1. Spirit Fanfics >
  2. O Bad Boy da Esquina (Dekubaku-Katsudeku) >
  3. O Jogo do Esverdeado

História O Bad Boy da Esquina (Dekubaku-Katsudeku) - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


OIII MINHAS DELÍCIASSSSSS
SALVE SALVE
tudo bom?
Hummmmm??
6 tão bem???
Espero que sim!
Enfim
EU NUM AVISEI QUE IRIA POSTAR MAIS VEZES???
pse pse
Ksksksskkskss
Só que eu estou voltando aos poucos
E gente!
Skskskskskkss
Aiai
Eu tava tendo cada idéia com essa fic, então isso é um aviso de que muita coisa está vindo pela frente!
Enfim sksksks
Eu não vou falar muito
Mais espero que gostem desse cap!
Boa leitura amores ❤

Capítulo 7 - O Jogo do Esverdeado


Suas pernas estavam entrelaçadas na cintura alheia. Ele estava com as mãos agarradas a cabeleira de duas cores. As pernas estavam tão entrelaçadas que os pênis alheios pareciam se tocar. Sem contar no fato de que ambos os dois estavam em um beijo quente.

A cabeleira verde se afasta um pouco, desencostando as bocas e logo passando a língua pela boca inferior de uma forma sexy, como se estivesse aprovando o sabor e o beijo alheio.

O Bicolor de merda desce a boca pelo pescoço do esverdeado, despejando beijos e lambidas por todo mísero lugar do pescoço de uma certa moita tarada.

A mão do que recebia beijos, estava apertando com forças a camisa do bicolor, parecia estar aprovando e se deliciando com cada toque da boca alheia, até porque soltava pequenos suspiros arrastados.

Sente duas esmeraldas penetrantes lhe fitarem, as mesmas estão totalmente desinteressadas em si, diferentemente de alguns dias atrás.

Lentamente, pega na maçaneta a puxando para si com cuidado e enfim fechando a porta.

Aperta os punhos com forças, okay, agora sabe o que realmente quer. O que aquele filha da puta pensa que si é? É o brinquedinho dele? É o bixinho dele? Hamm? Irá o dar uma boa lição por brincar consigo...

Se ele acha que pode o excitar e depois simplesmente lhe descartar como se fosse nada e ainda por cima sair impune, está muito enganado, oh se está... Mais tudo bem... nada do que não possam resolver mais tarde.

Começa a caminhar em direção a sua verdadeira sala, quem diria, se não estivesse entrado na porta errada, ainda estaria confuso sobre o que queria. Mais agora sabe muito bem o que quer...

Ele quer jogar? Então vamos jogar! O problema... é que ele não sabe em que território está realmente pisando... e irá o mostrar muito bem onde ele está... ninguém é palho para um Katsuki Bakugou.


































- E foi isso por hoje, não se esqueçam de fazer as pesquisas que são para amanhã, até mais alunos - Finalmente o professor sai de sala, agora só mais uma aula e enfim casa.

- Ai! Finalmemte, que aula chata do cacete- Sero fala apoiando as mãos na cabeça e colocando os pés em sua mesa.

- Bro, você reclama de todas as aulas - Diz Kirishima rindo.

- Vocês tem que seguir as brisas parsas... - Kaminare fala com a maior voz de drogado.

- Eu sei de alguem que quer seguir suas brisas e acabar indo pra sua cama - Certa puta rosada fala, a mesma é a Mina, que está com um sorriso malicioso estampado na cara.

- Q-que? - Kaminare fala meio sem graça - Você conseguiu descolar uma mina pra mim? - A anta Pikachu fala  com um sorriso estampado na cara, fazendo o sorriso de Mina se desmanchar e Kirishima abaixar os olhos.

Kirishima ama Kaminare, o problema é que o mesmo é hetero e sempre dá em cima das mulheres, por mais que não tenha sucesso nenhum com elas.

Olhou para frente, vendo um certo esverdeado que dessa vez não está mais sentado ao seu lado, e sim, ao lado de Jirou, uma menina de sua sala que as vezes sai consigo e o grupo, mas não é sempre. Kaminare tem uma queda por ela, mas tá bem na cara que a garota nunca irá o corresponder.

Olha fixamente todos os traços do esverdeado, o mesmo estava relaxado na cadeira como se estivesse em casa, mas quem se importa?

O mesmo vira a cabeça de leve o olhando de canto, ele sabe exatamente quando si está o olhando, e isso é excitante, ele sente seus camersins lhe penetrando fundo, pena, pois queria o penetrar com outra coisa e em outro lugar, olhar não é o suficiente.

Solta um sorrisinho de canto o vendo virar a cabeça para frente como se estivesse o rejeitando, pelo visto trocaram de papel?

- Hey... bro... - Kirishima lhe chama com a voz calma e um pouco baixa - Tu gosta do Midoriya? Vocês estão namorando?

Pula da cadeira indgnado com a pergunta alheia, o que diabos ele acha que está fazendo? Ele não tem nada haver com isso.

- Não se meta aonde não foi chamado - Rosna com os dentes roçando o fazendo se encolher um pouco.

- Ta bom ae bro... calma, eu só perguntei... - Revira os olhos ignorando a existência desse ser enxerido.

