História Nuvens Negras - Vkook - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V)
Tags Bangtan Boys (BTS), Darkfic, Nuvens Negras, Sad Fic, Taekook, Vkook, Yaoi
Visualizações 41
Palavras 974
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shounen, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - ! Goals!


Fanfic / Fanfiction Nuvens Negras - Vkook - Capítulo 2 - ! Goals!

𝓐   𝓿𝓲𝓭𝓪   𝓪𝓹𝓮𝓼𝓪𝓻   𝓭𝓮   𝓭𝓾𝓻𝓪   𝓮  𝓶𝓪𝓰𝓲𝓬𝓪,  𝓹𝓸𝓻  𝓲𝓼𝓼𝓸   𝓼𝓮𝓶𝓹𝓻𝓮  𝓪𝓬𝓻𝓮𝓭𝓲𝓽𝓮  𝓷𝓸  𝓲𝓷𝓮𝓼𝓹𝓮𝓻𝓪𝓭𝓸 .

                            —  𝓜 𝓪 𝓻 𝓲 𝓪  𝓜 𝓲 𝓻 𝓪 𝓷 𝓭 𝓪 

[ ༮༺ྡྷྡྷꄾꋇ ]

Eu tentava viver de metas, no meu diário tinha um montão delas. Era uma forma de arranjar algo que te motivasse a viver, algo que te deixasse feliz apenas com a certeza que algum dia todas poderiam se realizar.

Era mais fácil e para mim funcionava. Abri meu diário como todos os dias e nossa senhora, quase cem metas e eu só havia realizado as mais simples.

1. Dar meu primeiro beijo de língua. ✓

2. Tomar banho pelado em uma cachoeira. ✓

3. Tirar uma foto com Will Smith.

Ihhh, esse estava difícil em. Como eu viajaria para Hollywood e como eu encontraria esse deus grego dando bobeira na rua. Entretanto, era uma meta que eu tinha que realizar antes de dar meu último suspiro de vida.

Não olhei as outras direito, apenas contei quanto já havia realizado e deu um total de cinquenta e cinco. Restando outras quarenta e quatro — sem contar a meta número cem que era realizar todas as outras metas —. São justamente as mais difíceis, como diabos iria conseguir realiza-las?

Deixei o diário na estante e corri para me arrumar e ir à escola. Lembro como se fosse hoje, toda a minha animação apenas em pensar que iria ver Jungkook com aqueles dentes grandes e brancos estilo comercial de creme dental me esperando no portão.

Ele me fazia um bem danado. Era lerdo, burro em exatas e tinha conhecimentos desnecessários. Eu achava engraçado a forma com que ele falava e me olhava. Sempre fomos muito amigos, mas aquele olhar que parece que não me quer, quando na verdade quer e muito. Era confuso, e eu não esperava menos vindo de Jungkook.

Depois de arrumado e alimentado, arrumo meus óculos no rosto e caminhei exatos quatro quilômetros para chegar até a escola, onde eu terminava o meu terceiro ano do ensino médio. E como se era esperado, Jungkook estava lá. Caminhei até ele e o cumprimentei, então, entramos juntos na escola.

— Você sabe quanto custa um poste de luz, Tae? — A criatura me pergunta enquanto sentavamos nos nossos lugares.

Eu o olhei com medo. Quem diabos queria saber o preço de um poste? Essa criatura era doente. Olhei para os lados e pensei em amarra-lo e interna-lo em um hospício. Entretando, logo desisti e fiquei curioso.

— Não, quanto custa? — Arquiei uma sobrancelha, curioso.

— Em torno de quatrocentos mil won.

Ele disse tão sério que me deu vontade de rir. Entretando, pensei melhor antes de consumir o ato. Ele poderia ficar chateado ou algo assim. Nunca fui de colocar ninguém para baixo e não seria esse dia em que iria colocar.

— Minha nossa, quanta grana. — Disse o olhando surpreso.

— Pois não é. — Ele disse no mesmo tom que o meu.

— O que você faria com tanta grana? — Questionei curioso.

— Eu usaria pra você poder realizar as suas metas mais difíceis, e você?

Ele me olhou sereno e eu achei que iria explodir. Não foi a primeira e muito menos a última vez em que ele agiu fofo dessa forma. E eu realmente gostei disso, gostei da forma como ele se preocupou e cuidou de mim.

— Eu usaria pra mesma coisa. — Peguei na mão dele — Você é maravilhoso, obrigado por cuidar de mim.

Ele sorriu e eu pude sorrir também. Eu acredito até hoje que esse foi o sorriso mais sincero que eu dei e recebi em toda a minha vida. Transmitia confiança, amor, afeto, carinho. Tudo ao mesmo tempo e misturado.

Depois de todas as aulas terminarem, eu não queria voltar para casa naquele momento porque sabia que não iria me fazer bem. Chamei Jungkook e juntos saímos da escola sem destino nenhum.

Caminhamos com passos largos uma avenida gigantesca. O céu nublado e o tempo frio indicavam que a qualquer momento iria chover. Corremos para nos abrigar, porém de longe enxergamos um gatinho ainda filhote no meio da rua, provavelmente estava com medo e não conseguia se mover por ser ainda novo.

— Vamos lá.

Jungkook me puxa e corremos até o gatinho, esperando os carros passarem que por sorte, desviavam do pobre animal. O mais novo o pegou no colo e corremos para o outro lado da rua.

— Ele é fofo. — Eu disse pegando o bichano no colo. Ele era pretinho e manhoso. Tratou de se aninhar e ali mesmo dormir. — Folgado.

— Como ele vai se chamar? — Jungkook me questiona e eu o olho apavorado.

— Eu não posso levar animais pra minha casa, meus pais me matariam.

— Pois eu levo. — Ele pega o gatinho do meu colo e faz carinho em seus pelos — Você vai se chamar fígaro.

— Eu gostei do nome.

Olhei para Jungkook e ele me olhava como se quisesse me dizer algo, quando na verdade não estava querendo me dizer nada. Puto para um caralho, era isso que ele era. Eu não havia dado esse direito para ele me olhar assim...desse jeito tão... intimidador.

— Olha, você pare. — O olho sério e ele sorriu, esse safado.

— Parar com o quê?

— De me olhar assim.

— Assim como?

— Desse jeito, parece que... parece que quer me comer.

— Talvez eu queira.

— Jungkook....

Ele chegou tão perto que pude sentir a respiração bater contra meu rosto. Meu coração parou, meus sinais vitais já não podiam mais ser ouvidos. Fechei os olhos automaticamente e inclinei minha boca para ir de encontro a sua, porém, não achei. Tudo que vi foi um Jungkook olhando para minha cara com um sorriso no rosto.

Nesse dia, ele percebeu que eu também o queria, e o queria muito.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...