1. Spirit Fanfics >
  2. O Amor não existe. >
  3. Capítulo 14- Festival cultural

História O Amor não existe. - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura ;)

Capítulo 14 - Capítulo 14- Festival cultural


Luffy:_ Tra-Trao.....Ei! Mingo, eu vou arrebentar a sua cara!

Doflamingo:_ Pode vir!


48 horas antes

Quinta-feira


Kid:_ faltam dois dias pra essa bosta de festival.

Killer:_ Sim. Como está indo na sua turma?

Kid:_ Uma merda como sempre. O esqueleto não para de dar aquelas risadas estranhas. Os outros ficam falando toda hora. A única que não chega a ser tão irritante é a Ann. 

Killer:_ Entendo. Vamos fazer uma casa mal-assombrada, como eu tinha falado antes. Não acho que vai ser tão divertido assim, mas espero que você vá.

Kid:_ Pode ser. 

Os dois rapazes caminhavam em direção a escola. Conversando sobre assuntos aleatórios como de costume. Ambos estavam cansados, não por causa da preparação para o "tão" esperado dia, mas sim por causa das reclamações de outros estudantes. Isso era uma coisa que enchia a cabeça de Kid, fazendo ele ficar mais alterado e estressado que o normal. Até para Killer era ruim, como o loiro já estava acostumado à sempre ficar no seu canto, sem ser pertubado, essa mudança de três semanas acabou o afetando também.

Vida de estudante do ensino médio não é fácil. Quando não é uma coisa, é outra. Por exemplo, dois dias atrás, Guinko teve uma inflamação nos tendões da mão, o rapaz achou que não conseguiria mais cozinhar, e teria que ser substituído. Felizmente isso não aconteceu.

Sem contar que, além dos seus estados físicos que são prejudicados, a maioria dos alunos são afetados também intelectualmente e mentalmente. Acabam virando zumbis, sem controle de suas mentes. Para ser sincera, acho até engraçado. Porém, é bem preocupante. Bom, são riscos que eles têm que correr para ser alguém na vida. 

Kid:_ Killer...

Killer:_ Oi?

Kid:_ É...deixa pra lá.

Killer:_ Ok. Eu estive pensando, tem um novo, não sei o nome ao certo...

Kid:_ O quê?

Killer:_ Achei um novo restaurante especializado em comidas muito picantes. Achei que seria uma boa ir lá, depois do festival.

Kid:_ Se você pagar, eu até vou.

Killer:_ Vamos rachar.

Kid:_ Eh? Nem vem! Paga você!

Killer:_ Seu mão de vaca!

Kid:_ Mão de vaca? Ah, agora você vai ver.

Os dois garotos começaram a atacar um ao outro. Mesmo que fosse só uma brincadeira, quem passava do lado, se assustava e rapidamente se distanciava dali. Era raro as vezes em que demonstravam carinho ou afeto, mas isso não significa que eles não sentem nada um pelo outro. A única coisa que eu posso dizer é: a amizade deles é estranha.

Killer:_ Tá para! Para!

Kid:_ Eu não vou parar até você dizer  que vai pagar a conta.

Killer:_ Ok, ok, eu pago, agora me solta.

Assim como o loiro havia pedido, Kid o solta antes que ele o jogasse com tudo no chão. Mesmo assim, Killer acabou escorregando, e como tinha um reflexo muito rápido ( e por pura vingança), puxou o seu amigo junto. Assim, ambos caíram, e num piscar de olhos, começaram a rir extremamente alto.

Caído em cima de Killer, Kid foi o primeiro a levantar, estendendo a mão para seu amigo, ajundando-o a se levantar. Depois de tirarem a poeira do uniforme, voltaram a andar para a escola. Continuaram a discutir sobre assuntos irrelevantes e aleatórios, por um bom tempo.

Killer:_ Esqueci de perguntar.

Kid:_ Perguntar o que?

Killer:_ Eu sei que você sempre fala pra eu não me preocupar, mas, e o seu braço? Vai conseguir tocar?

Kid:_ Claro! Se eu estive treinando até agora, por que não conseguiria tocar?

Killer:_ Bom, é que nos treinos, vocês sempre faziam um intervalo. Talvez você tenha que tocar por mais tempo do que o esperado.

Kid:_ Hmpf! Não se preocupe. Não sou fraco igual esses maricas! Espere pra ver.


●●●


Ikkaku:_ Mano, tem certeza que é assim?

Penguin:_ Claro que não! Tá de cabeça pra baixo!

Ikkaku:_ Sério? Nem percebi.

Sachi:_ Pra mim tá certo também.

Penguin:_ Mas tá de cabeça pra baixo.- Penguin vira o cartaz para os dois.- o certo é  assim, olha.

Ikkaku e Sachi:_ Oooh.

Penguin:_ Parem de ser tão tansos!

Ikkaku, Penguin  e Sachi estavam pendurando vários cartazes pela escola. Como era intervalo, Robin pediu para que eles fizessem isso, assim, quem não tivesse o panfleto dos horários, poderia ver nos cartazes. Eles só estavam tendo alguns probleminhas.

