História O amor pode nascer do outro lado do mundo - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Comedia, Drama, Romance
Visualizações 27
Palavras 3.686
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Comédia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoinhassss turo bom?
O cap ficou enorme? Sim! Me empolguei? Bastante! Mas ta ai peoples de my heart.
Espero que gostem!!!
Eu quero agradecer pelos comentarios e pelos novos favoritos! Sou muito grata a todos que me acompanham ate aqui.

Capítulo 30 - Se arrependimento matasse.....


[Tae on]

Passaram-se duas semanas desde a chegada de Madu e, diferente do que eu achei, a presença dela em casa nao fazia muita diferença.

 Ela passava a maior parte do tempo na rua. Quando eu ia para escola ela ainda estava dormindo, quando chegava da escola ela nos fazia o almoço, e logo depois de comer saia e so voltava quando eu e Mari já estavamos dormindo.

Hoje Mari nao estava em casa, havia ido fazer um trabalho na biblioteca. E adivinha só quem era sua dupla? Exato. Chung - he. Dentre quase trinta pessoas na sala de aula, ela tinha que fazer trabalho junto com ele.

Tá, eu sei que os dois não tem nada e confio em Mari, mas o problema e que eu nao confio nele. Mas tudo bem, prometi pra Mari e pra mim mesmo que não teria mais aquelas crises de ciumes.

Enquanto isso Madu estava me ajudando com meu plano.

Md- deixa eu ver se entendi direito. - ela se sentou no sofá cruzando as pernas - voce quer que eu te ajude nesse seu plano horroroso? 

T - Não é um plano horroroso, e sim eu quero que me ajude.

Md - Pegar um anel e jogar no copo de bebida da Mari no meio de uma boate é com toda certeza um plano horroroso.

Bom quando eu pensei nao parecia ser um plano tao ruim assim, na minha cabeça eu ate achei romantico. Mas depois que madu o disse em voz alto ele nao pareceu ser muito seguro. Vai que Mari engasga com o anel.

T - Tá entao voce tem outra ideia senhora sabetudo?
 Eu e Madu tínhamos pego uma certa intimidade. Passávamos mais tempo juntos do que com a presenca de Mari. E eu me dei bem com seu jeito, ela me lembrava muito J hope entao era como se ele estivesse ali comigo, so que de cabelos longos  saia cor pastel, moleton de bichinhos, e batom rosa.

Md - Primeiramente: Sim eu tenho um plano muito melhor. Segundamente...

T- essa palavra não existe.ão

Md - Agora existe, e não me interrompa! - ela disse balançando a mão como se estivesse espantando uma mosca - Segundamente: Mari é muito muito muito esperta pra essas coisas, acho dificil fazer algo escondido dela. Se quiser mesmo fazer você precisa esconder os minimos detalhes. Se não pode ter certeza que ela vai sacar tudo.

T - Como assim? E tipo fazer uma festa surpresa certo? 

Md - Não pra Mari. Você não pode mudar absolutamente nada. Não pode mudar seu humor de uma hora pra outra, alterar sua rotina. E essas coisas se ela perceber algo de estranho. Sinto muito.

T - Bom.... acho que não vai ser tão dificil assim né

Md - Difícil e lógico que vai ser meu bem, mas pensa positivo. - ela me deu um tapinha nas costas.

Pensei em desistir? Com certeza! 

Mas eu precisava fazer isso, afinal Mari sempre me dava presentes e tudo mais e eu nunca havia comprado nada a ela, além de uma bala de morango antes mesmo de começarmos a namorar.

E pior ainda, não tinha a pedido em namoro.

Precisava fazer isso não somente pelos presentes mas sim por ela. Mari merecia muito mais do que um anel.  

T - Tá certo então qual seu plano? 

Madu me explicou tudo certinho e como eu deveria agir para que Mari não desconfiasse de nada. 

T - É parece melhor do que o meu.

