História O anjo caído - Berserk - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Berserk
Personagens Personagens Originais
Tags Berserk, Drama, Griffith, Griffith X Guts, Guts, Guts X Griffith, Lemon, Romance, Terror
Visualizações 126
Palavras 5.414
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpem a demora.
Este será um pouquinho longo e já peço desculpas por não ter abordado o eclipse ainda, no próximo capítulo sem falta,teremos o bendito. O behelit também só vai ser citado no próximo. É isso. Rs

A música tema deste é Impossible do James Arthur.

Espero que gostem.

Boa leitura. :D

Capítulo 5 - Ninguém é tão cruel


Fanfic / Fanfiction O anjo caído - Berserk - Capítulo 5 - Ninguém é tão cruel

Quero falar com você _ foi o que ela disse, ao encontra-lo naquela colina. Rapidamente Guts se aproximou_ O que deseja? _ perguntou ele, parado, olhando para as costas da morena sem muito ânimo.  Em guarda_ exclamou a guerreira e sem esperar por alguma reação dele, partiu pra cima o atacando com sua espada. Desferiu um golpe lateral e ele logo defendeu com o cabo de sua arma, meio espantado pelo ataque dela, não estava entendendo aquilo. _Espera Caska. O que esta fazendo?_ ele perguntou enquanto desviava daqueles ataques frontais e laterais.  _ Não me subestime, saque sua espada _ esbravejou a guerreira, mas num momento de distração ela foi ao chão, após tropeçar no pé de Guts.

Ele agora a olhava de cima com o cenho franzido, estava confuso.

_ Porque voltou só agora? É culpa sua! Você destruiu tudo! _ gritou ainda no chão tremendo. Então se levantou avançando novamente para cima de Guts, que já irritado, sacou sua grande espada, defendendo-se daquele ataque e ficaram ali, cada um forçando a lâmina de sua espada sobre a do outro medindo forças, claro que Guts poderia ganhar facilmente e terminar com aquele duelo, mas ela era uma amiga,ele tinha apresso pela amizade da morena,nunca que a machucaria,então resolveu questiona-la entre o vibrar daquelas armas.

_O que é culpa minha?

_O Griffith. O bando do falcão. Tudo. Você destruiu tudo! _ respondeu ela já no limite daquela defesa. E recuou para trás, desfazendo aquele X de espadas.

_ Por quê?

_Por ter nos deixado. POR TER DEIXADO O GRIFFITH! _ gritou firme, desferindo outro golpe sobre o rapaz. Guts não desviou, era forte o suficiente para segurar os punhos cerrados  daquela pequena guerreira e foi o que ele fez.

_Caska. Isso não faz sentido. Estamos falando do Griffith. O que eu fiz nunca afetaria tanto ele. Não há como. _ disse o mercenário num tom até um pouco relaxado para a situação, como, quem tem certeza do que está falando.

Caska lhe lançou um sorrisinho triste e em seus olhos haviam lágrimas contidas, ávidas para rolar sobre seu rosto.

_Você é mesmo um idiota e tanto _ deu um pulo para trás, se soltando do guerreiro e o atacando mais vezes, enquanto ele apenas desviava incrédulo.

_Os que buscam grandes coisas carregam os maiores fardos. O Griffith não teve escolha a não ser ficar forte. Mas ele não é um Deus! Guts _ ela lançava as palavras em meio aos seus ataques frustrados _ Só ideais e sonhos não satisfazem um coração de um homem _ continuou ela, ao cessar seus movimentos, parando em seguida e Guts arregalou os olhos, ao ouvir tal frase.

_Você deixou o Griffith fraco. Ele não consegue avançar sem você!  _ concluiu Caska, atacando novamente seu amigo e ele desviou. Então ambos pararam para se encararem.

O choque daquelas palavras roubou a voz de Guts e fez sua mente relembrar do momento que deixou Griffith naquela neve, ajoelhado e derrotado.

Retornou de seus pensamentos.

_Eu fiz o que devia fazer, igual ao Griffith. Fiz o que achava certo. É errado eu querer seguir meu próprio caminho? _ disse o rapaz fitando os olhos da morena. Que agora estava ajoelhada ao chão.

