1. Spirit Fanfics >
  2. O Assassino >
  3. O amor e a verdade

História O Assassino - Capítulo 19


Escrita por:


Capítulo 19 - O amor e a verdade


Fanfic / Fanfiction O Assassino - Capítulo 19 - O amor e a verdade

Eu deixei a Emily na minha cama. Fiquei beijando o pescoço dela enquanto passava a minha mão entre as pernas dela.

" Eu... Estou um pouco nervosa. As minhas amigas sempre falavam que doía no começo... "

Ela murmurou com medo.

" Vai ficar tudo bem. Vou ir bem devagarzinho. "

Falei ao olhar para ela.

A Emily estava tão envergonhada. Estava tensa, mas eu tentei tranquilizar ela. Me afastei dela e tirei a minha calça.

" Fique a vontade, fique calma. Não precisa ficar nervosa ou com medo. Tudo vai ficar bem. "

Eu disse enquanto tirava o resto da minha roupa.

A menina sentou na cama como se fosse um moleque. Ficou com as penas abertas e bom... Fiquei olhando e pensando o que ela estava fazendo.

" Algum problema... Querida? "

Perguntei enquanto observava a Emily na minha cama.

" Você disse pra mim ficar a vontade. Então, eu decidi ficar assim. Sentada te olhando. "

Emily respondeu com uma voz trêmula.

Eu dei risada, pois ela estava muito engraçada.

" Tudo bem. Pode ficar assim. Não quer tirar a roupa...? "

Perguntei ao colocar a minha roupa na minha cômoda.

" O que?! Tirar minha roupa? Você vai ver que eu sou... Magra e não sou aquelas modelos com corpo perfeito e que tem até curvas! "

Emily entrou em pânico.

Respirei fundo... Percebi que ela tinha se importava demais com as opiniões alheias e sobre o seu corpo... Ela tinha baixa auto-estima.

" Emily, calma. Eu me apaixonei por você, porque você é a melhor pessoa do mundo. Sempre me deixa tão... Feliz, sempre tenta me ajudar e me defender do Ângelo. Eu te amo do jeitinho que você é. "

Expliquei enquanto segurava o rosto dela.

Beijei ela. Ajudei a Emily a tirar as suas roupas. A menina me abraçou forte enquanto eu passava meus dedos na sua parte íntima.

Até que o celular dela tocou. Olhei pra ela e rezei pra que ela ignorasse a ligação.

" Eu preciso ver o que é. Deve ser importante a ligação. "

Ela murmurou ao tentar se levantar cama.

Eu fiquei em cima dela pra ela não se levantar e sussurrei.

" Quer que eu veja quem que está ligando pra você? Se for a sua mãe... Eu te dou o celular. Se for outra pessoa... Você deixa pra lá, tudo bem?"

Ela ficou pensativa. Mas não contrariou a minha idéia. Emily falou que eu podia olhar o celular dela. Peguei o seu aparelho que estava no bolso de sua calça e fui ver quem estava ligando pra ela.

Quando vi de quem era a ligação... Tive vontade de quebrar o celular dela. Mas eu me segurei. Respirei fundo e desliguei o celular dela.

" Quem era? Era a minha mãe? "

Emily perguntou ao se cobrir com o meu cobertor.

" Ah... Era o Ângelo. Ele escapou da prisão e agora quer falar com você. Deve ser algo muito importante. "

Respondi enquanto olhava para o aparelho dela.

Eu estava tentando evitar de olhar pra Emily. Não queria que ela me visse com raiva.

" Espera... O que? Como assim ele escapou da prisão? Como você sabe disso? "

Ela perguntou em choque.

" Ouvi na rádio. Ângelo escapou da prisão e agora quer falar com você. Acho que ele ainda gosta de você. "

Respondi ao colocar o celular dela em cima da cômoda.

" Henry... Não me importo mais com ele. Ângelo quase me fez perder o amor da minha vida... Você. "

Emily falou ao sair da cama.

Ela me abraçou e continuou falando.

