História A arte da conquista - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Acordo, Amizade, Amor, Briga, Colégio, Drama, Família, Festas, Hot, Irmãs, Romance, Sexo, Skam, Traição
Visualizações 60
Palavras 4.845
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Gif da Anna =D

Capítulo 14 - An-gel?


Fanfic / Fanfiction A arte da conquista - Capítulo 14 - An-gel?

Anna Belle

Josh me solta devagar e eu viro para trás vendo Ed parado olhando para gente. Ele tinha que aparecer justo agora? Me sinto um pouco envergonhada por ter sido pega assim desprevenida.

- O que você quer, Ed? - Josh pergunta, pelo visto eu não sou a única irritada com aquela interrupção.

- Eu... É... - Ele acaba se atrapalhando na hora de responder e passa a mão no cabelo. - A Katy precisa da sua ajuda. - Olho para Josh que encarava o Ed bem sério.

Saio da água e vou em direção a casa, penso se devo ou não entrar na casa já que eu tô completamente encharcada. Decido entrar mesmo assim quando vejo a Katy tentando tirar a própria roupa na frente de todo mundo. Chego logo abaixando o vestido dela e os meninos do time começam a me vaiar por aquele gesto dizendo que a careta certinha havia chegado para acabar com tudo. Não dou ouvidos a nenhum deles e puxo ela pelo braço para dá o fora dali, dou de frente com o Peter e faço questão de esbarrar o meu ombro com o dele. Como esse garoto pode ser tão imbecil ao ponto de deixar a Katy se passar por um ridícula na frente de todo mundo desse jeito?

- O que você tá fazendo? - Ela grita se dando conta que eu estava tentando levar ela embora e puxa o próprio braço se soltando.

- Katy, você já bebeu demais. Não tá pensando direito. - Digo calma. - É melhor a gente ir pra casa.

- Eu quero ficar. - Katy me responde rindo.

- Você pode acabar fazendo coisas que vai se arrepender amanhã.

- Você acha que eu vou dormir com aqueles meninos? - Não respondo. - É claro que está pensando. Você vive me julgando por tudo o que eu faço.

- Não, Katy. Eu só acho que você...

- Você me acha uma garota fácil? - Ela me interrompe. - Que fica com Deus e o mundo. E você ama me julgar por tudo...

- Eu acho melhor você ir com a Anna. - Peter corta ela, glória a Deus uma resposta sensata.

- Você não manda em mim! - Ela rebate e ele se cala. Ela vira as costas para a gente e caminha até o sofá, fico magoada pelas coisas que ela me disse, sei que não devo levar muito a sério, esse é o jeito dela. Às vezes ela exagera na bebida e acaba fazendo todas essas coisas, mas nada disso estaria acontecendo se não fosse por conta do Peter.

- Tudo isso é sua culpa. - Digo para ele.

- Minha culpa? Como que isso pode ser minha culpa?

- Se você tivesse assumido o seu relacionamento com ela, eu tenho certeza que ela não beberia tanto.

- Eu não tenho nada a ver com o que ela faz ou deixa de fazer.

- É sério, Peter? Até quando vocês dois vão ficar nessa? Ela me contou falou que está apaixonada por você, e ela ouviu ontem quando você disse que ama ela também. Então eu pergunto pra você, o que tá faltando para vocês assumirem isso pra todo mundo? - Ele bebe da cerveja dele, ao menos os dois combinam no álcool.

- Eu pensei bastante hoje a tarde sobre a gente e eu achei que a gente estava pronto para o próximo passo, mas quando ela chegou aqui tudo o que ela fez foi dançar com todos os caras e me ignorar... - Amanda chega junto com James onde eu estou conversando com o Peter.

- Aí meu Deus! O que aconteceu com você? Por que esta toda molhada? - Amanda fala pegando no meu cabelo molhado.

- Eu caí na piscina. - Respondo.

- Eu espero que você não tenha caído com o meu tênis novinho.

- Relaxa, eu tirei antes de cair. - Digo com sarcasmo.

