1. Spirit Fanfics >
  2. O 15 Pelotão >
  3. Capítulo Sete - Deuses desafiam deuses

História O 15 Pelotão - Capítulo 8


Escrita por: El_Cocinero_Brasileno

Capítulo 8 - Capítulo Sete - Deuses desafiam deuses


O QG hoje está movimentado, a batalha se iniciará logo. Hoje o mundo saberá quem é o Zé Ninguém e quem traiu o país em nome de algo inútil. Nove e Setenta se preparam com uma equipe tática para a captura do Zé Ninguém, enquanto os outros heróis se preparam para enfrentar Martelo e Foice. É difícil saber o que é mais importante: tirar as armas de um terrorista de cena ou tirar o próprio terrorista de cena; é quase um motivo para uma competição entre as equipes. No vestiário, Legião e Soldier Girl discorrem sobre a operação.

- Você acha que vamos ter problemas com aqueles desertores?- Pergunta Legião.

- Vamos ficar bem, nós somos melhores que eles.- Diz Soldier Girl - Sempre fomos melhores juntos. Eles se separaram de nós e viraram inimigos.

- Eu não sei, parece uma má ideia fazer isso, eles são nossos colegas. Nós treinamos com eles, crescemos com eles-

- E agora eles são inimigos.

- Mas…

- A ordem é atirar para matar, e capturar se possível.

- Está bem… então vou me esforçar para não matar ninguém.

- Considerando que vamos enfrentar alguém melhor do que eu, procure usar a melhor munição.

- Ela não é melhor que você, apenas mais avançada. Muitas pessoas preferiram armas antigas às novas ao longo da história, e você mesma disse que nós somos melhores que essas pessoas.

- O grupo sim, mas individualmente eu não sei.

- Nós somos melhores, não importa a nossa quantidade, nós sempre encaramos o problema de frente. 

Meia-hora depois a equipe era transportada à localização dos desertores, eles escolheram um lugar muito público e simbólico: a Esplanada dos Ministérios. Parando para pensar percebe-se que Brasília é um grande símbolo, tudo o que a compõe é um enorme conjunto de símbolos pomposos feitos para encantar. A representação do sonho de progresso de Kubitschek como palco de uma luta entre os símbolos de segurança do país. Poético, porém desastroso. Os heróis chegam em carros blindados junto com diversos policiais que cercam a Esplanada inteira para garantir que civis desavisados não se machuquem. Apenas Martelo e Foice aguardam pacientemente a chegada de seus oponentes. Apenas quatro dos heróis saem dos carros blindados.

- Estão faltando dois na sua equipe - Diz Martelo.

- Digo o mesmo para vocês - Diz Katana Elétrica - E digo mais: vocês são loucos se acham que podem explodir cidades e ficar impunes, a época da impunidade se foi, então é melhor se entregarem.

- A gente vai lutar e vocês vão perder- Diz Foice - Eu tenho certeza que vamos cortar e explodir vocês.

- Sonhar faz bem - diz Legião - Quinze, abandona essa ideia, eles não querem se render. Onde está o soldado que vocês roubaram de nós?

- Ela já está chegando - diz Martelo.

De repente um som toma conta do ambiente. Um som que apenas surge ao se quebrar a barreira do som. Os militares perguntam a si mesmos se pediram jatos, mas de fato eles não pediram. Um objeto sobrevoa a esplanada em alta velocidade, repetindo a ação de novo e de novo. Enfim, o objeto desacelera e posa ao lado de Martelo e Foice. É uma mulher loura que demonstra uma expressão muito séria, como se fosse uma máquina.

- Código 201 - diz Katana Elétrica -. É um prazer te conhecer finalmente. Acho que vou te chamar de “Dois-zero-um”, que tal?

Ela não responde. Ela apenas olha os oponentes de cima a baixo.

- Saibam que se quiserem desistir, a hora é essa - diz Poderoso -. Vocês podem ter celas confortáveis na cadeia, ou podemos mostrar o nosso poder e depois jogamos vocês na cadeia. Vocês ainda podem se redimir.