_Eu sei. É como você disse. Mas eu não estou aguentando. Seria tão mais fácil se eu pudesse mudar o que sinto _ Guts permanecia inerte, ouvindo as palavras da guerreira.  _Não sou estúpida. Sei que Griffith dormiu com a princesa, como atalho para subir ao trono de Midland. Casar-se com a Charlotte-sama seria o ideal para ele, mesmo indo contra suas verdadeiras vontades. Se eu não poderia estar com o Griffith como mulher, ao menos o acompanharia como espada. Mas ai, você foi embora e eu vi a destruição nos olhos dele. Uma destruição que eu não podia fazer nada a respeito.  Desde o começo eu sempre soube que o Griffith tinha visto algo de especial em você. Eu tive ciúmes, mas depois ele me contou o motivo de ter te escolhido. Então eu apenas aceitei,visando a felicidade dele.

Guts movimentou sua cabeça para o lado _ Pela minha força e fúria no campo de batalha. Caska. Disso eu sei _ falou, prendendo sua espada nas costas.

_ Idiota! Ele sempre te salvou. Sempre esteve perto de você. Ele arriscava tudo nas batalhas, até a própria vida se preciso fosse, para não te ver ferido. Nunca desconfiou Guts? _ o espadachim parecia estar ouvindo palavras em outra língua, pela expressão que mantinha no rosto.

_Os melhores sorrisos, os mais verdadeiros, sempre eram para você, os momentos disponíveis, sempre passava conversando com você e você nunca soube? _ Guts já estava ficando com dor de cabeça, tentando entender o que ela insinuava, mas ele não conseguiu.  _ Seja mais clara Caska. _ pediu se sentando ao seu lado no chão.

_Ele te ama Guts! _ ela falou num sussurro, mas ele conseguiu entender claramente, ficando atônico.

_O maior erro de Griffith foi se apaixonar por você aquele dia na estrada. Ele fez de tudo para ganhar o duelo e ter sua servidão. Eu soube pouco depois, pela própria boca do falcão, que você era o escolhido. _ falou cabisbaixa.

_Escolhido? Apaixonado? _ Guts perguntou, com um tom irônico, como se estivesse ouvindo alguma piada.

_Sim. Ele te escolheu para ficar ao seu lado para sempre, ele queria que você fizesse parte de seu reino, não como um mercenário ou amigo, mas sim como um amante.  _ ela franziu o cenho para o mercenário, após falar.

_Loucura! Somos amigos e homens. E ele nunca me disse nada sobre isso. _ esbravejou se levantando do chão.

Lembra-se do baile de boas vindas, no Reino de Midland? No qual foi para homenagear Griffith e o bando, por estarem entrando para a nobreza? _ Caska olhou para cima, fitando o rosto do espadachim. _ Então... Ele planejava te contar tudo no outro dia, mas o que ele encontrou?

Guts passa a fitar a água que cai naquela cachoeira _ ele encontrou... Bom, eu estava indo embora.

_Então. Agora você sabe o real motivo da desgraça de Griffith _ ela se levanta também, guardando sua espada.

Guts se vira para ela com o olhar um pouco triste e culpado. Logo, a guerreira corre em sua direção e o abraça – Ainda não sabemos se ele está vivo, mas, por favor... Se ele estiver não o deixe sofrer mais. Resgataremos o Griffith e tudo voltará a ser como antes. _ disse chorando, com o rosto sobre o peito de seu amigo, sentindo que ali havia esperança.

Guts retribuiu o abraço e logo depois, afastou o corpo da moça com as mãos e olhou fundo nos olhos da mesma _ Ficarei até resgatarmos ele e ajudarei o falcão a reerguer o bando. Só isso! Depois continuarei minha jornada.

Olhou feio para ele, insatisfeita e perplexa, pela reação simplória diante de tudo que ela acabara de contar.

_Estou impressionada. Vocês dois são realmente iguais. Sempre pensando em sonhos, conquistas e se esquecendo da coisa mais importante. Ela iria continuar, mas Guts a interrompeu.

_Chega Caska! Eu já ouvi o suficiente disso. Eu irei consertar as coisas. Trarei Griffith de volta e deixarei aos seus cuidados. E mesmo se isso for verdade, mesmo se ele realmente tiver estes sentimentos por mim, não vai mudar em nada sobre o que eu sinto por ele. Que é apenas amizade. _ falou e depois foi embora, voltando para o acampamento, dando um sinal de mão para a morena que ficou totalmente desolada.

Não tardou muito, Caska voltou para o acampamento um pouco depois de Guts fugir da conversa e enquanto se dirigia a sua tenda, encontrou com Judeau no caminho. _ Capitã. Oi _ cumprimentou o loiro.  _ Oi Judeau _ ela respondeu com uma voz fraca e ele franziu a testa, meio preocupado. _ Está tudo bem? Precisa de alguma coisa?