Penguin:_ Sinceramente, eu esperava isso do Sachi...

Sachi:_ Ei!

Penguin:_ Mas de você Ikkaku? Isso é novidade.

Ikkaku:_ Acho que essas últimas semanas mexeram comigo. Só isso. Obrigada pela preocupação.

Penguin:_ Na-Não foi nada.

Sachi:_ Me avisem quando terminarem essa coisa toda. Vocês são muito melosos, vou estar ali.

Penguin:_ Sachi!

Ikkaku:_ Haha!

Bepo:_ Do que estão rindo- Bepo havia chegado depois de guardar suas coisa e ir procurar os amigos.

Sachi:_ É só a Ikkaku que tá rindo mesmo. Ela e suas piadas.

Bepo:_ A risada dela é contagiante.

Sachi:_ Irritante, isso sim!

Bepo:_ Se você está falando.

Penguin:_ Ei, amigão. Como tá indo o plano do capitão? Ele não falou mais nada desde aquele dia.

Sachi:_ Isso é verdade. A única coisa que ele mandou foi proteger a Ann.

Ikakku:_ Que plano?

Penguin:_ Aquele que ele e o pessoal vão executar pra acabar com o Doflamingo.

Ikkaku:_ Isso eu sei mané. Eu Só não sei desse plano pra proteger a Ann. Que isso? Ele virou lolicon?

Sachi:_ SERÁ?!

Sachi e Ikkaku:_ Hmmmmm.

Bepo e Penguin:_ Parem com isso.

Ikkaku:_ Bom se ele pediu isso, só pode significar uma coisa.

Sachi:_ Que coisa?

Bepo:_ Que ele gosta dela.

Penguin:_ Bem que eu achei ele meio estranho esses dias.

Bepo:_ Não importa. Se ele gosta dela ou não, vamos protegê-la de qualquer jeito.

Hearts:_ Sim!

Ikkaku:_ Se bem que, proteger ela? Não é meio forçado.

Bepo:_ Fala isso pra autora, eu só entro no papel.



●●●



O bom e velho cheiro de produto de limpeza. Algo que poucas pessoas apreciam e gostam. Mas para Guinko, era um dos melhores cheiros que ele já sentiu na vida. Limpando seu armário antes da aula começar, mesmo com a mão um pouco dolorida, o rapaz limpava com toda a satisfação e empolgação do mundo. Era um momento de paz e descanso. Como todos estiveram bem ocupados essas últimas semanas, ter um tempo para limpar o seu armário, era relaxante, como uma terapia.

Guinko:_ Tá cheio de poeira, ótimo!

Enquanto vários alunos chegavam, ele estava lá, viajando nos seus próprios pensamentos. Sonhando acordado.

Sem perceber, seus companheiros estavam chegando, ao o avistarem, vão em sua direção. Cutucando suas costas suavemente, como sempre fazia, Nami o cumprimentou.

Nami:_ Bom dia Guinko.

Silêncio.

Mais silêncio.

Nami:_ Guinko. Guinko. GUINKO!

Guinko:_ Aaaah!

Inflando suas bochechas, Nami fez uma careta e deu um tapinha de leve no seu braço. Os outros só observavam, tentando conter seus risos. O garoto tomou um baita susto, mas sem expressar nenhum sinal de raiva ou medo, os comprimentou como de costume.

Guinko:_ Bom dia pessoal. Foi mal, eu não vi vocês chegarem.

Nami:_ Nem se um elefante aparecesse do seu lado você teria percebido.- A ruiva sai toda empurrada, o por quê disso? Ninguém conseguiu entender.

Guinko:_ Eu fiz algo errado?

Zoro:_ Nhe! Não dá pra entender essa mulher. Sinceramente, muito irritante! - Zoro também foi andando, ele queria chegar logo na sua mesa para tirar um cochilo.

Usopp se voltando para Guinko e  perguntou:

Usopp:_ Yo, como tá a mão? Vai dar pra me ajudar depois da aula amanhã?

Guinko:_ Claro, não tá doendo mais. Dá umas fisgadas de vez em quando, mas o Chopper disse que é normal, então, acho que vai dar.

Usopp:_ Que bom, o Franky é que vai fazer a maioria das coisas, mas, quanto mais pessoas, melhor.

Guinko:_ Pode contar comigo! 

Usopp:_ Eu já vou indo.

Guinko:_ Tá bom, ainda vou terminar de limpar, vejo vocês depois.

Com Usopp se afastando, o garoto poderia finalmente voltar para o seu momento de paz e tranquilidade. Bom, era o que ele tinha pensado, quando Sanji chegou gritando pela Nami e pela Robin.

Sanji:_ Nami-chanw! Robin-shanwwwwww!

O loiro passou feito um raio atrás das suas amadas. Logo depois, foi Luffy que apareceu, gritando e correndo freneticamente em direção à cantina.

Luffy:_ Carneeeeeeee! Quero comeeeeeer!

Guinko:_ Que pessoal mais estranho.- murmurou para si mesmo.

Chopper:_ Guinko.

Guinko:_ Hm? Ah, oi Chopper. 

