História O Amor Vence Tudo - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias As Crônicas de Nárnia
Personagens Aslan, Caspian X, Edmundo Pevensie, Eustáquio Mísero, Jadis (Feiticeira Branca), Jill Pole, Lúcia Pevensie, Pedro Pevensie, Polly Plummer, Professor Kirke, Susana Pevensie, Tash
Tags Edlu, Edmund Pevensie, Edmundo Pevensie, Lucia Pevensie, Nárnia, Pedro Pevensie, Susana Pevensie
Visualizações 36
Palavras 5.569
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noite lindos!!!
Vamos para mais um capítulo? Gente, tá bafo hoje! Kkk
Ah, tem surpresinha pra vocês rs ♡

Capítulo 30 - Watch out!


Fanfic / Fanfiction O Amor Vence Tudo - Capítulo 30 - Watch out!

Alguns meses se passaram, todos viviam alegres. Os pesadelos cessaram, o que estranhou cada um já que não tiveram respostas sobre o significado deles.

Edmundo estava preocupado com o primo, Guilherme, ele se mudou para Estados Unidos com Júlia e ultimamente não mandava cartas como de primeira. Ele temia estar longe dele, não sabia se Tash, Numus e sua turma apareceriam pra destruir mais suas vidas, fora que ele não ia muito com a cara da esposa dele. Lúcia até o repreenda por isso no começo, mas um dia percebeu a mesma coisa que o marido.

Nos últimos dias, Lúcia estava se sentindo um pouco enjoada, corpo dolorido. Ela não disse nada pra Edmundo pois suspeitava de algo que a deixou feliz, mas queria ter certeza. Ela estava sentindo os mesmos sintomas da gravidez de Anna, até mesmo sua regra estava atrasada. Ela marcou com Susana de irem ao médico final de semana, a irmã ficou feliz pela suspeita de Lúcia e torcia pra ser verdade!

Em seu trabalho, Edmundo suspeitava ainda mais de Jessyca. Ela era muito queta e ao mesmo tempo sorria pra ele de forma maliciosa. Quando levava alguma coisa pra ele, tocava em sua mão e demorava um bom tempo, fora o jeito que ela falava com ele. Edmundo ainda não contou sobre ela pra Lúcia e temia que isso fosse um problema, decidiu então contar pra esposa assim que chegasse em casa. Ele sabia que não podia deixar brechas , só que ele não contava com uma visita da esposa naquele dia em seu trabalho. O pior é que Lúcia apareceu na sala dele justo na hora que ele e a secretaria estavam sozinhos, organizando algumas papeladas.

- Lu! Que surpresa boa! – Edmundo sorriu ao ver a esposa mas sentiu o corpo gelar pelo momento inconveniente.

- Amor! – Lúcia disse com sua voz doce e olhou curiosa pra Jessyca. Até onde ela sabia a secretaria de Edmundo era uma mulher que estava na casa dos 50 por aí e não uma bela mulher jovem.

- Tudo bem? – ele se levantou sorrindo e a beijou.

- Está sim! Você? – ela aliviou um pouco sua expressão.

- Melhor agora! – Edmundo sorriu dando um selinho nela. Ele torcia pra nada de paranoico estar pairando na mente de Lúcia.

- Com licença Edmundo. – Jessyca os interrompeu com uma voz doce e um sorriso direcionado ao rapaz. Lúcia percebeu e não gostou – Vamos terminar esses papéis agora ou mais tarde?

- Pode deixar tudo aí, Jessyca! Ainda temos tempo o suficiente, podermos terminar uma outra hora. – Edmundo disse firme, abraçado a Lúcia e mal olhava pra Jessyca, o que a deixou nervosa.

Lúcia até ia dizer que iria embora para não atrapalhar o marido, mas preferiu continuar ali. Jessyca apenas sorriu e se retirou, estava num ódio só pelo fato de Lúcia ter chegado ali naquele momento.

- Então, a que devo a honra da visita? – Edmundo se virou pra ela a abraçando pela cintura e lhe dando um beijo.

- Quis te ver! Aproveitei que estava passando aqui perto e resolvi fazer uma surpresa! – Lúcia disse sorrindo mas também sua voz transmitia uma certa repreensão – O que houve com a outra secretária? – ela por fim perguntou. Edmundo respirou fundo já esperando pela pergunta.

- Claudia teve que ir embora para outro estado, problema de família. Então contrataram Jessyca para ser minha nova secretária – respondeu Edmundo tranquilamente – Desculpa não ter te contado...

- Tá... – ela sorriu de lado – Tem muito tempo isso? Gostava muito de Claudia!

