1. Spirit Fanfics >
  2. O Aniversário De Min Yoongi >
  3. Capítulo único

História O Aniversário De Min Yoongi - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Bom eu voltei ao site com essa nova conta,mas o user antigo.
Eu apaguei minha primeira conta depois de quase 9 anos e resolvi recomeçar aqui.

Capítulo 1 - Capítulo único


O dia nove de março havia finalmente chegado, e para Min Yoongi era o melhor dia do ano, afinal era seu aniversário.  O mentolado estava animado com sua festa, ele havia planejado cada mínimo detalhe e queria que tudo saísse perfeitamente bem. 

Desejou que James, seu namorado, o ajudasse, mas o rapaz logo se esvaiu do compromisso e deu uma desculpa qualquer ao menor, que logo se entristeceu pela ausência do mais velho nos preparativos. Era o primeiro aniversário que ele passaria com James junto de si e para ele seria tão importante o ter junto a ele nesse momento.

Mas o moreno não quis saber em ajudar, disse que não levava jeito para aquilo e que precisava entregar alguns relatórios da faculdade. Precisava passar no  consulado e assinar alguns papéis que eles haviam lhe pedido, e Yoongi acreditou que tudo isso era verdade e tentou não pensar mais no assunto.  

Afinal, Min tinha Taehyung, que nesse momento soprava o ar de seus pulmões jovens para dentro de um balão cor de rosa que ficaria ao centro do painel. O amigo sempre esteve ao seu lado e sempre é ele quem o ajuda com os preparativos. 

Talvez não ter James ali não fosse de todo ruim, o rapaz não se sentia bem com a presença do melhor amigo do namorado por perto. Ele sempre disse a Yoongi sobre suas impressões em relação ao Kim. 

 — Sabe, eu acredito muito que Taehyung tem algo a esconder. 

— Por que você diz isso? — Yoongi pergunta ainda com os olhos fechados enquanto o outro acaricia seus fios molhados.  

 — Eu não sei explicar bem o porquê, mas sinto toda vez que eu olho para ele. — James enrola uma mecha em seus dedos. — Ele parece desconfortável quando eu o encaro, não aparenta gostar tanto assim de mim e seus olhos tem aquele véu enigmático que causa curiosidade. 

— Parece que você está bem interessado em meu amigo. — Yoongi levanta a cabeça, arrumando os fios, e olha bem nos olhos negros do rapaz. — Será que não é você que tem segredos a me esconder? 

O homem engoliu em seco e sua têmpora estava suada, ele se sentiu inquieto com a aproximação do de cabelos verdes, suas mãos tocam a grama seca, seus lábios se entreabrem, mas nada é falado.

— Não seja bobo, sabes que não existe segredo algum de minha parte, já daquele, eu não garanto. — Ele aponta para Taehyung, que brinca com o cão a alguns metros deles. 

— Eu lhe garanto, ele nada tem a esconder, seu idiota. — Seus lábios rosados possuem o do moreno. 

Um barulho tira Yoongi de suas lembranças e o traz ao presente onde Tae acabara de estourar outro balão com a bomba; seu rosto estava vermelho de vergonha e havia borracha colorida por todo canto. 

— Você está bem? ㅡ O mais velho correu ao seu encontro e tocou seu rosto, preocupado. 

 — Eu estou bem, foi só mais um balão que eu estourei. — Ele sorri amarelo. — Não é a primeira vez, você bem sabe. 

Ambos sorriem com as últimas palavras de Tae e as lembranças tornam a conversa rápida entre eles. 

— Hyung, você se lembra do seu último aniversário? — Taehyung lhe pergunta, enchendo outro balão. — Quase não sobrou nada para decorar a festa. 

— Você fez questão de estourar todos eles, Kim. Como sempre, um desastrado. — Sua risada sai anasalada fazendo o outro se engasgar com seu próprio riso. 

— A culpa não era minha, foi você que quis comprar aqueles balões baratos e de má qualidade. 