Md - É óbvio que e melhor, eu que pensei. Ah é mais uma coisa.  Mesmo que não pareça Mari pira nas coisas estilo dorama. Aquelas coisas bem cliches e bregas sabe? Ela adora. Então seja o mais romantico e fofo possivel.

T - Ah isso e fácil ser romântico é minha natureza.

Md - Tão romântico que nem pediu a menina em namoro decentemente - ela cochichou

T - o que disse?

Md - Nada não. Então é isso ai TaeTae eu preciso ir agora.

T- Pra onde vai?

Md- Vou ter um encontro -ela disse animada - e adivinha só o cara além de ser gato pra caramba é medico. Ui... so de pensar da uns coiso! 

Ri juntamente a ela. 

Do mesmo jeito que Mari, Madu tinha seu proprio jeito de falar. 

Me levantei e fui em direção a ela que arrumava sua bolsa

T - Ta bom, mas oh - coloquei meu indicador em sua testa - juizo viu! 

Mesmo Madu sendo alguns dias mais velha, eu me proucupava como se ela fosse minha irmazinha mais nova. 

Md - falou irmãozão. - ela deu um sorrisinho

Ai percebi que eu tinha me apegado bastante nela. 

Afinal quando Mari não estava era ela que me fazia compania. 

Md - Ah acabei de me lembrar de uma coisa engraçada! - ela exclamou enquanto estava sentada no chão amarrando os cardaços seu All Star rosa claro - Depois de tudo que aconteceu com Mari e ela se juntou com aquele pessoal, entre eles ela era conhecida como FBI - ela dizia entre risinhos - porque conseguia descobrir as coisas e...

No momento que levantou a cabeça acho que percebeu minha cara de ponto de interrogação.

Md - Eita ela não te contou sobre essas coisas né?

Apenas balancei a cabeça em negação.

T - Mas você não se importa de me contar não é?!

Md - Ih! Olha só já ta na minha hora - ela olhou seu relógio imaginário no pulço, ignorando minha pergunta - Tchau TaeTae prometo que não demoro 

T -Ei! Madu espera!...

Ela saiu e bateu a porta.

Fiquei parado olhando pro nada quando derrepente a porta rapidamente se abriu. Madu entrou correndo no apartamento.

Md -Tae não conta pra Mari o que eu comentei isso com você, se não ela arranca meu figado e come ele com pão! 

T - Tudo bem eu não conto mas com uma condição

Md - Ah não...

T - Me responda. Que acontecimentos foram esses e que pessoal a chamava de FBI?

Md - Eu realmente não posso contar. 

T - Então vou falar pra Mari que você me contou e ela vai comer seu figado e seu pancreas na janta - Disse com uma cara ameaçadora. Ha ha ha eu sou muito maléfico! 

Md - Bom se você contar pra ela eu também conto sobre seu plano, e ainda digo que você achou aquela garota na rua bonita! 

Cade a fofura dessa garota? Que agora está com uma cara mais ameaçadora que a minha.

T- Eu não achei ela bonita! Você comentou sobre o cabelo vermelho dela e eu disse que era bonito! 

Md -Bom mas talvez eu aumente a historia pra Mari em quem você acha que ela vai acreditar? - disse serrando os olhos e sorrindo

T- Você não faria isso? Faria?

Enquanto eu falava ela pegou seu celular e discou um número. Enquanto chamava ela o colocou no viva voz.

Md- Quer apostar?

M - Alo? - Mari disse do outro lado da linha.

Md - Oi Mari eu queria perguntar se você sabe de uma coisa.

M -Fala logo praga eu preciso terminar o trabalho! Eu to quase acabando já.

Madu me olhou com uma cara que dizia  " vou contar".

T - Tudo bem! Tudo bem! Eu não conto - cochichei.  Droga me rendi pelo desespero.

