História O Cálice do Desejo e a Divindade do Amor - III - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Afrodite de Peixes, Julian Solo, Kanon de Gêmeos, Mascára da Morte de Câncer, Miro de Escorpião, Mu de Áries, Poseidon, Saga de Gêmeos, Saori Kido (Athena), Shaka de Virgem, Sorento de Sirene
Tags Kanon X Atena, Kanon X Saori, Milo, Milo X Atena, Miro X Saori, Mu X Atena, Romance, Saga De Gêmeos X Saori, Saga X Atena, Saga X Saori, Saori X Kanon, Saori X Milo, Saori X Miro, Saori X Mu
Visualizações 82
Palavras 3.141
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Fantasia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 27 - A Auxiliar


Fanfic / Fanfiction O Cálice do Desejo e a Divindade do Amor - III - Capítulo 27 - A Auxiliar

Mansão Kido

Quarto do Casal

 

Afrodite fechou a porta do quarto e o Máscara da Morte vinha na sua direção para passar pela porta.

(Afrodite) – Aonde pensa que vai de robe?

(Máscara da Morte) – Falar com a Atena, você não disse que EU teria que pedir para ela tirar as medidas do sr chão???

(Afrodite) – Sim, eu disse, mas VOCÊ vai ficar aqui e se arrumar! Eu vou no quarto dela, ver se ela está lá, e a trago aqui!

Máscara da Morte cruzou os braços.

(Máscara da Morte) – E quem me garante que você não vai convencê-la a se recusar a aceitar o meu pedido.

Afrodite cruzou os braços.

(Afrodite) – Ao contrário de você, ela nunca me escuta!!! Então não se preocupe, não consigo convencê-la, nem se eu quisesse!

(Máscara da Morte) – Tudo bem, vou me arrumar e você traz a minha deusa, aqui!

Máscara da Morte se aproximou, abraçou o Dite e olhando nos olhos azuis-celestes deu um selinho.

(Máscara da Morte) – Me desculpe amor, mas descobri que sou muito possessivo quando o assunto é você! Te amo demais!

Afrodite sorriu.

(Afrodite) – É percebi! Está tudo bem! Eu também te amo!

Afrodite beijou docemente o marido.

(Afrodite) - A sua roupa está na poltrona, querido! Já volto!

 

Quarto Atena

Estava deitada na minha cama beijando docemente o meu lindo cavaleiro de gêmeos que me retribuía a altura com um beijo nada menos que delicioso!

(Atena) – Minha nossa, Saga...

Ele sorriu e me abraçou mais apertado.

(Saga) – É assim que você pretende me convencer a sair dessa cama???

Sorri.

(Atena) – Era para ser um beijo inocente de bom dia...

Ouvimos a porta do meu quarto abrir e fechar e o Dite ficou parado perto da porta.

(Afrodite) – Mocinha, são sete e meia! Não sei porque ainda está na cama!

Dite olhou para o Saga ao meu lado.

(Afrodite) – Ah, é por isso!

Me virei para olhar melhor para o Dite e automaticamente ficando de conchinha com o Saga.

(Atena)- Desculpe Dite, mas eu juro que fazem pelo menos meia hora que estou tentando me despedir dele!

Saga colocou a mão na minha cintura e me puxou para o seu corpo.

(Saga) – Desculpas pelo o quê??? O Dite que está nos atrapalhando!!

(Atena) – Não fala assim, amor! Eu te disse que estávamos atrasados, que tínhamos que nos levantar!!

Dite passou a mão nos cabelos.

(Afrodite) – Só um de nós está atrapalhando e garanto que não sou eu!!! Atena, por favor, preciso que se arrume, estou precisando da sua ajuda para algo importante!

Me virei para o Saga e dei um selinho nos seus lábios, me levantei da cama nua e coloquei o meu robe e me aproximei do Dite.

(Atena) – Está tudo bem?

Dite abriu a boca para me responder e ficou paralisado olhando para o meu pescoço. Coloquei a mão escondendo a marca que o Saga me deixou.

Dite tirou a minha mão.

(Afrodite) – Pelos deuses!!!!! O que é isso??? Faz ideia do quanto de maquiagem será necessária para cobrir esse roxo na sua pele branca?????

Dite olhou feio para o Saga.

(Afrodite) – Você é sem noção???? Faz ideia do que fez???

