História Nunca Me Abandone... - Imagine Park Jimin - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Red Velvet
Personagens Irene, J-hope, Jimin, Jin, Joy, Jungkook, Rap Monster, Seulgi, Suga, V, Wendy, Yeri
Visualizações 13
Palavras 1.468
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Annyeong pjamas! Como vão bolinhos? Trago mais um Imagine do mochi à vocês :)
Espero que gostem e desenho uma:
📚BOA LEITURA📚
À todos :3

Obs: Negrito - |Lugar|Hora|Período|P.O.V's personagem| • Itálico com aspas - |Pensamento do personagem|
Sua personagem: Kim S/n.

Capítulo 1 - I


Fanfic / Fanfiction Nunca Me Abandone... - Imagine Park Jimin - Capítulo 1 - I

Quarto Da S/n ~ 09:25 | AM

P.O.V S/n

Acordo com o despertador ao meu lado um tanto quanto estridente me fazendo levantar da cama e me virar à minha esquerda, desativando o alarme que não me deixava dormir. Assim que levanto, me deito novamente após ter me lembrado que séria meu último dia no Japão. 

O Japão é minha cidade natal, bom sou bem parecida com uma Japonesa à propósito, mas também tenho muitos traços do Brasil! Minha mãe nasceu lá mas como a descendência dela também era Japonesa não teve muito o que fazer, então nasci um lindo Bebezinho dos olhinhos puxados.

Continuando pela parte de minhas "raízes". Meu pai é coreano, então em minha casa são costumes Japoneses e Coreanos, tudo junto e misturado! Bom é assim que vivo.  Por exemplo. Minha mãe.. Digamos que com ela "Eu posso fazer tudo" mas com meu pai, muda completamente! Ele é muito rígido em quase tudo eu até acho que ele exagera mas o que eu posso fazer? 

Assim que eu me cobri a porta foi aberta por meu pai que assim que me viu deitada na cama fuzilou com um olhar incrédulo pelo o que estava vendo.

- O que é isso S/n? Vamos! Levante! Iremos nos atrasar para o voou! - dizia meu pai batendo palmas na tentativa de tentar me despertar do sono. 

"Sua tentativa não deu muito certo Appa"

- Mas Appa.. - dou uma pausa olhando para meu celular na escrivaninha ao lado - Ainda são 09:27 e o voou é às 13:00 horas - Afundo minha cabeça nos travesseiros fazendo os mesmos afundarem confortavelmente, fazendo minha vontade de sair daquela cama ser mais difícil possível. 

- Nada disso mocinha! - vai até o lado direito da minha cama puxando meu cobertore, abrindo a janela dando espaço ao sol adentrar no meu quarto. Assim que eu sinto o vento bater contra meu corpo um arrepio se fez presente ali. Como meu pai já tinha "roubado" meu cobertor não tinha nada mais à dizer, apenas vou em direção ao banheiro indo usar o mesmo.

Adentro no banheiro indo fazer minhas nessecisades, após lavo as mãos ponho pasta dental em minha escova me despeço de minhas vestis e entro dentro do box, ligo o chuveiro fazendo a água fria bater contra meu corpo dando um arrepio insignificante e molhando o local atingido. Mudo para a água quente e apenas aproveito o banho logo depois indo escovar meus dentes ainda dentro do mesmo. 

Depois de banho tomado, dentes escovados. Vou a pia guardo minha escova pego minha toalha e a enrolo em meu corpo, coprindo e ao mesmo tempo secando o mesmo. 

Saio do banheiro indo em direção ao meu quarto. Algumas gotas quentes que haviam ali no meu corpo me fizeram sentir frio assim que senti o vento bater contra meu corpo novamente, vou até a janela e vejo o parque que tinha na frente da minha casa cheia de cerejeiras. Até que tive uma brilhante ideia de passar por lá antes da viagem. 

Me troco ponho uma blusa rosinha, uma saia branca e tênis branco da adidas dourado, pentenho meus cabelos e vou até a cozinha comer algo. Chegando lá vejo meu pai e minha mãe conversando sobre negócios, trabalho, coisas sobre a viagem, a nova cidade, etc. Pra falar a verdade eu não queria nem me mudar, aqui estão minhas melhores amigas! Minha escola onde sempre estudei, meu amigos, ah! 

Tomo meu café e quando estava perto da porta fui para por minha mãe e meu pai me perguntando:

- Onde vai? - diz os dois ao mesmo tempo.

- Vou até o parque em frente à nossa casa - digo como se não fosse nada. - E quando o Kyung acorda? - faço a pergunta já que não vejo meu irmãozinho em canto algum. 

- Já, já - dizia minha mãe.

- Pensei que vocês só tinham me acordado cedo! - digo saindo de casa. 