_ N-não. Estou bem. Apenas preciso descansar para amanhã. Nosso grande dia. O resgate de Griffith._ forçou um sorriso.

_Verdade. Agora que o Guts voltou, estou confiante que tudo dará certo e que logo, logo, nosso bando voltara a estar completo novamente. _ falou esperançoso e Caska concordou com um gemido.

_Bom... então durma bem. Se precisar de qualquer coisa, me chame que levarei para você, Capitã. _ Disse esboçando um sorriso gigante no rosto e Caska ficou admirada pela facilidade daquele rapaz conseguir rir, mesmo naquela situação. Realmente um guerreiro otimista _ pensou ela.

_ Obrigada! Aviso sim. Até amanhã _ despediu-se do loiro, indo direto para sua tenda e o rapaz suspirou pesado, quando ela já havia se distanciado.

_

Todos dormiram naquela noite ansiosos para o amanhecer. Estavam preparados para o resgate e com os nervos exaltados para reverem o seu líder. Somente Guts que se revirava na tenda. Não parava de pensar sobre a conversa que teve com Caska. E Griffith não saiu de seus pensamentos naquela noite.

_____________________________________________________________________

            Pela manhã partiram em duas tropas diferentes.

            Guts, Caska, Judeau e Pippin partiram antes, eles eram a Guarnição de resgate, então foram rumo a Midland. Enquanto a tropa de Corkus os aguardaria no meio da rota de fuga, para dar o auxilio necessário, caso precisassem.

            Chegaram lá pela noite.

Caska os guiou até um cemitério, no qual havia uma passagem secreta para castelo. Portanto facilitaria o resgate, sem alertar os guardas do rei.

 O lugar estava frio, com uma névoa densa e um silêncio assustador.

Judeau afirmava que a informação era confiável, mas Guts estava um pouco tenso e duvidoso.

Após andarem alguns metros, Caska encontrou a lápide na qual ficava a passagem e a pedido dela, Pippin usou da força para empurrar aquela pedra esculpida, revelando a entrada.

Todos adentraram no buraco rapidamente, e começaram a correr pelos corredores daquele lugar úmido e Guts só conseguia pensar em Griffith preso naquele lugar nojento.

 

 

Você estava sempre de cabeça erguida visando alcançar o lugar mais alto. Sim. Você sempre nos via de cima. Nunca estivemos no mesmo degrau. Se você realmente não consegue continuar sem mim, se isso realmente for verdade. Eu..._ pensou Guts, correndo ansioso por aquele corredor e sentindo um medo irracional,tentando imaginar que Griffith estaria bem,depois de tudo.

Através de uma sepultura encontraram um caminho que dava a um grande salão e seguiram por ele, encontrando os informantes que estavam lhes ajudando no resgate. Enviadas pela princesa Charlotte. Então, seguiram as duas até a torre do renascimento e entraram sem titubear.

Judeau atirou suas adagas, matando instantaneamente, dois guardas que estavam na entrada como vigias, conseguindo assim as chaves para obterem acesso até onde o falcão se encontrava cativo.

Destrancaram o portão principal feito de madeira e deram de cara com uma grande espiral de escada. A informação dizia que Griffith estaria preso na cela mais profunda daquela masmorra, então apressaram seus passos, a fim de chegar rapidamente ao socorro de seu líder.

_

Griffith

O falcão estava jogado ao chão frio, totalmente abandonado como um bicho morto. Porém ele estava com os olhos bem abertos e sua mente projetava ilusões. Começou a ver luzes naquela sala escura e pequenos monstros rastejantes, beijarem seu dedo o chamando de “O grande Príncipe”.

Ele realmente não sabia o que estava acontecendo. Perguntava-se naquele chão molhado, há quanto tempo tinha estado ali nas trevas. Questionava a própria sanidade.

Claramente começou a visualizar a imagem de Guts descendo a grande escada.

A única coisa que me é clara é ele. Em minha mente sua imagem é tão viva. Ódio, amizade, amor, frustração, desamparo, afeição. A pessoa que me lançou nesta prisão de trevas. Agora se torna minha única chance de vida? Desde quando? Este homem já esteve em minhas mãos... Agora ele é tão radiante que fere meus olhos. _ pensou, observando aquela miragem e instantes depois, a porta de seu cativeiro foi aberta por Caska.