- Eu vou matar você... - O celular dela toca indicando uma mensagem. - Como alguém cai dentro dentro de uma piscina? - Ela pergunta e vê o Ed entrando dentro de casa e logo em seguida o Josh tão molhado quando eu. - Nem precisa responder... O Uber já está chegando, tô esperando você lá fora. - Ela completa e saí acompanhada pelo James.

- E aí, o que houve? - Josh me pergunta.

- Não consegui convencer a Katy ir embora.

- Você já vai?

- Sim, tenho hora para chegar em casa...

- Você quer que eu deixe você em casa?

- Não, não. Obrigada! Amanda já chamou um Uber. Fique e aproveite a festa. - Digo abraçando ele.

- Obrigado, Cinderela. - Ele beija minha bochecha e sussurrou no meu ouvido. – Ainda não terminamos... – Ao ouvir isso meu corpo inteiro tremeu ansiosa por um mais. Em seguida Josh caminha até uma cadeira perto do bar.

- Fique tranquila, eu vou tomar de conta da Katy. - Ed fala me abraçando.

- Valeu, Ed. - Me viro para olhar a Katy mais uma vez antes de ir embora e vejo ela indo se sentar ao lado do Josh. - Até amanhã. – Me despeço.

Pego meu casaco que por sorte eu não estava vestindo quando fui lá pra fora procurar pelo Josh, caso contrário ele também estaria todo molhado. Vou para frente da casa e observo Amanda com James conversando. Decido ficar um pouco longe para não atrapalhar o clima dos dois. Até que eles formariam um casal bonito. Talvez ele coloque um pouco mais de juízo nessa cabeça doida. Quando o Uber para na frente dos dois eu me aproximo.

- Anna, você pode pegar a minha bolsa? Eu esqueci ela lá dentro. - Reclamo mentalmente por ter que voltar lá de novo, aposto como ela fez isso de propósito para ter mais um tempinho com ele. Sempre fiquei impressionada com as ideias dela.

Entro na casa novamente e procuro pela bolsa na parte onde estão os casacos de todo mundo. Infelizmente não está lá. Vou até a sala procurar por ela. Avisto a mesma em cima da mesinha de canto, pego-a e quando dou a volta para poder ir embora não acredito no que eu vejo. Fico paralisada. É como se algo dentro de mim se quebrasse em milhões de pedacinhos. Diante dos meus olhos estavam Katy e Josh se beijando como se fossem um do outro. Sinto como se uma espada atravessasse meu corpo. Os dois juntos são capazes de me destruir por completo sem ao menos precisar me tocar.

Acho que eu fui contra meus instintos quando confiei nele. Tudo em mim dizia pra eu parar, e mesmo assim eu me entreguei. Não vou cometer o mesmo erro outra vez. Saio de lá e Amanda já me esperava dentro do Uber. Dou um tchau seco para James ao me lembrar do que ele me disse, e fico com raiva por ele ter total razão sobre o Josh.

– Acredita que o James não me deu um único beijo? – Amanda falava sem parar, mas eu não conseguia dá ouvidos a nenhuma de suas queixas. – Quando você entrou eu fiquei esperando por um beijo de boa noite e sabe o que ele fez? Ele me abraçou. Qual é a desse garoto? Achei que ele gostasse de mim... Moço, se importa de ir um pouco mais rápido? A gente tem hora. – Ela fala tocando no ombro do motorista e continua a tagarelar sem parar.

21:37 p.m - Josh Walker

- O que foi? - Pergunto depois que a Anna sai da piscina e o Ed continua me encarando.

- Achei que fossem só amigos.

- E somos. - Digo saindo da piscina também.

- Eu vou direto ao ponto, não quero você perto da Anna. - Sorrio ao ouvir isso. - Eu estou falando sério.

- Você não é o pai dela, não pode decidir uma coisa assim.

- Não importa, eu sempre tomei de conta da Anna. Fomos criados juntos, eu conheço ela e sei que vocês dois não vão dá certo.

- Como pode ter tanta certeza?

- Você não é do tipo que leva as coisas a sério...

- Isso não significa nada.

- Eu não quero que você magoe ela. Anna é muito especial para mim. - Era só que me faltava. Junto minha jaqueta eu eu havia deixado na grama quando tava deitado junto com o meu celular.

