História Nunca é Tarde para Amar - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Amor, Colegial, Drama, Festa, Gay, Homossexualidade, Lgbt, Love, Originais, Original, Paixão, Romance, Yaoi, Yuri
Visualizações 4
Palavras 1.720
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Eu não tenho culpa de ser assim!


Tales: Hoje é o dia em que eu vou ficar até depois da aula estudando com o Victor... Que saco! Eu não tenho nenhuma intimidade com esse cara e ele já deve me odiar por perder seu tempo comigo… O professor podia ter botado a Clara pra me ensinar, ela não é a mais inteligente, mas pelo menos não vai ser um saco!

Tales pensava enquanto caminhava para mais um dia na escola.

Tales: Quer saber, eu estou pouco me fudendo se o Victor não gostou. Eu tenho que passar em uma faculdade esse ano e ele vai ter que me ensinar!

Tales começa a caminhar mais confiante e determinado para a escola depois do seu momento de reflexão. Enfim ele chega e vai direto pra sala onde encontra Clara. 

Clara: Tales, você fez o trabalho de Educação Física? Tinha que escrever um texto de 30 linhas sobre a "Diversidade na Escola".

Tales: Puta merda… Eu ia fazer ontem, mas me distrai. 

Clara: Ficou pensando no encontro que vai ter com seu namoradinho depois da aula?

Tales: Ei, o Victor não é…

Victor: Eu não sou o que? 

Victor tinha entrado na sala na hora que Tales abriu a boca.

Tales: É… Nada não. Desculpa.

Victor: Eu estarei na biblioteca no final da aula. É melhor não se atrasar, porque já é bem ruim perder meu tempo com você.

Victor vai embora e como de costume senta no canto da sala e pega um livro para ler.

Clara: Ele te deu uma patada forte, hein!

Tales: Tanto faz. Eu também não gosto da ideia de perder meu tempo com ele. Aliás Clara, não fala mais daquele jeito sobre mim e o Victor.

Clara: Hahaha Tudo bem. Eu estava só zuando, garoto! Eu sei que você não é gay como os outros dizem.

Nesse momento Tales ficou mudo e por um instante quis contar a verdade para Clara. Mas antes que abrisse a boca de novo o professor de Ed. Física entra em sala.

Professor: Atenção alunos, devido a alguns problemas eu não vou poder recolher os trabalhos de vocês para avaliar. Fica adiado para semana que vem, e hoje a aula vai ser prática, então todos para a quadra! Agora!

Tales: Há! Me safei de tirar mais um zero!

Clara: Merda! Passei a madrugada inteira fazendo o trabalho para nada. Vamos logo pra quadra que eu preciso de ar fresco.

Todos os alunos vão para quadra com o professor. Clara e Tales sentam nas arquibancadas e conversam tranquilamente. Porém, Leonardo chega logo depois com seus amigos, Caio e Oscar, e sentam próximos de Tales.

Oscar: Saca só Léo, a bichinha deve estar dando conselhos de maquiagem para a Clara ou deve estar falando dos homens que pegou na boate ontem.

Clara: Babacas, vocês não tem nada melhor pra fazer não?

Leonardo: Pra falar a verdade, não. O nosso time está esperando o professor trazer a bola de futebol e além disso eu estou esperando a minha namorada, que acabou de chegar!

Uma garota de pele clara, com um cabelo liso, longo até a cintura e pintado de loiro se aproxima de Leonardo. Ela possui o corpo bem desenvolvido a ponto de chamar atenção dos garotos que davam aquele giro 360° com o pescoço para vê-la. Ela também possui um piercing no septo e anda maquiada. E é só um pouco menor que Leonardo.

Leonardo: Camila, meu amor, a cada dia você fica mais gostosa!

Leonardo envolve Camila pela cintura.

Camila: Eu tento. Bom dia Caio, Oscar, Tales e… Bom te ver também Clarinha.

Camila dá uma piscadela para Clara.

Clara: Eu já falei pra não me chamar assim sua loira oxigenada! Eu não te dou toda essa confiança.

Camila: Nossa, calma coração. Acabei de chegar e você já está fazendo charme. Enfim, só vim aqui pra dar um "oi" mesmo. Até mais amor!

Camila dá um selinho em Leonardo e depois dá mais uma piscadela pra Clara e vai embora. O Professor voltou com a bola de futebol, então Leonardo e seus amigos se reúnem com o time pra jogar e Tales e Clara continuam na arquibancada.

Clara: Como eu odeio essa piriguete! Ela se acha só porque namora o babaca do Leonardo e porque tem um corpão.

Tales: Hahaha Sei não, acho que você sente uma pontada de inveja dela. Mas vamos deixar isso pra lá. Eu prefiro passar um tempo com a morena cacheada, vulgo você, do que com a loira oxigenada.

Clara: Nossa Tales, que fofo! Então vamos só curtir esse tempo livre juntos.

Clara inclina sua cabeça no ombro de Tales e agarra o seu braço. Tales não liga muito e os dois ficam assim por um tempo. Até que Tales resolve ir ao vestiário e deixa Clara na arquibancada. Chegando lá, o vestiário estava vazio. Tales faz o número 1, lava as mãos e já ia sair, porém Leonardo, Caio e Oscar entram na hora

Caio: Sozinho no vestiário, Tales? Veio aqui aproveitar para usar o vibrador hahaha

Tales: Eu já estou de saída. Podem abrir espaço para eu passar? 

Tales tenta passar pelo trio, mas Leonardo impede e o empurra contra o chão.

