História A arte da conquista - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Acordo, Amizade, Amor, Briga, Colégio, Drama, Família, Festas, Hot, Irmãs, Romance, Shawn Mendes, Skam, Traição
Visualizações 156
Palavras 3.850
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Para quem não sabe, os atores que eu escolhi para vcs visualizarem como sendo um dos personagens são de uma série chamada SKAM, se vc não assistiu ainda, eu super recomendo.
Na Gif é a Amanda e a Katy, e sim, é um beijo hahaha
Boa leitura!

Capítulo 11 - Eu quebraria seu coração


Fanfic / Fanfiction A arte da conquista - Capítulo 11 - Eu quebraria seu coração

Barringthon Hills, 12:44 p.m Anna Belle

Katy respira fundo criando um suspense desnecessário enquanto eu saboreava a salada de rúcula com pêra.

- É melhor a gente conversar depois, sozinhas. - Assento com a cabeça e assim que terminamos de comer ela puxa meu braço e vamos um pouco distante do resto deles para que ninguém mais escutasse.

- Ela me perguntou se eu quero ficar com o Peter... - Fico em silêncio e espero que ela continue. - Eu perguntei o porquê ela estava me perguntando isso agora e ela me falou que ele sempre ri das minhas piadas mas nunca ri das dela. E disse também que ela não tem a menor chance com ele se eu estiver interessada nele.

- E você quer? - Pergunto me virando para olhar seu rosto que parecia triste.

- Eu disse para ela que não, óbvio. Não quero ser a causa de término pra ninguém... - Tento pensar em algo para dizer mais ela continua falando. - Eu me lembrei de quando eu fui atrás dele. No início. Quando eles ainda iam começar a namorar. Lembra quando eu disse pra você que ele me rejeitou para ficar com ela? Bom, não foi bem assim que aconteceu.

Flashback Katy, dois meses atrás

Assim que vi como Peter estava realmente se interessando pela Amanda e queria assumir um relacionamento com ela, eu fiquei tão maluca de ciúmes que terminei tudo com Vicent e combinei de me encontrar com Peter na quadra de basquete. Estava tendo treino das líderes de torcida, eu estava tão nervosa e disposta a qualquer coisa para ele não assumir ela.

- O que você tem de tão importante assim para me dizer? - Peter chega perto de mim perguntando.

- Estão dispensadas! - Gritei para as meninas que saíram e deixaram nós dois sozinhos na quadra.

- Sempre adorei seu jeito mandão. - Ele disse rindo. 

- Não fica com ela, Peter. - Eu disse e ele parou de rir.

- Você nunca se importou com quem eu fico. Por que agora isso?

- Sabe porque... - Ele se fez de desentendido. - Peter, eu... - Eu não estava mais conseguindo me controlar, algumas lágrimas já escorriam pelas minhas bochechas.

- Katy, não. - Ele disse quase em sussurro. 

- Eu preciso dizer. Isso tá me consumindo e você precisa saber.

- Não, Katy. - Ele segurou meu rosto como se quisesse trazer meu estado controlado de volta mas eu já estava completamente tomada pela emoção, não tinha mais volta.

- Eu amo você, Peter. Eu estava saindo com um cara incrível, mas eu tenho certeza que não vai dar certo, porque eu... Eu... Eu amo você, ok? - Ele ficou em silêncio, nenhum de nós dois conseguia acreditar que eu tinha falado isso. - Diga alguma coisa. - Ele ficou congelado desde o primeiro "amo você". - Por favor. - Implorei enxugando as lágrimas.

- Eu... Preciso ir agora. - Ele falou me dando as costas indo embora.

Atualmente

- Isso você já tinha me contado. - Ela bebe do vinho e então volta a falar.

- Eu sei. Mas eu não contei tudo para você.

- Como assim?

- Eu não queria que você me julgasse por isso. Eu não aceitei aquilo como a resposta final dele, então mais tarde na hora da saída me encontrei com ele de novo e disse que ia passar na casa dele pela noite.

