1. Spirit Fanfics >
  2. Now or Never (reescrito) >
  3. Acerto de contas

História Now or Never (reescrito) - Capítulo 6


Escrita por: lethiciavieira

Notas do Autor


Boa leitura, amores❤️

Capítulo 6 - Acerto de contas


Fanfic / Fanfiction Now or Never (reescrito) - Capítulo 6 - Acerto de contas

Ponto de vista- Eric

Deixei Rose cuidando de Chloe e segui para a sala de controle. Queria ter ficado com ela, deitado ao seu lado e a abraçado, mas apenas em saber que quem havia a machucado estava andando livre pela Audácia, fazia com que meu sangue fervesse de ódio.

Assim que entrei na sala, todos me olharam com medo e aquilo fez com que um sorriso orgulhoso surgisse. Amava aquela sensação de poder sobre os outros. Empurrei um dos homens que estava sentado em frente a tela, o fazendo sair do seu lugar. Me sentei e comecei a rever as últimas filmagens dos corredores. Não demorei para encontrar o corredor certo.

De madrugada ela já estava deitada no chão, chorando e tentando pedir socorro. A vi se arrastando, tentando se levantar, mas não conseguia e meu peito se apertou com aquela imagem. Minha Chloe, tão frágil, tão pequena...

Voltei a filmagem até o corredor estar vazio. Fiquei atento a tela do computador e por volta das dez para oito vi três pessoas entrando no corredor. Dei uma pausa na imagem e ampliei para identificar os malditos. Eram dois garotos e uma garota. Os covardes se esconderam na escuridão do corredor e ali esperaram. Chloe apareceu saltitando e rindo de si mesmo, se não fosse pela ocasião eu estaria rindo dela também. Ela saltitava quando o garoto a puxou, jogando ela contra a parede. Chloe caiu no chão e ouvi ela dizer "por favor". Os chutes e socos começaram

A garota ria enquanto chutava a barriga de Chloe, os dois malditos apenas faziam o trabalho em silêncio. Chloe protegeu sua cabeça, o que explica os poucos machucados que havia em seu rosto. Foram dez minutos, dez longos minutos deles batendo nela, sendo que em menos de três minutos ela desmaiou. Estavam batendo nela enquanto ela estava desacordada. Não sabia os nomes deles e não reconheci Zac entre eles, mas sabia que eram iniciados.

Me levantei, espumando de ódio e desejando ver o sangue de alguém hoje...o sangue deles! Meus passos até o dormitório dos iniciados eram pesados e ecoavam pelo corredor. Entrei no dormitório e o murmúrio cessou. O mesmo garoto que tentou bater no Zac veio até mim.

- Ainda bem que apareceu, a minha amiga, a Chloe...

- Eu sei, ela sumiu. - minha voz saiu extremamente baixa e rouca. - Rose a encontrou.

Olhei ao redor, procurando pelo trio que havia batido nela e ali estavam. Os três juntos, olhando para o chão e fingindo preocupação.

-Estão levando ela para a enfermaria.

-Enfermaria?- Tris perguntou sem entender.

-Eu vou conversar com vocês por trio, para saber o que aconteceu - meu olhar estava fixo naqueles malditos. - Quatro, vai avisar o Max do ocorrido. Quero que saiam em fila indiana atrás de Tris.

A fila foi formada e eles começaram a sair. A garota que havia batido em Chloe estava passando do meu lado quando segurei seu braço fortemente a ponto dela soltar um gemido de dor e a empurrei para um canto vazio do dormitório. Fiz o mesmo com os dois garotos.

Quando enfim estávamos sozinhos e a porta estava fechada. Tirei minha arma que estava presa a minha perna esquerda. Os três deram um passo para trás.

- Quem vai primeiro?

- Co-como assim? - a estúpida perguntou

Andei com calma por eles, dando voltas ao redor daqueles desgraçados.

- Quem vai levar o tiro primeiro? - sussurrei próximo ao seu rosto. - O que fizeram ontem?

Os três ficaram em silêncio. Podia escutar os dentes deles se batendo de tanto que eles tremiam. Soltei uma gargalhada alta. Guardei a arma, pegando um soco inglês que estava no bolso do meu colete.

-Bem, eu sei o que vocês fizeram - falei sorrindo largamente.

-Foi o Zac! - a garota gritou. - Ele mandou!

O ódio tomou conta de cada parte de mim. Parei na frente da garota. Estava espumando de raiva, queria esmaga-lá e iria!

-E vocês atenderam o chamado dele?- gritei, a fazendo chorar - Vocês são um bando de cachorros?

Segurei seu queixo com força, queria esmagar aquele crânio. Ela soltou um som estranho e começou a chorar. A empurrei com força para o lado, fazendo com que caísse com força no chão.

- Estávamos com medo de sermos cortados...- o garoto nem conseguia falar - Se a Chloe saísse, nós iríamos ficar...

Antes que ele terminasse de falar, fechei a mão que estava com o soco inglês e lhe dei um murro na barriga. O fazendo soltar um grunhido e se curvar. Segurei com força o cabelo dele, puxando sua cabeça para trás.