- Alguns meses já. – Edmundo manteve um tom firme, percebendo um certo ciúmes em Lúcia e uma insegurança.

- Ah tá... – foi só o que ela respondeu, com desdém.

- Bem... mas vem cá! Amei você vim me visitar! – Edmundo disse sedutor e com voz grave, beijando o pescoço dela e apertando-a mais em seu abraço – Isso me deixou doido... – ele já respirava ofegante e Lúcia também, dando alguns gemidos – Está com pressa? – ele olhou nos olhos dela e deu um sorriso safado, passando suas mãos por todo o corpo dela, voltando a beijar seu pescoço. Isso já o deixou excitado.

- Sim... – Lúcia se afastou e o deixou confuso – marquei com Susana pra sairmos daqui a pouco.

- Ah amor, não vamos demorar muito! Só pra namorarmos um pouco, vai ... – Edmundo estranhou Lúcia não querer ficar. Nas outras vezes que ela o visitou em seu trabalho não resistia ao pedido dele logo de primeira, não importando o que ela tinha pra fazer. Ele continuava sedutor, a beijando.

- Edmundo! Não! – Lúcia falou firme e um pouco seca, o que fez Edmundo parar e olhar pra ela – Tenho que ir pois Susana não gosta de esperar muito! – ela se ajeitava.

- Mas Lu, eu sou seu marido! – ele disse manhoso mas já tinha medo de que Lúcia estivesse com raiva dele. – Por favor, só um pouquinho ... – ele voltou a beija-la já a levando em direção a mesa.

- Seu bobo! – Lúcia riu e cedeu, o fazendo rir também. Ela foi colocada na mesa por Edmundo e ele começou a sungar e morder seu pescoço, massageando e apertando suas coxas. Ela gemia baixinho. As mãos que estavam desengranhando os cabelos negros dele, desceram pra desabotuar sua camisa. Ela parou o empurrando um pouco – Ed, os papéis na mesa! – ela o repreendeu rindo.

- Deixa pra lá! – ele disse de olhos fechados e ofegante voltando a beija-la. Lúcia riu e voltou a desabotuar a camisa dele. Mas uma batida na porta os interrompeu.

- Senhor Edmundo! – era Jessyca para azar de Edmundo e raiva de Lúcia.

Lúcia começou a beijar o pescoço de Edmundo, passando suas mãos pelo seu peitoral e apertando as pernas ao redor dele. Edmundo ficou louco e gemeu.

- Estou... ocupado agora... ahhh – ele gemeu baixinho, controlando pra conseguir falar. Lúcia ria.

- É importante! – Jessyca insistia já sabendo com o que ele estava ocupado.

Lúcia suspirou cansada e empurrou Edmundo, descendo da mesa e se arrumando. Ele a olhou confuso mas não disse nada, se ajeitou também e foi abrir a porta pra Jessyca.

- Sim Jessyca! – ele falou meio sem jeito, ainda ofegante.

- Estão chamando o senhor na sala dos advogados. Parece que querem te dar um novo caso! – Jessyca olhou pra ele e pra Lúcia que já estava normal, a não ser pelas marcas vermelhas no pescoço e os cabelos um pouco desarrumados. Já Edmundo tinha uma ereção perceptível na calça. Ela sorriu pra ele na última frase.

- Obrigado! Já estou indo! Só me dá um minuto? – ele disse.

- Claro! – ela sorriu olhando no fundo dos olhos dele. Aquilo deixava Lúcia furiosa.

- Edmundo, eu já estou indo! – Lúcia disse friamente e pegou sua bolsa, já saindo da sala – Boa reunião amor! – ela sorriu e lhe deu um beijo rápido.

- Obrigado e se cuida! – ele sorriu acariciando o rosto dela, triste por não ter aproveitado aquele momento com ela.

Lúcia saiu da sala e apenas sorriu pra Jessyca, a secretária sorriu de forma debochada, o que fez Lúcia fechar a cara e sair logo dali. Ela não queria deixar Edmundo, queria ficar com ele ali, namorando, grudadinha com ele. Enquanto descia para ir embora, sentia seu coração apertar e um frio passar por sua espinha, queria voltar, temia por Edmundo junto daquela mulher, mas se lembrou que ele teria um compromisso, não podia atrapalhar o trabalho do marido, não era como em Nárnia onde Edmundo era o juiz e podia sair quando quisesse. Ela respirou fundo e saiu, confiava no marido, e aquilo podia ser coisa da cabeça dela. Colocou uma expressão melhor no rosto e foi embora, dali algumas horas saberia se traria mais uma princesa ou príncipe ao mundo. Isso alegrou seu coração! Ela e Edmundo amavam crianças e já até falaram de terem mais filhos.