O rapaz que era muito mais do que Guinko apareceu sorrateiramente. Na verdade, ele era tão baixo que sempre saia despercebido. 

Chopper:_ Tá fazendo o que?

Guinko:_ Só limpando. Faz muito tempo que eu não limpo o meu armário.

Chopper:_ Sei, eu nunca limpei o meu.

Guinko:_ Queeee? Sério?! Deve estar todo sujo!

Chopper:_ Eh, hehe. É que eu não tenho tempo, se não eu limpava.

Chegando com sua cara rapidamente perto do rosto de Chopper, Guinko deu um susto no amigo e perguntou:

Guinko:_ Posso limpar pra você?

Chopper:_ P-pode. Só deixa a aula acabar que você limpa.

Guinko:_ Tá bom.

"Mais um para limpar, que empolgação! Espero que esteja bem sujo!", enquanto Guinko pronunciava essas palavras em sua mente, seu companheiro de sala se sentia um pouco envergonhado. Chopper teria que dar uma leve arrumação antes que seu armário fosse limpo. Seria muito vergonhoso se Guinko visse a sujeira toda que estava lá.


Algum tempo depois, era hora do intervalo. Por incrível que pareça, Zoro não estava dormindo. Ele olhava para a janela pensativo, e extremamente faminto. Tinha se esquecido de pegar seu lanche, agora estava com fome, assim o deixando sem sono. Fechando os olhos, tentou cochilar um pouco, abaixou a cabeça entre os braços. 

Se passaram apenas alguns segundos, quando o garoto percebeu que alguém estava chegando perto, mas sem dar bola, continuou com a cabeca baixa. Já sabendo quem poderia ser, Zoro simplesmente bufou arrogantemente.

Sanji:_ Ei marimo! 

Zoro:_...

Sanji:_ Não me ignora seu bosta.

Zoro:_ O que você quer? Tô tentando dormir aqui, não tá vendo.

Sanji:_ Eu não tô fazendo isso por que eu quero, só pra você saber.

Quando Zoro levantou a cabeça, Sanji já havia saído de perto, deixando uma marmita para o esverdeado.

Zoro:_ Babaca... 

A amizade desses dois sempre foi complicada. Nunca entendi direito, mas, mesmo eles brigando, os dois tem respeito um pelo outro. Além do mais, se Zoro não comece direito, como eles poderiam ter uma briga justa? Era o que Sanji pensava. Ambos deveriam estar bem para se enfrentar, mesmo não admitindo, se preocupavam um com o outro, como rivais eternos.

Exemplificando: um mulherengo que cozinha bem e um espadachim com cabeça de alga marinha.

Nami:_ Hu, hu, hu!!

Zoro:_ Cruz credo.

Sua companheira de cabelos ruivos estava com uma cara extremamente perturbadora. Com alguns cabelos em pé, brilho nos olhos feito ouro e um pouco de babá saindo da boca, Nami estava assustando Zoro com toda aquela cena.

Zoro:_ Sai desse corpo que não te pertence.- o garoto bateu de leve na cabeça da amiga para não machucá-la.

Nami:_ Ei! Não te ensinaram que não deve bater em uma mulher?!

Zoro:_ Eu não bati em você, e além do mais, cê tava possuída a cinco segundos atrás.

Nami:_ Eu não tava "possuída", só estava pensando que vamos ganhar muito dinheiro no festival.

Zoro:_ Só pensa em grana. Típico da sua cara.

Nami:_ E você em dormir.

Zoro:_ Tanto faz.

Sem se importar com Nami, ele voltou a comer a sua marmita. A garota mesmo assim insistiu em falar.

Nami:_ Vamso vender tudo por 300* ienes, vai dar lucro, não podemos esquecer de vender a água por 100* ienes. Estou até sentindo o cheiro do dinheiro no ar.

Zoro:_...

Nami:_ Escutou o que eu disse?

Zoro:_ Não sou surdo.

Nami:_ Que bom, por que você vai me ajudar a fazer o cartaz.

Zoro:_ Que?!

Nami:_ Já era pra estar pronto, mas como é coisa rápida, acho que podemos fazer hoje.

Zoro:_ Nem vem.



Chopper:_ Paraaaaa.

Guinko:_ Mas eu quero limpar.

Chopper parecendo um jogador de futebol americano, tentava com todas as suas forças impedir que Guinko desse mais um passo. Empurrando o garoto pra trás, os dois começaram a ter uma "briga".

"Mesmo fazendo toda a força do mundo com essa cara de malvado, ele continua fofo!" Um dos pontos fortes de Chopper, ou seria ponto fraco?

Guinko:_ Deixa eu limpar.

Chopper:_ Não! Espera um pouco.

Guinko:_ Por que? Tem alguma coisa que você não quer que eu veja?

Chopper:_ Uhum.

Guinko:_ Se era isso, por que não falou ante? Não vou me meter no que não sou chamado, não se preocupe. Pode ir, vou esperar você acabar o que quer que seja.

Com isso, o rapaz largou Guinko e saiu correndo com toda velocidade. Descendo as escadas e finalmente chegando no sua armário.