(Atena)- Dite, está tudo bem... damos um jeito!

Dite me olhou sério.

(Afrodite) – Eu te disse que não era boa ideia ir atrás desse desiquilibrado!!! Mas ainda assim você foi!!! E olha o que ele fez a você!!!!

Saga vestiu a calça e se aproximou do Dite.

(Saga) – Qual o problema Dite?? Se quiser eu deixo uma marca idêntica em você!!!

Dite olhou nos olhos do Saga.

(Afrodite) – Muito obrigado, mas dispenso! Não tenho o menor interesse!! Qual o propósito de fazer isso com ela??? Marcar território??? Deixa eu te contar uma novidade, essa marca não sai com o seu nome escrito nela!!!!

(Atena) – Por favor, vocês dois!!! Parem com essa discussão!!! Dite, em que posso te ajudar???

Dite olhou para mim.

(Afrodite)- O meu marido tem um pedido a te fazer!

(Atena)- Ele está bem??? Sabe o que ele quer me pedir???

(Afrodite) – Ele está ótimo! Agora sobre o que ele quer te pedir, é melhor você ouvir dele! Tem coisas que não dá para contar na frente do seu macho alfa e essa é uma delas!!!

Passei a mão nos cabelos.

(Atena) – Quer saber?? Vou ao banheiro me arrumar!!!

Me virei para ir ao banheiro e me lembrei de um recado importante.

(Atena) – Só para garantir, estão proibidos de se matarem!!! Com licença!!

Afrodite olhou para o Saga e cruzou os braços.

(Afrodite) – Eu sei porque fez isso com ela e achei patético.

Saga deu um passo para mais perto do Dite.

(Saga) – É mesmo??? E o que seria?

(Afrodite) – Você quer mostrar que ela tem dono, mas para um relacionamento onde você não é exclusividade, isso só mostra o quão imaturo emocionalmente você é! O ato que você fez, pode ser associado a qualquer um!!! Então é patético o seu desespero de querer marcar território!

(Saga) – Eu sempre fico na dúvida se você está com ciúmes de mim ou da Atena e o que importa, é que eu sei que fui eu quem fez a marca e ela também sabe!!!

Afrodite sorriu.

(Afrodite) – Ah, por favor! Você diz isso até a primeira pessoa associar o ato a outro! Quando isso acontecer, eu quero ver a sua calma em relação a isso!!! Ou esqueceu que ela tem uma entrevista em poucas horas e como ela estará ao lado do Julian, a entrevistadora ao notar a marca pode muito bem achar que os dois estão tendo um caso!

(Saga) – E você adoraria isso, não é, Dite??

Afrodite levantou uma sobrancelha e puxou um sorrisinho.

Saga então começou a andar em direção ao Afrodite que começou a andar para atrás.

(Afrodite) – Está atrasado para se arrumar! Não está com o seu uniforme!

(Saga) – Qual é o problema? Te incomoda me ver só de calça??

Afrodite topou as costas na porta de madeira e o Saga continuou se aproximando e parou a um palmo de distância do rosto do Afrodite e o Saga colocou a mão na porta do lado do rosto do Dite.

(Afrodite) – O que pensa que está fazendo????

(Saga) – Você não gosta de me provocar, Dite? Pensei que gostasse desse joguinho!

(Afrodite) – Não há joguinho nenhum!! E você não me provoca absolutamente nada!

Saga puxou um sorriso malicioso.

(Saga) – Eu tenho que admitir que você realmente tem um cheiro de rosas delicioso, Dite!

Afrodite colocou a mão no peitoral do Saga o afastando.

(Afrodite) – Poderia se afastar??? Você está próximo demais!!! Não sabe respeitar o espaço dos outros???

Saga segurou a mão do Afrodite e deslizou sobre o seu corpo. Afrodite tentou tirar a mão do corpo dele, mas sem sucesso.

(Afrodite) – O que pensa que está fazendo???

Saga sorriu malicioso.

(Saga) – Não era isso que você queria?? Um pretexto para tocar em mim, Dite?

(Atena) – Como estou?

Saga aproximou mais o rosto do Dite e sussurrou.

(Saga) – Que pena Dite, vamos ter que deixar essa conversa para outra ocasião.

(Afrodite) – Você só fala absurdos!