Mansão Tashbaan...

Um servo levou um banquete para a cela onde estava Vera. Apesar de ser prisioneira, ela era tratada bem algumas vezes, a comida era sempre as melhores. A mansão era frequentada por pessoas vivas e ficava numa parte distante de Fichiley.

Mesmo com todo aquele banquete farto, Vera não se sentia bem, apenas comia pelo seu filho pois acreditava que veria ele novamente e cuidaria dele. A ruiva sorria toda vez que a imagem de Miguel vinha em sua mente, o sorriso, o chorinho, ele é seu melhor presente.

- Meu amorzinho está pensando em que? – a voz de Kevin a tirou de seus pensamentos, assustando-a.

- Isso não é da sua conta! – Vera o fuzilou com ódio.

- Oh amorzinho! Não precisa ficar nervosinha! – Kevin riu debochando dela – Estava com tantas saudades suas... – ele se aproximou sentando-se ao seu lado – Como está? – ele tentou tocar o rosto dela mas ela virou a cara. Ele sorriu e abaixou a mão. – Ficar assim não vai melhorar as coisas pra você, meu bem! – Vera apenas olhou pra ele com ódio e voltou a olhar o chão. Já tinha perdido a fome – Sabe, você me lembra minha ex esposa, ela era assim, teimosa, vivia de cara feia quando sabia que eu fiz uma coisa errada – ele riu – ela fazia de tudo para pôr uma ideia sensata em minha mente! Ele sabia dos meus podres mas nunca me abandonou, apenas não concordava e me aconselhava. – Ele olhou para o chão.

Vera ficou confusa, pra ela Kevin nunca foi casado. Ela soube sobre isso com algumas amigas da faculdade. Ela permaneceu de cabeça baixa e resolveu perguntar a ele sobre isso, talvez ela tirasse algo de importante.

- Nunca me disse que era casado... – ela falou num tom calmo.

- Ah, resolveu falar! – Kevin riu o que fez Vera respirar fundo e se acalmar – Isso é passado! Não vale a pena mais falar, ela já está morta hoje e provavelmente meu filho também! – ele dizia olhando para a parede, com um olhar magoado.

- Filho? – a ruiva já estava assustada. Não podia ser verdade o que Kevin falava!

- Sim, eu era casado e tinha um filho, satisfeita? – ele respondeu num tom sarcástico, Vera apenas olhou pra ele com desdém e voltou a olhar para o chão – Não gosto de falar sobre isso e não devia satisfações pra você! – ele falava calmamente.

- O que houve com eles? – Vera arriscou em perguntar depois de um tempo em silêncio. Kevin respirou estressado.

- Olha, volta a comer sua comida! – ele se levantou, parou perto da porta, respirou fundo, olhou pra Vera que o encarava, abaixou a cabeça e a balançou, decidiu ir embora.

Vera ficou confusa com aquilo tudo. Se perguntava se ele dizia a verdade, mas suas expressões não eram de quem mentia. Sendo que, até onde ela sabia, Kevin era solteiro, tudo bem que a vida dele era bem reservada, talvez ele ocultava o fato da esposa e filho estarem mortos. Vera sentiu uma pena dele, em sua mente veio a ideia de que sua família tenha sido morta por Tash e ele sendo obrigado a servir a criatura.

Ela tentou parar de pensar nisso e foi terminar seu almoço, apesar de não estar com muita fome. Mas mal tocou na comida, tinha sido interrompida por Kevin e sua revelação bombástica. Enquanto comia, pensava naquilo tudo, era estranho, algo não encaixava naquela história, aliás, nada se encaixava naquele lugar.

Ainda na mansão, Luiz estava junto com Jadis numa sala, observando a bruxa com Pablo, seu filho.

- Meu amor, você será um lindo príncipe, respeitado por todos! – ela dizia sorrindo.

- Mais temido do que Tash? – Pablo perguntou ambicioso.

- Muito mais! – Jadis riu – Será o orgulho da mamãe e do papai! – a bruxa já habitava um corpo.

- Eu odeio o papai! – o menino disse com todo ódio, o que fez Luiz se assustar.

- Por que querido? – Jadis perguntou calmamente e sorrindo.

- Ele não vem me ver um dia e quando é ele quem busca a filhinha dele na escola, ele nem olha pra minha cara! Sorri ao ver aquela estúpida! – Pablo tinha um olhar raivoso, o que deixou Luiz com pena por ver uma criança alimentar toda aquela amargura por causa de interesses de terceiros.