Cinco e quarenta e cinco marcava no relógio na parede, e Taehyung e Yoongi estavam desempacotando todos os apetrechos para a festa do mais velho naquele mesmo dia, as coisas haviam sido compradas um dia antes e os garotos estavam ansiosos para finalmente começar a decoração.

—  Finalmente você está completando dezenove anos, Min. —  Tae joga uma sacola em sua direção. —  Eu estou tão feliz por você. 

—  Liberdade, meu amigo, liberdade —  o mais velho fala ao colocar um balão  em formato de coração sobre a almofada ao seu lado. —  No próximo aniversário, estarei em meu apartamento —  diz sorridente enquanto o amigo compartilha de sua felicidade rindo também. —  Hyung? 

—  Oi? 

— Você pode encher os balões? Sabe, meu pulmão de fumante não me permite tal ato. 

—  Viu no que dá fumar tanto, agora eu que fico com o trabalho todo —  reclama rabugento, pegando o pacote com os balões na mão. —  Eu exijo que você compre um motor para encher seus balões. 

—  No próximo aniversário, quem sabe. 

Taehyung começou a encher os balões, mas não demorou muito para os primeiros começarem a estourar, foram dois, quatro, dez balões que estouraram antes mesmo dele terminar de encher. Seu peito doía com a força que fez e seus ouvidos reclamavam pelo barulho. 

—  Taehyung, assim você vai acabar com todos eles —  reclamou Yoongi ao ver quantos estavam sobre o chão, todos em pedaços.

—  Não tenho culpa  — se defendeu.  

— Eles foram caros —  reclamou o outro. 

— Seu mão de vaca, você comprou os mais baratos. Pare de dizer que foram caros. 

—  Claro que foram, e você deveria tomar mais cuidado. 

A discussão por conta dos balões estourados foi pela manhã toda, quase resultando em uma festa sem decoração de balão. Taehyung estava exausto quando menos da metade sobreviveu ao final da manhã.

— Você é mesmo um mão de vaca, Min Yoongi. Graças a Deus que esse ano você resolveu abrir a mão — Tae o provoca. —  Será que é por conta do amor que o pegou? 

—  Não é nada disso, apesar de estar perdidamente apaixonado por James. —  Ele sorri ao arrumar a toalha sobre uma das mesas. —  Eu vi todo o seu sofrimento no ano anterior, só quis poupar seus ouvidos. 

—  É, esse ano que você melhorou, mas eu detestei esse troço —  diz ao apontar para o motor que enchia os balões.  — Ele não me serve pra muita coisa. 

—  Você é só um idiota que não sabe lidar com a modernidade — o insulta. 

O de fios negros faz bico e lhe mostra a lingua como uma criançinha, fazendo o mais velho rir de sua infantilidade e apertar suas bochechas até elas ficarem rosadas e ali ele deposita um selar doce e molhado. 

 — Você realmente é um bebê, Taehyung. — Suas mãos bagunçam o cabelo do outro que está sentado no chão. 

 — Seu babaca, não faça mais isso. —  Ele arruma os fios que estão caídos sobre seus olhos. —  Olhe bem aqui o bebê. —  Ele leva a mão sobre o membro e o aperta sobre o tecido. 

—  Não me provoque, garoto, eu posso o engolir em segundos. —  Ele se aproxima do rosto do maior e sussurra em seu ouvido, causando arrepios em Taehyung, que se mexe inquieto em seu lugar. 

—  Suma daqui. — Ele o empurra com as maçãs coradas. — Você é um idiota, Yoongi. 

O outro atravessa a sala rindo da forma como Taehyung se encontrava, seu rosto queimava e sua boca salivava e seus dentes estavam mordendo o lado inferior de seus lábios. O garoto se sentia incomodado com a aproximação e as palavras de Yoongi o deixaram com formigas no traseiro. 

O que o de fios mentolados não sabia era que Taehyung já o desejou daquela forma, mas que foi algo tão fora de sua realidade que ele não demorou em apagar de sua memória. 

 — Hyung, eu já não pedi que pare com essa porcaria? — Tae reclama quando o outro se senta ao seu lado com o cigarro de filtro amarelo entre os lábios, tragando a fumaça para dentro de seus pulmões. 

