1. Spirit Fanfics >
  2. Novo Destino >
  3. Ela sempre foi um anjo.

História Novo Destino - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Desculpa, eu tenho de atrasar o capítulo
Capítulo é grandinho, pra compensar o atraso de novo :)
Espero que gostem, me digam de tiver qualquer errozinho na escrita, por favor
Bj, boa leitura

Capítulo 3 - Ela sempre foi um anjo.


 

 

 

 

Rafael se arrumava rápido, queria está bonito em seu encontro, tinha medo de decepcionar Marcelo já que o garoto obviamente tentaria alguma coisa em seu apartamento, e o loiro não tinha certeza de que isso seria bom. Além de Marcelo ser de maior, um dos principais pontos negativos na vista do loiro e do moreno que já tinha essa informação, Rafael não se sentiria bem em tranzar com ele em seu primeiro encontro, apesar de sua amizade de quase dois meses

 

 

 

“Me mande uma mensagem dizendo que está bem”- Felipe avisava o amigo das coisas que podiam acontecer, mesmo que o moreno não tenha muito conhecimento sobre Marcelo ele sabia sua idade e tinha noção de quê ele não se aproximaria de Rafael sem segundas intenções- “Se ele tentar alguma coisa vo-”- ele iria dizer de novo o que o loiro tinha que fazer caso o outro tentasse fazer alguma coisa contra sua vontade, mas Rafael interrompeu ele antes de completar sua frase

 

 

“Eu já te disse que vai ficar tudo bem, deixa disso”- Rafael respondeu o amigo, ele estava feliz em saber que Felipe se preocupava com ele, mas já estava a ponto de mandar ele calar a boca de tantos avisos, que em sua perspectiva era desnecessário

 

 

“Eu só estou preocupado, e se ele for um maníaco? Ou um sequestrador?”- Felipe deu sua desculpa, mas não deixou de realmente pensar nessas condições, o loiro poderia muito bem sair para esse tal passeio e ser encontrado em três lugares diferentes no dia seguinte- “Lembra do plano, né?”

 

 

“Felipe Zaghetti, você já disse três vezes esse teu tal plano”- Rafael disse, parando de arrumar seu cabelo e encarando o moreno- “Eu já te disse que se acontecer alguma coisa eu vou te enviar mensagem”- ele viu que o moreno olhar para o lado com uma certa preocupação- “Vai ficar tudo bem comigo, relaxa, cara”

 

 

“Desculpa, eu só tô preocupado”- Felipe disse, expondo sua preocupação diretamente pela primeira vez

 

 

“Não tem problema, mas tu tá me tratando como se eu fosse sua namorada”- Rafael começou, não olhando para ele em nenhum momento- “Eu tô saindo com ele pra vê se dar certo, eu acho que a última coisa que ele vai fazer é algo que vai fuder a imagem dele”- ele disse, em um tom mais pesado- “E além disso a gente só vai sair, assistir um filme, sei lá”

 

 

“Hm, assistir filme, nós dois sabemos que você não vai assistir filme”- Felipe murmurou concordando, ele não queria estragar o encontro do amigo, mas não se sentia bem em confiar o amigo a um cara aleatório- “Se divirta então”

 

 

 

 

>>×<<

 

 

 

 

 

Tarik havia pedido para sua tia para dar um passeio pela rua, como já era tarde ela o mandou levar João consigo para evitar qualquer confusão, eles andavam conversando no meio da rua, longe da casa de Adria que já estava indo dormir, o menino com uma jaqueta de couro preta tirou um maço de cigarro junto a um isqueiro

 

 

“Eu não sabia que você fumava”- disse João, olhando para primo de canto de olho

 

 

“Só quando estou estressado”- Respondeu Tarik, acendendo o cigarro- “Pega um”- ele ofereceu, esticando a caixa de cigarros ao primo que negou com a cabeça- “Vai logo, se não gostar não vou insistir”- João não relutou tanto e pegou um, encarando o primo guardar o resto, ele colocou na boca e Tarik acendeu ele com o isqueiro

 

 