Martelo se prepara e rapidamente avança contra Poderoso, sendo parado por uma mão. Poderoso apenas acrescenta: “Escolheram o caminho errado”. Em seguida, Poderoso dá um soco que empurra Martelo para longe. 

Todos ficam em posição de luta. O combate se inicia. Foice contra Katana Elétrica, Poderoso contra Martelo, 201 contra Legião e Soldier Girl. 

Foice tenta golpear Katana Elétrica, que sofre para se defender. Porém, o guerreiro da katana tem um plano. Há anos ele desenvolveu o traje que está usando hoje, que quando entra em contato com a eletricidade se torna leve o bastante a ponto de aumentar a velocidade dos movimentos de seu usuário. Bastou uma carga e os movimentos de Quinze se tornaram ainda mais impressionantes. É como mágica. Logo a briga dos dois soldados se torna equilibrada.

Na luta de Soldier Girl e Legião, a loira que era compatriota delas se mostrava verdadeiramente forte. Sabendo que as habilidades de sua oponente eram as mesmas de Una, esperava-se uma luta com certa vantagem para o lado aliado, o que de fato era uma esperança vã. Código 201 mostra grande vantagem lutando contra dois oponentes ao mesmo tempo. Desvia de um lado, atira de outro. Legião compensa o peso das armas que carrega criando clones, o que cria desvantagens à inimiga. Os clones de Legião atiram com vontade contra Dois-zero-um, contudo a mesma se defende criando escudos em suas costas. Enquanto isso, Una constrói uma katana e avança contra sua inimiga, que se defende também com uma katana. Percebendo que tinham um braço livre, Dois-zero-um e Una constroem outra katana e logo passam a atacar uma à outra com duas espadas. Enquanto isso, Três-sete cria uma espécie de “roda de fuzilamento” em volta das oponentes e dispara contra Código 201, ora ela acerta sua companheira, ora acerta sua oponente, mesmo que de raspão. E assim Código 201 e Soldier Girl se enfrentam neste bater repetido de espadas e demonstrações de esquivas contra golpes e balas.

Entre Poderoso e Martelo a situação é um pouco diferente, pois eles não se encontram mais na Esplanada dos Ministérios. Os dois tanques humanos estão socando um ao outro em áreas desabitadas do cerrado. Os socos de Martelo se mostram um problema, pois mesmo que errem o alvo liberam uma grande quantidade de energia. A energia infelizmente tende a não acabar rápido devido às células de energia que Martelo tem no cinto. Os dois se encontram afastados. Rapidamente os combatentes avançam um contra o outro. Meia-quatro consegue a vantagem com um ganho de direita e uma sequência de golpes. Martelo libera energia pelo corpo inteiro com a intenção de afastar Meia-quatro. Funcionou. Martelo avança dando um soco que Poderoso fazendo um “x” com os braços. Poderoso pega a cabeça de Martelo, a puxa para baixo e dá-lhe uma joelhada. 

- Pronto para desistir?

Martelo imediatamente pensa: “O puto quebrou o meu nariz”.Martelo acena negativamente com a cabeça e corre para Poderoso, que recebe um chute nas costelas. A dor é grande. Poderoso pensa: “Ele quebrou uma das minhas costelas. Agora sim ele morre”. Agora a luta fica mais intensa. Chega uma hora em que os dois alternam quase que aleatoriamente entre socos e chutes até que nenhum dos dois fique previsível. Imprevisível é igual a sem defesas contra, ou seja, eles não se defendem, apenas atacam. 

Em um lugar longe de Brasília, uma equipe tática acompanhada por Poltergeist e Cronos aguarda comando para invadir um apartamento. O sargento repassa o plano por rádio enquanto a equipe aguarda.

- Um dos nossos integrantes fará a sondagem do local. Em seguida, após aferido o número de meliantes, o comando poderá dar o sinal de avanço. Quando o comando der o sinal, a primeira equipe desce do terraço e entra pela janela. Em seguida a segunda equipe entra pela porta da frente. Vamos nos esforçar para manter a calma e evitar mortes.