Saga se afastou do Dite e virou olhando a Atena que estava com um vestido delicado de lavanda de alcinha, de babados na altura das coxas.

(Saga) – Está linda, até demais!!! Tudo isso para ver o Mask??

Sorri.

(Afrodite) – Está lindíssima! Como sempre!

(Atena) – Obrigada aos dois!

Afrodite veio em minha direção.

(Afrodite) – Agora sobre essa marca no seu pescoço, tenho que fazer milagres!

Saga pegou a camisa e a vestiu.

(Saga) – Estou indo para o meu quarto, com licença.

Depois de muita maquiagem no pescoço e de ouvir muita reclamação do “absurdo” que o Saga fez, Dite e eu fomos para o quarto deles.

 

Quarto do Casal

Cheguei no quarto e fui recebida com um sorriso enorme do meu Sol.

(Máscara da Morte) – Minha deusa! Como está linda nesse vestido!

Ele estava lindo vestido de uniforme preto, vindo na minha direção me abraçou apertado.

(Máscara da Morte) - Amo o seu cheiro!

Sorri.

(Atena) – Obrigada! Você também tem um cheiro maravilhoso!

Ele sorriu e olhou nos meus olhos.

(Máscara da Morte) – Obrigado! Você é a melhor deusa de todas!

Deslizei a mão pelo seu rosto.

(Atena) – Em que posso ajudá-lo Sol?

Ele respirou fundo.

(Máscara da Morte) – Bom, você sabe que eu a amo, não é?

Confirmei que sim com a cabeça.

(Atena) – Também o amo.

(Máscara da Morte) – Eu preciso que você salve o meu casamento!

(Afrodite) – Ah! Pelos deuses!!! Que drama!!!

(Máscara da Morte) – Dite, amor, você não tem noção do perigo, então deixe-me continuar!

(Atena) – Pelos deuses, o que está acontecendo com vocês?

(Máscara da Morte) – Estão tentando separar esses dois corações que se amam! E preciso que você impeça isso!!!

Eu já estava aflita!

(Atena) – Mask, está me deixando nervosa! Quem quer separar vocês?

(Máscara da Morte) – O senhor chão!

(Atena) – O Julian???

(Máscara da Morte) – Sim, ele veio aqui, agora a pouco, e pediu para registrar o Dite, quer que ele o vista e para piorar pediu para que o MEU marido tirasse as medidas do corpo dele!!! Preciso que você tire as medidas do seu convidado! Não deixe o Dite tocar nele!!!! Por favor!!

Minha nossa! Tirar as medidas do Julian!!!

(Atena) – Mask, acho que não é adequado que eu faça isso... além do mais o Dite é o mais indicado para isso!

(Máscara da Morte) – Minha deusa, lembra-se de quando tirou as nossas medidas? Isso é algo muito próximo!

(Atena) – Sim, eu me lembro...

(Máscara da Morte) - Eu sentia o seu cheiro de rosas e morango o tempo inteiro que tirava as minhas medidas...

Mask pegou as minhas mãos.

(Máscara da Morte) – Sentia sua mão macia na minha pele... percebe??? O Dite não vai tocar nesse cara!!! Ele vai se apaixonar pelo meu marido!!!! Impeça isso!!! Por mim.

Olhei para o Dite que estava de braços cruzados e uma sobrancelha levantada.

(Afrodite) – Não olhe para mim, é você que o mima e não eu!

Mask encostou a sua a testa na minha.

(Máscara da Morte) – Por favor, me impeça de matar o seu convidado! Estou morrendo de ciúmes do Dite! Não vê o quão lindo o meu marido é? Qual a chance dele não se apaixonar pelo Dite???

Mask pegou a minha mão e colocou no seu coração.

(Máscara da Morte) – Acalme o meu coração! Se você me ama, como eu te amo, faça esse sacrifício por mim! Eu te imploro!

Respirei fundo e olhei nos olhos azuis escuros dele.

(Atena) – Tudo bem, sol! Eu tiro as medidas do Julian!

Mask me apertou em seus braços.

(Máscara da Morte) – Eu não te mereço minha deusa!!!! Obrigado!!!!

(Atena) – Só você para fazer isso comigo, Sol!

(Máscara da Morte) – Eu te amo!

(Atena)- Eu também te amo!

(Afrodite) – Quero saber é da novidade disso!!! Então mocinha, vamos? O Julian está no quarto nos esperando!

