História O acampamento de verão - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 3
Palavras 722
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, LGBT, Lírica, Literatura Feminina, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Lembranças: Parte 2


Era um dia de chuva, parece que o tempo já sabia o que tinha acontecido, eu estava com um vestido preto na frente do caixão da minha mãe.

Os médicos disseram que ela teve sorte de viver mais oito anos, o que foi muito bom, por que o pequeno James conheceu a mãe pelo menos.

Dale segurou minha mão enquanto o padre falava coisas que nem estava ouvindo, Dale apertou minha mão para me puxar de volta a realidade.

Eu olhei para baixo e vi James na minha perna, eu mordi o lábio, não estava chorando, mas também não estava nada bem, meu rosto estava vermelho, por causa do frio.

▫️◽◻️

Na recepção que meu pai insistiu em fazer por causa de que meus avós, os quatro, tinham vindo.

Eu estava sentada na poltrona olhado para o fogo da lareira, Dale sentou do meu lado e me abraçou.

-Quer que eu durma aqui?- ele sussurrou.

-Queria.- tentei sorrir.

-Vou ver James.- ele beijou minha cabeça.

Me encostei na poltrona e cruzei os braços, não sabia o que fazer agora, não sabia o que ia ser de mim agora.

▫️◽◻️

-James!- eu corri atrás de um moleque de oito anos pelado.- James seu pestinha! Tem que tomar banho!

-Não!- ele entrou no banheiro e se trancou.

-James, por favor.- eu me sentei de frente para a porta, meu pai passou pelo corredor.- Pai, fala com o James.

-Hum.- meu pai passou levando uma garrafa de uísque.

Já faziam dois meses que minha mãe tinha morrido e ele estava assim ainda, eu suspirei me levantando.

-James, se sair come chocolate.- só ouvi a porta abrir.

Sorri e enrolei ele na toalha, levei ele até a banheira e coloquei ele lá dentro, então comecei a dar banho nele.

-Quando o papai vai ficar bom?- ele perguntou.

-Não sei, pimpolho.- eu enxuguei o cabelo dele.

-Ele vai ir embora igual a mamãe?- James me encarou.

-Não.- eu sorri.

-Mas você vai ficar comigo, não é?- ele sorriu.

-Sim.- tirei ele dá banheira e enxuguei.

Coloquei o pijama de James e o coloquei na cama, depois enrolei ele todinho e me sentei na cama dele.

-Amanhã vai ter seu chocolate.- eu sorri.

-Ok.- ele sorriu.

-Boa noite.- me levantei.

-A mamãe ficava aqui até eu dormir.- eu me sentei de novo.- E ela cantava.

Eu respirei fundo ainda sorrindo e comecei cantar uma música que minha mãe cantava para mi quando tinha a idade dele.

Ele dormiu e eu apaguei a luz do quarto e encostei a porta, então fui até o quarto do meu pai, ele estava deitado com a garrafa de uísque.

Tirei a garrafa e escondi ela, então cobri meu pai e fui para meu quarto, estava morta de cansada, mas a única coisa que vi foi Dale sentado na minha cama.

-Como chegou aqui?- me sentei do lado dele.

-Pela janela.- ele sorriu.- Como está?

-Cansada.- tentei sorrir.

E naquele momento eu olhei para ele e percebi alguma coisa, alguma coisa ficou estranha, e eu não gostava mais dele só como amigo...

-Pedi Stacy em namoro.- ele sorriu.

-Ah...- me desapontei.

-E então?- ele pulou na cama.

-Ah, isso é legal.- eu sorri.

-Bem, já tenho que ir, mas amanhã é a inauguração do acampamento.- ele pulou.

-Sim.- eu falei me levantando.

-Tchau, Barbie.- ele foi até a janela.

-Tchau, Dale.- fui até o banheiro.

Amarrei o cabelo e escovei os dentes, estava quase pronta para dormir quando ouvi algo na porta.

Peguei um táxi de basebol e desci as escadas, estava morrendo de medo que fosse algum ladrão ou algo do tipo.

Assim que vi o olho mágico vi que era o cara que cuidava do parque, abri a porta e franzi as sobrancelhas.

-O que quer?- eu perguntei com educação.

-Seu pai deixou de assinar os papéis de abertura.- ele me deu uns papéis.

-Ah, ele está dormindo agora.- eu sorri.

-Então pode deixar para ele assinar.- ele me deu o papel.- Boa noite.

-Boa noite.- peguei o papel e fechei a porta.

Me sentei no sofá e coloquei o papel em cima da mesinha, subi as escadas e me joguei na cama, então apaguei.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...