1. Spirit Fanfics >
  2. Nova Erá - Retornados >
  3. Do Passado ao Presente

História Nova Erá - Retornados - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olá aqui esta o segundo capitulo de minha historia espero que aproveitem. Aviso: Algumas das imagens que estivem nos capítulos não são minhas só as retirei da internet, e outras são eu que fis.

Capítulo 2 - Do Passado ao Presente


Fanfic / Fanfiction Nova Erá - Retornados - Capítulo 2 - Do Passado ao Presente

“  Corro pela floresta fugindo do  perseguidor que me perseguia como um animal atrás de sua presa, olhando para trás o vejo correndo atrás de min, ele estava me perseguindo com toda a sua vontade e parecia que faria de tudo para poder me alcançar, não conseguia despistá-lo , ele e rápido como eu poderia dizer que estamos empatados no aspecto velocidade, mas não posso só ficar correndo pela floresta como um louco tenho que despistar esse cara antes de me esbarar com algum ressuscitado vagando pela floresta. Pegando pela alça da mochila em minhas costas a movo para a frente do meu peito e começo a buscar por algo dentro dela que me ajudasse a me livrar do perseguidor, encontro dentro da mochila uma granada de estilhaços sem hesitar retiro o pino e a jogo no meio da trilha em que o perseguidor estava, ele rapidamente para e corre para dentro da floresta para não ser atingido.

“ Boomm “ A granada explode.

 Com o perseguidor despistado rapidamente saio da trilha em que eu estava e vou para dentro da floresta para evitar dele me encontrar, dentro da floresta começo a me movimentar de maneira mais sorrateira e menos perceptível não podia ser encontrado polo perseguidor custe o que custar; já andava pela floresta tinha um tempo não sabia quanto tempo a via passado desde que entrei nela, não era uma boa ideia ficar andando sem rumo em um local como esse e se deparar com um bando de ressuscitados sedentos por sangue. Chegando aos pés de uma colina que levava a uma região mais elevada da floresta, para min subir essa colina era fácil, a subida era simples qualquer um com o mínimo de inteligência e prepara físico conseguiria subir sem o menor problema, mas por mais fácil que fosse subir até o topo não avia motivo para eu fazer isso .....

“ Bang, bang, bang, bang “ sons de tiros começam a ecoar pela floresta.

 Arregalo meus olhos ao ouvir os disparos ao fundo da floresta, não demoro muito para eles começarem a parar, eu sabia bem quem efetuou os disparos o perseguidor o mesmo perseguidor que me persegui pela trilha instantes antes de eu o despista-lo, ele estava armado isso me colocava em desvantagem em um possível reencontro com ele, agora que penso bem subir a colina não me parece má ideia. Rapidamente corro em direção a subida e começo a subir a colina, me segundo nos galhos das árvores presentes nas arvores que estavam na vertical da colina tornando minha subida mais fácil e menos cansativa, eu já estava na metade da subida cada vez subindo mais, logo chegaria ao topo e poderia descansar e se sentir mais seguro com relação a minha vida; chego ao topo depois de alguns minutos, ao chegar lá me deparo com um local um tanto surpreendente um local de descanso para caminhantes, junto com uma trilha na outra vertical da colina que levava de volta a região mais abaixo da floresta.

 Me sento em um dos bancos que havia lá para descasar não aguentava mais ficar em pé depois daquela subida, meus pés estavam me matando e as botas que eu usava não ajudavam a diminui lá; cansado de toda aquela situação me deito no bando para descansar em paz. Deitado no banco começo a me perguntar a porque dele estar me perseguindo, ele sem dúvida era um caçador assim como eu mas ele não parecia ser um mero caçador qualquer e sim outro tipo de caçador, e pensando bem que tipo de caçador age em cooperação com um batalhão de soldados da N.V.R. isso me parecia estranho, nos caçadores só somos contratados para fazer missões que não envolve a participação direta das fações que nos contratam, nos só fazemos missões individuais sem qualquer vínculo e vestígio de quem seria nossos contratantes isso me deixava com a pulga atrás da orelha, que tipo de missão necessitava um batalhão e o risco de ser exposto para os inimigos?.

 Já fazia um tempo que não me metia num problema desse tipo principalmente agora que estou forra do sul, sul essa palavra me dava nostalgia de quando era mais novo andar a cavalo, laçar e tocar violão, começo a me lembrar do dia em que eu e meus amigos fomos cavalgamos no pasto e acabamos perdendo os cavalos e termos tomado uma sura na volta, eram bons tempos aqueles, minhas pálpebras começam a ficar pesadas não conseguia aquentar ficar com os olhos abertos o cansaço tomou conta do meu corpo tudo que me restou foi fechar os olhos e dormir.