Md - Eu estou em uma lojinha e queria saber se você sabe o número do seu dedo. Ia comprar um anel pra você

Uau ela e esperta. Pensei comigo mesmo. Ela iria conseguir tão fácil assim o tamanho do dedo da Mari?

M- Maria Eduarda por que diabos eu saberia de cor o número do meu dedo?

Md - Não sei. Achei que saberia.

M - Obrigada pela consideração mas não precisa comprar um anel pra mim não. 

Md - Bom você quem sabe. Vou desligar então...

Então me lembrei de uma coisa. Eu não sabia praticamente nada sobre os gostos de Mari. Bom, não sabia nada além de que ela era viciada em doces e café.

T - Pergunta qual a cor preferida dela! - cochichei 

Md - Mari pera ai! Qual sua cor preferida? 

M - Vermelho, porque?

Md - Nada não, so curiosidade mesmo

M - Hum. Ei madu o TaeTae está ai com você?

Droga de audição de labrador. Como ela conseguiu me ouvir? Eu cochichei bem baixinho

Md - Não, é que passou um moço com a voz bem parecida com a dele, quando ouvi também pensei que fosse ele.

As primas encerraram a ligação conversando algo em português que eu não entendi muito bem. Porém mais de metade das palavras ditas foram palavrões ou chingamentos que eu conhecia muito bem. 

Afinal eu vivia junto de Mari e Madu, a cada três palavras que uma referia a outra, duas eram palavrões.

Md - Certo TaeTae então esse vai ser nosso segredinho. - Disse ela sorrindo - ah e se você quiser o tamanho do dedo da sua amada e só pegar o anel dela na caixinha rosa em cima da comoda. 

Porque não pensei nisso antes!?

T - Ta eu já tinha pensado nisso antes.- Menti. Confesso aue estava me sentindo meio bobo. As duas eram muito espertas, acho que era uma coisa de genetica ou sei lá

Md- Agora vou me indo. O doutor bonitão me espera!

Dei risada e ela saiu. 

Fiquei no apartamento sozinho pensando. Quem seria esses pessoais e que coisas aconteceram? 

Entao me lembrei de uma coisa, ou melhor, de uma pessoa. Poderia ter perguntado a Madu quem era aquele garoto que estava na foto com Mari.

Pensei em tudo e cheguei a uma conclusão. 

Tenho medo da Madu. 

Ela acabou de me manipular e mentiu na cara dura sem nem ao menos gaguejar. 

Quero morrer amigo dessa garota.



[ Kim on ]

Estava deitada na cama vendo Stiles andando pra lá e pra cá no quarto se arrumando.

Stiles, meu irmão mais velho hoje teria um encontro com uma garota que conheceu pela internet. 

Pelo o que ele me disse, ela era estrangeira e estava proucurando alguém para "passar o tempo" 

Stiles era o prodígio da familia. Com apenas 25 anos já havia se tornado um grande e bem sucedido cirurgião geral. 

Mesmo sendo meu irmão tenho que admitir ele era muito bonito, mas não mais do que eu obviamente. 

Porém Stiles tinha um dedo podre pra escolher mulheres. Agora com 28 anos nas costas ele não tinha nem namorada. 

Meu irmão era o que a maioria das garotas queriam. Inteligente, bonito, amoroso (até demais) e as vezes pouquinho engraçado. Mas ele era burro o suficiente pra se deixar enganar por um rostinho bonito e um par de peitos. 

Tadinho, já levou tanto chifre que a galhada dele era maior do que a de um alce. Não sei como ainda tem animo de procurar alguém. 

Mas apesar de tudo, ele era timido demais pra chegar nas garotas pessoalmente entao o jeito foi apelar pra internet. 

St- Espero que ela seja legal - disse o moreno enquanto espirrava o perfume em seu pescoço.

K - Eu espero que você seja legal com ela 

St- Kim eu sou legal com todo mundo 

K - Você e legal com todo mundo, menos com garotas que você quer ficar. Você sempre fica meio bobo perto delas.

