1. Spirit Fanfics >
  2. O amigo da minha melhor amiga >
  3. Problemas no Shopping

História O amigo da minha melhor amiga - Capítulo 18


Escrita por:


Notas do Autor


Mais um probleminha causado pela Luna 😤

Capítulo 18 - Problemas no Shopping


Fanfic / Fanfiction O amigo da minha melhor amiga - Capítulo 18 - Problemas no Shopping

Sábado, 10 de agosto


      Luna King:


  O meu dia ontem foi uma merda! Tanto na escola, quanto fora dela. O que me salvou foi ficar cuidando da Anna depois da escola. E isso nem ajudou tanto quanto eu precisava.


  Quer saber o que aconteceu ontem de ruim? Bom, primeiro que a falsa da Malina não foi para a escola. Não que isso seja ruim, mas quanto mais ela demorar para voltar para a escola, mais ela vai demorar para me pedir desculpas pelas coisas que falou para mim naquele dia horrível.


  Em segundo lugar, eu tentei falar com o Josh na escola. Obviamente, ele simplesmente me ignorou e saiu do refeitório com tanto ódio de mim que me senti mal.

  Em terceiro, eu fiquei totalmente sozinha durante todo o tempo. Nenhum dos meus amigos queriam falar comigo, e muito menos ficar do meu lado nessa situação. Eles são um bando de falsos puxa sacos da perfeitinha. O Peter até tentou conversar comigo, mas não deu muito certo porque, obviamente, ele estava do lado da sua priminha favorita.


  - E aí, King? - disse ele ontem no refeitório, quando se aproximou de mim; sozinho. - Como você tá?


  - Veio zuar com a minha cara? - perguntei a ele de forma ríspida, pois sabia que, não importaria o que eu dissesse, ele sempre ficaria do lado daquela cobra.


  - Claro que não. - garantiu-me ele, sentando ao meu lado no banco. - Eu soube da discussão. - falou sem olhar para mim.


  - E aí? Veio defender a sua priminha favorita? - perguntei arrogante e ele me olhou.


  - Pode parar de ser arrogante desse jeito, Luna? - pediu alterado. E lá vamos nós pra mais uma briga! Pensei revirando os olhos. - Que saco! É por isso que as pessoas não aguentam lidar com você! A Malina aguentou você durante todos esses anos, sem nunca levantar a voz pra você. Tendo esperanças de que um dia você ia conseguir mudar. Mas você nunca aprende! Como pode ser tão ignorante? Não vê que isso só te faz mal? - Meus olhos ardiam, mas eu me segurei. - Não é atoa que a Mal cansou de esperar - finalizou e saiu dali irritado.


  Não parei de pensar nisso o resto do dia, e foi isso que fez o meu dia ficar uma bela bosta! Fora isso, o Alex estava puto da vida comigo por conta da sua irmãzinha. Disse coisas muito duras para mim na escola, disse que eu deveria me desculpar e mudar se quisesse a Malina de volta como minha melhor amiga.


  - Se você não mudar esse seu jeito, e continuar a acabando com todo possível relacionamento dela com garotos que ela gosta, ela nunca mais vai querer falar com você. E eu vou apoiar isso totalmente. Eu gosto de você, Luna. Mas se tiver que escolher entre você e a felicidade da minha irmã, já sabe quem eu vou escolher. - Foi o sermão que ele me deu no corredor após o intervalo.


  Estava tudo acabado para mim. Tudo! Meus amigos, o Alex, até meus pais estavam do lado da Malina! Minha própria família contra mim. Se eles realmente comhecessem ela, veriam que ela não é tão perfeita quanto eles pensam.


  Eu estava deitada na minha cama. Havia acabado de almoçar em silêncio com a minha mãe, pois sabia que se eu abrisse a boca para falar qualquer coisa ela me julgaria.


  Estava mexendo no meu celular, vendo algumas coisas no Instagram e no Facebook, enquanto conversava com alguns "esquemas" meus no Whatsapp. É isso aí. Se o Alex pode pegar quem ele quiser por aí, eu também posso!


  Hoje é o tipo de dia em que eu estaria combinando alguma coisa com a Malina. Mas ela me bloqueou no whats depois da nossa briga, e o Josh também.

   Como não tenho nada para fazer e ela também não, além de ler aqueles livros idiotas e sem graça dela, nós estaríamos combinando de uma ir na casa da outra, ir ao cinema, sair para tomar sorvete, andar por aí enquanto falamos de garotos... É isso! pensei levantando da cama de súbito. Se eu gravar a Malina falando as coisas que ela já fez com os vários garotos que ela ficou, posso mostrar pra minha família e pra família dela o tipo de pessoa que ela é!


  Me levantei da cama e fui tomar uma ducha rápido. Depois do banho, fui até meu closet e escolhi uma calcinha preta de renda, calça de mesma cor e uma blusa verde de alcinha para vestir. Penteei meus cabelos molhados e os deixei soltos.