 Horas depois.

 Acordo deitado no banco, olho para o céu para ver que horas eram o sol estava quase na metade do dia, eu tinha dormido de mais, meu estomago começava a rosnar querendo comida que eu não tinha, mas me recordo da mochila que eu tinha em minhas costas, poderia ter algo que me ajudasse nela, pego a mochila que estava no chão apoiada no banco em que eu estava dormindo, a abrindo e a vasculhando em busca de algo para me alimentar dentro dela avia várias coisas diferentes mapas, papeis, ferramentas, armas, e dois pacotes lacrados, pegando os pacotes, um deles era de tamanho médio com plástico verde e o outro era mais pequeno com um plástico negro. No pacote maior estava escrito em sua embalagem estava escrito Ração Militar, e no menor não havia não avia nada escrito, hesitar abro o pacote maior para comer a comida dentro dele avia algumas frutas e pedaços de carne seca, uma típica ração militar dos batalhões dos Reconquistadores, como tudo dentro do pacote com gosto, era bom até mesmo com a falta de gosto da comida.

 Depois de me alimentar e descaçar volto ao meu objetivo principal levar o pacote preto até o acampamento das forças de reconquista e terminar todo esse contrato e receber meu pagamento, sigo pela trilha que me levaria de volta a região mais baixa da floresta, ao voltar a região mais baixa continuo seguindo pela trilha da floresta sem o risco de me perder em meio a floresta ou me deparar com algum ressuscitado pelo caminho, depois de seguir por alguns minutos pela trilha chego em outra parada de acampamento presente na floresta, ao bom para se descansar, me sento em um banco perto de uma torneira de agua e a abro para beber um pouco parecia que tudo estava calmo.

‘Bang’

 Me assusto ao ouvir o som de batida de metal vindo detrás de min, parado atrás de min com um pedaço de metal em sua mão direita estava a pessoa que me perseguiu pela floresta. Sua respiração ofegante e pesada podia ser ouvida de longe, suas roupas eram totalmente pretas das botas até a máscara de gás em sua cabeça a não ser pelos olhos da máscara que eram vermelhos dando um aspecto mais amedrontador, ele parecia um lobo feroz atrás de sua presa ou seja eu.

- Gostou do passeio na floresta enquanto me procurava? – Digo a ele de forma sarcástica em quanto me levantava do banco e pegava em minha cintura meu porrete de madeira de carvalho.

 A resposta foi dada em forma de silencio sombrio que tomou conta do local. Analisando como ele estava era fácil de se supor que tivesse se encontrado com algum grupo de retornados, isso só ficou mais conclusivo ao perceber manchas de sangue negro em suas roupas.

- Vejo que se encontrou com alguns amigos durante o caminho! – Falo de maneira provocativa a ele.

 Ele deu uma bufada enorme de raiva com certeza estava muito irritada.

- Te farei ir fazer companhia a eles quando te matar – Ele fala de maneira ameaçadora para min.

- Olha só parece que você sabe falar – Digo de modo simples com tom de sarcasmo, - Para um caçador que quer tanto pegar uma mera receita de drogas dos Reconquistadores você parece ser um zé ruela.

 - Há, há, há, há, há, há, há, há, há,. – Ele ria com alegria em suas risadas, - Você acha que eu e um Batalhão da N. V. R. iria atacar um batalhão dos Resconquistadores, só por drogas? Há, há, há, .. – Ele retruca de maneira sarcástica a minha fala.

 Fico confuso, meu único trabalho que em deram era acompanhar o batalhão dos Reconquistadores, até seu acampamento na fronteira norte para levar uma receita de medicamentos “drogas” para ajudar no fronte, mas se esse cara não que ria isso o que ele queria ?, não avia nada que vale-se apena travar uma batalha daquele nível, que eu saiba. Mas me recordo do pacote que eu havia encontrado mais cedo, não tinha visto o que tinha dentro por achar que não fosse algo importante mais era a única coisa que em minha mente fazia sentido para esse cara estar me perseguindo.

 - Você quer isso não é? – Pergunto enquanto segurava o pacote preto em minha mão com um sorriso de lado sarcástico em meu rosto.

 - Esse mesmo! – O perseguidor responde de forma simples com tom de estar feliz em ver o pacote.

 Olho para ele por mais um instante e vejo que ele estava mais tranquilo, possivelmente estava feliz em ver o pacote, - Vai ter que me matar, para telo – Digo de modo simples.