Eu algum momento andando eles chegaram em um lugar afastado, onde tinha árvores ao chão, eles se sentaram e encararam o céu estrelado por ter poucas luzes acesas na cidade

 

 

“Eu senti falta de vocês”- Tarik disse, soltando fumaça pela boca- “Eu prometi pra mamãe voltar pra cá, mas eu não tive coragem”

 

 

“Também sentimos sua falta, quando a titia morreu a mamãe pensou em pedi tua guarda, mas o tio não deixou”- João disse, fazendo o mesmo que o primo

 

 

“O Pedro é um babaca”- disse ele, tirando o cigarro da boca apenas para falar- “Quando a mamãe morreu ele começou a ser mais abusivo, teve dias em quê eu realmente dormi na rua porque ele não me queria dentro de casa”

 

 

“Ele sempre foi babaca, até conhecer a titia”- João disse, soltando a fumaça devagar

 

 

“Minha mãe sempre foi um anjo, quando eu disse pra ela sobre meu namorado ela super apoiou, queria até que ele fosse morar lá em casa”- Tarik contou rindo, logo ele apagou o cigarro e jogou no chão, pisando em cima

 

 

“Eu lembro dela cantando, para dormimos rápido porque a gente não parava quieto”- João disse, rindo junto ao primo e jogando o cigarro no chão, o apagando ao pisar nele

 

 

Logo eles ouviram alguns passos, se levantaram e foram para mais perto da rua, deixando isso de lado Tarik e João pegaram outro cigarro e voltaram a fumar, andando até um playground de madeira de uma praça perto deles

 

 

“Sabe que horas tem?”- Perguntou João, depois de soltar a fumaça do cigarro

 

 

“Não faço idéia”- essa foi a resposta de Tarik, ouvindo um barulho de carro, eles olharam para rua e viram um carro preto, passando normalmente pela rua vazia, um gato branco se aproximou deles, tomando a atenção para ele- “Olá, amiguinho”- Tarik acariciou a cabeca do gato, se apoiando na corrente do balanço com a mão que segurava o cigarro entre os dedos

 

 

“Qual o teu problema com os meninos?”- João perguntou, olhando para o gato que agora pedia carinho se esfregando em suas pernas

 

 

“Os meninos?”- perguntou com humor, vendo João afirmar rindo mínimo- “Nenhum”- essa resposta foi uma surpresa para João, que riu do menino confuso

 

 

“Tão tá”- ele disse e logo os dois riram, sem preocupação com o que tava acontecendo ao redor

 

 

A madrugada ganhou a cena, trazendo consigo o frio, a combinação perfeita para o caos na cidade grande, mas naquela cidade onde a paz era mais presente que a confusão, Tarik se viu em paz pela primeria vez depois de muito tempo, ainda não acostumado com isso um canivete no bolso do casaco de Tarik era presente, eles voltaram a andar na direção em que vieram, conversando e brincando com tudo

 

 

“Assim ó”- Tarik mostrou uma manobra com o canivete borboleta, João estava interessado no assunto depois da conversa deles sobre a vida de Tarik na cidade

 

 

“Que foda”- João disse, depois de Tarik entregar em suas mãos o canivete colorido, Tarik sorria ladino e confiante, parecia feliz e pensativo ao ajudar João a fazer a mesma manobra

 

 

“Pode ficar com ele”- disse ele, vendo o primo sorri confuso e se preparou para responder uma pergunta inexistente- “Não tem problema, eu tenho outro na minha mala”

 

 

 

 

 

 

>>×<<

 

 

 

 

 

 

 

“Acorda, se não tu atrasa”- a voz de Felipe acabou assustando o loiro que dormia abraçando uma pelúcia de estrela cor de rosa que ganhou em meio ao passeio de ontem a noite

 

 

Rafael sentou, deixando seu corpo definido presente onde a coberta não cobria, ele dormia sem camiseta com uma bermuda do moreno, seus cabelos bagunçados e olhos vermelhos, tudo se fazia presente nele, ele viu o moreno vestir uma calça e lembrou que suas aulas iriam começar ainda por hoje de manhã, assustado ele levantou, sentindo dor em seu quadril

 

 