— Você deveria experimentar, sabe, ajuda a relaxar — ele lhe oferece. 

— Não, muito obrigado. 

— Como disse, ele ajuda a relaxar. — Ele aponta para o volume nas calças do maior. — Minhas palavras mexem tanto assim com você? — Seu tom é divertido. 

— Cala essa boca. — Taehyung lhe lança uma almofada, e com a outra mão pega a que estava ao seu lado e coloca sobre seu colo na tentativa falha de esconder a excitação. 

— Taehyung, eu começo a acreditar nas palavras de James. — Seus olhos fitam os de Tae. 

— O que aquele idiota tem falado sobre mim? Não acho que seja verdade, afinal ele não me suporta. 

 — Seu lá, talvez o segredo que ele diz que você carrega seja. — Suas palavras são interrompidas quando James adentra pela porta da sala encontrando os rapazes tão próximos. 

Taehyung agradece pela sua excitação já ter diminuído e seu olhar foca nos balões que ele ainda tinha próximo de si. Evitar olhar para aquele homem era a melhor coisa que ele fazia, talvez James conseguisse ler seus pensamentos e decifrar seus desejos. Não seria nada bom Yoongi descobrir por terceiros seus sentimentos por ele. 

 — Amor, achei que você só viria na hora da festa. — Yoongi amassa o cigarro no cinzeiro sobre a mesa de centro e se levanta, indo em direção ao moreno. 

— Eu consegui resolver tudo antes do previsto. — Ele sela seus lábios com frieza. 

— Estava com saudades. — Sua mão aperta o bumbum do namorado que cora ao ter Taehyung na plateia. 

— O que vocês estavam fazendo? — Seu olhar desceu de encontro ao rapaz de cabeça baixa que sopra o balão branco. 

— Estávamos só terminando de encher os balões e falta conferir a entrega do bolo e dos doces. — Yoongi se senta no sofá e acaricia os cabelos de Taehyung, que está ao seu lado. 

O clima parecia pesado entre os três, mas Yoongi não se dava conta disso. Ele tinha olhos apenas para o amado e esse encarava Taehyung como se soubesse de seus pensamentos de minutos atrás. 

— Eu acho que vocês deveriam aproveitar um momento a sós. — Taehyung enche o último balão e se coloca em pé na frente dos dois. — Vá levar ele para dar uma volta pelo parque e só volte na hora de começar a festa. 

— Não, eu não vou deixar você fazer tudo sozinho  — Yoongi protesta. 

— Jimin está vindo para me ajudar. — Ele sorri ao mentir, nem ao menos havia falado com Jimin naquele dia. — Andem logo, aproveite a tarde e tome um sorvete. 

— Acho que ele tem razão, eu preciso de ar fresco. — James se levanta e pega na mão esquerda de Yoongi, que não demora em abrir um sorriso e o acompanhar porta afora.

Finalmente Taehyung pode respirar, a presença de James sempre o incomodou e ele sempre tenta disfarçar isso, principalmente quando estava junto de seu amigo. Não gostaria de fazer Yoongi escolher entre ele ou James, afinal havia espaço de sobra para ambos na vida de Min.

As horas passaram lentamente e não demorou para Hoseok e Jimin chegarem, eles haviam ido buscar o bolo e os doces. Tae os ligou uma hora depois de Yoongi sair com seu companheiro. Os garotos estavam suados devido ao calor que se fazia do lado de fora da casa. 

— Ande logo e os coloque na geladeira antes que derreta tudo — Jimin fala ao entregar o pequeno bolo nas mãos do maior.  

— Hoseok, você pode me ajudar? — ele pediu assim que viu o outro se aproximar com as caixas de doces em mãos. 

— Claro. 

— Taehyung, eu não acredito que você o mandou sair com aquele infeliz. Você realmente é um idiota com I maior  — Jimin reclama ao pendurar o varal com as letras do nome de Min Yoongi no painel. 