Enquanto caminhava sentia a bela brisa passar por meu corpo algo confortável e totalmente gostoso de se sentir. A rua estava calma apenas os pássaros estavam à cantar no local e a fonte do parque, fazendo um barulho um tanto quanto delicado mas ao mesmo tempo tranquilo que consegui acalmar qualquer um. Vou até meu "Cantinho Secreto" daquele parque. Tinham alguns arbustos meio feios mas o lugar era conpletamente ao contrário tinhas flores lindas, rosas, violetas, túlipa, margarida e muito mais. O cheiro bom do perfume das flores percorriam o lugar e tinha um banco perto de uma grande parede que desconheço. Me sento levanto o rosto fecho os olhos e apenas sinto à tranquilidade tomar meu corpo. Dou um sorriso ao ouvir os pássaros cantarem em sincronia com a fonte, e aquilo era totalmente relaxante para mim. E pensar que essa será a última vez que eu estarei aqui, no meu "Cantinho Secreto" à sós com as plantes, os pássaros, a brisa e minha tranquilidade.

Quebra de Tempo

Chego perto da porta de casa e ouço o barulho de Televisão no canal que o Kyung ama assistir: "Os homens do espaço"

"Pense que desenho bom!"

Eu até que "gosto" ele realmente é bom, mas isso não vem ao caso.

Entro dentro de casa chamando a atenção do menor que me encara e logo fala:

- Annyeonghaseyo Noona! - dizia meu irmãozinho vindo em minha direção me abraçar. 

- Annyeong Kyung! - retribui seu abraço apertadinho.

Eu e ele somos muito apegados um com o outro. Mesmo ele sendo chato as vezes, e meio... Sem graça, ele puxou o lado de minha mãe, o lado brincalhão e engraçado de ser. Sem contar um lado do meu pai também, protetor e carinhoso. 

- Já sabe?! - diz animado se separando do abraço.

- De que? 

- Nós vamos para a Coreia Noona! Estou tão feliz! Não vejo a hora de fazer novas amizades! - diz animado e eu apenas forçava um sorriso. - O que foi Noona? Tudo bem? - dizia preocupado.

- Sim, só estou com um pouquinho de medo..

- Ah Noona! Não fique com medo. Eu vou te proteger. 

"Ownt tão fofo! Pera... Tem alguma coisa ai..."

- O que você quer Kyung? - digo receosa.

- Nada.

- Kim Kyung! Eu te conheço como ninguém! O que você esta tramando?

- Tá bom Noona eu digo... Bom.. Como eu posso dizer... Eu acho que estou gostando de uma garota - assim que ouço aquilo começo a pular de alegria, eu vou ser cunhada! ... Pera... Cunhada?!

- E o que você quer? 

- Me ajude Noona! Quando à vejo meu coração despara e sinto uma dor no peito quando ela está perto de meninos. 

- Oh Kyung! Você está com ciúmes, medo de perde-lá. Não pense em namoro agora você ainda é muito novo pra essas coisas, se Appa descobrir... Você vai estar muito encrencado. E além do mais, nós vamos nós mudar.

- Eu sei... Por isso só contei isso só a você. 

Minha mãe entra na sala fazendo nossa conversa chegar ao ponto final.

Eu estava meio abalada por ter que sair do Japão e ir para a Coreia do Sul mas meus pais que decidiram e lá poderemos começar uma nova vida.

Meu pai tem uma enorme divida, um tanto quanto preocupante que pode deixar nossa família em risco de morte. Quando meu pai ficou viciado em Jogos ele apostou muitas coisas de nossa casa, sem contar da quantia de dinheiro que ele apostava. Eu ainda era apenas um bebê recém-nascido e minha mãe precisava comprar muitas mais coisas para mim. O cara que ele ficou devendo foi encontrado e preço, por sorte, pura sorve, meu pai não foi junto com ele para a cadeia, mas iria. Com essa dívida ainda de pé, seus comparcas seguiam meu pai e sua rotina diária até tentarem pegar ele. Logo depois de algumas semanas à mais eu fui sequestrada ainda bebê. Minha mãe ficou desesperada me procurando e acabou botando toda a culpa no meu pai, que causou uma briga violenta entre os dois. A polícia achou eles e me devolveram para minha família. E esse cara foi solto e está atrás de nossa família. Por isso vamos nos mudar para outro país. 

Quebra de Tempo. 

~12:36~

O almoço chegou e eu e minha mãe preparavamos à comida. Fizemos: Tempura, Sushi, Sashimi, Soba, Shabu-shabu e Tonkatsu. Pegamos os pratos onde se encontravam as comidas e logo levando até a mesa. Pegamos cada um porções e sentamos ao redor da mesa para almoçarmos, a comida está delicioso! Todos nos bebemos um suco qualquer, para ser mais específica de abacaxi. Nos comiamos e de vez em quanto conversavamos sobre coisas aleatórias. 

Depois do almoço subi ao meu quarto em pedido dos meus pais para arrumar minhas malas. Eu pego as roupas do guarda-roupa, cujo as mesmas estavam dobradas, e logo coloquei todas em minha mala fazendo rolinhos para sobrar mais espaço na mala.

[Continua...] 


Notas Finais


Desculpa o Capítulo pequeno, só para o começo mesmo :) prometo que o resto vai ser até grandinho, espero que tenham gostado ♥ me desculpem qualquer erro ortográfico :3
Xauzinho


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...