- Você gosta dela? - Pergunto do lado dele.

- Bom...

- Fica tranquilo cara, eu e ela somos só amigos. - Digo dando uns tapinhas no ombro dele.

Caminhamos para dentro da casa novamente, uma pequena parte dos garotos foram embora. Anna conversava com o Peter quando chegamos. Logo ele se afastou dela e foi em direção a Jenny que estava com mais dois garotos do time. Me despeço da Anna e ao abraçar ela sinto o seu perfume doce que me lembra imediatamente a Angel.

Me sento no banquinho próximo do bar e começo a pensar na Angel. Eu devia ter pego o telefone dela ou ao menos ter pedido para ver o seu rosto. Essa garota parece até um sonho de tão incrível que ela é. Às vezes a Anna me lembra um pouco ela, não sei explicar bem o porquê já que elas têm personalidades completamente diferentes.

- No que você está pensando, gatinho? - Escuto uma voz feminina e me viro para trás vendo a Katy, ela me tira dos meus pensamentos. - Aposto que é em uma garota, eu conheço esse rostinho, pode desabafar comigo. - Sorrio e ela senta na minha frente. - Essa festa está sendo dada para você. Então, vamos melhorar essa cara, conta aí quem é a garota.

- Essa é a questão...

- Hm...? - Ela levanta as sobrancelhas sem entender.

- Eu não sei quem é.

- Como assim? - Sorrio mais uma vez ao lembrar dela.

- Foi uma garota que eu conheci em uma festa de Halloween e eu não faço ideia de como encontrar ela.

- Mas tem tantas outras garotas por aí loucas por você, por que ficar se prendendo a uma desconhecida? - Me inclino para perto dela ao mesmo tempo me certificando que ninguém prestava atenção em nós dois.

- Eu tive a melhor transa da minha vida com ela. - Sussurro.

- Isso é porque você não dormiu comigo ainda. - Ela fala me fazendo sorrir.

- Estou determinado a encontrar ela. Só não sei como ainda. - Ela olha em volta e vê o Peter com Jenny, Katy parecia realmente magoada com aquilo.

- Eu estou cansada desses joguinhos com o Peter. - Ela bebe da cerveja dela olhando para ele que agora beijava a garota. - Um dia ele vai se arrepender.

- Por que um dia? Você pode fazer ele se arrepender agora mesmo. Tem muitos caras aqui que são capazes de tudo para está no lugar do Peter e ter a atenção que você dá pra ele.

- Eu não quero nenhum desse caras... Eu quero alguém diferente. Alguém como... - Ela para de falar e olha para mim.

- Como...?

- Como você. - Ela acaricia meu rosto e se aproxima rapidamente depositando um beijo nos meus lábios.

De forma meio que automática e sem pensar eu retribuo o beijo voraz que ela me dava, seu hálito predominava o cheiro de cerveja barata. Quando ela interrompe o beijo, mordo meu lábio inferior querendo reprimir aquele momento ao máximo. O que tinha dado em mim? Vejo Peter me fuzilar com o olhar. Isso não devia ter acontecido. Eu já fui traído por um amigo dessa forma e não é nada legal está do outro lado.

– Isso não devia ter acontecido. – Digo.

– Desculpa... Eu... Eu bebi demais. – Ela fala e saí correndo para fora da casa. Decido explicar a situação para o Peter, mas quando vou chegando perto ele vira as costas e saí com a Jenny pelo outro lado da casa. Só me falta mais essa.

Vou procurar pelo James e lembro que a última vez que o vi ele estava lá fora com a Amanda. Chego e olho ele segurando o cabelo da Katy que vomitava em frente a casa do Peter.

– Eu nunca mais na minha vida eu vou beber. – Ela disse passando a mão na boca.

– Essa é uma ótima decisão. – James responde. – Como você vai voltar para casa?

– Ela não tem condições de dirigir. – Digo já pensando em um solução. – Cadê o seu carro, Katy?

– Ali na frente... – Ela diz apontando para trás e nós dois sorrimos.

