1. Spirit Fanfics >
  2. Nunca Mais - Emison G!P >
  3. Curiosidade Batendo?

História Nunca Mais - Emison G!P - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Hiii❤
Como estão??

Hoje é dia de uma das minhas leitoraaas favoritaas.❤❤❤❤
"OEmsion" ❤😍❤😍❤😍
Feliz aniversário bb🎊🎊🎊
Amo sua interação❤
OBRIGADA por seus comentários e principalmente por sempre tirar um tempo para comentar❤❤❤❤
Que seu resto de noite seja abençoado e alegre meu amor❤
Espero que goste do capítulo, tentei fazer o melhor e usar as idéias que tinha no momento ksjsksjdj😂❤❤

PS GENTE: Estou em FAMÍLIA por uns dias então se concentrar é meio difícil sem contar que estou escrevendo pelo celular pois o not ficou no AP. 😘😘😘

Erros Ignorem to revisando uma vez.❤

📖📱

Capítulo 11 - Curiosidade Batendo?


Fanfic / Fanfiction Nunca Mais - Emison G!P - Capítulo 11 - Curiosidade Batendo?

POV Emily Fields D. 

Estava conversando com Toni quando me veio a falta de Alison, pois ela estava demorando muito, então resolvi ir atrás dela. Entrei dentro da casa dos DiLaurentis passando pela sala espaçosa e indo em direção a cozinha. 

-O que está havendo aqui? 

Perguntei assim que vi um dos amigos de Kenneth praticamente encima dela, uma mão segurando a cerveja e a outra estava em seus cabelos. 

-Emil-y... 

-O que pensa que está fazendo? Tire suas mãos sujas da minha mulher. (O empurrei fazendo o mesmo cambalear para trás)

-Pelo visto a filha de Kenneth tem protetores. (Ele riu) - Mais com esse corpo também... (Não o deixei terminar acertando um soco em seu rosto) 

-Amor... (Alison me puxou) - Para. 

-Que barulho todo é esse? O que aconteceu aqui? (Kenneth apareceu com Jason ao seu lado) 

-Acontece que quando eu cheguei esse seu "Amigo" estava com as mãos dele em Alison, é esse tipo de gente que convida para sua casa? Por Deus. (Falei irritada) 

Kenneth nada disse, apenas olhou para o homem caído no chão e pediu ajuda de Jason para leva-lo para fora. 

-Não precisava disso. (Alison se ajoelhou pegando os cacos de vidro da garrafa) 

-E o que queria que eu fizesse? Deixasse e ficasse vendo ele te tocar? Me poupe Alison. (Minha voz saiu um tanto alta)

-Fala baixo por favor, ainda tem pessoas aqui. (Ela se levantou indo jogar no lixo) 

-Acho que já está tarde, se despida de todos. (Proferi sem encara-la) - Vou esperar no carro. 

(...) 

Depois daquele almoço fomos para casa em completo silêncio, eu estava com raiva e tinha motivos para isso já que aquela cena ainda rondava minha cabeça em ver aquele homem tão próximo dela. O resto do domingo se resumiu em eu ficar assistindo um filme na sala e Alison no quarto ela nem sequer desceu para jantarmos então eu acabei comendo sozinha. 

-Vai ficar com raiva? (Falei assim que entrei vendo-a deitada para dormir) -Você está dando razão para aquele homem? 

-Ele estava bêbado Emily, você mesma viu e meu pai fez questão de falar isso para você escutar. 

-Claro seu pai. (Soltei uma risada) - Você gosta muito de defender ele, olha só o tipo de gente que ele coloca dentro de casa, você deve ter gostado muito da situação. 

-Como é? Está dizendo que eu gostei daquilo? 

-Sim é exatamente o que eu estou afirmando. (Falei a última parte em ênfase) 

-Você não tem jeito mesmo, não vou ficar descutindo com você hora da noite, pois quem está sobre efeito do álcool ainda é você. (Ela se virou se cubrindo) 

Caminhei até a cama e subi ficando por cima dela com minhas mãos cada uma para um lado na intenção de prende-la. 

-Não me deixa falando sozinha. (Dei um beijo em seu ombro) -Sabe que eu te amo, e não gosto que ninguém te toque. (Beijei seu pescoço) - Ninguém além de mim é claro. 

Levei minha mão para sua perna acariciando com um vai e vem e parei em seu sexo, ultrapassando sua calcinha e comecei a estimula-la com movimentos circulares sobre seu clitóris dando toques precisos. A penetrei com dois dedos a vendo abrir a boca em um perfeito "o" pela surpresa do meu ato, começando a estoca-la com rapidez ouvindo-a soltar uns gemidos de sua boca. 

