História O amor possuí limites? - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), K.A.R.D
Personagens B.M, J.Seph, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jiwoo, Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Somin
Tags Hot, Imagine, Suga, Yoongi
Visualizações 12
Palavras 2.334
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E A W ??
Como sempre...
Desculpe os erros, espero que gostem.
Eu não estou acreditando no que fiz ksksks tem mais uma erro, uma coisa que tive que muda DESCULPAAAAA tipo s/n e Jimin se conhecem desde os 6 anos e não 4. Só isso mesmo.
Bejus 👾💓

Capítulo 5 - Sobre isso, conhecido como amor.


Fanfic / Fanfiction O amor possuí limites? - Capítulo 5 - Sobre isso, conhecido como amor.

MIN YOONGI ON

Sexta 01:43

Saio do banheiro rindo, determinado a ir embora.

A poucos minutos quase falei a Jimin que estava apaixonado por s/n. Onde já se viu isso? Vê se eu sou cara de me apaixonar? Posso até me apaixonar pelo corpo de uma, pelo beijo de outra, mais me apaixonar pela pessoa em si, não, não e não. Por quê não? Pois a partir de paixão corro o risco do amor, e amor é uma palavra que entrou cedo no meu vocabulário, mas que saiu muito cedo também. E quem me dera que ele fosse como deu atender pelo meu pensamento, apenas uma palavra. Não seria tudo muito mais fácil? Claro que seria. Mas não é, o amor não é nada fácil, não é nem um pouco simples. Muitas vezes amamos que não queriamos, muitas vezes o amor é maior do que deveria ser, ou até mesmo se faz ausente quando não deveria. Já pensou se fosse apenas uma palavra que pudesse ser escrita em um papel? Onde poderiamos aumentar ou diminuir a letra para controlar sua intensidade, onde escolheriamos a quem direciona-lo, decidiriamos se era melhor escreve-lo por linha retas ou tortas. Onde poderiamos apaga-lo com uma simples borracha, sem deixar marcas, diferente do verdadeiro amor, que em mim, deixou muitas marcas, dolorosas cicatrizes.

...

Vejo s/n conversando e bebendo com um cara. Mudo minha direção e ao invés de ir até a saida vou até eles. Por quê? Já disse que ela irritada é engraçado? Acho que sim.

Chego lá e comprimento o cara com um toque de mãos. 

- eaw cara? Como vai? - ela já me fuzilou com olhos me fazendo sorrir.

- tudo bem. Prazer Namjoon!

- Min Yoongi. 

Embarco em uma conversa animada com ele o fazendo esquecer completamente da existência de s/n. Vejo ela ir até o bar irritada e me despeço dele a seguindo. 

Ela se senta e pede algo ao barman. Me sento ao seu lado recebendo um olhar irritado. Até um garoto parar atrás dela e tapar seu olhos com as mãos.

- adivinha quem é? - ele falou com a língua enrolada provavelmente por conta da bebida. 

- Aaaa não Jin!! Bêbado de novo? - ela diz se virando. 

-quer carona meu anjo? - ele pede botando a mão no queixo dela. 

- carona? Tá doido Seokjin? Você vai voltar de táxi. 

Seokjin ?? Meu Deus deve ser só coincidência, eu espero, que seja só coincidência.

S/N ON

3:04 

Olho para o lado e vejo vários copos de bebida, de shots. Direciono meu olhar a Suga.

- são meus? - pergunto não contendo um sorriso. 

- são sim, e agora já deu, vem! te levo pra casa.- fala levemente irritado.

- quer dançar? - não presto atenção no que ele disse, a musica é muito boa e minha vontade de rir cresce a cada segundo.

 Ele fala mais alguma coisa mais eu já havia me levantado indo em direção a pista de dança. Minha visão está turva, embaçada. As coisas parecem girar um pouco. Uma vontade enorme de rir se instala em meu peito. 

Continuo caminhando tentando focar minha visão. Acabo batendo de frente com alguém, caindo sobre o corpo do mesmo. Começo a sorrir, olho pra ele, é muito lindo. O beijo não sei porquê, deu vontade. Sinto alguém puxar meu braço me levantando irritado, era alguém de cabelos verde menta.

MIN YOONGI ON

Sábado- 6:15

Acordo com o toque de um celular quase me ensurdeçendo. Abro os olhos lentamente sentindo um pouco de dor na cabeça. Me encontro apenas de cueca box deitado ao lado de s/n. Sorrio ao me ver nessa situação, então volto a realidade percebendo que o celular que toca é o de s/n. 

Tento acorda-la mais ela apenas resmunga algo. Atendo seu celular.

??- s/n cadê tu criatura? Você quer ser demitida??

Percebo que devia ser sua colega de trabalho. Tento pensar em algo, no estado que ela se encontra, com uma ressaca enorme, não conseguirá trabalhar.

- olá aqui é Min Yoongi. Ela pegou uma virose, tá vomitando, não vai conseguir comparecer hoje.

- sei. Virose. Ta vomitando por causa de bebida isso sim. - ela fala soltando uma risada e desliga. 