" Por favor... Vamos continuar com o nosso amor? "

Olhei pra Emily... Fiquei surpreso quando ela me pediu aquilo. Fiquei feliz. Fiz ela deitar na cama e continuei passando os meus dedos na parte íntima dela.

" Sorte que não tenho vizinhos. Você pode gemer a vontade. "

Comentei enquanto dava uma risadinha.

Percebi que ela estava se segurando, mas depois ela se soltou aos poucos quando ouviu o meu comentário. Quando tirei minha cueca, a Emily arregalou os olhos... Parece que ela nunca viu... Parte íntima de um homem.

" Vamos minha querida. Vamos ter um futuro juntos. "

Eu disse ao me aproximar dela.

Fiquei beijando a Emily pra distrair ela. Eu tinha conseguido tirar a calcinha dela e joguei no canto do meu quarto. Quando eu estava prestes a colocar meu membro na Emily, ela agarrou o meu braço.

" Eu te amo, Henry... "

Ela murmurou.

" Eu também, minha querida. "

Eu disse ao colocar o meu membro nela.

Percebi que ela ficou quieta por um tempinho e eu não me mexi. Fiquei esperando ela me dizer algo.

" Eu te machuquei...? "

Perguntei preocupado.

" Não... Senti uma dor... Mas essa dor é gostosa. "

Emily respondeu ao sorrir pra mim.

Ela pegou o celular que estava em cima da cômoda. Estava praticamente ao lado da cabeça dela. Ela ficou procurando algo no aparelho dela e eu fiquei pensando se ela ia avisar a sua mãe sobre o nosso relacionamento ou se ela ia demorar pra voltar pra casa.

Mas não... Ela colocou uma música e fiquei sem entender nada.

" Essa música... Quando ouço ela, me lembro de você. Me lembro do seu olhar ameaçador, me lembro do seu jeitinho meigo mas ao mesmo tempo me lembro do seu jeito perigoso. Eu não sei porquê... Mas amo isso em você. "

Emily explicou enquanto passava mão pelos meus cabelos.

Olhei para a tela do celular e vi o nome da música. A cantora era Mia Martina, a música se chamava Beast.

" Eu sou a sua besta, então? "

Perguntei ao tirar o celular da mão dela.

" Sim... Pode fazer o que quiser comigo. "

Ela respondeu enquanto me olhava com admiração.

Mordi a orelha dela enquanto me mexia lentamente. Era tão bom ouvir ela gemendo perto do meu ouvido. Até que eu acelerei os movimentos e senti a Emily me arranhando nas costas.

" Henry... Eu te amo muito. Você é o único que faz as coisas por mim. Faz de tudo pra me ver feliz... Eu te perdoei... Pelo tapa que você me deu... Porque só tenho olhos pra você... Você não mente pra mim, não faz loucuras pra ficar comigo... Você foi sincero comigo o tempo inteiro. Eu realmente amo você. "

Emily falou enquanto gemia.

Naquele momento... Me senti muito mal. Ela não sabia nem da metade das coisas que eu tinha feito, por causa dela. Eu parei de me mover e fiquei encarando o chão.

" Henry...? Tá tudo bem? "

Ela perguntou um pouco preocupada.

Eu me mexi novamente ao perceber que eu estava parado feito uma estátua em cima dela.

" Não se preocupe... Sempre vou estar bem... Pra te ajudar no que der e vier. "

Respondi enquanto beijava o seu corpo.

Por que eu sentia que uma hora ou outra ela ia descobrir a verdade? Por que eu sentia medo de que ela descobrisse quem realmente eu era? Eu não me importava com essas coisas. Eu apenas mandava os outros se ferrarem e depois eu matava eles.

" Ah... Eu estou sentindo algo... "

Emily murmurou.

" É normal... Você está prestes a gozar. Eu também estou. "

Falei enquanto me mexia mais rápido.

Ela tapou a sua boca pra não gritar de prazer. Mas eu tirei a mão da boca dela.

" Não tenho vizinhos, se lembra? Quero ouvir os seus gemidos. "

Falei ao morder o seu pescoço.