 A tranquilidade dele some de imediato ao me ouvir falar aquelas palavras, - Você parecia ser alguém sensato, mas agora vejo que e um zé ruela que se acha demais. Mas bem vai ser divertido ter um duelo entre dois caçadores. – Ele fala com uma voz calma e astuta.  Apenas respondo com um sorriso e um aceno de cabeça em concordância.

 Ele corre em minha direção empunhado a barra de ferro em suas mãos, desvio-me rapidamente dando uma cambalhota para o meu lado direto o fazendo ele bater com a barra no chão, rapidamente lanço um ataque em sua perna direita, mas ela rapidamente dá um pulo para trás conseguindo desviar de meu ataque, de maneira rápida eu preparo um ataque contra seu estomago, mas de maneira astuta ele rapidamente cruza os braços para proteger seu estomago consigo acertar mas não de maneira eficiente para que ele pudesse o desestabilizar. Como um touro enlouquecido ele avança para cima de min com toda sua força me empurrando contra um arvore, antes que eu pudesse reagir ele meda um soco na minha barriga me fazendo ficar de joelhos, tudo que podia ver depois de tudo quilo era ele dando um chute em minha cabeça e tudo ficando escuro.

 

- Haaaaa – Acordo gritando depois de viver tudo aquilo, meu coração baia aceleradamente de forma alarmante eu estava suando com minha respiração acelerada, olho ao redor e percebo estar um quarto branco sem nada a não ser uma pequena comada que estava ao lado da cama em que eu estava deitado uma cama simples em quanto simples. Tento me levantar mas sou impedido, uma algema uma simples algema de metal que estava presa em meu braço esquerdo me impedindo de sair da cama, também pude notar estar usando outro tipo de roupa total mente diferente da que eu usava anterior mente, uma camisa branca de pano com calças azuis de algodão uma espécie de vestimenta de paciente, isso era estranho porque aquelas pessoas me capturado e me trouxeram aqui? Me preguntava em minha mente eu não tinha que eles queriam a não ser o pacote, me vem a mente aquele sonho ou memoria, eu estava com um pacote que tinha algo importante...

“Paw, paw, paw ...” Sons de passos, eu os ouvia estavam se aproximando possível mente devia ser algum vindo ver como eu estava ou seja as pessoas que aviam me capturado, me deito de volta na cama como se não tivesse me movido desde que colocaram ali eu esperava calmamente deixando uma pequena fresta em meu olho direito aberto para eu poder ver alguém entrar pela porta.

“Raaangg” Aporta se abria lentamente mostrando uma pessoa atrás dela, ela entra na sala de maneira sutil e silenciosa tentando evitar que eu me acorde, ao ela entrar na sala consigo visualizar seu rosto, era uma garota! Ela se vestia com um jaleco branco e uma calça preta, carregando em sua mão esquerda uma maleta com uma cruz vermelha, ela tinha cabelos castanhos e olhos amarelos, de cara pude deduzir que ela seria uma medica ou enfermeira. Ela me olhava com olhar de medo possivelmente com medo de que eu despertasse se avisar, ela não percebe que estou me fingido de desmaiado, ela apenas se aproxima cautelosamente tentando evitar de fazer barulho, colocando a maleta medica em cima da comada do meu lada e abrindo retirando de dentro um estetoscópio, ela o coloca em meu peito e começa a ver o meu batimento cárdico, logo o retirando o guardando de volta na maleta.

 Ela se afasta indo em direção a porto, ao chegar lá ela para em frente a porto e chama por alguém, não pude escutar o que ela disse por estar longe de min, mas logo pude ver a sombra de alguém que era refletida na luz se aproximando da sala, ao chegar ele entra na sala, era um homem alto com cerca de 1,80 de altura de pele parda com o cabelo raspado, olhos pretos e com alguns músculos.

 - Ele ainda está desmaiado! – Fala a medica de maneira simples.

Ele me observava atentamente em quanto eu estava deitado na cama. – Não doutora. – Ele diz de modo sério e ameaçador, engulo seco ao ouvir suas palavras, - Ele está apenas nos fazendo de idiotas- Diz ele levantando o punho e me acertando um soco no estoma.

 - Haaaaaaaaa, seu filho da puta – Grito de dor logo após o soco que recebi me fazendo contorcer de dor na cama.

 - Ai está acordado e pronto – Ele fala enquanto a doutora observava com cara de espanto.

 - Pronto para que o desgraça? – Pergunto gritando de raiva para ele.

 - Para seu interrogatório, seu zé ruela – Responde ele de modo ofensivo.

 


Notas Finais


espero que gostem : )


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...