Guts_ sussurrou inaudível.

_____________________________________________________________________

Entraram na grande sala e Caska pôs se a chamar por Griffith, mas não obteve respostas, então começaram a duvidar que talvez fosse à cela errada, mas o mercenário começou a ouvir gemidos abafados e ao iluminarem mais a frente, Guts arregalou seus olhos pelo susto, ao ver o corpo em pele e ossos jogado naquele chão. _Griffith... Griff... Gri... _ ele tentou chamar o nome do prateado, mas sua voz estava falhando pelo nervosismo. Os outros estavam parados estarrecidos com a cena.

Guts logo correu até aquele corpo raquítico, se ajoelhando, o pegando nos braços e depositando a cabeça do falcão em seu colo. Ele não quis acreditar que aquele era seu antigo e belo líder. Fitou melhor o corpo: ele estava tão magro que impressionava a desnutrição avançada, seu corpo coberto por machucados, feridas cicatrizadas e outras abertas, sua pele queimada e os tendões dos pés estavam cortados. Aquele corpo não pesava, de tão leve e Guts se apavorou, receoso em toca-lo, acreditando que talvez, fosse lhe causar mais dores. Gritou pelas chaves e como Caska havia paralisado de pânico, Judeau as levou e logo abriram o elmo, tão especifico do falcão, revelando o rosto de Griffith e Guts gritou várias vezes, que era impossível aquele ser ele, não o reconheceu pelo estado que seu corpo e rosto se encontravam. Seu pesadelo veio à tona na mesmo hora e ele sentiu mais ódio ainda.

Griffith levantou as pálpebras lentamente e os olhos de ambos se encontraram.

O falcão entrou em desespero por ver aquele homem, a quem tanto amava e que tanto o fez sofrer, bem ali na sua frente. Ele queria saber se era real, então com muito esforço levantou seu braço desajeitado e tocou no pescoço de Guts, com a intenção de aperta-lo, como se pudesse o enforcar. Não conseguia apertar, pois lhe faltava força. Sua mão pequena apenas ficou ali tremendo sob o pescoço do outro. Mas Guts o abraçou, comovido com o estado daquele corpo, querendo chorar e gritar pelo o que haviam feito com Griffith. O prateado fitou aquele rosto másculo diante dele, tão perto_ pensou e abaixou seu braço, se rendendo ao carinho que recebia, colocando sua mão sobre o braço forte de Guts, que estava sobre o seu abdômen magro. E Guts finalmente chorou, molhando o rosto daquele homem tão fragilizado abaixo de si, que olhava fixadamente para o moreno com um brilho nos olhos.

_Desgraçado! Você é o desgraçado que fez isso com ele? _ esbravejou Guts, se levantando ao perceber a presença do maldito carcereiro na porta.

_Exato. Há muito tempo não havia recebido um trabalho tão divertido. Não há muitos espécimes esplêndidos como ele por ai. E eu não me encantei apenas com a beleza física desse rapaz, eu me encantei com a beleza escondida sob a pele, músculos, tendões e veias. Ele era mesmo maravilhoso. Uma pena ele não ter gritado como uma putinha, enquanto eu o estuprava. Mas agora olhando para você, o namoradinho que veio salva-lo, ele já deve estar acostumado. _ falava o carrasco em deboche, através da porta.

_Seria seu nome Guts? Hum. Concerteza. Era você a quem ele chamava, enquanto eu o comia por trás até ele sangrar e desmaiar. _ concluiu o monstro, gargalhando.

Guts não aguentou. Disparou com sua espada em direção àquela porta e empalou no estômago, aquele ser asqueroso. O suspendendo com uma força anormal e empurrando-o com o pé depois, fazendo as entranhas daquele carcereiro, deslizarem pelo fio da espada, deixando rastros de pele e tripas e o jogou no buraco entre a grande escada espiral. Mais guardas com bestas apareceram e tomado por uma extrema raiva, o espadachim avançou, subindo a escada correndo, atacando um por um daqueles servos do diabo que estavam ali, os golpeando brutalmente com sua arma. Estava alucinado, com sede de vingança. Seus ataques firmes e certeiros faziam fios grossos de sangue e massa encefálica jorrar no ar, manchando seu rosto com o fluido daqueles homens, no qual ostentava uma expressão lunática e descontrolada. Ele matou mais de 30 naquela escada enquanto subia. O restante da tropa de resgate vinha atrás, com Griffith sendo carregado por Pippin.