- Filho, já te expliquei que papai ainda não te conhece! – Jadis o abraçou – Ele acha que só tem aquela filha, mas quando ele te conhecer vai te amar muito! – ela sorriu segurando o queixo dele – Que tal você começar a se aproximar de Anna? Assim terá mais contato com papai .

- Ela é insuportável mas farei isso! – Pablo sorriu. Luiz ficou abismado com o que ouvia, precisava saber até onde iria aquele plano.

- Muito bem meu príncipe! – Jadis sorriu – Agora vai brincar! Preciso resolver alguns assuntos... – Ela sorriu e deu um beijo na testa dele. Pablo então se retirou da sala. – Aquele reizinho vai ter a família uma surpresa muito grande! – ela sorriu. Ela se assustou ao ver Kevin entrar como um furacão na sala – Mas o que é isso?!

- Aquela idiota! – ele estava furioso e gritava – Ela conseguiu tocar no meu ponto fraco!

- Ah! – Jadis riu e olhou pra Luiz – Luiz, por favor, pode se retirar! – o rapaz a olhou confuso mas saiu dali. Ele se interessou em saber o que Kevin falaria. Há uns anos atrás, ele trouxera uma linda mulher para ali e a manteve em cativeiro. Ele ficou perto da porta ouvindo o que os dois diziam – O que ela fez dessa vez? – Jadis perguntou.

- Ela me fez falar sobre minha esposa e meu filho! – Kevin respondeu com raiva, chutando uma cadeira.

- E isso te deixou com raiva? – Jadis riu.

- Você sabe muito bem que não quero revelar nada a ela agora! Ela ainda está viva e pode resistir a mim e não se entregar por completo a Tash se DESCOBRIR QUEM EU SOU! – Kevin estava transtornado.

- Não ouse gritar comigo! – Jadis lhe deu uma bofetada – Não tenho culpa se você não sabe fazer as coisas corretamente! – seu tom de voz era tranquilo.

- E quem é você pra me dizer isso? – Kevin riu deixando Jadis com raiva – Não matou Edmundo enquanto teve chances, o deixando vivo pra junto de Lúcia trazer aquela criança ao mundo! Fora que ele sempre derrotou você! – ele o desafiava.

- Vai me desafiar agora, querido rei? – Jadis apenas riu – Sabe, só mesmo no corpo de outra pessoa para alguém se interessar por você! – ela se aproximou um pouco dele – Pedro, tendo metade de sua idade, derrotou você, seu sobrinho, sendo estúpido como era lhe deu a maior lição de moral! Aquelas crianças e um bando de animais falantes conseguiram te vencer, sendo que seu exército era mais forte e o dobro do deles! – Jadis o olhava no fundo dos olhos – Tem raiva de Pedro por isso e por ele ter conseguido construir uma família, ter sido um rei melhor que você quando era apenas uma criança! Tenho pena de você! – ela deu um sorriso falso.

- Diga o que quiser, Jadis! Sei muito bem que falhei como um rei, mas não era um feiticeiro e nem tinha poderes! Era um ser humano normal que estava propenso a derrota e morte, agora você – Kevin apontou pra ela e riu, Jadis já estava em fúria – É uma bruxa! Podia muito bem ter exterminado todos, ter vencido aquela batalha e levado Edmundo com você! Mas seu poder não era tão forte quanto daquele leãozinho que você sempre teve medo, o qual derrotou você junto com aquelas crianças que eram inexperientes com batalhas ainda! – ele jogou tudo isso na cara dela rindo. Jadis o olhava com todo ódio mortal – Vem me dá lição de moral sendo que não tem uma! Tremeu de medo toda vez que Edmundo falava daquele Leão! Ele pode ter sido um completo idiota quando caiu na sua conversa, mas uma palavra dele já te fazia... – Kevin nem terminou de falar, sentiu um objeto pontudo e gelado entrar em seu coração. Olhou pra baixo e viu uma adaga, olhou pra Jadis que estava rindo.

- Já disse uma vez, ninguém ousa falar assim comigo! – ela puxou a adaga – Diga “adeus” Miraz, essa é sua última vez possuindo alguém! – ela começou a rir. O corpo de Kevin caiu no chão e sombras vieram para levar a alma de Miraz.