- Todos sentem em seus lugares, a aula irá começar - O professor Aizawa chega na sala de aula, já era hora dele chegar.

- Por mas que eu ache que você goste do Midoriya... - Kirishima fala baixo me fazendo apertar os punhos com a força do ódio.

- Cala boca Kirishima! - Rosno novamente vendo ele se encolher um pouco, mas depois se posicionar direito em seu lugar.

Enxirido do caralho. Sabe que ele é seu melhor amigo e que essas coisas são "normais", mais são totalmente desnecessárias, que absurdo é esse?

Olha de leve o esverdeado novamente, vendo ele concentrado em cada palavra que saia da boca do professor, o mesmo deve está sentindo seus carmesins o penetrando.

- Bakugou? - O professor lhe chama o fazendo perceber que a sala enteira estava o fitando, menos midoriya, que era a única pessoa que queria sentir o olhar batendo.

- Sim? - Reponde ajustando sua postura e olhando nos olhos do professor, os mesmos pareciam que nunca fecharam, pois tem orelheras enormes.

- Poderia me responder essa questão no quadro exatamente da forma em que  eu acabei de explicar? - Congela na mesma hora, olha para o quadro e fica completamente mudo. Todos os olhos estão vidrados em si, lhe fazendo preção... - Midoriya, poderia me responder?

- Claro professor, o × é igual a -380... - O professor acena com a cabeça sem falar nada.

- Está correto, parabéns - Sente as esmeraldas alheias lhe fitando com puro deboche e despreso - Bakugou, se consentre na aula por favor - E assim a aula volta ao normal.

Jogo sujo... ele quer jogar sujo? Ha! Está rindo da cara desse mero debochado, irá o colocar no lugar dele em um estante.

E lentamente o tempo vai se passando até que o sinal tocou e enfim todos os alumos se levantam com a maior pressa recolhendo seus materiais. 

[ 5:00 depois/ 17:56]

Abre os olhos lentamente, não consegue tirar a porra de um cochilo, mais que bela maravilha, grande merda.

Se senta em sua cama enquanto passa a mão na testa sentindo a sua cabeça doendo... enxaqueca do caralho.

Se levanta da cama com cuidado afim de evitar que sua enxaqueca piore, mais que droga do caralho em, tudo que quer é apagar tudo isso de sua mente.

Queria jogar o jogo dele, mais pelo visto isso vai dar mais trabalho do que imaginava...

Quem diaria que iria ver ele nu pela primeira vez de uma forma constrangedora, não só viu o pau dele mais viu o pau de um bicolor filha da puta e isso é o que mais lhe irrita

[DUAS HORAS ANTES]

- Meu filho, sera que pode me fazer um favor? - Sua mãe brota em frente da televisão lhe impedindo de continuar vendo o programa.

- O que você quer que eu faça velha? - Ela revira os olhos com o apelido que tanto odeia, mais por fim estende duas cartas, uma parece contas do banco e outra uma carta enviada por uma pessoa.

- Parece que nosso querido e novo vizinho colocou os endereços errados, será que pode entregar essas cartas para o Midoriya? - Sério? Mais que maravilha, si deve ter a maior cara de carteiro agora.

- Tá... - Pega as cartas da mão de sua mãe e pula para fora do sofá caminhando para a porta e enfim saindo de sua casa.

Novamente encara a tão famosa porta vermelha da frente, a mesma que um dia apareceu um amostrado sem camiseta em um pleno dia de nevasca.

Atravessa a pista e chega na calçada da casa a frente, a mesma que pertence a uma moita tarada.

Levanta a mão a levando até a campainha  quase a apertando, mais infelizmente a mesna está quebrada, mais que porra em.

Bate na porta alheia três vezes enquanto espera ser atendido.

Infelizmente ninguém fala nada então sem pasciensia volta a bater na porta só que com mais força dessa vez.

Novamente não obteve resposta, assim pegou na maçaneta a girando e vendo que a porta estava aberta, Okay... isso é estranho.

- Izuku? - fala entrando na casa com cuidado e fechando a porta evitando o máximo possível de fazer barulho.

Caminha pela sala, indo a cozinha e não vendo ninguem, a sala de jantar, e todos os cômodos da casa, ate chegar por fim, no quarto do esverdeado que fica no andar de cima da casa.

Assim que pega na maçaneta, a gira com cuidado abrindo a porta, o que não esperava, era um gemido alto sair do cômodo. 

- Ahhhhhhhhh... hummmmmm... ma-mais rap-rápido... haaaa... 

 Arregala os olhos o fechando na mesma hora e encostando a porta rapidamente enquanto evita fazer barulho. 

MAIS QUE PORRA FOI ESSA? MAIS QUE DESGRAÇA! SÉRIO QUE DE TODAS AS PESSOAS DO MUNDO ELE TINHA QUE ESCOLHER JUSTO UM PAVÊ ESTRAGADO?! 

Achava que avia entrado um ladrão na casa, só não esperava ver o esverdeado de quatro com Todoroki Shoto o fodendo. 







































CONTINUA....




Notas Finais


Foi isso meu povo
Eu sei que não tem muita coisa...
Mais como eu disse, to voltando aos poucos sksksksk
Enfim
Me desculpem qualquer erro
Espero que tenham gostado!
Até mais amores mio 😊❤💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...