História O amante (Imagine Namjin) - Capítulo 15


Escrita por:


Capítulo 15 - Desculpa por não ser o filho que você sempre quis.


P. O. V. 

Namjoon.

Acordei e vi Namjoon dormindo igual um bebê do meu lado na cama, dei um beijinho nele e sai indo em direção ao banheiro. 

"Realmente Jin tem razão, eu preciso me decidir, isso não é justo com ele, muito menos com a Mey." 

Lavei meu rosto e saí para vestir a minha roupa, vesti a mesma e fui até o quarto, dei outro beijinho na testa de jin e o mesmo acabou acordando. 

Jin - Já vai? - Ele ainda com dificuldades pra abrir os olhos por conta da claridade e eu apenas sorri, lhe dei outro beijinho na testa. 

Nam - vou sim meu bem, tenho que ir cedo pra empresa, meu pai vai lá hoje e eu ainda tenho que passar no aeroporto, talvez eu passe aqui a noite. - lhe dei outro beijo e saí pra calçar meu tênis, Jin levantou da cama e me abraçou enquanto eu ainda calçava o tênis. 

Jin - eu vou na delegacia hoje, dar entrada na adoção de Hyu... - ele deitou a cabeça em meu ombro e iniciei e envolveu os braços em volta da minha cintura. 

Nam - jin... Você tem certeza disso? Não quero que você adote ele só pq eu te pedi - Jim suspirou pesado e apenas apertou o abraço. 

Jin - eu estou apaixonado por ele... - Eu apenas sorri em resposta e me virei abraçando Jin

Nam - mais do que por mim? - Jin apenas sorriu e me deu um selinho rápido. 

Jin - um pouquinho mais... - retribui seu sorriso e olhei ele, tirei o cabelo do mesmo que estava no seu rosto. 

Nam - queria passar o dia todo assim, com você e o Hyu, mas tenho que trabalhar. - me afastei um pouco de Jin e fui até a porta, o menor veio até mim e me deu outro beijo breve. 

Jin - está bem, bom trabalho. - dei outro beijo em Jin e sai do apartamento. 

[...] 

Eu já havia passado em casa e trocado de roupa, iria aproveitar o dia pra resolver todos os problemas que me atormentavam nos últimos 6 meses... Eu estava certo que queria ficar com Jin, mas não queria acabar com algo que passei a minha vida inteira pra construir, mas o que estava em jogo era minha felicidade, se meu pai realmente me ama, ele vai ter que aceitar isso. Mas esse não é o forte do Sr. Kim. 

Desde pequeno, eu sempre fui muito apegado ao meu pai, já que eu sou filho único e sempre cresci sabendo que minha responsabilidade era assumir os negócios, já que sempre fui o único herdeiro. Quando eu conheci Mey, eu era ainda adolescente, naquela época eu não sabia que gostava de garotos, eu apenas queria agradar meu pai, no início foi uma paixão de adolescente, eu sentia que gostava dela. Mas não era como eu gosto de Jin, com Jin, eu realmente sei que é amor. Eu amo ele, quero proteger ele, eu sei que faria tudo pra ficar ao lado dele. Talvez essa seja uma das decisões mais dolorosas da minha vida. 

Despertei dos meus pensamentos com um amigo, da empresa batendo na janela do meu carro, só ele sabia de Jin, ele era o único que sempre me apoiou quesito isso. Abaixei o vidro do carro e olhei ele. 

Tae - nossa, finalmente a princesinha chegou, seu pai ta te esperando a horas. - olhei ele sem entender e olhei as horas no relógio, ainda era bem cedo. 

Nam - o que ele tá fazendo aqui agora?- olhei tae e rapidamente saí do carro e entrei na empresa, logo peguei o elevador para minha sala. Tae apenas permaneceu calado, logo o elevador apitou e eu adentrei na sala o mais rápido que puder, mas ao chegar lá, não havia ninguém... Não acredito que Tae estava com essas brincadeiras a essa hora do dia. - Qual é o seu problema? - olhei tae e ele apenas ria. 

Tae - preparei você pra uma situação como essa, vai que fosse real? - olhei Tae com uma vontade de matar ele, mas apenas respirei fundo. - mas iae, está preparado pra enfrentar a sua esposa hoje? - Eu olhei Tae e respirei fundo, parece que ele estava adivinhando.

Nam - resolvi contar pro meu pai sobre o jin... - olhei Tae e ele me olhava sem acreditar. 

Tae - seu pai vai te matar - retirei o meu blazer e coloquei no cabideiro, me sentei na minha cadeira e olhei Tae. 

Nam - eu sei... Mas não posso continuar assim, não é justo com Jin, muito menos com Mey... E se meu pai realmente me ama, ele vai me entender. - olhei Tae e ele me olhava sem acreditar ainda. 

Tae - Namjoon você sabe que estamos falando do seu pai né? Seu idiota. Ele não vai aceitar isso nem morto. - ele me olhou e eu apenas ignorei ele - mas você tem razão, isso não é justo com eles... Mas, quando você for embora da empresa, eu vou ser o CEO, então pode contar pra ele. - Tae ficou riu de mim e eu já estava farto dele. 

Nam - você não tem trabalho pra fazer não? - olhei Tae e ele apenas negou com a cabeça. Peguei alguns papéis que estavam na minha mesa pra assinar e eu joguei no seu colo. - agora tem, vai vai, tem que terminar antes das 12:00 horas... - Tae me olhou com raiva e saiu da sala. 

[...]