-Está gostando? Vê como é bom? (Acelerei os movimentos dos meus dedos) 

-Hmmm..(Ela gemeu descompassado jogando a cabeça para trás) 

Fiquei por mais um tempo assim e pude sentir o seu gozo em meus dedos, voltei a beija-la com urgência dessa vez, pedi passagem com a língua e ela cedeu. Me ajeitei melhor na cama tirando minhas peças e ficando de joelhos, abri suas pernas e me posicionei sobre ela me encaixando e levando meu membro duro até sua entrada a penetrando por completo, preliminares não eram muito comigo. 

Comecei a estoca-la com movimentos lentos, folgando suas pernas para ter mais acesso, beijei seu pescoço dando um leve chupão sobre ele, entrelaçando nossas mãos as colocando para cima, mantendo rendida totalmente para mim. Comecei com estocadas precisas e fundas, seus gemidos agora estavam mais altos.

-Você é tão deliciosa amor. (Arfei mordendo o lóbulo de sua orelha) -Gosta assim? Hum? (Aumentei o ritmo) -Responde! (Levei minha mão para seu queixo fazendo-a me encarar) 

-S-im. (Respondeu dificuldade) -Gosto mui-too. 

Estoquei fundo dessa vez ficando parada, liberando todo meu prazer que estava acumulado, Alison gozou mais uma vez e me ajeitei melhor na cama tomando fôlego sem sair de dentro dela e assim fiquei me movimentando por um tempo até que chegamos ao ápice novamente. 

(...) 

Acordei com o despertador tocando, me sentei na cama vendo as horas no relógio que já se passavam das 7 da manhã, minha cabeça estava doendo um pouco pelas cervejas do dia anterior, levantei ouvindo a água do chuveiro cair, Alison estava no banho.

-Bom dia. (Falei entrando no banheiro indo fazer minhas higienes) 

-Bom dia. (Respondeu simples) - Vai trabalhar? 

-Apenas amanhã. (Me virei tirando minha blusa) - Posso? (Ela assentiu e eu entrei no banheiro) - Com raiva ainda? Sabe que não fiz por mal. 

-Está tudo bem. (Ela se ensaboou e eu me aproximei puxando-a para mim)

-Eu amo você. (Olhei em seus olhos) -Não entenda por mal, mais foi necessário. 

-Eu também te amo. 

Ela colou nossos lábios e assim ficamos..

Como eu não ia trabalhar hoje por ordens de Jones, fiz questão de deixar Alison no hospital já que era caminho da academia onde eu iria encontrar com Toni para treinarmos.

-Ele provocou, tocou nela, não ia deixa-lo sair impune. (Falei enquanto corria pela esteira) 

-Ele estava bêbado, senhor DiLaurentis o levou para onde ele estava ficando na cidade. (Toni respondeu) - Talvez a bebida o deixou daquele jeito. 

-Não importa, ele fez e ponto. (Diminui o ritmo do aparelho) - E se não estivesse ninguém lá? O que ele teria feito com Alison? Ou até mesmo com outra pessoa? Caras assim não saem ilesos, não comigo. (Pisquei para a mesma e sai da esteira) 

-Ok vamos mudar o assunto, Pam ligou novamente. 

-Ótimo que bom, e o que ela queria dessa vez? Reunir a família novamente? Terá mais algum segredo revelado? (Falei indo para a parte do box sendo seguida por ela)

-Ela quer vir para Rosewood, na verdade virá para ver a casa que ela e Carlos vão comprar mais deixou claro que deseja nos ver, quer conversar. 

-Não temos nada para conversar, da última vez que segui a sua ideia deu naquilo tudo, se você quiser ir. (Esmurrei o saco de box) - Vá, mais não conte comigo, que eu não vou. 

-Ela disse que Nathan também iria vim, não tem vontade de vê-lo? 

-Quer a verdade? Não, eu não quero vê-lo, não quero ver Nathan, não quero ver Pam e principalmente Carlos. (Me afastei indo beber água) - Você deveria fazer o mesmo mais pelo visto está mais que pronta para perdoa-la e para serem uma família novamente.

-Emily.. (Tentou iniciar mais eu a cortei) 

-Não Toni, cansei de você ficar querendo ver que está tudo bem e ainda tentar me convencer disso, quer perdoa-la? Perdoe, quer esquecer de tudo que aconteceu? Esqueça, só não conte comigo para isso. 

Peguei a garrafinha e sai deixando-a sozinha.

POV Alison Fields D.