— Era isso ou ter o olhar daquele brutamontes sobre mim. — Tae entrega a fita adesiva.  — Vocês sabem como me sinto quando ele está por perto. 

— É, a gente sabe e sabemos também que ele é louco para te comer — Hoseok joga as palavras sem ao menos medir o impacto delas. 

— Você é louco, desde quando tem esse tipo de pensamento? — Taehyung dá um tapa em sua nuca. — Ele me detesta, é exatamente isso. 

— Isso mesmo, ele tem ciúmes e certamente sabe que se você disser ao Yoongi o que sente, ele deixa aquele americano idiota e fica com você. — Jimin desce da escada e fica de frente a Taehyung, que o encara. 

— Você acha mesmo? — pergunta, inseguro. 

— Com toda a certeza, Yoongi largaria ele por você. 

Um fio de esperança nasce dentro do peito do maior, seria a realização de seus sonhos. Ele amava o amigo desde seus treze anos e apenas Hoseok e Jimin sabiam de seus verdadeiros sentimentos. Nunca teve coragem de dizer ao Min sobre eles, pois sempre ouviu sair de seus lábios que Taehyung era o irmão que seus pais nunca lhe deram. 

— Sabe, vocês são amigos desde os nove anos, é meio que óbvio ele escolher você para amar do que um desconhecido como James — Hoseok fala ao terminar de beber sua cerveja. 

— James chegou há pouco tempo e Yoon não sabe muito sobre ele, são só nove meses de namoro. — Jimin toma um gole do líquido que Hoseok tinha em mãos. 

— Sabe, ele mal conhece aquele cara, eu ainda acho muito estranho esse namoro deles. O cara surge do nada e Yoongi se vê completamente apaixonado, praticamente vive no apartamento do outro. — Park se senta, encarando os dois. 

— Eu acho que James não o ama. — Jung se joga ao lado do amigo.   — A gente vê que Yoon tá entregue nesse relacionamento, mas James não parece tão empolgado assim. 

— É. — Taehyung se limita. 

— Eu hoje vi ele conversando com uma garota, sabe, eles pareciam bem próximos — Hoseok fala tranquilamente, bebendo mais um pouco da cerveja.  — Nem de longe ele lembrava o mesmo James que conhecemos. 

— Isso parece suspeito, ele não havia falado ao Yoongi que iria resolver os assuntos no consulado e algo sobre a faculdade? — Jimin pergunta a Taehyung, que se mantém calado. 

Seus pensamentos estavam voando para longe, para uma lembrança que ele guardava e que até então nunca acreditou que seria mesmo James naquele dia. 

Taehyung estava cobrindo o turno de Luna na portaria do motel, ele fazia o turno da manhã e ela, o da noite. Mas naquela noite em especial, Luna precisou ir levar o filho ao pronto-socorro, sua mãe havia ligado mais cedo e avisado sobre a febre do menino de oito anos. 

A garota ligou para o colega e pediu que ele cobrisse seu turno naquela noite e que ela devolveria o favor a ele no dia da festa de Yoongi. Ele aceitou, pois essa era a única forma dele conseguir o ajudar com os preparativos. 

Mas algo inesperado aconteceu, ele achou que o tinha confundido. Mas era James naquele carro, o vidro da portaria impedia que o moreno reconhecesse Taehyung, mas ele tinha certeza que era James. Afinal, ele ainda estava com a camiseta que Yoongi o presenteou semanas atrás, Tae a reconheceria a milhas de distância, pois foi ele quem ajudou o amigo a comprar ela. 

James estava em uma mercedes com uma jovem de cabelos negros. Ela aparentava ser bem mais nova que Taehyung, e por isso ele pediu o documento da moça antes de liberar a entrada. Mas nada incomum ele encontrou, segundo seus documentos, ela tinha vinte e um anos. 

James havia reservado a melhor suíte e agendou sua saída para o dia seguinte às nove e meia da manhã. Horário esse que Taehyung estava chegando à casa de Yoongi para o ajudar em sua festa.