Já do lado de fora, ele encontrou mais guardas, e acabou com todos um por um, deixando um caminho de corpos arrebentados com suas cabeças e vísceras, espalhadas pelo chão, que mais parecia um tapete vermelho de tanto sangue.

Logo, conseguiram chegar ao salão principal, com destino _ o cemitério.

 

Griffith queria poder andar e ir até Guts para abraça-lo. Correr lado a lado, como costumava ser nas batalhas. Queria uma espada para junto com Guts massacrar aqueles guardas. Antes ele era um líder, sempre a frente de todos, liderando os mesmos, que agora o estavam salvando. Ele queria abrir a boca e falar, mas a situação era deveras repentina, para quem ficou um ano em trevas, e se tudo aquilo fosse um sonho?_ se questionava em pensamentos.

Eles pararam um pouco pelo cansaço no grande salão e Caska se aproximou de Guts, que estava tremendo muito, com os olhos de um louco. Griffith olhava tudo do ombro de Pippin, ele viu quando a guerreira se aproximou para limpar o rosto do mercenário que estava sujo de sangue.

Griffith havia se focado naquela cena. Sentiu que já não era mais um líder. O líder do bando. Ele percebeu que Guts, agora estava no seu lugar, já que ele se tornou um ser inútil. Ele percebeu a afeição dos dois bem diante de seus olhos e sabia que já tinha perdido tudo que ele pensava ter na vida. Se antes ele não encontrava coragem de se declarar para Guts, agora seria impossível, naquele estado deplorável de dar nojo há qualquer um e Guts agora estava se relacionando com a Caska.  Então simplesmente ele fechou os olhos, se sentindo desamparado novamente.

Enquanto Caska acalmava Guts, afirmando para o mesmo que Griffith ficaria bem, que agora ele estava salvo e que faltava pouco para estar realmente livre.

 

Depois de um tempo correndo, conseguiram sair no cemitério, onde dois soldados aguardavam com a carruagem para levar Griffith embora. E foi isso que fizeram. Montaram em seus cavalos. Acomodaram o falcão da forma mais confortável possível e seguiram a estrada rapidamente.

Amanheceu e ainda estavam a cavalgar a caminho do ponto de encontro, porém foram seguidos e não tardou muito até serem alcançados pelos guardas do rei.

_Não podemos ir mais rápido _ Guts perguntou de seu cavalo.

_ Não Guts! Ir mais rápido seria ruim para o Griffith _ respondeu Judeau, também a cavalo, logo atrás do moreno.

Viram quando a guarnição inimiga se separou em duas, a fim de cerca-los.

_Não tem jeito. Devemos atacar? _ o espadachim perguntou aos seus companheiros e logo atrás Caska gritou _ Não dará tempo!

Após a guerreira gritar, viram uma chuva de flechas serem lançadas sobre seus perseguidores, matando alguns e mais adiante puderam perceber que seu companheiro Corkus e membros do bando, estavam os esperando e dando apoio a distância.

Caska mandou cuidarem da carruagem na qual Griffith estava, e um integrante do bando foi escoltando a mesma. Já a guerreira, Guts, e o restante das guarnições, pararam e confrontaram o resto daqueles guardas, matando a todos que os perseguiam.

Enquanto Guts e os outros lutavam lá atrás, a carruagem continuava seguindo o caminho a todo vapor, mas, não foi longe e com apenas uma flecha inimiga fincada ao pescoço, o cocheiro foi abatido e a carruagem foi parada pelos guardas do rei. Griffith teve seu corpo arrastado de lá até o alto da colina.

_Parem ai _ o comandante inimigo gritou, acima da montanha e todos do bando viraram rapidamente para olhar e avistaram que o mesmo, estava em posse de Griffith, o forçando a ficar de pé e o ameaçando com uma espada imprensada ao seu pescoço magro.

_Maldito! Solte ele _ Guts gritou enraivecido por ver aquele homem tocar o corpo fragilizado de seu amigo.

_ Cale a boca! Apenas soltem as armas e se rendam _ ordenou, forçando mais aquela lâmina no pescoço do falcão, que já estava com os olhos abertos, olhando para seu bando lá embaixo. Porém ele não chorava, sequer se mexia.

Eles mataram muitos daqueles guardas, mas ainda havia uma dezena, todos armados, prontos para atacar e Griffith era mantido como refém. O moreno estava enlouquecendo por ver que o comandante machucava mais o corpo já martirizado e por ele estar ali, apenas observando.