-E então ela deu um soco nele mesmo? (Hanna perguntou se sentando na minha mesa) - Uau, Fields me surpreende cada vez mais. 

-Pois é, ela me surpreende também. (Caminhei para meu armário pegando alguns formulários) - Cheryl chegou? Queria falar com ela. 

-Chegou sim, estava fazendo exame em uma paciente quando a vi, por falar nisso vou ver como está a ala 9, nos vemos no almoço?

-Nos vemos no almoço. (Afirmei e ela sorriu se retirando) 

Comecei a rever alguns prontuários e assinar alguns papéis de internos, quando vi as horas já se passavam das 11:45 então resolvi recolher tudo e procurar pela ruiva. Caminhei pelos corredores indo até sua sala vendo-a concentrada em seu computador.

-Com licença Doutora, posso entrar? (Brinquei e ela sorriu assentindo) - Vim conversar um pouco. 

-Diga que sou toda a ouvidos. (Ela me encarou) 

-Os exames.. Os meus exames.. 

-Ah claro, eu já havia esquecido (Ela abriu sua gaveta pegando o envelope) - Eu li e avaliei, indo direto ao ponto, apesar do tratamento o resultado continua tendo 95% de infertilidade Alison, eu sinto muito. (Lamentou pegando em minhas mãos) -Você é médica e eu também sou e sou sua ginecologista mais acima de tudo sou sua amiga e tenho que ser sincera com você. (Ela deu uma pausa) - Apesar da intersexualidade de Emily a saúde dela continua perfeita para reproduzir. 

-O problema sou eu, sempre será. (Me levantei cruzando meus braços e indo para a janela) 

-Podemos fazer como combinanos, mudar o tratamento, você tem chances ainda e você sabe disso. 

-Já é o segundo tratamento Cheryl, o terceiro pode dar errado, não quero mais criar esperanças. (Me virei para encara-lá) -Será que nunca poderei ter filhos? Nunca poderei dar um a Emily? (Não aguentei desabando ao choro sentindo seus braços me confortarem) 

-Tudo vai ficar bem, vamos conseguir eu prometo.

(...) 

-Um café por seus pensamentos. (Rollins apareceu atrás de mim tocando em meu ombro) - Parece distante doutora Alison, está bem? 

-Problemas pessoais, nada demais, como foi a cirurgia? (Tentei mudar o foco do assunto) 

-Excelente! Tudo ocorreu normalmente, o paciente está desacordado por conta da dose alta de medicação. (Ele sorriu) - Mais ficará bem. 

-Pelo visto você está ganhando o coração de todos aqui. (Falei quando começamos a caminhar) - Isso é ótimo, nunca me contou muito sobre você doutor. 

-Querendo saber de mim? Curiosidade batendo? (Acabei rindo com seu jeito de falar) 

-Sabe que sim, você parece ser uma pessoa de bom caráter. (Parei colocando as mãos dentro do meu jaleco enquanto observava alguns quartos por onde passávamos)

-Altos elogios a essa hora? Estou me sentindo muito importante. (Brincou) -Mais confesso que também gosto de você, doutora. 

Sorrimos um para o outro e continuamos caminhando pelos corredores enquanto mantinhamos uma conversa agradável. 

POV Emily Fields D.

-Certo, é claro que eu sei Jones, estarei aí antes mesmo do sol raiar. (Provoquei enquanto falava com o mesmo pelo telefone) - Agora não da, estou no hospital vim buscar Alison já que ela está sem carro hoje, tudo bem mandarei sim, até logo.

Desliguei colocando meu telefone na minha jaqueta e sai do meu carro rumo para entrar no mesmo. Como sempre algumas pessoas falavam comigo me cumprimentando por saberem quem eu era. 

-Rose. (Chamei assim que cheguei na recepção) - Onde está Alison? 

-Ela estava com a doutora Marin no terceiro andar, pode subir se quiser ou posso chama-lá. (A mulher sorriu educadamente) 

-Eu subo, pode deixar, obrigada. (Agradeci me retirando indo para o elevador) 

Quando sai meus olhos buscaram por todo local vendo algumas pessoas andando pelo corredores, andei um pouco passando por alguns quartos quando avistei Hanna e internos, no decorrer que eu andava pude observar bem Alison explicando algumas coisas para eles em como deviam se comportar durante a uma emergência contra um paciente.

Meu sorriso logo morreu ao ver Rollins aparecendo ao seu lado, ele colocou suas mãos envolta dos braços dela, enquanto mantia aquele maldito sorriso no rosto. Era um completo abusado mesmo. 