- Você sabe que eu nunca faria isso com você. Eu nunca julgaria você, somos amigas há quanto tempo? - Pergunto e ela fica em silêncio por um tempo olhando para o lago e depois volta a olhar para mim.

- Ele já tinha me dado as chaves da casa dele para ir lá sempre que estivesse afim...

Flashback Katy, dois meses atrás

Eu sabia que minha única chance de convencer ele, era mostrando que ele ia me perder pra sempre se ele resolvesse assumir o namoro. Me certifiquei que não tinha ninguém na casa quando eu cheguei e fui direto para o quarto dele, afim de esperar por ele. Eu comprei uma lingerie sexy vermelha, tirei toda a minha roupa e fiquei apenas com a lingerie e o meu sobretudo preto da Zattini, vai que a mãe dele chegasse antes dele, não ia ser nada legal ela me ver só de lingerie. 

- Você demorou. - Eu disse quando ele finalmente chegou, eu abri os botões do casaco devagar acompanhando o olhar dele.

- Katy... - Ele tenta começar a falar mas para no momento em que o casaco cai no chão. - O que você quer?

- Provar pra você que seu lugar é comigo. - Empurrei ele até a cama e subi em cima dele, colocando uma perna de cada lado.

- Katy, eu pedi a Amanda em namoro. - Ele falou rápido e eu parei naquele instante, Peter me tirou do colo dele de forma delicada e me deixou sentada ao seu lado.

- Se você pretendia pedir ela em namoro mesmo depois do que eu falei para você hoje mais cedo, então por que me deixou vim até aqui? Para se gabar?

- Me gabar sobre o quê?

- Bem, você venceu. Abra o champanhe.

- Eu não venci.

- Então por que sinto como se eu tivesse perdido? - Nesse momento eu já chorava como se fosse o fim do mundo, mas ele se manteve sereno.

- O motivo pelo qual não consigo dizer aquelas três palavras para você, não quer dizer que não é verdade.

- Então por que você não me diz? - Perguntei olhando diretamente nos olhos dele.

- Acho que ambos sabemos que no momento que eu disser, não começaremos algo. Será o fim. Pense nisso... - Eu não conseguia aceitar tudo aquilo que ele dizia, mas lá no fundo eu sabia que era verdade. - Você realmente consegue imaginar nós dois como sendo um casal? Você consegue ver Peter e Katy indo a festas juntos?

- Nós não temos que fazer essas coisas. Podemos fazer coisas que gostamos.

- Nós gostamos disso...

- Dos jogos. - Completei triste.

- De ficar com outras pessoas... Sem isso, não sei quanto tempo iríamos durar. Seria uma questão de tempo até que a gente estragasse tudo... - Ele enxugou minha face e juntou as mãos em forma de concha segurando meu rosto próximo do dele. - Olha, prefiro esperar. Talvez no futuro aprendemos a amar um ao outro do jeito certo. 

- Eu acredito que possa haver uma prazer doloroso nisso. - Eu disse e ele me beijou uma última vez. Logo depois Peter me levou até a porta.

- Katy... - Ele segurou minha mão me puxando para próximo dele novamente. -Se duas pessoas estão destinadas a ficarem juntas, eu acredito que em algum momento elas ficarão.

- Você realmente acredita nisso? - Perguntei e ele afirmou com a cabeça em resposta. - Então eu também. - Sorri e ele beijou minha testa, depois me deixou ir.

Atualmente

- Eu acho que esse é o momento que ele estava falando.

- Como assim? - Pergunto.

- A Amanda não tem certeza sobre o relacionamento deles, talvez eu devesse contar a verdade para ela... O que você acha?

- Como assim o que eu acho? - Indago.

- Ela é sua irmã. Se eu decidir interferir no namoro deles... Você vai ficar com raiva de mim? - Não faço ideia do que responder. - Olha, ela me falou que sabe do amor dele por mim, e pediu a minha ajuda para fazer ele se apaixonar por ela.

- Isso é impossível. Se eles estão juntos até agora e ela sabe que ele prefere você a ela, então a melhor coisa a se fazer é que os dois terminem.

