História O Casino Safira - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Zootopia - Essa Cidade é o Bicho
Personagens Benjamin Garramansa, Bogo, Judy Hopps, Nick Wilde, Personagens Originais
Tags Judyhopps, Judyxnick, Nickwilde, Zootopia
Visualizações 127
Palavras 1.364
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Festa, Fluffy, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu não vou parar de escrever a história: "Um Amor Complicado entre as Espécies" de forma alguma.
Simplesmente, está ideia à muitos dias que anda a batalhar na minha cabeça, e senão a tirasse da minha mente, não conseguiria continuar a outra história. Esta aventura não será muito longa. Espero no Máximo 5 ou 10 Capítulos, mas ainda não sei.

Qualquer das formas, eu quis partilhar convosco.
Aceito sugestões e críticas.

Kissus ~~

Capítulo 1 - O Casino Safira - Parte Um


As luzes dos candeeiros das ruas iluminavam cada recanto da avenida Royal. Uma avenida famosa por ter diversos casinos, bares, espectáculos de rua e muito mais diversão, para que todos os mamíferos se pudessem divertir em férias ou simplesmente, após um dia de stress no trabalho. Há dois dias que Judy rondava aquela avenida. O porquê disso? Num casino específico supunha-se que os jogos eram ilegais. Eram feitos grandes desvios de dinheiros. Para além disso, várias fêmeas foram encontradas quase inconscientes depois de frequentarem esse casino. Por diversas vezes, as queixas eram derivadas ao dinheiro, mas nos últimos dias, essas queixas sobre esse casino eram mais indicadas para as pobres fêmeas que lá iam e saiam de lá alteradas. Drogas, suponha-se, eram colocadas nas bebidas sem elas darem contas. Dessas drogas, o resultado seria uma fêmea “nas nuvens”. O sexo também estava bem presente nesse estabelecimento, apesar de não o ser permitido.

“E o chefe quer que uma coelha investigue o casino.” Judy falou para si, suspirando fundo.

Na sua mente, lembrou o porquê de ela ter ficado responsável do caso. E se visse o Nick, acabava por o matar. Vários cenários passaram-lhe pela cabeça de como poderia torturar aquela raposa idiota, mas nenhuma era o suficientemente mau. Queria uma tortura bem grande até que ouvisse sair dos lábios dele, um pedido de desculpas MUITO arrependido.

               Dois dias antes, o turno tinha terminado sem problema para eles. Ao estacionarem o carro no parque, eles saíram e entraram no departamento como o habitual. Fora do habitual foi a voz de Bogo gritar pelo nome deles num tom furioso. Um simples gesto, e eles estavam a subir as escadas até ao escritório do búfalo.

“O que foi desta vez?” disse Nick, encarando a sua parceira tão confusa como ele.

Quando alcançaram a porta do escritório, Judy bateu. A voz do outro lado, deu-lhes permissão para entrarem. Assim o fizeram, fecharam a porta, e permaneceram inertes em frente de uma mesa grotesca e um búfalo zangado.

“Quero explicações!”

Duas sobrancelhas na testa de Judy elevaram-se em confusão.

“Que explicações?” ela pediu explicações.

“O que é que vocês têm na vossa cabeça ultimamente?” um molho de folhos grossos, caíram sobre a mesa, furiosamente. Judy aproximou-se e subiu na cadeira à sua frente. Quando leu as letras grandes pretas, as suas sobrancelhas arquearam-se. Virando-se no acento, encarou Nick furiosa.

“O que é?” ele encolheu os ombros.

“Aqui o senhor pinga-amor decidiu andar a brincar.” Bogo sentou-se na cadeira e cruzou os dedos das suas patas.

“Nick, não podes ficar uma semana com o carro e dá nisto.”

“Podem, por favor, explicar-me o que eu fiz?”

Judy voltou a se virar, pegou nos papeis, e saltou para o chão aproximando-se dele.

“Toma, lê bem e PAGA!” a sua voz estava furiosa.

Os olhos verde-esmeralda, percorriam as letras pequenas no papel.

“Só podem estar a brincar.” Ele manegou dizer. “Eu não…”

“Multas por excesso de velocidade. Multas por estacionamentos no sítio para deficientes. Várias multas por expiração do bilhete do parque e…oh, queijos e bolachas, BÊBADO?” Judy passou-se. “Nunca mais te empresto o carro.” Uma pata furiosa, retirou os papeis das patas da raposa, voltando a entrega-las ao chefe.

“Ora, não foram assim tantas?” o pânico apoderou-se dele. Não pelo o facto que teria de pagar, fazer serviço comunitário e/ou receber um dos casos mais complicados, mas sim pela pequena coelha furiosa na sua frente.

“Não me dirijas a palavras, Nick.” Ela cruzou os braços.

“Pois bem, senhor Wilde. Uma semana dispensado. Mais uma semana de serviço comunitário e um caso bem complicado que tenho comigo.” Bogo levou uma das suas patas a uma gaveta ao seu lado e retirou duas pastas castanhas. Os papeis com as informações toda, estariam ali dentro. “Tirando também que terás de pagar as multas.”