_ Vocês pensaram em reerguer seu grupo com este homem, mas... _ disse o comandante da tropa real em deboche e logo após, despiu o corpo de Griffith, enquanto Guts gritava para ele parar, apavorado. Não queria que o restante do bando visse o estado de seu líder e sabia que no fundo Griffith estava consciente, entendendo tudo que se passava naquele momento e sofrendo dolorosamente com aquela exposição.

E o corpo do falcão foi descoberto e todos naquela estrada puderam ver como ele realmente estava, após ter sofrido um ano de torturas. O comandante o erguia como um boneco de marionete, forçando seu corpo frágil a ficar de pé, já que seus tendões haviam sido triturados,  seus braços penderam para baixo e suas pernas eram apenas ossos, assim como seu quadril e tronco. Exibindo as dezenas de feridas, espalhadas. Algo que foi bem mais assustador de se ver a luz do dia.  _ Ele nunca mais lutará. Sequer consegue ficar de pé _ esbravejou o homem de armadura real, tentando impressionar os aliados de Griffith e fazê-los desistir.

Todos do bando estavam boquiabertos com a calamidade daquele corpo, a cor da pele queimada, a quantidade de feridas. Eles queriam chorar ao ver aquilo e muitos ali desistiram internamente de Griffith como líder.

O prateado era exibido como um prêmio de algum caçador e ele apenas mantinha sua cabeça baixa, com vergonha e desprezo de si mesmo.

_Viram? Vocês se enganaram. Não resta esperança para ninguém desse bando, muito menos para este lixo aqui. Está tão mal que fede a um porco morto. _ e forçou mais a lâmina na garganta do prateado, cortando superficialmente a pele, fazendo o sangue escorrer e Guts já não aguentando mais assistir aquela humilhação, subiu naquela ribanceira correndo,mantendo sua espada apontada para frente e com toda a sua força perfurou o peito daquele comandante, enfiando toda a extensão de sua espada, abrindo aquela carcaça indigna de tocar em seu amigo, com fúria e libertando o falcão. Com apenas um braço, o mercenário agarrou o corpo de Griffith e o pressionou junto ao seu peito o protegendo de tudo e todos que o pudessem fazer mal. Ele estava sobre efeito de um sentimento de possessão, que nem ele entendia. E não demorou muito para que o resto da tropa inimiga avançasse para cima, e ele usou seu único braço disponível cautelosamente. Foi abatendo todos que se aproximavam. A lâmina passava macia na carne daqueles soldados, fazendo o sangue voar pelos ares em filetes grossos, reluzindo pela luz do sol, enquanto ele defendia aquele corpo com unhas e dentes.

Instantes depois, todos os inimigos estavam mortos e Guts ofegante, enquanto segurava o corpo de Griffith, que dormia, como se nada estivesse acontecendo. Ele estava confortável nos braços daquele homem.

Caska se aproximou de Guts, avisando que todos os inimigos estavam mortos e que agora poderiam prosseguir. A própria guerreira se forçava a acreditar que tudo estava bem, mas via no semblante de todo o grupo que eles estavam desanimados, abatidos e frustrados. Após vir o corpo de seu Líder, eles perderam as esperanças do bando se reerguer novamente. Griffith era o guia, ele era o cabeça, a pessoa inteligente e sagaz, ele era um rei sem coroa que valia a pena seguir e agora, havia sido resumido a nada. Apenas um deficiente, alguns cochichavam.

_Vamos leva-lo de volta para a carruagem _ disse Caska, tocando nas costas de Griffith e Guts o apertou mais forte contra seu peito, com os olhos arregalados. _ Eu o levo _ disse firme, guardando sua espada nas costas e pegando o corpo tão leve com os dois braços, deitando-o e o levando no colo até a parte de trás da carruagem. Caska apenas observava aquilo com tristeza.

Guts não queria larga-lo, estava temeroso, imaginava que alguém o levaria novamente ou o machucaria mais. Mas ele precisava sair para a reunião com o bando, então depositou o corpo dele suavemente sobre as cobertas grossas e saiu da carruagem, mas antes de sair, ele segurou na mão magra de Griffith e acomodou a sua por cima, acariciando a pele tão maltratada. Ele queria fazer algo para amenizar a dor do outro, mas no momento só pode o proteger e acariciar sua mão com ternura, tentando passar confiança para seu amigo, de que tudo ficaria bem. Então com muito esforço e dúvida, saiu da parte detrás da carruagem deixando o prateado dormindo.