“Ah”- ele tentou não gemer, mas falhou, tomando a atenção do amigo que lhe olhou confuso - “Desculpa por isso”

 

 

“Não tem problema, só pede pra ele não te machucar muito na próxima vez”- disse Felipe, sério a ponto de deixar Rafael assustado, ele entrou no banheiro e se apoiou na pia- “Os garotos vão levar café pra gente, eles vão na lanchonete que você trabalha”

 

 

“Ah, tudo bem então”- disse o loiro, encostando a porta e tirando as roupas do seu corpo- “Vou ir lá em casa depois da escola”- ele entrou no box do banheiro e ligou o chuveiro, se espreguiçando e sentindo seu corpo doer um pouco

 

 

“Pensei que não queria mais olhar para aquele filho da puta”- disse Felipe, com uma certa raiva, Rafael riu baixinho e sorriu no box

 

 

“E eu não quero, pode ir comigo? Quero pegar minhas coisas pro apartamento”- disse Rafael, e Felipe revirou os olhos pegando um moletom de Rafael no armário 

 

 

“Por que não fica aqui? O apartamento é muito longe”- disse o moreno, escutando o chuveiro ser desligado, e de lá saiu o loiro pouco molhado com a toalha na cintura

 

 

“Pra você me vê todo dia?”- perguntou Rafael, pegando uma box de uma das gaveta do armário, Felipe estava sentado no sofá do quarto encarando o amigo se arrumar- “Vai enjoar da minha cara”

 

 

“Não enjoei durante todos esses anos”- o moreno riu, olhando a indignação do amigo

 

 

“Haha, engraçado pacas”- disse Rafael, deixando a toalha da porta do armário e vestindo uma camiseta cinza, com uma frase escrita em preto no centro “a dose of coffee, please”- “Mas falando sério, quer mesmo que eu fique aqui?”

 

 

“Hmrm”- respondeu Felipe, pegando sua mochila ao vê o amigo vestir uma calça jeans azul escura- “E você?”

 

 

“Eu quero”- disse ele, calçando seu sapato simples e pegando sua mochila também, ambas as mochilas eram pretas, com o frio presente Felipe pegou um moletom preto dele e jogou no amigo, que pegou e deu o dedo do meio para ele- “Vamos logo, tô morrendo de fome”

 

 

 

 

 

>>×<<

 

 

 

 

 

O caminho foi cheio de brigas bestas e planos engraçados, em meio a conversa eles falaram sobre a mudança definitiva de Rafael para a casa de Felipe, estavam resolvendo tudo até Rafael se assutar

 

 

“Passa tudo”- alguém atrás dele disse, encostando algo em suas costas, paralisou, ao ouvir as risadas de Felipe junto a essa pessoa, ele se virou e viu Carlos de cabeça baixa com a mão no rosto, ele parecia bravo mas riu logo em seguida, olhou para o garoto na qual começou a brincadeira e viu Rodrigo, um amigo que estudava junto à ele e seus amigos

 

 

“Que susto, caralho”- disse ele, com a mão no peito e logo riu revirando os olhos, mesmo não sendo muito de abraços, abraçou Carlos com carinho e beijou seu rosto- “Como foram as férias de vocês?”

 

 

“A mãe do Rodrigo não parava de berrar com ele toda vez que ele fazia besteira”- disse o garoto, olhando Rodrigo e Felipe rirem na conversa deles- “Foi legal viajar com as duas famílias, eles se gostaram bem mais do que eu esperava”- completou o menino, ajeitando algumas mechas de cabelo soltas, seu cabelo estava amarrado em um rabo de cavalo com algumas mechas soltas, deixando ele com uma aparência mais feminina- “E vocês?”