- Você está me dando passe livre para interferir no relacionamento deles? - Ela morde o lábio esperando por uma resposta.

- Eu também acredito que esse seja o momento certo para Katy e Peter. - Digo.

- YEY! - Ela grita em comemoração e me abraça. - Eu preciso ir no banheiro agora. Leva pra mim? - Ela pergunta indicando a taça de vinho, eu a seguro e Katy sai saltitando para a parte de dentro da casa.

Olho rapidamente para a mesa onde todos os outros ainda bebiam e conversavam. Vejo o chameguinho de Amanda com Peter, acho que hoje a noite talvez aconteça a primeira vez dos dois, eu realmente acho que ela não está pronta para isso, mas ela não me escuta mais. Katy é a minha última esperança, eu só quero que a Amanda se guarde para alguém que dê mais valor a ela, alguém que realmente a ame pelo que ela é. Vejo que ainda tem um pouco de vinho na taça, me viro para olhar o lago e fico de costas para os outros, em seguida eu bebo o vinho em uma única virada sem que nenhum deles olhe.

A medida que me aproximo de novo da mesa posso sentir os olhos verdes dele caindo sobre mim, me sento ao seu lado em silêncio. Eu estava dispersa até que eles começaram a conversar sobre o amor.

- Sabe, eu já vi de perto. - James fala direcionado ao Peter que assim como Josh dizia que não acreditavam em amor. - E eu sei como ele é quando ele existe. E sei como é quando não existe.

- Então já se apaixonou antes? - Ed perguntou.

- Não, mas meus avós sim, eles se conheceram na escola e deu certo. - James responde. - E é isso que eu quero, amor de verdade. Pelo qual você luta e sempre põe em primeiro lugar. Que faz você querer ser bom e melhorar. E não com qualquer pessoa, com a pessoa.

- Eu estou quase desistindo do amor. - Ed interrompe James.

- Não desista do amor. - Digo e todos olham para mim, aquela havia sido a primeira vez que eu tinha resolvido falar alguma coisa desde o momento que eu havia chamado Josh de Chimichurrizinho. - Acreditem, um amor não correspondido não é o fim do mundo. Você vai amar de novo, mesmo que agora esteja achando que nunca mais irá amar alguém na vida... Fomos feitos para nos reinventar. - Olho para Amanda que rapidamente desvia o olhar. - E você vai conseguir também, na hora e no momento certo. - Finalizo olhando para Katy que se arrumava ao meu lado.

O resto da tarde foi agradável, não que antes não estivesse sendo. Mas foi ainda melhor. Fui até o centro de Barrington Hills com James e visitamos uma igreja local antiga enquanto os outros ficaram em casa. James me contou como era a relação dele com os avós que eram cristãos, a tia dele que estava mais cedo na casa junto com o pai dele são ateus assumidos e isso incomodava muito o avô dele. O pai e a tia de James parecem ligar apenas para o dinheiro, por isso ele decidiu que não ia deixar nada para nenhum dos dois, ele decidiu deixar para o neto favorito que no caso é o James.

Claramente ele tem uma família muito perturbada pelo dinheiro. Ele me contou como adorava passar o tempo com os avós que eram os únicos que davam atenção a ele, o resto da família costumava colocar Josh encima de um pedestal e não ligavam muito para James. Achei tudo meio melodramático demais, porém fiquei apenas ouvindo o lado dele de todas as histórias até que voltamos para a casa.

- Acho que eles estão na sala. - James fala ao entrarmos e escutar a música alta vindo daquela parte da casa.

Assim que adentramos na sala olhamos Katy e Amanda se beijando na frente dos garotos. Eu saio por algumas horas e elas começam a se pegar desse jeito? Nenhum deles notam a minha presença com James até que o beijo acaba e Katy vê a gente.

- Puta merda! - Ela diz e todos eles olham pra gente. Eu estava em choque, acabo dando as costas para eles e vou direto para o meu quarto. Não demora muito alguém bate na porta do quarto.

- Quem é? - Pergunto e a Katy abre a porta sem responder.

- Como você tá?