-Então é isso, estão liberados por hoje. (Hanna os conduziu até a porta) - Ei Fields, você por aqui? 

-Olá. (Desviei meu olhar vendo Alison saindo da sala com ele) 

-Amor? Não sabia que já tinha chegado. (Ela olhou no relógio em seu pulso)

-Pois é, vim te buscar. (Não conseguia encara-la pois meu olhar estava fixo nele, maldito) -Olá Rollins. 

-Olá Emily, como está? 

-Ótima e você pelo visto está muito bem não é? (Encarei suas mãos que estavam no ombro de Alison) 

-Ah sim, estou perfeitamente bem, hoje meu dia foi excelente na companhia dessa mulher. (Sorriu largamente para ela) - Mais tudo que é bom dura pouco. (Seu tom era de pouco caso quando me encarou rapidamente) - Já estou saindo para ir para casa, mantemos contato Alison? 

-Claro, mantemos sim. (Ela se despediu) - O vejo amanhã. 

-Até então, Marin (Se despediu de Hanna e me encarou dando um aceno breve e se retirou para ir ao elevador)

-Bom eu já vou também, boa noite. (Hanna proferiu nos deixando asos) 

-Então? Vamos? (Perguntei encarando-a)

(...) 

Antes de irmos para casa, parei em um restaurante para comprar nosso jantar, eu novamente estava irritada mais o motivo da noite era Rollins. Ele fazia aquilo apenas para me provocar e eu sabia bem. Quando chegamos Alison tomou um banho e eu fiz o mesmo em seguida. Jantamos na sala mesmo entre conversas mínimas e depois pus em um filme na TV enquanto bebiamos do restante do vinho que já estava fazendo um bom efeito sobre mim.

-Hoje fiquei um pouco com Dilan, na verdade eu e Rollins, nós acompanhamos o tratamento dele, ele está tão feliz, você precisa ver. 

-Que ótimo. (Me levantei indo ao bar) - E o que fizeram além disso? Por falar no Rollins ele gosta muito de você não é? 

-Ele é uma boa pessoa, hoje conversamos muito. 

-É, ele deixou claro isso. (Dei um gole no meu whisky e voltei a me sentar na poltrona) 

-Aconteceu algo hoje? (Ela se levantou se aproximando e sentou em meu colo) -Você parece tensa. 

-Eu que pergunto. (Olhei em seus olhos) -Aconteceu alguma coisa que eu deva saber?

-Não. (Ela desviou o olhar) - Não houve nada. 

Eu sabia que algo estava errado, alguma coisa estava lhe incomodando, eu só não sabia o que...

-Vou subir um pouco. (Ela deixou um beijo em meus lábios e se levantou para ir mais eu segurei em suas mãos a fazendo ficar em meu colo) 

-Quero que fique aqui. (Coloquei meu copo na mesa ao lado) - Fique um pouco comigo. 

Beijei sua boca sentindo do gosto do vinho que havia, a puxei melhor para cima colocando suas pernas para cada lado. Nossas línguas começaram um entrelaço sincronico perfeito, levei minhas mãos para sua bunda apertando enquanto ela começava a rebolar em meu colo. 

Nos separei levando meus beijos para seu pescoço e levei minhas mãos para seus peitos os apertando e massageando. Eu amava cada canto do corpo dessa mulher, senti suas mãos descerem e irem para minha barriga dando leves arranhões me fazendo arfar contra o beijo, sentindo em seguida ela ultrapassar e abaixar a minha calça moletom junto a minha box que eu estava usando. 

-Me toque, amor. 

Sussurrei olhando em seus olhos, Alison se levantou mais logo se ajoelhou entre minhas pernas, fui sentindo suas mãos tocarem em meu membro, descendo e subindo lentamente. Seus toques estavam tão bons, aquele vai e vem magnífico enquanto seu mar de azul perfeito me encarava profundamente. Para minha supresa logo pude sentir sua língua quente no meu membro e sua boca invadindo todo meu cumprimento me chupando com fervor. 

Ela fazia questão de continuar seus movimentos com as mãos, deixando aquela sincronia maravilhosa, levei minha mão para seu cabelo o prendendo em um rabo de cavalo e acabei soltando um gemido por ela aumentar a velocidade de seus toques e de sua língua em volta dele. 

Era perfeito...

Joguei minha cabeça para trás sentindo aquela sensação dentro de mim, eu iria gozar a qualquer momento e ela sabia bem quando começou a me chupar por inteiro fazendo que todo meu membro fosse até sua garganta e então comecei a ajuda-la movimentando meu quadril com certa força, então acabei me liberando por completo, soltando alguns jatos de gozo dentro da sua boca. 