  Peguei meu celular que tinha deixado jogado sob a cama, meus fones de ouvido encima da cômoda ao lado e saí do quarto. Desci as escadas e fui até minha mãe na sala de estar, onde assistia a um jogo de Baseball na televisão.


  - Ei - chamou-me ela quando eu peguei na maçaneta da porta de entrada. - Aonde você vai?


  - Na casa da Malina.


  - Já se resolveram? - Perguntou a morena com uma sobrancelha arqueada.


  - Ainda... não. - falei indecisa.


  - Então, vai lá pedir desculpas pra ela? - indagou a mais velha e eu me alterei.


  - Mãe - falei em voz alta -, dá pra parar de me colocar como culpada de tudo? Que droga!


  - Olha como você fala comigo, garota. Eu vou contar pro seu pai quando ele chegar. - Ameaçou ela.


  - Conta. É o que você sempre faz. Ferrar com a minha vida. - Falei e saí de casa imediatamente, ouvindo gritos com palavras que eu não conseguia identificar de dentro de casa.


  Minha casa era grande, de dois andares, feita de concreto e pintada de branco. Tinha piso e pilares de madeira. Portas de vidro como na casa da Malina, uma piscina aos fundos com um jardim de plantas que não davam flores e cômodos espaçosos e bem iluminados por luzes penduradas nas paredes. Alguns deles, como as varandas dos quartos, eram cercadas por um suporte de madeira para nos impedir de cair.


  Abri o portão e saí, caminhando enquanto escutava Peace Of Your Head do Meduza nos meus fones. Após alguns minutos, cheguei na casa da Jones e toquei o interfone. Esperei por algum tempo até o portão ser aberto e pude ver Alex saindo da casa sem camisa. Se concentra, Luna!


  - O que você quer aqui? - Perguntou ele, ríspido.


  - Eu vim falar com a Mal. Ela tá aí? - Falei procurando-a dentro da casa.


  - Tá, mas não vai falar com você. - Disse com firmeza.


  - E porquê não? - Perguntei indignada.


  - Porque ela só vai falar com você quando você mudar. Mudar de verdade. - Explicou ele. - Esse seu jeito marrento, controladora e ciumenta machuca ela. Eu sei que você gosta muito da Malina, ela é uma amiga incrível. Mas você tem que entender que existem tipos diferentes de relação.


  - Como assim? - Perguntei fazendo uma cara debochada de indignação e arqueando a sobrancelha.


  - Todas as vezes que ela gosta de um garoto, você estraga. Quer que ele te trate igual trata ela, quer receber o mesmo nível de atenção... isso não é uma amizade. Vocês são amigas, não namoradas. O namoro é dela, e não seu. O garoto não tem que te dar essa atenção, esse carinho. Afinal, ele vai ficar com você ou com ela? - Finalizou e eu me segurei para não falar merda. Eu não faço isso. Ele suspirou. - Pera aí. Vou pegar uma coisa sua. - Pediu o moreno e foi para dentro da casa, saindo da mesma com uma caixa de tamanho médio cheia de coisas um tanto familiares. - Essas são as suas coisas que você deixou aqui. A Malina disse que só volta a deixar elas aqui quando você aprender a forma certa de tratar as pessoas. - Explicou ele e eu permaneci calada. - Nada disso é pro seu mal, Luna. Nós gostamos de você. Só queremos que você mude.


  - Quem gosta de uma pessoa de verdade aceita ela do jeito que é. - retorqui na razão.


  - Sim. Quando ela não te faz mal. - Argumentou ele e eu senti como se fosse uma facada no coração. - Acho melhor você ir, a Mal vai sair daqui a pouco.


  - Sair? Sem mim? - Questionei-o indignada.


  - Existem outras pessoas no mundo além de você, sabia? - disse o moreno indiferente. - Ela não é obrigada a sair com você sempre como se você fosse babá dela. Na verdade, acho que ainda é o contrário. - Fez uma pausa, me analisando. - Vai embora, vai Luna. E deixa a minha irmã em paz. - Recomendou e voltou para dentro, fechando o portão na minha cara.


  Ela vai sair? Vamos ver pra onde a princesinha vai. pensei e fui até a casa da Sra. Bloom, vizinha dos Jones, e pedi para ela guardar as minhas coisas até eu voltar. Poucos minutos depois que saí da casa dela, um carro vermelho-escuro que eu reconheço muito bem parou em frente a residência dos Jones. De dentro dele, saiu o babaca do Christian. Deve ter marcado de sair com o Alex.


  Logo o portão se abriu e vi Malina vindo até ele preparada para sair. Ele se aproximou dela e a beijou. Não pode ser! pensei perplexa e furiosa. Se eu não parasse de falar com ela, eles fariam isso na minha cara!


  Eles conversaram um pouco e ela correu para dentro da casa. Logo voltou e levou ele para dentro de mãos dadas, fechando o portão em seguida. Eles tão namorando? Não acredito!


