou te segurar. – ele sussurrou.

-Nari, acorde meu amor. – disse Yura, a governanta da casa bastante aflita.

Nari abriu os olhos rapidamente, respirando ofegante e totalmente suada , olhou em volta vendo que não estava mais naquele lugar branco, e sim em seu quarto.

- O que houve com você? Teve outro daqueles sonhos estranhos? – Yura perguntou acariciando os cabelos macios de Nari enquanto a mesma sorria fraco.

-Sim, Yura. – ela disse se levantando da cama.

-Querida, eu não sei mais fazer. Desde que seus pais seus pais se separaram e sua mãe viajou você está assim.

-Relaxa, vou ficar bem. – Nari bufou.

-Esta bem querida. – Yura disse derrotada, sabia que mesmo Nari tendo total confiança nela, nunca lhe contaria o quanto estava mal com tudo que vem acontecendo. – Tome um banho e se vista direit, sua mãe chega hoje de viagem com a tal surpresa.

Nari assentil e foi para o banheiro

Depois daquela viagem, a mãe de Nari , pegou seu marido, a traindo com uma dessas mulheres de casas noturnas. Não aguentou a traição e acabou pedindo divorcio.

Com isso, o pai de Nari resolveu morar no Texas, bem longe da Coréia do Sul, onde Nari e sua mãe moravam.

So-Young já não aguentava mais sofrer pela traição e decidiu viajar pelo mundo, há exatamente dois meses e voltaria naquele dia, com duas surpresas em uma.

[...]

Nari saiu do quarto ouvindo vozes estranhas no andar de baixo, onde sua mãe já se localizava com a surpresa e só aguardava a filha descer.

Antes de sair do quarto, se olhou no espelho e ficou satisfeita com sua roupa

A garota desceu as escadas observando a sala totalmente vazia.

“Devem estar na sala de jantar, é claro” – a garota pensou.

Rapidamente a garota se dirigiu a sala de jantar, vendo sua mãe sentada a mesa com um homem e um garoto que parecia ter sua idade, mas não sabia ao certo, pelo fato de ele estar de costas para ela.

So-Young ria de algo engraçado que o homem disse e demorou um pouco para notar a presença da filha, mas assim que a viu, fez questão de berrar por ela.

-Nari meu amor, como você está linda, parece que cresceu bastante desde que viajei. – So- Young disse abraçando a filha.

-Mãe, você só ficou fora por dois meses. – a garota murmurou com as bochechas rosadas.

-Para mim apareceu mais minha filha. – a mulher sorriu. – Bom querida, quero que conheça Jinwoo, conheci ele numa cidade aqui no interior do Canadá, Stratford, já ouviu falar? – So-Young  perguntou e a filha negou com a cabeça enquanto enquanto apertava a mão de Jinwoo, que parecia ser bastante simpático.

-É um prazer finalmente te conhecer, sua mãe falou bastante de você. – ele sorriu r logo voltou a sentar.

-Estou namorando com ele.- a mãe sussurrou no ouvido de Nari, que ficou surpresa, mas permaneceu calada. – E esse aqui, é o filho de Jinwoo, o nome dele é Jungkook e ele tem a sua idade. Ela disse mais alto dessa vez apontando para o garoto.

Logo Jungkook fez questão de levantar para cumprimentar a garota que ainda não tinha visto, mas assim que a viu seu coração palpitou mais rápido e seus olhos se arregalaram.

Nari se encontrava da mesma forma.

Ambos apenas se encaravam daquela maneira sem dizer nada.

“Não, não pode ser, é ela? A garota dos meus sonhos?” Jungkook pensou enquanto fitava os olhos azuis de Nari.

“Era ele, o garoto dos meus sonhos, mas como?” Nari pensou, mas logo se despertou do transe, quando Yura entrou na cozinha avisando que o jantar sairia em minutos.

-Prazer, Jungkook.- a garota se pronunciou primeiro.

Jungkook balançou sua cabeça freneticamente se livrando do transe apenas naquele momento.

- O prazer é todo meu, Nari. – ele disse e beijou delicadamente as costas da mão esquerda da garota , que corou violentamente com um pequeno sorriso no canto dos lábios.

- O jantar está servido. – Yura disse e sorriu após colocar os pratos em cima da mesa, onde dentro, havia uma lagosta para cada um.

“Lagosta, tópico da mamãe Nari pensou e riu baixo, atraindo a atenção de Jungkook para ela, o que fez a garota corar, pela segunda vez naquela noite. Eles estavam sentados um de frente para o outro e não dispensavam uma troca de olhares durante o jantar.

Nari point of view

-Querida, pode deixar que eu termino de arrumar essas louças. – Yura disse tirando o pano de prato das minhas mãos.

-Eu te ajudo, Yura. – insisti indo em direção a pia para lavar alguns pratos que restavam.

-Algo está te incomodando, querida?- Yura perguntou notando minha inquietação.

-Nada de mais. – passei o o pano no prato e sem querer, o derrubei no chão, fazendo o mesmo se estilhaçar.

-Nari, o que está acontecendo? – Yura apontou para a cadeira a sua frente com a cabeça, indicando que eu deveria me sentar.

-E-eu, só não quero ficar lá. – disse me referindo á sala de estar, onde estavam minha mãe, Jungkook e Jinwoo

- O que quer que esteja acontecendo, você não vai poder evitar para sempre. – ela disse acariciando minha mão.

-Eu sei disso. – disse e suspirei derrotada já levantando para ir para a sala. – Obrigada Yura.

-Disponha pequena Nari. – ela disse e sorriu.