 

 

“Foram boas, depois daquela briga com o meu padrasto eu fui pra casa do Felipe, passei as férias lá, conheci um cara lá, pensa num cara gato”- disse Rafael, rindo junto ao outro loiro- “A gente começou a conversar e ontem ele me mostrou o apartamento dele”

 

 

“Isso explica você está mancando”- Rodrigo disse e Rafael sentiu seu rosto esquentar, Rodrigo riu e deu tapinhas nas costas do loiro de cabelo curto- “Eu não esperava ser outro cara”- agora Rafael riu confuso junto a ele, olhou para Carlos que ria também e Felipe apenas não fez nada andando ao lado deles

 

 

“Depois a gente se vê, gente”- Carlos disse, correndo não muito rápido até uma garota junto a outras duas garotas um pouco menores 

 

 

“Quem é aquela mina que ele abraçou?”- perguntou Felipe, confuso igual a Rafael,  Rodrigo revirou os olhos e encarou a cena

 

 

“Não querendo ser idiota, mas é apenas uma garota qualquer que ele conheceu”- disse o garoto revirando novamente os olhos- “A gente se falou e tal e foi de boa, mas quando era só eu e ela na ligação ela super me tratou mal, tá ligado?”- Rodrigo disse, olhando a cena ao longe triste

 

 

“O que foi que tu fez pra ela?”- Rafael perguntou e ele negou com a cabeça e balançou os braços

 

 

“Eu juro pra vocês que nada”- ele disse e a gente concordou com a cabeça, Rodrigo suspirou e sorriu em seguida- “Mas então, conheceram alguém nesse tempo?”

 

 

“Conheci um tal de Marcelo, gostei muito dele, sabe?”- Felipe afinou a voz e disse, ganhando risadas de nós dois, ele pela primeira vez riu com esse assunto, o que ficou claro que aquilo não era normal, já que o moreno nunca agiria assim diante a algum amigo do loiro

 

 

 

 

 

>>×<<

Tarik

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Eu havia me arrumado ao mesmo tempo que João para poupar tempo, saímos acompanhando minha tia que avisou que não iria chegar cedo em casa hoje, ela iria trabalhar e por isso insistimos em ir à pé com a desculpa de querer conhecer melhor o lugar, ela não insistiu e depositou um beijo em nossos cabelos indo até seu trabalho com o carro

 

 

Já no meio do caminho perguntei onde estávamos indo e João disse que passaríamos na casa de Batista primeiro, não reclamei e segui o caminho com piadinhas de mau gosto para cima dele

 

 

Estávamos andando nós três no meio da rua, estava cansado, ontem eu e João voltamos às uma da manhã para casa, e não consegui dormir bem de qualquer jeito

 

 

“Vocês parecem cansados, o que estavam fazendo ontem a noite?”- perguntou Batista, ajeitando sua mochila em apenas um braço

 

 

“Bem…”- João começou e eu tentei pensar se ele falaria ou não, então logo ele me ajudou a acabar com minha dúvida- “Passeamos um pouco e conversamos, apenas”

 

 

“E até que horas vocês conversaram?”- perguntou Batista, encarando João se apoiar nele rindo um pouco

 

 

“Até uma da manhã”- eu disse e João concordou, fazendo Batista dar de ombros, chegamos em uma lanchonete e entramos, Batista pediu dois copos café e torradas para a viagem, eu pedi uma vitamina de morango e João pegou um café igual a Batista, logo saímos e andamos um pouco mais na direção do colégio, que na minha opinião é enorme já que conseguimos vê ele de longe

 

 

“O mike vai vir hoje?”- perguntou João, vendo Batista olhar o celular por um momento

 

 

“Ele disse que sim, o pai dele resolveu trazer ele hoje, o que eu acho que não vai ser bom”- e assim que ele diz isso uma caminhonete cinza para ao nosso lado, Batista e João encaram ela normalmente já eu olhei a cena surpreso, a porta abriu e revelou um garoto de cabelos bagunçados, uma mochila de lado, com roupas normais da mesma altura que eu

 

 

“Tchau e obrigado por tudo”- o garoto disse, olhando para o cara do lado provavelmente esperando uma resposta, sem nenhuma ele saiu do carro, batendo a porta do carro e encarou nós três enquanto o carro ia embora na direção em que íamos seguir- “Foi normal, ele não me xingou mas olhou como se fosse me matar enforcado”- o garoto disse, ajeitando sua camiseta preta

 

 