Chegaram ao local de encontro na floresta próxima e ficaram por ali, esperando Richert e o restante do bando os encontrar.

 

Todos estavam reunidos do lado de fora e Guts se juntou a eles. A atmosfera era de melancolia e após alguns minutos de silêncio Corkus começou a questionar, se aquilo tudo era mentira, se o inimigo estava apenas brincando ao falar sobre Griffith e todos ficaram quietos, o que o deixou com raiva, então começou a ir em direção à carruagem, para interrogar Griffith, mas no caminho Guts o parou. _Não vou deixar você o acordar.

_Você não é o novo líder.  Esse seria nosso recomeço, mas agora o que faremos se ele está destruído? _ Guts apenas o olhava surtar.

Logo, alguns dos membros disseram que o bando não estava perdido, que ainda havia a Capitã Caska, porém Judeau se pôs a falar que não havia bando do falcão sem o Griffith, que todos deveriam saber disso. Mesmo que ele estivesse enfermo, ainda era o líder e que Caska por um ano foi cobrada e estava no limite. Então a guerreira apenas pediu um tempo para pensar no que fazer. Seguiu até a carruagem de Griffith e Guts foi atrás dela.

_Ei! O que está pensando? _ indagou o rapaz aflito.

_Ainda não sei. Eu mal consigo olhar nos olhos de Griffith. Estou tão assustada, não por talvez, precisar comandar o bando por mais algum tempo, mas sim pela situação do falcão. Eu não sei como agir agora. _ falou com lágrimas nos olhos, enquanto caminhava até Guts.

_Eu preciso de alguém ao meu lado que saiba lidar com isso e só você pode o ajudar Guts. Ele sempre precisou de você e agora não é diferente. Apenas não o faça sofrer mais, eu consigo perceber que você sente algo por ele, alem da amizade, mesmo que você negue. _ disse, enquanto sentia os batimentos do mercenário acelerar. 

Guts não queria pensar nisso, não naquele momento, mas bem no fundo ele começou a cogitar que talvez, ela estivesse certa. Então ele nada falou apenas a abraçou, consolando-a. Porém, Griffith os observava da carruagem e novamente seus olhos frios estavam sobre aquela aproximação tão intima dos dois e se sentiu traído por Caska. Ela sabia da paixão de Griffith pelo mercenário, conhecia-o melhor que qualquer um daquele bando e mesmo assim, ela estava lá nos braços de Guts. O prateado apertou os olhos, querendo sair daquele corpo inútil. Queria levantar, ver seu grupo, seus soldados, queria manejar sua espada. Mas não podia, estava entrevado naquele lugar e talvez, seria ali que ficaria para todo o sempre. Ele foi salvo da masmorra, das torturas físicas, mas ainda se sentia enjaulado e sofrendo. Sua mente ainda estava quebrada, aprisionada e a tortura agora, seria ter que assistir todos os dias seus seguidores lhe olharem com pena, Guts tão perto, mas tão longe ao mesmo tempo e a traição daqueles dois, bem diante de seus olhos.

Caska após conversar com Guts partiu para a carruagem onde Griffith estava. Ela queria tentar um contato com o seu líder. Queria cuidar dele.

_

 

 

Guts e Judeau conversavam sentados na grama, fitando o horizonte.

_O que você vai fazer agora? _ perguntou o loiro.

Guts permanecia cabisbaixo, pensando em Griffith e nas conversas que teve com a guerreira. _Eu ainda não sei, talvez, irei tirar esta noite para pensar _ respondeu olhando o outro.

_Hm! Eu estou pensando em talvez, chamar alguns do bando, os que sobraram para formar um grupo de ladrões. Assim ao menos poderíamos cuidar do Griffith.

_Isso não seria ruim, sua intenção é boa, mas você não deveria pensar em cuidar da Caska? _ O rapaz de rabo de cavalo, corou no mesmo momento após ouvir esta pergunta e não conseguiu responder.

_Sabe. Você e ela ficaram fugindo por um ano, junto ao resto do bando, e sempre seguiram os propósitos de Griffith, sendo leais. Não seria certo, vocês terem que pagar por um erro meu. _ Guts disse, arrancando pedaços da grama verde do chão. _ Ela sempre foi apaixonada pelo Griffith, sofreu e ainda sofre. Mas ela precisa ser feliz. E eu acredito que talvez, você consiga isso. E se, alguém tiver que cuidar do Griffith, esse seria eu. Um fardo? Talvez. Mas eu não posso fugir. Não após presenciar e sentir tudo isso, toda essa emoção que passei. Sinto como, se tivesse aberto um buraco no meu peito, um buraco de culpa. _ Desabafava o moreno, enquanto Judeau apenas o escutava.