Luiz ficou horrorizado vendo aquilo tudo por uma greta da porta. Saiu correndo dali, tinha que descobrir quem era aquela moça e o que ela tinha com os reis e rainhas. Agora que Miraz foi levado para a prisão das almas, temia que Jadis matasse a menina. Ele entrou em sua sala e pensou num jeito de tira-la dali e leva-la pra longe, assim como fez com Sarah, mas precisava fazer com que Jadis não o visse e nem soubesse, quanto a Tash e outras pessoas dali ele sempre conseguia manipular. Começou a mexer em seus papéis e se lembrou de um feitiço que confundia a mente de bruxas. Não sabia se daria certo, mas era a única coisa ao seu alcance e tinha que agir rápido!

Pegou o pergaminho com o feitiço que tinha o feitiço, estava bem guardado. O abriu e começou a pronunciar as palavras. Eram cinco frases, o feitiço fazia com que a mente das bruxas e dos bruxos se desligasse e caísse num sono, onde sonhavam com o que mais desejava. Qualquer um podia pronuncia-lo e ele fazia efeito estando na maior distância possível, era só falar o nome da pessoa.

Jadis ainda estava na sala, ria olhando para o corpo de Kevin no chão. Se lembrou de Vera que estava cativa, ela poderia ser uma peça importante para seu plano. De repente Jadis sentiu uma sonolência, viu tudo rodar e escurecer. Desmaiou para sonhar com algo que jamais esqueceria.

Jadis estava em seu antigo castelo, todo revestido a gelo como era, mas tinha ouro ao redor também. Ela caminhava pela sala do trono e avistou um belo rapaz sentado lá. Era Edmundo, estava deslumbrante, vestia uma jaqueta azul marinho e calças preta, uma túnica branca com detalhes prateados nela. Usava uma linda coroa de prata com diamantes negros, sorria para ela. Jadis estava mais nova e deslumbrante também, vestia uma lindo vestido branco com um enorme decote, ele tinha um longo lenço por cima que caia pelos braços. Ela sorriu vendo seu belo rei ali.

- Meu amado rei! – ela fez sua reverência quando se aproximou do trono.

- Minha bela rainha! – Edmundo estendeu sua mão para ela. Jadis a pegou e sentou no colo dele – Está mais bela do que nunca! – ele disse sedutor e acariciou o rosto dela, a beijando e depois descendo a mão para sua pele branca a mostra devido ao decote, a levou um pouco para o lado e segurou um dos seus seios – Você me deixa louco! – ele disse com voz rouca e grave, já beijando o pescoço dela. Jadis gemeu e levou sua mão aos cabelos dele.

- E você também me deixa louca, meu rei! – ela disse ofegante no ouvido dele, o mordendo em seguida.

- Eu quero você! – ele disse sedento por ela, olhando no fundo de seus olhos – Agora! – ele a atacou com fúria, já tirando parte de seu vestido, mordendo seu ombro nu. Jadis gemia e fazia o mesmo com a roupa dele, tirando sua túnica com força e desabotuando rapidamente sua jaqueta, a tirando e jogando longe. Edmundo tirou todo seu vestido, a deixando só com a roupa íntima. Jadis, por sua vez, tirou a calça dele junto com a sunga, o deixando só com a blusa branca que ficava por baixo de sua jaqueta. Ela começou a bocanhar com vontade o membro dele, o fazendo gemer alto. Ele mexia nos cabelos dela e tinha os olhos fechados e a boca aberta sentindo o prazer. – Ahhhh isso! – ele gemia mais alto e não se segurou mais, se derramou na boca dela mesmo. Jadis lambeu a boca e olhou pra ele, sorriu maliciosa, o beijou com fúria.

- Gostou de sentir isso? – ela perguntou suavemente.

- Sim... – ele lambeu a boca também – Agora quero com você! – ele tirou a calcinha dela com força a fazendo subir no trono e ficar de joelhos em volta de seu corpo. Edmundo atacou a intimidade dela com a boca, ia com toda fúria a fazendo gemer alto. Não demorou muito ela gozou na boca dele. Ele se deliciou com aquilo e sem mais demora a puxou para se encaixar nele, com toda força que fizeram os dois soltarem um grito alto – Aaahhhh – Edmundo tirou o sutiã dela e se deliciou com seus seios enquanto ela fazia os movimentos loucos de vai e vem. Ela também tirou a blusa que ele ainda usava com toda força e arranhou toda aquela pele branca e macia dele. – Tá gostando minha rainha? – Edmundo perguntou sem fôlego, segurando com força suas coxas e indo o mais fundo que podia.

- Está delicioso! – ela gemeu tomando todo o controle do sexo. Quando se aproximava do ponto êxtase, Edmundo a segurou com força no colo, se levantou do trono e se jogou com ela no chão, ficando agora por cima dela, aproveitando para ir mais rápido e mais fundo. – Vai meu rei! Vai! – ela gemia alto.

