1. Spirit Fanfics >
  2. O anjo do passado (Repostando) >
  3. Prólogo

História O anjo do passado (Repostando) - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Prólogo


Prólogo

Aos 14 anos, Letícia Padilla se denominava a adolescente mais feliz do mundo, ou talvez só da sua cidade. – New York: Estados Unidos da América – Sua felicidade não se dava pela quantidade de dinheiro que ela ou sua família possuía, pois esse quesito era muito modesto. Sua alegria irradiante se descrevia em vários elementos, mas somente em uma palavra “Família”. Com os seus pais – Erasmo Padilla e Julieta Solís – sempre presentes e seus irmãos mais novos – July, 4 anos, e Joseph, 6 anos – que sempre a faziam sorrir, seu êxito familiar era o mais importante.

__ Crianças, venham almoçar. – Chamou sua mãe para o mesmo ritual de todos os domingos.

__ Aqui estamos mamãe. – Lety apareceu seguida por seus irmãos mais novos. – Já lavamos as mãos.

__ Então se sentem para orarmos e agradecermos ao Senhor pelo pão de cada dia. – Seu pai ordenou e eles como bons filhos que eram, obedeceram sem nem pestanejar.

__ Senhor, muito obrigado pela família maravilhosa que o Senhor me presenteou... – Seu pai começou, como sempre.

__ Muito obrigada pelos nossos trabalhos, de onde podemos tirar o sustento para nós e nossos filhos... – Sua mãe completou.

__ Obrigada pela nossa inteligência, pelo ar que respiramos e pelo teto que temos sobre nossas cabeças. – Letícia falou na sua vez.

__ Agradeço pelas minhas irmãs e pelos meus pais, o Senhor não podia ter me dado uma família melhor. – Agradeceu Joseph.

__ Obrigada pelo pão que temos todos os dias na nossa mesa. – Foi a vez de July.

__ Obrigado por tudo Senhor, amém! – Todos falaram juntos.

            Sorrisos e brincadeiras transformavam o ar na modesta casa da família Padilla, fazendo mais um almoço domingueiro agradável.

            Hoje Letícia com 23 anos, formada em economia trabalha para o maior banco dos Estados unidos, atuando na área internacional sendo o braço direito do vice-presidente da companhia. Lety volta de um passei de inverno com a família, ela manobra com cuidado em decorrência da pista molhada e lisa. Depois de muito brincarem os irmãos caem no sono. Tudo que Lety sente dentro de si é que de hoje em diante sua vida mudará, mas oque atormenta o seu ser é a incerteza se as mudanças virão para o bem ou para o mal.

            O barulho estridente de um celular tocando tira sua concentração e acorda seus irmãos.

__ Joe desliga esse celular. – Lety pediu calma ao irmão.

__ Estou procurando Lety, mas não sei onde está. – Passando alguns segundo o infame celular continuava tocando, porém, mas alto.

__ Joseph que droga! Desliga esse celular está me atrapalhando.

__ Calma Lety, não sei onde ele está.

__ Filha, não fale assim com o seu irmão. – Sua mãe a repreendeu.

__ Perdão mamãe. Perdão a você também Joe. – Se retratou Letícia.

__ Não tem problema. – Joe falou acalmando a irmã mais velha. Ele finalmente achou o celular o desligando, voltando assim a paz dentro do veículo que havia anteriormente.

            O tal sentimento que habitava dentro de Letícia logo tomaria vez e voz e imediatamente ela saberia se ele viera para a bondade ou para a maldade.

            Letícia sente um estrondo forte no seu corpo que, diga-se de passagem, dói incessantemente. Alguns segundos depois ela não via nem sentia mais nada.

            No meio daquela rodovia quase chegando à New York, apareceram vários homens do corpo de bombeiros e paramédicos, e apesar do atendimento rápido os pais e os irmãos de Letícia não resistiram. Ela agora está sozinha no mundo e neste exato momento lutando para sobreviver.

            Semanas se passaram e depois de muitos exames, medicamentos e cirurgias, Letícia está saindo do hospital. O sorriso irradiante já não mais habitava no seu tão lindo rosto, ainda havia curativos pelo seu corpo, mas a maior sequela estava em seu coração.

 

Tudo que aconteceu com Letícia, desde o seu nascimento até a sua mais recente tragédia, foi observado por uma pessoa que estava longe dali. O mesmo pressentimento que ela trazia no dia da tragédia, essa pessoa também sentia no peito, com uma pequena diferença; ela sabe se é maléfico ou benéfico.

__ Está na hora. – Um senhor se aproximou de mim. Continuei calado olhando para tudo a minha volta.

__ Não sei se estou pronto.

__ Está sim, você é forte e foi treinado para isso.

__ Estou com medo. – ele sorriu de canto.

__ Oras, você não sente medo. – Continuou sorrindo na tentativa fracassada de me acalmar.

__ Não sei se quero é demais para mim, não vou aguentar sozinho.

__ Não se intimide, ou você acha isso justo?

__ Não, não é justo. Ela não merece tudo isso que está acontecendo. Ela é tão pequena e indefesa, ainda mais agora que está sozinha, ela sofre muito e precisa de ajuda – Falei soltando tudo que sentia tentando dar razões para mim mesmo para fazer isso.

__ Sim, você está certo. Ela necessita de ajuda e de alguém que cuide dela. Vá e fique com ela, precisa de você.

__ mas, nem eu mesmo consigo me ajudar. – Estava realmente com medo de fazer algo errado.

__ Não estou te reconhecendo. Cadê o rapaz robusto e com ousadia que conheço? Você estava tão animado, não via a hora de isso acontecer. Tenha fé em sim mesmo e faça!

__ Mas, não dessa forma. E se não consegui, o que acontece comigo?

__ Você sabia que seria assim desde sempre. ­– Falou calmo. – __ Não pense nisso, simplesmente se liberte de você mesmo e suas prisões, você é prisioneiro de si próprio quando sente medo, raiva, angústia ou qualquer sentimento nocivo ao bem. Isso não é para você.

__ Se fizer algo errado oque me acontece?

__ Você sabe. Não poderá mais voltar a não ser para o seu julgamento. Só mais uma coisa: Cuide do seu ponto fraco!  

__ Fiquei mais tenso.

Olhei para aquele senhor ao meu lado, seu olhar já cansado passava amor, paz, calma, e segurança. Crente em cada palavra proferia por ele me deixei levar por uma onda forte que caía sobre mim. Tudo ficou escuro e depois um clarão invadiu meus olhos quase os cegando. Senti uma dor no meu corpo e fiquei jogado no chão daquele lugar na qual não sabia onde era, não me lembrava de quase nada somente do meu nome, antes de adormece percebi que chovia muito e que uma mulher se aproximou de mim.


Notas Finais


Obrigada por ler.
:)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...