St- Não é bem assim.... - olhei pra ele com um olhar de "tem certeza?" - Tá certo eu vou me controlar dessa vez

K -Por favor eu estou precisando de uma cunhada, faz tanto tempo que nem me lembro mais como e ter uma - zombei enquanto ele colocava os cintos nas calças pretas.

St - Olha só quem fala, depois que descobriu a paixão pelo Yoongi nunca mais namorou.

K - Ah mas eu pelo menos tenho alguem por quem sofrer.

Rimos juntos

Stiles sempre foi meu melhor amigo. 

Desde pequenos somos muito próximos, mesmo com a diferença absurda de idade entre nós. Contamos tudo um para o outro, tudo mesmo. Até algumas coisas que irmãos  não deveriam saber um sobre o outro.

A primeira vez que fiquei menstruada Stiles foi a primeira pessoa pra quem contei.

Eu não sabia o que estava acontecendo e ele muito menos 

Então procuramos na internet o que poderia ser, e segundo o nosso querido tio Google eu estava com cancêr terminal no pancreas e tinha febre amarela.

St - Mas agora falando sério como está sua relação com o garoto papel? - disse se sentando ao meu lado na cama.

K - Bom está na mesma eu acho. Outro dia quando ele me reconheceu me deu um abraço e disse que eu estava mais bonita... - Percebi que estava sorrindo como uma boba enquanto olhava pro nada. Bom mas meu irmão já estava acostumado em me ver assim então não me importei - E depois discutimos um pouco e ele me levou pra faculdade e foi isso

St- Acho que ele está te tratando com mais carinho não? Antes ele era tão seco com você. As vezes tinha até vontade de bater nele. 

K -E por que não bateu? - disse rindo

St -Por que eu sempre soube que ele sente algo a mais por você, só que ainda não descobriu. Talvez esses sentimentos estejam se tornando mais fortes agora.

K - Espero que sim

St- Bom eu preciso ir, a senhora estrangeira deve estar me esperando.

K - Boa sorte! Vê se não faz nenhuma besteira em 

St- Não vou fazer! Promeue - Slites me deu um beijo na testa e saiu.

 Eu fiquei deitada em seu quarto observando os tantos livros em sua prateleira.

Como ele pode ler todos? Pensei comigo mesma. Por um instante uma vontade de le-los passou por meu corpo, mas a preguiça foi maior que minha curiosidade. Afinal aqueles livros eram sobre coisas de cirurgia, não me interessavam nem um pouco. 

Me lembrei de que fazia um bom tempo que eu não lia nada. Poderia pedir um livro emprestado pra alguém.

Mas pra quem? Mari estava fazendo trabalho com Chung-he, Tae só gostava de ler mangas, J-hope havia saido com uma menina, Jimim não lia nada só jogava videogame o unico que me restou foi.... exato! 

Meu pedaço de açucar! 

Peguei meu celular e disquei o numero dele. 

Ligação on

S- Alo.

K- Por favor - engrossei minha voz - gostaria de falar com o senhor papel 

S - Senhor papel, nossa faz tempo que eu não escuto isso em. O que você quer Kim?

K - Ah como sabe que sou eu? 

S - Ninguém mais conhece esse apelido só você

K -Ta bom... Ei Min eu estava pensando

S- Não me chame assim - Me interrompeu

Eu o ignorei e continuei falando

K - Min o que acha de irmos tomar um sorvete? - Bati a mão na minha testa quando percebi o que havia dito.

Droga eu só queria pedir um livro emprestado! 

S - Nossa tão derrepente assim?

K - Bom e que.... está um dia quente hoje e eu achei que poderiamos ir na sorveteria aproveitar - Tive que inventar uma desculpa na hora.

Obvio que ele vai dizer que não ele nem gosta tanto assim de sorvete! 