Havia passado algumas horas, a secretária avisou que meu Appa havia chegado, mandei o mesmo subi, vi o mesmo entrar na sala e sorrir, fui até ele e o abracei. 

Sr. Kim - eu estava com saudades, seu mal criado. - eu apenas sorri e ele retribui o abraço. 

Nam - eu também estava... A omma não vejo? - me afastei dele e ele apenas negou com a cabeça -

Sr. Kim - ela está em um SPA com as amigas... Então, como anda as coisas? - ele se sentou no sofá do escritório e eu sentei em um dos bancos que estava perto. 

Nam - eu preciso conversar com você... - um arrepio tomou conta do meu corpo, minhas pernas ficaram bambas e minha garganta havia tampado, meu pai me olhava sem entender muito bem, mas apenas permaneceu calado esperando eu continuar. - eu... Quero me separar da Mey - meu pai arregalou os olhos e me olhou sem entender. 

Sr. Kim - pq isso agora Namjoon - ele me olhou sem acreditar no que eu havia falado. 

Nam - olha... No começo, eu até que gostava dela... Mas depois que eu me casei, eu percebi que eu não gostava dela realmente, era só paixão de adolescente. - meu pai me olhava atento, prestando atenção a cada palavra. 

Sr. Kim - olha... Os pais dela são grandes sócios da nossa empresa, mas é sua felicidade em jogo... Então tudo bem. - eu apenas sorri em retribuição, eu sabia que meu pai me entenderia, mas tem outro problema chegando. 

Nam - eu tenho outra coisa pra falar... - ele arqueou as sobrancelhas, sem entender muito bem, mas permaneceu calado. - faz seis meses que eu estou gostando de outra pessoa e que estou saindo com ela... - eu olhei ele e ele apenas sorriu. 

Sr. Kim - isso é muito bom... Você está gostando de alguém, por isso quer terminar com a Mey? Tem minha benção... Quando eu vou conhecer ela? - ele sorriu me olhando e eu engoli seco. 

Nam - bem... Não é "ela" e sim "ele" - meu pai arregalou os olhos e me olhou sem acreditar, ele parecia bravo, surpreso, não sei explicar. Ele não teve reação, estava estático na minha frente, eu estava muito preocupado. - Appa??- olhei ele e ele me olhou ainda sem acreditar. 

Sr. Kim - Namjoon, é muita Informação pra mim digerir, você é gay???? Como assim menino? - ele me olhou, parecia bravo, o mesmo levantou e se escorou na bancada da escrivaninha. - eu preciso de água... Por favor. - me laventei rapidamente e fui pegar água pra ele no frigobar que havia no canto da sala, entrei pra ele e ele me olhou - meu filho é gay... - ele falou olhando o chão. - meu filho é gay! - eu fechei o olho com o grito, com certeza todos lá fora ouviram... - meu filho, continua sendo meu filho. - ao ouvir aquela frase, eu respirei fundo e abri os olhos olhando ele. 

Nam - então... Você me apoia? - olhei ele e abriu a garrafa de água, tomou um gole e se sentou de novo do sofá.

Sr. Kim - apoiar é uma palavra muito forte, mas eu aceito. - eu me sentei no banco e olhei ele, o mesmo segurou minha mão e me olhou. - Namjoon, você é meu único filho... Ou filha, não sei como você prefere ser chamado - eu apenas ri com a frase e ele é continuou falando - eu amo você, mais do que a mim mesmo, o único motivo de eu ter trabalhado duro e ter essa empresa, é você, eu queria te dar um futuro melhor e dei, tenho muito orgulho do homem que você se tornou hoje, se isso é o que você realmente quer pra sua vida, eu apoio você, tem meu apoio pra ser feliz. - eu apenas sorri, meu olhos marejarem d'água

Abracei ele e deixei cair as lágrimas que estavam presas todo esse tempo, eram lágrimas de culpa, de dor de ter segurado esse assunto até onde eu pude, eu me sentia feliz por ter me aberto, O Appa apenas apertou o abraço e sussurrou no meu ouvido "apenas seja feliz" essa foi a melhor frase que eu ouvi na minha vida inteira. Me afastei dele e novamente segurei sua mão. 

Nam - me desculpa por não ser o filho que você sempre quis. - limpei minhas lágrimas e olhei o mesmo. Ele apenas sorriu. 

Sr. Kim - não fale uma burrice dessa, você é o filho que eu sempre quis, eu sempre quis ter um filho, nunca quis ter uma nora, por mim tanto faz, uma nora ou um genro - ele me olhou e eu apenas ri. 

Nam - sabia que você tem um neto? - ele me olhou e arregalou os olhos. 

Sr. Kim - a quanto tempo você esconde essa história de mim? - eu novamente acabei rindo e limpei as minhas lágrimas. 

Nam - bem... Não é bem um neto, ele ainda não foi adotado, o Jin achou ele na garagem do prédio dele, nos apaixonamos por ele, agora ele é quase nosso filho. - 

Sr. Kim - então o nome dele é jin...? Quando posso conhecer ele? - ele me indagou me olhando e eu apenas sorri. 

Nam - hoje mesmo, agora se quiser... Acho que ele ainda não foi na delegacia. - ele me olhou sem entender. 

Sr. Kim - delegacia? Ele é policial? - novamente caí na risada. 

Nam - não... É uma história muito longa. - olhei ele e apenas sorriu 

Sr Kim - sou todo ouvidos. 


Continuaaaaa




Notas Finais


Ingi, estou morrendo de amores por esse capítulo, espero que vocês também, desculpa qualquer erro ortográfico, amo vocês ❤️❤️❤️❤️❤️❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...