Eu mordi muito forte, fazendo com que a Emily gritasse de prazer. Quando chegou o nosso limite, eu gozei dentro dela. A Emily sentiu e ficou me olhando em choque.

" Espera... Você fez isso mesmo? Você gozou dentro de mim... Eu vou ter um bebê... "

Ela falou um pouco assustada.

" Emily. Nós vamos ter um bebê. É isso que eu mais quero. Ter uma família com você. "

Eu disse ao me afastar da menina.

Quando ela se levantou da cama, percebi que ela ficou um pouco incomodada. Por que? Ela não queria construir uma família comigo? O que tinha de errado? Eu estava confuso naquele momento.

" Henry... Tá tudo bem? Eu te fiz alguma coisa que não gostou? "

Ela perguntou ao perceber que eu estava estranho.

Aquele aperto no meu coração... Estava me matando. Eu estava mentindo pra ela o tempo todo. Ela achava que eu era uma pessoa inocente, que fazia de tudo por ela sem... Ferir ninguém.

" Emily... Desde que te conheci... Fiz tanta merda pra tentar ter você por perto. "

Murmurei ao começar a chorar.

" Do que você tá falando? "

Ela questionou ao ficar confusa.

Eu tentei dizer a verdade pra ela. Mas eu estava tão nervoso. Me virei e chutei com força a cômoda.

" Henry! O que foi? Por que tá bravo? "

Emily perguntou ao se levantar da cama e tentou me segurar.

Eu fiz ela me soltar e apoiei minhas costas na parede. Eu tentei me controlar, eu tentei... Tentei falar a verdade, mas quanto mais eu tentava me acalmar... Mais eu ficava nervoso e com vontade de pegar uma pessoa pelo pescoço.

* HENRY OFF *

* EMILY ON *

Eu estava assustada. O Henry estava tremendo e coçando a cabeça o tempo todo. Parecia que estava nervoso com alguma coisa.

" Henry... Me fala o que tá acontecendo. Sabe que posso te ajudar no puder. "

Falei ao me aproximar dele.

De repente, ele abriu uma gaveta da cômoda e pegou uma faca. Dei um passo pra trás e fiquei observando ele.

" Henry... Abaixa essa faca. Você sabe que tá fora de si. "

Falei num tom baixo.

" Eu... Não quero ajuda. Não preciso de ajuda. Eu posso muito bem me controlar. "

Ele falou enquanto sorria pra mim.

Por que ele estava agindo daquela forma? Ele estava totalmente desequilibrado.

" Henry... Não vou te forçar a nada. Eu nem falei de ajuda. Não falei nada sobre tratamento. Eu sei que você não gosta que toque nesse assunto. Então, por favor... Se acalme. Se quiser me bater, ou enfiar essa faca em mim... Tudo bem. Pode descontar a raiva em mim. Sei como a vida é uma merda. "

Eu disse enquanto me aproximava lentamente do Henry.

" Hahaha! Não me faça rir! Se eu fizer isso tudo com você o que eu fiz com as minhas vítimas... Você vai passar a me odiar! "

Quando ele falou das vítimas dele... Fiquei em choque. Mas tentei demonstrar pra ele que eu estava bem e que não estava com medo dele.

" Por que eu ia te odiar? Você é meu namorado! "

Falei ao dar um sorriso falso pra ele.

Ele largou a faca e ficou tremendo.

" Emily... O Ângelo tem raiva de mim, porque eu sou o assassino. Eu estou por trás de muitos crimes. "

Henry murmurou enquanto sorria pra mim.

Eu não sabia o que dizer naquela hora. Eu só podia ouvir ele se confessando pra mim.

" Quando... Você me contou sobre a Tina... Que ela te bateu. Eu tive muita vontade de matar ela. Tive vontade de torturar ela até não sobrar nada dela. E eu fiz isso... Eu cortei ela em pedaços e joguei ela na ponte. Foi tão divertido de ver ela morta. Depois... Fui atrás da mãe do Ângelo e acabei matando ela. O corpo dela... Ainda está no porão. "

Henry explicou enquanto olhava para o nada.