A sondagem começa. Com um scanner infravermelho são encontradas seis pessoas, e deve-se presumir que todos estão armados. O comando dá sinal de avanço. Poltergeist faz o seu corpo levitar para chegar às janelas do apartamento. Partindo disso, Nove usa seus poderes para quebrar as janelas e tirar suas cortinas. A primeira equipe entra pelas janelas e ordena a rendição dos habitantes do apartamento. Logo em seguida a segunda equipe arromba a porta da frente e apoia a primeira equipe. A dupla de heróis entra no apartamento. Todas as seis pessoas estão na sala. Várias caixas de munição e caixas abertas contendo células de energia, as mesmas que Martelo está usando. Dentre os homens rendidos, um está com uma máscara de palhaço. Os soldados tiram-lhe a máscara e escaneiam sua retina.

- Confirmado, ele é Adriel Navarro.

- Ora, ora - diz Setenta -. Finalmente te pegamos.

- Foi a conta bancária, não foi? - pergunta Adriel.

- Sim, foi a conta bancária. Rastreamos até o final. Foi difícil, você usou mais de 1100 contas para despistar.

- Foi ótimo. Foi realmente muito bom peitar o grande exército brasileiro.

Todos os homens são levados em veículos de escolta prisional. Em breve a história se lembrará desse momento.

Em Brasília, Poderoso está enfrentando Martelo com todas as suas forças, mas parece que a força de seu oponente não se esgota. De repente Poderoso recebe uma chamada.

- Meia-quatro, eu achei uma coisa que pode te ajudar.

- Diga, Setenta. O que é?

- Encontramos células de energia no apartamento do Zé Ninguém. Disseram que o Martelo está usando estas células, você consegue vê-las? 

- Sim, estão no cinto dele.

- Estas células têm muita energia guardada, mas são instáveis em contato com o ar. Se você tirar o cinto dele ou simplesmente socar as células com força o bastante elas vão explodir e Martelo ficará sem reservas de energia.

- Entendido. Te devo uma, parceiro.

Lembrando que esta conversa estava acontecendo em meio ao combate.

Martelo decide avançar e Poderoso se prepara.

- Isto é por queimar a minha capa!

Poderoso dá um soco no cinto de Martelo que o faz se afastar quase sem fôlego. Martelo percebe que seu cinto está para explodir. Ele retira o cinto, o enrola, e quando o cinto explode trata de absorver a energia da explosão. É muita energia. Martelo se dá conta de que está em desvantagem. A partir de agora seus golpes terão cada vez menos energia até que ele apenas tenha a força de um homem comum, o que não traz efeitos positivos em sua luta. Só lhe restam duas opções: render-se e passar o resto da vida na prisão, ou arriscar tudo com um golpe poderoso que gastará toda a sua energia. Ele decide arriscar. Agora é tudo ou nada. Ele prepara o seu último golpe. Seu punho direito brilha como uma pequena estrela. Poderoso se prepara para dar um golpe equivalente. Os dois avançam, saltam e seus punhos se encontram. O punho direito de Martelo contra o punho esquerdo de Poderoso. O soco de martelo cria uma parede de fogo, enquanto o soco de Poderoso cria uma parede de ar. As paredes se mantêm por cinco segundos. Cinco intermináveis segundos. E bum! Martelo cai sendo levado pelo choque. O barulho pode ser ouvido em todo o Distrito Federal. É como um grande trovão. A fumaça se dissipa e pode-se ver martelo caído no chão. Seu braço direito está quebrado da mão ao cotovelo. Tudo dói, vem a exaustão, mas ele quer se levantar. Ele quer um final digno para esta luta. Ele vê Poderoso avançando lentamente em sua direção. Tudo está queimado e destruído. Há somente árvores derrubadas e mato queimado. Um cenário terrível. Martelo percebe que a mão esquerda de Poderoso está quebrada. 

- Você lutou bem - diz Poderoso.

- Você também - diz Martelo.

- Que bagunça, não é?

- Sim, muita bagunça.

- Você quebrou a minha mão.

- Você quebrou o meu braço e a minha mão.

- Você quebrou uma das minhas costelas.

- Você quebrou o meu nariz.

- Eu estou cansado.

- Eu também.

- Mais uma coisa: eu sou destro.

- O quê?

