História Nouvelle Chance - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Fanfic Educativa, Romance, Traição
Visualizações 5
Palavras 1.681
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Fluffy, Hentai, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá Brasil 💚
Essa é a minha segunda fanfic e não será one-shot! Tentarei ao máximo levar a história a sério e postar frequentemente. Bom, não quero tomar muito o tempo de vocês e espero que gostem! Nos vemos nas notas finais :)

PERSONAGENS:
Lucia Peres Fazzini - Dua Lipa
Jade Arteaga Santos - Lucy Hale
Maurício Sanches Müller - Toni Kroos
Philipe Muniz Hwang - Nam Joo Hyun
Rafael Hoffmann - Ivan Rakitić
(Participação Especial)

*o nome de Lucia se pronuncia da forma como se fala nos países de língua espanhola apesar da história se passar no Brasil*

Capítulo 1 - Révélations et proposition



Lucia 


Era sexta, fim de expediente, noite fria e mesmo assim, teria happy-hour. Eu não estava muito afim de ir já que meu namorado já havia chegado desde às 18:00 do meu estado natal, Ceará e ficaria durante uma semana comigo. 


-Bom, acho que não vai dá para eu ir com vocês. Rafael já está lá em casa. -Digo enquanto arrumo minha mochila. 

-Olha Lucia, você tem que ir! Eu tenho que falar algo importante e eu quero que esteja lá. É importante para mim e eu quero que você esteja em todos os momentos bons ou ruins da minha vida. -Jade falou com uma expressão séria que até eu tive que concordar de ir. 


-Jade, você tá assustando a todos nós com esse mistério. Acredito que todos nós estamos nervosos para saber a tal notícia. -Leonardo, produtor do nosso telejornal, comentou. 


-Chega de conversinha né? Vamos logo para o bar antes que o trânsito fique mais infernal do que já é a esse horário. -Alessandro diz logo pegando suas chaves e seus pertences.

 
Fui a primeira a sair e caminhei em direção ao estacionamento. Dei partida até o bar e fiquei quase 20 minutos presa no trânsito e mesmo assim, cheguei primeiro e tomei o famoso ''chá de cadeira''. Pedi um chá gelado pois não estava me sentindo bem para tomar bebida alcoólica. Poucos minutos depois, vejo Alê, Jade e Leo vindo em direção a mesa onde eu estava. 


-Finalmente! -Digo batendo palminhas. 


-Se eu tivesse a chance de sair de São Paulo, eu sairia na hora mesmo! Não aguento esse trânsito. -Leo disse se sentando ao meu lado. 


-Saudade de quando eu trabalhava como repórter em Poços de Caldas em Minas. Era feliz e não sabia. -Alê sempre recordava os momentos em seu estado natal pela falta que sentia de seus pais e irmãos. 


-Vou ser direta pois a Luci tem que ir logo por conta do namorado e ela está me perturbando aqui, haha. Gente, eu recebi semana passada uma proposta do Daniel Fernandes, nosso direitor de jornalismo para que eu fosse trabalhar como apresentadora no Jornal das 10H no Rio e eu pensei muito. Iria ganhar muito mais do que eu ganho aqui em SP e bem, eu aceitei a proposta. -Jade terminou sua fala com lágrimas nos olhos e deixando a todos nós num silêncio profundo. Resolvi me pronunciar depois que o silêncio havia se tornado algo desconfortável.

 
-Jade, você poderia ter me contado isso! Somos melhores amigas e eu já estou sofrendo muito. Eu simplesmente não consigo ficar longe de você, amiga. -Falei tudo o que se prendeu durante aquele tempo de silêncio. 


-Luci, eu não te contei pois não queria que você sofresse sabe? Você está tão feliz com o noivado do seu irmão, tá trabalhando a distância para o maior jornal esportivo de Madrid....Não queria estragar sua felicidade, eu sinto muito. -Senti sinceridade naquelas palavras e eu sabia que jamais ela mentiria para mim. 