Deixo seu celular sobre a cabeceira e a vejo com o cenho franzido e as mãos na cabeça, a massageando. 

- tá doendo- ela sussura. 

- Sério? Por que será? - falo totalmente irônico. 

Ela apenas vira de lado sem responder nada. 

- Tu trabalha em sábados? - pergunto me deitando novamente. 

- Fudeu!! - ela responde se sentando na cama de supetão com uma feição de mistura de dor e preocupação. - Os dois que trabalham no turno de sábado de manhã estão em um curso. Eu tinha que ir hoje, no local de um deles.

- eu falei que você tava com uma virose. Tudo bem. 

- não não e não. Ta tudo péssimo.- ela se deita novamente.- que se foda, e não me pergunte mais nada, só faz minha dor de cabeça aumentar. 

Fico um bom tempo ali deitado assim como ela, acho que ela durmiu novamente. Percebo que não ao ver ela se sentar na cama e olhar pra mim pedindo

- Por que você ainda ta aqui? - só agora ela olha pra mim e percorre o olhar por cada canto de meu corpo ao ver que eu estou apenas de cueca, ela olha rápido pra si mesma e solta um suspiro com um sussuro.

- Minhas calças estão em meu corpo, obrigado Deus.

Solto uma risada com seu comentário.

- porque você está só de cueca, e cadê a minha camisa?

- é pra conta a história desde o início?

- aí meu Deus! - ela fala assustada me fazendo rir. - nós não transamos né?

- nunca! Não viaja garota.

- eita não sabia que eu era tão ruim assim- falou parecendo meio magoada.

- não é isso. Só quiz dizer que eu nunca faria nada com você no estado que estava.

- falando nisso qual era o meu estado? Última coisa que lembro é de ter caido sobre um cara e o beijado. - fala parecendo envergonhada.

Respirei fundo e começei a resumir, o reesto da noite que ela não lembra porquê estava bêbada.

- depois que te tirei do cima do cara você começou a dançar de uma forma bem estranha, e começou a arrancar os copos de bebida da mão das pessoas. Depois que eu consegui te alcançar por que você não parava quieta, te arrastei pra fora. Enquanto penasava em um jeito de te levar pra casa em minha moto até por que você não parava quieta um segundo, tu tirou a tua camisa, ou melhor, cropped, o enrolou e segurou na cabeça e fica pulando por aí enquanto gritava. " sou um unicórnio negro" repetidas vezes. - começei a rir ao lembrar da cena vendo ela ficar envergonhada - ai veio até mim e ficou falando " vem voa comigo". Te arrastei ate minha moto e te sentei na minha minha frente ta "prendendo" entre meus braços. Deu nem dois segundos tu pego no sono. Ai foi tranquilo vim até aqui. 

- Caramba, obrigado se não fosse você sabesse lá aonde eu tava agora. - quando ela fala apenas sorrio - mais isso não explica o senhor estar apenas de cueca - ela disse debochada. 

- a camisa eu costumo tirar pra dormi, e minha calça... Digamos que tu deu uma leve babada nela. - começei a rir ao lembrar daquilo.

- Como assim? 

- na moto, tu durmiu, e acabou babando. 

Ficamos um bom tempo nos encarando. Não sei qual o problema, mais é como se eu fosse um ímã e ela o metal. Quando estou perto dela parece ter algo me puxando para mais perto ainda. Um desejo, uma paixão. Por impulso me deito sobre ela, a fazendo se assustar com meu ato, sussuro sem deixar de encara-lá

- não posso voar como você pediu ontem a noite, a não ser que seja, no céu da sua boca. - não sei da onde tirei isso mas ela sorrio, um sorriso lindo e me beijou.

Dessa vez foi um beijo calmo, mas cheio de luxúria onde é possível sentir um mínimo gosto de bebida de sua boca.  Derrepente ela me empurra pro lado, me derrubando da cama, fazendo nossas bocas se afastarrem. Percebo que a porta foi aberta provavelmente por sua mãe. Não presto atenção na conversa. Apenas fico ali estirado no chão a porta se fecha e me surpreendo ao perceber s/n se sentando em meu colo, me puxando para um novo beijo. 

Minha língua explora cada pedacinho de sua boca enquanto minhas mãos percorrem pelo seu corpo. Ela começa a rebolar no meu colo, fazendo com que eu solte um suspiro involuntário. Ela sorri entre o beijo, quando deposito um tapa em sua bunda. 

Espera. Eu não posso fazer isso. Não é que eu não queira, não é que eu não sinta nada por ela. Mas é aí que mora o problema. Eu a quero demais, talvez eu esteja sentindo algo a mais por ela. Mesmo nos conhecendo a pouquíssimo tempo, talvez desde a primeira vez que a vi, correndo de vestido, descalça, e com muito frio, talvez desde aquele instante, ela tenha feito brotar em meu peito uma coisa que havia cido arrancada de lá a muito tempo,

O amor. 