Enquanto isso, o outro garoto ficou esperando, assim como tinha falado. Ele se sentou entre o vão das máquinas de refri que tinham perto de sua sala. Mesmo não sendo permitido beber no horário escolar, o que é uma tremenda baboseira, só pode beber no começo e no final da aula. Até parece. Mesmo com isso, Guinko comprou um lata de café gelado. Ele teria comprado outra coisa, mas não tinha dinheiro suficiente, pelo menos dava pro gasto.

Bebendo seu café, esperando seu amigo terminar, ele pensava em várias coisas, o que poderia fazer pra comer quando chegar em casa, como seria no dia do festival, o que iria fazer depois disso tudo. Muitas coisas se passavam por sua cabeça, mesmo não parecendo nada, isso o incomodava, e muito. Mas algo sempre o deixava relaxado, e não era limpar armários ou outras coisas, e sim, passar um tempo com Chopper. Era relaxante e refrescante, mesmo que o garoto fique falando o tempo todo de medicina, ele não se importava. Achava divertido o tempo que passavam juntos.

Guinko:_ Ah, acabou. - terminando o seu café, o rapaz se levantou, jogou a latinha fora e foi ver o armário. Passava por alguns alunos e os cumprimentava. Descendo as escadas, finalmente havia chegado onde queria. Só que, ao chegar, se deparou com algo interessante. 

Chopper:_ Que droga! Ainda tá sujo. Será que vai dar tempo?

"Então era por isso Chopper. Francamente, que coisa mais boba." Andando a passos lentos, o garoto pegou na bola da camisa de Chopper, o carregou pelos ombros. Levando ele até sua mesa na sala, o posicionou cuidadosamente. Depois disso, tirou a poeira das mãos e disse:

Guinko:_ Deixa que eu limpo. Vai estudar, já que não vamos ter muito tempo amanhã é nem sábado.

Chopper:_ Es-espera!

Colocando a mão perto do seu rosto, como um sinal de pare, Guinko olhou nos seus olhos e novamente disse:

Guinko:_ Deixa que eu limpo. Não se preocupe.

Chopper:_ O-obrigado, eu acho.



●●●


Ikkaku:_ Nhaaaa! Que sonoooo!

Ann:_ Você sempre está com sono.

Ikkaku:_ Não tenho culpa. Poxa, trabalhamos muito essas semanas, me dá um folga.

Ann:_ ...

Ikkaku:_ Não vai comer isso aí? Posso?

Ann:_ Pode, eu não gosto muito de macarrão mesmo.

Ikkaku:_ Parece gostoso.♡

Ann:_ Aproveita.

Ikkaku e Ann estavam sentadas em um dos bancos cor caramelo do jardim. Não era muito aconchegante, nem confortável, mas ficava embaixo de uma linda árvore. Um lugar muito disputado pelas garotas da escola, pelo seu charme, além de ser um ótimos lugar apara encontros. 

Ikkaku:_ Me conta...

Ann:_ Oi.

Ikkaku:_ Você gosta de alguém, Ann-chan?

Com uma grande abocanhada, ela quase comeu o macarrão de uma vez só. Olhando para Ann como uma cara de curiosidade, além do normal.

Ann:_ Gostar? Bom, eu não sei. E você?

Ikkaku:_ Hm. Eu namoro o Penguin a muito tempo, no começo acho que era amor. Mas agora, não sei. Acho melhor terminarmos. Não é que ele seja chato nem nada, só que, vai ser melhor assim.

Ann:_ Amor, não é? Eu queria entender melhor.

Ikkaku:_ Entender? O Amor? Que?

Ann:_ Uhum. Eu não entendo o amor.- Ann apertou seu peito, como se estivesse doendo É olhou para o céu.- É difícil entender.

Ikkaku:_ Sério? Não tá zoando com a minha cara né?

Ann:_ ...

Ikkaku:_ ...

Silêncio. 

Mais silêncio.

MAIS SILÊNCIO.

Ikkaku:_ Não podemos deixar assim!!

Ann:_!!!

Ikakku terminou o macarrão rapidamente, logo em seguida segurou a mão da amiga e disse:

Ikkaku:_ Vamos lá. Eu vou te ajudar.

Ann:_ Ajudar?

Ikkaku:_ Vou fazer você entender o que é o amor.

Ann:_ Na verdade, O Bepo já está me ajudando. -" Se bem que ele não fez anda até agora."

Ikkaku:_ Queeee?! Aquele cara nunca teve uma namorada na vida! Como é que ele pode te ajudar em algo nesse quesito?

Ann:_...

Ikakku:_ Não me ignora! Vamos lá falar com ele. 

Ann:_ Mas você não acabou de dizer qu-

Ikkaku:_ Nada a ver! Esse tapado não sabe nada sobre amor. Provavelmente você deve ter ficado com a cabeca toda confusa. 

Ann:_ Mas...

Ikkaku pega o braço de Ann e a arrasta pela escola, procurando Bepo. Tudo o que a garota não queria. Mas não dá pra parar a Ikkaku, ela tem um determinação de fogo, e quando coloca uma coisa na cabeça, ninguém pode mudar sua opinião.