- Eu estou ótima, por que não estaria? - Respondo penteando o cabelo e encarava ela através do espelho.

- Porque eu beijei a sua irmã mais nova...? Ta vendo, você já está me julgando antes mesmo de saber das coisas.

- Eu não estou julgando ninguém. - Digo já na defensiva.

- Bom, acho melhor eu contar logo para você o que aconteceu, assim você pode me julgar de uma vez. - Coloco o pente na penteadeira e me viro para ela. - Quando estávamos lá embaixo bebendo, eu disse alto e em bom som para que todos ouvissem que eu estava realmente muito feliz pela Amanda ter me convidado para fazer um ménage com ela o Peter.

- Você fez o que? - Interrompi ela, com certeza a Katy perdeu o juízo de vez.

- A sua irmã não soube o que dizer mas Peter ficou super animado.

- Você enlouqueceu?

- Daí a Amanda me puxou para conversarmos, e eu disse a ela que se ela quisesse que fazer o Peter realmente se interessar por ela, ele precisa de uma primeira noite inesquecível. Depois disso ela aceitou a idéia numa boa. Quando eu vi não tinha mais volta, eu estava beijando ela na frente de todo mundo.

- As vezes eu acho que você é metade mulher e metade coelho.

- Não meta os coelhos nisso! - Ela fala e nós duas sorrimos. - Relaxa, no que depender de mim, esse ménage não vai sair, antes disso eu já convenci a sua irmã a pular fora e o Peter vai ver como ela é apenas uma garotinha ainda.

- Eu não sei não... - Digo pensativa.

- Toc, toc. - Josh fala batendo na porta que estava aberta. - Posso entrar?

- Claro, vou deixar vocês conversarem um pouco. - Katy pisca para o Josh e saí do quarto.

- Tudo bem? Como foi sair com o meu irmão?

- Foi bem legal... - Digo forçando um sorriso enquanto ele senta na beirada da cama e me encara.

- Desculpe por hoje mais cedo.

- Hm?

- Eu devia ter me certificado que alguém se era vegetariano...

- Ah, tudo bem meu Chimichurrizinho. - Digo sorrindo de verdade agora ao ver o rosto dele sério.

- Daí, eu me dei conta de que eu não conheço você direito. E eu quero mudar isso... Pensei em sair só nós dois para...

- Por que só nós dois? - Interrompi. - E os outros?

- Eles preferem a comida do Matias.

- Eu também! - Respondi rápido e ele abaixa o rosto. - Na verdade eu só não quero ser um incômodo para ninguém.

- Você não é um incômodo, Anna. Eu já tive a chance de sair com você duas vezes e pode ter certeza, você não é um incômodo. - Me lembro que é o aniversário dele, talvez ele só esteja querendo dar um volta, sei lá.

- Ok, um encontro entre amigos que querem se conhecer melhor.

- Sim, entre amigos. - Ele repete baixo meio que desdenhando se levantando da cama.

- Onde vamos? - Pergunto.

- Surpresa.

Retro Bistro Mt. Prospect, 20:55 p.m Josh Walker

A noite havia passado voando assim como o resto do dia. Quanto mais eu queria que passe mais devagar, mais rápido o tempo parecia correr. Anna tinha colocado um vestido verde florido e usava botas marrons até o joelho, o cabelo estava preso apenas algumas mechas da frente puxadas para trás deixando o rosto limpo, em uma palavra, ela estava linda.

- Aquela mulher está começando a me assustar para valer. - Ela fala bebericando o suco de laranja. - Acho que ela está afim de você.

- Tenho certeza que não. - Respondi olhando para o lado discretamente e vi como ela olhava para a gente.

- Então por qual outro motivo ela está encarando a gente?

- Talvez ela seja maluca... - Brinco.

- É, tem razão. - Anna se levanta.

- Onde você vai?

- Ao banheiro.

- Vai me deixar sozinho? E se ela for mesmo maluca?

- Aí você finge ser mais maluco do que ela. - Ela sorri e vai em direção ao banheiro.