Ele estava fora de si. Dava pra ver através do seu olhar. Eu fiquei com medo dele, mas eu não consegui deixar ele. Vendo ele sofrendo daquela forma... Me deixou com o peito apertado. Ao mesmo tempo... Me deixou um pouco triste, já que ele mentiu pra mim o tempo todo.

" Eu preciso voltar pra casa. Preciso pensar sobre isso tudo. "

Falei ao pegar as minhas coisas.

Vesti a minha roupa e percebi que o Henry estava me olhando.

" Emily... Eu sinto muito. Eu peço desculpas por tudo. Mas... Que bom que acabei com a Tina, certo? Ela nunca mais vai te agredir e... "

Interrompi o Henry, dizendo...

" Você cometeu crime e ainda acha que tá certo o que você fez? Você... Não entende o quão grave está a situação. "

Quando peguei as minhas coisas, pensei em voltar pra casa e pensar no que o Henry tinha me contado. Até que ele me segurou pelo pulso.

" Emily! Eu já te pedi desculpas! Por favor, não me denuncie pra polícia! Eu imploro! "

Henry gritou em desespero.

" Não se preocupe. Não vou. Você merece... Mas não vou. "

Falei num tom frio.

Ele percebeu no quão brava eu estava com ele.

Quando ele soltou, eu saí da casa dele e fui pra minha casa. Eu não me importava com a Tina. Aquela menina me irritava, porque sempre se achava um máximo para os outros, só porque ela praticava esporte. Ela exibia o corpo de vagabunda que ela tinha. Mas habilidades pra jogar... Não tinha nada. E a mãe do Ângelo... Não gostava muito dela. Ela sempre dava razão para o Ângelo, por mais que ele estivesse errado nas situações que ele tinha.

Chegando em casa, peguei o meu celular e vi que tinha ligação perdida do Ângelo. Não... Eu não retornei ligação. Eu não podia ser amiga de um miserável que tentou de tudo pra ferrar com a vida do Henry.

Fui até ao meu quarto e pensei no Henry. Não conseguia acreditar que tinha perdido minha virgindade com um assassino. Eu não sabia o que sentir... Culpa? Alívio? Raiva? Alegria? Não sabia mesmo.

De repente, o meu celular tocou. Vi que era a Kristen. Eu atendi ela.

" Alô. Eu voltei pra casa agora pouco. Posso falar agora. "

Eu disse ao me sentar na cama.

" Voltou agora pouco pra casa? Onde estava? Espera... Estava na casa do professor de Biologia? Ele confessou pra você que tem problemas? "

A ruiva perguntou preocupada.

" Na verdade não... Ele não me confessou nada. "

Sim... Eu menti pra proteger ele.

" Ah... Então, você foi lá pra nada, né? "

Kristen continuou perguntando.

" Na verdade... Estou feliz que fui até a casa dele. Eu aprendi coisas novas. "

Respondi enquanto sorria de alegria.

Eu me lembrei de quando Henry estava em cima de mim... Por mais que ele fosse desequilibrado... Ele sabia como tratar bem as pessoas.

" Como... Assim? Do que você tá falando, Emily? "

A menina questionou um pouco pasma.

" Eu e o Henry... Fizemos sexo. "

Falei ao respirar fundo.

Houve silêncio entre nós por alguns segundos. Parecia que eu tinha feito alguma besteira.

" Emily... Vocês fizeram sexo?! Mas usaram proteção, certo? Camisinha? Tomou anticoncepcional? "

A garota ficou perguntando preocupada comigo.

" Kristen! Não fizemos nada com proteção, porque... A gente decidiu construir uma família juntos! Um dia vou me casar com ele! Eu sei que ele tem problemas, que ele desconfia das pessoas, mas... Ele é uma boa pessoa e posso provar pra você e para o Ângelo! "

Gritei irritada.

A Kristen desligou na minha cara... Defender o Henry era tão difícil. Ninguém conseguia ver o que eu enxergava. Mesmo assim, eu tinha decidido ficar do lado dele pra sempre.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...