Andando pelo jardim, passando pelos corredores chegando até a sala. A garota grita o nome de seu companheiro:

Ikkaku:_ BEPOOOO!

O rapaz que uma vez estaca sentado, agora estava em pé, com as pernas tremendo e com o rosto todo branco de medo. Todos ali sabiam que nunca se deve contrariar a garota de cabelos cacheados. Era pena de morte na certa quem tentasse discutir com ela.

Bepo:_ I-Ikkaku.

Ikkaku:_ Vamos conversar. Agora!

Essa cena toda atraiu vários olhares curiosos e medrosos também. Law como sempre não se importou com o que estava acontecendo, mas ficou meio confuso quando viu Ann no meio daquilo tudo. Então, sorrateiramente tentou ouvir a conversa dos três, porém, foi barrado por uma aluna que precisava que ele entregasse alguns papéis na diretoria. Assim o rapaz o fez, meio decepcionado por não ter ouvido a conversa.

Ikkaku:_ Que história é essa de ensinar pra Ann o que é o amor?

Bepo:_ Como que você descobriu?

Ikkaku:_ Isso não vem ao caso agora. Sério, você de rodas as pessoas da escola, era a pior opção pra isso. Sem ofensas Ann.

Ann:_ Tudo bem, eu acho.

Bepo:_ Desculpa...

Ikkaku:_ Não pede desculpa pra mim, é sim pra ela!

Bepo:_ Desculpa Ann-chan...

"No que que eu fui me meter?", enquanto Ann pensava isso, uma nova possibilidade se abria diante de seus olhos, sem ela perceber.

Ikkaku:_ Deixa comigo, vou te ensinar. 

Ann:_ Você?

Ikkaku:_ É, que que tem? Algum problema?

Ann:_ Nenhum, eu só achei que...

Ikkaku:_ Que o que?

Ann:_ Deixa pra lá.

Bepo:_ Eu ainda quero fazer isso!

Com um olhar confiante mas que expressava certa tristeza, Bepo se acalmou e continuou a explicar.

Bepo:_ Não vou desistir de você, foi uma promessa. Eu sei que vacilei, mas ainda da tempo de concertar as coisas.

Ikkaku:_ Eim?

Ann:_ Sério, não precisa. 

Bepo:_ Claro que precisa, você é minha amiga, e eu quero te ajudar.

Ikkaku:_ Não tô entendendo anda agora. O QUE TÁ ACONTECENDO AQUI?!

Autora:_ NEM EU SEI!!



●●●

Sexta-feira


Kou:_ Do início. Um, dois, três.

Treinando mais para o festival que seria em poucas horas, os alunos da turma 2-C já estavam todos cansados. Tudo estava como o planejado, as camisetas estavam prontas, o pessoal da banda já havia decorado as letras e os acorde de cor e salteado. O pessoal das artes marciais faziam suas últimas melhorias.

Law tinha repassado o plano mais algumas vezes para os companheiros. Seu esquema era o seguinte:

Law:_ Doflamingo deve atacar antes que nos apresentemos. Então, teremos trinta minutos para arrumar as coisas, nesse tempo, é quando vamos atacar. Se tudo der certo, nada será prejudicado.

Robin:_ É um bom plano, mas como havíamos falado antes, você e Luffy vão atacá-lo, Franky ficará para proteger  os equipamentos, Zoro será um suporte. E os outros?

Law:_ Vocês terão  o papel fundamental. Distrair os outros membros da família para deixar o Doffy completamente sozinho.

Nami:_ Se não me engano, antes da sua apresentação, vai ter uma do clube de luta. Não é?

Law:_ Isso mesmo, todos os membros vão fazer um tipo de arena, onde qualquer um pode lutar. O prêmio vai ser uma bola, se não estou enganado. 

Usopp:_ Uma bola? Isso é meio estranho. 

Franky:_ Supeeeeeeeer estranho.

Law:_ Ok. Vamos repassar mais algumas coisas antes de acabarmos aqui.

Com o passar do tempo, todos estavam cientes do que fazer. Se tudo desse cerro, os planos de Doflamingo iriam por água abaixo. Era o que todos pensavam, mesmo sabendo que seria difícil, eles tinham esperança.

Kou:_ Por hoje está bom pessoal. Boa sorte amanhã.

Todos:_ Bom trabalho.

É isso mesmo, o festival da escola começaria amanhã. Como eles estavam ocupados ensaiando todos os dias, o festival chegou antes que percebessem. Essa últimas semanas foram tão cheias, que ninguém percebeu o tempo passar.

Ace:_ Cara, que dor nos dedos.

Sabo:_ Mesmo depois desse tempo todo, ainda dói.

Ace:_ Quer comer alguma coisa?

Sabo:_ Pode ser. Vamos buscar o Luffy e ir em algum restaurante. Que tal?

Ace:_ Não vai chamar a Koala também? 

Sabo:_ Vamos só nos três hoje.

Ace:_ Sabendo como os amigos do Luffy são, aposto que eles vem também.

Sabo:_ Quanto mais melhor, não é o que dizem?