Por alguns segundos ele ficou em silêncio, e meu coração começou a bater mais rapido em desespero

S - Ta bom, eu passo ai na sua casa em vinte minutos e não demora pra se arrumar em

K - Ta! To te esperando! 

[Ligacao off]

Desliguei e dei um grito tão alto que tenho certeza que os vizinhos escutaram. Eu estava tão feliz e euforica que comecei a fazer uma dancinha no meio do quarto de Stiles

YES!! Eu consegui! Isso seria como um encontro não é? 

Borboletas começaram a voar descompassadamente em meu estômago. Parecia que eu estava no topo de uma montanha russa prestes a cair.

Corri para meu quarto ainda dançando e me arrumei, pra minha sorte tinha acabado de tomar banho, então apenas fiz minha maquiagem, nem tão basica assim, mas não muito exagerada. Sequei meu cabelo que ainda estava molhado e... A roupa.

Com que roupa eu iria? Não conseguia me decidir e faltavam apenas dez minutos para o Min chegar!

Peguei novamente meu celular e abri na pagina do meu blog.

Eu tinha um blog em que postava todos os meus looks. Então havia fotos de todas as minha roupas ali. O que me ajudava bastante na hora de escolher.

Achei a perfeita.

Uma jardineira jeans, uma blusa branca com pequenas margaridas e um coturno bege com detalhes brilhantes. Coloquei a roupa e enquanto me olhava no espelho a campainha tocou.

K - Ahh ele chegou!! - me assustei com o som da campainha. Meu coração acelerou e eu comecei a ficar vermelha.

Me olhei no espelho e comecei a conversar comigo mesma.

K - Calma garota! E só um sorvete isso não é um encontro! Não precisa ficar assim vai dar tudo certo...

Din Dong Ding Dong Ding Dong 

Peguei minha bolsa em cima da cama e sai correndo escada a baixo.

Antes de abrir a porta respirei fundo e passei a mãe no meu cabelo.

Abri a porta e lá estava ele me olhando com aquela cara.

S- Eu disse para não demorar 

K - Mas eu nem demorei tanto eu só estava procurando minha bolsa - Menti 

S - Sei... E então onde quer ir primeiro? 

K - Não sei, nós não iamos na sorveteria? 

S - Sim, mas eu pensei que poderiamos ir a outros lugares também

K - hamm... tudo bem...

Continuamos caminhando pela rua em completo silencio. 

K - Yoongi você está estranho. Desde o dia que nos encontramos. 

S - Estranho como? 

K - Não sei você costumava a ser mais... humm como posso dizer... Seco, grosso, ignorante e essas coisas

Ele riu, e aquele sorriso me quebrou ao meio.

S - Bom não estava em meus planos dizer isso a você mas... você fez falta chatinha. - Bagunçou meus cabelos - sabe esses dois anos sem você foram bem tediosos

Senti minhas bochechas começarem a esquentar. Pela primeira vez em anos ele está falando que realmente se importa comigo.

S - Mas você também está estranha hoje 

K - Eu? Eu não estou estranha! 

S - Claro que está, você acabou de me chamar de Yoongi - o branquelo levantou uma sombrancelha sinico

K - Ora!  Isso é porque você sempre me diz pra te chamar assim

S - Então quer dizer que você segue minhas ordens?

Eu abri minha boca pra tentar responder mas o que eu ia responder? Min começou a rir quando percebeu que eu não tinha mais argumentos.

Continuamos andando assim pela calçada até que vi um parquinho! 

K -Min! Um parquinho! E como aquele onde nos conhecemos! 

Atravesei a rua correndo e fui até o balanço vermelho

S - Vai mesmo pagar esse micão e ficar brincando no parquinho? - disse parado em minha frente com as mãos na cintura.

K - Não seja chato você adorava balanços! Senta ai! 

Apontei para o balnço azul ao meu lado.

Min revirou os olhos e começou a balançar.