-Olha Jade, você não estragou nada e eu estou muito feliz por essa sua grande oportunidade. É sua hora de brilhar, minha menina! Tenho certeza que você vai dar conta do recado. -Digo e lhe dou um grande abraço. Talvez essa seria a última vez que nos víamos naquele mês.


-Você é que minha menina! Sou 2 semanas mais velha que você, haha. Obrigada Luci! Eu vou sentir tanta falta das nossas risadas, brincadeiras e da sua luz brilhante. Sua hora também vai chegar, gigante. -Aquelas palavras me emocionaram mais ainda. Seria difícil para mim ir trabalhar sem ter aquele barulheira divertida que Jade fazia sempre. 


-Bom, eu tenho que ir. Rafael já me mandou uma mensagem dizendo que está me esperando a horas, haha. Tadinho. -Digo com os olhos ainda na tela do celular.


-Tudo bem, Luci. Se cuida e até breve! -Jade me abraçou forte como sempre. Parecia que ia quebrar meus ossos.


-Tchau Lu! Até segunda! -Alê e Leo disseram em uníssono que até eu achei engraçado. Parecia que eles tinham até se combinado para falar aquilo. Acenei de volta e fui em direção ao estacionamento pegar meu carro.


Depois de colocar meu casaco e minha mochila nas costas, ouço meu celular tocar. Era Daniel Marinho, mas....O que ele queria comigo?


-Boa noite, Daniel. -Atendo sem mostrar muita curiosidade. 


-Se não é a minha prata da casa....Boa noite, sra. Lucia Fazzini. Te liguei a essa hora pois quero te fazer uma proposta. -Gelei ao ouvir sua voz. Aquele homem era asqueroso demais ao meu ver. 


-E o que seria essa proposta? -Respondo com a minha curiosidade aumentando ainda mais. 


-É o seguinte, Melina Santos é uma fraca dando as notícias diretamente do Palácio do Planalto, não aguento mais ela! 30 anos e age como uma estagiária! Só não coloco ela para fora pois a nojenta tem sorte de ser casada com o direitor da emissora mas voltando ao assunto....Eu quero que você fique no lugar dela em Brasília! Você vem e ela vai para São Paulo. O que acha? -Fiquei paralisada com suas palavras. 


-É....Calma....Quanto tempo eu tenho para dar a resposta? Tá acontecendo tudo muito de pressa. É muita coisa para eu assimilar em uma noite. -Respondo. 


-Sabia que diria isso, Lucia. Você tem até segunda para me dizer se sim ou não. Ponha o apartamento de São Paulo a venda e se mude para Brasília. Por favor, aceite! Eu não aguento mais aquela incompetente dando notícias com aquela gagueira terrível! -Ele diz me parecendo irritado só com aquele tom de voz. 


-Bem, eu pensarei com muito carinho e lhe darei a resposta na segunda a noite. Só o que me preocupa é a moradia. -Respondo.


-Você tem tempo para pensar nisso quando vier para cá. Pense com carinho. É uma proposta única e sobre o salário.....Você vai receber 7,5 mil por mês. É quase o dobro que você ganha aí em São Paulo. Tenha uma boa noite e até segunda. -A ligação finaliza e eu ainda continuo parada naquela rua deserta. Saio de pressa daquele lugar e entro no carro dando partida até minha casa. 


Penso durante os 30 minutos que estava dirigindo. Aceitava ou não? Como Rafael reagiria? Como eu moraria em Brasília sem antes vender o apartamento em São Paulo? De aluguel? Fiquei com uma baita dor de cabeça  de tanto pensar nisso. Parei o carro em uma calçada e resolvi ligar para Maurício, outro jornalista, meu amigo e que morou durante 2 anos em Brasília. Possivelmente, ele dividiria a bancada com Jade no jornal das 10H. 