_Eu não sei se eu posso faze lá feliz. Eu realmente gosto dela, sempre tento estar por perto e nesse um ano, desejei tanto que ela me enxergasse diferente, mas, acho que nada mudou. Porém, estarei sempre aqui para o que ela precisar. Protegê-la-ei, com a minha vida se precisar. _ Judeau tomou coragem e revelou seus sentimentos por Caska ao seu amigo, que apenas lhe lançou um olhar de compreensão.

Após alguns segundos de silêncio, o loiro novamente começou a falar.

_Sobre Griffith. Você já o abandonou antes. Fico com receio de você começar a cuidar dele e o abandonar novamente. Se isso acontecer, nas condições que ele está, acho que seria o fim para o falcão. _ alertou o rapaz, com a voz séria.

De repente um grupo de homens se aproximou deles, indagando se Guts iria partir se iria deixa-los e se ofereceram para seguir o espadachim. O veneravam, por tudo que ele fez antes e agora pelo bando e por Griffith e estavam dispostos a segui-lo.

Guts apenas olhava a todos aqueles homens afoitos, tropeçando nas palavras e se sentiu sendo necessário naquele lugar. Talvez, aquilo fosse o começo de algo bom. Talvez, estar ali seria seu destino desde o começo. Ele olhou para Judeau, que fez um singelo sinal de confirmação com a cabeça para ele.

_ Calma pessoal! Eu não estava pretendendo ir embora. Apenas esperem alguns dias e logo, resolveremos essa situação da melhor forma possível. _ disse enquanto se sentava novamente junto com aqueles soldados, mas num susto, pulou ao ser chamado á gritos por Caska e todos se levantaram correndo até a carruagem de Griffith. Encontraram Caska encostada na madeira de braços cruzados, com algumas lágrimas no rosto.

_O que aconteceu? O Griffith... não me diga que... _ Guts indagou com os olhos arregalados, imaginando o pior.

_Ele apenas não me quer lá dentro, ele me olhou tão frio e eu simplesmente não consegui ficar lá. _ disse segurando as mãos uma na outra, logo Judeau trouxe um copo de água e ofereceu para a morena, que aceitou com um meio sorriso.

_Ele disse alguma coisa? _ Guts perguntou, tentando entender o que acontecia.

_Ele sussurrou seu nome. Talvez, se for você ele deixe entrar. _ disse a guerreira se afastando deles. Logo, Guts fez um sinal para que Judeau fosse junto com ela, para amparar a mesma, não que ela precisasse. Era forte, bem mais que muitos soldados, porém o momento era delicado, tão delicado que até o mais forte guerreiro poderia desabar sem esperanças naquelas circunstancias.

_Vou entrar e ver no que posso ajuda-lo. Qualquer coisa ou ameaça me chamem aqui._ disse aos homens que estavam ali e todos concordaram em uníssono, se afastando em seguida.

E o espadachim adentrou naquela carroceria, nervoso. Depois de toda aquela euforia e desespero para salvar o prateado, ele não havia tido contato com Griffith. Teria que ser forte e encarar o amigo. Tentar ao menos o ajudar de qualquer forma que pudesse para se redimir. Estava com medo, já que agora Griffith estava um pouco consciente.

Guts tinha plena certeza de sua culpa e aceitaria a raiva, ódio, desprezo ou o que fosse do falcão.


Notas Finais


Queridos leitores, eu espero que vocês estejam entendendo. Qualquer dúvida ou dica,não se acanhem e ajudem a mana aqui rs.
O próximo sai sábado ou domingo. Oremos!
E lembrem-se aqui nesta fic o Griffith ficará apenas aleijado,seria difícil para mim,no momento escrever a fic com ele mudo,mas isso não significa que eu não vá escrever futuramente uma assim. :D

Se você talvez, estiver achando tedioso e com capítulos muito grandes,eu realmente peço perdão. Eu ainda não consigo escrever sem querer detalhar tudo.
Link da música _ https://open.spotify.com/track/5yVIlYEHZxQVLyInCdldoS?si=94WuElhyREe5MUqMvY_gvw

Agradecendo a todos que participam,lendo,favoritando e comentando.
Beijos no Kokoro ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...