- Por favor...- ele suplicou.

- "por favor?" - gritei em seu rosto, desferindo outro soco em sua barriga. - Foi o que a Chloe disse enquanto vocês espancavam ela! Você parou? Quando ela pediu, você parou?

Ele não respondeu e mais um soco recebeu, mas daquela vez, no rosto. Sangue esguichou pela sua boca e ele caiu no chão, se arrastando até a idiota de sua amiguinha.

Agarrei o braço do outro garoto que estava em pé e o torci com força, o fazendo gritar.

- Sabe o que vocês são agora? - perguntei rindo na cara deles - O meu saco de pancadas! Vão desejar nunca ter escolhido a Audácia.

Olhei para os três caídos, choramingando e sangrando no chão. Precisei me lembrar dela, visualizar seu rosto para manter a minha sanidade. Eu já havia decidido, já havia cedido completamente ao desejo do meu coração, corpo e alma. Eu seria dela, pertenceria a Chloe de todas as formas possíveis e possuía a consciência de que ela não merecia um assassino, pois era aquilo que eu estava prestes a ser. Meu desejo de matar aqueles malditos era grande, mas por ela, apenas por ela, eu iria embora e foi o que eu fiz.

Tive vontade de atirar em Max quando ele tomou toda a atenção do meu dia para assuntos estúpidos da facção, queria ir para a enfermaria, queria ver a Chloe e saber como ela estava. O dia não parecia passar e, por volta das sete horas, finalmente iria embora.

- Eric - Max me chamou assim que toquei a maçaneta da porta.

Talvez eu atire nele agora...

- O que foi? Fala logo, quero ir pra casa tomar um banho.

- Mandaremos a garota sorriso de volta para a Amizade.

Não havia mais o chão abaixo de mim.

- Nenhum iniciado pode ser devolvido - balbuciei.

Max concordou e ajeitou alguns documentos. Não pedi licença, apenas avancei e peguei os papéis em suas mãos, fitando a imagem da Chloe em um dos papéis. Era seu registro. Ela sorria largamente, vestia as roupas da Amizade e estava levemente corada de sol.

Ela não pertencia a Audácia, não deveria ter escolhido nossa facção para ser seu lar e sabia disso.

- Então acha que devemos mantê-la apesar do que o conselho achar? - Max questionou com sinceridade.

- Devolva ela - minha decisão saiu baixa. - O conselho está de olho na gente, a iniciação do ano passado não foi nem um pouco leve e não precisamos daqueles idiotas da erudição andando por nossos corredores.

Devolvi os papéis para sua mesa, respirando fundo. Aquela decisão era a melhor a se tomar, Chloe seria feliz na Amizade como sempre foi e eu... Bem, eu a queria feliz.

- Entrarei em contato com Johanna então.

Concordei com a cabeça e sai sem me despedir, seguindo diretamente para a enfermaria. Provavelmente seria a última vez em que teria um momento com ela e não poderia joga-lo fora, deixaria claro meus sentimentos a ela e, com sorte, ganharia um beijo dela. Nosso único beijo.

Assim que entrei, varri aquele lugar com o olhar e Rose caminhou até mim.

- Onde ela está? - perguntei, olhando ao redor.

- Coloquei ela um pouco escondida, a garota não merece que fiquem a olhando machucada - murmurou - Ela está dormindo agora. Jake, seu melhor amigo esteve aqui e Hannah também, mas quando ela chegou, Chloe já estava dormindo.

- Ela está melhor?

Rose começou a andar e andei ao seu lado, provavelmente estava me levando até Chloe.

- Está sim, os remédios agem de forma rápida e ela está respondendo bem a eles

Apenas concordei com a cabeça e paramos. A vi dormindo tranquilamente e desejei que o mundo parasse, que estivéssemos em outro lugar, até mesmo em outra facção.

- Acho que estou apaixonado por ela - sussurrei.

- Eu sei - Rose cruzou os braços - Vi o jeito que a olhou quando a viu na minha casa. Vocês não podem ficar juntos, Eric.

- Eu sei e não teria como, ela vai embora.

Rose se virou para mim, confusão brilhando em seus olhos.

- Como é?

- Ela vai voltar para a Amizade.

Rose se calou e foi melhor daquele jeito. Voltei a olhar para Chloe e vi quando ela acordou.

Ponto de vista- Chloe.

Acordei aos poucos, lembrando de onde eu estava. As luzes estavam apagadas, somente o abajur próximo a mim estava ligado. Quando me mexi percebi que havia um papel sobre mim.

"Vim te visitar, mas estava dormindo. Irei te ver antes do treinamento. Fique bem! -Hannah"

Sorri com o recado e o deixei no bolso da minha calça. Estava balançando meu pé por debaixo da coberta quando ouvi passos se aproximando. Era Eric. Meu coração se agitou e passei minha mão pelo meu cabelo, tentando deixar o mais arrumado possível

-Oi - sorri para ele.

- Você conquistaria o mundo com esse seu sorriso - apontou para mim ao puxar uma cadeira e a colocar do meu lado, se sentando em seguida. - Como se sente?