– Toma as chaves do Aston. – Digo entregando para o James.

– Não acredito que o papai devolveu o carro para você.

– Vai devagar me acompanhando. – Falo e ele entra no carro. Em seguida eu vou com Katy até o dela e de lá deixamos ela na casa dela, eu estaciono o Jeep na garagem e vou com ela abrir a porta.

– Você não quer entrar? – Ela pergunta colocando a mão no meu cabelo. – É muito mais bonito lá dentro. – Katy se encosta abrindo a porta. – Os meus pais não estão em casa. – Ela acaricia meu rosto e eu me sinto como se tivesse sendo enfeitiçado e a vontade de beijar ela começou a surgir dentro de mim. – Ninguém precisa ficar sabendo.... Você quer me beijar? – Ela leva minhas mãos até o quadril dela. – Deixa eu provar pra você que sou melhor do que essa tal Angel. – O nome da Angel funciona de tal forma que quebra toda aquela ligação estranha que estava surgindo e eu me distanciei dela.

– Não, não. Meu Deus, Katy.

– Por que você é o único garoto que nunca deu em cima de mim?

– Porque eu respeito o Peter. – Ela resmunga algo ao ouvir o nome dele. – Talvez seja por isso que o Peter não quer assumir um relacionamento com você. Você precisa aprender a se dá valor se quiser que ele dê valor pra você.

– Essa Angel é uma garota de sorte. – Sorrio e concordo. Ela finalmente entra dentro de casa e eu vou embora com o James.

07:29 a.m — Anna Belle

Pedi o carro da minha mãe emprestado dizendo que precisava muito chegar mais cedo na escola, mas na verdade eu só não quero olhar para a cara da Katy. Quando ela entra na sala faço questão de ignorar ela por completo. Essa não é a primeira vez que ela fica com um garoto que aparenta estar afim de mim, logo no início do meu relacionamento com o Ed antes dele me pedir em namoro, o Ed me contou que ela tentou beijar ele quando eles estavam conversando. Eu juro que não entendo como posso ser amiga de alguém assim, ok que nas duas vezes ela estava bêbada mas isso não justifica nada.

Peço para trocar de lugar com o Ed e me sento no fundo da sala, longe dos dois traidores. Josh não aparece para ver a primeira aula e eu fico aliviada por isso. Espero não ver a cara dele hoje. Meu celular vibra indicando  uma mensagem.

Katy: Por que foi sentar aí?

Francamente, eu estou cansada da Katy. Estou cansada de sempre cuidar dela e ela agir sempre do mesmo jeito. Não respondo a mensagem e guardo o telefone na bolsa. Por sorte eu não tenho mais horários com a Katy. Assisto todos os meus primeiros horários até que chega a hora do almoço. Não vejo ela no refeitório e decido me sentar com Amanda, James e algumas amigas da minha irmã. Termino de comer e fico sentada bebendo meu suco de groselha e lendo um livro que o professor de literatura inglesa havia passado quando começou um burburinho entre as amigas da minha irmã. Quando eu levanto a vista para saber o que está acontecendo, vejo Josh sentado ao meu lado. Eu estava tão concentrada no livro que não me dei conta quando ele sentou ali.

- Oi. – Não respondo. – Com licença, me empresta as suas anotações de filosofia? Eu dormi demais e perdi o primeiro horário.

- Você é tão... – Começo dizer.

- Charmoso? Demais? – Ele indaga com seu sorriso sexy.

- Inconveniente. – Respondo.

- Quer saber, você não é tão durona quanto pensa.

- E você não é tão intimidante quanto pensa. – Falo o mais grossa que consigo para ele se tocar que eu não quero nenhum tipo de papo com ele.

- Uhh! Alguém caiu da cama essa manhã.

- Não pense, nem por um minuto que você tem algum efeito sobre isso.

- E sobre o que eu causo efeito? – Ele pergunta e eu pego meu caderno na minha bolsa.

- Além de me fazer vomitar? Em nada. - Empurro o meu caderno com as anotações de filosofia para ele.