Raios! Nick pensou para si. Ficar sem Judy durante essa semana, levou-o a fazer loucuras e…oh pelos deuses, que estupidez enorme. Tudo por falta da sua companheira e por ela ter desaparecido de repente para BunnyBorrow. Aquilo tinha-o deixado furioso num certo sentido e tresloucado num outro sentido.

“Mas não te preocupes, Wilde. Terás companhia.” A voz de Bogo interrompeu os seus pensamentos.

“Como assim?” Judy encarou o chefe.

“Não é inteiramente culpa dele. Também é tua.”

“O quê?” o seu pé batia agora com força no chão.

“Desapareceste uma semana sem explicações.” Bogo arqueou-lhe uma sobrancelha.

“Mas Chefe, isso foi um erro que me desculpei logo. As coisas aconteceram muito…”

“Seja qual a razão o for, deverias ter dado alguma explicação. Segundo, nunca te autorizei a emprestares o carro ao teu parceiro, quando ele, mesmo sendo agora da policia, ainda não tem direito de voltar a conduzir pelo seu passado pouco apropriado.” Uns olhos pretos encararam a raposa furiosos. Nick revirou os olhos. “Portanto, ficaram com o caso do Casino Safira.”

Judy levou uma pata à cara. Logo o caso que ela menos queria. Não é que ela não gostasse deste tipo de casos, mas a fama daquele casino era enorme e, apesar de inteligente, era boa perdedora de dinheiro. Tirando o outro facto que seria deportada para o Canal district.

Bogo levantou-se da cadeira, pegou nas pastas e entregou a ambos.

“Levem o tempo que precisarem. A vossa hospedagem será paga pelo departamento. Ficaram num hotel nas redondezas. Só vos quero aqui quando tiverem o caso resolvido. Dispensados.” Bogo virou-lhe costas, mandando-os sair, e voltou-se a sentar na cadeira, prendendo a sua atenção no computador na sua frente.

               As duas primeiras semanas em que Nick esteve ausente, Judy aproveitou para descansar. A primeira semana, custou-lhe habituar-se à falta do seu parceiro nas suas rondas diárias. Na segunda semana, já estava um pouco mais acostumada. Nos últimos dois dias antes de irem para o Canal District, Judy aproveitou e comprou algumas roupas mais formais, nomeadamente, vestidos para poder entrar no casino. Após cumprir tudo e pagar as multas, Nick e Judy seguiram caminho para o Canal District.

               Dois dias lá e Nick já tinha feito das suas. Quando chegaram, depois de três horas longas de caminho, estacionaram em frente do hotel que Bogo lhes tinha indicado. Mais uma vez, os nomes deles tiveram de ser disfarçados, tendo Nick ficado como Mark e Judy como Jasmine. Após o check in no hotel, foram até ao quarto. Ao abrirem da porta, Judy agradeceu pelo o chefe ter escolhido um quarto com duas camas e não só uma. Uma mala pesada, foi pousada na cama perto da grande janela.

“E que tal nos irmos divertir?” ele sugeriu, pousando a sua pequena mala de viagem no chão ao pé de uma das cadeiras junto da parede.

“Vai tu. Quero descansar um pouco.” Ela respondeu, sentando-se na cama e deixando-se cair de costas no colchão macio.

“Como queiras.” Ele encolheu os ombros. “Eu vou aproveitar e experimentar do que melhor tem o bar.”

“Não bebas demasiado, por favor.”

“Ora, que disparate, Cenouras. Sabes que eu me controlo.” Um sorriso trocista reapareceu nos seus lábios e depois desviou-se, pegou nas chaves, e virando costas a uma coelha cansada, saiu porta fora.

“Sim, claro.” Ela disse para o ar, caindo no sono.

               Mais tarde nesse dia, Judy foi acordada com um bater na porta. Os seus olhos abriram vagarosamente. Um ‘já vou’ saiu um sussurro rouco. Endireitou-se e dirigiu-se à porta, bocejando durante o trajeto. Uma das suas patas foi colocada na maçaneta, a outra esfregou um dos seus olhos. Abriu a porta.

“Senhora Jasmine?” a voz era feminina.

Judy encarou-a. Era uma raposa toda ela branca de olhos avermelhados. No seu corpo bem delineado, a farda do hotel denunciava que ela seria uma das rececionistas. Nos seus braços, vinha um Nick desajeitado, super bêbado.

“Desculpe interrompe-la, mas o seu companheiro…”

Judy revirou os olhos.  Abriu a porta por completo, avançou até à Vixen e abriu os braços para receber um corpo morto com cheiro a álcool.

“Obrigado.” Ela manegou dizer, e com sacrifício, fechou a porta e arrastou a raposa até à cama dele, deitando-o. “Que idiota!” ela disse para si, pois Nick dormia profundamente.

Judy desviou-se, e deixando uma raposa a roncar atrás de si, voltou a se deitar e a cair no sono.

Continua...


Notas Finais


Enjoy **


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...