S/N ON 

qual o problema com esse garoto? Ele apenas sei de baixo de mim pega suas roupas e sai do quarto sem nem me olhar. Concerteza logo após fechar a porta começou a rir da minha cara. Ele quer jogar? Me provocar? Então veremos. 

E não, não vou jogar com ele, não tenho paciência pra isso, nem tempo. Se ele quer jogar, que fique sabendo que eu não vou descer pro play. 

7:17

Estou a quase uma hora me revirando na cama, vomitei duas vezes, minha dor de cabeça parece só piorar e dormir se tornou impossível. E o pior, adivinha? 

Aquele desgraçado, não sai da minha cabeça.

Resolvo sair um pouco de casa. Me agasalho bem e pego minha câmera, indo em direção a praça perto do dreams coffee's. 

Chegando lá vou em direção a fonte, que antes era só a fonte da praça e agora é a fonte em que Yoongi me jogou, ele literalmente está ocupando demais minha mente. 

Vejo Jin sentado em um banco, com o olhar vazio, parecendo triste. Parece o dia que o conheci, eu estava dando um volta e o vi chorrando nesse mesmo banco. 

Percebo que ele não está bem e resolvo ir até ele, me sentando ao seu lado.

- Oi Jin. Tudo bem? 

- não- ele fala seco sem olhar pra mim. 

- quer falar o que aconteceu? - tento parecer o mais compreensiva possível. 

- Eu ainda mato aquele desgraçado!! - ele começa a frase gritando mais acaba baixando a voz por conta do choro.

Eu o abraço sentindo suas lágrimas molharem minha camisa. Quando ele se acalma e se afasta de mim, seco as lágrimas de seu rosto com meu polegar e comento sorrindo.

- parece o dia que te conheci. Te encontrei aqui, chorando, acabamos conversando e se tornando amigos não é?

- é sim. E você lembra que dia era? Ou qual o motivo de meu choro? - ele pergunta meio irritado. 

- desculpa - peço baixando o olhar.- se não me ingano era o mesmo dia de hoje não? 

- é. E agora como a dois anos a trás choro pelo mesmo motivo, por o dia de seu aniversário, ter se tornado, o dia de sua morte.

- quer conversar sobre isso? - é melhor ele colocar tudo pra fora, sei que é.

A dois anos atrás nesse mesmo dia ele me contou que iria para o Japão, onde morava sua irmã, pra comemorar o aniversário dela, ele acabou perdendo o vôo e diz que quando seus telefonemas persistentes pra ela finalmente foram atendidos, ele recebeu a notícia de que ela havia sido morta, pelo próprio namorado. Que a espancou, e por perda excessiva de sangue ela veio a falecer. 

- eles chegaram a pegar o cara? O namorado dela? 

- chegaram, na verdade ele se entregou. Me falaram que ele ficou meio paranóico, tentou pular de uma ponte, e ficou só chorando. Ele a amava, fez aquilo sem querer, estava descontrolado - falou a ultima parte com a voz carregada com irônia. - ha imagina só " sem querer" - falou rindo entre as lágrimas.

- ele foi preso? 

- o desgraçado saiu ileso, apenas foi para um hospício por um ano e meio, disturbio mental, vê se pode. - fala bem irritado. - mais eu ainda pego o desgraçado. - fala soltando uma risada que me assusta um pouco.

JIMIN ON 

Casa do Jimin e Kook

Desligo o telefone e Solto um suspiro me afundando na cadeira confortável do meu escritório. Vejo Kookie abrir a porta lentamente entrando no aposento me fazendo sorrir, ele se senta em meu colo de frente pra mim enlaçando suas pernas em minha cintura. Dá um gole no seu Toddynho e pede sorrindo.

- Quer ? 

- não, obrigado.- respondo sorrindo.

- quem era no telefone? - ele pede depositando a mão na minha nuca.

- meu pai- solto um suspiro - acho que nunca vou ser o suficiente pra ele, dar o orgulho necessário. Ainda me lembro como se fosse hoje de todas as vezes, que na infância, na adolescência, o que eu mais queria era um pai, eu tinha óbvio, mais ele nunca, nunca foi um pai presente. Nunca acreditou no meu potencial, nem mesmo quando fui com ele pro Japão pra fazer advocacia. Sabe o que ele falou quando me " entregou meu primeiro caso" ? 

Ele apenas acena que não com a cabeça. 

- " quero só ver no que vai dar isso, um idiota como meu filho, tendo que defender um assasino. " - citei suas palavras com todo odio possível. E no final depositei um selar nos lábios do Gukkie. 

 - e quem foi esse seu " primeiro paciente" ?

Ia responder quando vejo a porta do escritório ser aberta por Suga.

- acho melhor pararmos por aqui- sussuro no ouvido de kook. 



Notas Finais


Desculpa, fico uma porcaria, como o passado, mais sla na minha cabeça parece melhor mais quando coloco " no papel" não fica tão legal 😞
Tem algumas coisas confusas, mais esse era o objetivo, deixar as coisas confusas para depois explicalas 😉
Obrigado 💓❤ bejus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...