Fico mexendo no celular enquanto a Anna não chegava e penso quanto Peter é sortudo por ter Amanda e Katy juntas por uma noite e eu aqui fingindo querer amizade com a Anna, que porra é essa que tá acontecendo? Amanhã é meu aniversário e eu não consigo acreditar que vou passar ele sem foder ninguém. Anna finalmente volta sorrindo como uma criança e eu guardo o telefone no bolso da calça.

- E então, deu tempo da mulher vir aqui falar com você?

- Não...

- Bom que pena. - Ela passa o dedo devagar sobre a sobrancelha e eu olho mais uma vez o seu anel de castidade e penso o quanto está distante para alguma coisa acontecer quando de repente se forma uma pequena roda de funcionários ao redor da nossa mesa batendo palmas, um deles põe na minha frente uma taça de sorvete grande com uma vela e uma cereja em cima do chantilly. - Falei que constrangimento público é tradição de aniversários dos Van Lohman? - Anna pergunta batendo palmas também, então por isso que ela chegou sorrindo do banheiro, ela foi pedir por isso.

- Estou feliz em ser humilhado. - Digo animado por ela ter feito isso enquanto algumas pessoas acompanhavam ela batendo palmas.

- Ótimo. Assopre sua vela. Faça um pedido... - Assopro a vela e ela grita sorrindo. - YEY!

- Quem contou para você? - Pergunto.

- James. - Claro que foi ele.

- Bom, eu agradeço, mas está um pouco adiantada. Meu aniversário é só amanhã.

- Ops... - Ela ri pegando o celular. - Pode tirar uma foto nossa, por favor? - Ela estende para um garçom que assente. Anna puxa a cadeira para mais próximo de mim e o momento parece passar em câmera lenta, vejo seus lábios se abrindo em um sorriso lindo. O flash do celular me volta para o mundo. - Olhe para a câmera! - Ela chama minha atenção melando o dedo indicador de chantilly, em seguida ela passa na minha bochecha e outro flash é disparado. - Obrigada. - Ela agradece pegando o celular e limpo meu rosto com um guardanapo.

- Deixe eu ver a foto. - Olho para a foto descontraída, quando passo para o lado vejo a primeira foto, que eu não olhava para a câmera. - Obrigado. - Digo devolvendo e entregando a ela uma colher.

– Quer ver uma coisa legal?

– Sempre quero ver uma coisa legal. – Ela pega a cereja de cima e sorri timidamente. Enquanto ela come a cereja eu enfio a colher na taça retirando uma boa colherada de sorvete. – O que você tá fazendo?

Anna levanta a mão direita indicando que eu devia esperar. Acho que passa cerca de uns dois minutos, ela toca no meu e eu olho para ela sem entender. Em seguida Anna se aproxima mais e abre a boca lentamente colocando a língua para fora, e na pontinha estava o talo da cereja dado um nó. Não acredito que ela fez isso, o tempo parece congelar e eu me sinto mais tentado a querer beija-la. Imagino o que essa língua pode fazer comigo e estremeci quando ela retirou a pequena haste da boca e colocou sobre o guardanapo.

– Olha só quem está parecendo um peixinho agora. – Ela brinca e eu mordi o lábio lábio inferior com força. – Eu gosto quando você me olhando. – Passo a língua rápido sobre o lábio e posso sentir um leve gosto de sangue, ela pega a taça de sorvete e aproxima dela. – Mas é melhor tomar cuidado, ou vai acabar se apaixonando por mim.

– Teria algum problema nisso?

– Problema? – Ela indaga comendo uma colherada de sorvete.

– Sim... Teria algum problema se eu decidir que quero me apaixonar por você?

– Ahh, sim! Eu quebraria seu coração.

– Ninguém quebra meu coração.

– As primeiras vezes estão aí pra isso. – Anna responde sorrindo. Isso seria um sinal para eu levar a diante?

21:22 p.m. Anna Belle

A noite não poderia ter sido melhor. Senti pela primeira vez que eu realmente posso provocar alguém, o par de olhos bonitos se mantiveram olhando para mim a noite praticamente toda. Observo ele passar a língua entre os lábios pela milésima vez desde que chegamos no restaurante.