- Minha rainha Aaahhh!!! – Edmundo apertou mais seus corpos num abraço e em segundos se derramou outra vez, agora dentro dela. Ambos gritaram juntos, suados apesar do gelo em volta. Ele se deitou ao lado dela, ofegante assim como ela.

- Meu rei, você é tão perfeito! – ela disse sorrindo e se deitou no peito dele, levando uma das pernas para em cima das dele.

- Você também é muito gostosa! – ele disse acariciando a perna dela e a envolvendo com o braço – Não é atoa que somos os maiores reis de Nárnia e do outro mundo!

- Sim meu amor! Ninguém nos supera! Somos poderosos! – ela sorriu e o beijou. Os dois ficaram ali, se beijando e repetindo o ato sexual várias vezes...

Enquanto Jadis sonhava, Luiz foi checa-la pra ver se o feitiço deu certo. Sorriu vendo que sim e logo saiu dali para as celas. As outras pessoas estavam sobre um outro feitiço para que não os visse saindo dali. Luiz pegou as chaves que estavam com Kevin. Ele desceu correndo onde ficavam as celas, já sabia o andar onde ficava a de Vera. Ao chegar lá chamou por ela.

- Vera! – ele gritou. Vera estava encostada na parede, enrolando com a comida quando ouviu alguém chamar seu nome. Se assustou – Vera!

- Aqui! – ela se levantou correndo e bateu na porta. Quem quer que fosse carregava uma voz preocupada, ela teve esperança de que seria ajuda.

- Calma, se afasta um pouco, vou abrir a porta! – Luiz disse e logo abriu a porta da cela – Você é a Vera, prisioneira de Kevin? – ele perguntou, se comovendo com o estado da moça.

- Sim... – Vera respondeu com medo e chorando.

- Calma... Não vou te machucar! – ele ergueu as mãos se mantendo afastado dela pois Vera estava assustada demais – Vim te ajudar a sair daqui, mas tem que ser rápido pois não temos muito tempo! – ele disse calmamente mas aflito.

- Como posso confiar em você?! – Vera se afastou um pouco. Ela ficou feliz em saber que o rapaz queria ajuda- la, mas confiar em alguém dali era difícil.

- Eu sei que você está com medo e confiar em alguém que faça parte desse lugar pode parecer tolo, mas eu realmente digo a verdade! Por favor! Pode acreditar! Kevin está morto e quem o matou foi Jadis! -Luiz tentava resumir e Vera arregalou os olhos – Ela pode matar você ou te usar para os planos dela! Por isso tenho que te tirar daqui o mais rápido possível! – Agora ele falava desesperado.

- Está bem... – Vera viu sinceridade no olhar daquele rapaz. Ela então saiu dali com ele.

- Toma, vista isso! Deve estar com frio. – Luiz lhe entregou uma enorme capa preta de veludo, não teve muito tempo para pegar algumas roupas.

- Obrigada! – ela disse com voz baixa e um pequeno sorriso.

Luiz saiu com ela pelos fundos da mansão, onde deixava seu carro. Os dois entraram no veículo e foram embora.

- O que houve com todos da mansão? – Vera perguntou timidamente.

- Eu joguei um feitiço neles para que não nos visse sair. – Luiz respondeu enquanto dirigia.

- Você é feiticeiro? – ela perguntou receosa.

- Não! – ele sorriu – Apenas conheço alguns feitiços fortes, tenho vários pergaminhos que peguei de um velho amigo que era bruxo. Não gosto muito de usar, apenas em casos de emergência!

- E Jadis? Ela não desconfiou? – Vera perguntou. Os dois já estavam numa rua que ficava atrás da mansão.

- A enfeiticei também! – Luiz respondeu.

- Isso é possível? – Vera ficou boquiaberta.

- Existe um feitiço onde pode confundir as mentes das bruxas, fazendo elas caírem num sono como se fosse real e sonharem com o que mais deseja. – respondeu Luiz.

- Nossa! – Vera estava perplexa – Essa bruxa merece pagar muito caro por tudo o que fez! – ela disse com ódio, o que chamou a atenção de Luiz.

- Ela te fez algo? – ele perguntou curioso.

- Não diretamente a mim mas as pessoas boas e que eu amo ! – ela respondeu triste, olhando a paisagem do cair da tarde pela janela do carro.

- Me perdoe perguntar mas, essas pessoas são os reis e rainhas de Nárnia? – Luiz sentiu um aperto no coração por ela.