Leonardo: Calma aí bichinha. Meu time tomou uma goleada e eu perdi um pênalti porque o viado do goleiro agarrou a bola. Nós só viemos para nos trocar, mas já que você está aqui, vai ser uma ótima oportunidade para eu descarregar minha raiva. Vamos encher esse viadinho de porrada galera!

Leonardo, Caio e Oscar começam a chutar Tales que estava caído no chão. Eles ficaram um bom tempo agredindo Tales até que se cansam e vão embora. Depois da saída do trio, Tales ficou um tempo caído no chão com lágrimas escorrendo do rosto, tentando se recompor mesmo com a dor que sentia. Ele finalmente se levantou mancando e vai direto para um espelho. Felizmente eles não atingiram o rosto, talvez por medo de Tales contar a alguém. 

Tales: Porque… Porque essas coisas acontecem comigo? Eu não tenho culpa de ser afeminado… Eu não tenho culpa de ser assim!

Tales joga água no seu rosto e seca suas lágrimas com sua blusa. Ele manda uma mensagem pelo celular para Clara dizendo que está passando mal e depois passa o resto da aula escondido em uma cabine do banheiro, chorando silenciosamente.


As aulas já tinham acabado e Victor pega seu material e se dirige para a biblioteca como planejado. Era 12:00 e Victor pacientemente esperava por Tales enquanto lia um livro. 15 minutos se passaram… 30 minutos se passaram… 1 hora se passou sem um sinal sequer de Tales...

Victor: Isso é sério!? Mesmo depois do meu aviso, ele falta e nem me dá justificativa!? Vai se ferrar, Tales! Eu vou agora mesmo pedir ao diretor para me tirar desse trabalho estúpido.

Victor já visivelmente irritado guarda o seu livro e sai da biblioteca. No caminho da diretoria ele encontra Clara com a mochila de Tales.

Victor: Ei, você é amiga do Tales, certo? Sabe onde ele está?

Clara: Não sei. Ele me mandou uma mensagem dizendo que estava passando mal e pediu pra eu guardar a mochila dele. Pode pegar ela e entregar ao Tales quando o vir?

Victor: Claro. Bem, obrigado pela informação. 

Victor pega a mochila e segue seu caminho sem se despedir de Clara. Ainda irritado, Victor caminha até a diretoria, mas antes faz uma parada no banheiro. Chegando lá, o banheiro estava deserto. Ele se dirige até a 1° cabine que estava encostada e ao abrir encontra…

Victor: Tales?!

Victor notou que Tales estava com os olhos inchados de tanto chorar e estava espremido no canto do banheiro. Por um momento ele sentiu vontade de abraçá-lo, mas sua raiva logo tomou conta.

Victor: Você me fez passar 1 hora esperando na merda da biblioteca! Mesmo se tivesse passando mal, devia ter me dito que eu não teria perdido meu tempo e poderia estar fazendo algo produtivo agora!

Tales: Desculpa, porra! Meu celular descarregou, então eu perdi a noção das horas. Como sabia que eu estava passando mal?

Victor: Eu encontrei com a sua amiga, a Clara. Ela me disse sobre você e entregou a sua mochila. 

Victor entrega a mochila para Tales.

Tales: Ah, entendi. 

Tales se levanta e enxuga suas lágrimas.

Tales: Bem, só perdemos 1 hora. O combinado com o professor foi de no mínimo 2 horas diárias. Vamos para biblioteca logo e aproveitar o tempo. Já estou me sentindo ótimo de novo hahaha

Tales coça a cabeça e tenta fingir um sorriso. Victor percebe que algumas regiões do seu braço estão com marcas roxas recentes. Por um momento ele sente tristeza, mas continua indiferente. Tales cora percebendo que  Victor estava o encarando demais e toma a iniciativa de ir para a biblioteca.

Victor: Se você diz que está bem…

Victor e Tales vão para a Biblioteca onde tiram seus materiais e começam a estudar Matemática. Um tempo depois e as 2 horas reservadas para o estudo se encerram.

Tales: Ufa! Ainda bem que acabou. Eu já não aguentava mais você querendo demonstrar fórmulas trigonométricas.

Victor: Eu não entendo porque está reclamando. Você só estudou por 1 hora e todas essas fórmulas que eu demonstrei vão cair na prova. Então trate de sabê-las!

Tales: Ok ok. Então eu já vou indo, Victor. prometo que não vou me atrasar nos próximos dias. Tchau! 

Tales já ia correndo embora para sua casa, mas antes disso ele percebe que Victor segurou o seu braço sem muita força, o impedindo de sair. Tales sente um calafrio de repente e aos poucos se vira para Victor, que até então estava com uma expressão neutra e quando Tales se vira totalmente e o maior solta o seu braço.

Victor: Espere um pouco! Eu não acredito nas suas palavras, então te darei meu número do celular para me avisar quando não puder ir, certo?

Depois de sentir o calafrio, Tales não conseguiu prestar atenção no que Victor dizia. Ele estava vidrado nos olhos negros a sua frente, como se aquela cor tivesse um significado profundo que ele queria descobrir qual era.

Victor: Ei, você me ouviu, Tales?

Tales: Ah, sim, claro. Eu concordo com o que disse…

Victor: Ótimo! Aqui está o meu número e até amanhã.

Victor escreve seu número em um papel e o entrega a Tales, depois vai embora da escola.

Tales: Peraí, o que foi que eu concordei? E porque ele me deu seu número? Ah, deixa pra lá! Amanhã eu pergunto a ele.


Notas Finais


Me perdoem se tiver erros 😀


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...