Dite pegou as coisas necessárias e a duas portas de distância era o quarto do Julian.

(Atena) – Dite, não me julgue! O Mask está morrendo de ciúmes! Não se pode ouvir tudo aquilo e ficar indiferente!!! E além do mais, tirei doze medidas masculinas, é só mais uma na minha lista!

 

Quarto do Julian

Dite bateu na porta do quarto do Julian e ouvimos um “pode entrar”. Dite sinalizou que eu fosse primeiro, abri a porta, entrei e me deparei com o Julian enxugando os cabelos azuis, sem camisa, de calça preta colada de montaria... deixando a amostra toda a beleza do seu corpo definido, o peitoral largo, a barriga cheio de gominhos, as pernas longas e definidas, os braços também definidos e ... os meus olhos se encontraram com os olhos azuis claros dele e ele puxou um sorriso.

Desviei o olhar na hora! Pega em flagrante!

(Julian) – Saori??? Me desculpe pelas vestimentas inadequadas, mas o Dite iria tirar as minhas medidas e eu não sabia que ele a traria junto!

Me recompus e tentei olhar somente nos seus olhos.

(Atena) – Eu que peço desculpas, Julian! Não anunciei a minha chegada.

Passei a mão nos cabelos.

(Atena) - Se não se importar, eu tirarei as suas medidas.

Julian ficou surpreso e puxou um sorriso.

(Julian) – Tenho que confessar que por essa eu não esperava!

Julian me olhou por completo e ainda com um sorriso puxado disse.

(Julian) - Eu não me importo, de forma alguma! Me desculpe a curiosidade, Saori, mas é algo que já tenha feito?

(Atena)- Sim, eu tirei as medidas dos meus cavaleiros para confecção do novo uniforme.

Julian puxou um sorriso.

(Julian) – Não paro de me surpreender com você, Saori! Se me derem licença por um instante...

Julian foi a suíte.

Olhei para o Dite que me olhava com um sorriso puxado. Falei baixinho.

(Atena) – Por que está rindo?

(Afrodite)- Você o estava devorando com os olhos! Mas não a culpo, ele tem um corpo lindíssimo!

(Atena) – E eu pensando que ia ser fácil...

Julian voltou para o quarto com os cabelos penteados, olhou para mim e sorriu.

(Julian) – Quando quiser, Saori!

Ceeertooo! Hora do trabalho!

Dite se sentou na poltrona do quarto, abriu o seu caderno e segurava a caneta. Peguei a fita métrica e andei na direção do Julian, que me olhava caminhar para mais perto dele. Ao ficarmos de frente um para o outro, perto o suficiente para sentir o seu cheiro de flor de narciso e lírios. Olhei nos seus olhos azuis-claros. Ele puxou um sorriso.

(Julian) – Está magnífica nesse vestido, Saori!

Sorri sem jeito e desviei o olhar, estávamos perto demais.

(Atena) – Obrigada, Julian!

(Julian) – Eu disse a você que com o tempo me acostumaria a sua beleza, mas creio que isso não será possível!

Ele scaneou todo o meu rosto.

(Julian) – A cada dia, está mais bela!

Minha nossa! Tenho certeza que corei! E ele percebeu isso, porque passou o polegar na minha maçã do rosto.

Respirei fundo.

Julian puxou um sorriso e tirou a sua mão do meu rosto.

(Julian) – Me desculpe se a deixei sem jeito... vou deixá-la prosseguir com o que deve fazer.

Julian não parava de me olhar. Me concentrei no que tinha que fazer. Comecei pelo pescoço, fiquei na ponta dos pés, e colocando a fita em uma mão para pegar com a outra, deslizei a fita pelo seu pescoço.

(Julian) – Deixa eu te ajudar.

Julian se inclinou ficando com o seu rosto a um dedo do meu. Minha respiração acelerou e corei na hora, com tamanha aproximação. Ele me olhou direto nos lábios e a sua voz saiu arrastada.

(Julian) – Ficou melhor?

Minha nossa! Minha voz mal saiu.

(Atena) – O quê?

Ele puxou um sorriso.

(Julian) – Eu perguntei se ficou melhor para ver a numeração da fita.

Pisquei várias vezes para voltar a me concentrar.

(Atena) – Ah, sim, claro, ficou sim! Obrigada!