- Sim! – ela deixou uma lágrima cair – Ela machucou Edmundo da pior forma possível, ele tentou tirar sua vida por causa dela mas graças a Aslan ele sobreviveu! – Vera sorriu e Luiz sentiu uma paz ao ouvir o nome do Leão – Ela prejudicou a todos fazendo ele sofrer, e quase levou Pedro com ela em uma das aventuras dele em Nárnia. – sua voz era fraca. Luiz então se lembrou do Kevin falava com Jadis, Vera conhecia os reis e rainhas, mas o que será que ela era deles?

- Você é próxima a eles? – ele se arriscou.

- Sim... – Ela olhou pra ele com os olhos banhado em lágrimas – eu era esposa de Pedro até Kevin aparecer e estragar minha vida! – ela agora olhava para frente, com fúria nos olhos.

- Sinto muito... – Luiz estava pasmo! Ele não sabia muita coisa sobre ela pois Kevin e Jadis o impediram de se aproximar. Ele sentiu uma dor no coração só de imaginar quando ela descobrir quem estava possuindo o corpo de Kevin.

- Tudo bem... – Ela sorriu tristemente – A culpa foi minha de ter deixado levar... – Vera secou as lágrimas – Obrigada por me ajudar! – ela sorriu pra ele.

- Disponha! Acho que tá na hora de fazer a coisa certa! – ele sorriu também.

- Espero que isso não te prejudique! – Vera falou preocupada.

- Eu me viro, não se preocupe! – ele riu. – Desculpa não poder te levar pra sua família, isso poderia ser perigoso agora fora que pra eles eu sou do mal. – Ele ficou triste ao dizer isso – Mas te levarei para onde está minha amiga, também a ajudei a fugir uma vez. Lá você estará segura até tudo isso acabar!

- Entendo... – Ela sorriu – Acho que eles não querem me ver também... mas sinto tanta falta deles, do meu filho... – Vera voltou a chorar. Luiz tentava conter as lágrimas também.

- Calma! Vai dá tudo certo! – ele passou a mão no ombro dela.

Os dois então saíram da cidade e foram para Cambridge onde Luiz deixou Sarah há alguns anos atrás. Vera acabou dormindo pelo trajeto devido ao choro e Luiz sentia pena por ela ter passado tudo aquilo! Ali ele viu com clareza o quanto aquela gente é má e só se importam com eles e com vingança.

Lúcia e Susana chegaram no consultório médico. As duas estavam felizes e ansiosas, Lúcia mais ainda! Elas entraram na sala e o doutor a examinou. Acabando os exames, ele pediu para as duas aguardarem.

- Ai Lu! Imagina só mais um bebezinho pra essa família! – Susana falava toda animada, passando a mão na barriga da irmã.

- É eu já estou tão feliz! – Lúcia sorriu mas tinha um olhar preocupado.

- Lu, desculpa ser paranóia minha mas percebi que você está meio triste, preocupada. Aconteceu alguma coisa? – Susana passava a mão nos cabelos da caçula e falava gentilmente. Antes que Lúcia respondesse, o doutor chegou com um enorme sorriso no rosto. O coração das duas acelerou.

- Bom, trago boas notícias! – o doutor disse se sentando.

- Ai doutor! Estamos ansiosas! – Susana mal parava queta na cadeira e Lúcia ria.

- Lúcia, parabéns! Você será mamãe de novo! – o doutor disse sorrindo alegremente.

As irmãs se abrassaram e até choraram, fazendo o médico rir. Lúcia passou as mãos na barriga e sorriu.

- Ownt, minha princesa vai ganhar um irmãozinho ou irmãzinha! – Lúcia disse docemente.

- E eu vou ser tia de novo! – Susana deu um beijo na barriga da irmã.

As duas saíram do consultório alegres, como se tivessem em Nárnia! Lúcia planejava com a irmã a maneira de dá a notícia a Edmundo.

- Ed vai ficar tão feliz, todo bobo! – Lúcia disse sorrindo e com uma mão na barriga.

- Eu imagino! Lembro que em Nárnia ele dizia que encheria Cair Paravel de crianças se tivesse com a mulher que tanto ama... – Susana sorriu para Lúcia que também sorria diante do relato – Nem sabia que essa moça era você... – Ela abraçou a irmã.

- Ainda me pego boba estando casada com ele, com o rei que sempre sonhei ter, e sendo mãe dos filhos dele! – Lúcia riu de leve.

- O amor de vocês é lindo! Ultrapassou tantas barreiras e permanece forte! – Susana sorriu – Mas Lu, sobre o que perguntei a você, alguma coisa tá te incomodando? – a morena estava preocupada. Lúcia pensou um pouco antes de responder.