Ele acreditou até aquele dia que não era James, afinal ele mal tem para pagar a entrada do cinema, e é sempre Yoongi que os banca em suas saídas. Como ele teria grana para se manter por tantas horas em um dos quartos mais caros daquele motel e andar com um carro daqueles? 

Mas com as palavras de Hoseok, essa memória veio à tona e fez Taehyung repensar sobre aquele dia, ele teve a certeza que era James, não tinha como não ser ele, e o pior: ele traía Yoongi há muito tempo. Seria essa mulher que Hoseok viu, a mesma daquela noite? 

 — Hoseok, com…  — Antes mesmo que ele pudesse dizer algo, a campainha tocou e os primeiros convidados estavam chegando. 

Graças aos céus que com a ajuda dos amigos ele conseguiu terminar tudo a tempo, mas Yoongi e James estavam demorando a chegar. Taehyung estava preocupado com o mais velho, ele não era de se atrasar tanto assim.

Não demorou muito tempo para a porta da entrada se abrir com violência e por ela passar um James furioso que mal se deu conta do que estava acontecendo, a sala estava escura, Taehyung preparava-se para a surpresa para Yoongi, quando ouve a voz dele, chorosa. 

— James, você pode ao menos me dizer o que está acontecendo? — Ele bate em seu peito. 

 — Como você consegue ser tão deplorável? — O outro aperta seus pulsos. 

— Eu só quero entender por que diabos você está agindo assim? 

— Porque eu estou te chutando para fora da minha vida, sua bicha ridícula. — As palavras machucaram Yoongi profundamente, então as luzes foram acessas e o olhar dos presentes era de pena. 

O olhar de Yoongi encontra o de Jimin, que sussurra algo que o rapaz não consegue identificar e então ele corre o olhar para aquele ao lado do loirinho, e era Taehyung que tinha um olhar duro, mas as lágrimas já se amontoavam em seus olhos. 

O rapaz de cabelos verdes sente como se o chão tivesse sido aberto e o engolisse, uma dor queimou em seu peito e seu rosto se esquentou com a vergonha, tudo que ele desejava era sumir dali. 

— Meu Deus. — Sua mão paira sobre seus lábios e seu olhar assustado encontra com o de Hoseok, que tirava naquele momento o chapéu de festa com um olhar triste. 

Sem demora o mentolado corre para fora, deixando para trás um Jimin que grita seu nome enquanto tenta o alcançar, mas era tarde demais, Yoongi corria mais rápido e se escondeu entre as árvores do quintal. Ele apenas desejava sumir, virar fumaça, perder a memória, qualquer coisa que o fizesse esquecer aqueles últimos momentos. 

Todos ali ainda continuavam em silêncio, James ainda mantinha a cabeça baixa, parado em meio a sala. Seu celular tocou no exato momento que Jimin voltou ofegante para dentro do ambiente com um olhar triste. 

— Eu não consegui o alcançar, ele sumiu. — Jimin se apoia em Tae, que respira fundo e caminha duramente em direção ao homem que estava com o aparelho celular no ouvido. 

— Amor, eu já est… — O rapaz não pôde concluir sua fala, foi pego de surpresa pelo timbre do rapaz a sua frente.

— Seu babaca. — Taehyung soca o peito de James que o olha com fúria. — Como você pode ser tão podre assim, seu desgraçado! — Ele distribui outros socos em seu peito. — Ele te ama e você o humilhou dessa forma, seu filho da puta! — Um soco atinge o queixo do rapaz, que cai confuso. 

Kim estava prestes a bater outra vez no homem caído no centro da sala, mas os amigos o alertam para ir atrás de Yoongi. 

— Tae, não perca tempo com esse amontoado de bosta — Hoseok falou, chutando o homem que o olha com fúria. — Vá o encontrar. 

Taehyung não espera por sua revanche e corre em direção à saída, ele precisava encontrar o amigo. Yoongi deveria estar se sentindo péssimo, ele nunca gostou que terceiros vissem suas discussões ou mesmo soubessem de seus problemas, nem mesmo Taehyung. 