- Tá lendo o quê? - Ele pergunta tentando não deixar o papo morrer e eu levanto o livro mostrando a capa e cobrindo o meu rosto. – Combina com você. – Ele fala e eu posso imaginar ele rindo. – A megera domada. – Bufo e continuo lendo o livro ignorando todos os seus comentários idiotas. Até que eu desisto e o deixo sozinho.

12:15 p.m — Josh Walker

Me pergunto o que tá acontecendo com a Anna. Ela parecia tão triste e com tanta raiva ao mesmo tempo. Vejo a Katy passando rápido pelo refeitório e me lembro do que aconteceu ontem. Será possível que ela tenha contado para a Anna e por isso ela está tão chateada? Decido mandar uma mensagem para ela e tirar a dúvida logo.

Josh: Eu estava pensando, você falou com a Anna?

Katy: Anna? Não, por que? — Ela responde rápido.

Katy: Não consegui falar com ela hoje

Josh: Tudo bem se você não contar para ela sobre o beijo?

Katy: De que beijo você tá falando?

Josh: Você ta brincando né? – Ela visualiza mas não responde.

Josh: Você me beijou ontem

Katy: Puta merda!

Katy: Eu não me lembro de nada que aconteceu ontem.

Josh: Só não fala para Anna, ok?

Katy: Está rolando alguma coisa entre vocês dois?

Josh: Eu não sei... — Dígito pensando e me lembro de ontem.

Josh: Eu estava conversando com ela numa boa, e hoje ela está tão estranha comigo.

Josh: Então, eu acho que ela não está interessada.

Katy: Ok. Eu não vou dizer nada.

Katy: Vou tentar falar com ela e descobrir o que ta rolando com ela

Olho James se dando super bem a Amanda. Quem diria que isso daria em alguma coisa? Eu com certeza não imaginaria que eles virassem amigos assim tão rápido. E por falar em amigos eu preciso falar com o Peter. Explicar tudo o que aconteceu. Pego o caderno que a Anna tinha deixado comigo e saio de lá indo em direção a sala. Assisto todas as aulas e na última antes do treino eu recebo uma mensagem da Katy.

Katy: Eu acho que ela sabe sobre o beijo.

Josh: Você contou para ela?

Katy: Ela me tratou com indiferença hoje.

Katy: Mandei uma mensagem para ela, mas até agora não tive resposta.

Josh: O que você escreveu?

Katy: Que eu tinha uma coisa muito legal para contar para ela.

Katy: Eu estava ocupada na hora do almoço, tive que ir conversar com o meu pai, vou falar com ela agora na hora da saída.

A aula acaba e eu vou para o vestiário me trocar para o treino de basquete, mas antes disso consigo chamar o Peter para a gente conversar.

– E aí cara. Tudo bem?

– E aí. Tudo sim.

– Eu queria falar com sobre o que aconteceu ontem. – Falo e ele pega a camisa do time para vestir. – Aquilo com a Katy ontem não significou nada. – Ele fecha o armário.

– Por que ta me contando isso? – Ele pergunta e senta no banco de frente pra mim.

– Bom... Vocês dois se gostam e...

– Espera aí, você tá querendo me dá satisfação? – Ele me interrompe rindo. – Cara, eu e a Katy não temos nada sério. Ela fica com quem ela quiser. E eu não tenho nada a ver com isso.

- Então estamos bem?

- Pode apostar que sim.  - Ele sorri mais uma vez e começa a se calçar.

- Que bom! Não quero que as coisas fiquem estranhas entre a gente. Ainda mais agora que eu não consigo tirar uma garota da cabeça.

- Uhh! Quem? A Anna? - Vejo Ed entrando no vestuário e penso por um segundo nele com a Anna e me sinto enjoado com isso.

- Não. - Respondo e vejo o Ed indo em direção ao armário dele. - Na verdade é uma garota que eu conheci em uma festa.

- Esses dias? - Peter pergunta animado.

- Mais ou menos.

- Ela estuda aonde?

- Você não vai acreditar... Eu não sei absolutamente nada sobre ela e mesmo assim não consigo para de pensar nela já faz dias.

- Parece que alguém tá apaixonado. - Ele brinca me fazendo sorrir. - Como assim você não sabe nada sobre ela?