- Algumas coisas Su... você está com pressa? – Lúcia perguntou.

- Não, e se minha maninha quer desabafar estou aqui, não importa a hora! – Susana sorriu mas estava com medo – Vamos na minha casa? Fica melhor para conversarmos!

- Claro! – Lúcia sorriu. As duas então foram pra casa de Susana.

Trabalho de Edmundo...

- Senhor, quer que eu trague um café ? – Jessyca perguntou ao voltar com Edmundo pra sua sala.

- Não, obrigado Jessyca! – Edmundo respondeu e forçou um sorriso simpático. Ele sentiu um frio percorrer sua espinha e isso não era bom.

- Bom, se precisar de alguma coisa é só me chamar! – Jessyca agiu normalmente, sorriu e foi embora. Edmundo ficou confuso, de primeira ela insistia.

Edmundo entrou em sua sala e se lembrou do momento com Lúcia um pouco mais cedo. Ele sorriu se lembrando também das outras vezes que se perdeu nas loucuras com ela naquela sala, eram um casal de tamanha qualidade. Ele foi para sua mesa e sentou em sua cadeira, olhou alguns papéis que estavam amassados devido a ele ter colocado Lúcia pra se sentar ali. Ele ria se lembrando da primeira vez que fizeram amor ali, estavam tão fora de controle que ele esqueceu a porta aberta, resultando em seu amigo entrar e pegar os dois bem na hora que atingiriam o céu. Foi ilário ver a cara vermelha de vergonha do amigo, que logo saiu sem jeito, deixando eles dois rindo.

Edmundo amava Lúcia mais que tudo, mais que a vida dele, e cada momento com ela era precioso. Se pudesse, congelava o tempo toda vez que estavam juntos. Há anos e duas vidas ele esperou por ela, a amando escondido, sofrendo ao ve-la perto e não poder beija-la e nem dizer tudo o que sentia por ela. Quando estava em depressão, viu que Lúcia foi chamada algumas vezes pra sair. Ela aceitou sair com um colega de Edmundo, da escola dele, iam ao cinema, o que deixou Edmundo desesperado. O menino era um dos mais cobiçados da escola depois dele e de Pedro, já havia falado que achava Lúcia bonita. O moreno esperava que Lúcia não aceitasse , mas sentiu seu coração doer quando saía de seu quarto, completamente desarrumado e abatido devido as longas lágrimas derramadas, e viu Lúcia arrumada, linda. Susana vinha toda sorridente atrás terminando de arruma-la. Ele perguntou onde ela iria e pra seu total desespero ela respondeu que sairia com Caio. Edmundo segurou o quanto pode as lágrimas, Lúcia ficou assustada, mas ele não conseguiu falar nada, apenas sorriu piscando os olhos que já ardiam e voltou para o quarto. Lúcia tentou ir atrás dele, mas Susana disse que ela estava atrasada para o encontro e que precisava distrair um pouco. Edmundo chorava em seu quarto, se olhou no espelho e viu o quão horrível estava. Ele sabia que Lúcia gostava de ver ele lindo, sorridente. Pensou que talvez ela não o achasse mais belo como dizia. Ainda chorando passou as mãos pelos cabelos na tentativa inútil de deixa-los arrumados, não se conformava passar por isso. Foi aí que ele passou a voltar a se arrumar o melhor que podia. Fazia de tudo pra chamar a atenção de Lúcia, percebia que ela ficava sem jeito quando ele aparecia com os cabelos penteados, todo arrumado, cheiroso. Ela ficava sem ar vendo ele assim e ele gostava disso, apesar de achar estranho, pois ainda pensava que eram irmãos.

   Mas hoje Edmundo a tem só pra ele e nem precisa se preocupar, pois sabe que nunca vai perde-la! O amor deles é mais forte que uma rocha!


Notas Finais


Gostaram da surpresinha? Haha vem mais um bebê de EdLu aí rs
Eita Luiz acordou pra vida, mas será que ele não vai conseguir levar Vera até o esconderijo e sem que ninguém pegue ele?
Será que Jessyca tá dando uma de esperta com Edmundo, esperando o melhor momento pra atacar?
E esse sonho louco da Jadis kkkk Gente, foi apenas sonho, bom ela só ficou com ele estando no corpo de Beatriz... argh!
Gente, Kevin era Miraz! Que horror!
Próximo capítulo teremos Lúcia contando da gravidez pra Edmundo e o que aconteceu com Luiz e Vera...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...