  Esperei sentada discretamente embaixo da árvore que tinha na casa da vizinha da frente. Algum tempo depois, o portão se abriu novamente e pude ver ela, o Chris e o Alex saírem da casa. Todos entraram no carro do Vogan e ele logo começou a dirigir para longe.


  Imediatamente, corri até a avenida e chamei um taxi, pedindo que ele seguisse o carro do Christian, que nos levou ao shopping. Esperei eles sairem do estacionamento e sai do taxi, pagando e motorista e indo atrás deles.


  Andei por horas e horas dentro daquele shopping procurando aquele bando de traidores. Quando os encontrei, eles estavam em uma lanchonete conversando e rindo. Tirei uma foto para ter provas das coisas que ela faz longe dos pais.


  - Uau! Olha quem tá aqui - falei escandalosamente, fazendo algumas pessoas que estavam próximas dali me olharem curiosas enquanto eu batia palmas. - Os pombinhos traidores! Felicidades ao casal.


  - Luna? O que tá fazendo aqui? - Disse Chris, confuso.


  - O shopping é público, esqueceram? - Falei sarcástica. - E também, não deveriam ficar fazendo essas indecência aqui.


  - Que indecências? - Perguntou Malina, se fazendo de sonsa como sempre.


  - Ficarem se pegando por aí. Tem crianças aqui, sabiam? - Falei fazendo cara de desaprovação.


  - Como você disse: o shopping é público. Então, a gente faz o que a gente quiser, onde quiser e quando quiser. - Afrontou-me a morena, beijando Vogan em seguida. Confesso que fiquei putassa nesse momento.


  - Vamos embora. - Disse Alex deixando o dinheiro do lanche encima da mesa. - Parece que nem aqui a gente consegue ter paz. - Eles se levantaram, Malina e Chris de mãos dadas, e começaram a se afastar.


  - Isso mesmo. Vão embora. Não tem coragem de olhar na minha cara e falar que mentiram pra mim esse tempo todo. - Gritei enquanto as pessoas olhavam.


  - Mal, não liga pra ela. - ouvi o Jones-irmão sussurrar e a morena veio até mim.


  - Nenhum deles mentiu pra você sobre nada em momento nenhum. - Disse ela, olhando nos meus olhos com seus olhos azuis. - Eu sim. Eu menti todas as vezes que falei que me sentia livre com você. Agora sim. - fez uma pausa. - Agora eu tô livre. - Virou as costas para mim e eles foram embora dali. _Será que as pessoas ficam mais felizes sem mim?_ ponderei deixando uma lágrima cair.


       Alguns dias depois


      Segunda-Feira, 12 de agosto


  Eu estava na escola, mais especificamente saindo daquele inferno no qual eu estava sozinha. Assim que passei pelos portões, vi uma multidão de alunos formando um círculo próximo ao estacionamento enquanto gritavam "briga, briga, briga".


  Como não sou nem um pouco curiosa e detesto brigas, entrei na multidão e fui abrindo espaço entre as pessoas para conseguir passar. Chegando no centro do círculo, vi Alex espancando Christian enquanto Josh os observava puto da vida.


  - Sai daqui, Josh! - Ordenou o Alex. - Sai! - gritou de novo e Lancaster foi embora. - Você transou com a minha irmã? Disse que tinha só ficado com ela!


  O quê? O Chris transou com a Malina? Não acredito! pensei enfurecida com isso e saí dali, passando apertada entre a multidão.


  - Não! Não! Eu não fiz isso, cara. Relaxa - escutei Vogan gritar para Alex e parei de andar para escutar o resto da conversa. Virei novamente para o centro do círculo e tentei ver eles entre a multidão. Os socos foram parando. Ouvi uma tosse molhada. Sangue do Chris, talvez? - Só disse isso pra irritar o playboyzinho do Lancaster. - Admitiu e riu, depois tossiu novamente.


  - Conseguiu irritar bem mais do que só o Josh. - comentou Alex e se levantou, ajudando Vogan a levantar todo ensanguentado.


  Então eles não transaram. Ótimo! Bom mesmo. Pelo menos assim não me traíram. pensei satisfeita e fui embora daquela merda de lugar, puta da vida por ter tido uma briga por causa dela que não está nem aí para ninguém.


Notas Finais


Queridos leitores,
Fico consideravelmente feliz em informar que terei um mês e meio de férias a partir de hoje, e que, ao longo desse período, vou fazer o possível para adiantar ao máximo todas as minhas fanfics, ou até se possível, terminar algumas delas.
Escreverei em todas as fanfics, incluindo as atrasadas. Farei o possível para escrever uma quantidade de capítulos consideráveis nelas.
Gostaria de avisá-los, leitores de A maldição de Sabrina, que semana que vem teremos um capítulo novo que estava totalmente fora dos meus planos; espero que gostem.
Atenciosamente: JSommer🍃


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...