- Eu conheci ela naquela noite que a gente foi no Nightclub. A garota tava fantasiada e tudo o que eu consigo me lembrar dela é o quanto ela era gostosinha e tinha uma tatuagem de lua.

- Que merda cara! - Ele fala dando tapinhas no meu ombro. - Onde era a tatuagem? Eu já conheci algumas garotas que tem uma tatuagem assim.

- Não acho que você conheça ela...

- Eu frequento o Nightclub a mais tempo do que você... Diz ai, talvez eu conheça a sua garota.

- Tá. - Falo sem a menor esperança que ele conheça a garota, afinal de contas ela não fazia o tipo dele nem de longe. - A tatuagem dela fica no quadril, perto da virilha e tinha também duas letras junto da lua, A e K. Acho que são as iniciais do nome dela, ela não quis me falar o nome dela... - Peter havia ficado imóvel e de repente algo dentro de mim começa a acreditar que ele sabe quem é a Angel.

- Que loucura, cara. - Ele diz e minha esperança se esvai.

15:05 p.m — Anna Belle

Finalmente aquele dia horrível na escola tinha chegado ao fim. Quando passo pela porta da escola a primeira coisa que eu vejo é a Katy conversando com algumas líderes de torcida. Minha raiva aumenta só de olhar para ela. Viro o rosto rápido torcendo para ela não me olhar e eu não ter que falar com ela, eu tinha conseguido ignorar ela o dia inteiro hoje, mas infelizmente ela me pegou agora na hora da saída.

- Ei! Você tá atrasada... - Ela fala toda animada. - Tá tudo bem?

- Não... - Digo ainda caminhando.

- Mas vai ficar. - Ela sorri como se quisesse me confortar.

- Não, não vai. - Paro de caminhar e me viro para ela. 

- O que aconteceu?

- Nada! - Respondo decidida a não brigar com ela. - Como foi a festa ontem? - Pergunto querendo manter a calma.

- Foi legal, eu fui embora logo depois de você. Eu até queria pedir desculpas para você pelo que aconteceu ontem. Eu não queria dizer aquelas coisas para você ontem. Você me perdoa? 

- Aconteceu mais alguma coisa ontem que eu devia saber? - Pergunto.

- Não, não... - Olho para o outro lado e volto a caminhar em direção ao carro da minha mãe que eu havia deixado no estacionamento. - Para onde você tá indo? Meu carro tá ali.

- Eu não sei o que machuca mais. - Falo me virando para ela novamente. - Você e Josh me traindo pelas minhas costas ou você mentindo sobre isso na minha cara.

- Anna...

- Não. - Corto ela. - Dá próxima vez que quiser ficar com um garoto que eu gosto, faça o favor de se certificar que não tem ninguém por perto. Eu sei que vocês ficaram... - Ela parecia surpresa e eu fico com mais raiva ainda por ver que ela não pretendia me contar. - Ele era tudo pra mim, Katy. E eu estava pronta para tentar ser amiga dele se era disso que ele precisava. Mas agora eu realmente não me importo se eu nunca mais ver um de vocês de novo.

- Anna, eu não desejei isso. Você sabe que eu quero o Peter.

- Ah sim, o Peter... Você desejou ele, após desejar o Ed, e agora o Josh. Eu não acredito que isso tá acontecendo de novo.

- Não está, ok? Não está, da ultima vez...

- Da ultima vez? Você escuta o que está falando? Da ultima vez que você tentou roubar o meu namorado...

- Eu não quero roubar ele, ok?

- Mas você gosta dele.

- Anna, eu não sei nem o que dizer. - Ela põe a mão na testa me enfurecendo.

- Não importa. Eu não vou acreditar mesmo no que você diz.

- Anna...

- Eu sempre soube que você era uma vadia, mas não achei que fosse mentirosa também.

- Anna, como eu posso consertar as coisas?

- Você não pode consertar. Só fique longe de mim. Eu estou cansada de passar a borracha em cima de tudo o que faz ou fala.

- Eu não quero cometer os mesmos erros da ultima vez. Eu estava bêbada e...