S - Quanto tempo faz que nos conhecemos?

K - Não sei acho que uns treze anos? 

S - O tempo passa rápido ne? Quem diria que um dia estariamos brincando juntos na balança novamente. Ainda mais depois de você ter ido embora

K - Eu disse que nunca te abandonaria.

S - Quando você voltou para os Estados Unidos achei que nunca mais te veria. Você demorou tanto pra voltar.  Quando voltou nem me avisou

K - Bom mas quando nos encontramos você não me reconheceu! 

S - Claro que sim eu até te levei pra faculdade depois! 

K - Nós encontramos um dia no Starbucks, todos os meninos estavam lá. Foi o dia em que eu conheci a Mari

S - Era você! Eu sabia que aquela garota me era familiar mas como você não disse nada fiquei com vergonha de perguntar.

Ficamos um tempo em silêncio.

Acho que os dois estavam perdidos em pensamentos nostalgicos quando tive um otima ideia.

K - Min! Lembra quando competiamos pra ver quem pulava mais longe do balanço! 

Ele deu um pequeno sorriso 

S - Certo no três! 1..... 2..... 3!

Pulamos juntos caindo no chão a mesma distancia.

Começamos a rir.

K - Acho que empatou - disse entre os risos.

S - Não eu ganhei! Olha só - Ele estava aapenas meio centimetro mais pra frente do que eu. Mas eu decidi nao discutir e deixar ele aproveitar a  vitoria

K - Certo certo. Vamos tomar sorvete agora? 

S -Vamos

Nos levantamos e como o chão do parquinho era de areia nos sujamos por inteiro.

A roupa deu pra limpar mas nossas mãos...

S- Vamos lavar as mãos naquele barzinho ali. - ele apontou para um bar do outro lado da rua.

K - Tá...

O bar era mais velho que a minha vó. E estava prativamente caindo aos pedaços.

Fiquei com um pouco de medo de entrar lá. Mas fazer o que. Eu só ia lavar as mãos mesmo.

Entrei no bar onde só tinha homens bebados rindo alto e falando uma besteira atrás da outra.

Entrei no banheiro feminino que era apenas uma cabine com uma privada sem tampa. Estava 

Nem papel não tinha ali quanto mais uma pia.

Como eu sou uma pessoa de muita sorte, só havia pias no banheiro masculino.

K - Que tipo de banheiro não tem pia!?

S - Eu acjo que alguem vai ter que comer com as maos sujas - disse zombando da minha cara 

K - ha ha ha muito engracado senhor acucar agora anda me ajuda a entrar ai.

S - o que? Voce vai entrar aqui jo banheiro masculino?

K - vou! 

Quando estava caminhando em direção a porta do banheiro Min para em minha frente.

S- Vo e nao pode entrar aqui! 

K - Por que nao!? E a mesma coisa do banheiro feminino

S - Sim mas a diferenca e que as mulheres nao tem uma coisa no meio da perna.

K - Não a nada ai que eu já não tenha visto! - comecei a rir internamente. A cara dele foi demais, Min ficou vermelho igual um tomate.

 Passei por seu corpo e entrei.

Se arrependimento matasse provavelmente hoje seria meu enterro.


Notas Finais


Hum porque será que a Kim se arrependeu??
E essa Madu manipuladora em so deus na causa kkkk
E quem sera as pessoas e os acontecimentos que a Madu comentou?

Hummm misterioooo kkkkkkkkkk
Calma pessoas logo tudo será revelado

Kkkkk um beijaaaaooo pras minhas lindjas gemeas do kpop e criadora dessas duas personagens maravilindas 💕😘😘

Então e isso pessoinha mais lindas de my heart! Espero que tenham gostado, ignorem os errinhos ridículos de portugues que eu sei que mesmo eu corrigindo sempre sobra algum kkkk
Um beijo com cheiro de cafe pra vcs seus lindjos

É NÓIS ✌


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...