Andei em direção À sala, já podendo ouvir alto as vozes vindas de lá, nada de anormal, até que ouço uma voz muito, mas muito conhecida gritar.

-COMO ASSIM NAMORANDO MÃE? VOCÊ NÃO PODE FAZER ISSO! – a voz de mei irmão ecoou pelos meus ouvidos, me fazendo ficar feliz , mas assustada pelo seu grito.

-Querido, se acalme. – minha mãe pediu.

-ME ACALMAR? COMO EU POSSO ME ACALMAR SABENDO QUE MINHA MÃE QUE ACABOU COM UM CASAMENTO DE ANOS A MENOS DE 4 MESES JÁ ESTÁ ENVOLVIDA COM OUTRO HOMEM?! – Taehyung berrou novamente alterado.

-Taehyung, para com isso, a mamãe sabe o que faz. – pedi já me intrometendo na conversa, atraindo todos os olhares da sala para mim, o que me fez corar.

-NARI EU NÃO ACREDITO...- ele continuou gritando.

-Para com isso Taehyung. – grunhi pausadamente o fuzilando com o olhar. – Você acabou de voltarde viagem, deve estar cansado, suba, tome um banho e durma. – ordenei a ele. – A G O R A. –disse novamente percebendo que ele iria me interromper.

-Tudo bem. – ele  disse derrotado já subindo as escadas.

-Obrigada, querida. – minha mãe disse colocando suas mãos em meus ombros e sorrindo fraco.

- Jungkook, Jinwoon, me desculpem por isso, ele ainda não aceitou bem a separação.

-Sem problemas So. – Jinwoo sorriu em conforto e Jungkook concordou com a cabeça.

- Vou pedir um café a Yura. – minha mãe disse se sentando novamente. – Nari, leve Jungkook para o seu quarto, vocês deviam se conhecer melhor, tenho certeza que vão se dar muito bem. – ela sorriu enquanto eu simplesmente concordei e corei.

-Vamos. – disse sorrindo fraco apontando a escada com a cabeça. Jungkook sorriu e apenas me seguiu silencioso como sempre.

[...]

-E seus pais, como se separaram? –perguntei  ao Jungkook, que estava sentado na cama de frente para mim ouvindo atentamente casa palavra que dizia.

-Bom, minha mãe engravidou muito nova ainda, então não sabia muito bem como lidar com esse tipo de coisa. – ele disse pensativo. – Ela e meu pai não tinham um relacionamento sério e muito menos estável, então quando eu tinha 10 meses eles já não aguentavam mais e se separaram. Minha mãe conseguiu a minha guarda e depois de um tempo se casou novamente, então ela teve mais dois filhos, a Joohyun, que tem 6 anos e o Jaehyun que tem 4. Então ano passado, resolvi viver com meu pai, eu sentia falta de de uma figura masculina na minha vida, sabe? – ele perguntou olhando para mim e apenas assenti, o fazendo sorri fraco. – E então estamos aqui hoje.

-Seus irmãos devem ser lindos iguais a você. – falei aleatoriamente depois de alguns minutos em silêncio, mas logo me arrependi de ter dito aquilo e corei, fazendo Jungkook gargalhar.

-Sim, eles são lindos, mas iguais a mim eu já não sei. – ele disse e piscou para mim, fazendo-me estremecer. – Você me lembra alguém. – disse me encarando sério.

-Quem? – perguntei desentendida.

-Alguém que esteve em alguns sonhos meus. – ele disse arqueando as sobrancelhas

-Hm. – disse simplesmente.

- Jungkook meu filho, vamos? – Jinwoo apareceu na porta.

-Ah sim, claro. – Jungkook concordou se levantando.

-Te espero lá em baixo. – ele falou e saiu descendo as escadas, deixando apenas eu e Jungkook no quarto.

-Então... – disse me levantando. – Até mais , Jungkook. – disse e sorri, olhando para baixo e encarando minhas mãos entrelaçadas.

-Até mais, Nari. – disse vindo em minha direção , deixando um beijo demorado em minha bochecha e saiu do quarto, me deixando sozinha e imersa em pensamentos e suspiros.

-Preciso de um banho. – disse a mim mesma

[...]

Sai do banheiro depois de um tempo e fui ao closet, pegando o primeiro pijama que vi pela frente.

Troquei- me e me deitei na cama, afundando mais uma vez em meus pensamentos, mais precisamente pensando em Jungkook.

Suspirei cansada e decidi dormir, me ajeitei melhor na cama  e me cobri com o edredom grosso, por causa do frio, fechei os olhos, sendo dominada pelo sono e pelo cansaço.

Logo depois de um tempo abri os olhos vendo que estava novamente no sonho, já que estava naquele lugar branco e cheio de flores roxas mais uma vez.

Caminhei durante alguns minutos em uma direção qualquer e logo avistei um garoto parado em frente a uma porta, mas não conseguia ver quem era.

Apressei o passo com a intenção de ver melhor o  garoto.

-Pensei que não vinha mais. – ele disse e sorriu para mim.

É, lá vamos nós de novo, Jungkook.

 

 

 

 

 


Notas Finais


É bem, eu tenho certeza que essa fanfic vai flopar, eu nem ia trazer ou fanfic Nova sem terminar de corrigir as outras, sla eu apenas resolvi trazer s2

Peço para que deixem um comentário é muito importante para mim s2

PRECISO DE UMA CAPISTA KKKKKKKKKK

Se alguém for capista ou sabe de alguém que seja, me mande mensagem aqui mesmo pelo spirit, ficarei agradecida s2

E desculpem pelos erros

Meu perfil: @smolwriter 💁‍♀️

Beijos e até o próximo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...