- Entenda uma coisa, o que foi feito bêbada, foi pensado sóbria! - Digo mas ela continua falando junto comigo.

- E você mesmo disse que era apenas amiga dele. - Perco o controle e acabo dando um tapa no rosto dela.

- Não ouse usar as minhas palavras contra mim para não se sentir como uma vaca traidora de duas caras, porque você é. - Vejo o Peter se aproximando da gente correndo depois do tapa que eu dei. Ele envolve um braço na cintura dela como se quisesse proteger ela mesmo depois de tudo isso. - E sabe muito bem disso.

- Meninas... - Ele diz, tentando fazer aquilo não piorar tanto. Saio de lá com raiva deixando os dois sozinhos, incrível como a Katy sempre teve tudo, a atenção dos garotos principalmente. - Katy, eu preciso falar com você. - Escuto ele dizendo antes de eu entrar no carro.

20:07 p.m - Anna Belle

Depois de jantar eu fui conversar com a minha mãe. Eu precisava de consolo, mas o meu pai não entenderia a situação, e por isso eu preferi conversar com ela. Decidi que não contaria tudo, e que seria melhor omitir a parte do Josh. Contei apenas que eu havia brigado feio com a Katy.

- Vocês duas são tão amigas. Vão se acertar logo.

- Eu não sei mãe. Dessa vez a coisa saiu do controle e nós duas ficamos muito magoadas, eu pelo menos fiquei bastante. Eu estou cansada de sempre perdoar as loucuras dela.

- Não deixe que uma atitude errada de uma pessoa faça brotar uma semente de amargura em seu coração querida... - Ela acariciava a minha cabeça. - Perdoe e agradeça a Deus porque isso te torna uma pessoa mais forte e te ensina a jamais fazer o mesmo.

- Eu falei algumas coisas bem feias para ela, não acho que ela seja capaz de me perdoar.

- Fica tranquila minha filha. Tudo vai ficar bem... - Escutamos a campainha tocando.

- Eu abro. - Digo e ela fica terminando de colocar a louça na maquina de lavar. Quando eu abro tenho uma surpresa. - O que você tá fazendo aqui?

- Você disse tudo o que queria. E eu escutei. Mas agora chegou a minha vez de falar. - Katy fala e eu olho para o seu rosto, onde eu havia dado o tapa estava marcado, não acredito que fui capaz de bater nela. - Eu pensava em você como alguém que nunca me magoaria.

- Desculpa se eu resolvi não aceitar as suas desculpas como eu sempre faço. - Ela ri.

- Meu Deus, Anna! Você é tão sonsa. A gente é amiga a anos e agora realmente vi que você não é a garotinha que você mostra pra todo mundo. Eu sinto como se eu nunca tivesse conhecido você de verdade. Você me chamou de duas caras quando na verdade é você quem tem.

- Já chega, Katy. Eu e você acabamos. - Digo fechando a porta mas ela põe a mão contra a porta impedindo que eu a feche. - Essa amizade já acabou e você ainda não percebeu. - Digo com mais tristeza do que raiva e vejo ela rindo, não consigo aceitar como ela não parecia nem um pouco abalada com aquilo, ela é a minha melhor amiga desde sempre e parecia que tudo aquilo não era nada para ela.

- Sabe, agora não consigo parar de imaginar o quão sonsa você é. Não consigo. Não importa o que você diga ou faça. Isso tudo mudou. Para sempre. Eu conheço a Anna, filhinha do pastor, mas agora eu realmente quero conhecer a outra você. Como é mesmo o seu outro nome? An-gel? - Ela indaga pausadamente e ri vitoriosa ao olhar para o meu rosto.


Notas Finais


chocados? vcs esperavam por isso?

sei que esse capítulo foi cheio de altos e baixos... e ficou bem longo.. eu queria saber se vcs acham melhor eu dividir os capítulos no meio, tipo umas duas mil palavras por capítulo e tentar postar dois capítulos por semana ou se vcs preferem um capítulo por semana assim como está sendo e desse tamanho?

eu espero que tenham gostado do capítulo. bjsss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...