História November Has Come - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Oi meus amoreees!
Eu sei que eu sumi por um ano, mas terminei a faculdade, yay!
Agora sim vou terminar de postar com calma!
Boa leituraaa!

Capítulo 13 - Point of no return


Fanfic / Fanfiction November Has Come - Capítulo 13 - Point of no return

Noodle ficara sentada de frente para o elevador, apoiada na beira da cama de 2D, enquanto o vocalista conseguia dormir depois de meses com medo de um ataque da baleia que rondava Plastic Beach. Cortez dormia ao lado de Stu, em sua forma de corvo novamente.

Para a surpresa da garota, única pessoa acordada ali, o elevador se abriu em seu andar, de onde Murdoc saíra. Imediatamente, ela puxou sua arma, mas viu que estava com apenas uma bala, o que a fez abrir a boca e exibir o cano da pistola que havia instalado em seu próprio corpo.

- Surpreendente sua destreza, Cyborg... Ou devo chamá-la de Old Noodle? – ele ria, enquanto a garota mantinha-o na mira, acompanhando seus passos. – Sabe o seu querido e velho amigo Boogie man? Está lá em cima, preso. Ele está precisando de companhia. Por que você não vem comigo e vamos todos ter uma longa conversa lá?

- Cai fora, Niccals! – ela falava com dificuldade, por causa da arma. – Não vou com você a lugar algum!

Enquanto ela e Murdoc tinham uma longa discussão, a versão gótica da guitarrista puxava 2D e Cortez (que com o susto, voltara a ser humano) da cama, apontando uma arma para a cabeça de cada um.

- Querida Cyborg, - a garota pressionou os dois contra seu corpo, direcionando melhor as armas – Aconselharia a seguir meu Niccals. Ou você quer ver seus dois preciosos sofrendo? – a risada dela ecoou pela sala, e a garota-robô virou-se para ver a cena o que foi a chance perfeita para Niccals agarrar seus pulsos.

Ele, indelicadamente, pressionava os pulsos dela contra sua pele. A armadura de metal já não funcionava mais tão bem, e ela podia sentir sua carne e seu sangue jorrando por dentro do aço que lhe servia de pele.

- Escute bem, garota – ele sussurrou em sua orelha. – Você vai me obedecer agora. Russel vai retirar essa maldita arma da sua boca e você vai subir conosco quieta, entendeu? Ou, dê adeus aqueles dois!

Assentindo com um simples “Sim” com a cabeça, ela ouviu o satanista chamando o grande Russel para retirar a arma dela. Suas duas últimas paixões e armas de defesa se foram. Para proteger seu amigo e seu amado, ela preferira se deixar capturar.

- Noodle, não vá com eles! – 2D berrou, recebendo uma coronhada no canto da boca pela gótica que o prendia.

- Ela não sou eu! – a garota rosnou.

- Ela é a Noodle verdadeira! Por culpa de vocês todos ela ficou assim! Não importa o que você fale ou faça conosco, você não passa de uma vadia do Niccals! – Cortez cuspira essas palavras sobre ela, e recebera uma coronhada contra a nuca.

- Fiquem quietos, por favor! – Cyborg berrara para os dois. – Deixem-nos soltos, Murdoc. Você quer a mim, não a eles. Estou cooperando, agora, atenda meu pedido.

O olhar dela mantinha-se firme no dele, enquanto Russel violentamente arrancava a arma e sangue da garota.

- Muito bem. – Murdoc falou, prendendo as mãos da robô atrás do corpo. – Solte-os, Noodle. Já conseguimos o que queríamos! Vamos subir!

Os três subiram, jogando a mais nova prisioneira no canto do elevador. Ela pôde ver 2D e Cortez correndo e chocando-se contra a porta do elevador, tentando tirá-la dali, mas era tarde demais. Ela nunca deixaria nada acontecer aos dois por causa dela.

Ao subir, a garota encontrou desacordado e amarrado no sofá Boogie man, que estava ofegante. Noodle sentou Cyborg em uma cadeira, manteve as mãos da garota presa e amarrou seus pés as pernas frias e de metal do assento.