-Olá! Quanto tempo, Lucia! -Noto a animação e surpresa na voz de Maurício. Fazia uns 2 meses que nos não nos falávamos. 


-Maurício! Que saudade, narigudo! Bem, eu recebi uma nova proposta de emprego. -Falo ainda tensa. 


-Sério? Para qual estado? Sua melhor amiga vai ser minha companheira aqui no jornal. -Ele diz empolgado. Jade iria ter um treco se eu falasse que o crush dela vai ser seu colega de trabalho. 


-Sim, ela sonhou muito com isso. Fico muito feliz por ela! Voltando ao assunto, recebi uma proposta para trabalhar em Brasília, no Planalto. Tô desesperada pois tenho até semana que vem para dá a resposta a Daniel. -Respondi. Espero que ele me indique logo uma casa para alugar pelo menos por enquanto. Eu quero muito aceitar essa proposta e não medirei esforços. Uma oportunidade como essa, não viria mais nem tão cedo. 


-Olha Luci, só conheço uma pessoa que mora lá e tenho quase certeza que você dividirá as notícias com ele. É o Philipe Hwang, conhece? Um de olhos puxados e bem alto. -Esculto e tento me lembrar da fisionomia do rapaz. Conhecia tantos jornalistas e era quase impossível lembrar de todos. 


-Se eu conheço, não estou lembrada. -Respondi ainda procurando um resquício de lembrança desse rapaz em minha memória. 


-Ah, nem adianta. Te mandarei o contato dele por mensagem. Falarei com ele agora, talvez ele conheça né? -Aceitaria a ajuda de Maurício pois eu estou querendo muito esse emprego mas já sabia que ele ia querer algo em troca. 

-Tudo bem. Tenho que desligar pois já são 23:10 da noite e meu namorado está me esperando em casa. Um beijo e se cuida. Nos falamos amanhã. -Me despeço de Maurício e logo dou partida no carro. 

Cheguei em casa por volta das 23:22, tomei um banho e Rafael chegou a suspeitar que eu estava o traindo por aí e eu não aguentei e logo arrumei uma confusão. 

-Cara, você não namora com uma prostituta não! Eu sou uma mulher e eu sei respeitar aquele que eu possuo um relacionamento. Se você quer saber onde eu estava? Eu estava num bar na festinha de despedida da Jade junto com ela, Alê e Leo! Ela vai trabalhar no Rio e embarca para lá na próxima terça. 


-Tudo bem...Desculpa tá? Mas porque ela vai embora? -Ele pergunta sem me olhar. 


-Te desculpo porque eu te amo e ela vai embora pois recebeu uma proposta de emprego para assumir o jornal das 10H. -Deposito um selinho em seus lábios. 


-Entendi. E a gente hein? Tava com saudade de você, dos seus pei.... -Odiava com todas as minhas forças quando ele se referia a mim como um objeto de prazer sexual. 


-Porra! Não me trata como um brinquedo sexual e nunca mais aperte aí sem consentimento! -Disse numa raiva que para mim, era desconhecida. 


-Como você é chata hein? Passamos dois meses sem nos ver e nem transar podemos? Ah, por favor né? -Ele disse num tô sarcástico que me dava mais raiva ainda. 


-Eu estou cansada! Trabalhei muito hoje, meus pés doem, minha coluna....Respeite minha condição! -Grito e sou empurrada por ele no sofá. 


-Se eu soubesse que era essa merda que tá sendo hoje, eu tinha ficado no Ceará mesmo. Sozinho. -Ele diz e se retira de meu apartamento.


Me levantei do sofá, me tranquei no quarto e me pus a chorar feito uma louca. Eu o amo demais mas ele não me respeita como eu mereço. Sorte dele que eu o perdidamente. Tenho certeza que amanhã, tudo se resolveria entre nós. Ou não. 

 


Notas Finais


Treta de casal já no primeiro capítulo para chegar chegando, haha!
Curtiram? Sugestões? Críticas construtivas? Deixa aí em baixo :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...