História O Acordo - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias ITZY, X1
Personagens Cho Seungyoun, Yeji
Tags Colegial, Faculdade, Itzy, Iz*one, Jailey, Jelena, Jikook, Luizy, Namjin, Romance, Seungyoun, Shoujo, Taegi, Taejin, Taekook, Woodz, Yeji, Yohan, Yuqi
Visualizações 38
Palavras 1.084
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


crise

Capítulo 7 - Omg


Fanfic / Fanfiction O Acordo - Capítulo 7 - Omg

Dentro do carro não trocaram um palavra, Yeji não sabia o que dizer a Seungyoun depois de tudo, e ele estava em silencio pelo contrário, tinha muitas coisas a dizer, mas não queria.

Quando ele estacionou de frente ao prédio de Yeji, esperou que ela saísse do carro, dissesse um “obrigado”, mas ao invés disso ela permaneceu ali no banco, apenas retirou os cintos de segurança, e ele podia ouvir a respiração acelerada dela.

- Já chegamos Yeji... – Ele falou, mesmo sabendo que ela estivesse consciente daquilo.

- Eu sei idiota. – Ela falou irritada. Era difícil controlar o nervosismo às vezes.

- Por que me xingou? – Ele falou arrastado.

- Por que você é um idiota! Primeiro você se oferece a me ajudar com o JunHo em troca de uma maquete, depois você aparece no meu quarto dizendo que me ama, me beija, me deixa confusa... e

- Confusa? – Ele quase saltou do banco.

- Eu sei não sei eu... – Ela colocou as mãos no rosto sentindo-o pegar fogo.

Ele havia deixado-a confusa.

- Tem um jeito de você parar de ficar confusa e ter certeza... – Ele olhou para e ela, com um sorriso cheio de intenções nos lábios.

- Ah é? – Yeji tentou parecer irônica tentando disfarçar o nervosismo.

 

Quando se deu conta, ele estava se aproximando dela, os vidros dos carros todos fechados, ninguém os veria, Yeji fechou os olhos, esperando pelo beijo dele de bom grado. E quando os lábios finalmente encostaram um alarme alto tocou, e o celular de Yeji iluminou o carro.

Alguém estava ligando pra ela.

Ela bufou decepcionada, e pegou o celular em seguida. Era Eunha.

- É a Eunha. – Ela sussurrou.

- Deixa pra lá... – Seungyoun pediu se aproximando dele, e lhe deu um beijo no rosto.

- A Eunha nunca me liga a essas horas... Pode ter acontecido alguma coisa. – Yeji o olhou preocupada.

Ele suspirou em reprovação, e então se afastou dela, enquanto Yeji atendia o celular.

 

- Eunha...?

- Yeji, me desculpa te ligar a essa hora, aconteceram umas coisas aqui em casa, será que eu podia ir dormir no seu apartamento essa noite?... Eu liguei pra Yuqi, mas ela não estava em casa, e imagino que você esteja...

- Claro, claro, pode vir Eunha, sem problemas...

- Tudo bem, muito obrigada, em trinta minutos eu chego ai.

- Estarei te esperando, tchau tchau.

- Tchau tchau...

 

- Eunha vem dormir no meu apartamento hoje. Disse que aconteceram algumas coisas na casa dela... – Yeji disse ao moreno.

- Então... Não vai dar pra gente... – Ele falou decepcionado.

- Mas eu não disse que a gente ia... – Ela gesticulou nervosa. – E eu tenho que ir agora!

- Mas nem um beijo de despedida eu ganho? – Ele falou manhoso.

Yeji se sentiu dividida entre a culpa e o desejo. Pensava em JunHo, pensava em Eunha, estaria traindo os dois?

E ao mesmo tempo queria sentir aqueles lábios de novo, mas desta vez com mais calma.

Ninguém os veria mesmo, então... Que se foda.

Se levantou do banco onde estava indo até ele e se assentou em seu colo, nem mesmo Seungyoun esperava por aquilo, mas a recebeu de bom grado. Envolveu seus braços na cintura fina dela a puxando mais para si, enquanto seus lábios se tocavam com urgência. Tanto de vontade quanto de pressa, pois logo Yeji teria que entrar.

A barra do vestido apertado dela fez uma fenda rasgando-se à medida que ela se esforçava pra se encaixar no colo dele. Mas não se importou nem um pouco, era a primeira vez que se sentia realmente desejada por um homem.

A primeira vez que sentia seu corpo inteiro pegar fogo, e quando os beijos dele desceram para seu pescoço, ela o abraçou ainda mais forte, gemendo no ouvindo dele, e aquilo consequentemente a fez sentir algo duro no meio de suas nádegas. A vontade de se esfregar nele era imensa, mesmo que por cima da roupa.

Mas resolveu parar antes que perdesse o controle, e saiu de cima dele de uma vez, como um gato assustado. Começou a arrumar seus cabelos que estavam meio engrenhados, e o moreno respirava ofegante, colocando uma das mãos sobre sua rigidez, tentando “acalmá-lo”.

 

- Tenho que ir... – Ela sibilou sem olhar pra ele, estava vermelha de vergonha.

- Tudo bem... – Ele sorriu pra ela. – Vamos continuar nos encontrando?

- Eu não sei... – Ela engoliu seco.

- Você tá com medo que eu só queira ficar com você, não é? – Ele perguntou, já sabendo a resposta. Yeji ficou em silencio. – Eu vou te provar que não é isso.

Ela assentiu, e por fim abriu a porta do carro saindo. Do lado de fora o ar frio bateu em seu rosto quase como água fria no fogo. Sentiu falta do calor dele. Respirou fundo, e então entrou pra dentro do prédio.

 

[ ... ]

 

Hyunjin ainda não havia chegado, ele e Yuqi deviam estar se entendendo. Pelo menos ela esperava o melhor pra amiga, foi até a cozinha tomou um pouco de água, e em seguida se jogou no sofá, ainda tentando recuperar o fôlego.

“O que eu fiz?”

“O que foi aquilo?”

 

Pensamentos pertinentes invadiam sua mente, até alguns minutos depois a campainha tocar. Ela se assustou se levantou indo até a porta pra abri-la. Era Eunha.

 

- Yeji, me desculpa o incomodo. – Ela falou sorrindo sem graça.

- Não tem nada que desculpar, entre. – Yeji sorriu dando passagem pra ela. Eunha entrou e então ela fechou a porta.

- Você tá bem? O que aconteceu? – A mais alta perguntou preocupada.

- Yeji... – Eunha começou a chorar, chorar descontroladamente, e então Yeji a abraçou.

- Calma, calma... Me conta o que aconteceu. – Ela olhou pra amiga segurando em seu rosto entre os cabelos curtinhos.

- Eu... – Ela limpou o rosto com as mangas da blusa tentando se recompor. – Eu to grávida...

- Você... – Yeji sentiu uma martelada em sua cabeça. – Você tá... Grávida? – Ela ficou estática. Eunha balançou a cabeça positivamente.

- Meu Deus... – Yeji ficou sem reação, sentiu seu estomago revirar. – Eunha... Ai meu Deus...

- Eu sei, eu fiz besteira, eu acabei com a minha vida. – Ela estampou a chorar novamente.

- Não amiga, não é assim, você não acabou com a sua vida. – Yeji a abraçou. – Você tem meu apoio, tem a Chae, a Yuqi, vamos te ajudar no que precisar.

- Obrigada, eu sabia que você me entenderia. – Eunha soluçava em seus braços.

- E... E então... Quem... Quem é o pai?

 

[ ... ]


Notas Finais


KKKKKKKKK GENTE


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...