Foram duas horas andando sem ao menos saber aonde ir, Tae já estava perdendo as esperanças em encontrar Yoongi. Ele o ligou mais de trinta vezes, mas o mais velho não atendeu nenhuma delas e agora seu telefone dava fora de área. 

Kim passava pelo parque onde esteve há alguns dias, era um lugar lindo durante o dia. Mas à noite não era nenhum pouco atrativo; mas ao longe ele viu uma figura magra debruçada sobre a pequena ponte de madeira que cruzava o pequeno lago de águas esverdeadas, ele estava lá com um capuz sobre a cabeça e com o cigarro entre os lábios. 

Mesmo ao longe Taehyung pôde contemplar tamanha a sua beleza, seu coração doeu quando ao se aproximar ele notou que Yoongi chorava, seu rosto estava vermelho e os olhos que ele tanto amava observar agora tinham um tom avermelhado e as olheiras eram visíveis. 

Era como se um caminhão carregado estivesse passado por cima do rapaz, ele não se importou com a presença de Tae ali, tão pouco se deu ao trabalho de perguntar sobre o outro. As palavras de James ainda pairavam em sua mente e elas ainda perfuravam seu coração. 

— Eu estava te procurando — ele diz baixinho, tocando a mão do amigo que estava sobre o corrimão de madeira. 

— Eu sei.  — Sua voz saiu arrastada. — Mas não deveria ter vindo, sabe que não gosto de plateia. 

Yoongi acende outro cigarro, tragando a fumaça que fica presa em seus pulmões por tempo demais, o causando uma tosse demorada. 

— Você deveria parar com essa porcaria, um dia ela ainda vai te matar. 

— Talvez seja isso mesmo que eu queira. — Seu olhar melancólico encontra o de Taehyung, que sem ao menos pensar duas vezes o puxa para um abraço. 

— Não ouse nunca mais falar tal coisa, eu não saberia viver sem você.  — Uma lágrima escorre pela sua face ao imaginar tal fatalidade. 

— Não exagere, todos aprendemos a viver sem a presença de alguém. — Ele se afasta bruscamente. 

— Mas eu não. 

— Por que não? Eu sou só mais um em meio a milhares, Taehyung. — Ele sorri, triste.  — Nada de especial, sabe. 

— Yoongi, só porque aquele idiota te falou aquelas coisas você não precisa se menosprezar assim! — Tae grita com o amigo.  — Você é importante pra mim, pros seus amigos, e nada daquilo é verdade. 

— Taehyung, James me contou tudo.  — Sua voz saiu chorosa. — Aquele desgraçado me contou que tem outra pessoa e que não passei de um brinquedo em suas mãos. 

Min se permite chorar. Ele já não ligava se o amigo pudesse ver o quão destruído ele estava, tudo que ele precisava naquele momento era desabafar e deixar que a dor fizesse seu trabalho. Foi a primeira vez que Yoongi se apaixonou e conheceu o amor e foi a primeira vez que alguém quebrou seu coração, ele não sabia como lidar com aquilo e ao fugir para longe imaginou que ajudaria a não sentir. Mas ele estava enganado, não importava aonde ele fosse, a dor e a vergonha estavam junto dele. 

Taehyung o abraçou e como em todas as vezes durante a vida deles, colocou a cabeça de Yoongi em seu colo e acariciou seus fios coloridos, deixou que o amigo chorasse toda a sua dor, não importava quanto tempo eles fossem permanecer ali, o importante era que Yoongi estava com ele e agora ele iria cuidar do mais velho. 

— Seria tão mais fácil se eu tivesse me apaixonado por você. — A frase pegou Kim em total surpresa, o fazendo arregalar os olhos, depois de longos minutos ouvindo seu choro ele não esperava que Yoongi falasse algo do tipo. 

— Por que você diz isso? Talvez não fosse muito diferente. 

— Você não é como ele, eu te conheço melhor do que você mesmo, Taehyung. — Ele se senta e seca as lágrimas, seu rosto está tão próximo do de Tae e o coração do garoto parece que saltaria pela boca a qualquer momento. 