- Bem, na medida do possível - falei ainda sorrindo - Estou com todos os meus dentes, minhas mãos estão boas e meus pés ainda estão aqui. Tudo no devido lugar.

Eric deu uma risada fraca e sem vida.

-Você está toda ferrada e diz que está tudo no devido lugar?

-Você vê o lado ruim e eu o bom. - dei de ombros e vi que ele estava tenso - O que te preocupa? Está estranho.

Eric se inclinou na cadeira, pegou minha mão esquerda e a segurou. Era estranho saber que estávamos tão próximos, mas havia algo que eu não conseguia explicar, algo que pulsava junto com meu coração desde o primeiro dia que o vi.

- Não é nada. Não se preocupe.

- Não parece nada... - murmurei.

Eric franziu o cenho, negando com a cabeça e olhou para minha mão. Havia algo acontecendo e não sabia se queria ficar ciente da situação ou não.

- Você achou quem fez aquilo comigo? Por isso está assim?

- Estou assim porque quero uma coisa que não posso ter, Chloe. - sua voz saiu mais ríspida e ele pareceu notar - Desculpa.

- O que você não pode ter?

Ele respirou fundo e continuou a olhar nossas mãos unidas até que as ergueu e beijou a minha.

- Você, Chloe. Eu não posso ter você.

Meu corpo estremeceu e meu coração se acelerou. Se fosse humanamente possível derreter, eu teria derretido. Minha boca ficou seca no mesmo segundo e falei, baixinho e com vergonha.

- Você pode ter.

Eric ergueu seu olhar para mim e se levantou no mesmo segundo, segurando meu rosto em suas mãos e passando o polegar em meu lábio entreaberto. Ele parecia receoso, com medo de fazer o que queria e por isso coloquei minha mão sobre a sua, repetindo, daquela vez mais firme:

- Você pode ter, Eric.

Algo brilhou em seus olhos e, sem pestanejar, sua boca se fundiu a minha. Soltei um gemido baixo, quase inaudível quando sua língua abriu meus lábios e explorou a minha. Feroz e ardente, era o que definia aquele beijo. Ele estava sedento e eu, completamente entregue. Segurei firme seu braço que estava apoiado ao lado da cama e com minha outra mão agarrei seu cabelo, o trazendo para mais perto. Eric mordia minha boca e voltava a me beijar. Eu estava nas nuvens, sendo dominada por sentimentos nunca antes sentidos, meu corpo queimava por inteiro e gostei daquela sensação. Tudo estava perfeito até ele apertar minha coxa e eu grunhir de dor.

- Me desculpa - falou rapidamente já longe de mim.

- Relaxa - massageei minha coxa - Logo passa...Aí.

- Me desculpa, anjo. De verdade! - começou a massagear minha coxa também. - Vou pegar um remédio..

- Não quero tomar remédio - resmunguei. - Eles me fazem dormir. Não quero!

- Não perguntei se queria - respondeu como uma bronca. Ele desapareceu na escuridão da enfermaria e voltou com o remédio acompanhado de um copo de água. - Toma.

Cruzei meus braços, fechando minha boca com força. Eric bufou e avançou para cima de mim.

- Eu tomo! - gritei

Peguei a pílula da mão de Eric e joguei garganta baixo.

- Logo vai melhorar - afirmou ao massagear minha coxa e, por alguma razão, parou do nada - Desculpa, não perguntei se podia...

- Pode - falei de maneira apressada. Senti meu rosto queimar de vergonha.

Eric sorriu e devolveu sua mão para onde estava, voltando a massagear o músculo machucado com cuidado.

- Descansa - soou baixinho - Aproveita esse tempo para descansar um pouco.

Concordei com a cabeça e ficamos em silêncio, nos olhando. Quando estava quase entrando na escuridão do sono, senti um beijo na minha testa e a voz de Eric surgiu ao longe.

-Vou sentir sua falta..

Dois dias depois...

Minha alta veio mais rápido do que imaginei. Pensei que poderia voltar a treinar, mas assim que sai da enfermaria um homem chamado Zeke pediu para que eu o acompanhasse até a sala de reunião dos líderes. Senti um calafrio percorrer meu corpo. Zeke abriu a porta e mandou eu entrar.

Havia uma mesa mediana ao centro. Os cinco líderes da Audácia estavam ali, inclusive Eric. Ele me olhou, mas logo virou o rosto e aquilo partiu meu coração. Senti uma mão macia tocar meu ombro e ao me virar, sorri alegremente.

- Johanna!

Eu a abracei com força, não acreditando que ela estava ali, que havia criado coragem para estar na Audácia, um mundo oposto ao seu. Após nosso abraço, segurei suas mãos e a olhei.

- Aconteceu algo com meus pais?

- Não, minha querida - Johanna sorriu.

- Então, por que está aqui?

A voz firme de Max surgiu e ecoou pela sala.

- Você vai voltar para a Amizade, Chloe.

Virei rapidamente para os líderes da Audácia e gritei, apavorada:

- O que?!


Notas Finais


Espero que tenham gostado e, se tiverem algum pedido para a fanfic, é só colocar nos comentários ❤️ até o próximo capítulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...