Olhei a numeração da fita e disse ao Dite. Tirei a fita do seu pescoço e ele ainda com um sorriso no rosto, voltou a ficar ereto. Eu precisa terminar logo isso, fui para as medidas mais fáceis, tirei as medidas do braço e do punho. Fui para as medidas das costas, Julian tirou os longos cabelos azuis para que eu tivesse o espaço livre nas costas, olhei a medida na fita e repassei para o Dite.

Respirei fundo.

Ainda me restavam tirar as medidas do tórax, cintura, quadril, pernas e o tal do gancho.

“(Atena) – Dite, faz ideia do quão difícil está sendo isso???”

“(Afrodite) – É eu sei, você está com as bochechas rosadas! Você disse para o seu sol que faria, então mocinha, agora termine isso!”

Me concentrei e fui para a frente do Julian, ele colocou os cabelos novamente para atrás. Eu iria tirar as medidas do tórax.

Coloquei a fita no seu peitoral e a deslizei de ponta a ponta, olhei a numeração e a repassei. Julian pegou a minha mão e levou ao seu rosto quente.

(Julian) – Está com as mãos frias! Está nervosa, por tirar as minhas medidas?

(Atena) – Acho que sim, me desculpe.

Julian sorriu.

(Julian) – Não me peça desculpas, é normal, nunca ficamos tão próximos como agora...

Sorri sem jeito.

(Atena) – Sim, acho que é isso...

Julian beijou a minha mão.

(Julian) – Está se saindo bem, continue!

Respirei fundo.

Fui medir sua cintura e como imaginei tive que encostar meu rosto no seu corpo para alcançar a fita de uma mão para a outra, e senti seu cheiro direto da sua pele, esse cheiro ao longe de lírios que tinha na sua pele, não tinha como não me lembrar do Mu. Senti a sua pele se arrepiar. Alcancei a fita e a trouxe para a frente, olhei a numeração e a repassei. Olhei para ele que me olhava de volta.

(Atena) – Me desculpe se a minha pele está gelada.

Julian puxou um sorriso.

(Julian) – Não me arrepiei pela sua temperatura corporal, e sim pela o toque da sua pele na minha, senti sua respiração em mim.

Disse para mim mesma: “Só termine logo isso!!!”

Fiz o mesmo processo para tirar as medidas do quadril e nesse caso não dava para ignorar o volume na frente da calça. Olhei rapidamente a numeração e passei para o Dite.

Não olhei para o Julian. Me abaixei, para tirar a medida da perna e passei a numeração. E agora só faltava o gancho e eu poderia sair desse quarto!

Ainda abaixada me levantei e fiquei de frente para ele.

(Atena) – Com licença.

(Julian) – Tem toda!

Colocando a fita na frente, onde eu tentava ignorar a sua ereção, eu tinha que pegar a fita do outro lado, passei a fita por entre as pernas, e a peguei por trás. Puxei a fita e olhei a medida e passei a numeração.

Respirei fundo, missão cumprida.

(Atena) – Vai precisar de mais alguma coisa, Dite?

(Afrodite) – Não, obrigado! Agora irei auxiliá-lo na roupa para a entrevista.

(Atena) – Nesse caso, se me derem licença...

Julian ainda com um sorriso puxado me disse.

(Julian) – Eu a acompanho até a porta.

Julian pegou uma camiseta social, que estava na poltrona e a colocou. Me levando a até a porta, ele a abriu e eu passei saindo do seu quarto, me virei ficando de frente para ele. Julian parou na porta terminando de abotoar os últimos botões.

(Julian) – Obrigado, por ter resolvido ajudar o Dite!

Sorri sem jeito.

(Atena) – De nada, que bom que pude ajudar!

(Julian) – Não faz ideia do quanto!

Julian colocou a mão na minha nuca e aproximando o seu rosto do meu, beijou a minha bochecha pegando um pedaço da minha boca. Eu estava paralisada!

(Julian) – Obrigado mais uma vez!

Julian desviou o seu olhar do meu e olhou além de mim e puxou um sorriso, deu as costas, entrou para o quarto e fechou a porta. Ainda tentando entender o acontecido, me virei para o corredor e vi meu cavaleiro parado perto da escada me olhando com a expressão seríssima! E falou entre os dentes!

(Saga) – Que porra foi essa????

 


Notas Finais


Continua...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...