– Eu tenho uma pergunta: por que você fica fazendo isso com a língua? – Ele passou a língua mais uma vez e sorriu.

– Por que você está interessada no que minha língua pode fazer? – Posso sentir minhas bochechas queimarem, por sorte, não preciso responder. O garçom aparece perguntando se queremos mais alguma coisa. – Na verdade, só a conta.

– Sua conta já foi paga, senhor.

– Por quem? – Josh pergunta.

– A senhora que estava naquela outra mesa pagou. – Ele indica a mesa em que a mulher que estava encarando a gente estava sentada. – Tenham uma boa noite!

– Parece que você conquistou mesmo o coração daquela senhora. – Comento sorrindo enquanto saíamos do restaurante. – Eu tenho outra pergunta pra você. – Digo quando paramos em um sinal. – Qual sua animação favorita? – Havíamos feito várias perguntas um para o outro durante a noite com o intuito de nos conhecermos melhor.

– Essa é fácil. Peter Pan. Sempre quis fugir para terra do nunca e não crescer. E o seu? – Ele pergunta dando partida no carro.

– Você vai rir. – Digo já prevendo a reação dele.

– Conta logo. – Fico em silêncio por um tempo e posso ver ele se frustrando. Estávamos bem próximo da casa e eu penso na Amanda e na Katy. Não sei se fiz certo deixando isso ir adiante. – Eu prometo que não vou rir.

– Cinderela. – Conto e vejo um sorriso presunçoso no rosto dele. – Você prometeu que não iria rir.

– Que não tem, se eu sorrio com isso, minha Cinderela? – Bufo irritada.

– Eu sempre quis ser tão gentil quanto ela.

– Mas você é... – Ele entra na rua que vai dá na casa do lago, olho para ele, e Josh desvia o olhar da rua para me ver também.

– Eu ainda tenho muito o que aprender.

– Você é perfeita, Anna.

– Eu tenho defeitos, Josh. Todo mundo tem defeitos. – Corto ele, detesto quando me falam isso, ele parece ficar chateado com o modo como eu falei.

– Tá bom! – Ele diz seco.

– Você vai ver. – Respondi tentando amenizar o clima que de repente estava querendo ficar ruim.

– Espero que sim... – Ficamos em silêncio até chegarmos na casa. Eu não estava afim de entrar. Não queria saber o que aconteceu no período que estivemos fora. – O que vai fazer agora?

– Ler. – Respondo aliviada por ele ter perguntado algo.

– Alguma coisa interessante?

– Sim, na verdade uma coisa intrigante.

– Acha que pode largar o livro um pouquinho e nadar comigo? Sei que é tarde, já são dez horas, mas você é jovem, não é?

– Tá louco? Olha o frio que está fazendo agora.

– É só um mergulho, Anna. – Ele levanta os braços e retira a camisa, deixando belo abdômen definido exposto para que eu olhasse. Vejo um sorrisinho convencido por eu estar olhando para o seu peito, olho para o outro lado.

– Nem morta eu entro naquela água. Deve está congelando.

– Então não entre. Vou colocar uma cadeira perto da água e você me faz companhia sentadinha. Pode ser?

– Bom, eu só acho a sua proposta um pouco ofensiva. Então talvez eu considere.


Notas Finais


— Gostaram?

— Não pretendo criar pontos de vista de outros personagens sem ser o da Anna e do Josh. Só no caso dos flashback onde alguém vai estar contando para alguém, como nesse capítulo em que a Katy está contando sobre algo que rolou meses atrás... Ao menos se vcs quiserem pontos de vistas atuais de alguém além da Anna do Josh, se vcs quiserem eu posso fazer

– E essa proposta da Katy para a Amanda, só um pouco indecente não? Haha

– Alguém na torcida de Katy+Peter?

– Obrigada por lerem, não deixem de comentar e por favor, não fiquem medindo as palavras na hora de comentar ❤️😂

Amo vcs, bjsss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...