Sabendo que seu irmão provavelmente estaria na cantina essa hora, Ace e Sabo foram ao seu encontro. Encontraram ele onde sempre estava. Assim que terminou de comer, Luffy, Ace e Sabo foram em um restaurante muito frequentado que ficava perto de sua casa. Passaram uma boa parte da noite comendo é tirando conversa fora. Eram as suas últimas horas antes do grande dia. Precisavam relaxar.

Todos estavam fazendo isso. Relaxando, mantendo a cabeça fria, estudando, jogando, seja lá o que estavam fazendo, passavam suas últimas horas muito empolgados. Seria um dia bem agitado, isso temos que concordar, mas não era impossível de se realizar. Todos estavam contando um com os outros parar tudo dar certo. Até mesmo Kid estava preocupado.


●●●



Finalmente havia chegado. Eram 7 da manhã. Todos já estavam na escola, trabalhando nas suas barracas, nas salas, na quadra e em vários outros lugares. Metade das coisas foram feitas na quinta e na sexta-feira. 

Guinko tinha terminado de ajudar Usopp é Franky, assim teria mais tempo para ajudar os outros. Chopper, Nami e Perona colocavam os cartazes por todos os lados. Koala ajeitava o figurino, só os mínimos detalhes.

As 8 horas tudo já estaria aberto. Eles tinham uma hora ainda para aceitarem tudo, como loucos. Conseguiram fazer o impossível. Terminaram e rapidamente as pessoas iam chegando. Crianças correndo, pais tirando foto, tias e senhorinhas conversando e fofocando. Pessoas gastando mais e mais dinheiro com coisas idiotas.

Zoro como punição, estava fazendo seu trabalho como garoto propaganda. Finalmente sua habilidade de se perder toda hora fez algum sentido, toda vez que se perdia, ele conseguia entregar mais e mais panfletos. 

Guinko:_ Mais um saindooo.

Nami:_ Ok. Quem e o próximo?

???:_ Aqui. Eu quero um Agemono, por favor.

Chopper:_ Mais um Agemono Sanji e Guinko!

Os dois:_ Tá.

A barraquinha da sala 1-B já estava bombando, lucrando muito rápido, assim como Nami tinha falado. E incrível como essa garota acerta tudo que é relacionado a dinheiro.

Perona:_ Arararararararararara. Continuem assim. Vamos lá pessoal! Vão trabalhar.

Todos:_ Sim.

???:_ Mal começamos e ela já tá mandando de novo.

???:_ Que saco.

Perona:_ Ei Luffy! Vai fazer alguma coisa, você não tá fazendo nada.

Luffy:_ Como assim nada? Eu tô  comendo.

Perona:_ Pior ainda, cai fora daqui!

Assim Luffy foi mandado embora, por estar atrapalhando. Como sempre. 

Enquanto isso, o tempo se passava. A turma do segundo ano estava quase acabando os seus preparativos, todos estavam ali. Menos uma pessoa.

Bepo:_ Alguém viu a Ann-chan?

Kid:_ Aquela vagabundo não voltou ainda?

Kou:_ Onde ela foi?

Kid:_ Sei lá, como eu vou saber. Não ligo pra onde as pessoas vão. Igual você.

Kou:_ Quer tretar? 

Kid:_ Cai pro pau!

Robin:_ Sem brigas. Vai procurar a Ann em vez disso. Já que o tempo está quase acabando.

Os caras começaram a procurá-la. Olhando em todos os lugares. Estava muito movimentado, era difícil de ver quem estava na sua frente. Mas mesmo assim, eles não desistiram.

A fugitiva estava simplesmente em um dos lugares mais longe da quadra. Perto do ligeiro da escola, onde não havia ninguém. De cabeça baixa, com o olhar morto. Igual a um tempo atrás, estava tudo se repetindo, ela estava desistindo de tudo. Se não fosse o Law, ela teria terminado esse conflito na sua mente. Mas não teve tempo, nem agora ela teria. De todas as pessoas do mundo, essa era a pessoa que ela menos esperava.

Luffy:_ Oh, Ann! Tá fazendo o que? Tem comida aí?

Ann:_...

Luffy:_ Da um pouco pra mim!

Ann:_ Não tem comida aqui. Por quê não dá o fora?

Luffy:_ Uh! Você tá bem, tá estranha. Não está normal.

Ann:_ Eu nunca fui normal. Então, vaza!

Luffy:_  Ei. Não precisa ser assim.

Ann:_ CAÍ FORA.

Luffy:_ Hmmmmmm.

Ann:_...

Luffy:_ Hmmmmmmmmmmm.

Ann:_ ...

Luffy:_ Hmmmm!!!!!!!!! Entendi! 

Ann:_?

Luffy:_ Uma máscara. Você usa uma máscara!

Ann:_ Hu. Que garoto esperto. Sempre dando uma de burro.

Luffy:_ Quando você vai tirar essa máscara? As pessoas iriam gostar mais se fosse você mesma. Não acha?

Ann:_ Se eu tirar, aí sim que eles vão ter mais medo de mim.

Luffy:_ Eu não tenho medo, por isso tudo bem. Não em importo o que você é, nem ligo pro seu passado. Só não gosto de ver essa sua cara, fingindo pra todo mundo que tá bem. 