- É muito mais do que você merece por ficar com aqueles dois – ela sussurrou contra o rosto frio da Cyborg.

- Ok então; agora os dois estão aqui, presos. Vou ter uma conversinha com Satã. Espero que você não se importe, mas vou levar o Russ e a Cracker comigo. Consegue dar conta deles dois e dos palermas lá em baixo sozinha, amor? - Murdoc sorria para a garota.

- Com certeza. Boa viagem, querido – ela agarrou-o com força contra seu corpo, fazendo seus seios quase saltarem da roupa.

- Até mais. – Niccals se limitou a dizer, saindo com Paula e Russel porta afora.

A garota gótica esperou até ouvir o barulho do submarino se distanciando, e chamou o elevador.

- Acho que vou fazer uma visitinha ao faceache. Deve estar tão solitário... – ela sorriu para Cyborg.

- Com certeza, afinal, não estou mais lá – a garota lançou seu sorriso metálico e ameaçador para a mais nova, que voltou com raiva.

- Acha que ele realmente se importa em ter você quando pode ter a mim? – ela ergueu a sobrancelha.

- Não estou falando em corpo, muito menos em carne e osso. Estou falando de sentimento, uma coisa que você não tem. – Cyborg falou, encarando-a ficar apática – Acha que ele gosta de ficar com você por puro sexo? - ela arqueou a sobrancelha e Noodle lançou um olhar chocado - Oh, eu sei de tudo, Noodle, querida. Stuart me falou sobre suas visitinhas quando Murdoc sai. Como ele odeia você, como sexo com você é uma tortura, como ele ODEIA suas ameaças... – Ela frisara o nome do vocalista, o que dera mais revolta ao coração da gótica.

- Ele te contou? Ele não odeia tanto assim, senão, daria menos importância ao assunto.

- Ah, importância? Não, ele não deu importância – Cyborg riu fraco. – Ele apenas comentou que, você é péssima na cama.

- EU O QUE?

- Ora, vamos! Não seja tão ruim para aceitar críticas! – Cyborg via Noodle tremer de raiva – afinal, você escolheu o Niccals. Stu não merece sofrer por sua causa. DEIXE-O EM PAZ!

- QUEM VOCÊ ACHA QUE É PRA CHAMAR O STUART PELO NOME OU APELIDOS? – Noodle não se dera conta, mas fora a primeira vez que chamara 2D pelo nome, não por faceache – VOCÊ ACHA QUE EM ALGUMAS HORAS SE TORNOU A MELHOR AMIGA DELE? O AMOR DA VIDA DELE?

- Não, não acho. – Cyborg evitou gritar, para não enfurecer mais a garota – Tive tempo o suficiente no passado para isso. Você é que fez tudo errado. VOCÊ PODIA TÊ-LO, TER UM MUNDO DIFERENTE, MAS FODEU COM TUDO! PODIA TER SIDO IGUAL, SÓ QUE SEM O FIM DO MUNDO!

- O que? – Noodle balançou-se para os lados – DO QUE VOCÊ ESTÁ FALANDO? QUEM É VOCÊ? O QUE VOCÊ É? QUEM NÓS SOMOS?

- Eu e você, Noodle – Cyborg falou – já fomos uma. E agora, não somos mais nada. Eu sou sua versão de uma outra realidade. Sou a versão que seu namorado fez questão de dar para Satã, para sofrer no lugar dele por seus pactos. – ela fez uma pausa. – Está feliz de saber que ele jogou uma versão sua no inferno? Ah, e a propósito, uma versão dele mesmo também – ela indicou com a cabeça Boogie man.

A gótica retirou a máscara da criatura e encarou, perplexa, um Murdoc esquelético desacordado.

- E agora, Noodle, o que acha de nós? Sou eu a vilã da história?


Notas Finais


Como eu disse, vai ficando mais louco a cada capitulo!
O que acharam??????


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...