E Poderoso dá um cruzado de direita no rosto de Martelo que o faz girar e cair de cara no chão.

- Eu disse que sou destro, seu imbecil. Você perdeu para a minha mão mais fraca. 

Poderoso pega Martelo, o coloca em seu ombro direito e sai pulando de volta para a Esplanada.

 

Enquanto isso, na Esplanada, Foice luta contra Katana Elétrica em um embate frenético. Defende aqui, esquiva ali, ataca acolá. Quando as armas estão medindo forças, os dois ouvem um estrondo alto vindo de longe. Eles se distraem e vêem um brilho dourado no horizonte. Imediatamente, Foice pensa em seu irmão, pois apenas ele faria um brilho tão bonito com um barulho tão estarrecedor. Então Katana Elétrica corta o seu rosto e sua atenção se volta à batalha.

- Eu estou aqui, Treze.

- Você não pode mais me chamar assim.

Logo Quinze se cansa de alongar a luta e decide usar um trunfo para encerrar a luta de uma vez. Ele energiza seu corpo e sua espada. Agora seu corpo está ainda mais rápido e sua espada está ainda mais afiada. Quinze avança e Foice tenta se defender. Em meio segundo, Katana Elétrica corta a arma de Foice ao meio e em seguida enfia sua espada no abdômen dela. Ela sente aquele corpo estranho dar choques elétricos em sua barriga. Ela sente a perda de sangue. Ela cospe sangue.

- Como eu não vi isso?

- Você pode ser uma deusa, mas eu também sou. Você não pensou que eu evoluí desde a guerra.

Quinze retira a espada de Foice. Foice cai no chão. Por sorte a eletricidade queimou a carne de seu ferimento, o que ajudou a parar o sangramento. Katana Elétrica se volta para a luta de Soldier Girl e Legião. Código 201 está matando os clones de Legião para favorecer o seu combate, restando apenas a Legião original. Antes que Dois-zero-um pudesse fazer algo contra Três-sete, Una a ataca com suas espadas. Quinze olha aquilo e sente orgulho. Seu amor está aproveitando as lições que ele deu. Mas o orgulho durou pouco. Os braços de Soldier Girl são cortados próximo à altura do cotovelo. Um erro grave. Ela deveria mover seus braços mais rapidamente. Ela recebeu um chute no estômago que a levou ao chão. Ela ainda quer lutar. Legião logo também é levada ao chão. Legião busca uma pistola em seu coldre. Ela pega, mas é parada é parada pela bota de Código 201. Katana Elétrica corre para ajudar. Código 201 faz um canhão de energia e o aponta para Legião. Soldier Girl se levanta e pula em direção à Legião. Código 201 atira, mas Soldier Girl alcança o disparo e o recebe com suas costas. Katana Elétrica chega e tenta acertar a loira com tudo, mas não consegue. Código 201 percebe que está em desvantagem. Ela disse que não queria machucar ninguém. Poderoso cai próximo ao grupo e despeja seu oponente no chão. 

- Eu não queria isso. Achei que iríamos ganhar.

- Se você se entregar nós vamos pegar leve com você - diz Poderoso.

- Ele disse que eu ia libertar o país.

- Libertar do quê? O país é totalmente livre. O Zé Ninguém não é um libertador, ele é um terrorista. E você também vai ser a menos que venha com a gente.

Legião se levanta e aponta a sua pistola.

- Se você não se entregar agora, nós vamos atrás de você - diz Legião.

- Não vão me achar.

Ela constrói asas e levanta voo. Não há o que fazer. As tropas estão feridas e exaustas.

- Outro dia nós vamos atrás dela - diz Katana Elétrica -. Por ora nós vamos descansar. Temos três presos hoje! Foi um dia produtivo e sem baixas civis. - Ele chama no rádio - Precisamos de atendimento médico e escoltas prisionais.

Alguns curiosos chegaram a aparecer na Esplanada, mas logo foram contidos. A ameaça estava, enfim, contida. Os cidadãos podem ficar tranquilos. É hora de voltar para casa. Os heróis e os vilões seguem em seus respectivos transportes. Foi uma tarde violenta. O mundo está em chamas, e é chegada a hora de apagar o incêndio.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...