Ann:_ Como se você fosse entender.

Luffy:_ É verdade, eu não entendo. Mas isso não tá certo. Não se brinca assim com os sentimentos dos outros!

Ann:_ Sentimentos? Sentimentos? Você realmente sabe o que são sentimentos?

Se levantando rapidamente, Ann desferiu um soco no rosto de Luffy, forte o suficiente para fazer o garoto recuar alguns passos.

Ann:_ NINGUÉM ENTENDE!  E ACHO QUE VOCE TAMBEM NÃO!

Luffy:_ ... 

Olhando para o chão, com o nariz sangrando um pouco, não era possível ver os olhos de Luffy, mas se Ann visse, ela ficaria extremamente assustada com o seu olhar sério. Assim, quando a garota decidiu ir embora do local, o rapaz segurou o pulso dela com muita força, fazendo ela se contrair um pouco de dor. Com o punho fechado, Luffy retribuiu o soco que havia levado.

Ann:_ Urgh!

Luffy:_ CALA A BOCA! TODOS ESTÃO SE ESFORÇANDO, DANDO O SEU MELHOR, E VOCÊ VEM E FICA FALANDO ESSAS BESTEIRAS. NÃO VOU DEIXAR VOCÊ ESTRAGAR TUDO!

Ann:_ ME DEIXA!

Luffy:_ Não. Não vou te soltar até conseguir abrir os seus olhos. Mesmo que eu tenha que usar a força. Vou fazer isso.

Ann:_ Abrir os meus olhos? Eles já estão abertos!

Luffy:_ Não é o que parece!

Ann:_ Mesmo seu eu tirar a máscara e abrir meus olhos, como vou ter certeza que eles não vão ter medo de mim?

Luffy:_ Eles não vão.

Ann:_ Hm?

Luffy:_ Ninguém tem certeza. Só você pode mudar isso, se quer que eles tenham medo de você ou não.

Finalmente soltando o pulso da garota, Luffy saiu andando. Deixando Ann, sozinha, pensando no que ele tinha falado. Mesmo sendo tão idiota, esse garoto era forte, tanto de espírito como de mente.

Luffy:_ Ah, cara. Será  que ainda tem carne? Quero que o Sanji faça pra mim.



Kou:_ Onde ela está? Alguém a viu?

Brook:_ Yohohohohoho, que situação.

Robin:_ Se ela não aparecer vamos ter que improvisar.

Ikkaku:_ Improvisar? Mas como? Ela toca uma parte importante em praticamente todas as músicas.

Faltando alguns minutos para apresentarem, com a casa totalmente cheia, a turma 2-C enfrentava um dilema terrível. Sua amiga estava desaparecida, havia sumido sem deixar rastros. Em meio aquela situação toda, a única coisa capaz de se fazer agora era se acalmar.

Kid:_ Não achei ela. Procurei pela escola toda. Onde esse fedelho está?

Kou:_ Ai não. E agora, o que fazemos?

Aparecendo em meio a escuridão do palco, com o rosto bem vermelho e machucado por causa do soco de Luffy, Ann estava finalmente de volta.

Ann:_ Estou aqui.

Kou:_ Chiban! Onde vo- Que que aconteceu com o seu rosto?! Você  tá bem?

Ann:_ Vamos logo. Temos um show pra fazer.

Kou:_ T-tá bom. Vamos lá pessoal! Hora do Show!

Todos:_ Isso aí!

Law:_ Ann...

Passando por ele sem olhá-lo nos, parou do seu lado e disse:

Ann:_ Me observe. Vou fazer você se impressionar.

Law:_ Estou contando com isso. Também vou me esforçar, espere pra ver.

Ann:_ Hm!

É agora que começa o verdadeiro festival. As 9h9dha manhã de sábado, a turma 2-C irá se apresentar, não perca. Todos estão aos seus postos, prontos para a cortina descer. Sua família e amigos de outras turmas e escola também estão presentes. Esperando ansiosos por isso. 

Respirando fundo, fechando os olhos se sentando no banquinho em frente ao piano, se preparando e esperando a cortina, Ann olhou diretamente prata Kid, o mesmo olhou de volta. Ambos com olhares muito confiantes, estavam exalando uma aura de competitividade, como de costume. Assentindo com as suas cabeças, voltaram a olhar para seus instrumentos. 

Cada vez mais o público ficava ansioso. Falando pelo cotovelos, "será que eles são bons?" e também " que empolgação. Vai ser legal".

( escute a op de angel beats agora enquanto lê)


Com o som do piano começando, e as cortinas subindo, todos voltaram sua atenção para o palco. Esperando pelo grande show. As máquinas de fumaça foram ligadas, e as luzes cintilavam. Com um toque mais fino no piano, as luzes se ascenderam. A bateria começou, e os outros instrumentos acompanharam harmonicamente e lindamente..E a garota finalmente começou a cantar.