“Adimito que esperava mais”- Batista disse, andando na nossa frente, Mikhael me olhou e sorriu, fazendo eu sorri como resposta, ele e João começaram a conversar e seguiram Batista junto a mim, fui até o lado de Batista e ele se apoiou em mim, logo eu passei meu braço pelo seu pescoço- “Tudo bem, poste?”- ele perguntou me olhando de lado, não sou muito alto, ele só é mais baixo que eu

 

 

“Tudo sim, baixinho”- disse e baguncei seus cabelos, beijando eles logo em seguida, peguei o copo da vitamina e bebi um pouco, e vi que havia outras pessoas na rua, entrando pelo portão da escola, estávamos descendo uma rua, o que dava uma vista privilegiada de quantos alunos havia ali

 

 

 

 

>>×<<

 

 

 

 

“Preparado para fuder tua vida?”- perguntou João, dando tapinhas na minha costa

 

 

“Não deve ser tão ruim”- disse e eles riram, encarei a cena dos alunos entrando a quase toda hora e me assustei, aqui não era uma cidadezinha do interior pequena? Porra, tem um monte de adolescente escroto na minha frente agora

 

 

 

 

 

>>×<<

 

 

 

 

 

 

“Tarik Pacanhan, por favor se apresente” - ordenou Maurício, professor de artes, era a primeira aula do dia e todos na sala tinham uma cara de sono, Tarik se sentou entre os garotos que conheceu na casa do primo e um outro grupo de garotos, perguntou com um aceno se era preciso se levantar e o professor negou

 

 

“Tarik Pacanhan, dezesseis anos, ex viciado em eroina e tô aqui pra falar dos meus problemas”- disse ele, fazendo a classe rir, o professor riu mínimo e deixou de lado, anotando presença para o garoto

 

 

“Muito bem”- disse o professor, indicando que ele já havia se apresentado, Tarik deu de ombros e apoiou sua cabeça na mão, rabiscando alguma coisa em seu caderno, a aula seguiu tediosa, sem muito o que comentar, ao terminar de falar sobre a arte moderna e passar um trabalho em dupla, o sinal bateu, dispensando o professor, os próximos dois tempos serão vagos, já que o professor de matemática não está na escola, depois de começar a escrever em seu caderno Tarik começou a simular cortes com a unha em seu braço

 

 

Tarik olhou ao redor e viu que os grupinhos de amigos conversavam, tinha umas meninas no canto da sala, ele estava entre a rodinha dos amigos de João, tinham dois rapazes trocando carícias inocentes, pessoas no celular e ele parou seu olhar em Pedro, um rapaz que parecia ser que nem seus amigos de onde morava, ele estava entre outros garotos conversando, se levantou e não deixou de reparar que Felipe fingia prestar atenção em uma menina que queria muito falar sobre suas amigas, Rafael estava ao lado dele mexendo em seu celular com um sorriso 

 

 

Ele caminhou até os rapazes e se sentou, chamando a atenção deles, que apenas sorriram e incluíram ele na conversa

 

 

“Hoje á tarde?”- perguntou Tarik, sorrindo ladino a eles

 

 

“Hoje á tarde, vamos beber e conversar até de manhã”- Pedro respondeu, Tarik confirmou e eles se calaram vendo que o professor entrou na sala, Tarik havia trocado de lugar, se sentado ao lado deles, a aula seguiu até a chamada

 

 

“Tarik Pacanhan?”- O professor de história chamou, Tarik levantou o braço e o professor o encarou- “Ao lado de Pedro e seus amigos? Não se meta com pessoas erradas Pacanhan”- o professor o repreendeu, e eles riram de tal coisa, a turma encarou eles até o professor voltar a falar, mas antes coçou a garganta- “Qual a graça?”

 

 

“A graça é eu já ser uma pessoa errada, Alberto”- disse Tarik, enquanto seus novos amigos riam a turma lhe encarava em silêncio, o professor sem palavras apenas continuou a chamada, de vez em quando chamando a atenção de alguns alunos 

 

 

 

 


Notas Finais


Putz, parece que nosso personagem principal é um criminoso, puta merda kkkk
Gostaram?
Não fumem, oky?
Bj e desculpa a demora :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...