-Isso é tão bom. (A puxei para um beijo quente me fazendo sentir do meu próprio gosto) - Venha Vamos subir. (Peguei em suas mãos a guiando para nosso quarto) 

Quando entramos voltamos a nos beijar com intensidade, Alison era tão gostosa..Empurrei seu corpo sobre a cama fazendo-a cair facilmente e ela se afastou até chegar na cabeceira se escostando nela. Subi de joelhos na cama e sem mais delongas eu ajudei ela a tirar sua roupa e fiz o mesmo tirando o resto do que eu usava. 

A peguei pela nuca trazendo sua boca para perto da minha voltando a beija-la, levei minha mão esquerda entrelaçando nossos dedos as pondo para cima e com a mão livre tentei alcançar a minha gaveta pegando então a minha algema que estava dentro dela. Sem parar o beijo algemei sua mão que estava com a minha sobre a cabeceira da nossa cama e fiz o mesmo com sua mão livre.

-Adoro te ver assim, tão quente e tão entregue para mim... 

Desci os beijos para seu pescoço e dei uma mordida no lóbulo de sua orelha fazendo-a se contrair, voltei beija-la tocando em seus lábios com suavidade e então aprofundei mais o beijo, enfiando minha língua dentro de sua boca lentamente. Desci minhas mãos para seus seios, os tocando e apalpando dando uma massagem boa e merecida que a fez suspirar pesado sentindo cada toque mínimo que eu dava. 

-Você é tão linda amor. (Falei baixinho)

Seus mamilos já estavam duros pelos meus toques, passei minha língua em volta deles, chupando com vontade enquanto eu continuava com a massagem vendo sua inquietação na cama e seus olhos que agora estavam um pouco mais escuros por conta do desejo e excitação.

Desci os beijos para sua barriga branquinha, deixando algumas mordidas por ela, até chegar em seu sexo, algo que eu amava, abri sua perna e me ajeitei melhor entre elas e abaixei minha cabeça abocanhando seu clitóris o sugando para dentro da minha boca, fazendo-a soltar um gemido alto que ecoou pelo nosso quarto. 

Rodiei sua entrada com a ponta da minha língua, Alison começou a se mexer e rebolar acompanhando meu ritmo, enquanto os suspiros saiam de sua boca e seu primeiro gozo veio me fazendo sugar e chupar tudo sem deixar que sobrasse nada. 

-Deliciosa amor. (Me ajoelhei na cama e me aproximei beijando-a com fervor fazendo ela dessa vez sentir do seu próprio gosto) - Muito bom não é? 

Perguntei encarando-a enquanto eu comecei a me tocar fazendo um vai e vem em mim mesma, me ajeitando entre ela, puxando suas pernas para mim as entrelaçando sobre minha cintura e comecei a entrar devagar dentro dela. 

-Aaaah. (Ela soltou um gemido alto) 

-Tão apertada amor, isso é tão bom... (Falei começando a me movimentar) 

Levei minha mão para seu sexo o estimulando com movimentos circulares, comecei a estocar rápido sentindo meu ápice vir novamente e assim acabei me desmanchando dentro dela. Comecei a impulsionar o ritmo para cima e para baixo, parando um pouco para tomar fôlego o retomando em seguida. 

-Quero você olhando para mim enquanto me sente, somente olhe para mim. (Ordenei)

Alison acabou chegando ao ápice enquanto gemia em bom e alto som, coisa que era música para os meus ouvidos, minhas estocadas começaram fortes e precisas, o quarto estava divido entre nossos corpos se chocando, seus gemidos e o barulho das algemas batendo em nossa cama por sua inquietação calorosa de seu corpo. 

-Diga o que você quer amor. (Perguntei ofegante levando minha mão para seu queixo fazendo-a olhar fixamente em meus olhos) - Responde. (Apertei seu rosto enquanto estocava fundo e forte) 

-Mais rápido... (Murmurou entre gemidos) -Aaaaah...

-Gostosa. 

Dei um tapa em sua coxa aumentando o ritmo das minhas investidas, metendo cada vez mais rápido em busca de mais prazer para nós duas, joguei minha cabeça para trás e me permiti soltar um gemido fazendo com que dessa vez chegassemos juntas a um delicioso orgasmo, deixando me liberar assim como ela, dando um beijo em seus peitos, pescoço e enfim em sua boca...

Continua..? 


Notas Finais


Já disse que sou horrível com HOTS?😂

COMENTEM pessoal❤
É importante❤

Até já😘⤵

📖📱


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...