— Você — as palavras pairam no ar, o olhar de Yoongi está preso nos lábios ressecados de Tae — é puro, Taehyung. — Ele sela o canto de sua boca. — Eu tenho sorte de o ter como meu amigo. 

Taehyung ficou sem reação, ele permaneceu calado por muito tempo. Yoongi voltou a colocar sua cabeça em seu colo e o outro, em total silêncio, acariciou seus fios até o mais velho pegar no sono. 

A brisa fresca da madrugada dançou sobre sua face, acariciando as lágrimas que desciam sem cerimônia. Seu coração tinha as batidas desreguladas, não era a primeira vez que Yoongi tocava seus lábios e certamente não seria a última. Mas em nenhuma delas ele sentiu o que havia sentindo naquele momento, era como se seu corpo gritasse por um contato maior e sua vontade era o beijar tão profundamente e confessar a ele que o amava e que de certa forma estava feliz por Yoongi estar livre outra vez. 

Mas nada disso ele fez, o que Taehyung se limitou foi em acariciar seus fios e desejar que algum dia o amigo sentisse o mesmo por ele. 

— Eu o amo, Taehyung — Yoongi sussurra quando uma das lágrimas toca sua derme. 

O coração de Taehyung erra a batida e antes mesmo que ele pudesse assimilar o que ouviu, as mãos de Yoongi estão juntas as suas, sua boca está seca e suas mãos começam a transpirar, sua respiração está desregulada. 

— Eu também — ele diz baixo. 

— É isso que importa, não é?  — Ele seca sua lágrima. — Eu sempre soube de seus sentimentos por mim. — Tae o olha assustado.  — Como disse, eu sempre soube, mas não queria estragar nossa amizade. 

— Yoongi, eu, eu… 

— Jimin me contou. Sabe, eu já desconfiava. — Ele sorri. — Mas quando eu vi você chorando depois que apresentei aquele desgraçado como meu namorado… Eu vi você ir para o andar de cima, e eu fui atrás e vi você chorar baixinho e sussurrar sua jura de amor a mim. 

— Eu estou tão envergonhado.  — Suas maçãs estão rosadas. 

— Amar alguém não é motivo para se sentir envergonhado. — Ele passa a ponta dos dedos sobre o rosto do maior, que abaixa a cabeça. — Você é tão lindo, como eu queria retribuir seus sentimentos — lamenta, deixando uma lágrima cair. 

— Você ainda o ama, eu entendo isso. 

— Mas não queria o amar, esse amor está machucando e está doendo tanto. — Tae o abraça e conforta o amado. — Por que ele me fez isso? 

— Ele é um babaca, não merece alguém como você. 

Eles ficaram ali por muito tempo, o novo dia já apontava no horizonte quando Yoongi resolve ir para casa. 

— Acho que preciso de um banho e de boas horas de sono. 

— Também acho. — Tae sorriu ao se levantar com certa dificuldade. 

O coração de Taehyung estava mais leve naquela manhã, o peso de carregar um amor em segredo já não o atormentava e saber que Yoongi era conhecedor de seus sentimentos tornou tudo mais fácil. Eles não tocaram mais no assunto depois daquele dia, Yoongi finalmente esqueceu James algum tempo depois e seguiu seu caminho.

O amor que Taehyung sonhou em viver ao lado de Yoongi nunca aconteceu de fato e ele soube lidar bem com seus sentimentos, no fim ele descobriu que amava Yoongi de uma forma diferente. 

Pouco tempo depois, ele conheceu alguém que fez seu coração palpitar e errar as batidas por diversas vezes e Yoongi foi a primeira pessoa que soube que Taehyung estava apaixonado, o moreno de braços tatuados arrebatou o coração do doce garoto que um dia sonhou com seu primeiro amor.  

 

 

 

— Surpresa!  — todos gritaram no vigésimo aniversário de Min Yoongi. 

 


Notas Finais


Capítulo betado por: @vanelope-stars
Capa por: @Hopezzz Taegilandia


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...