Com sua voz fina e doce, nem parecendo que havia um monstro e um passado tão obscuro por trás de tudo aquilo. Era como se ela fosse um anjo, mesmo com seu rosto machucado, não deixava de ser bela. Sua melodia mostrava tristeza, algo que todos perceberam. Mas ao mesmo tempo, era um novo começo. Para todos os presentes ali. 

Seus amigos, familiares, seu irmão, sua alma que um dia foi embora, em um piscar de olhos. Todos estavam ali, com as lágrimas começando a escorrer, ela olhou para Law, Que dançava sua coreografia assim como os outros. Seus olhos se encontraram por um momento, deixando o garoto frustrado, 

"Eu deveria ter entendido, ter te ajudado, eu deveria ter te apoiado, e abraçado, mesmo que isso fosse mais doloroso que tudo, me desculpe."

" Eu que tenho que me desculpar, não queria machucar mais ninguém, mas no final, vocês foram os que eu mais feri."


Beleza e tristeza, esse dois sentimentos que rodaram a quadra durante toda a apresentação dessa música. Algo que não era possível ver, mas que todos sentiam, algo mais puro que o amor. Algo verdadeiro.

Chopper:_ Não dá pra ver, mas é a Ann?

Guinko:_ Sim. Ela mesma.

Guinko se abaixou de costas para Chopper, o garoto não entendeu o que ele estava fazendo.

Guinko:_ Sobe. Assim você vai ver melhor.

Chopper:_ Mas, eu não sou muito leve. E se você se machucar?

Guinko:_ Não se preocupe. Vamos.

Chopper:_ Ok.

Assim Chopper subiu nas costas do amigo. Finalmente pode ver a cena mais linda é triste de sua vida, a irmã de seu melhor amigo tocando lindamente o piano. O garoto ficou embasbacado, maravilhado. Isso fez Guinko rir, o garoto ficou meio envergonhado, mas voltou a sua atenção para a  apresentação.



( escutem as músicas que vocês quiserem)


Depois de todas as apresentações, já estava na hora de botar o plano em prática. Law estava posicionado, assim como os outros. Tudo estava indo bem. Zoro e os outros estavam destruindo Pika e o reto da familia. Os membros do clube de luta participaram do plano. Deixando assim Doflamingo para Law e Luffy.

Doflamingo:_ Parece que você elaborou um plano muito bom.

Law:_ Você também. Mas não é algo que se de muito orgulho.

Luffy:_ Vamos acabar com a sua cara.

Doflamingo:_ Podem vir. Vamos ver o quanto vão durar.


Minutos depois


Luffy:_ Tra-Trao... Ei! Mingo, vou arrebentar a sua cara!

Doflamingo:_ Pode vir!

Law havia quebrado o braço e algumas costelas, Doflamingo fez questão de cuidar dele primeiro. Um erro tremendo. Ele subestima a o garoto, assim como os outros. Masi mal sabia que essa subestimação, lhe custaria caro.

Distribuindo vários socos e chutes, Luffy atacava e se defendia ao mesmo tempo. O mesmo com Doflamingo, ambos estavam cansados e machucados, mas não iriam se render, de jeito nenhum.

Passado algum tempo, quando Doflamingo estava achando que iria ganhar, algo inesperado aconteceu.

Doflamingo:_ Parece que vocês perderam.

Luffy:_ Até parece, eu não vou perder de jeito nenhum!

Doflamingo:_ Veremos o que você vai dizer depois desse golpe!

Luffy:_ Pode vir! Law!

Doflamingo:_ O que?!

Aparecendo por trás, mesmo com o braço quebrado, Law pegou um espada de madeira e desferiu o golpe  no seu inimigo.

Doflamingo:_ Mas como?

Law:_ Eu disse que você não deveria nos subestimar.

Luffy:_ Ei! Não se esquece de mim!

Correndo com um dos braços para trás, todo ferido mas ainda com forças, Luffy deu o último golpe para a vitória. Deixando Doffy atordoado.

Com isso, os garotos venceram a batalha, todos tinham ido bem. Mesmo com o plano não correndo bem, tudo foi concluído com êxito. Agora o que faltava, era sair dali sem ser pego. O que infelizmente não aconteceu. Todos que participaram dessa briga levaram dois meses de suspensão, muitos tiveram que ir no hospital, para colocar suas bandagens e gesso.

Ann foi visitar Law na sua estadia ao hospital, o rapaz de chapéu de palha também estava lá, só que dormindo.

Ann:_ Parece que ele ficou bem machucado.

Law:_ Vai ficar tudo bem, isso não é nada pra ele.

Ann:_ Que bom. Mas e você?

Law:_ Não vou morrer, isso eu garanto.

Ann:_ Obrigada.

Law:_ Pelo o que?

Ann:_ Hm! Nada não.

Law:_ Bom, eu queria falar uma coisa pra você faz um tempo.

Ann:_ Pode falar.

Com o rosto vermelho, Law pegou e  puxou Ann. E no seu ouvido falou as palavras. Simples palavras que a garota nunca achou que ouviria de alguém. Palavras calorosas e aconchegantes.




'Eu gosto de você'



Continua...














Notas Finais


Espero que tenham gostado.
300 ienes: 15 reais
100 ienes: 5 reais.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...